O Lixo da Família do Conde Coreana

Tradução: Hiro

Revisão: Goq


Volume 1

Capítulo 12: Peguei-o (5)

Pat! Pat!

Mesmo recebendo carinho do vice-mordomo, os filhotes só conseguiam olhar fixamente para Cale. 

Kim pensava no momento em que encontrou Choi Han: assim recordou da dupla felina daquele dia.

"A prateada deve ser a irmã mais velha, e o vermelho o irmão mais novo."

Ainda olhando em direção aos gatinhos, falou: — Conversamos depois.

Os irmãos que pareciam ser bestiais logo evitaram seu olhar e Hans respondeu confusamente. — Você está falando comigo...?

— Não.

Após receber tal resposta, olhou para baixo, em direção aos felinos, com uma expressão ainda mais confusa no rosto. Momentos depois, os apertou: parecendo não saber lidar com as fofuras em seus braços.

Entretanto, ele logo teve que se aproximar de Cale mais uma vez. 

— Sairá de novo?

— Sim.

O servo via seu jovem mestre mudando de casaco e se preparando.

— Aonde vai?

— Eu tenho uma promessa a cumprir e alguém a encontrar.

— Jovem mestre, você vai cumprir uma... promessa?

Hans estava chocado ao questionar...

— Você parece estar ficando mais rude.

— Perdão.

E seu pedido de desculpas foi rápido demais.

"Ele realmente é o melhor dos candidatos a mordomo chefe?"

Cale sentia que o vice-mordomo, que acariciava os gatinhos com um largo sorriso no rosto, não era muito confiável.

"Acho que vou levá-lo para a capital."

Kim estava pensando sobre isso: algo que Hans nunca esperaria mesmo em seus sonhos, antes de perguntar sobre uma pessoa que não via há algum tempo. — Onde está Ron?

O servo ainda tinha um sorriso contente em seu rosto diante dessa pergunta. 

— Ouvi dizer que Choi Han-nim irá com você como um dos guardas, durante a parte inicial da viagem à capital.

O vice-mordomo lembrou do convidado de Cale: hoje ele havia derrotado todos os membros da brigada de cavaleiros do conde. O indivíduo era mais habilidoso do que o esperado, facilitando-o ser um dos guardas, assim como Kim queria.

Claro, nem Hans e muito menos os cavaleiros, sabiam que tal indivíduo ainda estivesse escondendo seu verdadeiro poder.

— Enfim, o Sr. Ron soube disso, assim resolveu sair com ele para comprar algumas roupas e outros itens necessários para a viagem. Ah, o chef Beacrox também foi.

— Entendo. Isso é um alívio.

"Parece que estão se dando bem."

Havia um sorriso raro e extremamente brilhante no rosto de Cale: ele combinava com seus belos cabelos ruivos. 

O criado continuou a falar ao se deparar com o sorriso de seu chefe. 

— Sr. Ron, Choi Han-nim, e até mesmo Beacrox parecem felizes em servi-lo.

Após dizer isso, o vice-mordomo pôde ver uma mudança instantânea no rosto de seu jovem mestre. 

Por que de repente, ele parecia desanimado? Hans não conseguia entender.


Os quatros indivíduos se dirigiram para fora dos portões principais.

Quando Cale entrou na carruagem, fez uma pergunta ao servo que observava-o partir. — Ei, os mordomos sabem artes marciais?

— Claro que sim.

— E você é o maior candidato dentre eles?

O canto dos lábios de Hans começaram a se mover para cima e para baixo. 

O conde Deruth estimava-o por ser responsável e ter a melhor personalidade entre todos.

— Sim, senhor. Conheço o básico de três estilos diferentes: artes marciais, artes da adaga e artes da lança.

Na novel, os mordomos precisavam saber alguns estilos básicos e diferentes de luta: caso algo acontecesse e os membros da família, na qual servia, precisassem fugir.

— Incrível.

— Acho que eu sou um pouco incrível.

Outra resposta rápida.

Kim não conseguiu conter seu sorriso ao ver tal figura encolher os ombros, enquanto seus lábios continuavam a tremer: parecendo convencido. 

No chão, ao lado de Hans, os dois gatinhos, só conseguiam abanar a cabeça perante a cena.

— Estou indo agora.

Cale já tinha decidido levá-lo para a capital: assim, poderá deixar todas as coisas irritantes com ele.

Kim logo fechou a porta da carruagem e ela se foi em direção ao nevoeiro. A chuva estava piorando.

"A Fragrância do Chá com Poesia"

Cale olhou para a placa antes de abrir a porta.

Ding~!

O toque claro do sino e uma loja desolada deram as boas-vindas a Kim.

— Acho que a chuva espantou todos os seus clientes.

— Bem-vindo, jovem mestre.

Billos, o filho bastardo de Flynn, foi quem recebeu Cale: como se eles se conhecessem há muito tempo. 

Kim sentou-se em frente ao balcão e fez contato visual com o seu atendente.

— Prometi voltar. Eu precisava manter minha promessa.

— De fato. As promessas precisam ser cumpridas. Devo preparar o livro e o chá da última vez?

