WCC – Capítulo 4 – Sanc Adiet



As mais largas planícies em Kaltsio, as planícies Fonclanc, ou, para ser preciso, um quinto dessas planícies eram ocupadas por uma cidade gigantesca de Sanc Adiet. A cidade era controlada pelos usuários de artes divinas de fogo mais fortes que, durante os anos, se tornaram realeza. Por gerações esta cidade era a capital do país.

A cidade funcionava sob um sistema de casta e todos cidadãos sabiam os limites de suas castas – aqueles com artes divinas mais fortes eram permitidos a viver nos quarteirões nos distritos superiores da cidade como que para ostentar seu poder. O palácio, onde a realeza vivia, era um prédio de 10 andares. Sua estrutura e paredes abaixo do 5º andar foram reforçados com artes divinas.

O distrito central que era limitado para os poderosos usuários de artes divinas, [os bem-nascidos], era cercado por uma enorme parede defensiva. Logo, não tendo lugar para expandir, habitantes construíram prédios mais e mais altos para se acomodarem. Atrás dessas paredes, o distrito de classe média cercava a seção dos bem-nascidos, seguidos pelo distrito da classe mais baixa.

O distrito da classe média, assim como o distrito dos bem-nascidos, era distinguido pelas estruturas que eram mais altas do que as do distrito de classe mais baixa como que para observar a área abaixo por cima. O distro da classe mais baixa era também situado mais alto do que o solo – no que a cidade se expandiu, pavimentos de pedra foram colocados para acomodar novas estruturas.

Basicamente, os prédios ficaram mais altos em direção do centro da cidade e, depois de um período de desenvolvimento inconsequente, a cidade tomou um formato oval quando vista de cima. Nos subúrbios da cidade havia um distrito para os sem-poder que eram excepcionalmente permitidos a viverem ali. Da perspectiva da casta sem-poder, isso em si era uma bênção.

No cume do distrito dos bem-nascidos ficava o palácio de Volance. O palácio foi reconstruído junto com a cidade cada vez se tornando mais e mais alto. O atual palácio não retinha a arquitetura dos velhos tempos, que estavam agora enterrados abaixo do pavimento de pedra e parecia algum tipo de labirinto subterrâneo.

O teto e paredes, cercando o andar superior do palácio, eram ornados com o mesmo material absorvente de luz que era usado na produção de shouka, envolvendo o palácio em radiância.

Num quarto no andar superior deste palácio, uma garota parecendo entediada, vestindo um vestido de alta classe vermelho, estava sentada com suas pernas jogadas por cima de um sofá feito por um artesão de artes divinas altamente habilidoso. Ela jogou um livro, pelo qual ela estava folheando, na mesa.

“Tédio~. EU ESTOU ENTEDIADA!”

“Princesa, você está sendo imprópria.”

Retrucou o assistente do departamento da educação e segurança pessoal, para quem tal comportamento desta imodesta jovem princesa, ultrajantemente cruzando suas mãos atrás de sua cabeça e balançando para frente e para trás enquanto sentava de pernas cruzadas na cadeira, era um problema com que ele se preocupava todo dia.

“Pare com isso! Uma dama não pode se comportar assim!”

“Não é como se alguém se importasse, ninguém pode me ver aqui também.”

O assistente pessoal Kreivol andou até a princesa dos usuários de artes divinas de fogo, Violet Volance, que estava balançando na cadeira estando morta de tédio, e segurou as costas do assento antes da princesa ter caído.

“Mhmmmm~”

“Sem Mhms! Você deve agir mais como a realeza.”

“Grande e glorioso exemplo brilhante, estando no topo dos usuários de artes divinas de fogo”, Violet, que recebeu bronca como de costume, murmurou entediadamente enquanto brincava com sua unha e ignorava o sermão.

“Meu pai e os burocratas que cercam ele são todos pretos por dentro, assim como a estátua do deus Maligno.”

“A estátua do deus maligno?”

“A estátua preta que é consagrada nos templos dos sem-poder.”

“Princesa, você não deve falar dos nobres descendentes do deus do fogo como aqueles de tal baixo nascimento.”

No que ela começou a levar bronca de novo, Violet descansou seu rosto entediado ao colocar seu queixo em sua mão e disse algo que fez ainda mais rugas aparecerem na testa de Kreivol.

