WCC – Capítulo 31 – De Agora Em Diante



Depois de se retirar de Blue Garden, a cavalaria da Espada Branca de Gazzeta retornou para a cidade militar nos sertões e estavam fazendo treinos simulados. Esta cidade era diferente da vila do clã branco, onde somente a realeza e aqueles próximos deles se reuniam. Era uam cidade de pessoas comum do clã branco.

“Vossa majestade, havia uma mensagem sobre a atividade da força de infiltração de Nossentes de dentro da capital.” (Gilmar)

“Hmph, então eles estavam observando o conflito entre Fonclanc e Blue Garden no fim das contas.” (Shinra)

“Devemos reforçar a segurança da fronteira?” (Gilmar)

“Nós estamos numa desvantagem clara. Continue monitorando a situação depois de recolher a linha defensiva levemente para trás. Se qualquer um cruzar a fronteira, prenda ele imediatamente.” (Shinra)

Mesmo que eles soubessem sobre a existência do deus maligno, os guerreiros de Gazzeta não foram capazes de conquistar quaisquer vitórias nas batalhas recentes, apesar que, pelo que aconteceu na última batalha, o resultado foi satisfatório no que eles foram capazes de ter um entendimento bruto do poder do deus maligno. Se tinha algo para se ficar dessatisfeito, era o fato que eles estavam completamente despreparados para virarem prisioneiros de guerra e se colocaram à mercê das milícias de Blue Garden que eles estavam desprezando.

Porque Yuusuke estava lá, Shinra também teve que se restringir de agir muito precipitadamente. Apesar dele ter testemunhado a força do poder do deus maligno antes, ele não tinha certeza se Yuusuke tinha quaisquer outras cartas na mão. Como esperado, provocar o deus maligno naquela situação foi uma decisão ruim.

Por fora, pelo bem de manter sua aparência, Gazzeta pretendeu adotar o sistema de casta em cidades onde usuários de artes divinas viviam. Isso era necessário para se fundir ser emendas neste mundo enquanto buscava pelo objetivo do clã branco por trás das cenas. No que o clã branco era a organização nuclear em Gazzeta, eles tinham que permanecer no pano de fundo e tinha dificuldades em se mover no aberto, então eles também tinham que recorrer à ações pacíficas.

Durante esta guerra, Gazzeta abertamente anunciou ao mundo inteiro sobre a existência do clã branco e, se o deus maligno não tivesse interferido, eles teriam sido pego a vitória contra os exércitos dos usuários de artes divinas. Apesar desse ter sido o objetivo primário da batalha, os resultados reais eram qualquer coisa menos o que eles esperavam. Os resultados da guerra eram como um bônus, enquanto as ações da facção de reconciliação eram completamente restritas.

“Apesar que eu não esperei Yuusuke reagir rápido assim. Nós devemos nos apressar com a recaptura da capital de Nossentes.” (Shinra)

A cidade que era atualmente a capital de Nossentes costumava ser uma fortaleza gigante do clã branco. Contudo, isso foi por volta de dois mil anos atrás. O clã branco foi perseguido até a área que virou uma nação, chamada Gazzeta. Mas durante seu pico, o clã branco era um império gigantesco que pegava mais da metade de Kaltsio.

“Seria ótimo realizar o desejo do nosso clã durante esta geração…” (Shinra)

“O atual deus maligno está simpatizando com os artless. Ele definitivamente apoiará nossa causa.” (Gilmar)

“Seria legal se esse fosse o caso”, respondeu Shinra, retornando um leve sorriso para o oficial que tentou encorajar ele. Ele selou seu cavalo e partiu em direção da vila do clã branco.

***

Depois de deixar Paula, Zeshald parou pelo palácio para relatar sobre a completude de seu dever. O rei estava muito grato pelos deveres de Zeshald e Violet insistiu que o velho homem ficasse no palácio pela noite antes de retornar para Rufk. Logo, Zeshald retornou para a vila no décimo terceiro dia do mês de fogo de Zalnar.

“Bem vindo de volta, Zeshald-sensei! … e quem seria você?” (Leopolda)

“A quanto tempo, sensei. … esse é o uniforme da trupe de elite?” (Bartolomeu)

“Oh, vocês dois parecem estar bem.” (Zeshald)

“… Olá.” (Ambos)

“Zeshald-sensei trouxe uma bela mulher de Blue Garden!”, uma voz alegre ecoou pela vila, anunciando o retorno de Zeshald no que uma mulher repentinamente falou numa voz amigável.

“… meu nome é Belushya.” (Belushya)

No dia da partida deles de Blue Garden, depois de encontrar a rainha, Zeshald visitou Belushya, que estava andando pelo escritório vazio. Depois de dar para ela uma escolha entre permanecer em Blue Garden e servir a rainha ou retornar com ele para Fonclanc, Belushya escolheu a última.

Atualmente, o líder de trupe Volmes estava desaparecido junto com alguns membros de trupe. Foi decidido que manter ela presa numa cela de isolamento seria uma decisão indesejável, no que ela tinha a força para simplesmente escapar de uma cela de prisão. Conhecido a extensão completa das habilidades e passado dela, ela foi vista como uma existência perigosa.

