Volume 1

Capítulo 7: Guerreira Dragão/Vítima de traição/Gulosa solitária (Parte 2)

24 horas se passaram.

 [Hm, hm…?]

Karan acordou. Seu corpo dolorido gritava de dor, mas ela não podia ficar deitada para sempre.

“Onde estou…?”

Ela olhou em volta, mas tudo o que conseguiu ver foi o cadáver da cobra. Não, nem mesmo o cadáver, materiais como as presas e a pele foram removidos, e tudo o que restou foram seus tristes restos.

“Não foi… um sonho…”  

Karan ficou extremamente desapontada.

A tristeza de ser traída por seus parceiros era muito maior do que a felicidade de sobreviver. Ela pensou que teria sido melhor desmaiar e morrer sem saber o que era real e o que era falso.

Mas ela foi salva.

“…Poderia ser…”

Karan tocou seu peito e tirou algo.

“O amuleto realmente está quebrado…”

Quando Karan deixou sua aldeia, o chefe deu a ela coisas que só poderiam ser descritas como tesouros secretos.

Primeiro, a ‘Dragonbone Sword’.

Não era apenas uma grande espada, ela foi forjada com uma combinação de ferro e algo chamado ‘ferro de dragão’, que é um mineral composto por garras e ossos de dragão.

Não apenas era muito resistente, mas também era abençoado com a proteção divina do povo dragão.

Karan usou sua técnica especial de ‘corte de dragão de fogo’ pela primeira vez depois de receber esta espada.

O segundo, o amuleto anti-veneno.

Era um item descartável que, se mantido por perto, lançaria uma poderosa magia de “desintoxicação” e “cura” quando o portador estivesse perto da morte.

Havia venenos poderosos que podiam quebrar este amuleto, mas ele resistia à maioria dos venenos encontrados na natureza. Não havia dúvida de que este era um item mágico de poder incomparável, e foi graças a ele que Karan sobreviveu.

“Nunca pensei que teria de usá-lo no meu primeiro ano de viagem…”

Ela sentiu como se tivesse decepcionado seus pais, e seu rosto empalideceu ao se lembrar do tesouro mais importante.

Seu nome era ‘orbe do rei dragão’ e era tanto uma gema quanto um item mágico.

O povo dragão tem uma tradição de servir aos heróis. De acordo com a tradição, este orbe foi oferecido ao humano que a pessoa dragão reconheceu como sendo digno. Este poderoso item mágico então concedeu ao humano a mesma proteção divina que o povo dragão possuía e permitiu que eles mantivessem a mesma força, mesmo tendo apenas um corpo humano.

Também serviu como um dote para quando as meninas queriam se casar. Na verdade, não houve nenhum ‘herói’ nas últimas centenas de anos, então o conceito de ‘servir aos heróis’ era antiquado e a parte do casamento era muito mais importante.

A propósito, qualquer joia serviria. Poderia ser um diamante ou uma pedra polida, mas Karan era filha do chefe, então oferecer uma pedra polida ou uma pequena joia para seu cônjuge seria uma desgraça para todos os dragões.

O chefe do povo dragão passou um ano infundindo o maior e mais brilhante rubi que o povo dragão tinha, com poder mágico. Foi sem dúvida o orbe de dragão da mais alta qualidade que existia.

Essa orbe estava no cofre da pousada em que eles estavam hospedados.

“I-Isso é ruim …!”

Karan deixou sua bagagem com seus parceiros de confiança… Ex-parceiros.

Ela não contou a ninguém sobre o orbe do dragão. Mas eles poderiam muito bem saber sobre ele.

Os dragões não eram numerosos, mas eles realizaram grandes feitos durante a guerra, e faria sentido para aventureiros como eles ouvirem sobre orbes de dragão.

“E-eu tenho que me apressar…!”

Karan se levantou enquanto repreendia seu coração partido e suportou a solidão de caminhar sozinha por uma dungeon.

 

****

 

Karan levou três dias para escapar da dungeon, e sete para voltar para a Cidade do Labirinto, foram dez dias no total.

Demorou três vezes mais para voltar do que para ir, mas era de se esperar, pois ela tinha que evitar monstros e proceder com cuidado, sozinha.

“Ah!? A parceira de Kariosu!? (Dona)

Karan voltou para a pousada onde ‘Howaittoheran’ estava hospedada, para grande surpresa de sua dona, que foi informada de que ela estava morta.

Seu líder, Kariosu, ficou arrasado e em lágrimas quando contou à proprietária sobre a morte de Karan, mas ela agora percebeu que era tudo uma atuação. Era um truque antigo, então quando Karan disse que havia sido enganada, ela entendeu rapidamente o que havia acontecido.

“Onde estão minhas coisas!? Este…!!!” (Karan)

“Kariosu levou tudo. Ele me disse que estava levando de volta para sua cidade natal.” (Dona)

Karan entendeu antes mesmo que ela pudesse terminar sua frase. Não havia como as pessoas que traíam seus parceiros fizessem algo nobre.

“Você deveria relatar isso para a guilda de aventureiros, mas… Ele é um golpista muito bom, duvido que seja pego tão facilmente… S-Senhorita! Espere!” (Dona)

Karan se levantou antes que a dona pudesse terminar de falar.

