WCC – Capítulo 95 – Circunstâncias Intrínsecas



Quando Yuusuke retornou ao Palácio, Violet, acompanhada por Sun e Kreivol, já estavam aguardando ele na sala de reunião onde eles normalmente tinham suas reuniões secretas. Os três estavam visivelmente aliviados ao ver Yuusuke só estando levemente ferido e levemente mancando apesar de levar uma Lança Glacial – uma arte d’água do tipo ofensivo – à queima-roupa. (NT: É como chamamos em português, eu não quis ser tiozão… agora)

“Yuusuke-san… eu estou feliz que você esteja bem…” (Sun)

“Mais importantemente, como você sequer pôde sobreviver aquilo?” (Kreivol)

“Ah, você me avisou para ser cuidadoso antes, então eu criei encantamentos que aumentam a defesa adicionais no meu equipamento. Eu fui salvo por eles.” (Yuusuke)

“Mas ainda, para você realmente ser atacado assim…” (Violet)

Era com o Rei decidir tornar ou não este incidente público. Até isso acontecer, Kreivol propôs manter uma caçada pela cidade pelos assassinos que a Corps de Yuusuke estava executando com a ajuda da Corps do Deus do Fogo sob os panos.

“Retorne para a mansão e descanse por hoje. Sun, eu quero que você acompanhe ele. Kreivol, venha comigo, eu tenho algo para contar ao meu pai.” (Violet)

Violet latiu essas ordens com uma expressão séria em seu rosto e deixou a sala com Kreivol no encalço dela. Yuusuke não estava completamente certo se retornar para casa era uma boa ideia, mas ele decidiu ceder e seguir as ordens de sua superiora.

“Sun, vamos para casa?” (Yuusuke)

“Okay.” (Sun)

Eles contactaram o estacionamento de carruagens para prepararem a carruagem que Yuusuke usava exclusivamente para viajar entre sua mansão e o palácio, e partiu na jornada.

***

Alguns dias se passaram depois da tentativa de assassinato. Um herdeiro de duque estava para visitar a mansão de Yuusuke hoje, logo todos trabalhadores estavam no calor dos preparativos da recepção. O lorde da mansão em si, contudo, não mostrava um sinal de tensão. Ele recebeu o convidado do seu jeito relaxado usual e o levou até a sala de reunião.

“Isto me lembra, esta é a primeira vez que eu visitei sua mansão. Lugar bem confortável você tem aqui.” (Hivodir)

“Não tem como isto se comparar ao seu castelo.” (Yuusuke)

As quatro pessoas mais importantes na sala de reunião eram: Hivodir, Yuusuke, Vermeer e a criada especial da Corps do Deus da Escuridão, Sun. Então havia Sorzak, um especialista ligado à Corps do Deus da Escuridão, Rasanasha, uma ex-escrava e uma Princesa Cantora. Incluindo os outro 5, haviam 11 pessoas na sala.

Hoje, a Corps do Deus da Escuridão estava tendo uma reunião de acompanhamento depois do interrogatório dos culpados apreendidos por trás da tentativa de assassinato. Hivodir estava participando como a testemunha do interrogatório.

Violet queria falar com seu pai e havia coagido ele à nomear Hivodir como a testemunha oficial para este interrogatório. Kreivol foi colocado como a escola dele, principalmente porque com ele como um guarda, Yuusuke seria capaz de discutir a questão sem esconder nada. Durante o interrogatório, os dois também discutiram a situação presente.

Os assassinos foram rapidamente achados. Parece que as cantoras de rua dos guetos do distrito da plebe haviam relatado um par de pessoas suspeitas se escondendo por lá.

O homem de cabelo azul estava carregando informação falsa sobre os atos da Corps do Deus da Escuridão em Nossentes, e o usuário de artes de terra era um amigo de uma das casualidades da força tarefa especial. Eles aparentemente foram aproximados por aqueles que pensam igual à eles em um dos bares. Esta nova pessoa havia sugerido que eles assassinassem o Herói de Fonclanc… (NT: … eu nunca achei que escreveria uma palavra com 6 letras S – assassinassem)

“Então, você está me dizendo que esta é toda a evidência que você tem?” (Yuusuke)

“Você quer dizer que a evidência é falsa?” (Hivodir)

Quando eu olhei nisso, não há dúvidas que a pessoa de cabelo azul é um Nossentiano, contudo, o soldado da Corps do Deus da Terra que perdeu um amigo na força punitiva não existe. Isso quer dizer que a confissão foi forçada pelo interrogatório excessivamente duro sobre os laços à facção anti-Corps do Deus da Escuridão.

