WCC – Capítulo 23 – Espelho d’Água



Zeshald retornou para Paula depois de receber a tiara criada por Yuusuke. A tiara era dita ser um tesouro sagrado que foi concedido à ele por sua majestade, a rainha Rishause. A rainha também fez um anúncio grande no discurso de abertura durante o festival da colheita. Usando a confusão combinada desses dois eventos, Zeshald anunciou o estabelecimento do [Espelho d’Água], uma organização que estava sob o controle direto da rainha.

No que o comandante supremo Izapnar havia previsto grande parte disto, ele chamou por uma reunião dos realistas do antigo rei e advogou para restringir a formação do [Espelho d’Água] e evitar de fazer o país passar pela conspiração de Fonclanc. (NT: De realeza… palavra cretina)

Mas ainda, os ex-realistas não gostavam das políticas atuais de Izapnar e sua visão sobre a rainha, então eles ignoraram os avisos dele. Um a um, eles anunciaram suas vontades de se tornarem os membros do [Espelho d’Água] e foram bem recebidos nos escalões superiores da organização. Mesmo que eles não fossem parte dos executivos comandantes de Paula, eles tinham experiência prévia de governar o país durante o reino do antigo rei.

Usando a experiência e habilidades deles do tempo que eles estavam em serviço ativo, eles começaram o [Espelho d’Água] rapidinho e transformaram ele num grupo funcionando. Ao mesmo tempo, no que havia um monte de apoiadores da rainha dentre os soldados na ativa, muitas aplicações esperançosas estavam vindo todo dia.

Apesar dos membros dos grupos de elite, maioria leal à Izapnar, ceticamente virem o [Espelho d’Água], alguns deles, que eram leais ao antig orei, viram algum tipo de significado na facção da rainha e mostraram algum interesse em suas atividades.

Pelo segundo dia do festival da colheita, membros e executivos do [Espelho d’Água] haviam expandido para um quarto da população geral e os elites de Blue Garden. E podia ser sentido que esta expansão iria aumentar mais ainda depois do fim do festival da colheita.

“Quase todos os membros realistas foram confirmados. Também há sinais de alguns membros dos grupos de elite ficando inclinados para eles.” (Volmes)

“Keh… eu esperava isto, mas a influência deles está se tornando problemática. Onde eles planejam criar sua base de operações?” (Izapnar)

“Eu temo que eles parecem estar usando as salas vazias numa seção da fortaleza principal. Eles estão baseados nos andares superiores. Enquanto suas defesas não são difíceis de atacar, eles também estão fáceis para defender…” (Volmes)

“Eles não são difíceis para se atacar, mas espiá-los é sem sentido, eh? De qualquer jeito, o assassinato da rainha está agora fora de questão.” (Izapnar)

Se a rainha fosse assinada agora, seria óbvio que o culpado seria da facção de Izapnar. O assassinato de Zeshald era difícil pela exata mesma razão, mas neste caso isso podia ser de algum modo disfarçado como um conflito interno.

Presentemente eles tinham que tomar medidas urgentes para parar a expansão do [Espelho d’Água]. Usando do clima festivo do festival da colheita, esta organização podia ganhar poder suficiente para realizar ações políticas e aumentar a influência da rainha. No pior caso, havia uma possibilidade deles usando a influência da rainha para dispensar o comandante supremo do posto dele.

Apesar de ser lamentável, Izapnar não podia publicamente denunciar as ações de Zeshald sendo um plano de Fonclanc.

Apesar dele ter começado com sucesso rumores de que o tratamento da rainha aos [artless] em Cofta era assim por causa do [coração ferido dela], ele não tinha pistas apontando para Zeshald sendo um espião de Fonclanc.

A chegada de Zeshald para Blue Garden depois de receber um convite pessoal. Se ele culpasse uma pessoa assim ganhou a confiança da rainha, foi apontado diretamente como o assistente pessoal dela e ainda era um espião de um país inimigo, isso também certamente destruiria sua própria reputação no que isso significaria que o governo central de Paula também foi enganado por Fonclanc. Eles também não teriam espaço para fazer um protesto então, no fim, eles teriam que lidar com o [Espelho d’Água] como um problema interno.

