VOLUME 2

Capítulo 52: Meu primeiro encontro com a sua família!

— Eh? A sua avó… — Ye Wanwan ficou chocada ao ouvir aquilo.

Naquele momento, se lembrava de como essa visita tinha acontecido na sua vida passada. Antes de renascer, Si Yehan a levou uma vez para conhecer a sua avó. Na família Si, a senhora era a pessoa mais próxima dele. Ela tinha vivido metade da sua vida com ferro e sangue* em uma casa extremamente poderosa, o que a garantiu o status mais importante dentro dos Si.

Desde a morte do pai de Si Yehan, o homem havia se tornado o seu neto favorito, aquele a quem ela mais mimava e travava com carinho. Contanto que ele gostasse de alguma coisa, sem exceção, ela iria suportá-lo no que fosse.

No passado, a jovem tinha ofendido a velha madame completamente. Com a perspectiva de conhecer a avó do grande demônio que a aprisionava, era óbvio que a antiga Wanwan não deixaria de consultar Shen Mengqi sobre o que fazer. 

A amiga pensou em todos os métodos, e a ensinou todas as formas que poderia usar para fazer a matriarca odiá-la. Quando se encontrou com os anciãos da família, estava vestida com um estilo hardcore pesado, e do começo ao fim, manteve uma expressão fria, fazendo comentários rudes sempre que tinha a oportunidade. 

A senhora ficou bastante aborrecida, mas mesmo com a aparência fantasmagórica e o comportamento nada educado da namorada do neto, não tomou ações e tolerou tudo aquilo. Bem, isso continuou até que a mulher tocou na escama reversa* da outra — o próprio Si Yehan.

Durante o dia, Shen Mengqi ligou de uma hora pra outra dizendo que Gu Yueze havia sofrido um acidente de carro e estava bastante ferido. Como o demônio iria permitir que ela saísse e fosse encontrar outro homem?

Os dois começaram a discutir e a garota deu um escândalo, cheia de raiva. Começou a gritar, brigar, morder e até o amaldiçoou, pedindo pela sua morte. 

Ao ouvir aquelas palavras, a matriarca ficou tão brava que desmaiou na hora. Depois daquilo, o ódio que ela sentia por Ye Wanwan era imensurável. A velha fez de tudo para separá-los, implorando para que Si Yehan acabasse o namoro, mas sem sucesso. Ele não fez nada.

Por fim, a senhora ficou doente de tanta preocupação e acabou morrendo. Mesmo no seu leito da morte, o seu coração permaneceu obcecado com a doença do seu neto e com o tumor maligno* que não saía do seu lado…

Pensando nisso tudo, a garota sentiu uma pontada forte no peito. O desgosto que sentia por Si Yehan não se estendia em nada para a matriarca, que havia a tratado com sinceridade desde o começo sem se importar com o seu comportamento rude ou o seu histórico familiar.

Vendo como o outro lado da ligação não respondeu nada por um longo tempo, o tom de voz de Si Yehan já havia congelado por completo.

— Esqueça. — Ele disse.

Foi isso que a trouxe de volta para o presente. Ye Wanwan tentou consertar aquilo ao responder rapidamente: — A vovó quer me ver?! É claro que vou! Só estou um pouco nervosa, afinal, essa será a primeira vez que irei encontrá-la! Do que ela gosta? Quais são seus hobbies? O que eu deveria vestir? Devo levar algum presente?

Ouvindo as perguntas incansáveis da garota, o indivíduo ficou sem palavras por vários minutos. Ela já estava ficando nervosa por causa da ausência de respostas.

Ei? Você tá aí?

Hm. — A voz dele falhou — Você… quer ir?

— Por que não? Mas você não me respondeu ainda! — questionou.

— Não precisa levar nada, só me espere aí. Vou ir te buscar.

— Como não!? Será o meu primeiro encontro com a sua família! A primeira impressão é muito importante, como podemos ser tão casuais sobre isso? — O rosto da jovem estava cheio de insatisfação. — Faremos assim… você vem me buscar mais cedo no sábado de manhã e vamos pro shopping!

Talvez pela culpa ou porque a madame era a única capaz de controlar Si Yehan, Ye Wanwan estava determinada a tentar estabelecer uma boa relação com a avó dele.



Comentários