TER – Capítulo 318 – A prudência de uma Camareira


— Minha Senhora, você não nos deve desculpas por nos envolver em seu ataque?

Kuina reclamou baixinho para Mare, que correu para Fran triunfante depois de acabar com as feras demoníacas e seres malignos com seu ataque avassalador de chamas. Bem, um sermão às vezes não é ruim.

— Bem, é que… eu sabia que vocês conseguiriam. Vocês não estão feridas, estão?

— Quase fomos engolidas pela onda de lava.

— Er, bem…

— Para começo de conversa, era necessário lançar um ataque tão poderoso? A Srta. Fran se deu ao trabalho de prendê-los, não havia uma maneira mais eficiente de aniquilá-los?

— Quanto a isso…

— Além disso, por favor, olhe aqui.

Kuina apontou gentilmente para sua bochecha.

O quê!? Não havia nada de diferente lá. Mare também não tinha ideia do que Kuina estava falando, inclinando sua cabeça.

— Hmmm?

— Por favor, olhe mais de perto.

— É, estou olhando…

— Há um pouco de sujeira!

— Quem se importa!? Não é natural se sujar em uma batalha?

— O fato de isso ter sido causado por uma aliada e não pelo inimigo piora tudo, você não concorda?

— Tudo bem, que pessoa sensível! Vamos discutir como seguir em frente.

Mare tentou mudar de assunto, e Kuina, vendo a garota adequadamente perturbada, pareceu satisfeita e seguiu adiante.

— Bem, primeiro vem o chá.

— Ei! Este não é um campo de batalha?

Tão rápida para se adaptar! Em vez disso, por que chá neste campo de batalha? Isso pegou até Mare de surpresa, mas Kuina ainda respondeu com calma:

— Eu acredito que você deve fazer uma pausa sempre que puder.

— Hmmm… faz sentido.

— Sim.

Ela estava convencida!? Kuina puxou uma mesa do nada e alinhou várias xícaras com graça. Depois, ela serviu chá preto quente em um bule. Mare se sentou e relaxou em uma cadeira que também apareceu do nada.

— Eu esperava que algo assim pudesse acontecer, então preparei o Chá da Flor das Feras. Seu efeito mágico aliviará o fardo do despertar.

— Ah, isso ajudará bastante. Como esperado.

— Srta. Fran, você não se juntará a nós? Temos bolinhos.

— Desculpe, tenho que lidar com a força destacada.

Fran se voltou depois de rejeitar a oferta, mas depois de alguns passos, seu corpo começou a tremer, mostrando sinais de colapso.

“E-ei! Fran, você está bem?”

— Nn.

Embora Fran assentisse para afirmar que estava bem, ela parecia pálida. A tensão da batalha e sua vontade de salvar seu povo fizeram com que ela esquecesse o cansaço, e seu corpo estava se aproximando de seu limite. Eu deveria ter notado.

— Se você lutar assim, não poderá exercer seu poder.

— O chá está imbuído com efeitos de recuperação da fadiga e também diminui o tempo necessário antes que você possa despertar novamente, por favor, experimente.

“Fran, descanse. Mesmo que sejam apenas 10 minutos, eu também me sinto um pouco cansado, você não?”

— … nn. Tudo bem.

Fran concordou com minha proposta com relutância e Kuina trouxe uma cadeira para ela. Depois de fazer uma pausa, o chá preto e os lanches chamaram sua atenção. Ela cheirou os bolinhos doces com grande interesse.

Os restos dispersos de feras demoníacas carbonizadas nos cercavam, e o chão ainda estava soltando fumaça da lava no campo de batalha, ainda assim, chá estava servido. Eu era o único que achava isso louco? Afinal, Fran, Mare e Kuina seguravam suas xícaras de chá como se fosse algo natural.

Não era só isso, de onde vieram as mesas, cadeiras e o chá preto? Eu vi com meus próprios olhos que tudo veio da saia dela, mas… não foi de lá que a caixa de poções veio. Não havia espaço para colocá-los lá.

— Kuina, de onde tirou isso?

— É uma habilidade. Uma habilidade inata de camareiras talentosas: “Prudência da Camareira”.