“Há também relatos dos movimentos de Fonclanc dentro do lado deles da borda nacional.” (Volmes)

“Esvobus, aquele rato ligeiro, ordene as tropas para fortalecerem a segurança na borda.” (Izapnar)

Neste momento crítico, Izapnar lutava para lidar com os assuntos do governo tentando preservar as fundações da dinastia de Blue Garden que ele havia preparado durante os longos anos.

***

Terceiro dia do festival da colheita, manhã. Fonke, realizando os deveres de um mensageiro, chegou num cavalo rápido carregando uma mensagem que uma reunião de emergência estava sendo chamada e Yuusuke estava apressadamente se preparando para sua partida.

No que era o terceiro dia do festival, um monte dos aldeões se reuniram para se despedirem dele. Tendo dito isso, todo mundo hesitou em falar. Yuusuke, vestido no uniforme da corps do deus da escuridão, voltando ao apontamento na cidade com um cavaleiro do palácio como seu subordinado, finalmente começou a cair a ficha de todos que ele realmente é o homem das fofocas, o elite do palácio, o Herói de Gearhawk.

“V-você de algum modo parece uma pessoa completamente diferente.” (Bahana)

Murmurou Bahana numa voz inusualmente nervosa. Sun foi para frente da multidão, se aproximou de Yuusuke, e levemente segurou a mão dele antes de retirar a sua após um momento, assim como naquela vez na carruagem na viagem de volta deles do palácio. Isso fez os olhos de Bahana se arregalarem de espanto, no que ela só conseguia ofegar, “minha nossa!”

“Tchau, Yuusuke-san. Se cuide.” (Sun)

“Ah, estou partindo, tchau Sun.” (Yuusuke)

Para Yuusuke, isto parecia algum tipo de amuleto de boa sorte de Sun, então ele recebeu o ato naturalmente. Bahana desamparadamente largou sua cabeça sobre a inocência de Sun no que Yuusuke acenou adeus para os aldeões e subiu na carruagem.

***

No caminho de volta para a cidade, Fonke estava responsável por usar as artes de vento para acelerar a jornada, então tão simples quanto parecia ser a carruagem em que eles andavam, ela era capaz de viajar em altas velocidades. Ainda mais, a carruagem teve sua capacidade de direção customizada para que fosse capaz de ir em velocidades além da “alta velocidade” de costume que artes de vento permitiam que eles fossem.

“Eu digo, a carruagem não está correndo rápido demais?” (Fonke)

“Eu fiz algum reforço na estrutura, então está tudo bem.” (Yuusuke)

Depois de chegar em Sanc Adiet antes da programação deles, os viajantes passaram dois portões de distrito e chegaram no palácio de Volance. Pelo caminho, eles passaram por várias carruagens diferentes de corps de cavaleiros divinos. Ao chegar na seção de estacionamento do palácio, eles viram um número de grupos de corps que revezavam em subir nas carruagens e deixavam o palácio.

“Yuusuke!” (Violet)

Violet, sorrindo amplamente, correu até Yuusuke e pulou nele, e o jovem de cabelo preto havia pego ela por puro reflexo. Enquanto esta ação causou um auê entre os observadores, Violet continuou a abraçar Yuusuke e gritou sobre Zeshald.

“O ojii-san conseguiu! Eu sabia que ele estava do nosso lado!” (Violet)

Violet estava além de si mesma por causa da recente mudança de status em Blue Garden. O propósito de Zeshald de ir para lá era criar esta situação, que significava que ele não traiu Fonclanc.

No que Yuusuke não estava realmente surpreso por isso, Violet animadamente perguntou para ele, “você já sabia sobre isso?”.

“Princesa, por favor se acalme um pouco. … Yuusuke-san, desta vez é uma situação de emergência, mas-” (Kreivol)

Tendo feito uma pausa curta, Kreivol parecia intender que ia colocar Yuusuke rapidamente a par da situação. No que era muito urgente, ele até parecia adiar a bronca da princesa. Yuusuke ouviu cuidadosamente o resumo com a princesa pendurada inclinadamente nele.

Desta vez, uma organização sob o controle direto da rainha de Blue Garden começou a rapidamente ganhar influência em Paula e um enorme movimento de motim é antecipado no país vizinho. Em resposta à esta situação, uma decisão para o emprego de emergência de tropas próximo da borda de Fonclanc-Blue Garden foi anunciado.

