SRVF – Volume 1 – Capítulo 38



Quando voltei para o meu quarto, imediatamente abri o selo do envelope e dei uma olhada no papel que havia dentro.
Nele stava escrito o seguinte::

Perpetradores:
Líder: Maury Gapp.
Seguidores: Tomilu Gain, Ryan Christopher.

Detalhes do Evento:
Por volta das 16:00, os três mencionados acima haviam invadido a estufa. Depois de serem pegos por Toto Gapp, uma disputa eclodiu lá dentro. Maury foi então visto saindo do prédio segurando algo que parecia uma planta. Os campos foram vandalizados pelos três que fugiram da cena logo em seguida.

Toto Gapp tentou pará-los, mas eles foram muito rápidos e escaparam. Foi confirmado que Tomilu e Ryan não possuírem relacionamento direto com Toto.

Toto está confirmado como parte de um dos ramos da família nobre de Maury, sendo alveja unilateral devido a essa relação.

Isso é tudo no momento em que este relatório foi criado.
Vou pedir a remuneração habitual. Antes disso, porém, peço que investigue a relação entre Eliza Deauville e Kururi Helan. Claro, isso foi uma piada.
Obrigado por seu pagamento.

Ei! Que diabos é esse final!? Desgraçado! — Mesmo assim, isso era uma surpresa. Eu não sabia que ele tinha esse tipo de rede de informação. Bem, isso é uma coisa boa se você desconsiderar os fins, mas deixando de lado minhas reclamações, esse relatório é ótimo. Se tivesse que descrever meus sentimentos após lê-lo, a única palavra, seria “raiva”.

Analisando o conteúdo, ficou evidente que se tratava de um ataque a fim de prejudicar Toto, aproveitando-se de sua posição inferior dentro da família. Para piorar, esse tal de Maury nem lutou de forma justa. Alguém como o Toto que não pratica qualquer tipo de exercício, jamais poderia vencer três pessoas, mesmo assim, ele ainda os perseguia, ficando todo esfarrapado por causa disso. De alguma forma, eu conseguia sentir a dor dele e isso era frustrante.

Esse relatório era conciso e fácil de entender, mas sempre posso perguntar ao Rail caso precise de mais informações.

Agora, a quem devo mostrar… Não, isso não é suficiente para provar o que eles fizeram, mas eu não posso perdoá-los! Vou me vingar dos três com toda certeza! — Essa era a razão pela qual o Toto não havia nos contado o ocorrido. ou melhor, ele poderia. O impacto do que poderia acontecer entre suas famílias seria muito severo, então foi inteligente de sua parte desistir da perseguição.

Bem, isso também significava que eu não poderia agir diretamente quando chegasse a hora de puni-los. Meu relacionamento com Toto já era conhecimento geral, então, se fizesse algo seria imediatamente vinculado a  ele. Eu não podia ficar em silêncio sobre isso e nem tinha intenção de perdoá-los pelo que fizeram.

Eles podem decidir continuar seu assédio se eu não agir!

Depois de pensar por um tempo, não consegui ter nenhuma boa ideia. Não importava que ações tomasse, sempre terminava com eles se vingando de Toto. Como sou um pacifista, não planejar esse tipo de coisa não era o meu forte.

Que patético, consigo sequer encontrar uma forma de vingar meu próprio amigo. — Naquele dia eu fui dormir com isso na cabeça, me fazendo lembrar de coisas horríveis, o que acabou fazendo ter um pesadelo.

Quando amanheceu, fui me olhar no espelho, percebi que estava pálido como um zumbi. O sonho que tive foi horrível, me dava arrepios só de lembrar. Provavelmente seria uma história de terror perfeita para se contar no verão.

Mas até que não era uma má idéia… — Refletido no espelho, meu rosto se abriu em um sorriso. Podia ter sido um pesadelo, mas havia sido um bom plano.

— Bem, não custa nada tentar.

Com o passar do dia, fui procurar Maury Gapp nas salas de aula.
Demorou um pouco, mas eventualmente me disseram que ele era um estudante da Classe D, então corri até a sala e confirmei que ele estava. Um cara loiro e de queixo fissurado, sem dúvida esse era Maury Gapp. Que cara de aparência condenável, só de olhá-lo  me dava vontade de socar a sua cara.

Não, espere… acalme-se, Kururi. Isso e aquilo são assuntos separados, preciso estar calmo.

Quando as aulas terminaram, corria para a Classe D novamente para encontrar o Maury. No final, o achei saindo seus dois lacaios. Continuei a segui-los, sendo o mais sorrateiro possível, até que chegando a um prédio vazio da escola. Parece que era o lugar onde eles guardaram a erva facial que haviam roubado, mas agora ela estava completamente murcha. Não havia mais como usá-la.

