SRVF – Volume 1 – Capítulo 34




Após me esconder por um tempo e ter certeza de que a barra estava limpa, voltei para o meu quarto. De alguma forma consegui a despistei depois de passar por uma grande multidão já que a Eliza não queria arriscar sua imagem ao me
perseguir. — Nossa, foi por um triz.

Quanto agora, me acordava para mais um dia com a segurança de que ainda estava vivo e, considerando o fato de que a Eliza não invadiu meu quarto em fúria, deveria significar que sua raiva tinha diminuído bastante. Eu não achava que ela tinha me perdoado, com o que aconteceu ontem e o problema com a Merime, nosso relacionamento só poderia ser chamado de o pior possível.

Preciso fazer algo quanto a isso, mas provavelmente é melhor evitá-la por enquanto, afinal nesse momento, ela me queimaria vivo se pudesse. Enquanto pensava nisso, de repente, algo veio por debaixo da porta do quarto. Era um lindo envelope assinado com o belo, porém, aterrorizante nome “Eliza Deauville”. No momento em que o vi, arrepios brotaram em mim. 

Você não tem como fugir, eu sempre irei te
encontrar. — A primeira linha da carta já anunciava a minha morte…

Espera, já que ela decidiu resolver através de cartas, a situação não seria melhor do que se viesse pessoalmente? — Reunindo minha coragem, abri o envelope cautelosamente e retirei a carta.

Hmm, na verdade a escrita era bem bonita, então talvez o conteúdo não seja tão ruim! Bem, sejam demônios ou cobras a saírem, eu sou um homem com o coração de um leão! Jamais irei me abalar por isso!

Caro Kururi Helan-dono,

espero que esta carta tenha chegado em suas mãos. Você sabia? O tempo tinha ficado tão quente ontem que quase desmaiei? Tenho certeza de que você está bem, pois é impossível para alguém como o senhor ser abalado por algo assim, certo? Eu não dormi muito na noite passada, pois estava muito ocupada pensando no que você fez para mim ontem.

Fechei a carta e gentilmente a coloquei sobre a mesa. Por alguma razão a atmosfera me deixou muito nervoso e minha garganta estava seca. Depois de beber uma xícara de chá, inalei fundo e reli essa parte .

Sim, nada mudou. Me pergunto por que ela escreveu a carta dessa maneira. “Não conseguiu dormir ontem? Que divertido!” é o que você estava pensando, certo? Bem, não é divertido para mim!

—  Kururi Helan-dono, você sabe quem é meu pai? Ele é o orgulhoso primeiro-ministro deste país o qual me ama muito. Desde que eu era pequena, ele alegremente têm eliminado qualquer coisa que me desagradasse.

Fechei a carta mais uma vez. De repente o conteúdo ficou muito mais escuro e sua caligrafia parecia ter ficado mais borrada também. Brandindo minha coragem, fui de alguma forma capaz de continuar lendo.

—  Desta vez, um evento muito triste aconteceu entre nós. Acredito que seria do nosso interesse se mantivéssemos segredo, certo? Então vamos esquecer o que aconteceu, essa é a melhor escolha.

Minha honra será protegida e você conseguirá manter sua vida. Assim nós dois ganhamos, acho que você entende, certo? Não, eu sei que você entende. Então, obrigado pela sua compreensão.

Por favor, cuide de si mesmo, não queremos que nada de ruim lhe aconteça agora, não é? 

Eliza Deauville.

De alguma forma eu estava me sentindo intimidado por uma carta, ou melhor, seu conteúdo. Em suma, se eu falasse alguma coisa, morreria. Me pergunto por que ela se incomodou em fazer isso através da carta. Bem, agradeço a ela por não ter decidido me matar de imediato.

Bem, mesmo que fosse uma ameaça, ela tomou algum tempo para me escrever uma carta. É natural que um cavalheiro escreva uma de volta. — Da gaveta de minha mesa, tirei uma caneta e logo comecei a trabalhar em um novo papel.

Cara Eliza Deauville-sama. 

Espero que esteja bem, me preocupou saber que você quase desmaiou. Não precisa se preocupar comigo, a propósito, um pouco de calor extra não vai me afetar muito, meu corpo já está bastante acostumado a isso.

