SRVF – Volume 1 – Capítulo 36



Pela primeira vez desde que cheguei na Acadêmia, tenho vivido de forma pacífica no campus. E com as férias de verão se aproximando, Toto veio me informar que o protótipo para nosso produto de beleza foi terminado nesta manhã. 

— Houve grandes alterações desde o último lote, mas o efeito geral não mudou. Ainda é um creme facial natural e, conforme solicitado, agora ele deixa uma leve fragrância frutal na pele, embora não seja muito forte e nem tão duradoura.

— Mesmo?

Peguei uma e tentei cheirá-la. Realmente, tinha um aroma agradável de frutas cítricas, dando uma impressão um pouco refrescante. Isso era mais do que eu esperava.

— Foi testado?

— Claro que sim, os efeitos foram confirmados. Nenhuma dúvida sobre isso.

— Não, eu quero dizer, aplicou em você mesmo?

— Não, mas meu vizinho…

— Então vamos usá-lo agora, nós dois.

— Agora!? Tudo bem…

— Está decidido então, vamos experimentar fora da estufa.
Do lado de fora, levamos o produto até um banco grande o suficiente para nós dois e sentamos em cada lado.

Depois de prontos, imediatamente aplicamos as folhas em nossas faces. Talvez porque não estivesse acostumado a isso, Toto estava fazendo uma careta enquanto espalhava o produto no rosto. Eu não podia tirar sarro dele já que também estava fazendo uma careta.

É tão humilhante usar produtos femininos! — Depois de um tempo, ele ficou quieto, parecendo ter adormecido ou algo assim. Creio que devo tentar tirar uma soneca também, afinal, vai levar um bom tempo até de remover isso do rosto.

Embora estivesse quente devido ao verão, como o banco foi colocado na sombra, não precisávamos nos preocupar muito. O vento que ocasionalmente passava dava uma sensação boa e refrescante.

Com o rosto coberto pela gosma das folhas, eu estava deitado em cima de um banco. — O que diabos estou fazendo? Provavelmente alguma coisa idiota, mas não adianta reclamar agora. Eu só tenho um arrependimento, o de ter dito para virmos aqui fora. Teria sido menos embaraçoso ter ficado dentro da estufa.

— Ei, Toto, você acha que teve algum efeito? — Perguntei ao Toto que estava deitado do meu lado.

— Eu não sei. — Ele respondeu um tanto apático.
Honestavamente meu rosto não se sente melhor, apenas coça… Espere, este é o efeito!? — Minha ansiedade cresceu.

— Ei, Kururi?

— Sim?

— Não teria sido melhor se fizéssemos isso na estufa? Quanto tempo acha que vamos precisar ficar assim?

— … — Vou fingir que estou dormindo.

Algumas horas se passaram e eu adormeci até o meio-dia. Provavelmente por causa do calor, as folhas começaram a ficar pegajosas com o suor. Agora faziam três horas desde que as colocamos, mas eu não aguentava mais,  estava muito quente, tirei a máscara e me levantei.

*Puha* finalmente podia respirar direito após retirar essas folhas do meu rosto. Inclusive,  a sensação térmica parecia mais refrescante agora.

— Você tirou, Kururi?

— Eu não aguentava mais.

Olhando por cima, notei que o Toto havia retirado o seu também.

— …Espere.

Era bom que havíamos nos livrado delas, mas precisavamos conferir os resultados.

— FUNCIONOU!

— SEU ROSTO!!! ESTÁ BRILHANDO!

O rosto de Toto estava brilhando como um mármore que acabara de ser polido. Este já era um efeito magnífico sendo que tínhamos ficado apenas três horas experimentando. 

— Seu rosto também, aqui um espelho.

Peguei o espelho que ele me entregou e verifiquei o meu reflexo e honestamente, fiquei surpreso. Meu rosto estava brilhante e quando o toquei, estava um pouco pegajoso. Senti que algo novo acabara de despertar em mim.

— Isso é incrível! Sinto como se minha pele tivesse renascido!

— Às vezes meu talento avassalador me assusta. — disse Toto com muito orgulho.

Bem, estou feliz também, foi um sucesso!