“Eu quero encontrar Zeshald.”

“……”

Olhando para Kreivol franzindo, Violet propositalmente mencionou Zeshald. Zeshald não visitou o palácio por vários anos, mas, quando Violet era uma criancinha, ele costumava brincar com ela.

“Você não deve mencionar aquele esquisitão.” (NT: Eu realmente não tinha outra tradução em mente para weirdo, então tolerem por enquanto)

“Por que eu não deveria? Eu ouvi que a maestria de Zeshald nas artes divinas d’água supera até a elite do palácio, a [corporação do deus d’Água]. (NT: Vou começar a deixar corps no lugar de corporação, estejam avisados)

Além das [corps de soldados Divinos], soldados que receberam a tarefa do palácio para defender e patrulhar a cidade, havia um grupo de elite, responsável por tarefas relacionadas à oficiais do palácio. [Corps do deus d’Água] era um grupo de elite, composto por elites de artes divinas d’água do tipo de cura. Incidentalmente, Kreivol era o oficial comandante da [corps do deus do Fogo] – um grupo de elite de usuários de fogo, responsável pela segurança da realeza.

“Princesa, ouvir você falando tais coisas, pessoas podem entender errado como favoritismo. Isso só causará problemas para ele.”

“Ugh… Zeshald não é uma pessoa fraca assim.”

Respondeu Violet, formando seus lábios numa expressão amuada.

***

“Professor está saindo para a cidade? Ele vai junto?”

“Sim, Yuusuke também irá com o professor. Eles estarão fora por 3 dias.”

Sun estava na casa de Bahana com uma cesta cheia de frutas lala. Enquanto trocavam a fruta por alguma carne seca, elas estavam tendo uma pequena conversa.

As frutas que Sun trouxe foram customizadas por Yuusuke e tinham um sabor especial. Elas também não estavam moles como frutas lala maduras, então alguém poderia sentir a suave textura enquanto comia elas. Isso fez elas extremamente populares entre os aldeões.

“É mesmo? Então vá para casa, é quase hora de jantar.”

“Mmm, obrigada.”

Bahana tratava Sun como sua própria filha. Vendo a garota agir como sempre, tia Bahana suspirou por dentro: “Parece que esta criança ainda está longe de falar sobre romance.”

***

“Sim, é confortável.”

Devido à customização de Yuusuke, andar num vagão na estrada principal até a cidade era agradável. Se você fosse diretamente através da estrada principal de vagão, levava um dia inteiro para chegar em Sanc Adiet da vila Rufk.

Ao partir cedo na manhã, era possível chegar na capital tarde na noite. Diante da estrada, se esticando até o horizonte, uma crescente silhueta de uma cidade bege podia ser vista.

“No começo eu pensei que havia uma montanha no horizonte.”

“Hoho, bem, não há muita diferença.”

Zeshald, andando no assento do motorista, estava explicando para Yuusuke, que estava andando na parte de trás do vagão, sobre Sanc Adiet. A cidade se expandiu quando a população aumentou. Para ser capaz de ver cada canto da cidade, o rei aumentou a elevação do distrito dos bem-nascidos formando o formato que a cidade tinha agora.

“Então, a antiga cidade está enterrada abaixo da atual cidade?”

“Hmmmm~”

Yuusuke tendo demonstrado interesse em história, Zeshald acenou alegremente para uma observação de uma pessoa compartilhando os interesses dele.

O cavalo estava correndo sem se cansar graças às artes d’água de Zeshald. Isto melhorou o conforto da viagem e manobrabilidade do vagão até aquele de uma carruagem de alta classe comum. Yuusuke e Zeshald foram capazes de viajar quase sem qualquer descanso e alcançaram a cidade antes do programado.

“Uhm, o mercado de rua pode ainda estar aberto. Você quer ir para uma curta caminhada?”

Depois de estacionar o vagão num lugar vazio, eles empregaram um sem-poder local para guardá-lo. Sem-poder aqui normalmente ganhavam suas moedas por guardar cavalos ou vagões de comerciantes que vinham para a cidade. Sem-poder consideravam uma honra serem permitidos à viver nas proximidades da cidade.

