Um Alquimista Preguiçoso Brasileira

Autor(a): Guilherme F. C.

Revisão: Dante


Volume 1

Capítulo 17: Como pode haver tão poucos?

Quando Xiao Ning abriu os olhos, o sol sequer tinha pensado em despertar. Do lado de fora a escuridão silenciosa reinava soberana.

Xiao Ning se sentou com uma expressão meio sonolenta, mas o sono era tanto que ele não conseguiu manter o corpo em pé e caiu de cara nos lençóis.

Embora sua técnica de cultivação, a Dorminhoco Eterno, lhe permitisse ficar acordado durante dias ou lhe desse disposição e energia assim que abrisse os olhos, Xiao Ning era naturalmente um preguiçoso. E como tal, não havia nada que odiasse mais do que acordar cedo.

No entanto, como isso estava relacionado à sua amada Alquimia, ele precisava fazer um esforço. Dessa forma, com um olho fechado e o outro meio-aberto, levantou-se e começou a preparar suas coisas. Sem qualquer delicadeza, tacou a faca e o pote de vidro para dentro do saco de pano e pegou sua lança cinzenta. E, quando enfim os primeiros raios de sol surgiram no horizonte, deixou suas acomodações.

Do lado de fora do quarto, já no pátio externo, ele esperou, enquanto soltava eventuais bocejos. E não demorou muito até que, vestindo sua armadura de couro e portando sua espada, Xiao Shui aparecesse. Em sua cintura via-se seis pequenas bolsas, ligeiramente maiores que um palmo, as quais imediatamente chamaram a atenção de Xiao Ning. Mas devido ao sono, logo se esqueceu delas, quando mais uma vez abriu a boca e soltou um bocejo preguiçoso, conforme esfregava os olhos lacrimejantes.

Quando viu o vagabundo parado, esperando-a, Xiao Shui não pôde esconder a surpresa em seu rosto.

 ― Eu sinceramente pensei que você não viria. ― comentou, ao se aproximar. Ela estava certa de que iria para a Floresta das Mil Perdições sozinha. Na verdade, preferia que fosse assim.

― Não tenho escolha, eu... Preciso. ― balbuciou Xiao Ning, enquanto soltava um novo e longo bocejo.

― Bem, se você vai vir que seja, mas eu não vou te esperar. ― Assim que terminou de falar isso, Xiao Shui continuou andando e deixou Xiao Ning para trás, mas que logo a acompanhou.

Os dois desceram juntos o terreno da família Xiao. Quando passaram em frente as arenas, viram que já havia pessoas treinando. E nesse momento, Ning se lembrou do porque nunca se dedicou a praticar o cultivo.

Em seguida, passaram pelos portões, que separava o território da família do resto da cidade, o qual continuava sendo guardado por dois guardas do Reino Virtuoso, porém, não eram os mesmos de ontem.

Como era de se esperar, a Cidade da Fronteira do Caos, mesmo pela manhã, já era movimentada. Pelas ruas, carruagens trançavam sem parar e os comerciantes, que sempre madrugavam, já estavam com suas barracas abertas, gritando a plenos pulmões, para quem quisesse ouvir.

Xiao Shui e Xiao Ning cruzaram o centro e continuaram andando. Viraram à esquerda e andaram mais um pouco.

É claro que, quem estava guiando era Xiao Shui. Xiao Ning não fazia ideia de para onde estavam indo, apenas que o destino final era a Floresta das Mil Perdições.

Enquanto passavam por uma larga ponte de madeira, Xiao Shui olhou de lado, demonstrando alguma curiosidade no saco de pano que Xiao Ning estava arrastando pelo chão já fazia algum tempo e perguntou:

― O que você está indo fazer na floresta? ― disse ela, diretamente.

― Caçar Bestas Demoníacas. ― respondeu ele, com uma voz preguiçosa.

― Caçar bestas? ― repetiu Xiao Shui, parecendo surpresa. ― Aquele lugar é muito perigoso e você só está na 4° Camada do Reino Mundano, não é? A floresta é perigosa demais, para quem ainda não alcançou o Reino do Despertar.

 ― Bem, não tenho escolha. ― Xiao Ning preguiçosamente arqueou os ombros e resmungou. ― Preciso de um caldeirão novo, afinal.

― Então você deveria voltar e ir colher Ervas na montanha. Contanto que não suba muito, não é tão perigoso quanto à floresta. ― sugeriu Xiao Shui, que apesar de não gostar dele, não podia simplesmente deixá-lo morrer em vão.