— Também tem algumas deficiências.

— Sim, é muito quente para usar ao ponto de, não aguentar mais. O calor do verão é uma droga, certo?

— Suas fraquezas são claras, agora precisamos de um efeito de refrescância.

— Um efeito refrescante? O que é isso?

— Eu quero que você tenha uma sensação de frio quando tocar na pele, para compensar o calor.

— Não há tempo suficiente, as férias de verão já estão quase aí.

— Não, tudo bem. Como é agora já existe um efeito tão grande e nem sequer está completo! Da próxima vez que houver um efeito refrescante adicionado, aumentaremos ainda mais os preços! O que você acha?

— É tentador.

Com nós dois nos olhando, uma risada assustadora começou a se erguer entre nós.

Sim, nós dois somos estranhos desse jeito.

— Vocês dois parecem estar se divertindo. — Iris apareceu de repente, interrompendo nossa risada.

Parece que ela veio visitar a estufa de Toto hoje.

— Divertido? Sim, realmente divertido.

— Isso é bom.

— Venha para pensar sobre isso, você estava tentando desenvolver vegetais certo, Iris? Como tem se saído?

Quando perguntei isso, mais uma vez Toto fez uma feição orgulhosa, parecendo que haviam obtido algum sucesso.

— Foi concluído ao mesmo tempo que o conjunto fácil e porque eu queria mostrar a vocês dois os frutos do meu trabalho, convidei a Iris para vir hoje também.
— Claro, estou bem com isso.

— Eu também

Iris respondeu com seu sorriso habitual. Mesmo em um dia quente, seu sorriso continuava refrescante.

— Quanto aos resultados, houve melhorias como esta.
Havia uma semente no dedo de Toto. Não se parecia com nenhuma que eu tivesse visto antes.

— Eu tenho as sementes de batatas, vegetais folhosos, vegetais de raiz, grãos e algumas frutas. Quando crescidos, devem ter cerca de dez vezes o tamanho normal. Eu ia plantar alguns em um terreno vazio e observá-los até a colheita. Este é um passo necessário para ver se estava realmente concluído ou não.

— Isso é incrível!

Os olhos de íris pareciam brilhar em sua descrição, como se ela quisesse ver o resultado final o mais rápido possível. 

— Então, quais sementes você vai plantar primeiro?

— Eu não sei, a etapa de observação é necessária para todos eles. Afinal, pode ser que alguns ainda sejam produtos inacabados.

— E já não estão bons o suficiente, Toto?

— Não mesmo, se cometi um erro, criando um fracasso, não sei o que aconteceria.

— É por isso que temos a Iris aqui, certo?

— Bem, sim, eu acho que vai ficar tudo bem.

Toto entregou as sementes para Iris, seus olhos já brilhantes começaram a jorrar flashs de luz.

— Você vai mandar um pouco para sua família?

— Sim.

Penso que seja bom que a pureza de Iris não tenha mudado desde que chegou a uma escola construída para a aristocracia. Seu amor familiar e espírito de auto-sacrifício são os mesmos que sempre foram.

Eu deveria aprender com ela. 

— Eles coletam a correspondência à noite, então espero que as sementes sejam um sucesso. Se os plantarmos agora, poderemos confirmar os resultados em breve

— Vocês dois não fizeram a maior parte do trabalho? Eu me sentiria mal se você tivesse que cultiva-las também, então me deixe fazer isso.

— Bem, isso é para nosso benefício também, então não é nada demais. Eu gostaria de trabalhar junto nisso, e honestamente, quero tentar cultivá-los sozinha.

— Bem, não tire apenas a minha parte, pergunte ao Toto também.

Nos voltamos para Toto. Ele notou o olhar que tínhamos e começou a se mover em desconforto. Talvez não estivesse acostumado com atenção.

— De agora em diante, a maior parte do trabalho nessas sementes será feito por vocês dois. Cuidem bem delas, já que são para meu benefício também, sabe?

— Sim!

— Então, se o nosso trabalho frutificar, isso significa que dividiremos os lucros entre nós três?

A expressão que Íris fez quando ouviu isso foi incrível. Na verdade, ela era meiga demais. — Por favor, por todos os meios, faça de novo!