— Sim. Três xícaras de chá, por favor.

— Quais devo fazer?

Cale pediu três tipos diferentes de chá e marcou um horário para Billos os trazer, antes de dar meia-volta e ir em direção às escadas.

Plic! Plic!

A chuva estava ficando pior. 

Tch.

Kim clicou sua língua e logo subiu para o terceiro andar: sentou-se no mesmo lugar de antes, perto da janela e olhou para fora.

— A chuva de hoje está muito forte, não é?

Billos, que tinha subido as escadas momentos depois, pousou uma única xícara de chá sobre a mesa, e por fim se sentou em frente a Cale, que apenas o observava.

"Choi Han, Beacrox, Ron. E, Billos."

Estes eram os nomes dos indivíduos importantes que apareceram no volume 1. 

Porém, Billos tem apenas duas frases escritas sobre ele no primeiro volume, como o proprietário da loja de chá, onde Choi Han passa para descansar. Entretanto, isso foi algo que não aconteceu.

Depois, ele só viria a retornar no volume 3 onde jura sua lealdade ao protagonista e revela suas ambições.

"Revela", essa palavra era importante.

"Ele sempre foi uma pessoa gananciosa."

Billos era diferente de Hong Gil-dong¹.

Ele não estava triste por não poder chamar seu pai de "pai", ou seu irmão de "irmão". 

Na verdade, queria apenas ser reconhecido por eles, e que isso fosse acontecer de modo em que não tivessem outra escolha senão aceitá-lo e no fim apresentá-lo como filho e irmão mais novo.

"Deve estar exausto."

Kim imaginava o tipo de vida na qual aquele indivíduo viveu. No entanto, não desgostava dela ao todo. E sim achava que um personagem ter esse tipo de imprevisto, criando uma ganância, o fazia parecer mais humano.

Ele odiava figuras habilidosas e fortes, que sempre falavam coisas como: "Hoho, eu vou desistir. Eu não tenho escolha.". 

Por que alguém desistiria de algo que é seu? Você deve sempre ter o que o pertence, simples assim.

De qualquer forma, esta pessoa tinha que se encontrar com Choi Han pelo menos uma vez durante o período de tempo do volume 1: um pequeno encontro era suficiente.

Kim logo pôde ouvir a voz de Billos, quebrando sua linha de pensamento.

— Jovem mestre, ouvi dizer que você irá para a capital.

— E você? Vai continuar sentado aí? Não tem trabalho a fazer?

Ver tal figura fingindo estar aborrecida fez o proprietário da loja sorrir. Ele nem sequer tentou esconder isso. 

Para Billos, aquele indivíduo em sua frente, era realmente muito interessante. Já tendo deduzido que Cale era bastante esperto também.

— Eu também irei para a capital. Acho que estarei partindo depois de você.

— E?

Kim já sabia disso. Para que esse  personagem e o protagonista tivessem um encontro no volume 3: Billos precisaria ir para a capital em breve.

Com uma expressão estóica, o proprietário logo falou algo ao indivíduo que bebericava seu chá e olhava pela janela.

— Jovem mestre, você mudou.

Ao ver a figura se virar rapidamente, em sua direção, Billos começou a sorrir novamente. Kim moveu o queixo para que ele continuasse a falar.

— Você parece diferente do seu apelido.

— Qual? O de Lixo?

O proprietário podia ver os cantos dos lábios de Cale começarem a subir. Ele definitivamente estava diferente. 

Esta pessoa não era mais o Lixo que conhecia. Tal indivíduo não costumava fazer tais expressões: como um sorriso um pouco amargo.

"Eu deveria ter ficado bêbado e quebrado alguma cadeira antes…?"

Billos não sabia o que Cale estava pensando.

— Sim, esse mesmo. Lixo. Você sempre foi um, não é, jovem mestre?

Ele não tinha medo? 

Kim não podia deixar de se perguntar, como Billos disse tal coisa ao filho do conde, o primogênito do governante do território. 

Era ela quem tinha bebido?

Mas bem, Cale não queria brigar com ele. 

Billos era alguém que iria tomar conta de uma grande guilda mercante. E acima de tudo, estava sendo sincero: não sorrindo. Aquela pergunta foi séria.

"Você sempre foi um, não é, jovem mestre?", com tal pergunta, Kim decidiu responder. 

Não era uma pergunta difícil de qualquer maneira. Era mais fácil do que descobrir como ganhar dinheiro quando não se tinha.

— Billos...

Cale logo esboçou um sorriso no rosto, mas não riu ao falar com o bastardo.

— Você não pode chamar seu pai de "pai", e nem seu irmão de "irmão".

O olhar de Billos ficou frio. 

Ele começou a prestar atenção no indivíduo à sua frente, que não teve problemas em tocar em sua ferida. 

Assim como havia tocado na ferida de Cale, Kim retribuiu o favor da mesma forma. 

E logo, silenciosamente, fez contato visual com Billos.

A chuva começou a ficar ainda mais forte do lado de fora. Kim quebrou o silêncio e começou a sorrir.

— Você vai continuar sendo o "bastardo"? Está satisfeito com esse papel?