“Então você está dizendo que ele criou esta história para evitar o questionamento?” (Vermeer)

“Mesmo que ele tenha dito isso, não há como alguém simplesmente acreditar nisso.” (Hivodir)

Hivodir acenou, concordando que as dúvidas de Vermeer não eram sem base, contudo sua expressão era calma. Pela descrição deles, aquele que sugeriu à eles o assassinato parecia ser Reifold, um espião em contato direto com o rei. Contudo, esta pessoa deveria estar despachada em outro país numa missão de inteligência.

“Você quer dizer…” (Aisha)

“O Rei!? Não pode ser!” (Hivodir)

O silêncio na sala era ensurdecedor. A questão silente que Aisha e Isotta haviam murmurado era chocante. Hivodir, que se tornou o centro da atenção, soltou um suspiro e disse que sob interrogatório ainda mais severo os dois assassinos haviam confessado que o terceiro homem parecia que ele era uma parte da vida invisível do Rei. Isto explicaria porquê a tentativa de assassinato não se tornou pública ainda.

“Bem, o rei definitivamente negará isso.” (Yuusuke)

Eles estavam atualmente tentando confirmar a identidade do homem que pediu o assassinato. Interrogatório adicional estava agendado para acontecer em alguns dias.

“Para dar tempo para o oficial comandante e o Marquês prepararem suas partes, certo?” (Rasanasha)

“Isto é súbito demais; eu não consigo acreditar nisto.” (Hivodir)

“Eu não consigo acreditar também.” (Yuusuke)

Todos ficaram quietos no que o clima se tornou desesperado. Eles haviam vindo aqui para discutir medidas à se tomar no futuro, mas parecia que não havia futuro algum para eles. Não era certo ainda, mas lembrando do incidente de Driadria, a possibilidade estava ali.

“Me desculpem, posso dizer algo?” (Razsha)

“Hmm…? Por favor vá em frente.” (Hivodir)

Usualmente quieta, Razsha não estava acostumada à falar com pessoas de tal posição social. Apesar dela ter chego a conhecer Violet através das conexões de Yuusuke, ela ainda ergueu sua mão para pedir por permissão para falar diante do herdeiro de um Duque. Um bracelete preto brilhou de maneira fosca no fino braço dela.

Hivodir estava espantado, mas rapidamente reganhou sua compostura, relaxou, e urgiu para Razsha compartilhar sua opinião.

“Uhm, se é possível, ue gostaria de saber como esses assassinos deram seus testemunhos.” (Razsha)

“A atitude deles era a mesma durante ambos questionamentos, o inicial e o subsequente”, respondeu Hivodir, sem entender direito a intenção por trás da questão de Razsha.

“A voz deles não tremeu, e eu não acho que eles foram torturados ou abusados.

“Então, por que você dá tanta credibilidade sobre o testemunho deles sobre a vida secreta do Rei?” (Razsha)

“Não haviam contradições ou ambiguidade no testemunho deles durante o interrogatório.” (Hivodir)

“… isso não parece certo para mim.” (Razsha)

Todo mundo estava agora focado em Razsha. No passado, ela estava trabalhando como uma espiã, cuja tarefa primária era espalhar corrupção entre os oponentes dos mestres dela. Se ela disse que a confissão deles pertencendo ao anti-Corps do Deus da Escuridão veio tão facilmente era desconcertante, isso quer dizer que algo estava errado no testemunho dos dois convictos. O testemunho parecia coerente demais e perfeito demais, e além disso, todas as pistas ligavam ao Rei.

“Isto… que parte do testemunho você não confia? Eu certamente não quero acreditar que o Rei iria querer matar Yuusuke, mas se você olhar para isso objetivamente…” (Hivodir)

“Não é isso. Por que o Rei precisaria contratar pessoas tao inabilidosas para uma tarefa dessas?!” (Razsha)

Terminando sua explicação Razsha abaixou sua voz e sentiu a culpa por gritar diante do filho de um Duque, explicando seu raciocínio numa voz quieta.

“Mesmo que o Rei estivesse por trás deste assassinato, eu ainda esperaria alguma ambiguidade e contradições entre os testemunhos deles.” (Razsha)

A facção anti-Corps do Deus da Escuridão tentou resolver suas diferenças numa tacada só, mas mesmo se o Rei estivesse por trás deles, Razsha esperava que o planejamento e os preparativos fossem mais bem preparados. Ao contrário, o Rei não tinha razão para assassinar Yuusuke, e o método usado para o assassinato era muito inexperiente e muito bruto para aquele tipo de homem. O verdadeiro culpado tinha que ser outra pessoa. Reifold não parecia uma pessoa confiável nem um pouco, mas se o Rei era um pai amoroso como ele parecia ser, ele nunca iria expor sua filha à tal perigo – a facção anti-Corps do Deus da Escuridão se opondo diretamente à Yuusuke durante o Festival da Criação.

