Nitro: As Pegadas do Herói Brasileira

Autor(a): Lucas Aguiar Ferreira


Volume 1 – Arco 1

Capitulo 4: Perseguição! (Preliminar)

 

 

Luna estava pronta para ir para a escola; vestida com um colete preto, sobre a blusa branca, e uma saia bege, acompanhada de meias e tênis brancos; a jovem tranca a porta de sua casa, que mais parecia o portão de um cofre.

Com sua mochila preta nas costas, ela saltava e cantarolava, cheia de felicidade.

—O meu tio Ruivo é muito bonito, ele me salva do perigo, e gosta muito de mim!🎵

A sua canção foi interrompida quando viu mais de vinte viaturas da polícia, próximo a sua casa, e vários corpos de criaturas bípedes, com rostos de peixes, baratas e cachorros.

 O cheiro de carne apodrecida era tão insuportável que os peritos estavam de máscaras e luvas.

 A lunariana, com anseia de vomito, apressa os seus passos para sair do lugar.

Logo o terror daquela noite lhe veio a memória, e o pânico, novamente, consumiu o seu coração.

— Eu preciso chegar na escola!

A jovem estufou os olhos quando escutou um som semelhante a risada de uma hiena. Correndo, desesperadamente, A jovem consegue chegar na escola, ao mesmo tempo que seus amigos.

— Bom dia, Luna! — cumprimentou Dante, muito feliz.

Ignorando o cumprimento do amigo, a lunariana sobe as escadas, e entra na escola. Chateado, Dante perguntou para Dingo.

— Eu sinto que a Luna está estranha!

— Estranha ela sempre foi!

— É, mas dessa vez ela me parecia muito assustada!

— Vai ver que viu o seu reflexo no espelho!

— Pelo menos ela alcança o espelho! — corte rápido —Dante caminha até as escadas, e subindo, entra na escola.

Dingo chocado com a grosseria do amigo, ficou sem palavras.

— Vai ficar aí ou vai escalar as escadas para entrar? — zoou Dante mais uma vez.

— Esse ruivo, infeliz, tá muito engraçadinho! Se ele não fosse o meu amigo eu quebrava a cara dele!

Dingo subiu as escadas, e ao chegar na porta de entrada, o jovem ruivo estava de braços cruzados, perguntando:

— O que foi que tu disse?

— Eu disse que tu é o meu melhor amigo, que nunca me bateu!

Os dois entram na escola, sem saber que no teto, o marciano adulto, encapuzado, os observava.

— A vida é como um paradoxo sem fim! — falou o homem, de braços cruzados, com um sorriso forçado.

                                                            (...)

Na sala de aula, a professora estava muito contente porque todos os alunos chegaram cedo.

— Muito bem, é assim que deve ser! Peguem os livros e comessem a estudar!

Dante, com a mão na testa, se lembrou que saiu tão rápido de casa que se esqueceu de levar a mochila.

Logo o desespero de ter esquecido a mochila vai embora quando viu Luna sentada nas últimas carteiras, e percebeu que a jovem realmente estava com problemas

— Luna, senta aqui com a gente!

— Não, Dante. Hoje eu quero ficar um pouco isolada!

— Minha nossa, A menina mais fofoqueira do colégio quer ficar isolada? O que foi que aconteceu? A professora Spartane te deu uns tapas na surdina?

— Olha, seu anão intrometido! Me deixa em paz!

A professora Spartane, acreditou que Luna queria focar mais em seus estudos e ficou muito contente.

— Isso mesmo, Luna! A aula não é lugar para fofocas! Todos estão aqui para estudar!

Dante não acreditou nessa história dela se isolar para prestar atenção na aula; Alguma coisa perigosa podia estar acontecendo com ela.

A professora ficou em pé, e caminhou até a porta.

— Quero apresentar a nova aluna!

Uma jovem de cabelos verdes — Pixie cut —  olhos vermelhos entrou pela porta. Ela era muito baixinha, mas o seu corpo era completamente definido.

Com sua fala fina ela se apresenta.

— Olá, colegas! Eu sou Jade Angelis, tenho 14 anos, e vou estudar com vocês, a partir de hoje!

Dingo dá um soco no braço de Dante que ficou muito irritado.

— Qual é a tua? Anão verde! Quer ir pra “cidade do pé junto”?

— É a Jade Deusa!

— Jade Deusa? De onde você tirou esse nome?

— Parece que quem é de Marte é tu! Ela é a campeã, invicta, do torneio de artes marciais. E com catorze anos, ela já acumula quatro cinturões de campeã!

— Nossa, você sabe muita coisa dela!

— Claro, eu sou o fã número um!

