Setes Japonesa

Tradução: Batata Yacon

Revisão: Delongas


Volume 11

Capítulo 20: Processo pós-Guerra


Fora da fortaleza, jogamos enormes quantidades de monstros em um buraco enorme, e queimamos eles.

Removemos todos os materiais úteis, e recuperamos pedras mágicas. Mas para aqueles que sofreram danos pesados, tivemos que ignorar os materiais, e coletar apenas as pedras.

Os Cavaleiros e magos despejaram óleo no buraco, e puseram fogo.

Enquanto a fumaça subia no céu, eu usava uma máscara para inspecionar o processo enquanto conversava com a Alette-san.

Enquanto caminhávamos lado a lado, alguns soldados me cumprimentaram enquanto passávamos. Entre eles, soldados que descaradamente estalavam suas línguas para mim...

A insatisfação dos Cavaleiros e soldados de Lorphys era considerável, pelo que parecia.

Alette-san se desculpou.

— Desculpe. Muitos deles entendem na cabeça, mas os sentimentos não concordam.

Sacudi levemente minha cabeça para o lado.

— Eu não me importo. Fiz o bastante para merecer isso, afinal. Agora, continuando nossa conversa... A divisão das pedras e Materiais, não era? Nós pegaremos o Kong Gigante, mas todo o resto pode ser dividido com vocês e Zayin, meio a meio. Está tudo bem?

Nisso, Alette-san olhou para mim, seu rosto se distorcendo um pouco.

Nós estamos bem com isso, mas nesse caso, vocês irão perder na sua porção. Nosso lado estava estimando de trinta a quarenta por cento, só para que saiba.

Tanto Zayin quanto Lorphys provavelmente queriam as pedras mágicas e materiais o bastante para que mãos brotassem de suas gargantas. Porque não teriam que comprá-las de Beim.

— Sim, aceitaremos algumas daqui. A pedra mágica do Kong Gigante parece ser de qualidade considerável, e com os materiais também em minhas mãos, ganhei mais que o planejado, então sem problemas.

Isso era verdade, mas não era tudo. Na realidade, minha carteira estava cheia com suporte mercante, começando com a Casa Trēs. Mesmo após separar o dinheiro de condolências, teria uma porção sobrando.

Além disso, Zayin e Lorphys precisariam de enormes quantidades de materiais em breve.

— Bem, já discuti com o Lombolt-san e o Gastone-san, então não se preocupe com isso. Apenas divida ao meio, e vá para casa. Oh, e por favor não disputem por isso.

Quando brinquei, Alette-san soltou um suspiro.

— Você acha que ainda temos força o bastante para isso? Quando tivermos terminado aqui, a força principal voltará ao país. Quero eles de volta rápido. Por que os movimentos de Galleria e Rusworth estão me incomodando.

Eram dois países ostentando poder nacional igual, ou maior, que Zayin e Lorphys. Quatro países com mais ou menos a mesma escala... esse era o estado atual dos arredores de Beim.

— Eles estão brigando muito?

— ... Quando enviamos os batedores, parecia não ser só escaramuças. Eles são verdadeiros monstros, pelo que parece. Ambos os lados têm suas líderes na vanguarda de cada batalha, então há pouca diferença. Puxa vida, nesse caso, teria sido melhor se tivéssemos deixado Selva entre nós.

Eu podia apenas oferecer um sorriso amargo. Talvez notando meu sarcasmo, Alette-san se desculpou novamente.

— Desculpe. Não foi essa minha intenção.

— Está tudo bem. Pois bem, vamos começar as preparações. Tenho certeza que o pessoal de Beim virá para comprar nossas pedras mágicas em breve, afinal.

— ... Por que Beim? E o que você quer dizer com “eles virão comprá-las”?

Vendo a confusão da Alette-san, eu sorri, ri, e expliquei.

... No quartel-general da Guida de Beim, Gastone e Lombolt tinham uma intensa discussão com os executivos.

O rosto de Gastone estava vermelho brilhante.

— Qual o significado disso; pedindo para entregarmos as pedras mágicas e materiais que arriscamos nossas vidas para obter!? Além disso, dizer que não vão pagar nada para retomar controle da fortaleza que preveniu o avanço de um exército do mal daqueles é simplesmente demais.

Os executivos de Beim ouviram sua porção com amargura.

Eles tinham se intrometido arbitrariamente para participar, e agora estavam dizendo que não venderiam as pedras mágicas e materiais. Eles provavelmente planejavam levá-las para casa, e usá-las em seus países.