Presenteada com uma escolha de servir sua mestra ou começar uma nova e tranquila vida com Zeshald, Belushya escolheu a última. Ela se disse que ela ficou cansada de um estilo de vida de caçar outras pessoas e se esconder.

“Se ela era capaz de matar usando o poder de artes de cura, ela certamente será capaz de empregar sua arte congelante para curar pessoas.” (Zeshald)

No que ela era muito familiar com a estrutura do corpo humano, Belushya faria uma ótima assistente para ele. Usando este raciocínio, Zeshald havia obtido permissão de Rishause para levar Belushya embora. Já por Belushya mesma, ela não tinha quaisquer problemas sobre viver numa vila de artless.

***

Depois de um leve auê, os aldeões retornaram para seus trabalhos e tarefas cotidianas. Zeshald suspirou, reconhecendo o conselho de Yuusuke dizendo sobre quão duro é repentinamente retornar depois de um longo tempo fora de casa, que ele lembrou no que ele estava relaxando em seu sofá pela primeira vez em muitos, muitos dias.

“Shinra, o rei de Gazzeta, eh…? A vila do clã branco, com uma história de mais de três mil anos, isso é verdadeiramente uma visão que eu gostaria de ver.” (Zeshald)

“Eu também amaria visitar ela, para saber mais sobre o papel do deus maligno.” (Yuusuke)

Pertencendo às corps de cavaleiros reais, Yuusuke não estava em posição para ir e vir como ele quisesse. Se ele saísse, problemas, tais como o sequestro de Sun, podem muito bem acontecer de novo.

Enquanto tendo Zeshald e Belushya ao redor era reassegurador, isso não significava que eles seriam capazes de proteger ela o dia todo, todo dia. Ainda mais, prender Sun dentro da vila seria difícil para a pobre garota também. E se o inimigo decidisse ir com tudo, Yuusuke estava certo que no fim, sair por cima seria difícil.

“Se isso acontecer, você provavelmente abandonaria sua posição no palácio e correria para salvar Sun.” (Zeshald)

“Bem, talvez Violet ganharia então de algum modo permissão para a missão em direção de Gazzeta.” (Yuusuke)

Isso dito, apesar de Shinra mesmo não parecer ser hostil, e o país em que ele estava vivendo parecer duro, não era claro o quanto eles sabiam sobre o deus maligno, o que fazia eles sentirem desconforto.

Se isto fosse um jogo, para trazer os poderes de um deus maligno-… e eventos similares iriam requerer que aqueles próximos do protagonista-… e desenvolvimentos similares acontecendo.

“Honestamente, se algo fosse acontecer com Sun por causa do deus maligno ou algo assim, eu não assistiria quieto.” (Zeshald)

“Me perdoe.” (Yuusuke)

Zeshald respondeu com uma piada ao que Yuusuke disse meio brincando, mas na verdade, os pensamentos mais profundos que ambos tinham eram tais como “eu seria capaz de deter a destruição do mundo?” O tópico da discussão deles, Sun, estava silenciosamente sentada ao lado de Belushya, que estava silenciosamente tomando seu chá, com um olhar vazio em seu rosto.

“Então, que tal… abrigar ela dentro de Sanc Adiet?” (Zeshald)

“Na cidade… mas o distrito dos artless não é nada diferente.” (Yuusuke)

“Não não, no distrito dos nobres. Você ainda não recebeu as recompensas pelos seus feitos recentes, recebeu?” (Zeshald)

Quando Zeshald havia parado pelo palácio, haviam discussões sobre como recompensar Yuusuke pelas suas últimas conquistas. No que nenhuma conclusão foi alcançada, foi decidido deixar a pessoa em si decidir sobre a questão.

“Se você fosse pedir por uma residência no distrito dos nobres, Sun poderia viver lá e não teria como aqueles caras de Gazzeta interferirem.” (Zeshald)

Graças à Zeshald, sempre de tempos em tempos, Yuusuke era olhado sendo alguém que foi criado pelos artless. Apesar de alguns pensarem assim, pessoas iriam ao máximo dizer “ele tem suas circunstâncias”, mas ninguém ergueria uma sobrancelha se ele fosse permitir uma garota artless viver em sua residência.

A missão principal da corps do deus da escuridão era patrulhar o distrito da plebe, dando um ouvido para o que os cidadãos tem para dizer. No que eles estavam patrulhando o distrito todo dia e passando tempo andando com os habitantes, isso também ajudou a aliviar quaisquer pensamentos desconfortáveis de se formarem.

No que ele contou para Violet sobre a situação de Sun quando ele foi chamado ao palácio, haviam muitos oficiais do palácio que eram conhecidos com a situação. Em qualquer caso, se Yuusuke fosse deixar a cidade numa missão, Sun receberia um dever de ser a companheira de brincadeiras da princesa Violet, logo se movendo para viver no palácio.