— Deixa de ser lolicon! Nos temos dezesseis anos, ela é praticamente uma criança!

— Lolicon, criança? — Jade bate os punhos — Acho que encontrei o primeiro engraçadinho que quer morrer!

Dingo se desespera por ter irritado a sua ídolo conhecida por quebrar os dentes de muitos valentões. Dante faz pouco caso da ira da campeã.

— Deixa de birra, garota! Senta logo nessa cadeira! Continuar em pé não vai te fazer mais alta!

Todos pensaram que esse seria o momento que a Jade ia partir pra cima do Dante; mas a garota começa a rir, e com muita arrogância o responde.

— Em todo o lugar é assim! Sempre tem um João ninguém querendo chamar atenção das celebridades.

Todos olharam para Dante nessa hora; o jovem se levantou da carteira muito ofendido com as palavras da garota.

— Eu não me importo de chutar o traseiro de uma adolescente enjoada!

— E eu não me importo de autografar a cara de um João, ninguém com um soco.

— Tá legal, já chega! — interferiu Spartane. — Nada de chutar ou carimbar ninguém, na minha sala! Sentem-se imediatamente!

A professora colocou a carteira da novata ao lado do seu birô, e todos ficaram confusos com essa atitude, inclusive Jade.

— Spartane, por que colocou minha carteira próxima ao seu birô?

— Recomendação do seu papai! E não me chame pelo nome! Na sala de aula eu sou professora ou S.r Spartane!

Jade se sentou, e a professora deu início a sua aula.

O sinal tocou, e a aula havia terminado. Luna saiu de fininho, e seus amigos não perceberam, graças à chegada da ilustre, Jade Angelis.

A lunariana, com muito medo em seu semblante, caminhava em direção a sua casa com – passos largos — até ouvir uma risada diabólica.

— Kia, kia, kia, kia, kia, kia, kia.

Em pânico, a jovem começa a correr; até a mochila ela deixou cair no chão. Entrando em um beco escuro, ela pretendia se esconder da criatura, mas...

— Que sorte! Não é todo o dia que a caça vem correndo até o caçador!

A sombra de uma criatura, agarra a garota, que começou a se debater, na esperança de escapar da inevitável morte.

                                                          (...)

A limusine da lutadora estaciona na frente da escola.

Dois seguranças saíram dela, formando um corredor de frente a última porta.

A garota, despreocupada, caminhava em direção ao automóvel, e Dante espumava de ódio, com muita vontade de arranjar uma briga.

A lutadora Mirim entrou na limusine e foi embora. Dingo, distraído, se desespera quando vê às horas no relógio.

— Meu Deus, eu precisava chegar mais cedo hoje, pois vou cuidar da minha irmãzinha! Dante eu preciso ir, adeus!

Dingo teletransporta, e Dante ficou com a mão direita estendida.

— Espera, eu também vou!

Dante saiu do colégio resmungando a atitude egoísta do amigo.

— Maciano cretino! Não custava nada me levar também! Na próxima vez que quiserem jogar ele em cima dos trilhos, eu ainda dou uma ajuda!

Dante caminhava em direção a estação, e avista uma mochila no chão.

— Parece a mochila da Luna! Será que ela precisou ir ao banheiro, e no desespero deixou a bolsa cair?

De repente, ele escutou os gemidos desesperados de alguém. No mesmo instante, ele se lembrou do comportamento da amiga, Luna, e vendo sua mochila jogada no chão, não tinha dúvidas que ela corria perigo.

Correndo pelas ruas, da cidade Central, o jovem procurava pela amiga, perseguindo os gemidos. E chegando em um beco escuro, ele avistou a amiga sendo estrangulada por um monstro medonho.

Ele tinha o rosto e as asas de barata, com braços e pernas de um ser humano. O seu corpo era coberto por uma couraça marrom que lhe servia de armadura.

— Larga a minha amiga, seu cara de barata! Se não eu vou te esmagar com os meus sapatos.

— Vocês humanos são todos egoístas! Nós matavam por comer lixo, e se vangloriavam por esmagar nossas cabeças. Mas o jogo virou! E se você não me deixar comer em paz, vou esmagar a sua cabeça!

Com muita dificuldade de falar, Luna súplica.

— foge...Dante!

— Por acaso você não me conhece, Luna? Em toda a minha vida eu nunca fugi de nenhum adversário, mesmo sendo mais forte que eu! E se essa barata é mais forte que eu, agora mesmo vou superar os meus limites.

Com muita velocidade, Dante avançou contra o monstro, lhe desferindo um soco com o punho direito, fazendo-o largar Luna, e o arremessando, violentamente, contra a parede avermelhada.

Depois que o monstro largou o seu pescoço, Luna deu um suspiro, e seus olhos lacrimejavam, não conseguindo controlar a tosse.