Na verdade, também não consegui dormir bem ontem, não é uma coincidência engraçada? Além disso, não há como eu não saber quem é seu pai. Ele é um grande homem com muita influência na política do país, todos nós vivemos em gratidão a ele todos os dias. Para que uma pessoa tão ocupada encontre tempo para dedicar-se à sua filha é uma boa surpresa.

Ah, e a propósito, entendo que a senhorita esteja muito brava com alguma coisa, mas não posso afirmar que lembro do que lhe feito de ruim. Parece que não lembro dos eventos de ontem em particular e mesmo se quisesse espalhar o conteúdo do que aconteceu, não seria possível já que não recordo.

Não precisa se preocupar com nada e apenas descanse por hora. Se isso for uma mentira, juro nunca mais ter uma boa noite de sono na vida, juro. Então, novamente, não se preocupe e tenha uma boa noite de sono. Lhe desejo o melhor repouso, pois não quero que a falta de descanso prejudique a sua beleza, então cuide-se, ok?

Kururi Helan.

Uma carta, lá vamos nós. Enquanto escrevia, eu cuidadosamente pensei sobre o que deveria ou não dizer ao apelar a ela. Saindo do quarto, fui direto para o dormitório feminino e, uma vez que estava na frente de seu quarto, coloquei a carta na caixa de correio anexada à sua porta.

“Kyaa ~! Eu fui realmente capaz de entregá-la!”, foi o que pensei enquanto corria com meu rosto completamente vermelho. Bem, me desculpem não foi exatamente assim, não há desenvolvimento como esse acontecendo agora. Em vez de uma carta de amor era mais como uma entrega que deixei e fugi no instante seguinte.

Isso deveria resolver as coisas por um tempo. Nosso conflito ainda não estava resolvido, mas deveria ao menos amenizar por hora. Neste momento, estávamos em paz, não deve ser muito irracional pensar assim por enquanto.

Voltei para o meu quarto e preparei uma xícara de chá. É um chá especial trazido exclusivamente de casa, que dá uma fragrância excepcional quando bem preparado.

Com isso, enfim poderei relaxar.  — Ou não… Assim que pensei nisso, o som de algo sendo deixado na minha caixa de correio soou, arruinando completamente meu humor. Depois de verificar o que estava dentro, acabou por ser outra carta da Eliza.

Caro Kururi Helan-dono, 

Eu confirmei o conteúdo de sua carta. Então você alega não ter lembranças do que aconteceu ontem, hein? Você realmente é o filho de um nobre caipira, por isso é esperado que sua memória corresponda à sua linhagem pobre.

Acalme-se Kururi, acalme-se… Apenas beba um pouco de chá…
…O QUE DIABOS FOI ISSO!? JOGANDO FORMALIDADES PELA JANELA, SUA CARTA DE REPENTE SE TRANSFORMOU EM UMA PILHA DE INSULTOS A MIM! —  De alguma forma, consegui reprimir minha raiva o suficiente para continuar lendo.

— Bem, mesmo que se recorde de alguma forma, isso não significa necessariamente que você vai começar a contar para todo mundo. Embora eu não seja boba de acreditar em tudo que dizem para mim, especialmente de um homem que não leva nada a sério como você. Se estiver realmente falando a verdade, porque não prova o que disse?

Atualmente estou no meio de desfrutar do meu chá da tarde,  termine de escrever uma resposta antes que minha xícara se esvazie.

Eliza Deauville.

É verdade, você iria querer provas para confirmar que eu poderia ser confiável. Hmm, o que devo fazer? O que posso fazer para mostrar que guardarei o segredo? Ou… Devo dar-lhe algo como garantia? Hã? Parece que a carta ainda continua.

P.S.

— A forma como tentou descrever minha beleza foi muito fraca. É realmente assim que se sente em relação a mim? Bem, eu não me importo como um homem sem caráter como você me vê de qualquer maneira. Foi estupidez tentar confirmar isso. Esta foi apenas a cereja no topo do bolo, por favor, desculpe-me.

Uau… Colocar minhas intenções em resposta funcionou maravilhas! Eu não estava errado sobre isso, a relação custo-benefício é muito boa! Po-poderia Eliza ser realmente uma donzela ingênua!? Bem, aqui vou eu.

