TMID – Capítulo 1 – De pé em um novo mundo



Eu sou Misumi Makoto.

Estudante do Segundo ano do ensino médio indo para a escola local Nakatsuhara.

Meu clube é o de arquearia, minha especialidade é a arquearia,

Notas são mais ou menos, força física é na média.

Aparência, provavelmente não é boa, mas ainda assim não é ruim.

Hobbies são meio otakus, mas meus gostos são bem variados então eu normalmente tento tudo que eu posso.

Interesses que não irão mudar são o arco e os dramas de época.

A parte boa da minha vida, a vista de eu utilizando o arco.

Apesar disso, eu ainda penso que eu tenho um perfil normal.

Estar em tal lugar definitivamente não serve para mim. Um deserto vermelho marrom que vai tão longe quanto o olho pode enxergar.

Este parece o tipo de lugar que eu ouvi falar sobre nas minhas aulas.

De dia ele fica muito quente, a noite ele se torna congelante, esse tipo de lugar.

No tempo que eu fiquei aqui eu já enfrentei duas noites.

Eu não comi nada, mas mesmo assim eu não me sinto faminto.

Foi-me dito que neste mundo eu posso demonstrar habilidades físicas que superam a capacidade humana então talvez esta seja a razão.

Ah… por que eu estou neste tipo de lugar?

Reposta, o resultado de uma brincadeira feita por uma Deusa.

Eu entendi, eu já entendi.

Eu não sei quantas vezes eu me fiz esta mesma pergunta.

O que deveria ter sido um dia normal em que nada acontece.

Ser chamado por um dos Mikos, Tsukuyomi Mikoto, e então ser abduzido por uma Deusa estranha e depois disso parar aqui.

O primeiro me deu a impressão de um Deus gentil, o ultimo é um que eu nem ao menos quero reconhecer como Deus.

Então a Deusa, não, a existência pior que um inseto me jogou em um deserto desconhecido onde não apenas pessoas, mas até mesmo a presença de animais não pode ser sentida.

Realmente, eu não entendo nada.

Nesta situação sem nada comigo, eu andei pelo vasto e imutável deserto por todo o dia.

Ao invés de sequestro isto estava mais perto de um assassinato.

Nada bom, quanto mais eu penso sobre aquela puta mais eu fico deprimido.

Meus arredores já são preto piche.

Ainda tinha a luz das estrelas, mas isso não era apropriado para andar.

Porque este corpo já se acostumou com a luz elétrica, a escuridão deste lugar instigava medo.

Mas mesmo dizendo isto, dormir não é uma opção.

Eu tenho me sentido sonolento, mas se eu dormir profundamente coisas perigosas podem se aproximar de mim.

Eu não poder ver não significa que não tenha nada afinal.

Eu estou começando a pensar que não seria ruim seguir o que a deusa disse e encontrar alguns orcs ou goblins.

Um local onde eu possa dormir pacificamente. Eu não achava que tal local seria tão importante para mim.

Amanhã.

Amanhã com certeza.

Eu rezo que uma mudança ocorra.

Se possível, por favor me deixe ter uma conversa com alguém.

Eu não ligo nem mesmo para aparência, eu também quero achar comida.

Há… eu espero que a manhã chegue logo.

Uma noite incrivelmente longa que não se compara a quando eu assistia anime na internet para passar o tempo.

Segundo dia vivendo em outro mundo, o mesmo que o primeiro. Nada aconteceu.1

Na sombra de uma pedra, eu abracei meus joelhos e esperei a manhã chegar.


Tradutor:Michael | Revisor:BravoEd



Fontes
Cores