― Não se preocupe. Eu me viro! ― afirmou Xiao Ning, em um tom despreocupado. ― Além do mais, eu tenho isso. ― Mostrou as Pulseiras de Lei Gong em seus pulsos.

Xiao Shui olhou para as pulseiras de perto e as achou muito bonitas. Mas não pensou que elas seriam de alguma ajuda durante uma batalha. Obviamente, não as reconheceu como Itens Encantados ou Artefatos Mágicos.

― Mas, e você? O que está indo fazer lá? Afinal, você também está no Reino Mundano. ― perguntou Xiao Ning, abaixando os braços.

Parecendo meio envergonhada, Xiao Shui respondeu a contragosto:

― Eu não tenho escolha. Preciso do dinheiro.

― Dinheiro? Seu pai é um Ancião. Ele é rico. Porque não pede a ele? ― perguntou Xiao Ning, arqueando as sobrancelhas enquanto a encarava com estranheza. Não era novidade nenhuma que os anciões de qualquer família, possuíam moedas de ouro em abundância.

― Eu não posso fazer isso. ― respondeu Xiao Shui, com vigor. ― Eu te disse antes, não disse? Os outros anciões estão tentando derrubar meu pai. Por causa disso, estamos tendo problemas. Mesmo que meu pai não queria admitir, eu sei disso. Além do mais, no começo desse ano, ele já gastou uma grande fortuna comprando algumas Pílulas Espirituais Médias para o irmão Chan.

hm... Entendo... ― murmurou Xiao Ning, pensativo.

Quando descobriu que estava tendo uma briga interna para derrubar o Patriarca, Xiao Ning percebeu que a situação na família Xiao não era muito boa, pois brigas internas sempre geram problemas graves. Contudo, ele não pensou que as coisas estivessem tão ruins a ponto de um dos anciões estar tendo problemas financeiros.

― E então, para que você quer dinheiro? ― perguntou Xiao Ning, varrendo esses pensamentos para longe. Ele se preocuparia com isso depois.

― Não que isso seja da sua conta, mas... ― Xiao Shui enfiou a mão dentro da parte superior de sua armadura de couro e tirou uma pequenina bolsa de cânhamo. Em seguida, a abriu e deixou cair uma esfera esbranquiçada com a superfície porosa, do tamanho de um grão de feijão, sobre a palma da mão. ― Eu preciso comprar outra Pílula Espiritual Baixa para avançar para a próxima camada.

Enquanto Xiao Shui admirava a minúscula pílula em sua mão, uma sombra de repente passou em frente aos seus olhos e no instante seguinte a pílula tinha desaparecido.

Ei, o que você está fazendo? ― gritou ela, encarando Xiao Ning com fervor.

Entre os dedos de Ning havia uma pequena esfera, do tamanho de um grão de feijão. Quando viu a pílula, ele finalmente se sentiu desperto e com um movimento ligeiro de mãos, tirou-a de Xiao Shui.

Oh, ho! ― balbuciou ele, balançando a cabeça e se sentindo empolgado. ― Então essa é uma Pílula Espiritual do Império Dourado

― Devolva!

Xiao Ning desviou do tapa que Xiao Shui tentou lhe dar e continuou avaliando a pílula. Ele focou seu Sentido Espiritual nela e a examinou minuciosamente. E após uma averiguação completa, parecendo um pouco desapontado, criticou:

― Esta pílula é horrível! É uma ofensa falar que é de qualidade baixa! Ela é uma pílula inferior e isso sendo generoso! ― Ao ver uma pílula de tão péssima qualidade, Xiao Ning não pôde deixar de resmungar como um velho ranzinza, enquanto balançava as mãos demonstrando seu estresse.

― Do que você está falando? ― Xiao Shui enfim conseguiu arrancar a pílula das mãos dele. E com um olhar severo, vociferou. ― Saiba que essa pílula me custou cinco moedas de ouro!

― Cinco moedas de ouro por isso? ― berrou Xiao Ning em espanto, que sentiu pena de Xiao Shui por ter sido enganada. ― Essa pílula inferior não vale nem dez moedas de bronze. A impureza é grande demais.

― E como é que você sabe o quanto de impureza ela tem? ― indagou Xiao Shui, querendo desmenti-lo.

― Essa Pílula em sua mão, tem somente 62% de pureza. Para uma Pílula Espiritual ser classificada como inferior, ela tem que ter no mínimo 70% de pureza. E mesmo essas seriam consideradas ruins. ― explicou Xiao Ning. ― Sem falar que, a absorção de Energia Espiritual que ela possibilita está em níveis muito baixos. O catalizador usado, provavelmente, não era adequado para esse tipo de composição. Essa pílula é basicamente uma falha.