Estando muito fraca, a lunariana desmaia, deixando sua vida nas mãos do seu amigo Dante, que se desesperou.

— Luna, acorda Luna! Você não pode morrer!

De repente, Dante sentia uma angústia assustadora que o faz vomitar sangue. Os seus braços e pernas estavam pesados como rocha, e a sua visão ficou turva.

— Kia, kia,kia, kia, kia, kia, kia...Isso é o melhor que pode fazer, humano?

O baratão não sofreu nenhum arranhão, com o ataque de Dante; e liberando sua aura roxa, ele feria o jovem sem o tocar.

— O mundo dá muitas voltas! Antes, vocês nos esmagavam por ser apenas um inseto, e agora vocês que serão esmagados.

                                                          (...)

Dingo estava dentro do metrô, mas ainda faltava muito para chegar na estação.

— Porcaria! Minha mãe vai me bater de cinto se eu não chegar à tempo!

 Usando seu teletrasporte, mais uma vez, ele surge na estação, e bem na frente dos malandros.

— Ora, quem vemos aqui! O marciano vacilão! E parece que o seu guardião não veio junto! O que vamos fazer?

— Vamos fazer uma festa! Vocês pagam tudo, e eu como! — falou Dingo.

De repente, meia dúzia de bandidos, de toca, com tatuagens de palhaço no braço, se aproximam do marciano, armados com canivetes, porretes e facões.

— Não, vamos realizar um velório!

Dando um passo para trás, Dingo diz:

— Mais falta o corpo!

— Não se preocupe, vamos arranjar um agora!

Vendo o vacilo que cometeu, o marciano levou a mão a cabeça.

— Puxa, eu devia ter trazido o Dante!

Dingo correu, desesperadamente, e os bandidos correram atrás dele, com facas e porretes nas mãos.

Enquanto isso, o marciano adulto, em cima do teto da estação, rangia os dentes, com muito ódio.

— Como se atreve a fugir de seres humanos, seu pivete! Vou ter que demonstrar a você como um marciano autêntico deve agir.

O marciano desapareceu, como se tivesse tele-tansportado.

Dingo entrou em um beco sem saída, e os bandidos caminhavam em sua direção, para o espancar.

De repente, O marciano adulto, que observava Dingo, cai em pé no meio deles, deixando todos assustados. Sem dizer uma palavra, o  marciano se aproximou dos bandidos, com o semblante fechado.

Um dos bandido, que estava armado com uma faca, se aproximou.

— Sai daqui tartaruga, esse não é teu programa!

— Fiquem longe dele! — gritou Dingo.

— Ah, então você conhece esse vacilão? Agora vai apanhar você e ele!

— Você não entendeu...

O marciano adulto esmaga a cabeça do bandido usando apenas uma mão.

— Saiam daqui, logo! — gritou Dingo, desesperado.

Os bandidos que estavam paralisados, se viram para correr, mas, o marciano adulto estava diante deles.

— O mundo é para os fortes!

Um dos bandidos acerta o porrete no crânio do marciano, mas ele nem se arranhou.

— Muito fraco!

O marciano acerta um soco em seu peito, fazendo todo o seu torso explodir.

— Humanos são frágeis, que até me canso de matar!

Balançando o braço direito, o marciano decepa o crânio dos quatro restantes.

Os malandros que importunaram a vida de Dingo, anteriormente, estavam de joelhos no chão, implorando pela vida.

— Por favor, poupe nossas vidas!

— O senhor não precisa matar eles! — falou Dingo, com o semblante serio.

Apontando a palma da sua mão esquerda, contra eles, o marciano sorri.

— Vocês queriam realizar um velório mais precisavam de um corpo, não é? Eis os corpos que vocês precisavam — apontou o marciano para os bandidos mortos.

Estufando os olhos, em direção deles, o marciano adverte:

— Mudem de vida, ou da próxima vez eu devorarei a alma de vocês!

Desesperados, eles correm do local, sem olhar para trás.

Caminhando em direção de Dingo, o marciano estava com o semblante fechado.

— O senhor não vai me matar, não é?

— Será mesmo!— Falou o marciano estufando os olhos.

O marciano adulto deu as costas, e caminhou para frente.

— Para onde o senhor vai? Minha irmã chora todas as noites pela a sua ausência!

— É melhor que ela se acostume assim! Tome cuidado, Dingo! Na próxima vez eu posso aparecer pra te matar!

O marciano adulto desapareceu, e Dingo ficou sentado no chão olhando para os corpos dos humanos.

— Não somos diferentes dos humanos, majestade!

 

 

 

 

 

 

 

 

 



Comentários