Pegando minha caneta, imediatamente comecei a responder.

Cara Eliza Deauville-sama.

Li sua carta, por uma divertida coincidência, eu também estava bebendo chá quando a recebi. Meu território é realmente famoso por isso, você ficaria muito surpresa com o que um nobre ‘atrasado’ pode fazer se ele tentar.

Eliza-sama, devo dizer que suas palavras me impressionaram e responderei da mesma forma. Infelizmente, devido à minha falta de sabedoria, este foi o melhor que consegui para provar a seriedade em minhas palavras.

Vou compartilhar um de meus segredos com a senhorita. Embora eu não ache que isso lhe trará deméritos, se for insuficiente, eu gostaria de pedir desculpas antecipadamente.

Você sabia? Alguns anos atrás, eu era gordo e redondo, quase ao ponto que não conseguia me ver completamente na frente do espelho. É uma das minhas maiores vergonhas que nunca contei a ninguém antes, por isso, peço encarecidamente que mantenha em segredo. Além disso, porque eu estava no meio de desfrutar do meu chá, a senhorita poderia por favor ser um pouco mais atenciosa com o calendário de suas cartas? Eu apreciaria muito isso.

Kururi Helan.

P.S.

A senhorita é a garota mais delicada e bonita que conheço e, é claro, esses são meus sentimentos verdadeiros. Para provar a autenticidade em minhas palavras, criei uma flor com magia à sua imagem. Olhe para esta flor e acredite que estou falando sério sobre isso.

Terminada a carta, a coloco em um envelope. Então, juntei o poder mágico em minha mão e invoquei o feitiço para a criação de vegetais.

Se Eliza fosse uma flor, o centro dela seria amarelo brilhante, com pétalas finas de cor azul formando uma elipse quando se sobrepõem. O caule teria a mesma cor das pétalas e seria fino com duas pequenas folhas verdes que se estendiam a uma certa distância da flor.

Colocando-a junto com a carta, entreguei-a na caixa postal do quarto da Eliza. Bem, espero que ela me perdoe com isso, mas se pedir mais alguma coisa como garantia, terei que pensar em outra coisa. Enquanto aguardava sua resposta, preparei outro lote de chá já que o primeiro havia esfriado.

Antes que eu pudesse beber, o som da caixa postal soou. Essa foi uma resposta bem rápida.

— Querido Kururi Helan-Sama,

Muito obrigada pela flor. Existe um nome para ela? Você realmente criou isso com magia à minha imagem? É muito bonita. Uma flor única como nenhuma outra no mundo, uma flor que me representa, se houver um nome para ela, o senhor poderia me dizer?

Eliza Deauville.

P.S.

Seu segredo estará seguro comigo.

O post-script e a edição principal trocaram de lugar! Dar uma flor como presente foi perfeito! Isso deve ser interpretado como se ela me perdoasse por ontem? Não, não… eu não deveria assumir coisas tão perigosas. Quero dizer, hoje de manhã ela estava praticamente me enviando ameaças de morte, mas agora me mandava cartas como se fôssemos amigos de correspondência.

O que há com essa mudança? Escrever cartas com sentimentos tão claros embutidos em cada uma, então, comecei a minha resposta.

— Querida Eliza Deauville-sama. 

Será um prazer contar a você. O nome da flor é “Inveja”, sua forma foi criada a partir de minha impressão de sua beleza, a qual nenhuma outra flor alcançará. Aliás, na linguagem das flores significa “Um pálido momento de felicidade”.

Me faria tão feliz se a senhorita a valorizasse. 

Kururi Helan.

P.S.

Compreendo. Vamos considerar tudo o que ocorreu como águas passadas. Além disso, estou muito ansioso para vê-la durate as aulas.

Está foi uma grande reversão da tempestade que pensei que cairia sobre mim. hoje eu superei mais um julgamento!


Tradutor: Rudeus Greyrat | Revisor: Fefe & Ma-chan


♥ Se você gostou deste capítulo, CLIQUE AQUI, solucione o Captcha e aguarde ♥

por 5 segundos, assim estará apoiando o tradutor e a equipe de revisores!



Fontes
Cores