“Eeeeh! S-senhor, O QUE é isso?”

“AH, me desculpe, mas eu atualmente só tenho esses comigo.”

“……”

Zeshald deu de ombros para o sem-poder local, confuso que o shouka amarelo que lhe foi dado, não era um erro.

Para a tarefa de guardar vagão, um único shouka verde apenas era compensação o suficiente, mas, como todos os shoukas verdes que Zeshald tinha em sua bolsa foram trocados para os vermelhos, a menor quantidade de dinheiro que Zeshald tinha era um shouka Zalnar amarelo. Tendo recebido mais do que três vezes seu pagamento habitual, o sem-poder local, gritando de alegria, assumiu seus deveres de guarda.

“O grito dele foi até que alguma coisa, eh?”

“Isso é porque para eles isso é bem um monte de dinheiro.”

Zeshald respondeu Yuusuke, que estava olhando [para o local] debaixo do capuz que caiu baixo o suficiente para esconder seus olhos. A capa com capuz foi preparada para cobriu o cabelo de Yuusuke porque pintar o cabelo ou usar uma peruca de cor diferente era um tabu nesta sociedade.

Usuários de artes divinas, sendo capazes de sentir o poder de outro usuário eram capazes de usar isto para discriminação. Yuusuke, cujo poder carregava uma sensação diferente ao redor dele, considerou suas escolhas para evitar os olhares desconfortáveis das outras pessoas. Estando próximo de Zeshald e pretendendo ser o aprendiz dele era tanto uma ideia simples quanto conveniente.

Durante a noite, Zeshald e Yuusuke saíram para andar pela cidade para procurar por algumas coisas que eles tinham que comprar nos estandes da rua central. O mercado de estandes de rua era um aspecto famoso do distrito mais baixo. Somando ao tamanho de Sanc Adiet, alguém poderia achar qualquer tipo de item que você pudesse imaginar neste mercado. Era um lugar onde negócios de várias pessoas floresciam todo dia.

No distrito mais baixo, cidadãos eram permitidos a manter os estandes até o pôr-do-sul de graça. Contudo, se eles quisessem montar suas lojas no distrito de classe média ou dos bem-nascidos, eles eram requiridos à comprar uma permissão de loja.

Chegando no distrito dos bem-nascidos, quase todas as roupas e adornos eram feitos por encomenda. Até entrar num restaurante sem vestimenta formal não era permitido.

“Você venderá suas coisas aqui?”

“Sim, um conhecido meu tem uma loja mais adiante na estrada. Ele estava interessado nisso depois de ouvir sobre você.”

“Amanhã de manhã, depois de garantir o estande, os dois planejavam vender sapatos, roupas e produtos de animais, assim como lã. Depois de obter o dinheiro eles pensaram sobre comprar as comodidades de todo dia e voltar para a vila.

Zeshald que estava procurando por um estande de cerâmica para substituir um prato, que Sun quebrou algum tempo atrás, repentinamente sentiu uma presença de um poderoso usuário de artes divinas, e olhou para o outro lado da rua.

“Algum problema?”

“Mhm…”

Yuusuke também parou e olhou para o mesmo lado. Repentinamente a multidão se partiu e um grupo de pessoas, vestindo armaduras brilhantemente decoradas, apareceu. Eles eram [soldados Divinos], que ele viu várias vezes próximos dos portões da cidade. Era um grupo orgulhoso, com a tarefa de proteger a ordem pública e tinham uma atmosfera única ao redor deles.

“O que é aquilo?”

“Um membro da realeza com seus vassalos desceu incógnito do palácio.”

“Incógnito?”

“A procissão se destaca tanto, eu não entendo o que ‘incógnito’ quer dizer aqui.” – Yuusuke respondeu por ignorância. Depois de ouvir o comentário de Yuusuke, Zeshald acenou, dizendo “Entendo” e explicou à Yuusuke o que “viajar incógnito” significava neste mundo.

Usuários de artes divinas podiam sentir a presença de outros usuários de artes divinas. Como algum tempo atrás a realeza usava seus poderes através do reino durante eventos e festivais, logo todo mundo nesta cidade conhecia a aura que ela carregava. Logo, se alguém se disfarçasse e descesse para a cidade, ele seria detectado imediatamente.