— A cara que Toto fez ontem não foi hilária? Ele estava chorando tão desesperado para devolvermos isso, que idiota, FUAHAHAHAH! — Maury disse e todos começaram a rir.

Mas que vilão estereotipado — Eu pensei sarcasticamente.

— Seja qual for o caso, esta planta parece valer muito! Nós vamos matá-la quando ela crescer!
— Por que não fazemos isso agora? Ela já é nossa, não é?
— Sim, hahaha ~.

Bem, não mais. Eu estava cerrando os dentes em resposta ao riso do trio.

Usando magia de transformação, assumi a aparência de um dos seres mais odiosos, a Cenoura, porém com o tamanho de um homem. Completo com o rosto de um velho bruto e membros curtos e antinaturais. Esta provavelmente foi a maior humilhação da minha vida.

Por que eu faria uma coisa dessas? Bem, isso foi o que aconteceu no meu pesadelo. Eu fui atacado por uma cenoura gigante que queria se vingar pelo meu massacre herbicida. Foi horrível, não importa como eu implorei perdão, ele continuava a me bater sem piedade.

Eu estremeço só de pensar nisso. Bem, isso me deu essa ideia de como humilhar esses caras.

— U ~ i, vocês estão se divertindo?

— WAAAHHH!!! O QUE DIABOS É AQUILO!?

O trio deu um pulo de surpresa ao meu súbito aparecimento.

Não há piedade no meu vocabulário agora, eu vou mostrar a esses caras o inferno.

— U ~ i, isso é punição divina por destruir todas aquelas ervas no outro dia.
— Que estupidez, não me lembro de ter feito nada disso.

Um dos capangas jogou essas palavras em mim, ele provavelmente não acredita que esta situação de conto de fadas estava mesmo acontecendo agora.

Bem, é hora de eles aprenderem sua lição. É hora de recorrer à violência! — Eu bati meu punho no rosto do Maury, soprando-o para longe. Os capangas apenas ficaram em estado de choque, espantados com o poderoso golpe na mandíbula que acabei de dar.

— Peguem ele… — Maury resmungou enquanto tentava se levantar.

Eu não ia apenas deixá-los me atacar, então dei outro soco no nariz do capanga quando me virei.

— Ahhhh!!!

Essa pessoa caiu enquanto soltava um som de partir o coração. Capanga número dois também não foi difícil de abater.

 

Enquanto eu estava distraído, porém, Maury aproveitou a oportunidade e pulou em mim por trás. De alguma forma fiquei invertido no meio da queda e desse modo imobilizado. Ele montou em cima de minha barriga e começou a dar vários socos em meu rosto.

— Morre! Morre! Morre! Morre!

Com cada punho ele lançou mais abuso verbal. Eu podia aguentar por um tempo, mas nesse ritmo…

Isso é ruim, eu não vou conseguir manter a transformação! Eu preciso mudar a situação!

Parando um dos punhos que ele balançou, eu agarrei e torci com toda minha força.

— Owowow, isso dói!

O rosto de Maury se contorceu de dor enquanto eu o empurrava de cima de mim e escapava. Como resultado, de alguma forma sai daquela situação.

Espero que você tenha gostado de bater em mim porque agora… É a minha vez!

— Droga, apenas morra já!

Para mim que tinha começado a lutar de novo, Maury estendeu a mão e soltou a magia de chamas. “Magia em uma luta corpo-a-corpo é jogo sujo!!!” Foi o que pensei, mas acho que em seu ponto de vista, ele estava sendo atacado por um monstro, não por outra pessoa.

A magia de chamas queimou as folhas que cresciam em minha cabeça.

— Quente quente quente! Uwawawawawawawawa ~!

Me esforcei para apagar, mas não consegui alcançar por causa dos meus braços curtos. Percebendo que essa luta era inútil, eu apaguei usando um feitiço.

Minha figura humana reapareceu com um *Poof!*

— Você é… Kururi Helan! Haha, você veio se vingar de um perdedor como o Toto? Hahaha!

Opa, isso não deveria acontecer.
Também parece que eles sabem sobre o meu relacionamento com o Toto.

— O Toto não me pediu nada.
— Você acha que somos estúpidos? Nós sabemos tudo sobre a sua amizade, então depois de bater em você, vamos estrangulá-lo até o ponto antes que ele coaxe, para ter certeza de que ele nunca vai nos meter de novo.
— Ele realmente não está envolvido desta vez! Isso foi tudo ideia minha!
— Mentira! Como se pudéssemos acreditar nisso.
— Vou me desculpar por isso, então me bata o quanto quiser. Apenas deixe o Toto sozinho!
— Oh? Que amizade maravilhosa, então eu acho que nós vamos acabar com você também!

