Volume 1

Capítulo 7: Espada Santa

A Espada Santa, Kureha Claylet. Não havia ninguém no Reino Georal que não conhecesse esse nome.

A casa Claylet era o clã de espadachins mais forte existente, portanto, sua linhagem aristocrática era bem temida em todos os lugares — tal família seguiu existindo por conta de todos os cuidados que tomavam ao decorrer dos tempos: tudo para que no fim, conseguissem dar luz a poderosos espadachins.

Entretanto, segundo rumores, se o clã determinasse que alguma de suas crianças não possuía um sangue forte o suficiente, a destinavam a um casamento consanguíneo, assim os sangues fracos teriam a chance de gerar uma nova vida forte. 

E, através de pesquisas, foi descoberto também que, a classe na qual você despertaria estava ligada tanto ao seu sangue quanto ao ambiente onde cresceu, logo, depois de algumas centenas de anos criando e treinando crianças para serem as melhores na espada, a família Claylet deu origem a uma classe especial denominada — Espada Santa — e ela foi praticamente destinada apenas para membros da sua linhagem.

Além de tudo isso, o clã Claylet possui as espadas mais fortes existentes; e sua grande variedade de técnicas podiam até mesmo ser chamadas de "Arte" em certo sentido. Mas claro, todas elas foram construídas a partir de inúmeras batalhas reais. 

Em todo caso, entre toda a sua linhagem, Kureha Claylet era a espadachim mais promissora.

"Eu realmente quero a esgrima de um Claylet..."

O meu eu antigo, na época em que curou Kureha, ainda era bastante inexperiente — não fazia ideia do que podia fazer com sua habilidade — ele também ficou bastante chocado por conta das experiências mórbidas que recebeu ao curá-la. E depois disso, teve que curar inúmeras outras pessoas enquanto vivenciava suas dores, assim perdendo sua maior chance de copiar as melhores habilidades de esgrima já conhecidas...

"Mas… desta vez, isso não vai se repetir, com toda a certeza vou pegar suas habilidades. Aí, não só serei tão forte quanto ela, como também serei capaz de enfrentar um bom número dos guardas daqui."

 

 

Como sempre, eu estava no meu quarto revisando as coisas que aprendi ao decorrer do dia e logo um servo veio me chamar.

— Com licença, Herói Curandeiro, a Espada Santa está ao seu aguardo. Ela, no momento, espera-o no grande jardim. 

Com um sorriso meio amargo, aceno com a cabeça em resposta. O início de todo o meu sofrimento estava prestes a se repetir, entretanto, agora estou repleto de vontade de aceitá-lo.


Informações

Nome: Keyal

Raça: Humano

Classe: Curandeiro | Herói

Nível: 5


Atributos

[ATQ Físico: 10 | ATQ Mágico: 16]

[DEF Física: 10 | DEF Mágica: 18]

[Mana: 27/27] [Velocidade: 17]


Habilidades

Cura Regenerativa「Lv2」


Talentos

Recuperação de Mana Eficaz: a recupere 10% mais rápido.

Aumento da Eficiência nas Habilidades de Curandeiro.

Quebra de Limite de Nível... [+]

Aura da Experiência... [+]

Presente ao Aliado... [+]


Aptidão

[Nível Limite: ∞] [Mana: 110]

[ATQ Físico: 50 | ATQ Mágico: 105]

[DEF Física: 50 | DEF Mágica: 125]

[Velocidade: 120] [Valor Total de Aptidão: 560]


"Com meu nível atual, já devo ser capaz de usar a Cura Mimética..."

Recentemente cheguei ao nível 5, o responsável por isso foi um dos efeitos da Cura Regenerativa, com ele eu não precisava lutar contra monstros para obter pontos de experiência.

Ao usar minha habilidade de cura enquanto envio minha mana ao meu alvo, algo como uma extensão mágica bidirecional se conecta entre a gente — usando essa extensão, para mim, é possível roubar sua experiência ou mana — mas claro, não posso tomar a EXP que já foi utilizado para subir seu nível, porém, posso tomar os outros pontos que não foram suficientes para upa-ló. Com isso, à noite, quando alguma mulher está me "atacando", consigo retirar algo dela. 

