WCC – Capítulo 68 – Problema em Driadria



No dia seguinte, o grupo da Corps do Deus da Escuridão havia deixado Rinwaal e seguiu em direção de Driadria. Ninguém notou quando Reifold retornou do palácio, mas ele se juntou ao grupo que ela ia se juntar no grupo das minas Rudea. (NT: Eu também não sei porque mudou o nome…)

“A propósito, sobre o que você conversou com o Rei ontem?” (Yuusuke)

“Nós conversamos sobre os eventos recentes e tivemos um pouco de conversa boba.” (Reifold)

“É mesmo?” (Yuusuke)

Entendendo que era inútil tentar espiar mais, Yuusuke facilmente aceitou a resposta dele. A única coisa real sobre Reifold era seu sorriso usual. Haviam duas estradas que podiam ser usadas para viajar entre Rinwaal e Driadria. A estrada que os locais usavam, que passava em trilhas pelas montanhas e uma estrada maior que não passava por qualquer terreno difícil. Porque o grupo não estava acostumado à viajar em estradas montanhosas perigosas, eles optaram por uma escolha mais segura.

Mas de novo, o incidente das feras demônio modificadas não foi resolvido ainda, então a segurança da outra estrada também era questionável, no máximo.

Atualmente eles estavam de volta no território de Fonclanc, viajando em direção daquela estrada diferente. Eles se aproximaram do território de Trent Rietta pela segunda vez por volta do meio-dia e pararam para uma pausa. Pela hora que eles alcançaram Driadria, o sol já havia se posto.

“Whoa, então esta é Driadria.” (Razsha)

Depois de desembarcar da carruagem, Razsha estava se virando, admirando a vista da cidade. A segunda cidade do país foi construída na intersecção das estradas principais. A cidade parecia ser dividida em meia montanha e meia floresta, logo passando um senso artístico particular de seus construtores.

As estradas no centro da cidade foram alargadas durante o desenvolvimento, então as estradas de rodovia passavam através do meio da cidade. Um monte de carruagens e estandes de companhias de comércio também estavam alinhados por essas estradas.

“A cidade é agitada!” (Razsha)

“Ao invés de só agitada, ela é também terrivelmente barulhenta.” (Shaheed)

“Também há um monte de pessoas armadas, eles são provavelmente mercenários.” (Vermeer)

“Poderia ser relacionado com o incidente da fera maligna?” (Yuusuke)

Yuusuke perguntou sobre a razão de haver um monte de pessoas armadas, que parecia ser fora de contexto na cidade ocupada. Shaheed respondeu seu capitão que esta cidade também tinha um enorme número de imigrantes e os grupos armados simplesmente se destacavam mais do que o resto.

“Então eles não são relacionados com as feras malignas modificadas”, murmurou Aisha, complementando a resposta de Shaheed.

As carruagens da Corps do Deus da Escuridão estavam lentamente se movendo pela estrada principal iluminada por lâmpadas rin. Eles estavam andando na carruagem militar de um país estrangeiro, então eles atraíram até que um tanto de atenção. O grupo estava andando pela cidade quando um homem se aproximou da carruagem e os cumprimentou numa voz alta.

“Hey! Então vocês vieram para cá também, huh?” (Nilton) (NT: Acho que era esse o nome que joguei nesse cara)

Uma pessoa se separou de um dos grupos armados e aproximou eles enquanto acenava suas mãos. Ele era um dos aventureiros que havia lutado junto com eles na floresta durante o incidente da fera maligna. A memória dele pisoteando as larvas da fera maligna que haviam matado seus companheiros ainda estava fresca na mente de todos.

“Faz um tempo. Você parece ter reganhado seu espírito.” (Yuusuke)

O aventureiro sorriu para o cumprimento cuidadoso de Yuusuke e acenou para seus companheiros, gesticulando para eles virem para cá também. Os outros mercenários, contudo, ainda pareciam estar cautelosos como se aproximar de uma carruagem assim fosse perigoso.

“Então, vocês também vieram para cá para investigar a instalação de pesquisa das feras malignas?” (Nilton)

“A instalação de pesquisa das feras malignas?” (Yuusuke)

“Eu estou errado? Certamente vocês vieram aqui para exterminar aquelas feras… não, não importa como eu olhe para isso, vocês vieram para cá rápido demais.” (Nilton)

“Eu não tenho ideia do que você está falando sobre…” (Yuusuke)

O grupo de Yuusuke estava embasbacado, incapaz de compreender o monólogo do aventureiro. Logo o homem explicou para eles sobre o incidente que esta cidade estava atualmente envolvida, e porque estava tão barulhento e cheio de pessoas armadas.

