iluminadores

Uma breve história da tradução por entre as eras: Na Idade Média (2)


Bom dia caros leitores, aqui vos trago a segunda parte do artigo que estou traduzindo. Aqui falará dos aspectos e da historicidade da tradução na Idade Média, tempo de grandes cavaleiros que batalhavam contra dragões para salvar a princesa que a mercê estava do monstro e de trovadores que espalhavam suas poesias em forma de canto ao tocar belas melodias com seus alaúdes, provocando no coração do jovem mancebo desejo pelos relacionamentos humanos junto o ardil sentimento que arde em nosso peito até hoje — a paixão.


[PARTE 1]

[PARTE 3]


Latim era a língua franca do mundo erudito Ocidental no período da Idade Média, do qual houve, igualmente, pequenas traduções de trabalhos em Latim para línguas vernáculas. No século IX, Alfred o Grande, Rei de Wessex, Inglaterra, foi além de seu tempo ao criar comissões de tradução do Latim ao Inglês de dois grandes trabalhos — “História Eclesiástica do Povo Inglês” de Beda e “A Consolação da Filosofia” de Boécio — do qual contribuíram ao crescimento da subdesenvolvida prosa inglesa daqueles tempos.monge Escriba medieval

Nos séculos XII e XIII, a Escola de Tradutores de Toledo (Escuela de Traductores de Toledo) tornou-se o ponto de encontro de eruditos europeus que — atraídos pelos altos salários que lhes eram oferecidos — viajavam e se instalavam em Toledo, Espanha, para traduzir grandes trabalhos filosóficos, religiosos, científicos e medicinais do Árabe, Grego e Hebraico em Latim e Castelhano.

Roger Bacon, um erudito inglês do século XIII, foi um dos primeiros linguistas a estabelecer que o tradutor deveria ter um conhecimento profundo de ambas as línguas de origem e destino para assim produzir uma boa tradução, e igualmente deveria ser conhecedor da metodologia do trabalho que estava traduzindo.

As primeiras excelentes traduções ao Inglês foram produzidas por Geoffrey Chaucer no século XIV. Chaucer traduziu o “Roman de la Rose” (Romance da Rosa) do Francês e trabalhos de Boécio do Latim. Ele igualmente adaptou alguns trabalhos do humanista italiano Giovanni Boccaccio para seu próprio “The Knight’s Tale” (Conto de um Cavaleiro) e “Troilus and Criseyde” (Troilus e Criseyde — 1385) em Inglês. Chaucer foi o fundador de uma tradição poética Inglesa baseada em traduções e adaptações de trabalhos literários em Latim e Italiano, duas línguas que eram, no tempo, mais “estabelecidas” que o Inglês.

A tradução religiosa mais bem reconhecida daquele tempo foi a “Bíblia de Wycliffe” (1382–84), nomeada por John Wycliffe, o teólogo inglês que traduziu a Bíblia do Latim ao Inglês.


Traduzido e Adaptado por: Enxarcado   |   Revisor: Enxarcado


[PARTE 1]

[PARTE 3]


Bibliografia

[1772] Ignacy Krasicki. “O przekładaniu ksiąg” (On the Translation of Books). In the newspaper “Monitor”, no. 1.[1791] Alexander Tytler. “Essay on the Principles of Translation”. London.

[1803] Ignacy Krasicki. “O tłumaczeniu ksiąg” (On Translating Books). In “Dzieła wierszem i prozą” (Works in Verse and Prose).

[1813] Friedrich Schleiermacher. “Über die verschiedenen Methoden des Übersetzens” (“On the Different Methods of Translating”). Lecture.

[1959] Roman Jakobston. “On Linguistic Aspects of Translation”. Essay.

[1969] Eugene A. Nida & Charles R. Taber. “The Theory and Practice of Translation, with Special Reference to Bible Translating”. Brill, Leiden.

[1972] James S. Holmes. “The Name and Nature of Translation Studies”. In “Translated! Papers on Literary Translation and Translation Studies”. Rodopi, Amsterdam, 1972-88.

[1979] Louis G. Kelly. “The True Interpreter. A History of Translation Theory and Practice in the West”. St. Martin’s Press, New York.

[1983] Christopher Kasparek. “The Translator’s Endless Toil”. In “The Polish Review”, vol. XXVIII, no. 2.

[1986] J.M. Cohen. “Translation”. In “Encyclopedia Americana”. Grolier, New York, vol. 27.

[1990] Amparo Hurtado Albir. “La notion de fidélité en traduction” (The Idea of Faithfulness in Translation). Didier Érudition, Paris.

[2003] Umberto Eco. “Mouse or Rat? Translation as Negotiation”. Phoenix, London.

[2008] Lawrence Venuti. “The Translator’s Invisibility: A History of Translation” (2nd edition, first edition 1995). Routledge, London.

[2009] Mona Baker & Gabriela Saldanha. “Routledge Encyclopedia of Translation Studies” (2nd edition). Routledge, London.

[2012] Jean Delisle & Judith Woodsworth. “Translators through History”. John Benjamins, Amsterdam.

[2016] Claudio Galderisi & Jean-Jacques Vincensini. “La fabrique de la traduction” (The Translation Making). Brepols Publishers, Turnhout, Belgium.


Copyright © 2017 Marie Lebert
License CC BY-NC-SA version 4.0



Fontes
Cores