Uma habilidade semelhante ao armazenamento dimensional, no entanto, havia limites para o que poderia ser guardado, sendo esses apenas itens indispensáveis na linha de trabalho de uma empregada. Além disso, isso devia ser julgado pela própria pessoa, mas se alguém acreditasse que era relevante para o trabalho de uma camareira, então o item poderia ser aceito. Era uma boa habilidade, mas o Armazenamento Dimensional a tornava desnecessária.

Apesar das desvantagens, a técnica também tinha suas vantagens, sendo uma habilidade do sistema, e não uma de Espaço-Tempo. Isso significava que era possível usá-la mesmo quando a Magia de Espaço-Tempo estava sendo bloqueada.

— Entre as empregadas reais, poder armazenar itens é o primeiro sinal de maestria para uma camareira. Estar preparada para todos os tipos de situações difíceis é a medida de uma empregada e o motivo de sua vida.

A razão de viver delas… a dedicação de uma criada era claramente evidente.

— Quase esqueci, ainda não me apresentei formalmente. Meu nome é Nemea Narasimha, Princesa da nação e aventureira rank D, e uma Leoa-das-Chamas-Dourada.

— Nn. Eu sou Fran, da Tribo dos Gatos-Negros. Aventureira rank C e Tigresa-Negra-Celestial.

— E esta é minha acompanhante Kuina e meu companheiro Llinde.

KuOOO!

Llinde flutuou e, olhando mais de perto, ele era mesmo grande. Mesmo que seu corpo fosse menor que Urushi, sua envergadura o tornava maior.

Para a Lâmina do Dragão Llinde criar um dragão tão grande, ela não podia ser uma espada mágica normal. Parecia que Mare tinha pensamentos semelhantes sobre mim.

— A propósito, Fran.

— Nn?

— Que tipo de espada é essa?

Os olhos brilhantes de Mare focaram em mim atrás de Fran.

— Não é apenas uma espada mágica, é? Qual é o nome?

— Nn…

— É uma espada divina?

O que devemos fazer? Poderíamos inventar uma história, mas gostaria de ser sincero com alguém que poderia se tornar amiga de Fran. Fran hesitou em responder e Mare continuou a falar:

— Ah, espere, não é justo só você me contar o seu segredo, então eu vou compartilhar o meu também. Então você pode me dizer o seu, que tal?

— Segredo? Sobre você ser uma princesa?

— Não é isso, é algo mais incrível.

“Mestre…”

“Mesmo que você me pergunte…”

Fran parecia querer contar a Mare, mas se ela descobrisse, sendo uma integrante da família real, a garota poderia passar as informações ao Senhor das Feras…

“Mestre, posso?”

“… ráá. Não há o que fazer.”

“Obrigada.”

Como eu poderia dizer não se ela implorasse dessa forma? Bem, eu estava escondendo minha identidade para proteger Fran de ser alvo de outras pessoas, mas se ela achasse melhor dizer a garota, não havia razão para eu contestar.

— Entendido. Fechado.

— Ó! Muito obrigado. Bem, em primeiro lugar, eu começo com o meu segredo!

— Minha Senhora, está mesmo tudo bem?

— Claro, Fran é de confiança!

— Bem, a intuição de Minha Senhora sempre esteve correta, então não tenho objeções.

Kuina soltou um suspiro quando terminou de falar, e não pude deixar de sentir um pouco de pena dela. O segredo de Mare ser uma princesa não era algo que se poderia ser compartilhado de forma tão despreocupada, então duvidei que ela não se importasse.

— Quanto a Lâmina do Dragão Llinde…

— Nn.

A espada de Mare também guardava um segredo, então eu também fiquei curioso, ela pegou a arma das costas e a colocou sobre a mesa.

— O nome original da espada é a Feroz Lâmina do Dragão, Lindwurm1. Ela é uma das espadas cuja fama ressoa em todo o mundo.

— !!!

E assim, Mare contou a Fran seu segredo.


Tradutor:



Nota

[1] O Lindworm, ou Lindwurm (“dragão” em alemão), é uma criatura lendária semelhante a um dragão ou uma serpente monstruosa. Na heráldica britânica, lindworm é um termo técnico para um monstro serpente sem asas com duas patas com garras afiadas na metade superior de seu corpo. Na heráldica norueguesa, um lindworm é o mesmo que um wyvern (serpe) da heráldica britânica.



Fontes
Cores