WCC – Capítulo 59 – Determinação de Sun



Vestida em roupas brancas de serva de boa qualidade, Sun estava nervosamente segurando o arco que ela havia recebido de Bahana. No mesmo dia que ela foi apontada para ser uma serva da Corps do Deus da Escuridão, o grupo foi ordenado à investigar um relatório de de feras demônio devastando pelo interior do país. (NT: Eu poderia chamar ela de ‘criada’ ao invés de serva, mas… ela é uma Archer.)

O equipamento de Sun foi encantado para um nível similar aos que Yuusuke vestia. Apesar do equipamento aumentar grandemente as habilidades dela, a garota confiava muito mais nas habilidades de Yuusuke do que na qualidade do equipamento.

“Você está dizendo isso, mas sem seu equipamento customizado suas habilidades não poderiam nem ser consideradas medianas.” (Sun?)

“Isso é verdade…” (Aisha?)

“… eu concordo…” (Yuusuke)

“Eh? Eh? Por que você está falando assim, Yuusuke-san?” (Sun)

Yuusuke ficou de algum modo deprimido, desenhando letras de um mundo diferente com seus pés. Sun, distraída pelo stress, freneticamente tentou acalmar seu amigo, que estava fazendo ainda outro ritual estranho.

“Capitão, me desculpe interromper seu tempo feliz, mas nossos preparativos estão prontos.” (Fonke) (NT: Tempo feliz ou flerte, segundo as notas)

“Você chama isto de flertar? Eu estou me sentindo deprimido aqui!” respondeu Yuusuke no que ele subiu na carruagem, seguido por Sun.

“Bem, você também tem que confiar em seu equipamento. Ao menos eu acho que isso é parte da sua própria habilidade.” (Fonke)

“Mesmo que você esteja emprestando o poder, isso não muda o fato que você está sendo útil ao capitão”, disse Vermeer numa voz quieta mas persuasiva.

“Se este poder me faz mais útil ao Capitão, eu alegremente aceitarei ele,” adicionou Shaheed numa voz de algum modo mais alta.

“Vocês estão certos… eu farei meu melhor para ser útil ao Yuusuke-san.” (Sun)

“Não para ‘todo mundo’, mas apenas para o ‘Yuusuke’, isso é tão você, Sun.” (Fonke)

“Eh!? Ah… uhm, me desculpe! Eu tentarei meu melhor para todo mundo.” (Sun)

“Você está deixando ela nervosa, Fonke!” (Aisha)

Apesar de Sun ser apenas uma serva da Corps do Deus da Escuridão apontada pessoalmente, ela já havia recebido um monte de atenção dos outros membros e a atmosfera do grupo mais uma vez era animada. Desse jeito o grupo deixou o palácio e foi para seu caminho para a região sudeste de Fonclanc.

***

No dia seguinte, no fim da tarde, a Corps do Deus da Escuridão chegou na cidade de transmissão do sudeste. No caminho, o grupo parou em Rufk e anunciou o alistamento de Sun para Zeshald, Bahana e o resto dos aldeões. A atmosfera feliz que durou pela viagem inteira foi levemente arruinada um pouco depois que o grupo chegou na cidade.

“De algum modo, eu tenho uma má impressão sobre esta cidade.” (Yuusuke)

“Com certeza tem vários mercenários por aqui… eu não acho que você precisa desse tanto para lutar com feras demônio.” (Vermeer)

“Você não diria isso se as feras realmente atacaram.” (Shaheed)

“Eu não quero acreditar nisso, mas um monte deles parece com bandidos para mim.” (Fonke)

O grupo começou sua missão ao pretender confirmar os detalhes que foram mencionados no pedido do escritório da filial da associação de comércio.

Atualmente eles haviam chego na frente deste escritório da filial.

O humor viajante que havia se instaurado entre os membros da corps havia imediatamente sumido. Apesar dos olhares deles não terem mudado, o ar ao redor deles mudou completamente. Notando isso, Sun não pôde deixar de ficar mais tensa.

