Volume 1 – Arco 3

Capítulo 24: Alarme de Emergência

Após a reunião com Emma e Cristina, a governante e a vice governante de Fortune Diamond. O grupo de sentinelas liderado pela Tenente Mília, se instalaram num prédio no centro da grande metrópole, como forma de respeito os meninos e as meninas foram postos em quartos separados.

No dia seguinte após chegarem ao local da missão, bem cedo, Mília acordou os garotos, lá pelas seis e meia da manhã, o sol não havia nascido ainda e algum reclamaram, mas os que mais se irritaram foram Dusk e Kevin, que não gostaram do horário.

— Parem de reclamar e levantem de uma vez. Quero todo mundo pronto e cheio de energias às oito da manhã! — ordenou Mília em um tom autoritário e firme para com eles.

No refeitório do prédio onde eles se hospedaram, não estava cheio, pois os outros hóspedes que não precisam seguir regras dos superiores, ainda não haviam acordado e só estavam lá Dusk, Gwen, Olivier que fazia parte do esquadrão dois.

— Por que só os garotos, que temos que acordar cedo? Ainda estou morrendo de sono; sinto que daqui a pouco vou dormir em cima da mesa — reclamou Dusk com a voz meio sonolenta e lutando para não fechar os olhos.

— Qual é o problema com isso? É ótimo acordar cedo, especialmente quando o sol ainda não saiu, pois pode aproveitar sempre a boa cena que ele propõe... aproveitando Dusk, aqui vai uma dica: quando quiser impressionar uma garota, seja qual for, leve-a para ver o nascer do sol. Não necessariamente precisa fazer isso com uma garota, pois qualquer pessoa fica impressionada com isso e esquece dos problemas por um instante.

— Hum?!! Boa! Boa! Vou anotar! — disse Dusk, tirando um livrinho de notas e uma caneta do bolso da calça.

Quando ele terminou de fazer essa anotação rápida, ele ouviu um som familiar de algo cortando o ar com força e brutalidade. Virando-se para a origem do ruído, viu duas figuras, Bennet Pardian e Kevin Dramus, ambos com suas espadas em mãos em um canto isolado da cantina balançavam suas armas com precisão. Embora fosse apenas um treino, os dois pareciam mega apanhados e focados no exercício.

— Eles não são normais? É cedo, mas já estão cheios de energia. — comentou Dusk — Pó queria ter a mesma energia que eles. Se eu tivesse o mesmo ânimo que eles, seria facilmente mais forte que sou hoje.

— Não sente vergonha de dizer isso, cara de pau? — criticou Gwen no mesmo instante. — Se parasse de ser preguiçoso e empenhando do mesmo jeito que reclama, tanto na magia e na esgrima, você seria facilmente um sentinela ranque A!

Por causa desse grande sermão e esporro da sua amiga, que tinha uma certa verdade no que dizia, fez Dusk ficar, murcho! Murcho! De tanta vergonha que ficou — He! He —  ele coçou a a cabeça.

— Concordo com que ele disse — falou Olivier que não tirava os olhos de Bennet e Kevin — Eles parecem extremamente fortes. Eles emanam uma aura de pessoas experientes em combate, que me faz ficar arrepiado de medo.

Mas enquanto Olivier fazia elogios todo impressionado. Do nada do bolso dos uniformes de cada um que usavam seus celulares começaram a tocar em alto e bom som, era um barulho estridente que chegava a incomodar demais.

 

━━━━━━◇◆◇━━━━━━

 

Faltavam poucos minutos para às sete horas da manhã. A tenente Mília de maneira um tanto estranha, parecendo ter emoção nenhuma no rosto ou em seu olhar, estava encostada em uma das paredes dentro do quarto das garotas e seus olhos estavam fixos na Alexia Magus que dormia como um anjinho.

No momento em que o relógio de seu braço marcou as sete, ela se direcionou ao centro do espaço, encheu seus pulmões de ar e com a mão fazendo um formato de coancha na boca ela gritou como um despertador.

— Bora meninas!!! É hora de acordar! Se levantem logo. Não quero moleza vinda de vocês! Os garotos já levantaram há um tempo. Nada de preguiça.

Embora a vontade de ficar debaixo da coberta fosse geral, a maioria das garotas, mesmo ainda sonolentas, ficaram de pé. Mesmo com elas de preguiça pelo sono, a Tenente se sentiu satisfeita e foi em direção a porta.

— Quero que se arrumem rápido, jogue uma água no rosto e tomem café reforçado, pois começaremos nossos trabalhos de fato às oito. — Como forma de encerrar o despertar bruto dela, Mília bateu com força a porta, não se importando com os vizinhos próximos.