Porém, apesar da explicação detalhada de Xiao Ning, Xiao Shui não estava disposta a lhe dar ouvidos.

― Eu não sei do que você está falando, mas saiba que as pílulas de nível baixo possuem 65% de pureza. Acima disso, são as de qualidade média. ― exasperou Xiao Shui, que rapidamente tornou a guardar a pequenina bolsa, contendo a pílula, dentro de sua armadura.

Quando ouviu isso, Xiao Ning deixou escapar uma expressão de assombro. Ele não havia imaginado que o nível de Alquimia no Império Dourado era tão baixo. Cada vez mais entendia porque um simples Caldeirão de Estanho era tão caro.

No entanto, ainda não estava completamente disposto a aceitar um preço tão exagerado.

― Mesmo que essas pílulas falhas sejam consideradas de qualidade baixa, elas ainda são caras demais. Não vale a pena comprá-las. ― aconselhou Xiao Ning.

― É natural que um vagabundo como você, que não se dedica a cultivar, não saiba disso, mas... ― Xiao Shui fez questão de dar ênfase no vagabundo. Ela ainda estava irritada por ter tido a pílula tomada entre os dedos. ― Dos oitenta e sete, somente treze Alquimistas em todo o império são capazes de Refinar essas Pílulas Espirituais. E as de qualidade Média, só existem três pessoas que podem criá-las.

Novamente Xiao Ning ficou chocado. A qualidade da Alquimia no Império Dourado descia cada vez mais de nível. Como assim só havia oitenta e sete alquimistas em todo o impero? E desses, somente treze são capazes de criar essas pílulas falhas? Esses números eram tão ridiculamente baixos que chagavam a parecer piada.

Não sabendo como reagir a essas descobertas e nem de que maneira convenceria Xiao Shui que aquela Pílula Espiritual era sim muito ruim, Xiao Ning soltou um longo suspiro e disse:

― Bem, tanto faz. ― deu de ombros. ― Mas escute meu conselho, não use essa pílula. Espere até eu ter meu Caldeirão Encantado e eu lhe darei uma melhor e de graça.

Mas é claro, Xiao Shui não lhe deu ouvidos. Como se um vagabundo feito ele fosse ter sucesso em Refinamento.

Xiao Ning continuou seguindo Xiao Shui pela cidade. Cada vez mais que se afastavam do centro, menos pessoas eram vistas. Até que por fim, eles chegaram a uma área que não existiam casas, mas, no lugar, ocupando a vista de uma maneira colossal, encontrava-se uma enorme muralha. Aquela era a Muralha Protetora do Caos.

A Muralha Protetora do Caos era como um monstruoso baluarte, cercando toda a Cidade da Fronteira do Caos. Era ela que impedia as Bestas Demoníacas de vagarem livremente pelos bairros, devorando pessoas. Seus muros, feito de blocos de pedras, era tão alto que passava dos cinquenta metros de altura. E no topo, havia pontos de vigia para os soldados da cidade, sempre em guarda, espiar o que acontecia do outro lado.

É claro que, a maior parte da proteção ainda era feita pelas quatro famílias. Mas no caso de alguma besta sorrateira enganar os olhos atentos dos cultivadores de vigília, a muralha estaria lá para bloqueá-la ou ao menos atrasar seu avanço.

Xiao Ning se viu parado em frente a um portão de aço, que era uma das seis passagens para o exterior. Protegendo-o havia oito guardas do Reino Virtuoso, trajando vestes de batalhas e armas cortantes, de aparência imponente.

Como os portões estavam abertos, para os comerciantes e visitantes poderem irem e virem à vontade, Xiao Ning e Xiao Shui não tiveram problemas para sair.

― Bom dia! Srta. Shui. ― desejou um dos guardas, acostumado com a visita da jovem, quando os dois passaram.

Do lado de fora da muralha, não foi necessário um grande esforço para encontrar a floresta. Pois ela estava logo ali, abafando a cidade.

Árvores tão altas quanto à própria muralha, ou até mais, e com troncos tão grossos que, mesmo se dezenas de pessoas o abraçassem ainda não seria o suficiente para contorná-los, pintava a paisagem à frente. Suas jubas verdejantes se embolavam umas nas outras, transformando as partes mais baixas em um terreno sombrio, úmido e pouco amigável.

Aquela era a entrada para a Floresta das Mil Perdições. Lar de centenas de milhares de Bestas Demoníacas e Feras Mágicas terríveis. Um lugar que mesmo os mais poderosos seriam cautelosos.