Sorrindo como eles disseram isso. De repente eu fui atingido com algo na parte de trás da minha cabeça, algo que soltou um ruído agudo. Esta era a primeira vez que me senti assim. Meus punhos estavam cerrados e tremendo com esse sentimento.

Maury deu um chute no meu estômago e eu voei. Um som surdo estalou quando caí. Talvez tenha quebrado alguma coisa, no entanto, isso não era bom, não tinha certeza de quanto eu poderia aguentar.

— Que tal um acordo então? Nós realmente não queremos te machucar, mas ao mesmo tempo, não podemos deixar este assunto como se não fosse nada, certo? Jure em seu nome como Kururi Helan. Entregue o Toto para que ele possa receber sua punição por isso, punição por morder a mão da casa principal que cuidou dele todo esse tempo e punição por ousar ser relacionado comigo em primeiro lugar!
— Vá para o inferno. — Eu respondi com um sussurro no último momento, mas eles não gostaram dessa resposta. Os três começaram a me cercar, os punhos cerrados e prontos para serem balançados.

Desculpe Toto… Meu plano era muito superficial, acabei envolvendo você, mesmo que tenha tentado ficar de fora. Eu não tenho escolha a não ser fazer isso agora, não importa quão desavergonhado seja.

— Eu sinto muito. — Murmurei essas palavras antes de ativar minha magia.

 

◇◇◇

 

Naquele dia fui chamado a sala dos professores.
Fui denunciado por uso de violência.
É desnecessário dizer que fui o único castigado por ter começado a briga.
Não havia desculpa, então, eu apenas aceitei de cabeça baixa.

 

Ficarei trancado três dias na sala de castigo por causa disso. Eles chamam essa coisa de quarto, mas está mais para uma cela de prisão. Dessa forma, ficar trancado nele por três dias para incentivar a reflexão não era o pior castigo que eles poderiam me dar.

Agora tenho três dias para relaxar. Depois de entrar na sala de punição, tenho todo o tempo para pensar se minhas ações estavam certas ou não. Eu não acho que estava errado, mas isso é inútil agora. Posso pensar em outra coisa também. 

Depois da escola, Toto acabou me fazendo uma visita.

— Eu ouvi sobre isso. Você entrou em uma briga com Maury, não foi?

Eu não respondi a pergunta de Toto. Na verdade, nem conseguia olhar para ele.

— Para começar uma briga com três pessoas assim, você é realmente corajoso, sabe disso?

— Desculpa…

— Por favor, não se culpe, estou muito grato pelo que você fez.

Levantei a cabeça para olhar para Toto, completamente surpreso com suas palavras.

— Você pensou que eu estaria com raiva? No começo fiquei surpreso sim, mas você sabe que não sou estúpido o suficiente para ficar com raiva de um amigo que estava pensando no meu bem-estar.

— …Mas agora você vai se envolver com um monte de coisas chatas, certo?

— Eu não vou morrer por causa de algo assim. Certamente, vai ser difícil em meu território por um tempo, mas isso é muito melhor do que antes. Meu humor está mais claro do que nunca, e estou muito feliz com isso. — Toto disse isso enquanto me mostrava um raro sorriso refrescante.

Conversamos um pouco antes dele sair.
Agora que ele se foi, eu não tinha mais nada para fazer, então comecei a pensar como algum tempo atrás.

Ele ficou feliz assim porque… acho que seria melhor não responder agora. Isso é bom, o que eu fiz não foi inútil afinal.
Em breve, serão sete, o que significa que está quase na hora do meu arroz agora. É um pouco lamentável que eu só recebo arroz para o jantar, mas isso é um castigo afinal.

Quando pensei nisso, a porta do quarto se abriu. — Tudo bem, é hora do meu arroz!

— Eu passei na entrevista que fizeram, então me permitiram trazer algo para você comer.
— Eliza!?

A pessoa que entrou enquanto carregava minha refeição foi Eliza.

Uma refeição? O que? Por que Eliza está aqui? Eu não estava ansioso apenas por causa da refeição, mas por causa da Eliza também.

Talvez porque já faz um tempo desde a última vez que comi, mas estava mais focado na comida que ela estava segurando do que em si mesma.

— Eliza, por que você está…

— É porquê eu pensei que você estaria entediado neste lugar. Aqui, eu te trouxe meu livro favorito para você ler, sei que você irá gostar.

— Oh, obrigado. [O Príncipe Flor], huh? … Espere, isso não é um conto de fadas?