— Isso é o que estou dizendo, mas eu não planejo fazer nenhum dos trabalhos braçais necessários.

Essa revelação chocante pareceu surgir em mim e Iris.

Nada havia sido arado ainda e tínhamos que fazer isso por nossa própria conta, pois, podíamos usar aquela terra que Toto conseguiu para nós com total liberdade. Olhando melhor, era um tamanho considerável. Uma quantidade dolorosa de terra para arar com apenas duas pessoas. Só de pensar nisso, eu já não tinha mais forças para responder a energética Iris quando ela afirmou “Vamos fazer isso!”

Eu sei que devemos ser adolescentes saudáveis, mas tanto trabalho sozinhos… Bem, acho que não há escolha. Eu não queria usar isso, mas seria melhor do que deprimir Iris com minhas palavras.

— Iris, eu tenho um jeito de arar os campos rapidamente, mas vai ser um pouco estranho. Você está bem com isso?

— É claro que se for sua sugestão, Kururi, não tenho objeções.

Bem, obtive o consentimento dela, mas eu ainda não fiz nada. Eu poderia, mas eu REALMENTE não queria.

Coletei magia na palma de minha mão e coloquei em algumas flores próximas. Comparado com a última vez, o meu controle sobre a magia foi mais forte e pude encaminhar o fluxo mágico para cinco flores designadas.

— Aqueles que não são visíveis a olho nu, Apareçam!

Minha magia então foi absorvida pelas flores. Um som que parecia um milhar de cordas ecoando reverberou de dentro da terra e assim como da última vez, o solo se transformou em uma pequena colina antes que alguma coisa se arrastasse para fora. Ao contrário das centenas que convoquei um tempo atrás, desta vez me certifiquei de criar apenas cinco.

— U ~ i!

— U ~ i!

— U ~ i!

— U ~ i!

— U ~ i!

Apenas olhando para eles eu queria segurar minha cabeça com vergonha. Como antes, uma cenoura com membros e rosto cavado, parecidos com um velho.

Outro fracasso. Eu não tinha talento para essa mágica. Eles espalharam seus membros curtos e começaram a correr, como se quisessem aproveitar esse mundo. Cinco era o suficiente e dessa vez não estava sendo atacado pelo desejo de chutá-los igual aquele tempo.

— Kururi, o que são estes…? — Iris tomou olhares alternados entre mim e as criaturas, ela estava agindo um pouco estranha.

Isso é ruim, eles devem ter sido mais assustadores do que eu pensava.
— Estes são organismos mágicos. Eles trabalharão fielmente para nós, para que possamos usá-los para arar o campo.

— ELES SÃO TÃO FOFOS!!! — Iris gritou quando ela pegou um deles e o abraçou.

— O QUE É ISSO!? É TÃO FOFO!! Kururi, olhe! Essas crianças não são adoráveis!?

— …

Eu me pergunto o que estou sentindo agora… Não posso descrever. Tudo o que sei é que eu realmente quero matar esses caras agora. Hmm? Você estava me perguntando se estou com ciúmes deles? Ciúmes de uma cenoura? Essa seria a maior vergonha de minha vida. Não há como perder para um vegetal!
A cenoura que estava sendo abraçada soltou um pequeno “U ~ i ~”  com uma voz odiosa.

Eu ouvi isso. Ele apenas disse “U ~ i ~” . Estou certo disso. Eles sempre dizem “U ~ i!”  quando estão se expressando. Apenas não olhe para eles Kururi, apenas mantenha-se calmo. Não deixe que suas vozes cheguem até você, não importa o quão irritante elas sejam.

Eu agarrei a flor que saía da cabeça do rabanete, aquela que Iris estava abraçando e então a joguei.

— Agora comece a trabalhar, precisamos preparar esse campo rapidamente

— U ~ i!

— U ~ i!

— U ~ i!

O que eu acabei de jogar de repente começou um protesto, mas não foi tão ameaçador por que não havia tantos deles quanto da última vez . Poderia apenas ignorá-lo.