Tarde da última noite, um único homem, vivo por pouco, havia chego na cidade. O homem estava gravemente ferido e tinha problemas respirando mesmo quando artes de cura foram usadas para ajudá-o. Entre suas respirações cansadas, ele começou a contar ao povo ao redor dele sobre um instituto de pesquisa e modificação de feras malignas em que ele estava trabalhando. Suas palavras trouxeram medo e desconforto para as mentes das pessoas, mas junto disso curiosidade e ambição também havia aparecido.

De acordo com o sobrevivente, um dos cientistas havia enlouquecido e abriu as gaiolas com as feras malignas e a situação dentro do instituto havia rapidamente virado o inferno.

Alguns dos pesquisadores usaram as flautas especiais que eram usadas para controlar as feras malignas que ainda não haviam passado pela modificação completa. Mas a aura de arte divina especial das flautas também havia chamado mais feras malignas, e os pesquisadores que tentaram parar o surto com essas flautas foram todos devorados.

Os pesquisadores sobreviventes haviam conseguido fechar a instalação de pesquisa e escapar, mas algumas das feras já haviam conseguido escapar para a floresta. Os pesquisadores foram atacados e espalhados por essas feras em seu caminho para a cidade.

O pesquisador que havia de algum modo conseguido alcançar a cidade estava com medo que a pesquisa em que ele havia participado houvesse trazido uma calamidade impensável. Avisando todos do perigo caso essas feras modificadas cruzem com as feras na selvageria, o homem deu seu último suspiro.

“Feras normais podem ser mortas com artes divinas, mas as modificadas só podem ser mortas com armas.” (Nilton)

A flauta deveria torná-las sem poder, mas usar ela tinha um perigo de alertar outras feras na área ao redor. Mas uma ferramenta que podia controlar essas feras era muito valiosa.

Flautas de lado, mesmo que isso estivesse atualmente fechado, supostamente havia um monte de equipamento caro dentro da instalação de pesquisa.

Era provavelmente por causa dessas notícias que os aventureiros e grupos de mercenários começaram a se reunir nesta cidade. Ao mesmo tempo, os cidadãos estavam dispostos à contratá-los pra se protegerem da ameaça que essas feras representavam para a cidade.

Logo o agito da cidade não era um que alguém poderia ouvir quando se preparava para guerra, nem era seu normal. Era uma cacofonia de ambos – haviam pessoas que haviam vindo para exterminar as feras malignas, haviam também caçadores de tesouro que vieram esperando rapidamente conseguirem suas fortunas, e haviam também mercadores, que aqueles se aventurando na floresta, dependiam para suprimentos.

“Então, isto quer dizer que nós tropeçamos na continuação daquele incidente.” (Yuusuke)

“Nós também devemos informar nosso país sobre isto. De qualquer modo, vamos achar um hotel.” (Vermeer)

Vermeer olhou para Isotta no que ele disse isso. Eles estavam se movendo numa velocidade de caminhada enquanto eles estavam falando e agora eles notaram que uma carruagem mercenária e uma carruagem de comércio já havia se aproximado deles por trás.

Como esperado, como a carruagem pertencia à corps militar de Fonclanc e como os membros da famosa Corps do Deus da Escuridão estavam andando nela, as pessoas na carruagem seguindo hesitaram em vocalizar suas reclamações.

“Ahh, eu sinto muito! Eu moverei ela para o lado assim que eu puder.” (Yuusuke)

O jovem capitão curvou sua cabeça em desculpas no que a carruagem virou numa rua, levando ao distrito de alojamentos. Vendo isto, os motoristas das carruagens atrás da carruagem de Yuusuke só podiam involuntariamente curvarem suas cabeças também.

“Oh, desculpe, desculpe, parece que eu segurei vocês com a conversa.” (Nilton)

“Não ligue, você nos deu um monte de informações valiosas.” (Yuusuke)

O distrito de alojamento de alta classe era sua típica rua com hotéis de aparência normal alinhados ao longo de ambos os lados da rua. Parecia também que tinha menos pessoas aqui. Depois de não ter que estar cuidadoso sobre carruagens seguindo atrás dele, Yuusuke decidiu continuar sua conversa com o aventureiro, que deu para ele a valiosa informação, por um pouquinho mais.