De acordo com essas ordens, uma nova fortaleza devia ser urgentemente construída num local levemente distante das ruínas da Fortaleza Gearhawk, e corps de cavaleiros devem ser estacionadas lá. As ordens deles são para monitorar os movimentos dentro de Blue Garden e, no caso de emergência, responder com a maior agilidade.

“O grupo de avanço já chegou no local de construção e assegurou o perímetro. Algum tempo atrás, uma enorme caravana de material partiu junto com o pessoal de construção. O primeiro destacamento de combate junto com o pessoal militar está atualmente partindo enquanto nós falamos.

Suas ordens são para partir com as corps amanhã e, depois de chegar no local, prosseguir ajudando com a construção da fortaleza e as instalações necessárias.” (Kreivol)

“Entendido. Nós vamos partir amanhã e seguiremos para o local de construção da nova fortaleza.” (Yuusuke)

No que esta era a segunda vez que a corps do deus da escuridão foi ordenada à ajudar com a construção da fortaleza, Yuusuke seguiu para seu quarto para rapidamente revisar o modelo de dados da fortaleza Gearhawk em preparação para amanhã. Fonke apontou com tato para Violet, ainda pendurada na figura de Yuusuke e perguntou, “você está bem com isto?”.

“Princesa!” (Kreivol)

“Wahaha~” (Violet)

Depois de algum tempo, as rugas na testa de Kreivol tiveram ainda outra chance para se tornarem mais profundas.

***

~Comando central de Paula. Salão de Congresso~

Plausha estava andando em direção de seu quarto pessoal através do corredor da seção de moradia que agia como os quartéis para os membros dos grupos de elite. No que lhe foi dado um quarto nos alojamentos da elite, levou um dia inteiro para ela mover suas roupas e outros pertences de seu quarto anterior. Quando ela finalmente terminou de mudar, o uniforme que os outros membros de seu grupo estavam vestindo havia chego também.

Em seguida, no que ela prosseguiu para o quartel-general do [Espelho d’Água] para aplicar para virar um membro lá. Este era o primeiro passo dela na missão secreta que lhe foi dada… mas ela não sentia que estava fazendo nada.

“Haaaah…” (Plausha)

Ela suspirou involuntariamente. Parecia que o [Espelho d’Água] estava aumentando firmemente em membros entre ambos os soldados de elite e o povo comum. Ela queria entrar em contato com o instrutor chefe Zeshald o mais breve possível depois de se juntar à organização, mas uma decisão importante dessas não era para ela fazer.

Eu irei lá amanhã. Já está ficando tarde hoje, então eu certamente irei lá amanhã, enquanto se preocupava se ela devia ou não atrasar sua ação, ela notou um grupo de quatro jovens de cabelo vermelho, vestidos nos uniformes da trupe de fogo, e ela recuou em direção da parede. Os quatro também mudaram sua direção e aproximaram Plausha.

Sentindo como se ela estivesse numa entrevista de casamento, Plausha lentamente ergueu seu rosto. Antes que ela tivesse notado, ela foi cercada pelos membros da trupe de fogo. (NT: Em inglês fala que é do Espelho d’Água, mas nunca mencionou isso, então…)

“O que é isto? Mesmo quando ela está vestindo o uniforme da trupe, ela ainda é uma pirralha.” (Ferrugem)

“Um rosto estranho… esta criança se juntou à trupe d’água?” (Foguinho)

“Eh… uhm…” (Plausha)

“Hey, você realmente tem permissão para estar aqui? Nos mostre sua permissão!” (Ferrugem)

De algum modo confundida com uma pessoa suspeita, Plausha tentou tirar a permissão de entrada do prédio, mas ela se lembrou que ela havia deixado isso em algum lugar em seu quarto no que ela não havia usado isso desde que ela havia mostrada na primeira vez que ela entrou no prédio. Ao invés disso ela mostrou para eles um cartão dos membros temporários da trupe d’água.

