SRVF – Volume 2 – Capítulo 1



Atualmente, nossa carruagem estava parada ao lado do rio que nascia do interior da floresta. Sua água cristalina era fria embora estivéssemos em pleno verão. Ao colidir com as rochas, essa quantia abundante de água não evaporava com facilidade, mesmo sob o calor abrasivo do sol.

Depois de tirar meus sapatos, coloquei os meus pés no rio para me refrescar e assim como pensei, estava bem frio. Nesse momento eram cerca de duas da tarde, ou seja, a hora mais quente do dia, o que fazia com que a água fria parecesse ainda mais agradável.

Ah, finalmente estou de volta em casa. — Um sentimento que era ao mesmo tempo belo e natural, havia me atravessado com força. Olhando em volta, a paisagem estava ficando gradativamente mais verde, tornando-a ainda mais bonita.

— Então esse é o território Helan.

Iris desceu da carruagem pouco depois e ficou de boca aberta ao contemplar a vista. O mesmo poderia ser dito sobre Vaine.

— A água é tão clara! Kya! E está fria também! — Enquanto dizia isso, Iris entrou no rio.

— Parece um bom lugar para pescar. — Vaine apontou uma perspectiva diferente. 

Bem, ele não estava errado, em vários cantos do rio podia-se ver os peixes nadando de um lado à outro.

Eu coloquei um pouco de água em minhas mãos e bebi sem hesitação e logo uma sensação agradável passou pelo meu corpo. 

Água natural com certeza é refrescante. — Me vendo fazer aquilo, os outros dois beberam um pouco também.

— É deliciosa!

— Essa água é muito boa.

Por alguma razão ver os seus rostos sorridentes quase me fez sorrir também. 

— Ah, bem-vindos ao Território Helan!

— É um lugar agradável. — Iris disse enquanto seus olhos brilhavam.

Se apenas olhar essa porção do território fazia seus olhos brilharem, imaginem quando ela conhecer o restante. O que eu sentia agora era que apenas olhar para ela foi algo divertido.

— Eu quero voltar aqui apenas para relaxar. — Vaine disse quando mergulhou a parte inferior de seu corpo na água.

Olhando de perto, ele também parecia estar com os olhos brilhando, como os de um garoto no auge da diversão.

— Que tal ficarmos aqui uma noite, então? Podemos acampar aqui e teremos um jantar incrível se conseguirmos grelhar alguns peixes do rio.

— Apoiado! — Iris levantou as mãos e pulava no rio.

— Ok, então, vamos preparar o equipamento de pesca.

Primeiro, pedi ao Vaine que buscasse alguns galhos que pudessem ser utilizados como varas de pescar, mas como a floresta estava próxima, não deveria ser muito difícil. Depois disso, Iris e eu vasculhamos nossa bagagem procurando algo que pudesse servir como linhas e anzóis.

Nós não conseguimos encontrar ganchos para isso, então tive de criar alguns processando um pouco de ferro com magia. Raspando a ponta, eles lentamente se tornaram afiados. Eu estava um pouco preocupado por que não consegui fazer as farpas para prender os peixes na ponta, mas com a habilidade de pesca do Vaine não deverá haver qualquer problema.

A “linha de pesca” que encontramos foi apenas um fio branco… Pode não ser o melhor equipamento, mas deve servir, certo?
Assim que terminamos, Vaine voltou com três galhos que eram do tamanho perfeito para as varas. Ele era alguém com quem podíamos contar. Em seguida, nós imediatamente amarramos os fios e nossas varas de pescar foram completadas. Para isca, usamos a carne seca que tínhamos guardado.

Será que os peixes vão querer comer a carne? — Foi o que pensei, mas Vaine afastou essa ansiedade.

— Se eles puderem sentir o cheiro,vão comer qualquer coisa.
Subindo no topo da maior rocha que pude encontrar, lancei meu anzol na água. A melhor estratégia para pescar é ser paciente e como o cenário era lindo, seria o momento perfeito para relaxar e esperar.

Iris ficou na beira do rio e mirou, colocando um pé na água antes de finalmente lançar sua linha. Esta provavelmente era sua maneira de aproveitar o frescor do rio e pescar ao mesmo tempo. Quanto ao Vaine, ele entrou e ficou submerso até a cintura antes de lançar. Do meu ponto de vista, ele parecia um profissional.

— Precisa de alguma ajuda? — Parecendo ligeiramente preocupada, Iris me chamou.

— Não, é desse jeito que gosto de pescar.

Sério, estou me divertindo muito aqui. De qualquer forma, vou parar de brincar e começar a pescar de verdade!

Deitando-me na rocha, comecei a mascar um pedaço de carne seca enquanto esperava pela minha presa. Sob a sombra fresca de uma árvore, meu coração estava sendo curado pela bela paisagem ao meu redor.

— Ah ~ me sinto tão feliz ~.

— Fufu, agora você está parecendo com um velho.