“Os feridos daquela vez já estão curados?” (Yuusuke)

“Ah, as feridas pareciam leves. Eu acho que eles já devem ter se curado, mas eu me separei daqueles caras depois daquilo, então eu não tenho como ter certeza disso.” (Nilton)

“Eh, separou? Ah, vocês haviam formando um grupo temporário para aquela uma missão, certo?” (Yuusuke)

“Não, nós estivemos juntos por cinco, não, seis anos… é só que caçar tesouros era nosso propósito principal.” (Nilton)

O aventureiro repentinamente ficou quieto. Parecia que perder perto de metade do grupo foi um enorme baque para todos. Sabendo que ele não deve se meter mais no assunto, Yuusuke tentou mudar o tópico, mas o aventureiro, seu rosto ainda uma máscara séria, continuou falando sobre seu antigo grupo.

“Nós estivemos procurando sobre a lenda do Lago Espelho de Lua, mas depois de encontrar aquelas feras malignas… os outros membros…” (Nilton)

“Eh, eh, ehm… Então você se juntou à um grupo mercenário em seguida? Isso é, como eu digo isso…” (Yuusuke)

“Isso mesmo! Se nós fossemos um grupo de mercenários, nós não teríamos perdido tão facilmente.” (Nilton)

Com o jeito que o aventureiro estava agindo, a corps de Yuusuke estava chocada pelo jeito que o aventureiro havia agido com seus companheiros. Razsha e Sorzak, que só haviam encontrado este aventureiro pela primeira vez hoje, também sentiram algo parecido com loucura das palavras do aventureiro.

“Oh nossa! Eu tenho que voltar, meus companheiros devem estar começando a ficar preocupados sobre mim. Até mais!” (Nilton)

O ex-aventureiro acenou sua mão no que ele disse isso e correu em direção da rua principal.

“… Ugh…” (Yuusuke)

“Capitão, nós também estamos prestes à chegar em nosso hotel.” (Vermeer)

Yuusuke gemeu dolorosamente. A atmosfera dentro do grupo estava pesada por algum tempo depois que o aventureiro havia partido.

***

O grupo entrou no hotel que eles haviam contatado em avanço e prepararam para ter uma reunião de emergência sobre como reagir à informação sobre as feras malignas modificadas.

O hotel em que a Corps do Deus da Escuridão havia reservado era pequeno mas requintado. O grupo entrou na sala principal do hotel e se sentou na maior mesa. Reifold sozinho permaneceu de pé, apoiado contra a parede próxima do corredor.

“Eu estou preocupado sobre as feras malignas, mas nosso propósito aqui desta vez é pesquisar o musgo. Eu acredito, amanhã nós devemos continuar nossa missão designada.” (Yuusuke)

“Então você quer dizer evitar participação ativa no incidente?” (Vermeer)

Parecia que uma resposta de Fonclanc para a informação que eles enviaram sobre este incidente chegaria amanhã de tarde no mínimo. O incidente aconteceu no território de outro país, além do mais a ajuda deles não era necessária mas o incidente em si parecia ser perigoso, logo todos estavam à favor da proposta de curso de ação de Yuusuke sobre os eventos recentes.

Sorzak ergueu sua mão, perguntando se eles não deviam ao menos considerar a situação atual.

“Eu não esperava que tivessem tantos mercenários e aventureiros reunidos aqui, mas eu acho que nós devemos levar eles em conta. Nossa corps é famosa, nós não podemos ignorar a possibilidade que alguns deles tente lucrar do nosso nome ao nos desafiar ou provocar. Eu acredito que nós temos que considerar esses perigos e preparar contra-medidas para evitar entrar em lutas e outros problemas.” (Shaheed)

“Sobre isto, eu proponho que nós constantemente permaneçamos em grupos de não menos do que três pessoas toda vez que deixarmos a cidade.” (Yuusuke)

“Bem, se essa é a decisão do Capitão, então eu não tenho dúvidas sobre isso.” (Vermeer)

“Ah, ficará tudo bem, se nós estivermos com o capitão.” (Shaheed)

“Eh, eu me sinto segura quando eu estou com o Capitão.” (Aisha)

Vermeer, Shaheed e Aisha imediatamente responderam assim, enquanto Isotta também acenou concordando. Fonke, que estava terminando uma garrafa de álcool ao lado da mesa, engasgou na bebida, olhou para Yuusuke e perguntou para seus companheiros – “O que há com esta resposta?”

“Porque, se Yuusuke se envolve, os inimigos sempre se destroem eles mesmos, não?” (Razsha)

Todos acenaram, concordando com a resposta de Razsha.


Tradução: Thyros



Fontes
Cores