Embora de um jeito rude, a tenente fez um bom trabalho acordando as meninas. Como de costume algumas delas alongaram seus músculos, bocejando um pouco e outras já estavam usando o celular, mas uma entre elas aids estava sentada na cama com a coberta cobrindo a si, essa era Alexia que estava acordada, mas meio sonolenta.

— Não, Mília... para de querer me acordar cedo. Está muito bom aqui! Quero voltar pro meu sonho, estava fazendo um show para o mundo todo!!! Quero voltar a dormir, não tem jeito? — resmungou ela, cedendo para o sono e afundando a cabeça no travesseiro.

— Alexia! Vai acordar logo, antes que a tenente Mília volte! — alertou a sentinela chamada Sophia.

— Ela tem razão se ela ver você assim è bem capaz dela brigar contigo! — Fez o mesmo uma tal de Agatha.

A cortina do quarto que estava fechada foi aberta pela sentinela Camilla, querendo o ver nascer do sol que estava acontecendo nesse momento, Danica se juntou a ela. Porém algo de estranho chamou atenção delas na paisagem, na muralha em torno da cidade, havia fumaça se elevando gradualmente.

— O que é aquilo? — perguntou Camilla sem entender nada.

De forma abrupta assustando as garotas, os celulares delas começaram a tocar ao mesmo tempo preenchendo a sala em um só som. Por causa desse barulho, Alexia prontamente abriu seus olhos e se levantou às pressas.

— Isso é? — perguntou Alexia, parecendo reconhecer aquele alarme que tocava.

 

━━━━━━◇◆◇━━━━━━

 

O casal de apaixonados, Maurice e Asta, acordaram bem cedo, foram antes dos garotos, mas por incrível que pareça depois da Gwen, que já estava de pé. Para ter um tempo a sós, longe dos outros sentinelas, os dois não estavam mais no prédio, pois faziam um passeio romântico próximo dali. Era incrível que mesmo saindo cedo da cidade mesmo assim ainda continuava agitada, pois as festas noturnas eram comuns nesse local.

— Que bonito! — comentou a animada Asta. Ela com olhar brilhante e cheio de vida, admirava encanada o lindo céu da cidade, que de um lado estava alaranjado e do outro estava um pouco escuro ainda.

— Asta! Te amo! — Foi uma frase curta de Maurice, mas sua ação fez um sorriso envergonhado sair da boca da sua namorada, pois ele como um gesto carinhoso, baixou a testa dela.

Mesmo sendo pega de surpresa, mas sem hesitar um pouco sequer, Asta olhou para seu amado com olhos transbordando de amor e paixão e com suas mãos delicadas ela apertou fortemente os dedos dele.

— Eu também te amo, muito! Queria que nesse momento o tempo parasse para ficar mais tempo com você — disse Asta um pouco envergonhada com as bochechas coradas.

Nesse instante os dois pombinhos, tiveram que prestar atenção em outra coisa, pois um pedaço da muralha que cercava a cidade foi destruída por uma pequena explosão, gritos de sustos vieram à volta deles das outras pessoas que também vagavam na rua naquela hora.

 

━━━━━━◇◆◇━━━━━━

 

Caminhando pelo corredor vazio após deixar o quarto das garotas, Mília parecia um tanto estranha, seus olhos pareciam um tanto distantes, era como se algo incomodasse a sua cabeça, ela suspirou profundamente de forma lamentável. O uniforme dela como integrante de Thesena, estava encoberto por uma blusa grossa de frio, embora o clima fosse ameno, ela o usava fechado até o pescoço.

A mesma parecia hesitar desesperadamente em procura de algo. Logo ela avistou uma pequena escadaria que dava para o andar superior, na qual ela subiu e se encontrou no terraço, onde dali de cima ela tinha uma visão ampla da cidade e o ar fresco preencheu seus pulmões e fez seu cabelo esvoaçar.

— Pelo menos isso me tira o peso das costas! — murmurou Mília para si mesma.

Entretanto, interrompendo seu momento de descanso e pensamentos, ela ouviu um grande estrondo atrás dela, ao se virar percebeu destroços da muralha cair, por causa de alguma explosão e do meio daquele rombo pequenas e grandes criaturas Etéreos começaram a sair dela.

— Lá vamos nós para uma emergência!!! — ela disse meio sem energia alguma, mas rapidamente sacando o celular do bolso, ela acionou o alarme de ataque Etéreo na qual alertaria seus sentinelas para reunirem.


Continua no Capítulo 25: Missão de Emergência

Data de Lançamento: 11/07/2024, 11:00:00



Comentários