VM – Capítulo 106 – Onde tudo começa.



Tyler estava maravilhado com suas novas habilidades físicas. Depois de correr ele foi até uma árvore e começou a fazer barras.

O exercício de barra, consiste em ficar pendurado pelas mãos e flexionar os músculos dos braços até que no mínimo a linha do queixo consiga ultrapassar a altura onde as mãos estão apoiando. Embora pareça ser simples, é um exercício muito duro e exigente.

O segredo está na relação peso/força, ou seja, uma pessoa mais magra precisa de menos força para completar o exercício. Para alguém comum é muito complicado elevar o próprio peso só com a força dos braços, e quando uma pessoa sem preparo consegue, faz duas ou no máximo três.

Um bom atleta faz 20 ou 30, e sim, ele pode se gabar para os seus amigos!

Quando Tyler começou, ele sentiu o mesmo sentimento de rigidez muscular que sentiu nas pernas antes de correr. Depois da quinta barra, ele começou a se sentir mais leve e disposto.

25… 45… 70… 100! Quando Tyler chegou na centésima barra ele parou, não por estar cansado, mas sim pelo fato de não sentir nenhuma dificuldade em fazê-lo.

Era como se ele estivesse apenas movimentando os braços livremente.

“Agora flexões!”

Tyler deitou-se no chão e começou!

Dessa vez já aquecido, ele não sentiu nenhuma rigidez. Primeiro com as duas mãos, depois com apenas uma mão, depois com as pontas dos dedos, e por último com apenas três dedos da mão esquerda!

Ele parou depois de completar 200.

Tyler lamentou-se um pouco por não ter uma academia pronta agora, na sua casa contêiner havia uma muito boa, sem contar em uma bem grande que ele preparou para construir na futura base militar.

“Então, o que achou?” Otaviano perguntou.

“É fantástico, eu não tinha ideia de como iria me sentir, mas eu estou tão leve e enérgico!” Tyler falou enquanto continuava a testar mais movimentos.

“Que bom.” O rei estava com um sorriso satisfeito nos lábios. “O que você pretende fazer agora?”

“Eu queria me encontrar com o lorde responsável pela cidade de Colina Azul.”

“Bom, eu vou ver com os servos, mas acho que o lorde Macal avisou a ele. Ele deve estar na casa de hóspedes dos nobres.” Otaviano assentiu.

Tyler já sabia que alguns nobres, principalmente os que eram responsáveis por cidades pequenas, não possuíam casas próprias na capital, então o reino tinha algumas que serviam como apoio quando vinham.

***

Tyler estava tão cheio de energia, que fez questão de ir andando até a residência temporária do lorde. Tyler não pode dizer que não gostou dos olhares lançados em sua direção pelas damas, infelizmente haviam homens ao lado que também lançavam olhares de ciúmes…

Parecia que ser jovem e bonito não é tão fácil.

“Bom dia.” Tyler cumprimentou o lorde Waz.

“Posso ajudar?” O homem queria saber quem era esse jovem a sua frente.

“Eu espero que sim, posso ver que o senhor não está me reconhecendo. Meu nome é Tyler Newman, eu sou o príncipe herdeiro do Império de Atlantis.” Tyler fez até uma certa pompa enquanto se apresentava.

“Vossa majestade!” Waz foi pego de surpresa. “Senhor, eu peço perdão por minha terrível falha! Vamos, entre, entre.”

“Não se preocupe, é natural que ninguém me reconheça nessa minha nova aparência.” Tyler tentou acalmar o homem que estava suando de nervoso.

“Não, erro meu.” O homem ainda estava se desculpando, contudo já estava visivelmente mais calmo.

“Não vamos falar nisso, que tal falarmos um pouco sobre o seu território?” Tyler foi direto ao assunto.

“Meu território?” Waz estava confuso.

“Sim, me fale sobre ele.”

“Bom, ele pode ser um pouco grande em tamanho, mas não tem uma renda expressiva como os outros territórios. Ele fica às margens do Rio Manso, temos muitas áreas de campos abertos e florestas, nas fronteiras do meu território temos muitas montanhas. Ouvi dizer que há ferro em abundância lá, mas não podemos extrair, pois o número de goblins e trolls é grande por lá.”

“Goblins e trolls?” Tyler ficou surpreso. “Por que você não pediu uma diligência do reino?”

“Eles quase nunca saem da floresta, e como minha cidade é pequena o reino achou que não valia a pena se arriscar por pouca coisa.” Waz deu de ombros como se não fosse muita coisa.

“Certo… Qual a principal fonte de renda?”

“Lã, queijo e carne seca. Temos um grande número de animais de pasto.” O nobre informou.

“Como se tornou o senhor desta cidade?”

“Eu venho de um lar humilde, meu pai era um cavaleiro do rei e eu também servi ao rei por um tempo, um dia estávamos respondendo a um pedido de socorro de uma pequena aldeia. Um macaco gigante de quatro braços ficou louco e começou a destruir tudo em seu caminho, eu e mais 50 bons homens lutamos contra a fera, apenas eu e mais 4 bons homens ficamos de pé no final do dia. Depois disso o rei ficou sabendo do meu ato de bravura e me cedeu aquele local.”

Waz parecia ter um olhar distante, como se estivesse recordando de tempos antigos. Agora ele aparentava estar na casa dos 40, então o que aconteceu já deveria ter alguns anos.

“Você escolheu aquele lugar?”

“Colina Azul era um território não reclamado, eu já havia visitado aquele canto algumas vezes em caçada.”