Mas os membros executivos não tinham pensado que os Cavaleiros e soldados retornariam vivos. Esse fato havia distorcido seus planos enormemente.

Os mercadores estavam sendo bastante vigorosos em suas demandas para a Guilda se livrar de algum modo do equipamento que fora deixado de sobra.

Um dos executivos falou:

— Então que tal trocar por armas e armaduras? Tenho certeza que o seu lado perdeu muito equipamento, então se for agora... nós aceitaremos por volta disso.

Quando ele mostrou uma taxa de conversão, foi a vez de Lombolt deixar seu corpo ficar vermelho até a cabeça, com uma expressão similar a de um polvo sendo cozido.

— A recompensa que obtivemos lutando com nossas vidas em jogo só pode ser trocado por tão pouco. Além do mais, teremos que pagar pelo resto com ouro, é isso que está dizendo?!

O executivo se desculpou imediatamente.

— N-não, isso é um mal-entendido. Eu entendo. Então por este número de pelas pedras mágicas... que tal esta quantia?

A taxa foi imediatamente alterada, mas os dois não estavam satisfeitos.

— Mesmo em épocas normais, esses coeficientes seriam estranhos. Está nos tomando por tolos? Nós não precisamos de equipamento nenhum desde o começo. As pedras mágicas e materiais são o bastante.

Para os oficiais executivos da Guilda, seria problemático se os dois países escapassem com elas. Acima de tudo, eles haviam deixado de pôr as mãos no equivalente a uma semana de itens de monstros, e os recursos que tinham acumulado tinha sido trocado por armas.

Significando que eles tinham ficado repentinamente com falta de pedras mágicas e partes de monstros.

Nesse ritmo, problemas surgiriam entre as filiais, então os membros executivos se entreolhavam.

— ... Neste caso, anularemos qualquer dívida restante de ambos os países. Além disso, uma troca com as armas que temos em estoque. O que acham? E também, essa é a concessão final.

Em resposta aos rostos sérios dos executivos, Gastone e Lombolt fizeram expressões vexadas.

Mas o pessoal da Guilda pensava:

(Mesmo se bancarem os durões, o poder nacional para se opor a Beim não é algo que nenhum dos dois países atualmente possui.)

Quando Gastone assentiu, Lombolt também assentiu relutantemente. Mas então, Gastone...

— ... Mas entregar tudo seria problemático do nosso lado. Pelo menos gostaria que vocês deixassem em setenta por cento do que pegamos.

O mesmo valia para Lombolt.

— Para nós também. Não ter absolutamente nada sobrando está fora de questão. Mesmo após retornarmos ao país, não seremos capazes de persuadir ninguém.

Os executivos, após realizarem alguns cálculos, determinaram que seriam capazes de superar a presente situação de algum modo, antes de sorrir e assentir.

— Muito bem. Da porção tomada por ambos os países, Beim levará os setenta por cento. Nós prepararemos as armas e armaduras do nosso lado, e tenho certeza que vocês gostariam de conferi-las, então tudo o que precisam fazer é enviar alguém para pegá-las.

Ouvindo isso, Lombolt pareceu irritado.

— Tudo o que está dizendo é que devemos arcar com os custos de transporte.

Um executivo sorriu amplamente.

— Não, isso é apenas porque conferir a quantidade é necessário. Vocês não iriam querer trabalho duplo, não?

Os executivos, Gastone e Lombolt olharam para os documentos escritos. E após confirmar seus conteúdos, assinaram.

O lado de Beim estava sorrindo, enquanto Gastone e Lombolt estava cabisbaixos com seus ombros trêmulos.  Os executivos estavam certos que eles estavam consideravelmente irritados.

Atrás dos dois que pareciam estar aborrecidos com o resultado, em roupas das donzelas do templo de Zayin, estava May...

Alguns dias depois.

Soldados e mercenários de Beim que seriam estacionados na fortaleza vieram.

Mas além deles, mercenários contratados para recuperar pedras e materiais, assim como esquadrões de transporte foram enviados em vastos números.

As existências de aparência importante chamados de Cavaleiros livres de Beim vieram para a fortaleza, e se enfileiraram diante de nós enquanto nos sentávamos nas cadeiras da sala de comando.

— Bom trabalho com a defesa. Doravante, esta fortaleza voltará ao controle de Beim. Podem retornar imediatamente se desejarem.

Eu, Alette-san e Noy-san. Nós três estávamos lado a lado.

Vocês podem retornar imediatamente basicamente significava saiam logo daqui.