— Ei! Kururi, você não pode fazer isso, intimidando essas pobres crianças assim…

Eh?! Ela estava com raiva de mim? Foi aquele cara que…

— Não seja tão áspero com eles, você entende?

— Sim…

O cara que acabei de jogar, bateu de leve na cabeça da Iris. Levantei ligeiramente o seu corpo/queixo para mim, quase senti que ele estava me encarando.

Que diabos? Que parte dessas ervas daninhas são bonitinhas? Assim que o campo estiver pronto, vou retorná-los imediatamente para o chão! Apenas espere sua cenoura!

Logo depois, nós dois mais as cinco cenouras, começamos a arar o campo. Cada um de nós tinha nossa própria área designada para trabalhar. Foi um trabalho árduo arando o campo com uma enxada, mas foi agradável sentir meu fluxo de suor. Fazer coisas assim não era tão ruim de vez em quando, só estudar era ruim para o corpo, você precisava se exercitar às vezes.

Dei uma olhada nas cenouras, mas elas estavam trabalhando seriamente. Eu acho que eles foram fiéis às minhas instruções desta vez. Se é assim, posso me concentrar no meu trabalho. Nesse momento, um deles caiu. Ficou desequilibrado quando subiu na enxada.

Ah, foi o cara que eu joguei a pouco.

Iris imediatamente correu para o lado e o levantou, gentilmente acariciando sua cabeça, prestando muita atenção à ela.

— Desculpe, eu acho que nós o forçamos um pouco demais, hein?

Para afirmar que não havia problema, soltou um “U ~ i!”  com o rosto corado, se agarrando a ela. Eu vou ficar bravo, sabe?

— Você é tão fofo!! — Iris abraçou a cenoura com muito amor.

Seu rosto se contorceu de maneira desagradável quando soltou um som “Uihihihi ~”, mais repugnante do que qualquer outro que eu já tivesse visto antes.

Com toda a minha força eu o peguei. Com a cabeça firmemente presa na minha mão, joguei fora o mais longe que pude de Iris.
— Kururi!? O que você está fazendo?!

— Esse cara acabou de gemer ‘Uihihihi ~’, você não ouviu isso!?
— Eu não ouvi! Então pare de fazer isso, Kururi! Não é legal!
— Mas… Ele disse ‘Uihihihi’…

Depois que fui repreendido pela Iris, voltei à minha área de trabalho. Olhando para aquela cenoura, pude ver seu rosto arrogante se torcer em um sorriso.

Eu te mato! Você é apenas um vegetal! Você só estava vivo porque eu permiti!

Eu achava que o trabalho iria prosseguir com tranquilidade depois disso, mas na sequência outra cenoura caiu da mesma maneira. E é claro que a Iris correu para lá e a abraçou, enchendo-a de amor. Quão astuto! Devo fingir cair também!?

— Uihihihi ~.

— Lá! TENHO CERTEZA QUE ELE FEZ UM! “Uihihihi!”

Corri para avisa-la, mas quem foi expulso do grupo fui eu.

Ele fez isso! Totalmente fez isso! Eu juro! — Por um tempo, esse ciclo se repetiu e eu fui expulso do grupo todas as vezes.

Maldita cenoura. Se não fosse por ela, você já estaria no solo agora! A íris será contaminada pelos vegetais a esse ritmo. Oh, como eu os odeio. O que devo fazer? O que posso fazer para salvar a Iris?

— Você precisa de algum herbicida?

De outra direção que eu não estava olhando, ouvi uma voz celestial chamar por mim. Foi Toto, ele parecia ter entendido a situação. Você é um verdadeiro amigo, cara. Eventualmente, decidi que seria melhor simplesmente ignorar as cenouras por enquanto. Eles podem ser uma dor, mas espere até terminarmos o trabalho.

Com isso dito, no final daquele mesmo dia, eu causei o maior massacre de cenouras da história.

 


Tradutor: Rudeus Greyrat | Revisor: Ma-chan


:hearts: Se você gostou deste capítulo, CLIQUE AQUI, solucione o Captcha e aguarde :hearts:

por 5 segundos, assim estará apoiando o tradutor e a equipe de revisores!



Fontes
Cores