“Membro temporário, é. Em nome de quem, o líder da trupe d’água?” (Ferrugem)

“N… não. Eu fui recomendada pelo capitão Volmes…” (Plausha)

No que Plausha mencionou o nome do capitão da trupe de vento, os caras trocaram olhares, imaginando por que o capitão deles de todas as coisas recomendaria alguém para ser um membro temporário da trupe d’água? Eles ficaram ainda mais suspeitos de Plausha no que não havia razão ou pretexto para o porquê alguém iria colocar uma pessoa que nem havia alcançado a idade de alistamento em outra corps.

“É-é verdade. Por favor cheque com o Sr… Capitão Volmes! Ele confirmará isso para vocês!” (Plausha)

“O capitão está atualmente ocupado. Nos diga a razão pela qual você ganhou a permissão de alistamento.” (Fósforo)

“É que eu… quero dizer… eu tenho ordens especiais…” (Plausha)

Era impossível para Plausha revelar sua missão secreta, então ela começou à enrolar respondendo só “é relacionado à minha missão”. Os quatro trocaram olhares depois de ouvir esta resposta e no que eles começaram a entender o que estava acontecendo aqui, a tensão diminuiu.

“Oooh, então é assim que é.” (Ferrugem)

“Uma missão do nosso capitão, eh…” (Fagulha)

Contudo, a atmosfera que deveria estar aliviando estava na verdade tomando outra direção imprópria.

“Bem, ela é bem bacana para uma mulher.” (Fósforo)

“Bem, é claro que nosso capitão não é gay.” (Ferrugem)

“…?” (Plausha)

Plausha encarou eles vaziamente, pensando sobre o que eles estão falando? Quando um deles repentinamente segurou ela por trás, fazendo a garota entrar em pânico. Um dos três caras sobrando se aproximou de Plausha pela frente e colocou sua mão sob a saia dela.

Plausha estava assustada, claro, e tentou resistir, mas os outros dois caras seguraram as mãos dela para baixo para que ela não conseguisse se mover nem um pouco.

“O qu- o que estão fazendo! PAREM AGORA MESMO!” (Plausha)

“A verdade é, nós também estamos numa missão especial.” (Ferrugem)

“Nós também queremos curtir uma pequena cantora das ruas que achou seu caminho até aqui.” (Fagulha)

“NÃÃO! Me solte! ME SOLTEM SEUS BASTARDOS!” (Plausha)

O homem na frente de Plausha inseriu seu dedo nas partes privadas dela no que ela estava torcendo seu corpo numa tentativa sem esperanças de escapar e cochichou uma ameaça no ouvido dela.

“Vai lá e tente gritar mais uma vez e eu te cozinharei ali embaixo.” (Foguinho)

“?!!” (Plausha)

Plausha enrijeceu, seu corpo inteiro tremendo enquanto ela até esqueceu como se respira. Então ela finalmente ficou obediente?, pensaram os quatro cuzões da trupe de fogo no que eles começaram a arrastar ela até o quarto mais próximo.

No que Plausha estava num pânico, sem saber como agir neste caso, as coisas que ela havia ouvido sobre as trupes de elite de sua irmã estavam girando em sua cabeça. Sua irmã mencionou que haviam alguns desses tipos de caras nas trupes, mas os grupos de elite reforçavam disciplina, então eles haviam agido de maneira cavalheiresca.

(Por quê? Por que coisas assim tinham… no comando central… Onee-chan…!) (Plausha) (NT: Terminar gritando irmã me soa escroto)

No que Plausha estava rezando por sua irmã, uma voz familiar ressoou no corredor.

“Vocês, o que diabos vocês estão fazendo?!” (Volmes)

Era ninguém menos que Volmes, confidente do comandante supremo Izapnar que estava andando até Plausha com um olhar sério em seu rosto, o tinido de suas botas ressoando no corredor. Plausha olhou para ele, implorando por ajuda, mas sua voz ainda estava paralisada pelo medo do dedo.

Os quatro trocaram olhares perplexos depois da entrada do comandante deles, mas logo eles relaxaram seus ombros e confrontaram o comandante numa maneira leve.

“Nada, só treinando para uma missão especial.” (Ferrugem)

“Esta novata fofa nos pediu para ajudar no treinamento dela.” (Foguinho)

Eles disseram isso com um sorriso largo nos rostos deles no que eles erguerem a saia do uniforme de Plausha. O rosto de Plausha ferveu vermelho. No próximo segundo a bochecha do homem que ergueu a saia dela havia ficado vermelha com um som seco.