— E também, essa é a decisão dos seus superiores. Setenta por cento das Pedras mágicas e materiais serão concedidos a Beim. Vocês têm minha gratidão por facilitar as coisas já dividindo e organizando elas.

Diante do novo comandante da fortaleza, que estava propositalmente tentando nos agitar, o Terceiro falou após começar a rir.

『Esse daí não presta. Que tal aproveitarmos o embalo e rebaixarmos ele também? É melhor que o comandante daqui seja alguém hábil.』

Milleia-san concordava enquanto dava risinhos.

『Também estou a favor. Agora, que tal chutarmos ele de cima do trono que está sentado?』

Enquanto a aprovação circulava, eles imediatamente elaboraram um meio de chutá-lo na hora.

(A personalidade desses caras é terrível demais.)

Enquanto pensava isso, o Cavaleiro livre.

— Ah, e também, deixe para trás os canhões que se destacaram tão bem em batalha. Será um incômodo para vocês carregarem eles de volta para Beim, afinal. Vocês nem podem usá-lo lá, não é? Nós faremos uso melhor deles.

Eu fiquei estupefato. Noy-san não pôde ficar quieto com isso.

— Isso é simplesmente demais. Esses canhões são...

— Está tudo bem!

Eu parei o Noy-san, e sacudi minha cabeça. No final, diante do comandante recém designado, eu tinha que bancar o papel de um único aventureiro de baixa posição.

Mas eu podia ouvir o Quinto segurando sua risada.

『S-será que esse cara se preocupa tanto assim conosco?』

O Quarto também deu uma grande risada.

『Ele é tão bondoso que estou quase chorando. Ele é incompetente, mas isso é um milagre! Não acho que irei esquecer seu rosto!』

Eu olhei para o comandante.

— ... Você está nos dizendo para deixar os canhões, correto?

— Exatamente. Levar algo assim para a cidade não será nada além de um problema. Mas vocês certamente usaram bem eles. Por isso apenas, não me importo em elogiá-los.

Nisso, o Sétimo soltou sua voz alegre:

『E eu não me importo em elogiar suas ações. Um homem esplêndido. Para oferecer material que será usado para expulsá-lo por conta própria, você realmente tem alguma forma de talento. Pelo menos do nosso ponto de vista.』

— ... Entendido. Pois bem, temos preparações a fazer.

Nos vendo deixar a sala tristemente, o novo comandante da fortaleza altivamente se espreguiçou sobre a cadeira em satisfação.

A propósito, eu também estava bastante satisfeito.

(Mas setenta por cento, não é? Eu estava preparado para oitenta ou noventa, mas me pergunto se Gastone-san e Cia. foram bem?)

Deixando a fortaleza para trás de nós, retornamos para Beim.

Imediatamente fui para a porta da Casa Trēs. Eu tinha que visitar todas as casas que nos apoiaram, mas havia algo que eu precisava reportar para a Vera.

Quando entrei na mansão, a Vera correu para mim.

— Lyle! Você não está ferido, está!? Se estiver, não vou te perdoar!

Aceitando seu abraço, ofereci um sorriso amargo. No saguão de entrada da mansão estava sua irmã mais nova Gina, e o namorado dela, Roland, nos assistindo um pouco afastados.

Milleia-san, talvez sondando os arredores...

『... Fidel-san não está aqui. É uma pena. Eu queria abanar as chamas na frente dele de novo. Você não consegue imaginar quantas ações e frases eu pensei para isso.』

O Terceiro falou, como se para consolá-la.

『Está tudo bem. De agora em diante nós teremos tantas chances para agitar ele quanto quisermos. Um único “sogrão”, é o bastante para para fazer sua raiva passar dos limites de qualquer jeito, então mal posso esperar para ver o que você tem.』

Esses aí realmente têm personalidades terríveis.

E enquanto fazia uma expressão compungida para Vera. Sinceramente, eu realmente sentia muito. Os ancestrais me convenceram a conceder o canhão para aquele Cavaleiro livre comandante, então prossegui com o ato.

— Hm, sinto muito... bem, eu não consegui trazer os canhões de volta. Os Cavaleiros livres de Beim disseram para deixar eles na fortaleza... e as armas de fogo e pólvora também. Desculpa.

Nisso, Vera explodiu de raiva.

— Eu não me importo com uma coisa dessas. Só preciso mandar fazer mais. Você está seguro, e isso é o bastante. Ou houve mais alguém ferido?

Quando falei que não houve nenhum ferimento grave entre meus membros de grupo, ela pareceu aliviada.

