WCC – Capítulo 52 – Conspiração do Parlamento Divino



Um pouco de tempo após o anúncio do Rei Shinra.
Apesar de ser tarde na noite, uma longa fila dos habitantes da cidade se esticava até o portão norte. Shinra estava observando ela através do Espelho Divino. Este espelho era um aparelho especial que foi construído no centro dos Salões Divinos e permitia que seu usuário olhasse pela distância.

Era dito que este espelho foi criado por um Deus Maligno ancião. Ele tinha o poder de mostrar qualquer lugar dentro de Patrucia Nost ou seus arredores pelo ponto de vista de um pássaro. Ele podia praticamente ser usado para rastrear os movimentos de qualquer um dentro da área efetiva do espelho.
A razão pela qual a cooperação entre os diferentes esquadrões de cavaleiros do poder militar de Nossentes ser tão bom era por causa deste espelho.

O alcance aproximado de que o espelho podia ser usado era na cidade em si e na distância de cerca de meio dia de viagem com uma carruagem ao redor dela. Logo alguém podia ver a área inteira até a borda da floresta em grande detalhe. O espelho era a razão pela qual as corps de cavaleiros de Nossentes se tornaram extremamente fracas assim que eles entraram na floresta.

Atualmente, Gazzeta ocupou dois portões e a torre central. Incluindo as forças invasoras que tomaram a torre, a cavalaria que correu pelos portões e os espiões, previamente enviados na cidade, a força militar de Gazzeta numerava levemente menos do que oitocentas pessoas. Esta força não era o suficiente para completamente ocupar uma cidade como Patrucia Nost, contudo reforços já estavam a caminho.
Ocupados por uma nação dos artless, usuários de artes divinas não tinham ideia do que esperar de seus ocupantes. Então o povo da cidade começou a fugir para as cidades próximas antes que o exército de Gazzeta chegasse.

Atualmente as forças de Gazzeta estavam encarando os cavaleiros de Nossentes que haviam tomado uma formação defensiva próximo da torre central. Era problemático impedir o povo da cidade de fugir deste jeito. Contudo, menos pessoas significaria menos problema após a ocupação, então Shinra nem se incomodou em parar as pessoas fugindo.
Com isto, o problema após ocupar a cidade foi reduzido ao mínimo. O preço por isso eram os membros restantes do Parlamento Divino. Eles tinham certamente se misturado entre os refugiados, e escaparam dos que seriam seus captores.

“Nós só fomos capazes de capturar um membro do Parlamento Divino, contudo nós ao menos conseguimos alguém influente…” (Golimar)

“Seria problemático se os membros restantes fugissem para outro país e estabelecessem um governo em exílio…” (Teodoro)

Pensando sobre os países que acreditavam na mesma religião que Nossentes, Fonclanc era o primeiro país que veio em mente.
Trent Rietta era um país que era antagonístico com Gazzeta, contudo ele não tinha poder militar para se falar. Apesar de Blue Garden também acreditar na mesma religião, ele não aprova do sistema de casta, logo os ministros do Parlamento Divino eram improváveis de achar refúgio ali.

“E quanto o paradeiro do Deus Maligno?” (Jão)

“Infelizmente, nós fomos incapazes de marcar ele.” (Zé)

Eles confirmaram que os embaixadores de Fonclanc haviam escapado com os refugiados através de uma rota separada.
O grupo dos embaixadores havia embarcado numa carruagem simples que então se dirigiu até a parede nordeste. Os homens de Shinra só foram capazes de notar que eles usaram algum tipo especial de túnel para passar pela parede protetiva.
O túnel em si já se foi, mas os soldados foram capazes de confirmar várias pegadas e marcas de carruagem nos dois lados da parede que parecia como se aquelas pessoas passaram através da parede como se ela não estivesse ali.

“Hehehe, Yuusuke provavelmente fez isso.” (Shinra)

Perseguir uma carruagem escapando era impossível, então Shinra teve que desistir de pegar Yuusuke.

“Ah, bem, mande um grupo de busca atrás deles, só por precaução.” (Shinra)

“Sim senhor!” (Tafarel)

“Você é duro como sempre, pequeno Shinra.” (Ayuukas)

“… Obaa-san, eu não estou só fazendo meu trabalho?” (Shinra)

Tendo terminado de inspecionar a torre, Ayuukas se aproximou de Shinra, que havia acabado de terminar de instruir as tropas, com a tarefa de ocupar a cidade. Ela se adereçou ao rei de Gazzeta numa maneira que ela costumava chamar ele quando ele era pequeno. Apesar disso ser um jeito inaceitável de se dirigir à um rei, com um casual “Aqui”, ela passou para ele os documentos que ela havia encontrado dentro da torre.