“Hmm… maaas o que Sun pensa sobre isso?” (Yuusuke)

“S-se Yuusuke-san está bem com isso, eu não sou contra…” (Sun)

Apesar de Yuusuke ter tentando derrubar esta proposta se baseando no medo ainda presente de Sun de usuários de artes divinas, problemas que ela teria que encarar no que ela mudava o ambiente em que vivia e as várias considerações que deviam ser feitas quando deixando a vila e se mudando para a cidade, Sun estava inesperadamente positiva sobre esta mudança e não parecia estar emocionalmente desgastada.

“Você está bem com isso?” (Yuusuke)

“Sim, afinal… Yuusuke não será terá (mais) inconvenientes por mim, além do mais…” (Sun)

“Sensei parece ter achado uma nova assistente confiável então eu posso sair com minha mente em paz”, a resposta de Sun parecia ter mudado a atmosfera na sala, no que Zeshald coçou sua bochecha enquanto Belushya (corou levemente) como se o calor do chá tivesse subido até sua (cabeça). (NT: Eu não sei o motivo desses parênteses, mas eu estou traduzindo com eles…)

“Mm, eu entendo.” (Yuusuke)

“… de algum modo parece que vários mal entendidos foram alcançados aqui.” (Zeshald)

Como Yuusuke tinha que partir para o palácio amanhã, ele fez Sun contactar ele o mais breve possível no que ela terminou seus preparativos para se mudar para a cidade. Apesar dos protestos de Zeshald terem sido ignorados, naquela noite eles celebraram a promoção de Yuusuke e o retorno de Zeshald que também dobrou como a festa de boas vindas de Belushya.

***

Naquela noite.

“Oh, Sun?” (Yuusuke)

“Yuusuku-san, você ainda está acordado?” (Sun)

“Eu falei com você primeiro, não falei?” (Yuusuke)

*Risinhos* “É mesmo?” (Sun)

Yuusuke avistou Sun sentada no jardim, olhando para a escuridão, e chamou a garota de cabelo branco e se sentou ao lado dela. As nuvens sobre eles estavam amareladas ao invés de seu usual tom cinza sob a luz da lua, no que elas fluíam pelo céu estrelado.

“Então você está se sentindo ansiosa?” (Yuusuke)

“Não, não é isso… eu só estava pensando que eu realmente não posso fazer nada sozinha.” (Sun)

Sun estava trabalhando como a assistente do doutor da vila desde o dia em que seus pais morreram quando ela ainda era uma criança. Apesar dela ter gasto seus dias em paz, ela entendeu que ela não tinha muito uso como uma assistente.

Apesar de Zeshald ter dado à ela um propósito na vida e um lugar para chamar de casa, ela não podia agir como uma criança mimada para sempre. A chegada de Belushya, assim como os problemas de Gazzeta, viraram um novo ponto de partida para Sun. Ela havia pensamentos similares sobre ela mesma antes, então ela queria refletir no seu futuro por um tempo.

“Mas, se continuar assim, eu acabarei me comportando como uma criança mimada na casa do Yuusuke-san.” (Sun)

“Hmm, então você está olhando para isso assim?” (Yuusuke)

Yuusuke pensou sobre a auto-confiança de Sun. Ela desejava um propósito na vida para sentir que ela estava sendo útil e tinha um lugar para si mesma. Yuusuke ficou preocupado se ele seria capaz de preparar ela, não, não preparar, mas providenciar à ela com isso usando todos e quaisquer meios necessários.

“Ah, me desculpe mesmo. Eu estou falando sobre coisas estranhas. Eu te preocupei de novo, não?” (Sun)

“Não, nem um pouco. Esse não é o caso. Eu recentemente subi à posição onde eu mesmo tenho subordinados. É uma boa oportunidade (para eu?) pensar sobre isso.” (Yuusuke)

Apesar de Yuusuke ter sido ligeiro para depender em seus subordinados no campo de batalha, ele ainda não estava acostumado à ordenar eles durante tempos de paz. Para se fazer crescer, ele veio com uma ideia de providenciar à Sun com o local para ela mesma que adequaria às habilidades dela.

“… isso está realmente bem com você?” (Sun)

“Bem, eu mesmo estou numa posição onde eu estou dependendo apenas da gentileza da Violet, então não tenha muitas esperanças.” (Yuusuke)

Yuusuke disse as palavras que Sun esperava que alguém fosse alguma vez dizer para ela – “vamos crescer/virar adultos juntos!” (NT: Virar adultos juntos… ( ͡° ͜ʖ ͡°) )

“Yuusuke-san…” (Sun)

Feliz de finalmente ter ajeitado seus sentimentos, Sun olhou para Yuusuke com olhos molhados de alegria.

Sem quaisquer motivos ulteriores os dois apenas se olharam sob a luz do luar.

***

“Por que aqueles dois não estão se beijando!?” (Bahana)

“Apenas dê à eles algum tempo, para os sentimentos deles crescerem.” (Zeshald)

Zeshald se juntou à Bahana para uma garrafa noturna de vinho de fruta, no que eles observaram os dois jovens sob a sombra dos arbustos, próximos da janela.


Tradução: Thyros



Fontes
Cores