Setes – Volume 8 – Capítulo 4 – O Trabalho do Líder


Não se esqueçam que ao ler diretamente no Batata Traduções vocês têm acesso aos capítulos mais recentes.

Também não se esqueçam que comentários e interação são os combustíveis que movem a tradução adiante, deixem seus feedbacks dizendo o que estão achando da história e da Tradução. 


O Trabalho do Líder

 

Companheiros de aventura. O líder guiando um grupo geralmente tinha bastante preocupações.

Quando a escala crescia o bastante, talvez se pudesse contratar pessoas para administrar no seu lugar, mas não se podia deixar seu dinheiro para pessoas que você não pode confiar.

Em meu próprio quarto, eu olhava para a lista de consumíveis que Mônica havia pedido de nossos membros, e comecei a escrever uma lista de coisas que tínhamos que comprar.

— Hm~, podemos arrumar esses como grupo, então o problema restante é a Aria afinal. Isso definitivamente é algo que a própria precisa obter. E espera, ela é a única que vai usar isso, não é?

Com a substituição de seu equipamento inclusa, a Aria estava falida. Eu sabia que ela gostava de passear pelas barracas de comida, mas isso ainda estava dentro do meu nível de tolerância.

Mas tenho que cuidar disso antes que ela comece a acumular dívidas de outras companheiras, e acabar trazendo uma má influência para o grupo.

Não só eu, como líder, eu tinha que cuidar dos meus membros também. Significando que eu não tinha tempo livre.

— Amanhã são as compras com a Miranda, depois com a Clara, e a Aria é…

Além de interagir com todas as minhas companheiras…

Me observando, estava uma mulher agarrando suas marias-chiquinhas com ambas as mãos. Ignorei a Mônica enquanto ela fazia uma expressão entediada.

Ela estava ao meu lado me ajudando em várias coisas, mas sempre que se entediava, começaria a fazer gestos irritantes. Atualmente, ela estava sentada de costas, quietamente cantando uma canção triste para atrair minha atenção.

— … Mônica, se reunirmos tudo isso, então como ficaremos em questão de orçamento?

Quando a chamei, ela se levantou e abruptamente levantou ambas as mãos.

— Acima do orçamento. Sendo mais específica, cerca de dez ouros acima! Atualmente, não se sabe que tipos de ganhos podemos esperar no Labirinto, então se você aumentar o orçamento mais um pouco, é melhor se preparar para ficar no vermelho! Mas, com as poupanças de um certo frangote em consideração, é uma soma insignificante.

Mesmo que estivéssemos aceitando pedidos, não é como se desde que mobilizássemos forças, qualquer trabalho serviria. Era o trabalho do líder ficar no azul.

— Estou mais que preparado para enfrentar uma dívida, mas acessar esses fundos é meio…

Para a tarefa diante de nós, nenhuma quantidade de dinheiro seria o bastante, e achei que seria terrível não ter controle da situação. Vieram alguns conselhos da Joia.

Foi daquele com forte relação a assuntos monetários, o Quarto.

『Você parece estar com problemas com isso, mas Lyle… sabe, não é como se você precisasse estar em força total o tempo todo.』

Quando toquei a Joia, ele ofereceu uma explicação:

『Estou dizendo que você não precisa usar todos os seus números. Envie uma força moderada ao Labirinto, e deixe duas ou três de fora dessa. É sua folga, e você não tem que realmente desafiá-lo em primeiro lugar. Com base em como as coisas se desenvolverem, leve apenas duas ou três junto. No momento, você reuniu um pessoal capaz de um feito desses.』

Apesar de termos baixos números, a especialidade do meu grupo era a alta competência de cada um de seus membros.

『Marchar com todo mundo a bordo é exagero. Faça algumas rotações moderadas e preserve sua força de batalha para o futuro. E isso também vai reduzir o consumo de consumíveis.』

Mas não seria melhor deixar todo mundo acumular experiência igualmente? Eu tinha uma preocupação dessas, mas é verdade que não seríamos capazes de nos mover sem dinheiro.

Entretanto…

(Tem a questão da Novem e da Miranda, e rotacionar para testar uma variedade de formações pode se provar benéfico. E espera, além dessas duas, tem mais alguém que não se dá bem?)

Pensando que não seria uma ideia ruim usar essa chance para descobrir, e com essa sendo minha primeira Subjugação de Labirinto em Beim, senti que havia uma necessidade de algumas tentativas e erros extensivas.

Eu lancei um olhar para a Mônica.

— Como está indo o mini Portador para o uso pessoal da Clara? Acha que vai terminar logo?

Mônica apontou suas palmas para cima, e deu de ombros.

— Eu não pude arrumar uma oficina, então ele será uma coisa simples. Só uma caixa com pernas e rodas. Um carrinho de mão, ou talvez um riquixá. Eu tenho uma unidade completada.

