VOLUME 2

Capitulo 56: Mãos dadas

A matriarca tinha sido informada da sua chegada assim que eles pisaram na entrada. Naquele instante, ela estava dando voltas e mais voltas na sala de estar enquanto esperava. 

Ela já tinha escutado um pouco da namorada por meio do secretário. Ficou pasma ao descobrir que a jovem estava no terceiro ano escolar, mas, felizmente, tinha vinte anos e era uma mulher adulta.

O histórico familiar também não era muito bom. Comparado com a família Si, a diferença era tão grande quanto os céus e a terra. Entretanto, contanto que Si Yehan estivesse satisfeito, não haveria problema.

“A coisa mais importante é o seu caráter e se ela trata o pequeno nono com sinceridade.”

Ao escutar passos se aproximando, a senhora direcionou a sua atenção para a porta do cômodo. O mordomo veio caminhando na frente, seguido de duas pessoas.

Primeiro, viu o seu neto, com a sua costumeira face de gelo e uma mochilinha pendurada no ombro. Ao lado, uma jovem garota atraente o seguia.

A pequena face limpa e elegante dela era como um pêssego brilhante. Ela usava o uniforme da Qing He e o seu cabelo negro estava preso em um rabo de cavalo. Esse tipo de aparência inocente poderia fazer qualquer um ser levado à loucura de tanto amor e carinho. 

Porém, o que surpreendeu mais a matriarca foi o fato deles estarem de mãos dadas.

A senhora conhecia muito bem o seu neto. Uma mulher comum não poderia chegar nem a três passos de distância, quem diria tocá-lo, mas agora, ele tinha tomado a iniciativa de aparecer segurando a mão de outra pessoa! Aquele era um evento sem precedentes. Aquela visão fez Ye Wanwan ganhar, na hora, alguns pontos com a velha.

— Avó. — Si Yehan caminhou até estarem parados em frente a madame.

A matriarca fixou os seus olhos na garota ao lado do seu neto com intensidade, e a sua expressão estava cheia de afeto. Com medo de assustar a mais nova, a sua voz ficou bastante gentil ao falar: — Esta é a Ye Wanwan? Venha, se aproxime da vovó! 

— Olá, avó. — lançando um olhar rápido para o namorado, deu um passo à frente de forma obediente.

— Ótimo… que boa garota! — sorriu ao responder. Virando-se para Xu Yi, que caminhava atrás deles, pode notar que o secretário carregava várias sacolas nos braços — Você deve estar cansado! Não precisavam trazer presentes, fui eu quem os convidei, afinal!

Contradizendo as suas palavras, a senhora parecia bastante feliz. Embora não faltasse nada na sua casa, aqueles eram presentes trazidos pela sua namorada do seu neto — eram muito mais especiais.

— Velha madame, o jantar está pronto. — um servo da cozinha veio notificar.

— Vocês chegaram na hora certa. Vamos comer enquanto conversamos. Não temos muitos costumes nessa casa, então sinta-se em casa. — A matriarca estava preocupada que Ye Wanwan iria se sentir deslocada ou agir de forma muito formal, por isso, disse essas palavras. 

Deixando o homem para trás, ela puxou gentilmente a mão da garota para que pudessem caminhar juntas até a mesa de jantar. Si Yehan, entregou a mochila escolar para o velho mordomo e a seguiu com longas passadas.

Em meio a conversa, a senhora perguntou: — Wanwan, os estudos estão sendo cansativos pra você? Vir aqui te prejudicou de alguma forma?

A jovem estava mais relaxada após desfrutar do tratamento amável da vovó Si. A primeira impressão que estava tendo da matriarca era cada vez melhor. 

— Não, não. Ficamos de folga durante os fins de semana. — respondeu, acenando a cabeça em negação.

— Fala sério, Pequeno nono, essa criança! Ele nunca me contou que tinha uma namorada. Alguns dias atrás, fui eu quem o peguei sorrindo para o telefone! Quando perguntei o que estava olhando, para minha surpresa, ele respondeu que era para uma mensagem da namorada! Foi aí que eu descobri, você não imagina o choque. Quis te conhecer assim que soube. — A madame lançou um olhar semicerrado para o neto enquanto falava. 

Quando Ye Wanwan ouviu que Si Yehan tinha sorrido enquanto lia o seu texto, ficou atônita. Uma cena dessas era difícil demais para até imaginar.



Comentários