Uma vez que eu tenha todas as habilidades que preciso e atinja o nível de ser capaz de escapar daqui com facilidade, cumprirei a promessa da minha vida passada e acabarei com Flare.

 

 

Chegando ao jardim, pude visualizar de cara inúmeras flores de diversas cores — não era atoa que aquele lugar era considerado o mais belo do castelo — ouvi dizer também que, a responsável por sua criação foi Flare; parece que embora sua personalidade seja a pior, seus hobbies são aparentemente decentes. 

"Não, na real é um grande desperdício de dinheiro…" Enquanto eu pensava nisso, uma figura me notou.

— Olá, você é o Herói Curandeiro? — Falou uma jovem moça que vestia uma armadura prateada.

Tal figura transmitia elegância junto a uma forte aura, ela também não possuía aberturas à vista. 

— S-sim! Me chamo Keyal! Su-suponho que... você deva ser a Espada Santa. É uma honra conhecê-la — falei enquanto fazia uma pequena reverência. 

— Recebi ordens do Rei para curá-la. 

Para mim não havia dúvidas de que ela era, de fato, a espadachim mais forte do reino — seu longo cabelo prateado junto a um um rosto sem expressão era simplesmente adorável — aposto que ninguém iria acreditar que aquela garota podia fatiar qualquer um.

— Parece que você já sabe sobre mim, porém, aproveitarei esta oportunidade para me apresentar de forma apropriada. Meu nome é Kureha Claylet, eu sou a Ex-Espada Santa.

"Ex-Espada Santa", a razão por ter se autodenominado assim era simples — ela não tinha a mão direita, apenas um cotoco junto a bandagens era visto — Um demônio de alto rank; o inimigo que nem mesmo um Herói poderia matar sozinho, foi morto por ela, mas em troca disso sua mão na qual segurava sua espada foi destruída.

— Fui descuidada, e com isso recebi algo que nem mesmo o Elixir pode curar — falou Kureha enquanto apertava seu lábio inferior. 

— Agora a única coisa que posso fazer é depender do seu poder...

— ... 

A família Claylet era o clã que apostou tudo na espada, então se um de seus membros não pudesse usar uma lâmina, não haveria significado para sua existência — bem, na verdade, havia um significado sim para sua vida: fazer uma nova criança. 

Por ser a Espada Santa mais forte de seu clã, ela seria coagida a viver apenas para deixar para trás novas vidas… Aquela classe a atormentaria para sempre.

— Kureha, você poderia, por favor, virar as costas para mim? Para usar minha magia curativa, é necessário eu estar de frente para suas costas. 

Depois de acenar com a cabeça para isso, ela apenas se virou — estar de costas para mim era desnecessário, o meu verdadeiro objetivo é usar o Olho da Verdade sobre ela — faço isso porque, se eu a encarar, é impossível esconder o brilho do meu olho.


Informações

Nome: Kureha

Raça: Humana

Classe: Espada Santa

Nível: 45


Atributos

[ATQ Físico: 122 | ATQ Mágico: 70]

[DEF Física: 86 | DEF Mágica: 86]

[Mana: 169/169] [Velocidade: 103]


Habilidades

Esgrima Divina「Lv5」

Sensor de Perigo「Lv5」


Talentos

Correção de Esgrima: ataques que usam uma espada obtêm um ajuste positivo.

Detecção de Presença: aumenta a eficácia junto ao alcance da habilidade Sensor de Perigo.


Aptidão

[Nível Limite: 51] [Mana: 180]

[ATQ Físico: 128 | ATQ Mágico: 72]

[DEF Física: 90 | DEF Mágica: 90]

[Velocidade: 109] [Valor Total de Aptidão: 580]


"Puta merda… que garota roubada. Seu valor total está no mesmo nível de um Herói e até seu nível limite é alto."

Seus atributos faziam jus à sua classe e, além disso, ela também possuía boas habilidades:

  • Esgrima Divina: a melhor entre todas as habilidades relacionadas à espada.
  • Sensor de Perigo: uma habilidade que dava ao seu portador uma vantagem esmagadora em combates. 