Nós recebemos alguns detalhes sobre o Labirinto, e parece que não era espaçoso o bastante para caber o Portador. Mesmo se o forçássemos, ele não seria capaz de descer escadas.

E não faria curvas no caminho, ou assim a Mônica calculou.

(Já que estaremos lutando em um espaço apertado, números menores serão a opção mais segura.)

Originalmente, eu planejava dividir o grupo ao meio, e fazer com que nos movêssemos separadamente, mas era perigoso deixar a Shannon sozinha na base.

— … Mônica, diga a todas que desafiaremos o Labirinto em rotações. Eu traçarei os planos…

Quando falei isso, o Quinto deu alguns conselhos da Joia:

『… Reúna as opiniões de todas. E não finalize sozinho. Você pode reutilizar algumas ferramentas em cada rodada, então reúna todos os itens necessários, e diga a todas hoje. Tenha uma reunião. Do contrário será um saco depois.』

Eu tinha a 【Caixa】 do Sétimo, então era possível preservar os perecíveis. A razão do meu grupo poder viajar com tão pouca bagagem era devido a tão conveniente Skill do Sétimo.

Quando sacudi minha cabeça, a Mônica esperou minhas palavras seguintes.

— … Deixa aquilo pra lá. Vamos comprar todos os itens necessários hoje. Mas discutiremos o assunto das rotações com todas. Pode falar para todas se reunirem ao anoitecer?

Mônica assentiu:

— Uma escolha bastante sábia para um frango. Bem, algumas delas saíram, então talvez informar todo mundo se prove impossível.

Quando pensei em quem poderia estar fora, o rosto da Miranda foi o primeiro a vir à mente. As seguintes eram: Novem, Eva e May.

May estava fazendo turismo na cidade, e Novem a estava acompanhando fazendo um papel similar de guardiã legal.

(A Clara vai estar enfurnada lendo já que comprou um livro, a Aria não se levanta de manhã, a localização da Shannon… bem, essa daí realmente depende da Miranda.)

— Apenas diga a elas quando retornarem. Tenho certeza que estarão de volta de noite, então… na verdade, você pode sair e falar pra elas? Nós podemos fazer compras quando você voltar.

Quando falei isso, seu rosto se avermelhou.

— N-não é como se eu quisesse sair com você ou nada assim, okay!? Eu transmitirei a mensagem tão rapidamente quanto posso, mas não entenda errado! Não é porque eu quero fazer compras com você tão cedo quanto possível, okay!?

Ela disse algo por essas linhas.

(Por que é que ela tem que agir assim toda vez?)

— Então eu posso ir sozinho e…

Quando eu estava prestes a dizer isso, o rosto da Mônica ficou sério.

— Aquilo foi uma mentira! Eu estou ridiculamente feliz. Se você não me levar junto, vou te importunar até a morte por causa disso depois. Isso certamente será irritante, então recomendo enormemente que me leve junto pelo seu próprio bem. Apenas me leva, merda, eu te imploro. Eu estive aguardando por isso pela merda de um tempo enorme.

— Não… você já está sendo bastante irritante desse jeito…

E o Sexto ofereceu algum conselho:

『Lyle, não se esqueça de dar seus cumprimentos aos outros membros importantes dessa missão de subjugação.』

(Ah, tem isso também.)

Alguns dias depois.

Cuidei das preparações das minhas companheiras, e quando tive o tempo para aproveitar meu dia de folga, caminhei para um lugar que normalmente não ia com algumas garrafas de vinho em mão.

Eu fiz o homem de olhos estreitos me apresentar àquela liderando essa Subjugação de Labirinto, 【Alette Baillet】.

É claro, ele não era um conhecido direto, mas perguntei se ele podia usar algumas conexões para fazer nosso encontro possível.

Se a mulher em questão não quisesse me conhecer, então é natural que não seria capaz de oferecer meus cumprimentos. Mas comigo tendo sido reconhecido pela guilda em tão pouco tempo, parece que ela estava levemente interessada.

Ela aprovou um encontro, e então tive que trazer meus pés até a porta dela.

(Ela deveria ter simplesmente recusado.)

A razão pela qual eu pensava isso, era porque ela havia acabado de retornar do completar de um pedido. Como líder do grupo, ela havia ido pessoalmente para completar, e após ter acabado de retornar, ela teria que trocar gracejos comigo.

Eu realmente não estou certo sobre convidar visitas se ela quisesse relaxar por um tempo.

Ao mesmo tempo, meu cronograma também mal era capaz de encaixar isso.

Eu contei às minhas membras sobre a rotação no Labirinto, e recebi a aprovação delas, mas nesse caso, o que faríamos quanto a recompensa? A formação? Pausas? Vários problemas começaram a surgir, e ajustar com base nas entradas de todas foi uma provação.