Como de costume, Xiao Shui assumiu a liderança e Xiao Ning a seguiu de perto. Os dois juntos entraram na floresta e se afastaram aos poucos da cidade. Xiao Shui sacou sua espada e olhou atentamente entre as árvores. Ela já havia estado muitas vezes nesse lugar para saber que o menor descuido poderia custar caro.

Enquanto caminhava, ela olhava até mesmo para o alto, assim como as frestas que se formavam nas cascas das árvores mais secas. Uma vez, quando veio caçar, foi atacada repentinamente por uma serpente que se escondeu em um buraco num tronco podre. Por isso, ela sabia que devia desconfiar até mesmo das folhas caídas no chão.

Xiao Ning, por outro lado, girava sua lança descontraidamente, enquanto arrastava o saco de pano na outra mão, deixando uma trilha revolta para trás. Ele não se preocupava tanto em espiar os buracos ou varrer as folhas, pois conseguia sentir, com seu Sentido Espiritual, qualquer criatura à espreita que estivesse dentro de um raio de três metros.

No entanto, apesar de já estarem andando por alguns minutos, nem mesmo um rastro de monstro fora visto. Para uma floresta que todos temiam devido as suas criaturas serem numerosas e poderosas, a Floresta das Mil Perdições estava desapontando.

Xiao Shui que andava na frente, de repente se virou e encarou Xiao Ning.

― Até quando você vai ficar me seguindo? ― exasperou ela, parecendo irritada.

― Nós não vamos caçar juntos, não? ― perguntou Xiao Ning, parecendo confuso. Ele sinceramente achava que iriam caçar juntos.

― Não. Você só vai me atrapalhar. ― respondeu Xiao Shui, em um tom severo. ― Eu preciso caçar muitas Bestas Demoníacas, não tenho tempo para ficar te protegendo.

Xiao Ning olhou para ela, coçou a cabeça e disse:

― Bem, se é assim, então se cuide. ― Dizendo isso, ele olhou de um lado para o outro e logo em seguida virou, aleatoriamente, para a esquerda.

Mas quando estava se afastando, Xiao Shui o lembrou:

― Cuidado para não ir muito fundo na floresta. Os monstros mais perigosos ficam nas áreas mais afastadas. ― Apesar dela não querê-lo seguindo-a, ela também não desejava sua morte. Então, alertá-lo sobre as regiões mais perigosas era o mínimo que poderia fazer.

Xiao Ning agradeceu pela dica e com um aceno de despedida, afastou-se.

Enquanto se afastava, ele procurou em volta por algum rastro de monstro. No primeiro momento, não encontrou nada. Estava tudo tranquilo. Mas, bem no alto de uma árvore, até onde seus olhos podiam alcançar, ele viu alguns galhos quebrados, retorcidos como se algo tivesse passado as pressas por ali. Curioso, deixou o saco de pano no chão e segurando unicamente sua lança, começou a escalar, saltando de galho em galho.

Ele não podia voar como os anciões da família Xiao, que estavam no Reino Espirituoso e o Patriarca. Contudo, se concentrasse todas as forças nas pernas, poderia dar saltos de dois à três metros de altura facilmente. Dessa forma, chegar à parte mais alta da árvore não foi nenhum problema.

Quando enfim alcançou os galhos mais elevados, procurou em volta e logo encontrou algo. Preso entre um dos galhos quebrados havia um tufo de pelos meio cinzentos, com uma coloração escura.

Xiao Ning conhecia muitos tipos de monstros. Tanto Bestas Demoníacas, como Feras Mágicas. Por isso, só com uma pegada, ou nesse caso, um tufo de pelos, ele normalmente poderia dizer a qual criatura pertence. No entanto, apesar de familiar, não se lembrava do nome da besta a qual pertencia aquela pelagem cinza-escura que tinha em mãos. O nome ficou preso na ponta da língua e por ali permaneceu.

De qualquer forma, ele tornou a descer a árvore, com muito cuidado, já que uma queda daquela altura poderia matá-lo. Pegou o saco de panos e continuou caminhando. Porém, desta vez, seguindo o rastro de galhos quebrados.

Xiao Ning andou por alguns minutos, quando de repente:

HUUHU! HUUHUH! ― Um rugido alto e estranho, dotado de um timbre bestial, ecoou pela a floresta.

 


Niveis do Cultivo: Mundano; Despertar; Virtuoso; Espirituoso; Soberano do Despertar; Monarca Místico; Santo Místico; Sábio Místico; Erudito Místico.



Comentários