Vendo a cena, o Quarto:

『... É, acho que a Vera-chan se parece com a minha esposa, só um pouquinho.』

O Quinto falou nostalgicamente:

『Essa bondade espinhosa definitivamente me lembra da mama.』

Ele disse.

E o Sétimo abriu sua boca, se divertindo.

『Pois bem, a partir de agora é a parte divertida. Nunca pensei que chegaria o dia em que eu agradeceria os aventureiros e mercadores de Beim. Lyle, hora da diversão!』

Ignorando os ancestrais em alta tensão, contei a Vera sobre nossa difícil guerra defensiva.

... Quartel general principal da Guilda, levando seus subordinados juntos, Fidel bateu um documento na mesa.

Seus oponentes, os executivos da Guilda, tremiam diante dos maiores mercadores da cidade.

Fidel tinha ouvido da Vera as circunstâncias, e marchou diretamente até aqueles que haviam despachado aquele Cavaleiro livre, o quartel-general da Guilda de Aventureiros.

Os documentos eram prova que os canhões e armamentos pesados tinham sido emprestados por Fidel. Pensando que seria irritante se o Lyle ficasse relutante em retorná-los, ele havia os escrito pessoalmente.

— Você leu? Agora leia de novo, e continue lendo até ter certeza que não há problema nenhum. Isso não é só algo para os comerciantes, mas para vocês também prestarem atenção.

Os executivos da Guilda sentavam-se em suas cadeiras, e tentavam se fazer menores.

— M-mesmo se ele não soubesse, para um Cavaleiro livre fazer uma coisa dessas imprudentemente...

Em resposta aos executivos que tinham começado a inventar desculpas, Fidel irrompeu. Sua mente permanecia calma, mas ele deixou sua expressão se encher de raiva.

— Quem mandou vocês darem uma desculpa!? O que estou perguntando é como planejam assumir a responsabilidade! De quanto vocês acham que suas desculpas valem?

Os executivos provavelmente já estavam abominando aqueles Cavaleiros livres que tinham despachado. Mesmo que fossem chamados de Cavaleiros, eram ex-soldados e aventureiros.

A Guilda cuidava da administração, enquanto os mercadores podiam ter exércitos privados e manter poder militar separadamente.

Significando que a guilda basicamente havia tomado ilegalmente o equipamento das forças armadas privadas do Fidel.

Todos os executivos se desculparam de uma vez.

— Oferecemos nossas mais profundas desculpas! Nós as recuperaremos e lhe entregaremos imediatamente!

Mas Fidel não estava satisfeito.

— Aquelas coisas ficam montadas em um dos navios da nossa companhia. Está dizendo para zarparmos ao mar desarmados? Tenho certeza que irão me reembolsar pelos prejuízos que terei na ausência delas, não? Eu estava me preparando para zarpar assim que ouvisse que o mutuário tivesse voltado, mas no final elas não foram quebradas, mas sim roubadas. É claro, há um problema com aquele a quem as emprestei, mas vocês também são culpados por roubarem.

O contrato dizia que se o Lyle as quebrasse no campo de batalha, não teria que pagar reparações. Fidel pensara que uma coisa desse nível não era um problema muito grande.

Mas se ele pudesse espremer dinheiro de outrem, era uma história diferente. Além do mais, desta vez a Guilda não tinha sido de utilidade nenhuma. Ele tinha suas insatisfações com eles, e suas ações significavam sua vingança.

Um dos executivos:

— ... Nós assumiremos a responsabilidade pelos seus prejuízos.

E Fidel falou em descontentamento.

— Ele foi mais um bandido que um comandante, então é realmente digno de comandar a Fortaleza Redant? Para mim não parece. Que tal tentar enviar alguém um pouco mais decente da próxima vez? Aquele lugar é um importante ponto de transporte. Acredito que será tarde demais quando um problema já tiver ocorrido.

O funcionário da Guilda imediatamente respondeu.

— Sim. Enviaremos alguém capaz imediatamente. O comandante despachado receberá uma dura punição, então esse assunto pode ser...

— Muito bem. Mas ter outros saberem que eu fui roubado fará com que façam pouco de mim. A Guilda também não terá problemas com rumores estranhos?

— I-isso é verdade.

Com essas palavras, Fidel deu um sorriso.

— É mesmo, não é? Não é mesmo... então, assine este documento.

Quando ele pegou outro documento, o rosto dos oficiais executivos enrijeceram.

— Vamos fazer as coisas como se tivesse as vendido para vocês. Usem os canhões e armas de fogo para a defesa da fortaleza. Em troca, eu farei doze novos canhões e armas novas criadas para os meus navios, e a Guilda arcará com o custo.