(Estou feliz por ter escutado o que o Quinto tinha a dizer.)

Enquanto pensava isso, cheguei no edifício que estava procurando.

A área estava enfileirada com mansões e outros edifícios que se pareciam com pousadas. E era nessa área que um enorme número de aventureiros vivia.

Ao invés de ficar em uma pousada, ou alugar um apartamento, aqueles vivendo em lugares assim devem estar no lado de sucesso do espectro.

Uma pequena fração vivia vidas ridiculamente extravagantes, mas também não era muito raro um grupo largo alugar um edifício.

— Esse é o lugar.

Me aproximei da porta, e fui capaz de bater nela, quando a barra deslizante cobrindo o amplo olho mágico de repente deslizou em aberto.

De lá, os dois olhos inspecionando eram como os olhos de uma fera que havia encontrado sua presa. Esses olhos violetas pareciam um pouco assustadores.

— Whah!

Eles provavelmente sentiram minha aproximação, e buscaram lidar comigo preventivamente. Mas eu realmente não gostava desse tipo de tratamento.

(Eu deveria ter preparado meu coração um pouco mais.)

Foi o que pensei, mas a porta se abriu antes que minha boca pudesse.

— H-huh?

Apesar dos eventos terem me deixado em choque, a pessoa que saiu foi uma mulher loira com cabelos cortados em bob faltando pouco para chegarem em seus ombros. Sua idade parecia ser cerca do ponto que poderia incluí-la em seus vinte, ou maior, ou não.

E caminhando para fora, ela abriu seus braços…

— Bem-vindo, bonitão! E pule em meus braços se quiser! E enquanto está nisso, pode assinar esses formulários? Eu e meus bens: uma oferta de tempo limitado! Oh, mesmo se me chamar de nobre, sou apenas uma quarta filha. Entretanto você nunca terá que se preocupar em fazer as contas baterem, lhe asseguro! Além do mais, eu nem fui usada ain…

Eu não vou te deixar escapar! Ela disse, enquanto me lançava uma piscada. Apesar de ela ter algum charme, era uma pessoa que passava uma impressão meio decepcionante, e estava desesperadamente apertando os papéis em sua mão com a palavra “casamento” escrita por cima.

Do interior, seus companheiros a seguravam.

— Capitã Alette! Eu te imploro, por favor não saia! Nós cuidaremos disso, então não se mostre mais em público! Até eu estou começando a me sentir embaraçado aqui!

— Parem com isso. Não fiquem no caminho do meu casamento feliz! Mesmo nessa idade, eu ainda anseio pelo meu príncipe em um cavalo branco. Eu sou uma donzela pura por dentro! Por falar nisso, por fora, eu também sou uma pura don…

— Sim, já chega disso! Mesmo se você for pura por dentro, seu exterior muito mal ainda é de idade pra casar! Apenas entra logo… e espera, quem infernos que foi!? Quem deixou a capitã sair do quarto!?

A mulher sendo puxada de volta por um número de homens soltava um sorriso refrescante.

— Não tem ninguém neste mundo que possa me prender. — Mas se for usar a bola e grilhões de um anel de casamento, eu receberei de muito bom grado.

Os companheiros dela falaram comigo:

— … Normalmente, ela é uma capitã esplêndida. Eu lhe asseguro.

Eu soltei as três garrafas de vinho que havia trazido como presente no chão e cobri meu rosto com as duas mãos.

— Uma mulher que eu nem conheço está partindo meu coração.

De dentro da Joia, o Terceiro soltou uma voz desinteressada.

『Hmm, nosso sr. lyle precisa ultrapassar essa daí algum dia. Observe os profissionais; nosso sr. lyle deve sempre estar mirando o topo.』

O Sétimo:

『Mesmo a Criança Maravilha da Casa Walt teria dificuldades em superar essa daí através de métodos comuns.』

Esses caras estão gostando disso… isso é horrível.

Meus instintos entendiam.

Que essa pessoa era mais outra vítima da síndrome pós-Crescimento.

Os companheiros dela a cercavam freneticamente, e a arrastaram para dentro do edifício. Ouvi que eles eram Cavaleiros de alguma terra, mas havia um senso de uniformidade entre suas vestes.

O Cavaleiro que apareceu no lugar da capitã era um de aparência cansada, enxugando o suor de suas sobrancelhas e arrumando seu cabelo enquanto corrigia suas roupas.

— P-prazer em conhecê-lo. Tu deves ser o Lyle-dono, correto?

Decidi fingir que nada daquilo havia acontecido, e lidar com ele normalmente.

— Sim. A iminente Subjugação de Labirinto será minha primeira, então achei melhor oferecer meus cumprimentos. Ah, esses são presentes.