‘Território não reclamado?’ Tyler ficou um tempo sem entender aquela expressão, mas depois se lembrou de uma explicação dada por Macal. Terra não é algo em falta por aqui, todos os reinos têm muita terra, o problema é terra onde se é relativamente seguro.

Muitos locais são lar de feras perigosas, então se não houver algo como ouro, pedras preciosas ou qualquer coisa que sustente uma possível intervenção de caçadores, aventureiros e soldados.

O reino olha para o retorno que pode conseguir no local, se houver lucro ele vai, senão a terra fica sem ser reclamada por ninguém.

“Eu quero ser sincero com você, eu estou interessado no seu território, me dê seu preço.” Tyler falou sem rodeios.

Waz se revirou no assento e disse. “Se é o desejo de vossa majestade, eu dou meu território sem pedir nada em troca.” Waz sabia muito bem que se o rei quisesse ele não podia fazer nada contra.

“Não é assim, deixe-me explicar um pouco o que eu quero, eu vou fazer uma grande cidade lá. Quem sabe pode ser até a nova capital, eu pensei em três propostas. Primeira, trocamos Mil por Colina Azul. Segunda, eu posso lhe ceder algumas terras dentro da própria cidade, hoje não vale muito, porém no futuro elas serão bem valorizadas e embora o senhor não será mais nenhum nobre, ainda será bastante rico. E terceira, eu lhe pago agora em dinheiro pela cidade.” Tyler propôs.

“Isso…” Waz estava surpreso, ele nunca pensou que o novo herdeiro seria tão bondoso, todas as propostas eram muito boas. “Qual o senhor escolheria?” Ele quis saber.

“Bem, acho que isso é muito pessoal, eu posso te falar das vantagens e desvantagens de cada uma. A primeira e terceira opção podem te dar o retorno financeiro mais rapidamente, Mil cresce a cada dia e ter o dinheiro da terceira opção agora, te deixa livre para investir em outras coisas. Já a segunda proposta seria a mais confortável no longo prazo, mesmo se você não fizer nada, poderá lucrar com aluguéis enquanto a cidade cresce.” Tyler explicou.

“…” Waz ficou pensando, realmente cada uma das opções eram muito vantajosas, contudo ele não era um grande homem de negócios, cuidar da pequena cidade já lhe dava trabalho. Ter o controle sobre a cidade de Mil talvez não fosse grande vantagem para ele.

“Você tem filhos?” Tyler interrompeu a reflexão do homem.

“Sim, dois rapazes e uma garota.”

“Quantos anos eles têm?”

“Os garotos 16 e 14, a menina tem 8.”

“Vamos fazer um acordo, eu estou fazendo uma academia de ensino que será muito melhor que a casa dos sábios, posso colocar os seus dois garotos nela agora, e deixar uma vaga para a sua menina quando ela crescer. Independente de qual acordo nos dois fizermos, você terá dinheiro suficiente no futuro e eles serão espertos para cuidar e multiplicar o seu dinheiro sem nenhum problema.”

“Sendo assim eu escolho a segunda opção, eu gosto daquela cidade e quero vê-la crescer.” Pode ser dito que Waz fez a melhor opção, ele tinha dinheiro o bastante para viver bem por anos sem fazer nada de mais. Ter terras na futura capital era quase ser dono de uma mina de ouro.

“Então temos um acordo?” Tyler esticou a mão.

“Sim, nós temos um acordo!” Waz apertou a mão de Tyler selando.

***

“Pare aí mesmo, quem é você?” Um jovem guarda deteve Tyler que tentava entrar na casa dos sábios.

“Hahaha.” Tyler não pôde deixar de rir, ser jovem era muito divertido. “Perdão amigo, meu nome é Tyler Newman, eu gostaria de entrar e ver alguns conhecidos, posso entrar?” Tyler brincou.

“Vo… Isso é verdade?” A cor tinha sumido da face do pobre coitado.

“Existem muitas pessoas tentando se passar por mim ultimamente?”

“Não. Quer dizer, perdão vossa majestade, por favor entre!” O soldado tremendo de medo deu espaço.

Não era preciso dizer que a mesma situação ocorreu um par de vezes dentro da instituição. Mas a conversa de Tyler lá dentro foi rápida, rápida e radical.

Ele realocou todos os sábios de lá para levá-los para Colina Azul. Tyler precisava com urgência de professores qualificados, ensinar o básico para eles não seria difícil, o difícil seria arranjar construtores e carpinteiros nos números que ele precisava.

Seguindo o conselho de alguns sábios, Tyler colocaria anúncios nas guildas, em breve, pessoas de todo o novo império iriam até lá em busca de emprego.

***

“Fez tudo o que queria?” Otaviano perguntou a Tyler quando ele retornou.

“Sim, em alguns dias eu parto para Mil e de lá vou para Colina Azul.”

“Você é bem rápido.” Ele riu com a empolgação de Tyler.

“Sabe, eu estive pensando. Eu não sou bom com espadas, o senhor poderia me apresentar alguns bons mestres espadachins?”

“E por que não eu?” Otaviano riu.

“O senhor?” Tyler foi pego de surpresa.

“Quando eu era jovem, pode-se dizer que eu era apenas mediano, mas não se esqueça de que eu sou o homem mais velho desse continente. Se eu não melhorasse depois de 100 anos, eu deveria pastar no campo como uma mula, garoto hoje eu sou o melhor espadachim do reino!” O rei tinha uma pitada de orgulho enquanto falava.

“Se é assim, por favor me ensine!” Tyler não se fez de humilde e pediu logo.


Autor: Lion | Editor: Bczeulli | QC: Delongas



Fontes
Cores