Enquanto era possível para oficiais do palácio ou alguém não tão bem conhecido viajar em acordo com o entendimento de Yuusuke de ‘incógnito’, para a realeza, que usava seu poder para comandar respeito das classes mais baixas, esconder sua presença assim era impossível.

Por essa razão, se tornou uma norma para a família real ser cercada por soldados do palácio quando eles queriam viajar ‘incógnito’ para turismo, se divertir ou checar o bem estar ou obediência dos usuários de artes divinas comuns.

“Bem, realeza raramente desce para a cidade… … Isto é ruim!”

Enquanto Zeshald estava contando isto para Yuusuke, o rosto dele repentinamente ficou preocupado no que ele reconheceu algo. Ele olhou para Yuusuke e disse:

“Nós temos que deixar este lugar rapidamente.”
“O-o que? O que há com toda a urgência?”

***

“Princesa, já é hora de retornarmos para o palácio.”

“Você está dizendo coisas entediantes de novo. Olha, a cidade ainda está movimentada.”

Violet, andando ‘incógnito’ pela cidade, acompanhada por seu assistente próximo e vários vassalos, estava olhando pelos estandes alinhados junto com a rua central. Enquanto olhava ao redor por brincos interessantes para as classes mais baixas, ela repentinamente sentiu uma aura nostálgica. Parando instantaneamente, ele olhou ao redor.

“Isso é…!”

Violet saiu do círculo que seu assistente e vassalos haviam formado ao redor dela, confundindo eles pela parada repentinamente dela, e desapareceu na multidão. O assistente dela, Kreivol, estava momentaneamente embasbacado pela ação repentina dela, mas logo reganhou sua compostura e correu atrás da princesa.

“Te achei, Zeshald!”

“Ugh…”

“Whoa, que!”

Yuusuke, que estava apressadamente tentando deixar este lugar no que ele foi pedido por Zeshald para sair da rua, estava surpreso por uma jovem garota que repentinamente se jogou na cintura de Zeshald. Ela parecia de ímpeto forte, tinha seu cabelo vermelho preso em twin tails, e vestia um caro, aberto, vestido carmesim. (NT: Twin tails é maria-chiquinha, só que um nome mais bonito)

“Princesa, por favor seja mais gentil com os idosos.”

“Você está dizendo isso, mas você sempre está fora vagando por algum lugar pelo mundo.”

O atendente Kreivol da [corps do deus do Fogo], tendo finalmente chego até a princesa, reconheceu Zeshald e colocou um rosto frio.

Kreivol não gostava de Zeshald. Atual governante Esvobus Volance, o admirado [rei da parede Carmesim], a quem Kreivol serve, era um bom amigo de Zeshald, mas atualmente, por conta das circunstâncias, o relacionamento deles era complicado.

“Não se envolva com Zeshald.”, disse rei Esvobus, parecendo que ele não ia contar algo.

Para rei Esvobus, um usuário de arte de fogo de grande força, para mostrar favoritismo assim fez seus fiéis vassalos, incluindo Kreivol, conterem desprazer contra Zeshald. Penando “Poderia ser que Zeshald é algum tipo de fraqueza do rei?” Kreivol pediu para a princesa “Retornar ao palácio” enquanto educadamente se desculpava. Soldados da corps do deus do Fogo, adivinhando a intenção do oficial comandante deles, cercaram a princesa com um anel de guarda como era o dever deles.

“Já não é o pôr-do-sol? Seu pai se preocupará se você não retornar ao palácio em breve.”

Violet, dessatisfeita que ela estava sendo tratada como uma neta por Zeshald, repentinamente mudou coquete sua expressão facial, encheu suas bochechas enquanto colocava suas mãos em seus quadris, se aproximou ainda mais do velho homem, e apontou seu dedo para o peito dele. (NT: Eu não conhecia a palavra em si, mas coquete… é uma mulher que busca admiração, normalmente para seduzir… usem o Google se quiserem mais informações)

“Eu não sou mais uma criança. Você também deveria saber disso…”

“Bem, então qual é o segredo do motivo deste velho homem senil ter pego o interesse de vossa majestade?”

“!! Princesa, comportamento assim é…!”