“Bem vindos, por favor entrem. Eu sou o chefe apontado desta filial da associação.” (Josmaicon)

“Yuusuke, da Corps do Deus da Escuridão. Você poderia me dizer tudo sobre o pedido se tratando de feras malignas?” (Yuusuke)

No começo, o chefe do escritório da filial estava preocupado que, ao invés dos cavaleiros pedidos, ele foi enviado um bando de fracotes. Contudo, ele rapidamente notou que o jovem capitão deste esquadrão tinha cabelo preto e estava envolto num uniforme preto que lembrava aquele dos cavaleiros do palácio. Ele até tinha uma artless armada com ele por alguma razão. Pensando sobre o grupo que parecia um bando esfarrapado de pessoas aleatórias, o nome da Corps do Deus da Escuridão apareceu na mente dele. Quando o capitão em si confirmou isso, o chefe os recebeu acaloradamente.

Numa sala de reunião do alojamento do escritório da filial, o chefe colocou o grupo de Yuusuke à par da situação. Até a chegada deles, o chefe havia usado os mercenários que a associação havia contratado para ele para realizarem uma certa investigação.

Alguns dias atrás, esse grupo de aventureiros havia enviado um pedido de assistência e nenhuma comunicação foi tida com eles desde então.

“Os aventureiros que nós havíamos contratado também eram especializados em destruir as feras demônio…” (Josmaicon)

“Hmm, eu acho que há uma possibilidade para declarar um estado de emergência, ou aliás, nós já estamos em um.” (Yuusuke?)

Como ele havia perdido um grupo craque de aventureiros num local que era meio perto da cidade, o chefe, temendo que a cidade possa estar em perigo, havia apressadamente tentado reunir uma força de resgate para os aventureiros desaparecidos com os lutadores restantes, que tem a tarefa de defender a cidade. Contudo, logo se tornou aparente que eles não tinham usuários de artes de vento habilidosos e era perigoso demais mandar um grupo composto só de lutadores numa missão onde comunicação era essencial.

“Reunir mercenários foi difícil?” (Yuusuke)

“É porque Gazzeta está sendo um assunto quente neste momento. Todos capazes de reunir inteligência já foram contratados.” (Josmaicon)

Parecia que o fornecimento não conseguia atingir a demanda e que todos usuários de artes de vento capazes já foram contratados por outras pessoas.

A descrição da missão oficial para a Corps do Deus da Escuridão era para investigar o dano nas feras malignas, então ninguém esperava que ela se tornaria uma missão de resgate. Contudo, a situação parecia perigosa e Yuusuke não podia apenas se virar e ir embora assim.

“Entendido. Dado que nós estamos para investigar aquele lugar, me diga tudo sobre os mercenários que você havia contratado.” (Yuusuke)

Depois de consultar com Vermeer, Yuusuke decidiu procurar pelos aventureiros desaparecidos. Dependendo da situação, ele decidiu empregar os mercenários da cidade para ajudá-lo. Contudo, porque eles podem sofrer uma emboscada à qualquer momento durante a missão, ele também precisava considerar a posição de Sun.

“Com isso decidido, por favor usem os quartos por ali e descansem por hoje. Eu estou esperando grandes resultados da Corps do Deus da Escuridão.” (Josmaicon)

***

Naquela noite, todos se reuniram no quarto de Yuusuke para se preparar para a missão e discutir os detalhes precisos do plano. Fonke ergueu sua mão durante a discussão onde todos falaram suas opiniões e conversaram sobre o melhor plano possível.

“Antes disso, eu posso perguntar algo, Capitão?” (Fonke)

“Hmm, o que é, Fonke?” (Yuusuke)

“Você é o Deus da Calamidade?” (Fonke)

“Você está sendo barulhento.” (Aisha) (NT: Incherido, irritante… há várias traduções)

Fonke brincou sobre a Corps do Deus da Escuridão estar envolvida em uma situação perigosa após outra. Aisha estritamente o cortou, declarando que esta não era uma hora para as piadas dele.

A discussão começou acalorada, com todos discutindo quem tomará o papel dos investigadores. Quando os papéis de todos foram decididos, a última questão restando era a posição de Sun no caso que eles fossem forçados à lutar.

