SRVF – Volume 1 – Capítulo 35



— Hmm… — Noite passada fui capaz de dormir muito bem, por isso não tive problemas em acordar cedo hoje.

Me espreguicei um pouco para deixar o sangue circular enquanto me alongava. Sim, estava uma manhã bastante agradável.

Ao me virar para a janela, o céu sem nuvens com um perfeito dia de sol. Meu quarto pega com facilidade o pôr do sol, então era claro, que obteria os efeitos completos de um dia ensolarado.

Eu deveria agradecer por esse belo despertar. Com uma manhã tão linda, decidi aproveitar o sol um pouco antes de ir para a aula. Pensei que ainda estava sonolento porque meu corpo continuava rígido. Bem, nada que um pouco de exercício não resolva. 

Depois que terminei de me vestir, aproveitei para tomar meu chá matinal. Por alguma razão, estava ainda mais delicioso que o habitual. Hoje seria um bom dia.  

Enquanto pensava isso, ouvi um animado barulho vindo de meu estômago. Aparentemente, era hora do café da manhã, no entanto não senti vontade de comer as coisas do refeitório, queria comer algo diferente mas antes mesmo que eu pudesse entrar na cozinha, houve uma batida na porta.

O Vaine era o único a acordar tão cedo, no entanto, sempre batia, parecia mais como um trovão do outro lado, muito diferente do som calmo que acabei de ouvir. Me sentindo um pouco desconfortável, decido abrir a porta.

— Sou eu, nyaa~.

— Eu não te convidei! — Dizendo isso, fechei a porta.

— Não! Espere, nyaa!

Antes que eu pudesse fechar, algo tinha me impedido e quando olhei para baixo, notei que o pé da Neko-sensei estava bloqueando a porta. Para em pouco tempo apresentar uma contramedida como essa, acho que ela estava familiarizada com situações assim. Mas por que ela… não, com uma aparência como essa, era natural que isso tenha acontecido antes…

— Por que veio aqui tão cedo?

— Bem, eu pensei que seria a minha melhor chance de entrar, nyaa.

Tivemos uma pequena disputa de empurrar a porta, mas eu estava ficando sobrecarregado. A Neko-sensei parecia determinada a entrar. — Droga, de onde ela tira tanta força!?

— Como está indo com a magia de transformação, nyaa? Você a tem usando, nyaa?

— Eu tenho, foi muito útil quando a usei.

Espere, foi mesmo útil? Eu quase morri por causa disso… 

— Entendo, nyaa. Isso é um alívio, nyaa, na verdade eu quero falar com você sobre isso, nyaa.

Por alguma razão, a atmosfera da Neko-sensei parecia ter mudado. A aura que ela estava emitindo era quase visível como se transmitisse alegria. Percebendo isso, imediatamente me virei para escapar, com a porta bloqueada, ficava impossível sair e abandonar ela.

Eu preciso fugir!

— Eu não vou deixar você fugir, nyaa! — Ela fisgou minhas roupas com uma de suas garras.

Ela sabia o que eu estava pensando!

— A magia de transformação que te ensinei é muito especial, Kururi-chan-nyaa. Não é um feitiço que qualquer um possa aprender, nyaa. Você sabia, nyaa?

Essas palavras eram bem razoáveis, mas o que ela estaria querendo?

— Eu sei e agradeço por você me ensinar esse feitiço.

— Isso é bom, porque eu não ensino apenas de graça, nyaa. O mundo dos adultos não é tão doce, nyaa.
— …

Os olhos de Neko-sensei eram afiados e sinistros. Depois de olhar para mim por um tempo, ela levantou o dedo indicador de sua pata.

— Nyagora que Kururi-chan aprendeu o feitiço, você pode me pagar com um pequeno favor, nyaa.

— …O que você quer que eu faça?

— Eu preciso que você se transforme em mim e dê aula no meu lugar hoje, nyaa.

— Não há como eu fazer isso!

— Não se preocupe, nyaa. É só uma palestrinha hoje, nyaa. Tudo que você precisa fazer é ler um livro para todos, nyaa. Assim você estará pagando o que me deve. Isso não é bom, nyaa?

Como diabos isso seria bom, Neko-sensei!?

— Vai realmente funcionar?

— Eu acho que esta tudo bem, nyaa. Pode ser impossível agir tão amável quanto a mim, mas acho que você pode fazer isso, nyaa.

Eu sou tão não refinado?

— Eu… acho que está tudo bem. De qualquer forma, o que você precisa fazer de tão importante hoje, Neko-sensei?
— A primavera chegou, nyaa! É a melhor época em que não é muito quente nem muito frio lá fora, nyaa! É a hora de fazer o que todos os seres vivos querem fazer, nyaa!

Não tenho ideia do que está falando.

— Não, quero dizer, o que você estava fazendo hoje?

— Algo que as crianças não devem se expor também, nyaa. Você vai ficar com muito tesão, nyaa.

— …Entendi.

Eu decidi que seria melhor não perguntar. Não estou dizendo que não tenho interesse nesse tipo de coisa, ou melhor, você poderia dizer que sou muito interessado, mas vamos deixar este sentimento de lado ao menos por hora. É muito perigoso.

— Só desta vez.
— Ok, nyaa. Obrigada-nyaa, eu vou trazer de volta algumas lembranças, nyaa.
— Sim, sim ~ eu estou tremendo de antecipação.

◇◇◇



O que deveria ser um bom dia, de repente, se tornou o oposto disso. Depois da nossa conversa, tudo ficou nebuloso. Primeiro tive que faltar aula  e criar alguns álibis para não parecer suspeito.

Fui ao quarto do Vaine para dizer a ele “Eu não estou me sentindo muito bem hoje, então vou tirar o dia de folga. Você pode dizer ao professor?”