“A localização do escritório ou do cofre não mudou pelos anos, então eu achei eles imediatamente.” (Ayuukas)

“Hmm… como eu pensei, eles estavam por trás das incursões no território de Fonclanc.” (Shinra)

“A composição de tropas e os documentos de verba não são uma evidência suficiente para confirmar isso?” (Ayuukas)

“Eu sei, mas esses documentos ainda podem ser úteis para nós.” (Shinra)

Enquanto ele estava concentrado em reconstruir o império do Clã Branco, Shinra pensou em usar esses documentos para capturar os ministros do Parlamento Divino que escaparam, que estavam provavelmente fugindo para Fonclanc.

“Primeiro de tudo, vamos mandar um mensageiro para o lugar da Risha. Eu pedirei para ela organizar um grupo de busca para os foragidos.” (Shinra)

Tendo reclamado o antigo castelo do império do Clã Branco, o atual rei começou a andar no caminho para reviver sua glória a muito perdida.

***

“Nós entraremos na floresta em breve. Nós usaremos uma rota diferente dali em diante, nós não seremos capazes de usar a carruagem como antes.” (Yuusuke)

“É mesmo? Obrigado por tudo que você fez por nós. Você tem sido de grande ajuda!” (Ronaldo)

“Não, não… nós só fomos capazes de escapar por causa de todos vocês.” (Yuusuke)

“Nós também.” (Ronaldo)

Na borda de uma floresta, localizada ao sudeste de Patrucia Nost, o grupo da Corps do Deus da Escuridão e Embaixadores se separou de um pelotão de cavaleiros de Nossentes. (NT: Aqui está escrito sudeste, mas eu realmente  acho que deveria ser nordeste… mas só traduzo)

Por volta da hora que o exército de Gazzeta atacou a parede do sul, Yuusuke estava retornando do distrito da realeza. No seu caminho de volta ele avistou um cavaleiro, discutindo com sua corps. Quando ele ouviu as razões deles, ele pediu pela assistência de Isotta. A garota imediatamente sentiu múltiplos artless indo na direção da torre central, contudo ela não conseguia compreender as intenções deles. Apesar de Isotta ter tentado perguntar aos companheiros de vigilância-escolta deles sobre a torre, contudo a escola percebeu isso como uma tentativa de sondar a instituição mais secreta do país deles e duramente espantou Isotta.

Yuusuke tentou seu melhor para explicar às suas escoltas que nem ele, ou seus subordinados, tinham quaisquer intenções de sondar os segredos de Nossentes. Naquela hora um cavaleiro da torre centrou correu para eles. Na mesma hora uma notícia de Shinra ressoou pela cidade.
Naquele momento, todos ficaram embasbacados, incapazes de compreender a situação. Eles logo notaram os grupos de ministros do Conselho Divino e embaixadores de Fonclanc correndo de volta de sua festa de jantar. Com isto, todos voltaram aos seus sentidos e começaram a correr por aí ocupadamente.

Evitando ruas que as tropas ocupadoras de Gazzeta provavelmente usariam, todo mundo alcançou o distrito residencial e arrumaram uma carruagem. Os ministros do Parlamento Divino se disfarçaram como pessoas da cidade ordinárias e tinham se misturado entre os plebeus, e haviam escapado usando uma passagem secreta junto com alguns dos cavaleiros que haviam se disfarçado de uma maneira similar.
A Corps do Deus da Escuridão e o grupo de Embaixadores usou a carruagem arranjada e cortou pelos prédios em direção da mesma rota que eles usaram para vir para Nossentes.

Yuusuke customizou paredes para abrir caminhos e criou a estrada mais curta possível até as paredes da cidade para seu grupo. O método chamativo que ele usou para escapar também se tornou útil para os ministros do Parlamento Divino porque ele pegou a atenção das tropas de Gazzeta e permitiu que eles escapassem.
Yuusuke estava movendo seu dedo no ar e murmurando “Executar”.
Os olhos dos cavaleiros se tornaram redondos assim que um túnel, levando para fora da cidade, subitamente se abriu diante deles.

“Uhm… Yuusuke-san, nós ficaremos bem sozinhos? Eu ouvi que há feras malignas dentro da floresta.” (Razsha)

“Eu acho que nós ficaremos bem. Nós não tivemos problemas vindo para cá, meus caras são bem habilidosos no fim das contas.” (Yuusuke)

“Hey! Por que você está apontando para mim?” (Fonke)

Razsha parecia insegura sobre viajar pela floresta com o grupo de Yuusuke e perguntou por reasseguramento. Para acalmá-la, Yuusuke apontou brincando para Fonke.

