WCC – Capítulo 35 – Estrondo da Meia-Noite



Quando o grupo de Yuusuke chegou em Rufk, a noite já havia caído. De acordo com os aldeões, um grupo armado, se chamando de exército de Gazzeta, estava exercendo força por aqui. Como uma medida defensiva, o fogo foi acesso no fundo do fosso protetivo e os homens mais velhos foram colocados em deveres de guarda.

“Sensei!” (Yuusuke)

“Mhm, então você veio no fim das contas, Yuusuke.” (Zeshald)

Zeshald previu que Yuusuke, se preocupando sobre Sun, viria para Rufk direto para buscá-la.

Sun já havia terminado de fazer as malas, então Yuusuke planejava partir para a cidade imediatamente após buscar ela, mas concordando em ouvir a opinião de Zeshald sobre os eventos recentes, eles decidiram descansar e conversar um pouco.

Apesar de estar tarde, Bahana veio para a casa de Zeshald e presenteou à eles com uma refeição frita no tarde da noite que todos aproveitaram enquanto Belushya, ainda não acostumada com tarefas assim, estava apenas bebendo seu chá.

“O que você acha da situação atual, Yuusuke?” (Zeshald)

“Ele parece estar tentando reunir todos os artless do mundo em um lugar, mas parece estar tendo o efeito oposto.” (Yuusuke) (NT: No caso, é o Shinra, para os mais perdidos.)

Yuusuke estava bebendo seu chá no que ele continuou, “apesar dele não parecer com um idiota que não veria isso”. Sun riu pelo jeito que Yuusuke falou isso.

Zeshald também pensou que este ataque não foi ordenado por Shinra, mas isso não responde a questão do grupo armado ser ou não relacionado ao exército de Gazzeta. Logo havia uma possibilidade de outro grupo influente estar agindo dentro de Gazzeta.

“Qualquer que seja o caso, o dano já está feito, então isso não será deixado de lado como um assunto trivial.” (Zeshald)

“Acho que sim…” (Yuusuke)

Por ora, medidas de emergência estavam tendo efeito e cavaleiros do palácio foram enviados para as vilas em contato com Sanc Adiet, para ajudar com a defesa da vila. Neste nível não foi ainda decidido se rei Esvobus enviaria um protesto oficial para Gazzeta se referindo à esses ataques.

Depois do descanso, os subordinados de Yuusuke começaram os preparativos para a viagem de volta para a cidade, enquanto Yuusuke presenteou Zeshald com os braceletes e anéis que ele fez. Eles foram feitos com as sobras de material que ele usou para criar o tesouro sagrado, que foi entregue para Blue Garden. Apesar disso, o poder deles era quase um terço do dito tesouro.

“No que Rufk está recebendo um tratamento excepcional, eu acredito que os reforços para a vila tenham sido arranjados. Ainda assim, pegue isso só por precaução.” (Yuusuke)

“Hoo… isso de novo. Hm, obrigado, eu usarei eles.” (Zeshald)

Zeshald passou um par de acessórios para Belushya. Os acessórios que Zeshald manteve para ele mesmo aumentavam as artes divinas e poderes físicos, enquanto os de Belushya aumentavam respectivamente as resistências do usuário. Ambos anéis também tinham efeitos de cura e resistência à veneno.

“Um par combinando, eh?” (Yuusuke)

“Hmm, o que é?” (Zeshald)

“Não é nada”, passando isso rindo assim, Yuusuke começou a andar de volta para a carruagem que estava preparando para partir.

“Sun, leve isto com você?” (Bahana)

“Realmente não tem problema, Bahana obaa-san?” (Sun) (NT: Obaa-san… isso é tipo vó… eu achei que chamavam ela de tia, o que seria oba-san…)

Bahana havia vindo antes para a casa de Zeshald e presenteou Sun com um arco feito à mão.

Na verdade isso devia ter sido uma pequena surpresa no que Sun estava aprendendo como usar o arco com Bahana nesses últimos alguns dias. Ela não tinha problemas puxando o fio do arco com o suporte do anel de força. Se ela continuasse a praticar em alvos assim, ela seria capaz de se tornar proficiente o suficiente para virar uma caçadora.

“Me dando um item assim…” (Sun)

“Sim, eu pensei que você seria capaz de ajudar Yuusuke um pouco com isso.” (Bahana)

Sun ainda estava preocupada que ela viraria um peso para Yuusuke, então ela queria aprender algum tipo de técnica de luta. Contudo, este mesmíssimo pensamento deixou Yuusuke inquieto, no que vendo Sun de pé ao lado dele numa batalha estava além da compreensão dele.