Ajudando ela quando ela estava com problemas. Aventurando-se por dungeons juntos, colocando a mão em seu ombro enquanto dizia que contava com ela.

Tudo.

“Foi tudo mentira… Kariosu…” (Karan)

Começou a chover na Cidade do Labirinto.

O tempo era instável um pouco antes do verão, você nunca sabe quando pode começar a chover forte.

Hoje foi um daqueles dias de azar com uma chuva forte inesperada.

Havia muitas barracas de rua ao redor da pousada, e seus donos correram para fechá-las e fugir da chuva, junto com o transeunte.

Mas isso foi bom para Karan, pois ninguém podia vê-la chorando como uma garotinha.

 

****

 

Karan procurou por Kariosu nos lugares que frequentava e caiu em desespero mais uma vez.

Ninguém sabia muito sobre ele, ou para onde ele teria ido.

Parecia que ninguém poderia ajudá-la.

Todos com quem ela falava olhavam para ela com simpatia, como se dissessem ‘Ah… Então ele te enganou’, mas não queriam problemas e a expulsaram.

Ela não tinha ideia de para onde seus parceiros foram.

Pensando nisso de uma perspectiva racional, o orbe do dragão é mais valioso do que uma party, então ele provavelmente deixou a Cidade do Labirinto.

Além disso, esta era uma grande cidade com mais de cem mil habitantes. As chances de alguém como Karan, que não sabia muito sobre o mundo fora de sua aldeia, encontrá-lo, eram terrivelmente pequenas.

Foi aqui que seu coração se partiu.

Ela se tornou honesta sobre seu apetite e estômago vazio.

A Cidade do Labirinto era suja e barulhenta, ao contrário de sua aldeia. Havia muitas coisas que Karan não conseguia gostar, mas havia uma coisa que ela gostava.

“Talvez eu apenas vá comer…”

Era possível comer alimentos de muitos países e raças diferentes.

Todo esse tempo, era Kariosu quem escolhia a pousada e as refeições. Então, Karan nunca conseguiu escolher o que queria comer.

Ela tinha algumas moedas de prata e cobre em sua bolsa e, embora não fosse boa em contar, ela percebeu que ficaria bem por cerca de uma semana e decidiu que poderia comer o que quisesse.

Mas havia um problema. Ela podia comprar o que os carrinhos e barracas estavam vendendo, mas era difícil para ela ir a um restaurante sozinha.

Karan estava surpreendentemente consciente de como as pessoas a viam, e ela estava preocupada que se uma pessoa dragão como ela, entrasse em um restaurante vestida como um aventureiro, as pessoas iriam rir.

Mas ela queria comer.

Havia um cheiro muito bom vindo do lugar na frente dela.

O sol ainda não tinha se posto e não havia muitos clientes, então agora era a hora.

Mas mesmo se ela entrasse, eles iriam anotar seu pedido?

De repente, Karan percebeu que deixava seus ex-parceiros cuidarem de muitas coisas em sua vida, então daquele dia em diante, Karan seria a única a decidir o que comer e em que pousada ficar.

Foi quando alguém chamou ela por trás.

“Com licença, você pode me deixar passar?” (???)

“Hm? S-Sim…” (Karan)

Era um homem de meia-idade que parecia um aventureiro.

Ele tinha cabelo preto curto e um físico firme, e não teve problemas em entrar sozinho.

“Uma refeição de gengibre de porco.” (???)

“Sim.” (Empregado)

Ele apreciou sua refeição sozinho, sem se importar com o que os outros pensavam.

Karan o achou estranho, mas gostou de sua atitude desavergonhada.

Além disso, as pessoas ao seu redor pareciam um pouco inquietas.

“Ei, é aquele homem…” (Pessoas random)

“Sem dúvida, esse é o aventureiro de rank S ‘Tan Shoku ’!” (Pessoa Random)

Tan Shoku era um guerreiro que empunhava uma arma do sul chamada katana, e também era proficiente no uso de magia.

Ele viajou por vários países, tinha muito conhecimento e desafiou a sabedoria convencional ao se aventurar sozinho em vez de formar uma party.

Mesmo se você fosse um pouco forte, ainda assim era imprudente, então a guilda da Cidade Labirinto não recomendava trabalhar sozinho.

Apenas aventureiros experientes com rank B tinham permissão para fazer isso, então apenas os aventureiros mais prestigiosos podiam trabalhar sozinhos.

Um desses aventureiros de prestígio, o famoso Shoku, entrou sozinho no restaurante na frente de Karan.

“Aaah… Legal…!”

A chama da esperança reacendeu ligeiramente dentro de Karan.

Se ela fosse assim, poderia comer sozinha sem que ninguém pensasse mal dela.

Karan abriu a porta do restaurante e descaradamente sentou-se no balcão, assim como Shoku, que estava sentado perto da janela.

“Bem-vinda.” (Empregado)

O funcionário entregou a ela um cardápio, sem fazer perguntas.

Karan não sabia ler, mas assim como Shoku…

“Uma refeição de gengibre de porco.”

Ela disse.

Esse gengibre de porco atingiu o centro do corpo exausto de Karan.



Comentários