Sem dúvidas alguma — ela era um monstro — não havia como alguém encará-la frente a frente com facilidade. Suponho que até mesmo alguns Heróis teriam problemas...

— Está tudo bem?

A-Ah, perdão! Vou começar o tratamento agora.

Assim, preciso conseguir aquelas duas habilidades — mas claro, com meu nível atual, copiar suas técnicas de esgrima será impossível — entretanto, por agora, isso já é o suficiente.

— Por favor, espere um pouco! 

Quando eu estava prestes a utilizar as minhas habilidades, a Heroína Maga, Flare, entrou no grande jardim correndo; uma figura encapuzada a acompanhava.

— Aconteceu algo Princesa?

— N-Não… na verdade, eu queria vê o Keyal-san curá-la.

"Espera..."

Tinha acabado de recordar algo; uma situação semelhante aconteceu na primeira vez que curei Kureha. A pessoa que acompanha Flare é encarregada da equipe de pesquisas do reino, portanto, é bem provável que ela veio para verificar minhas habilidades de cura.

— Jovem Herói, por favor, prossiga.

— Não se importe comigo também.

Bem, de qualquer forma, eu não possuía motivos para recusar seus testemunhos. Essa será a minha primeira Cura Regenerativa em outra pessoa, então uma dor extremamente horrível me aguarda. E claro, embora eu me lembre de toda essa dor, meu novo corpo ainda não a experimentou neste mundo. 

Se eu usar essa habilidade outras vezes no futuro, devo ser capaz de obter a habilidade de Resistência à Dor; isso tornará meu cérebro capaz de produzir endorfinas à vontade. No entanto, neste momento eu não sou capaz de fazer isso, o que significa que terei que resistir.

Apertando meus dentes com antecedência, utilizo minha magia. 

— Cure.

Após eu ter dito isso, cada experiência que a Espada Santa viveu agrediu meu corpo inteiro — seu treinamento infernal, sensações de seu corpo sendo perfurado e atingido por ataques diversas vezes, memórias de milhares campos de batalha banhados em sangue junto ao seu corpo inteiro se desgastando dia após dia…

"Dói, dói, dói… isso é doloroso. So-socorro, alguém, me salve..."

.

.

.

Gguuhkk… Ha... Ugguhk…… Ha… Haa…

Meu foco está debilitado, suporto o impulso de querer gritar em dor, uma grande agonia junto a sensações horríveis envolvem meu corpo, fazendo-o contorcer, meu coração aperta, sinto como se meu cérebro fosse explodir a qualquer momento — O inferno em que Kureha experimentou durante toda sua vida, foi todo revivido por mim naquele rápido momento — lágrimas começam a cair. 

A Cura Regenerativa uma vez que é ativada, não pode ser parada, nem mesmo pela vontade de seu provedor.  Portanto, embora a minha existência estivesse literalmente quebrando, eu havia feito meu trabalho; com toda a força muscular, cada experiência, hábito e ação reflexiva, eu havia recriado completamente o braço direito da espadachim.

E assim que terminei o tratamento, caí em espasmos; lágrimas e baba saem de mim.

— E-eu estou curada! Sinto meu braço...! I-incrível, é um milagre… Com isso, sou capaz de lutar novamente.

A voz grata de Kureha ecoava na minha cabeça, eu a observava com olhos distantes — embora tivesse me preparado para suportar qualquer angústia, não fazia ideia do quanto poderia aguentar — mas em todo o caso, na minha primeira vez, eu tinha desmaiado, então acho que melhorei um pouco. Afinal, ainda estou consciente, e graças a isso, consegui usar de forma correta a Cura Mimética; agora também possuo a Esgrima Divina e o Sensor de Perigo.

— Muito obrigada, Keya— Hã!? Vo-você está bem!?

Parece que a espadachim, que estava transbordando de alegria por ter sido curada, não prestava bem atenção em volta, e só agora percebeu meu estado.

