Volume 1

Capítulo 6: Quem é ele?

Quem é ele?

A sede da divisão chefiada por Felipe era subterrânea, motivo para não haverem janelas, e que também impedia a sensação de dia e noite, como o ambiente não podia parar, e muitos funcionários precisavam dormir nas instalações, em cada nível haviam quartos como o que André estava hospedado.

E era em um desses que Lídia estava descansando, após as horas de sono que ela julgou serem suficientes, a garota saiu limpando os óculos em um lencinho, caminhou em direção à sala do diretor da seção, ao entrar encontrou Felipe que lia um livro com aspecto antigo.

— Você gosta mesmo de antiguidades, né? — Questionou a secretária.

— É parte da minha habilidade, meu poder… — Explicou Felipe — Quanto mais antigo o livro, mais aumenta meu conhecimento.

— Sim, você já explicou isso, e é por isso que você chama seu poder de “Guardião da Sabedoria”. — Disse Lídia em tom teatral.

— Não fui eu que escolhi o nome… — Felipe baixou a cabeça e pôs a mão na testa — A pessoa que me ajudou com esse poder disse que era o nome da minha habilidade divina.

— Ah, é mesmo, outra vez ouvi a Senhora Elizabeth dizer que os poderes de vocês foram concedidos pelos próprios deuses do outro mundo. — Sussurrou Lídia.

— Mas uma coisa é estranha quanto a isso… — Interrompeu Felipe — Segundo as informações daquele lugar, existem exatamente 32 deuses, mas não há demônios ou qualquer outra coisa do tipo, por isso, até hoje a origem do poder do André é um mistério, um segredo que só ele conhece.

— Você nunca tinha dito isso… — Admirou-se Lídia — Eu sabia que eram 32 deuses e 33 heróis, mas achei que um dos deuses poderia ter dado poder para dois de vocês…

— Impossível! — Exclamou Felipe — Os 32 imortais daquele mundo possuem poderes singulares e limitados quanto à forma de uso, além do mais em nenhum lugar está descrito aquele tipo de poder.

— A habilidade e moldar uma névoa negra em qualquer arma que quiser ou usá-la para proteger o próprio corpo… — Disse Lídia — É com certeza um poder invejável…

— Sim, e também poderoso o suficiente para causar inúmeros desastres e mortes. — Completou Felipe — Por isso o chamamos de poder do ceifeiro, um demônio que coleta almas… Pode parecer legal para um protagonista de novels e mangás do gênero Isekai, mas ninguém gostaria de ser chamado assim.

A garota não disse mais nada, a expressão de angústia que o chefe do departamento tinha naquele momento era esclarecedora, para alguém que herdou o poder do deus da sabedoria, ponderar sobre o poder de outro herói seria o suficiente para compreendê-lo, mas nem mesmo assim Felipe havia conseguido alcançar a origem do 33º herói, e a única pista que encontrara era que este servia para coletar almas.

Todas as observações a respeito do poder de André não teriam sido compreendidas por Lídia se não fossem os seus 4 anos de dedicação ao lado do chefe da inteligência global, ela já estava se acostumando com a sua forma de pensar e fazer as coisas.

Mas faltava outro detalhe sobre o retorno de André, o fato de que ao voltarem, os 32 primeiros foram buscados por suas respectivas famílias, até mesmo Felipe, que reencontrou seus pais e seu irmão, e mesmo dedicado ao trabalho, sempre ia almoçar com eles em alguns finais de semana. Mas ninguém buscara informações de André.

Lídia lembrava que certa vez Felipe até mesmo instruiu a ela que fizesse um levantamento de todos com o nome “André Lima” nascidos no mesmo ano que ele, e apenas três resultados foram encontrados, um estava na faculdade, outro servia ao exército, e o ultimo estava na faculdade, não podendo assim chegar à origem de André.

Então, as suspeitas ao redor do 33º herói só aumentaram.

Enquanto pensava nessas coisas lembrou-se da visita dos outros heróis que estiveram fora por meses, seria uma boa ideia convidar suas famílias para recepciona-los, além de seria uma forma de impedir qualquer forma de conflito interno, ou tentativas de homicídios…

— Devo avisar as famílias dos heróis que virão à reunião? — Perguntou Lídia institivamente.

— O quê? — Felipe parecia estar em outro planeta

— As famílias dos outros heróis….

— Ah, sim! Chame-as, fez muito bem em lembrar disso. — Felipe fez um sinal de positivo.

— E quanto à família do André? — Lídia estava receosa, mas perguntou.

— Se descobrirmos algo, poderemos chama-los também, mas acho difícil — Respondeu Felipe olhando para outro lado.

Lídia imediatamente desconfiou que havia algo de errado, ele sempre fazia aquela expressão quando mentia, podia ser o cara mais inteligente dos dois mundos, mas nunca aprendera a mentir.

Mas dessa vez ela ia deixar passar, afinal, os mistérios sobre o herói recém-chegado eram muitos, e ela não era capaz de compreendê-los tão bem, afinal, nem mesmo Felipe parecia entender bem como funcionavam as coisas quando o assunto era André.

— Você ainda não descobriu nada sobre a origem dele? — Questionou a garota, enquanto sentava em sua cadeira de trabalho e ligava um computador.

— Não, é muito intrigante… — Respondeu Felipe fechando o livro e olhando para Lídia — Quando nos apresentamos pela primeira vez, descobrimos que todos tínhamos exatamente a mesma idade, 12 anos…

Aquela era uma informação nova para Lídia, ela parecia interessada, queria de alguma forma poder ajudar a resolver o mistério, mesmo que soubesse que a sua capacidade estava muito aquém da de um herói com poderes que o tornavam muito inteligente.

— Mas não há outra pessoa com o mesmo nome nascido no mesmo ano. — Continuou Felipe — Além disso ele dizia não lembrar do seu passado, e mesmo quando visitamos o templo da verdade eu pude confirmar, lá dentro ninguém pode dizer mentiras, eu perguntei seu nome, idade e o que ele lembrava de antes de ser transportado, as respostas foram exatamente as que eu já sabia.

— E você fez isso apenas para saber quem era ele? — Indagou a secretária de tranças, que olhava para Felipe com muito interesse na história.

— Leonardo, que era o nosso líder na época, ele achava que André podia ser um tipo de espião, já que ele não se encaixava de nenhuma forma no nosso contexto, mas no fim ele não mentiu e não deu nenhuma outra informação que fosse, então, mesmo que eu tente ponderar não consigo muita coisa, meu poder não me torna onisciente, apenas me permite compreender novas situações e possibilidades a partir das informações que eu já possuo.

Essa última parte já era do conhecimento de Lídia, mas todas as outras informações eram novidades, e como ela não possuía o “guardião da sabedoria”, era melhor não se meter nos assuntos dos outros.



Comentários