Essa era a conclusão do raciocínio dela.

“Não seria perfeito para o anti-Corps do Deus da Escuridão se o Rei fosse visto como aquele que queria Yuusuke embora?” (Razsha)

Silêncio engoliu a sala mais uma vez no que todos trocaram olhares. A lógica de Razsha era infalível, e mais ninguém na sala esperava que o Marquês Vordat fosse ir tão longe para remover Yuusuke.

No momento seguinte, o mordomo chefe Valys interrompeu a reunião, informando eles que uma nova visitante havia chego. (NT: Esse cara tá sendo chamado de Zafys agora, mas que eu me lembre, entre as várias coisas que fiz, o nome que ele ficou tendo era Valys… qualquer coisa eu troco, preguiça de checar)

“Yuusuke-sama, Princesa Violet-sama chegou.” (Valys)

“Violet? Guie ela para cá imediatamente… ah, você já está aqui.” (Yuusuke)

“Todos estão aqui, perfeito! Eu tenho algo importante para contar para todos vocês!” (Violet)

Violet apareceu de trás de Valys, que estava segurando a porta, Violet estava vestindo suas roupas usuais, mas Kreivol havia trocado seu uniforme de oficial educador do palácio para a armadura da Corps do Deus do Fogo. Violet rapidamente olhou pela sala, andou até Yuusuke, que estava sentado no assento mais honorável, pegou um assento e falou sem gastar qualquer tempo.

“Toda esta bagunça é um plano para incriminar meu pai.” (Violet) (NT: Chegou tarde para dizer isso)

Todos ficaram boquiabertos em surpresa. A tensão era tão grossa, que alguém podia quase cortar por ela. Kreivol ficou atrás da Princesa com uma expressão séria em seu rosto.

“Por quê você está sentada no meu colo?” (Yuusuke)

“Esqueça os pequenos detalhes.” (Violet)

Violet gesticulou para a mesa como que para dizer [“Não havia outro lugar para sentar, então eu escolhi os seus joelhos.”] Sun saltou de seu assento, as ações de Violet lembrando ela de seus deveres. [“Está tudo bem, não se preocupe.”] A Princesa acenou sua mão ordenando Sun à se sentar de volta e se acalmar. Aparentemente, Violet preferia a sensação do colo de Yuusuke do que a cadeira que foi preparada para a reunião.

Finalmente, a tensão dentro da sala caiu e aparentemente se espalhou em todas direções. Mas ainda a testa de Kreivol ficou ainda mais enrugada e seu rosto… ainda mais grave.

As conclusões de Razsha haviam vindo antes de Violet ter repetido a mesma coisa, mas…

“Como nós duas chegamos nas mesmas conclusões?” (Violet)

A Princesa repentinamente falou de novo, descuidadamente dando de ombros. Violet se pressionou firmemente ao corpo de Yuusuke e não parecia estar muito interessada nas explicações de Razsha.

“Então, você também acha que seu pai nunca tentou matar Yuusuke?” (Razsha)

“Claro, eu pareço uma idiota para você?” (Violet)

Violet então explicou, com um olho fechado, que esta manhã ela havia recebido uma carta anônima descrevendo os meios que seu pai havia tomado para lidar com a construção da fortaleza que a Corps do Deus da Escuridão havia completado num instante. Parte do plano era apoiar publicamente a corps diante das massas. Violet saltou para o lado da mesa.

“Aqueles cretinos pensaram que seria fácil assim me enganar!” (Violet)

“Uhm… bem…” (Yuusuke)

“Yuusuke, CONCORDE COMIGO!” gritou a garota e chutou seu Capitão na haste. Todo mundo rapidamente virou seus olhos para fora dos dois no que a princesa tomou as explicações de Kreivol.

O foco era fazer Violet confrontar seu pai sob essas assunções. Então a facção anti-Corps do Deus da Escuridão poderia opor Yuusuke, clamando que ele estava usando a Princesa para preparar uma rebelião contra a Família Real.

O relacionamento entre o pai e a filha era bem conhecido para todos, mas eles haviam apostado numa inconsequência infantil que a princesa ainda tinha nela. O fato que o capitão da Corps do Deus do Fogo tinha suas mãos cheias mantendo sua estudante em ordem só adicionava às chances de sucesso deste plano. Violet também agiu assim durante a reunião depois da derrota da Força de Subjugação Especial, onde ela foi completamente além de sua autoridade para proteger Yuusuke. O anti-Corps do Deus da Escuridão também sabia que ela gostava de viajar incógnita pela capital e usaram os rumores para plantar as suspeitas na mente dela.