Além de levemente colocar de lado os pensamentos de seu assistente próximo, Princesa Violet, depois de ter sua tentativa de sedução falhar completamente, mais uma vez encheu suas bochechas com toda sua vontade.

“Che, parece que eu não tenho apelo sexy o suficiente.”

“É porque aquele que você está tentando seduzir desta vez é um velho homem fraco…”

Zeshald timidamente respondeu a Violet que estava gemendo. No que Kreivol perdeu sua paciência e os soldados da corps do deus do fogo silenciosamente realizaram seu dever, Yuusuke, sendo ignorado como alguém totalmente de fora, estava de pé ao lado encarando os soldados enquanto pensava – “Que princesa tomboy.” (NT: Primeiro, o gemido não era sedutor/de prazer! Segundo, tomboy é aquelas garotas que agem mais como garotos, mais “moleconas”)

“Você, você passa uma aura estranha.”

“Mah-?”

Yuusuke, bobo por alguém ter falado com ele tão repentinamente, soltou um som estranho de sua boca. Virando sua cabeça, diante de seus olhos Yuusuke viu uma dama auto-confiante com um rosto de boas feições, e olhos vermelhos brilhantes, cheios de determinação. A princesa estava andando até ele.

Violet, reconhecendo uma existência que não se separou imediatamente de Zeshald ao ver esses eventos, tomou um interesse diante da pessoa que emitia uma aura de uma arte divina desconhecida que ela nunca havia sentido antes. Por sorte o avanço dela foi prontamente interrompido por Zeshald.

“Ele é uma pessoa tímida, se a princesa continuar à encarar ele assim, ele desmaiará pelo estresse.”

“… Hmm.”

Violet apertou seus olhos, nem um pouco interessada no comportamento protetivo de Zeshald, comparado a aura misteriosa do usuário de artes divinas encapuzado, bufou, e obedientemente se retirou. Aparentemente posando, ela estalou seus dedos em direção dos dois.

Naquele momento, depois de emitir um som de estalo (de queima), o Yuusuke começou a queimar.

“O QUEEEEEE!?”

“Ugh! Isto é ruim.”

“Ahahahaha~”

Mesmo quando a chama foi rapidamente apagada pelas artes d’água de Zeshald, os pedestres foram alertados pelo uso das artes divinas de Violet. A princesa, que estava rindo alto, foi pedida para se comportar por Kreivol, que correu para o lado dela.

“Princesa! Por favor se comporte! As artes divinas sagradas da realeza não devem ser usadas inconsequentemente na frente das pessoas de castas mais baixas desse jeito!”

“Me deixa sozinha!”

Yuusuke, quase tendo sua cabeça queimada, interferiu na admonição do assistente próximo da princesa tomboy inconsequente. Interferência numa conversa entre uma princesa real e seu assistente próximo era algo que era até impossível de se conceber para os usuários de habilidades das castas mais baixas. Isto novamente acendeu o interesse da princesa em Yuusuke no que ela olhou na direção dele… e congelou…

“Gah! Que princesa tomboy absurdamente incontrolável.”

Yuusuke, de pé lá falando sem qualquer respeito enquanto dobrava a capa com um capuz queimado para realizar uma customização de reparo nela mais tarde, notou a repentina falta do tumulto que estava acontecendo um momento atrás.

“V-você…”

“O que você quer?”

“Você é o Deus da calamidade…? Você veio para destruir meu país?”

“Eh?”

Yuusuke perdeu sua voz por um momento de novo. (Minha nossa…), Zeshald olhou em direção do céu enquanto cobria suas sobrancelhas. Silêncio havia que havia caído entre os observadores, no que o membro da realeza apontou um [deus da calamidade], desapareceu num instante.

Não importa o que, chamar alguém de deus maligno não era natural. Afinal, a existência de um “ser que trouxe calamidade a cada 300 anos” estava diretamente implícita.

“Uhm, o poder do deus da calamidade… a grande calamidade…”

“Eu não acho que este é o lugar onde falar bacana funciona.”

Kreivol, que estava logo atrás de Violet, imediatamente mostrou porquê ele era o comandante da corps do deus do fogo e ordenou suas tropas.

“Prendam aqueles que ameaçam nosso lorde imediatamente.”


Tradutor: Thyros



Fontes
Cores