Ela levanta o meu corpo em pânico, mas então resolve apenas me deitar no chão — para minha surpresa, tal indivíduo parecia ser uma boa pessoa — finjo desmaiar, esperando que Flare baixe a guarda; aos poucos fecho meus olhos e concentro minha audição o máximo possível.

Kureha é então praticamente expulsa do jardim, porque a dupla que assistia minha situação, ao que tudo indica, tinha lhe dito que me ajudaria e ela apenas poderia atrapalhar meu tratamento se ficasse lá.

Enquanto saia, a espadachim contente agradeceu novamente. — Por favor, quando ele acordar, diga ao Keyal-san que eu o agradeço... Agradeço por me deixar manejar minha espada novamente, e que jamais esquecerei este favor. Lhe dou também minha palavra, Kureha Claylet, um dia irá, com toda certeza, devolver este favor. — E assim, deixou o jardim.

Em seguida comecei a me perguntar sobre o que Flare faria a partir de agora, ela, logo então, abriu a boca.

Haaaaaa... Você nem mesmo consegue usar sua única habilidade adequadamente, assim não dá, é  realmente um inútil. E pensar que um lixo como você possui a mesma classe que eu, isso me enjoa, ugh... — Declarou Flare enquanto uma expressão de repugnância era estampada no seu rosto.

Não percebendo que eu ainda estava consciente, a Princesa deixou transparecer sua verdadeira natureza. Já ao seu lado, o indivíduo da equipe de pesquisa do reino parecia entusiasmado por alguma razão.

— Flare-sama, na verdade… ele é incrível.

Hã?

— A habilidade que ele utilizou não é algo como um feitiço de cura comum!

— Como assim não é comum? O que há de diferente?

— Seus fundamentos são diferentes, seu poder está em uma escala completamente desconhecida. Originalmente uma magia de cura comum apenas aumenta a velocidade natural de recuperação do corpo. Em outras palavras, ela só pode curar algo que um corpo normal poderia curar de forma natural. Assim, você não poderia recuperar um olho arrancado ou um braço decepado. — No meio de sua explicação, o indivíduo abaixa seu capuz; um rosto velho era visível junto a fios brancos — já a habilidade na qual ele usou é diferente. Reconstrução a partir da análise, Imaginação ou até mesmo regressão do tempo. Seja como for, está no nível de um deus! E também não há dúvidas de que o seu segredo está localizado bem naquela dor excruciante… É a primeira vez que vejo um curandeiro mostrar aquele tipo de reação após usar magia curativa... Se eu… se eu conseguir desvendar seu segredo… Po-posso criar um novo feitiço… algo muito superior ao seu antecessor!

"Ah, essa pessoa é perigosa..."

Enquanto eu ouvia a conversa daqueles dois, meu corpo ainda experimentava todas as sensações ruins, entretanto, continuei a fingir o desmaio.

Oh… Então essa "coisa" ainda pode ser útil? Sendo assim, tudo bem. Seja torturando, drogando ou fazendo qualquer tipo de experimento, quero que o treine. Afinal de contas, é provável que usará essa dor que está sentindo como desculpa para não usar sua habilidade em outros — Com um sorriso maléfico, a Princesa novamente volta a olhar para a figura deitada no chão — Torne ele capaz de curar 20 guerreiros com sua magia sem reclamar. Depois disso, não me importo se você o quebrar, porque até lá já terá descoberto a base para o seu feitiço incomum, certo?

— Exato Princesa, me certificarei também de exercer um belo trabalho antes de gentilmente quebrá-lo, Kekeke. E, se ele está passando por dor e medo, só precisamos hipnotizá-lo com magia, e depois drogá-lo, isso deve ser o bastante para o tornar agradável.

Foi assim que o meu destino anterior foi decidido — vejo também que, para Flare, nunca houve salvação. Não resta dúvida alguma agora.

— Vou deixar o resto por sua conta então.

Depois de dizer isso, a Princesa sai do jardim, já eu, estava desesperadamente dando meu melhor para não rir.

"Haaaa… obrigado. Realmente, obrigado por ter continuado como o mesmo lixo da primeira vez. Agora, sem hesitação, posso prosseguir minha vingança."



Comentários