Mas isso fez ele perceber que ele estava errado em tratar Sun como uma existência fraca, precisando de proteção, e fez ele querer apoiar a determinação da garota de agora em diante. (NT: Falta ódio… não, isto não é Naruto)

“Mas eu mal consigo acertar o alvo no momento.” (Sun)

“Hmm… me deixe ver esse arco por um segundo.” (Yuusuke)

Ele confirmou no menu de customização que ele havia recebido o [Arco da Bahana]. Era um arco comum, mas feito firmemente de madeira.

No que o nível de raridade do arco era baixo, as customizações que ele podia fazer nele também eram limitadas. No que ele não podia aumentar efeitos de facilidade de uso como ele fez para a greatsword de Shinra, ele teve que ficar com um aumento de precisão. No que a customização foi completa, as esferas de luz cercando o arco, também haviam desaparecido.

“Como está agora?” (Yuusuke)

“Eeeeto?” (Sun)

Sun inclinou sua cabeça levemente no que ela recebeu o arco. Provocada por Yuusuke para atirar em qualquer alvo que ela pudesse ver, Bahana falou para ela “por que não atirar numa fruta por ali?”, no que ela apontou numa árvore de frutas lala que estava crescendo próximo do galpão de gado. Sun, apesar de pensar que era impossível para ela sequer acertar a árvore, sem mencionar uma fruta crescendo nela, ainda colocou a flecha e mirou o arco em direção da árvore.

(Wow… parece tão estável.) (Sun)

Sun podia ver claramente a fruta em que ela estava mirando, sentindo que sua mira estava firme.

No que ela soltou a flecha, ela perfurou precisamente a fruta, arrancando ela do galho, e se prendeu na parede do galpão. Mooph que estava deitado ao lado do galpão se assustou pelo som inesperado. Depois de olhar inquietamente por um tempo, ele viu a fruta lala e começou a mastigar alegremente ela. (NT: Quase que já faz um espeto de churrasco com fruta)

“Oh, eu acertei mesmo!” (Sun)

“Heee, incrível. O poder de Yuusuke com certeza é alguma outra coisa.” (Bahana)

“Eu meramente aumentei de leve a precisão da arma.” (Yuusuke)

Apesar de Yuusuke ter dito isso como se não fosse nada, para alguém com as habilidades comparáveis com as de Sun acertar uma fruta numa árvore relativamente distante, especialmente durante a noite era um feito impossível.

“Capitão, com isto você podia fazer um grupo de treineiros com arcos baratos que rivalizam uma tropa de soldados habilidosos.” (Fonke)

“Gazzeta desejaria com certeza por isso.” (Shaheed)

Apesar de Shaheed e o resto da corps do deus da escuridão terem recebido armas similarmente fortalecidas de Yuusuke, olhando objetivamente, eles estavam mais uma vez encarando o potencial desta arte divina.

“Então, me contate imediatamente se algo acontecer.” (Yuusuke)

“Uhm. Fiquem alertas mesmo se vocês estiverem na cidade.” (Zeshald)

“Cuide de Sun devidamente!” (Bahan)

“Deixe isso comigo!” (Yuusuke)

Yuusuke partiu da vila, com Zeshald e todo o resto vendo ele partir, pensando que ele compraria um bom arco para Sun como um presente em algum momento no futuro. A carruagem do palácio, levando o grupo da corps do deus da escuridão, estava correndo pela rodovia sob a escuridão da noite. (NT: Ela acabou de ganhar um arco de boa fé e consideração da Bahana e ele já quer substituir por outro… cuzão…)

“Bem, então, vamos ir descansar também.” (Zeshald)

“… sim.” (Bahana)

“Eu imagino se o sensei informará a cidade sobre isto?” (Bahana)

“Eu sou uma pessoa aposentada com um corpo velho. Eu não contatarei eles tarde assim.” (Zeshald)

Em termos simples, Zeshald, que preferia uma vida na vila, Bahana, e os outros velhos homens que estava de tocaia por perto, todos sentiram uma onda de alívio. Para Zeshald, esta vila era algo que ele não conseguia viver sem.

(Contudo, a situação desta vez é séria e não passará despercebida por Esvobus. O que você fará de agora em diante, Yuusuke?) (Zeshald)

***

— Tarde da noite

A carruagem com o grupo da corps do deus da escuridão havia seguramente chego em Sanc Adiet e passou o primeiro portão.