Estapeando cada um de seus subordinados em sucessão, Volmes protegeu Plausha atrás das costas dele no que ele calmamente falou com uma expressão descontente.

“Vocês parecem ter entendido algo erardo. Ela é… um parente de um membro da trupe de vento que foi morto em Gearhawk. Ela é a irmã mais nova dela.” (Volmes)

“!!” (Ruivos)

“Nós… nós lamentamos profundamente por nossas ações…” (Ruivos)

Os quatro estavam visivelmente perturbados, tendo aprendido sobre as circunstâncias de Plausha. Os quatro, agora visivelmente deprimidos, foram ordenados à refletirem sobre suas ações enquanto Volmes escoltava Plausha de volta para seu quarto.

“Me desculpe, isso aconteceu devido à minha falta de supervisão. Eu lhe prometo que isto nunca mais acontecerá de novo.” (Volmes)

“N- não foi nada.” (Plausha)

Depois de se desculpar para Plausha, Volmes falou para ela sobre as circunstâncias daqueles caras de agora pouco. Eles também perderam seus amigos próximos todos de uma vez. Eles não foram capazes de ficar de luto por seus amigos devido à toda movimentação com a reorganização militar. Quando a movimentação parecia se resolver, o incidente do [Espelho d’Água] aconteceu e a situação ficou pior no que o tumulto se espalhou de novo. Plausha foi capaz de se identificar com esta situação no que ela havia visto a inquietação na cidade.

“Me desculpe por pedir o impossível de você…” (Volmes)

“Eu… eu farei meu melhor!” (Plausha)

No que Volmes disse que a influência do [Espelho d’Água] estava aproximando uma força ameaçadora, Plausha endureceu sua determinação para completar sua missão. Ela realizaria sua missão para procurar pelo [Espelho d’Água] a partir de amanhã.

“Descanse hoje.” (Volmes)

Depois de dizer isso, Volmes deixou o quarto de Plausha.

***

No que várias instalações recreativas estavam instaladas abaixo das moradias, alojamentos também tinham prédios recreativos e bares construídos na seção subterrânea. Depois de deixar o quarto de Plausha, Volmes seguiu em direção da sala de descanso. Os quatro caras de antes estavam bebendo lá.

“Capitão, você realmente tinha que nos acertar tão seriamente lá?” (Ferrugem)

“Parecia mais convincente assim.” (Volmes)

“Nós realmente tínhamos que ir tão longe com aquela atuação?” (Foguinho)

“Vocês tinham precisamente porque era uma atuação. A isca tinha que parecer real para conseguir o máximo dela.” (Volmes)

Volmes responder à uma reclamação jocosa de um dos caras e elogiou ele, “a atuação pareceu bem real”. Seus subordinados também riram, lembrando do rosto de Plausha.

“Agora eu espero aquela garota a começar realizar sua missão. Se ela conseguir trazer ele para nosso território, nós podemos deixar um especialista cuidar do resto.” (Volmes)

“Então, você já tem alguém em mente?” (Ferrugem) (NT: Não há parágrafo diferenciando a conversa, então parece ser entre os ruivos e Volmes… no mangá era Volmes e Izapnar)

“Eu planejo usar Belushya da trupe d’água.” (Volmes)

“Oh, aquela mulher de gelo?” (Ferrugem)

A trupe d’água, similar à corps do deus d’água, era um grupo focado em artes divinas do tipo de cura, contudo se tinha que ser dito, eles eram mais uma milícia que um grupo de suporte.

Os membros do grupo de elite eram divididos quase igualmente entre os tipos de suporte e os tipos de ofensa. Belushya era uma usuária de artes divinas topo de classe deste grupo de elite. Bebendo um copo de álcool que foi oferecido para ele, Volmes virou para sair para prosseguir com suas outras tarefas.

“Não esqueçam de manter o ato de vocês. Se vocês encontrarem ela vocês tem que parecer deprimidos.” (Volmes)

“Táá, tá.” (Ruivos)

Volmes deixou a sala de descanso, ouvindo à resposta nas coxas deles.


Tradução: Thyros



Fontes
Cores