— É, mas o conteúdo é surpreendentemente negro.

— Obrigado, mesmo assim é realmente chato aqui, sabe? Então isso vai ajudar muito.

— Bem, eu pensei que você poderia precisar. — Eliza deu um pequeno sorriso.

Minha impressão sobre ela mudou. No começo, você pensaria que ela era uma pessoa fria apenas por sua aparência, mas a conhecendo de verdade, descobriria que ela era realmente gentil. Olhando para o rosto bonito que estava sorrindo, meu coração disparou na hora.

— Kururi, eu vim visitá-lo. — Naquele momento, como se para quebrar aquela atmosfera agradável, Iris chegou com seu sorriso habitual.

— Ah. — Imediatamente ciente da presença da Eliza, a expressão de Íris endureceu.

— Desculpe, estou interrompendo alguma coisa?

— Não, nada. Estou realmente muito feliz por você ter vindo.

— Mesmo? Bem, perdoe minha intrusão então.

Ela entrou enquanto dizia isso e sentou-se ao lado de Eliza.

— Então Eliza-san veio aqui também… Eu acredito que esta é a primeira vez que conversamos face a face, eu sou Iris, mas você já sabia disso, não é? — A voz levemente fria de Iris deixou a atmosfera ainda mais desconfortável.

— Bem, tenho uma vaga ideia. — Enquanto a resposta afiada de Eliza só piorou.

Me pergunto o que é esse sentimento desagradável que está aumentando agora?

— De qualquer forma, como você não veio para a aula hoje, eu trouxe uma cópia das minhas anotações.

— Suas anotações?! Obrigado! Eu estava um pouco preocupado em faltar as aulas com os exames tão próximos. Mas eu devo ser capaz de sobreviver com isso, obrigado!

— Não se preocupe com isso, eu sabia que você iria querer.

— Você com certeza é atenciosa Iris. Certamente será uma grande noiva algum dia.

— Eu realmente não sei sobre isso… — Ela respondeu enquanto corava e brincava com seu cabelo.

Iris parecia ter ficado muito feliz com meu elogio.

— É um pouco tarde, mas por que você não come a sua refeição agora? — Eliza me perguntou.
— Eu vou fazer isso mais tarde, eu não posso comer sozinho enquanto vocês duas estão aqui. Talvez eu apenas estude um pouco por agora.
— Err, hmm, você vai usar primeiro as anotações que ela lhe deu?

Ugh, o que devo dizer nesta situação?!

— Eu sempre leio um pouco antes de ir para a cama, então não vejo por que devo parar agora. Bem, também estou ansioso para ler o livro [O Príncipe Flor] que você me deu.

— É assim mesmo?

O humor de Eliza parecia ter melhorado agora.

— Kururi… Você entrou em uma briga hoje, certo? Eu ouvi isso do Rail. Eu sei que você fez isso enquanto pensava no Toto, então posso dizer que você não estava errado! Não, depois que eu ouvi sobre isso, te achei incrível naquele momento! Fiquei realmente feliz! — De repente, Iris interrompeu a conversa e começou a falar sobre os eventos de hoje.

Bem, Iris também estava zangada com o que aconteceu com Toto. Ao contrário do que eu esperava, ela parecia contente com isso.

— Eu realmente não posso dizer que foi a melhor coisa que fiz. Acabei sendo um incômodo para o Toto. Afinal de contas, se eu não fizesse nada, ele não teria se envolvido com essa disputa familiar ainda mais.
— Claro que você fez a coisa certa! Eu acredito que você fez!

Agora Eliza está cortando a conversa. Por quê?

— Eu também achei que você foi incrível… — Ela disse com uma voz baixa que mal pude ouvir. Me pergunto por que estava tão tensa agora.
— Você definitivamente fez a coisa certa Kururi, eu acredito em você. — Eliza disse isso com os olhos fechados.
— Eu disse que acreditava em você primeiro… — Íris seguiu olhando para longe.
— Sim, obrigado.

Para esse ar doloroso que parecia fluir ao redor delas, eu era de alguma forma capaz de espremer uma resposta.

— Kururi, estamos aqui.

— Hã? Por que está quieto?

Vaine e Crossy ao acaso entraram. Ao que tudo indicava, eles também notaram a atmosfera aqui.

Bem, acho que agora que estão aqui as coisas vão melhorar, certo?


Tradutor: Rudeus Greyrat | Revisor: Ma-chan


:hearts: Se você gostou deste capítulo, CLIQUE AQUI, solucione o Captcha e aguarde :hearts:

por 5 segundos, assim estará apoiando o tradutor e a equipe de revisores!



Fontes
Cores