Yuusuke viu as irmãs entre as pessoas que estavam se alinhando diante da entrada do túnel. Pensando que Rasanasha havia vindo aqui para visitar sua cidade natal, ele chamou por ela e a convidou para voltarem para Fonclanc juntos. Era inevitável que Razsha também se juntaria à eles.

Eles se separaram com os membros do Parlamento Divino e suas escoltas, que seguiram de volta para a parede noroeste da cidade e seguiram ao nordeste. Eles planejavam seguir norte até eles alcançarem a península no território de Trent Rietta e então mandar uma transmissão de arte de vento para a cidade portuária de Fonclanc e pedir por um barco para levá-los pelo lago.
Eles pediram para um cavaleiro acompanhá-los no que eles planejavam deixar a carruagem assim que eles alcançassem a península.

Porque era perigoso viajar pela floresta durante a noite, Yuusuke criou um abrigo subterrâneo para eles e a carruagem que era quase indetectável por fora. O grupo passou a noite neste abrigo.

Era provavelmente a persistência de um personagem japonês, mas apesar de ninguém ligaria em se aconchegar junto e passar a noite em seus sacos de dormir, Yuusuke chegou até a criar quartos separados para todos em seu grupo.
Membros da Corps do Deus da Escuridão e o grupo de Embaixadores já estavam acostumados com isto, mas as irmãs e o cavaleiro restante foram surpresos pela arte divina única.

Quando todos se ajeitaram para descansar para a jornada de amanhã, as duas irmãs falsas se encontraram num dos quartos e discutiram quietamente entre elas sob uma luz minuta num pequeno fogo de madeira-óleo. Rasanasha podia retornar para Fonclanc assim sem quaisquer riscos, contudo para Razsha, a situação era muito mais complicada.
Algumas pessoas entre os superiores de Fonclanc conheciam ela, principalmente por causa de sua ocupação de “abelha-de-mel”.

“Eu desisto. Eu não consigo acreditar que tudo ficou deste jeito.” (Razsha)

Não apenas ela falhou em seduzir o capitão da Corps do Deus da Escuridão, o país que ela deveria defletir também se foi. Pela primeira vez, Razsha reclamou sobre sua situação.
Apesar que, a possibilidade de sucesso desta missão não era muito alta, então o fracasso não era completamente culpa dela.

“Você pensou sobre retornar para sua família, Razsha?” (Rasanasha)

“Claro que eu não posso. Não nesta linha de trabalho. E também, você pode me chamar de Shia.” (Razsha)

Elas entenderam que, dependendo da situação, elas podem ser forçadas a brincar de irmas por um tempo indefinido. Visivelmente cansada, Razsha mexeu suas mãos.

“Hey… que tipo de lugar é Fonclanc?” (Razsha)

“Eh? Você não tem quaisquer conhecidos lá?” (Rasanasha)

“Eu não. Eu não viajei para fora de Patrucia Nost nem uma vez.” (Razsha)

“Essa é uma situação difícil para se estar…” (Rasanasha)

Como uma criança, ela só tinha viajado até o próximo distrito. Tendo sido selecionada de órfãos como alguém que mostrou potencial, ela havia sido treinada nas artes de sedução. Desde então ela não fez nada além de treinar e usar suas habilidades.

“Quando eu me esforcei para aperfeiçoar minhas habilidades, eu algumas vezes fiquei com medo que eu não lembraria mais do meu eu real. Algumas vezes meu alvo desenvolvia sentimentos reais por mim. Ver eles morrendo era o pior.” (Razsha)

Não importa quantas missões Razsha passou, todas elas eram fixadas naquela enorme gaiola, Patrucia Nost.

“Eu entendo, mas ao mesmo tempo não. Eu não consigo compreender completamente como você se sente.” (Rasanasha)

Por causa do trabalho dela, Rasanasha havia ouvido um monte de fofoca. Ela também tinha que analisar a informação. O que ela escreveu em seus relatórios quase sempre era escrito da perspectiva de outras pessoas. O único hobby que ela tinha que não era relacionado à trabalho era criar remédio. (NT: Eu achei que quem fez aquela droga de aumentar os estímulos fosse Razsha…)

“Apesar de eu saber disso bem no fundo, é diferente uma vez que você realmente experiencia isso.” (Razsha)

“Naturalmente.” (Rasanasha)

Razsha estava muito mais falante devido à todas as preocupações dela. Rasanasha calmamente ouviu ela. Apenas desta vez elas haviam esquecido seu relacionamento de superior-subordinado e falaram uma com a outra como verdadeiras irmãs.

“Rasha.” (Razsha)

“Sim?” (Rasanasha)

“Obrigada.” (Razsha)

“Sem problemas…” (Rasanasha) (NT: Eu odeio esses nomes.)