O verdadeiro número de canhões entregues à fortaleza era dez. Não havia uma única pessoa aqui que soubesse disso, então eles concordaram silenciosamente.

Observando os oficiais da Guilda assinarem, Fidel assentiu com um sorriso.

— Dessa vez realmente houveram muitos problemas. Mas não quero condená-los por tudo. Na próxima reunião, irei apoiá-los.

Nisso, eles agradeceram.

— O-obrigado pela consideração.
— Como posso agradecer à Casa Trēs. Eu definitivamente retribuirei o favor.
— Nós prepararemos os fundos imediatamente.

Por dentro, Fidel pensava...

(… Aquele gigolô resiste muito mais que esse bando. Ou melhor, aquele maldito gigolô realmente sobreviveu... ele tem a tenacidade de uma barata.)

Enquanto caminhava através das ruas de Beim com a Eva, recordei os eventos anteriores e fiz uma expressão cansada.

Colocando minha mão direita no ombro esquerdo, virei minha cabeça levemente.

— Não consigo me acostumar com aquela atmosfera.

A cena que eu me lembrava era de estar cercado por elfos, e interrogado sobre minhas experiências de vida e sentimentos sobre o campo de batalha. Eu não conseguia deixar de me perguntar de onde vinha o zelo deles.

Após falar bastante, paguei as tribos élficas que tinham participado, e me despedi enquanto eles partiam de Beim.

Tenho certeza que as trupes de elfos viajantes que participaram iriam evitar Bahnseim e se espalhar pelo continente em pouco tempo.

Eva alegremente caminhava ao meu lado.

— Alguma coisa boa aconteceu?

Ela parou, e fez uma pose enquanto girava. Ela era linda, então era uma linda imagem, mas as pessoas em volta pararam, olharam para ela, e riram.

— A verdade é, algumas das minhas canções estão entrando no mercado! Como uma filha da tribo Nihil liderando os elfos, meu nome será gravado na História!

Eva, ao invés de se sentir embaraçada por seu nome aparecer, parecia estar bastante alegre. O fato de sua personalidade ser o exato oposto da minha, fez um sorriso cínico aparecer no meu rosto.

Soltando um suspiro, caminhei com a Eva para a mansão.

— Bem, desde que os rumores se espalhem, está tudo bem.

Ela piscou para mim.

— Está tudo bem. Os eventos desta vez foram chamativos, e históricos, e além do mais, nós até pagamos os custos de viagem e recompensas, então tenho certeza que eles espalharão o conto alegremente. Mas até agora, você sempre disse que não queria que cantassem sobre você, ou recitassem, então que mudança de atitude repentina é essa?

Enquanto a Eva inclinava sua cabeça, olhei para o céu.

— Bem, se tornou algo necessário, então tive que agir. Isso é tudo. Mas...

— Mas?

— .. Talvez você realmente conte minha história heroica algum dia.

Quando falei isso de modo quieto, abaixo do nível audível, Eva agarrou meus ombros e os puxou.

— Ei, o que foi isso? Fala direito. Não me deixa sem saber.

Puxado pela Eva, eu ri, antes de pegar sua mão, e levá-la até a mansão.


Milleia (#・∀・): — O Lyle está recebendo o tratamento de barata... imperdoável.

Chefe de Terceira Geração ヘ(゜∀゜ヘ): — Isso mesmo (lol), então na próxima, vamos agitá-lo especialmente mais (lolol).

Milleia 。゜(*゜´∀`゜)゜ノ: — Eu mal posso esperar (lolol), e espera aí, as pessoas de Beim são tão bondosas, isso está levando lágrimas aos meus olhos.

Chefe de Quarta Geração ([email protected]∀@): — É verdade. Eles nos deram equipamento e dinheiro de graça. Além disso, até nos deram fama. Se alguém falar mal deles a deusa irá punir (lol).

Chefe de Quinta Geração ( ゜д゜): — Não, é realmente verdade. O quanto eles planejam contribuir conosco? Eles fazem isso mesmo nos odiando.

Chefe de Sétima Geração (・A・): — Mas no final, nós iremos definitivamente parasitar... não, digo, policiá-los. Sem misericórdia nenhuma nisso.

Lyle (;´-`).。oO(Foi uma coisa boa eu não ter passado por um Crescimento dessa vez, mas tudo o que fiz foi me queixar com a Vera... Quem realmente se moveu foi o Fidel. Isso é mal, eu realmente estou virando um gigolô.)


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.

Ou Aqui.



Comentários