A cidade estava quieta, como se estivesse deserta, no que todo o povo da cidade estava dormindo em suas camas. Haviam luzes aqui e ali que eram principalmente emitidas pelos bares que viravam a noite e bordéis. Somente ao redor dessas partes eles podiam avistar uma figura ou duas de alguém se movendo nas sombras.

“A cidade… parece meio triste durante a noite.” (Sun)

Essa era a impressão que a levemente sonolenta Sun tinha da visão da hora noturna de Sanc Adiet. Yuusuke concordou que a diferença entre a hora noturna e diurna da cidade era excessivamente grande.

Quando o grupo de Yuusuke chegou no palácio, a área de embarque de carruagem estava acesa clara apesar de ser tarde da noite. No que as carruagens de cavaleiros e carruagens privadas estavam continuamente vindo e indo, este lugar sozinho não dormiu.

“Está tão barulhento.” (Isotta)

“Como esperado, afinal uma vila foi destruída.” (Shaheed)

O dano desta vez foi diferente dos ataques provocativos que Blue Garden empregou antes. No que não havia evidência apontando para Gazzeta além dos testemunhos dos sobreviventes, os oficiais do palácio estavam ocupados juntando a informação.

“Yo, Yuusuke.” (Hivodir)

“Hivodir?” (Yuusuke)

Tendo descido da carruagem, o grupo de Yuusuke encontrou Hivodir, vestido em seu uniforme usual da corps do deus do fogo junto com seu servo na entrada do palácio. O jeito em que ele se apresentou era verdadeiramente digno de um aristocrata. Parecia que ele foi ordenado à ir e inspecionar as vilas que eram propriedade da família Volace.

“Os aldeões não estariam dormindo tarde assim da noite?” (Yuusuke)

“Eu fui ordenado à estacionar os soldados na vila. Os aldeões terão que lidar com isso.” (Hivodir)

“Há conversas sobre o aumento do número do pessoal militar ativo, essas inspeções tarde da noite servem como uma implicação para as discussões”, explicou Hivodir sobre o propósito do despacho na tarde da noite.

“Logo, eu estou com pressa. Adeus.” (Hivodir)

“Espere um minuto.” (Yuusuke)

Yuusuke tentou parar Hivodir, que estava prestes à subir numa carruagem com o brasão da família Volace nela, e sem razão específica decidiu customizar o manto que Hivodir estava usando como sua roupa casual.

Apesar de ser um uniforme comum das corps do palácio, parecia que ela seria capaz de fornecer efeitos especiais para seu usuário. Sem hesitação, Yuusuke dotou ela com o efeito de cura.

Envolto pelos efeitos de luz, o manto caiu das costas de Hivodir.

“Hmm? Meu manto… que diabos você fez com ele?” (Hivodir)

“Eu só… adicionei algo como um amuleto protetivo nele…” (Yuusuke)

Apesar de Hivodir não ter entendido o que Yuusuke quis dizer por isso, ele pegou o manto de Yuusuke, que estava segurando ele, dizendo “não se preocupe sobre isso” e colocou ele de novo. Em seguida ele subiu na carruagem e deixou o palácio de Volance.

“Com isto, todo mundo está de folga por ora.” (Yuusuke)

“Muito obrigado, capitão.” (Shaheed)

Yaaaawn, eu estou com sono~~” (Fonke) (NT: Só lembrando, Yawn é bocejo em inglês, mas é também uma ótima onomatopeia para isso)

“Nós tomaremos turnos para descansar.” (Vermeer)

Separando do grupo de Vermeer, Yuusuke levou Sun junto e seguiu em direção do quarto de convidados no quarto andar. Violet havia preparado o mesmo quarto para Sun de quando ela ficou no palácio antes, e parecia que a garota era familiar com a atmosfera do palácio agora e não se sentiu ansiosa quando visitando o palácio pela terceira vez.

“Nós estamos aqui… então eu seguirei de volta para meu quarto também.” (Yuusuke)

“Okay, uhm… Yuusuke-san.” (Sun)

Sun estava olhando para Yuusuke de frente ao seu quarto enquanto segurava o arco que ela recebeu de Bahana próximo de seu peito.

“Boa noite, Yuusuke-san.” (Sun)

“Mhm, boa noite, Sun.” (Yuusuke)

Eles trocaram suas despedidas, com sorriso de certo modo esquisitos.

Incidentalmente, apesar de Violet ter sucumbido ao sono no local de embarque de carruagens enquanto esperava pelo retorno deles, ela foi buscada por Kreivol e não pôde encontrá-los naquela noite.


Tradução: Thyros



Fontes
Cores