“Eles estavam corretos que eu não seria capaz de parar a Princesa uma vez que ela se determine a fazer algo.” (Kreivol)

Eles podiam assumir que a Princesa possa escutar ao Capitão da Corps do Deus da Escuridão, mas os outros membros da corps não eram uma ameaça. Logo, se eles pudessem anunciar para todo lado sobre a “tentativa de golpe de estado, planejada pelo Herói”, não tinha Yuusuke evitar a punição.

“Por que eles querem me remover tanto. Eles realmente se penduram tanto assim aos direitos hereditários?” (Yuusuke)

“Isso é uma parte disso, mas eles não iriam tão longe apenas por suas tradições.” (Violet)

Violet, seu rosto parecendo grave agora também, respondeu Yuusuke, que estava ponderando sobre esta questão por um longo tempo.

“Talvez aqueles caras estejam com pressa, talvez eles temam a abolição do sistema de casta. Com todas essas coisas juntas, aqueles caras ficaram aterrorizados de seu própria posição.” (Kreivol)

“Ah, entendo…” (Yuusuke)

“O que você quer dizer?” (Hivodir)

Além de Yuusuke, que entendeu o significado por trás da explicação, os outros tiveram que pedir por uma explicação adicional. Violet olhou para Kreivol, e depois de receber o aceno de aprovação dele, ela havia revelado o plano de união das cinco tribos para todos na sala.

“… e então, meu querido pai está apoiando o plano deu união das cinco tribos e…” (Violet)

O plano que aboliria a fé dos Quatro Grandes Deuses e o sistema de casta, destruiria a desigualdade entre usuários de artes divinas e artless, e faria aqueles, cujas posições eram decididas por sua arte divina, perderem seus status e influência. Rei Esvobus estava apoiando uma ameaça dessas aos usuários de artes divinas.

Também podai ser dito que a facção anti-Corps do Deus da Escuridão suspeitava que Yuusuke era o Deus Maligno, e pensavam que o Rei estava agindo sob a influência de Yuusuke.

“Você quer dizer que eles querem salvar o Rei da influência de Deus?” (Yuusuke)

Yuusuke nem queria pensar em como aqueles caras chegaram com tais conclusões.

“Eu consigo entender isto, mas… como é que nós não temos evidência que este grupo está por trás de todos os incidentes recentes?” (Vermeer)

“Verdade, eu concordo com ambas, a Princesa e Razsha-chan, mas nós não temos evidência definitiva.” (Fonke)

Vermeer e Fonke vocalizaram suas dúvidas, ambos cruzando suas mãos em posições defensivas. Shaheed também sugeriu que eles devem aumentar a guarda ao redor dos dois perpetradores.

“Isso já foi cuidado.” (Violet)

“Eu fui para a prisão antes de vir aqui e deixei subordinados de Vermeer para guardá-los.” (Kreivol)

Esta era a razão pela qual Kreivol também estava vestindo sua armadura de corps hoje.

“Hmm… prova, eh? Eles realmente precisam remover as duas testemunhas se elas já nos contaram tudo que elas sabem?” (Yuusuke)

“Bem, nós não temos certeza se eles já nos contaram tudo que eles sabem.” (Violet)

Violet arguiu que a investigação devia ser o mais minuciosa possível, e propôs o plano para rastrear os movimentos da facção anti-Deus da Escuridão dentro do palácio.

Rasanasha que observou silente a reunião até agora humildemente pediu para falar.

“Posso dizer algo, Violet-sama?” (Rasanasha)

“Vá em frente, Princesa Cantora do Yuusuke.” (Violet)

“Oh, por favor!” Era difícil dizer se a timidez de Rasanasha era real ou fingida. A garota pediu para deixar ela e sua irmã encontrarem os dois prisioneiros. Ela estava certa que não tinha como os dois caras serem capazes de esconder qualquer coisa dos olhos observadores das duas garotas.

“Hmm, o que é você então? Escrava do Yuusuke?” (Violet)

“Hey!” (Yuusuke)

Yuusuke puxou o cabelo da Princesa por trás dela, cotovelando a garota metida à parar de ficar dando nomes. Vendo os dois brigando juntos aumentou a confiança de Razsha.

“Eu farei meu melhor”, ela finalmente disse.


Tradução: Thyros



Fontes
Cores