O proprietário pôde sentir um olhar aguçado sobre ele.

— Eu sei que não.

Cale encostou-se de novo na cadeira e continuou: com uma expressão que parecia estar pensando no passado.

— Eu agi como um lixo por mais ou menos dez anos, comecei aos 8 anos de idade mais ou menos.

"Uau… pensando bem, Cale Henituse fez coisas desprezíveis desde sempre... E começou a beber quando tinha 15, um moleque complicado."

Kim recordou o passado do Cale original, que estava presente em sua mente, e começou a sorrir. Esse mesmo sorriso era assustador para Billos.

Naquele momento, um pequeno ruído cortou através da chuva, vindo em direção aos indivíduos sentados no terceiro andar.

Squeak. 

Squeak.

Era o som de passos molhados subindo as escadas.

Kim olhou para além do ombro de Billos até a entrada do terceiro andar.

Podendo ver a cabeça de alguém: cabelo preto, era Choi Han. E atrás dele, Ron. 

Antes de deixar a propriedade, Cale tinha deixado um recado a um dos criados: dizendo ao seu convidado que fosse a esta loja de chá no final do dia.

Kim desviou seu olhar dos dois e começou a falar para terminar sua conversa com Billos. 

Choi Han e Ron terminaram de subir as escadas e olharam para Cale enquanto falava.

— Billos….

O rosto estóico de Billos parecia bem frio.

— Não faz mal pôr de lado algo que você esteve fazendo há cerca de dez anos.

Os olhos da figura ruiva começaram a parecer mais vivos enquanto continuava.

— Não posso viver como o Lixo pra sempre.

Claro, Kim ainda gastaria todo o dinheiro que quisesse e faria o que lhe agradasse, mesmo que não fosse mais um "lixo". 

Ele iria viver em paz e aproveitar a vida como filho de um nobre rico. Embora isso fosse diferente do destino da vida de Billos, mas o que importava era que ambos não queriam continuar a viver da maneira como estavam vivendo.

— O mesmo não vale para você?

O canto dos lábios de Billos começou a se mover lentamente para cima. Ele então se curvou e começou a rir.

Depois de sorrir silenciosamente um pouco, o bastardo levantou a cabeça e olhou em direção a Cale.

— Verdade, estou cansado disso. — Billos estava rindo enquanto dizia.

— Viu? Eu lhe disse.

Kim encolheu os ombros e fez um movimento para que Choi Han e Ron se aproximassem. Naquele momento, a figura a sua frente se levantou da cadeira e começou a falar.

— Jovem mestre.

— O quê?

— Vejo você na capital.

Cale começou a franzir o sobrolho. Seria complicado se eles se encontrassem de imediato na capital.

— Pra quê?

Kim logo moveu sua mão, indicando que Billos fosse embora. A figura apenas fez uma reverência respeitosa e se foi. 

Ron, Choi Han e Billos fizeram contato visual, mas todos eles apenas se ignoraram.

"Ótimo."

Kim deu as boas-vindas a essa cena. 

Choi Han e Billos mal se encontraram. Foi exatamente como na novel. Kim começou a sorrir para as outras duas pessoas com satisfação.

— Ron, eu sabia que você viria com ele. De acordo com Hans, Beacrox também foi com vocês, mas presumo que tenha voltado para a cozinha. Ele tem um forte senso de responsabilidade por aquele local.

— Jovem mestre, você é próximo daquela pessoa?

Cale encolheu os ombros diante da inesperada pergunta de Ron.

— Não...?

— Entendo.

E Kim apenas a deixou de lado, como se não fosse importante, mas Ron definitivamente ouviu algo: escutou Cale dizer que não podia continuar vivendo como um lixo. 

Após sua reposta, Kim parou de olhar para Ron e fez contato visual com o indivíduo.

— Acho que não dá pra acreditar em rumores.

"Do que ele tá falando agora?"

Cale ignorou as palavras de Choi Han. Naquele momento, Billos tinha voltado e trouxe as outras duas xícaras de chá que Cale havia pedido antes.

— As xícaras são para estes dois senhores?

— Sim.

Kim começou a sorrir novamente.

— Fiz os pedidos de antemão.

Ele pegou pessoalmente as xícaras de chá e colocou uma na frente de cada figura. Na frente de Choi Han estava o chá que pediu aleatoriamente do cardápio. Quanto ao de Ron...

— Eu pedi isto especialmente para você, já que parece gostar muito. Se não fosse isso, por que mais o traria para mim todos os dias?

Era chá quente com limão. 

Kim podia ver o velho parecer desconfortável, e assim sentiu a maior satisfação do dia.


Nota:

1 – Hong Gil-dong foi um fora da lei coreano durante a Dinastia Joseon que tinha uma história semelhante sobre ser um filho ilegítimo.


Recomendações:

— A Vingança do Curandeiro: É uma Web Novel Japonesa de Fantasia e Vingança. Para quem curte O Retorno do Herói, deve gostar dela também.

— O Rei da Caverna: É uma Web Novel Japonesa de Fantasia e Slice of Life. Obra leve, indicada para passar o tempo. 



Comentários