No fundo da rocha, no canto inferior esquerdo, vi a Iris olhando para mim. Aparentemente o que eu disse soou engraçado, considerando o fato de que ela ainda estava rindo um pouco disso.

— Essa é apenas a borda do Território Helan e ainda assim é tão lindo.

— É, e só posso imaginar como será no centro. É provável que seja incrível, considerando seu rosto orgulhoso, Kururi. — Se aproximando de mim, ela sentou-se ao meu lado e jogou o seu anzol no rio.

— Fufu ~ n.

— Mal posso esperar para ver os jardins floridos nas fontes termais, eles provavelmente são um paraíso. Se eu não os ver durante esta viagem, provavelmente ficarei louca.

— Não se esqueça do resort de verão, é o melhor que temos a oferecer por aqui.

— O melhor? Mesmo? — Iris começou a sorrir quando imaginou a vista. 

Apesar de que estou amando a nossa conversa não deveríamos estar pescando? — Um pouco depois, senti a vara de pescar se mover de maneira não natural por um segundo.

— Hã? Eu fisguei alguma coisa? —  Imediatamente pulei e peguei a vara.

O peixe estava lutando bastante, provavelmente era um dos grandes. Tentei puxar o fio o mais rápido que pude e naquele momento, houve um enorme esguicho e o peixe escapou do anzol me deixando apenas com uma sensação de insatisfação.

— Ahahaha! — Como um deboche, pude ouvir uma voz gritando ao lado. 

Bem, eu já sabia que seria difícil pegar um peixe com um anzol sem farpas.

— Ah ~, eu sabia que seria difícil para um amador como eu pegar qualquer coisa.

— Ainda acho incrível que você conseguiu algo em sua linha.

— Oh? Você viu? Era bem grande, certo?

— Sim, definitivamente um dos grandões.

Bem, acho que não foi uma perda total.

— Ainda é lastimável, mas tudo bem. Embora minha autoconfiança tinha ficado um pouco abalada.

Ok, vamos tentar mais uma vez. — Perfurei outro pedaço de carne no anzol e preparei minha vara. Um pouco depois disso foi a vez da Iris fisgar alguma coisa. Os peixes que mordiam o anzol davam voltas, saltando para dentro e para fora da água. Ela pegou outro dos grandes.

— Mantenha a calma!

— Eu sei.

Ela começou a mover a linha com cuidado, afinal precisávamos ser vigilantes já que o gancho não tinha farpas. Talvez tomando nota do meu fracasso mais cedo, ela tomou seu tempo movendo as mãos com cuidado, mas, com um respingo impiedoso, os peixes nadaram para longe.

— Ah-! — Iris fez uma cara de desapontamento.

Eu sei que não deveria rir, mas de alguma forma não consegui resistir ao impulso. Mesmo depois de tentar tanto, ela acabou perdendo o peixe da mesma maneira que eu.

— …

 

◇◇◇

 

Ela não falou comigo de novo até o dia estar quase no fim. Para que fique claro, consegui fisgar vários peixes no anzol, mas não pude trazer nenhum deles até a margem.

— Ei, onde está o Vaine? — Me virei para a direção em que a Iris estava.

Hã!? Mentira, esqueci completamente do Vaine durante a nossa conversa, mas… — Olhei para onde ele estava antes e de fato havia sumido. 

Não me diga, ele foi levado pelo rio!? — Uma súbita onda de ansiedade passou pelo meu corpo. Deixando minha vara de lado, corri para o lugar onde tinha visto o Vaine pela última vez.

Se lembrava bem, ele estava com água até a cintura, mas como o rio estava calmo na superfície, não imaginei como deveria estar a correnteza mais ao fundo. — Isso é mal, agora minha ansiedade está aumentado.

— Buwa! — De repente, um som estranho ressoou do rio e um Vaine encharcado entrou em minha visão. Parecia que ele havia mergulhado.

— Acho que será suficiente por agora.

Em suas mãos, havia uma sacola de cânhamo e no seu interior, parecia haver vários peixes furiosos pelo fato de terem sido apanhados. Talvez minhas preocupações fossem desnecessárias.

Sendo capaz de pegar uma enorme colheita de peixes, enquanto nós dois não conseguimos pegar nenhum. Como esperado de Vaine!

Desde que começou a esfriar com o entardecer, nós três começamos uma fogueira. O Vaine e minhas roupas ficaram molhadas, então tivemos que trocar. Por sorte eu tinha algumas roupas extras na bagagem. Roupas secas contra a pele fria  era realmente agradável.

Perguntei à ele se não iria se trocar também, mas tudo o que ele fez foi tirar a camisa.

— Estou bem, posso simplesmente secar minhas roupas.

Bem, estamos falando sobre o cara que passaria as férias acampado em florestas e montanhas. Mas de certa forma ser o único a se trocar me fazia parecer afeminado.