“Se nós formos emboscados por bandidos, uma arqueira que não tem experiência em atirar em humanos só nos atrapalhará.” (Shaheed)

“Eles não são difíceis de se mirar… você tem alguma experiência de caça ou treinamento de arco?” (Vermeer)

“Eu só atirei em pássaros falsos junto com a Violet-sama…” (Sun)

“Talvez seja melhor para você retornar para a cidade e treinar usando o arco…” (Yuusuke)

Não havia problemas com o jeito dela de lidar com o arco ou a precisão, mas a falta de experiência de combate era enorme. Equipamento havia aumentado as habilidades dela suficientemente para ela manejar poder significativo, mas o jeito que ela usava este poder dependia apenas dela.

O assunto desta discussão em si sabia que ela era um calo nesta missão de emergência, mas ela não queria ser enviada de volta para a cidade e falou.

“Está tudo bem! Eu farei meu melhor!” (Sun)

“… Sun.” (Yuusuke)

“Bem, eu acho que acabará tudo bem se a pessoa em si tem todo esse espírito.” (Fonke)

“Eu não posso negar que nosso grupo está curto em ofensa.” (Shaheed)

“Nós já vimos quão assustador um artless pode ser se ele usar uma arma.” (Vermeer)

Vermeer e os outros membros aceitaram a declaração cheia de vontade de Sun. Sun aceitou as expectativas e encorajamento de todos com seus olhos retos, apenas uma leve corada traindo sua timidez.

“Bem então, você está pronta para vir conosco amanhã?” (Yuusuke)

“Sim!” (Sun)

Então, para a missão de amanhã, Sun foi colocada para ser uma arqueira para o grupo, uma tarefa muito inusual entre as corps de cavaleiros do palácio.

***

Shinra estava olhando por alguns documentos com uma expressão séria em seu rosto no antigo prédio do Parlamento Divino na antiga Capital de  Patrucia Nost de Nossentes. Descrito nesses documentos, que Ayukas havia encontrado no laboratório de pesquisas, haviam experimentos de Nossentes com feras malignas.

“Isto… isto também é coisa do Parlamento Divino?” (Shinra)

“Não, pense que os pesquisadores haviam feito isso sozinhos numa tentativa de arranjar melhor financiamento. Você acha que o Parlamento ficaria sem saber sobre isso?” (Ayukas)

“Ainda, será que os caras em si entenderam o que eles estavam fazendo aqui?” (Shinra)

“Não importa a era, é fácil para os pesquisadores se perderem em suas pesquisas e perderem qualquer razão. É assim como os usuários de artes divinas da era atual que não tem memória da rica história da Tribo Branca e a queda dos [Coloridos] que o Deus Maligno antes do Mago havia trazido.” (Ayukas) (NT: Aparentemente a história é explicada no capítulo 27… preguiça de checar, mas tá linkado.)

“Julgando pelo que Yuusuke normalmente faz, parece que ele não é relacionado aos primeiros Deuses Malignos.” (Shinra)

“… ele é diferente?” (Ayukas)

“Nós certamente tiramos vantagem da existência do Deus Maligno para derrubar o Parlamento Divino, mas…” (Shinra)

Os documentos descreviam, em finos detalhes, os resultados da pesquisa de uma organização que havia continuado seu trabalho por um longo tempo por trás das cenas. Isso dito, esses experimentos eram muito perigosos para os usuários de artes divinas comuns.

“Basicamente, eles recriaram algo de mais de 2400 anos.” (Ayukas)

Naquele tempo, uma larga população dos [Coloridos] havia repentinamente diminuído. Foi por volta daquela hora que o Deus Maligno negro havia descendido e deu para a Tribo Branca sua chance de prosperar. Este é o retorno que a xamã da vila havia prospecto. (NT: A desgraça da Ayukas, não?)

“… como um Rei de Gazzeta, você deve estar se sentindo feliz neste momento.” (Ayukas)


Tradução: Thyros



Fontes
Cores