SRVF – Volume 2 – Capítulo 2


O Pai do Kururi é um Exemplo 

Sejam bem-vindos jovens cultivadores, eu sou Tio Rudy e estou aqui para abrir as portas da ferraria da nossa Seita!

Embora minha mãe tenha chutado a bunda do meu Pai quando eu tinha 05 anos, ele me ensinou muitas coisas. A primeira delas foi a nunca mandar as crianças irem comprar cigarros. Quando meu pai estava muito bêbado para ír na budega da esquina, ele mandava a mim (3 anos) e minha irmã (8 anos) ír comprar os cigarros só que, a gente gastava todo o dinheiro com bombons, ficávamos passeando na casa dos vizinhos e quando voltávamos, ele já estava dormindo.

Quando meus pais se conheceram, ele não bebia, mas, depois que foi trabalhar na construção e via os colegas dele bebendo foi alí que conheceu a maldita da cachaça. Depois disso, os colegas de trabalho ficavam fazendo hora, chamando ele de Rei da cachaça, para convencê-lo a beber, porque meu pai,, muito louco, tirava a roupa e achava que estava abafando, enquanto os colegas estavam era tirando sarro dele. Segundo minha mãe, quando bêbado, ele costumava colocar as roupas dentro da geladeira e uma vez cagou dentro do balde onde as roupas dele estavam de molho. Ele só parou de beber quando quase morreu de cirrose.

Meu pai também era viciado em jogos de azar, chegando a perder inclusive o dinheiro da venda da casa da minha mãe (Quando eles decidiram se mudar) e ficou tão endividado, que resolveu furtar uma bicicleta para pagar a dívida, ele só não contava que o cara iria descobrir onde ele morava. Tremendo de medo e chorando, ele se escondeu, enqunato minha mãe, macho do jeito que ela é, foi falar com o cara, devolveu a bicicleta, resolvendo o assunto. Ela só não aguentou mais o casamento, quando o traste do meu pai tocou fogo na casa (Duas vezes) enquanto bebia. Deus deve proteger os bêbados mesmo, porque ele saiu vivo nas duas.

Moral da história, meu pai me ensinou muito mesmo, através do mal exemplo. Tudo que sou hoje devo a ele, pois sempre que fazia uma cagada, minha mãe me chamava pelo nome de meu pai.

 

 

Capítulo 42

Sem Mais! Boa Leitura!


Fontes
Cores