Com o toque do sino, a aula teve início e os alunos da Classe C começaram a se reunir. Eu era o único que estava na frente, onde o professor deveria estar, mas todo mundo só via a Neko-sensei por causa do feitiço. Não creio que alguém tenha notado ainda, então não havia problema. — Agora que a aula tinha começado, todos estavam olhando para mim… Isso é ruim, o que eu devo dizer no começo de uma aula?

— Ok ~ é hora de começar a lição, nyaa. — Tentei falar da mesma maneira que a Neko-sensei.

A sala de aula estava quieta demais… Todos estavam me ouvindo com muita seriedade. Preciso me acalmar, não quero acabar cancelando o feitiço por acidente.

— Peguem seus livros didáticos, nyaa. Hoje vamos estudar sobre a teoria da manipulação da natureza mágica, nyaa. Por enquanto, basta ir a essa seção e fazer alguma leitura livre, nyaa.

Depois que dei as instruções todo mundo começou a abrir seus livros didáticos. Isso era bom, não acho que alguém desconfie de mim. Como eles estarão concentrados em sua leitura, eu ficarei bem por enquanto.

Depois de um tempo, passei a pensar sobre a situação estranha em que estou agora. Bem, eu deveria pelo menos ser capaz de responder às perguntas simples que eles tinham. Comecei a andar um pouco e acidentalmente bati minha coxa contra o canto da mesa de um aluno.

Como eu não estava acostumado com o corpo enorme da Sensei, acabei colidindo com as coisas. Que evento inesperado, embora não tenha doído muito, fui capaz de me curar com magia rápido o suficiente.

— A senhora está bem, Sensei? — A garota cuja mesa eu acabara de esbarrar me perguntou parecendo preocupada.

— Estou bem, nyaa. Desculpe por incomodar, nyaa.

— Que voz incrível, quase soa como a de um homem.

— Com licença —  Em resposta fui capaz de fugir com segurança. No entanto, foi por pouco. Muito pouco… 

Agora que cometi esse erro uma vez, eu estava determinado a não fazer de novo. Eu agora estava andando com cuidado extra… Mas isso era ruim, eu não podia continuar assim.

É muito desconfortável. Foi a ponto de estar quase grato quando consegui voltar para a cadeira do professor, mas foi só cehgar lá que alguém gritou “Sensei” para mim.

— O que houve, nyaa?

— Você pode explicar essa parte para mim? Não consigo entendo isso.

Eu olhei para a parte que ele estava apontando perto da dobra.

— Isso?

De alguma forma eu fui capaz de dar uma resposta desde que eu já tinha coberto isso antes.

— Ah, então é assim? Isso é fácil de entender.

Os estudantes que acabaram de ver aquela troca de repente começaram a me chamar. Mais uma vez, todas eram perguntas fáceis. Eu fui capaz de respondê-las sem nenhuma dificuldade.

Depois de correr pela enxurrada de perguntas, sentí-me desmoronar. Você poderia pensar que para uma aula teórica eles não precisariam de muita ajuda, mas parece que era diferente para a Classe C. Foi divertido tê-los confiando plenamente em mim, mas…

— Desculpe-me — Uma voz familiar de repente me chamou.

Foi Crossy, agora que pensei nisso, ele disse que estava na Classe C, não era?

— Eu não entendo muito bem essa parte. — Eu olhei para a seção que ele estava apontando.

— Isso? Você precisa saber outra coisa antes de entender essa interpretação, volte uma página antes de ler isso.

— Sensei, o seu jeito de falar agora…
— …

Falei como de costume por acidente. Talvez por estar tão familiarizado com ele, acidentalmente reverti para o meu modo original de falar.

Isto é mau. Eu podia sentir meu suor no nervosismo. O que eu faço?! Eu criei uma desculpa por desespero.

— É… apenas charme, nyaa.

— Um charme?

— Oh!! Olha o tempo, nyaa! Todo mundo, aula acabou, nyaa!

De pé em cima da mesa, bati minhas patas uma contra a outra para chamar a atenção, mas doeu um pouco.

— Para dever de casa, nyaa. Eu quero que vocês revisem as páginas 134 até 241 ok, nyaa?

Com tudo o que tinha a dizer, corri para fora da sala de aula.

Eu preciso ir para casa rapidamente, enquanto ainda não fui exposto. Quando eu chegar lá, será minha vitória!

— Sensei! — Tentei fugir da aula o mais rápido que pude, mas parece que um dos alunos me seguiu.

O dono da voz era definitivamente Crossy, então eu com medo olhei para trás.— Tudo bem, isso não provou que eu fui exposto ainda!

 — Sensei, um pouco do pêlo da sua coxa sumiu.

Ele apontou para a minha perna, e quando eu chequei, uma pequena parte da minha coxa tinha voltado a forma humana.

— …É por causa do estresse, nyaa, estou começando a ficar careca, nyaa.

— Você estava começando a ficar careca pelo estresse, Sensei!?

— Isso mesmo, nyaa. Ser professora é muito difícil, nyaa.

— Por favor, faça o seu melhor, vai ficar tudo bem. Aqui, eu vou dar-lhe este creme especial que eu tenho, deve ajudar um pouco.

— Obrigada, nyaa. — Que pessoa amável.

No entanto, não era o estresse da Neko-sensei que estava se acumulando, era o meu.

 


Tradutor: Rudeus Greyrat | Revisor: Fefe & Ma-chan


:hearts: Se você gostou deste capítulo, CLIQUE AQUI, solucione o Captcha e aguarde :hearts:

por 5 segundos, assim estará apoiando o tradutor e a equipe de revisores!



Fontes
Cores