Quando o sol começou a se pôr, nosso fogo continuou a subir enquanto queimava as lascas de madeira que havíamos recolhido. Ao meu lado, Vaine estava aquecendo seu corpo junto ao fogo enquanto secava suas roupas e, vendo como ele estava tremendo, ofereci a minha camisa, mas fui recusado.

— Não, eu posso lidar com um frio deste nível.

Eu me perguntava se ele estava apenas sendo teimoso e isso me preocupava um pouco. 

Chamei o cocheiro para que nós quatro pudéssemos comer os peixes. Um cheiro perfumado começou a subir a medida em que eles ficavam prontos e já que hoje foi bem movimentado, todos estávamos com muita fome. Tínhamos inclusive alguns temperos disponíveis e acabamos comendo que nem bestas os pobres peixes à frente de nós. Não houve qualquer conversa, apenas o som de mastigação.

Bem, como esperado da temporada de pesca, os peixes estão incríveis!

Depois que dei a última mordida, uma sensação de tristeza tomou conta de mim, afinal, aquela refeição saborosa havia acabado.

Uma vez que terminei de comer, deixei escapar um “Isso foi delicioso”  enquanto me deitava, com Vaine e Iris se aproximando de mim logo em seguida. Cada um de nós tínhamos nossos próprios cobertores e era uma bela noite aqui fora, então poderíamos simplesmente dormir perto da carruagem.

Deitados no chão as silhuetas de três pessoas podiam ser vistas à céu claro enquanto um mar de estrelas brilhava junto a uma lua serena.

— É tão lindo… — Iris disse em voz cheia de espírito. 
Seu rosto parecia dizer que estava completamente satisfeita com a forma como esse dia havia passado. Deitada admirando as estrelas depois de um delicioso banquete foi realmente um dia especial.

— Eu acho Iris mais bonita.

— O QUE!?
— EH!?
Nós gritamos de surpresa, após a “bomba” que Vaine lançou ao ar. No entanto, a pessoa em questão apenas se virou para o céu.
— Mas as estrelas são bonitas também.

O rosto dela ficou vermelho. Vaine não tinha segundas intenções quando disse isso, provavelmente falou o primeiro pensamento surgiu em sua cabeça. Embora seja exatamente por isso que teve tal efeito sobre Iris, que nesse momento cobria metade de seu rosto com o cobertor.

Como esperado de um homem selvagem como Vaine-kun! Garotão!

Talvez porque ele fez muito hoje, Vaine foi o primeiro a adormecer inclusive roncando um pouco, mas não era um incômodo. Os peixes que tivemos hoje foram pegos por ele, então vou ignorar isso.

— O Vaine adormeceu. — Colocando a cabeça para fora do cobertor, ela sussurrou para mim.

— Ah, isso não me incomoda. Estou um pouco triste porque o Crossy-kun não pôde vir conosco, mas essa viagem está sendo mais divertida do que eu imaginava.

— Engraçado, eu estava pensando a mesma coisa. Fufu, bem, é por causa do Kururi que pude experimentar toda essa felicidade.

— O que há com isso? Eu vou me sentir envergonhado se você me elogiar do nada.

— Bem, não queremos isso agora, não é? Acho que já é hora de ir para a cama também.

— Ah, você está fugindo!

Com uma risadinha, ela também foi dormir. Os dois estavam dormindo, então eu apenas absorvi o calmo cenário e antes que percebesse, também havia adormecido.

Talvez porque conseguimos ver o belo céu noturno na noite passada que todos acordamos renovados na manhã seguinte e embarcando mais uma vez na carruagem em direção a minha casa. Desde que já estávamos no território, deveríamos chegar até a mansão ainda hoje.

Continuamos pela estrada a bom ritmo, passando uma cidade atrás da outra e sendo recebidos pelos aldeões que vinham em massa nos saudar.

— É o Kururi-sama!

— Kururi-sama, chegou em casa!

— É o jovem mestre!

— Tudo ficará bem daqui em diante!

Mesmo que não tenhamos parado a carruagem e apenas prosseguimos, os aldeões continuaram a sair para nos receber da mesma forma em todas as cidades pelas quais passamos.

sso foi bom, pois eu estava um pouco preocupado que esquecessem de mim durante a minha ausência, entretanto, o grande problema era que todos eles estavam fazendo do meu retorno uma bênção e isso me preocupava.

Eu fiz alguma coisa para gostarem de mim tanto assim?  

A carruagem enfim chegou a Mansão Helan pouco antes do meio-dia. Ali estava minha casa, tão imponente quanto a deixei embora não era como se isso fosse mudar no curto espaço de tempo em que estive ausente.

Descendo da carruagem, finalmente voltei para casa tendo Vaine e Iris atrás de mim.

 


Tradutor: Rudeus Greyrat | Revisor: Ma-chan


Se você gostou deste capítulo, CLIQUE AQUI, solucione o Captcha e aguarde

por 5 segundos, assim estará apoiando o tradutor e a equipe de revisores!



Fontes
Cores