***

Tendo deixado Patrucia Nost, os ministros restantes do Parlamento Divino haviam se separado do comboio de refugiados e tomaram a estrada principal do norte junto do lago. Eles haviam viajado pela estrada por um pouquinho, entraram na floresta e armaram sua base de operações ali. Atualmente eles estavam ocupados processando inteligência que eles trouxeram com eles pelos esquadrões de operações especiais que estava retornando de Blue Garden para a capital de Nossentes.
O objetivo primário deles neste momento era usar esta informação para criar um plano para retomar Patrucia Nost.

“A situação parece terrível. Atualmente Patrucia Nost está ocupada por aproximadamente três mil soldados de Gazzeta e o povo da cidade está-” (Luigi)

“Eu não ligo sobre o povo da cidade! Eu quero que você relate cada pequena ação que quaisquer dos exércitos façam.” (Mario)

Talvez porque eles não estavam acostumados a acampar fora assim, mas os membros restantes do Parlamento Divino estavam num humor terrível. Eles estavam de pé ao redor de um mapa, espalhado numa mesa simples. A saliva deles estava voando por aí no que eles latiam suas instruções.

“Não há movimentos em Fonclanc, mas sequer quase tiveram tempo para conseguir informação sobre isto. Blue Garden fortaleceu sua borda com Gazzeta e Trent Rietta permanece quieta como de costume.” (Wario) (NT: Estou sem ideia e com preguiça de ver os nomes que dei antes para eles, então…)

Devido à floresta densa, o Mar de Árvores, que cobria o território inteiro de Trent Rietta, o país era dito sendo uma fortaleza inexpugnável. Ministros do Parlamento então jogaram esta opção fora da consideração deles e focaram em monitorar os movimentos dentro de Fonclanc e Gazzeta.

“Seria bom se nós tivéssemos a Corps do Deus da Escuridão aqui…” (Mario)

“Não tinha o que fazer. Eles tem que escoltar o grupo de embaixadores.” (Wario)

“Nós devemos enviar um pedido de assistência para Fonclanc.” (Luigi)

Era a noite do segundo dia após a queda de Patrucia Nost. Os ministros estavam discutindo sobre como eles deviam envolver Fonclanc nisto, quando eles receberam um relatório que a “abelha-de-mel” havia se encontrado com a Corps do Deus da Escuridão.

“Esta é uma virada de eventos realmente feliz.” (Luigi)

“É, com isto nós podemos colocar aquele plano pre-arranjado em movimento.” (Wario)

“Imediatamente ordene que os operadores acobertados comecem sua missão.” (Mario)

Os ministros planejavam ficar nesta floresta por um tempo, então eles ordenaram seus guardas a assegurarem o perímetro e reunirem a inteligência sobre a área ao redor.
Os ministros planejavam ficar nesta floresta por um tempo, então eles ordenaram seus guardas a assegurarem o perímetro e reunirem a inteligência sobre a área ao redor, mas ainda nenhum dos cavaleiros havia notado a emergência de uma nova unidade. (NT: Estava assim, duplicado, acho que era para dar uma ênfase ou algo assim…)

Segurando na oportunidade inesperada, as vozes dos ministros retornaram aos seus volumes usuais. Eles tinham um plano pre-arranjado que faria Fonclanc e Gazzeta pular um na garganta do outro, e eles começaram a dar instruções precisas aos operadores que fazem isso tudo possível.

Os cavaleiros pensavam do Parlamento Divino como algo mais sagrado, mais santo. Logo, vendo as “pessoas de acima das nuvens”, os ministros, agindo assim, dúvidas começaram a brotar nos corações dos cavaleiros.
Controle absoluto. Igualdade entre as castas. Profundo conhecimento espiritual. Esses eram os líderes que guiaram o país deles desde os tempos antigos.

(… isto não é apenas uma estratégia simples…? Não, alguém controlando o país não depende só de diplomacia.. Mas, como eu digo isto…)

Contudo, a maioria das missões para os operadores acobertados eram entregues diretamente pelo Parlamento Divino. Um rumor estava flutuando por um tempo que o Parlamento Divino confiava mais em suas operações acobertadas do que nos simples cavaleiros.
Logo a situação do que estava acontecendo diante desses simples cavaleiros havia jogado os corações deles em confusão.

“Então, vocês devem fazer isso assim.” (Tião)

“Sim, fracasso não será perdoado.” (Josué)

Depois de receberem suas instruções dos cavaleiros perplexos, as tropas de operações acobertadas partiram para a cidade portuária de Fonclanc do outro lado da margem do lago.


Tradução: Thyros



Fontes
Cores