— … Obrigado.

Eu não podia realmente determinar se essa gratidão sincera era dirigida ao vinho, ou para mim por ter deixado a cena anterior deslizar.

Mas eu podia definitivamente entender que vim em uma hora ruim.

— Hm, hoje, eu realmente vim só para oferecer um cumprimento, então se me permite, estarei me retirando.

— Ah, é claro. Uh, se possível, você poderia…

Eu pude entender o que ele queria dizer. Então assenti silenciosamente.

— Eu não vi nada. Eu não escutei nada.

O homem para mim:

— Obrigado. De verdade, obrigado.

E disse isso.

O Quarto, em uma voz moderada:

『Então você realmente só terminou isso em um cumprimento para conhecer os rostos um do outro. Mesmo tendo preparado os mais finos vinhos.』

O Sexto:

『Bem, você conseguiu ver um lado vergonhoso dela, e completou seu objetivo de se conhecer. Não foi tudo negativo. Não, mais ainda, você pode ter ganho algo.』

O Terceiro também:

『Foi a melhor das horas. Ei, na próxima vez que se encontrarem, tenta perguntar se ela sempre sai por aí carregando aquele documento que estava segurando antes!』

O Quinto:

『Parece que a idade para casar se estendeu além dos meus tempos. E espera, uma filha nobre, e naquela idade ainda por cima, me faz até começar a suspeitar de mercadoria defeituosa.』

O Sétimo também:

『A sorte não estava com ela, isso é uma coisa. Mas ela é uma portadora de competência a ponto de colocá-la como futura vice-líder? Então é assim… não está tudo bem, então?』

O Sexto concordou.

『Esplêndido. Verdadeiramente maravilhoso. Agora, o problema é como fazer uso disso, mas…』

Eles soavam estar planejando algo sinistro. Meus ancestrais.

(Esses caras são assustadores.)

Após ter completado com sucesso(?) meus cumprimentos, deixei o edifício habitado pelo grupo da Alette Baillet, e olhei em volta da área enquanto caminhava.

Não era raro aventureiros de sucesso terem uma base em Beim. Havia aventureiros que possuíam complexos semelhantes a mansões, também havia grupos que preferiam a funcionalidade de uma pousada.

(Isso aumenta nossos gastos, então terei alguma paz de mente se pudermos ter uma base em algum lugar. Mesmo se eu quiser que a Mônica faça algo, seria bom ter um depósito onde pudéssemos fazer algo a respeito do som.)

Nossas membras atuais eram companheiras que haviam decidido me seguir. Alugar um apartamento e morar lá seria bom, mas não estou realmente certo do que pensar disso.

(Talvez fosse bom fazê-lo tão chamativo quanto possível. E espera, isso custaria dinheiro por definição… Missões de Labirinto têm bons prospectos de lucro, e serei capaz de descobrir como exatamente elas funcionam dessa vez.)

Como um líder, havia muito que eu tinha que pensar a respeito.

Em momentos assim, acho que seria mais fácil se eu pudesse mover apenas um único membro do grupo. E ao mesmo tempo…

(Aquela Novem… ela tem falado cada vez menos ultimamente. Ela está dependendo de mim? Ou talvez…)

Ela está acostumada a mover várias coisas por mim, mas após aquele caso com a Celes, sinto que uma distância foi criada.

Eu podia pensar nisso como estar sendo reconhecido, e minhas decisões confiadas, mas me sinto um pouco solitário.

(… É melhor eu ir falar com a Novem sobre isso. Ela faz um bocado de coisas pelo meu bem.)

A razão de eu não a pressionar demais pode ser por eu não querer ser odiado por ela.

E não é como se eu fosse o único estendendo as coisas. Os ancestrais… especialmente o Terceiro e Quarto eram particularmente a favor.

Os outros ancestrais mais ou menos tinham suas dúvidas sobre a Novem e a Casa Forxuz, mas não me disseram para pressioná-la por respostas.

Isso deve ser o quão profundamente eles estavam interligados com a Casa Walt. Mesmo aqueles que os tratavam como vassalos provavelmente nunca pensariam que eles virariam a casaca.

(Parando para pensar, a Casa Forxuz certamente é estranha. O primeiro disse que eles costumavam ser vizinhos ou algo assim.)

O Segundo e o Terceiro, e até o Quarto haviam dependido deles. O bastante para ser dito que nunca era ao trono, mas à Casa Walt que os Forxuzes tinham jurado lealdade.

(Eu realmente preciso ter uma conversa adequada com ela…)

No caminho de volta para casa, comecei a me sentir mal. Isso é algo que eu não deveria estar perguntando? Eu sentia um desconforto em meu peito.

 


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão Básica: BravoED   |  Revisão Final: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.



Fontes
Cores