Volume 1

Capítulo 43: Outro Significado

O coraçãozinho de Ye Wanwan deu um pulo.

— Dormir… o que quer dizer com "dormir"? O significado literal ou…?

Si Yehan olhou para ela.

— Caso queira a outra coisa, também podemos fazer.

A garota balançou a cabeça para os lados como um chocalho na hora.

— Não, não, não! Vamos no significado literal!

Se bem que apenas "dormir com ele" já era o suficiente para lhe deixar com dor de cabeça. Duas horas foram o suficiente para deixá-la exausta, imagine seis.

"Fui eu quem cavei minha prova cova dessa vez…" Por fim, tudo o que podia fazer era cerrar a mandíbula e aceitar suas condições.

Depois de deitar na cama, Ye Wanwan pensou um pouco e logo percebeu algo. "Si Yehan acabou de armar uma armadilha pra me capturar, não foi? Me fazendo admitir o erro, assim, eu só poderia aceitar obediente essa proposta descabida…"

"E ele ouviu a conversa agora há pouco, mas não demonstrou nenhuma emoção… por quê?"

Seu cérebro estava explodindo com aquelas questões. Virando-se para o outro lado da cama, descobriu que a pessoa ao seu lado já tinha caído em um sono profundo. 

"Será que entendi mal a situação até agora? Si Yehan claramente consegue dormir como uma pessoa normal! Que parte dele se parece com alguém muito doente?!"

A princípio, a jovem não conseguiu dormir, porque sua imaginação estava correndo solta. Mas, no fim, o sono a dominou, talvez por causa da influência do estado adormecido da pessoa ao lado.

Tarde da noite.

O sujeito na cama, como uma besta insaciável, abriu seus olhos de forma preguiçosa. 

Mesmo tendo acordado há poucos segundos, os olhos dele estavam perfeitamente despertos — frios e ferozes como nunca.

Até que, de repente…

Si Yehan sentiu algo macio contra seu peito; aquela era uma sensação estranha. Petrificado, abaixou a cabeça devagar até ter visão do próprio corpo.

No quarto mal iluminado, a garota em seus braços dormia quietamente, como um gatinho encolhido.

O homem apertou seus braços ao redor dela, mas, sentindo-se preocupado que seus movimentos fossem acordá-la, afrouxou o abraço. Nesse momento, enquanto mantinha o olhar fixo na pessoa encostada no seu peito, emoções complicadas tomaram a sua face; fazendo-o franzir suas sobrancelhas.

Parece que, daquela noite em diante, aquela mulher iria intoxicar a sua mente, pouco a pouco.

Embora gostasse das mudanças que ela estava fazendo, estava ciente que aqueles momentos de doçura e sedução da parte dela eram pura ilusão. Entretanto, ele não conseguia evitar desejar sentir mais daquela afeição.

Si Yehan era como um viajante que cruzava um deserto por horas, e, depois de finalmente encontrar um oásis, descobriu que o seu paraíso é uma miragem; nada mais do que um momento breve e efêmero de prazer.

Inesperadamente, o celular na cabeceira ao lado da sua cabeça começou a piscar, indicando que uma mensagem tinha sido recebida.

A luz nos olhos dele começou a se apagar enquanto lia o conteúdo do SMS.

Shen Mengqi: [Senhor Si, eu visitei a Wanwan essa noite e tentei consolá-la por um longo tempo, mas ela ainda está brava com você. O jovem mestre Gu era o noivo dela, afinal. Então, é natural que ela não consiga esquecê-lo, mas eu acredito que um dia, Wanwan irá ver o bem que existe em você.]

Embora não tenha escutado toda a conversa de antes, o que estava escrito na tela era completamente diferente do que ouviu. O que incluía a questão sobre Ye Wanwan tentando escapar com Gu Yueze.

Foi Shen Mengqi quem deu aquela ideia para a sua namorada, mas também tinha sido ela quem o alertou da visita em segredo. E, semana passada, aquela foto que mostrava a carta de amor no canto…

Olhando para a mulher adormecida, que não tinha qualquer conhecimento desses fatos, os olhos de Si Yehan brilharam como uma nova luz — uma bem perigosa.



Comentários