Setes – Volume 6 – Capítulo 5 – A Memória do Quarto


A Memória do Quarto

 

Eu assisti as memórias fluindo no quarto para onde o Terceiro havia me arrastado.

Ele geralmente dava uma impressão bem indiferente, mas fui capaz de entender porque ele acabou no campo de batalha.

Com menos cinquenta soldados seguindo sua liderança, o Terceiro lançou seu ataque usando suas Skills.

E em volta de si, alguns milhares de soldados se juntaram à marcha… não, ao invés disso, Cavaleiros com trajes conspícuos começaram a aparecer.

E em meio a eles, as tropas do Terceiro desapareceram.

— Isso é…

Eu observava a cena e o Quarto olhava para o chão em volta deles.

『Então você era capaz de produzir até mesmo sombras para eles.』

O Terceiro estufou seu peito orgulhoso.

『Isso mesmo. Essa é minha Skill… seu estágio final: 【Sonho】. Uma Skill para mostrar uma ilusão de realidade. Apesar de sua habilidade de causar dano de verdade é… inexistente, talvez?』

Olhando para a face do Terceiro quando disse isso, engoli minha saliva.

— … Em um livro que li antes, uma pessoa vendada foi guiada a tocar uma barra de ferro, e estava convencida de ter recebido queimaduras de verdade, mas…

Nisso, o Terceiro assentiu:

『Bem, esse é um exemplo bem extremo. Na verdade, não há garantia de que alguma vez sucederá. E…』

Os soldados de Remlrandt que eles enfrentavam começaram a notar o artifício.

『Oy, esses caras são só ilusões!』
『Tem alguém aqui usando uma Skill!』
『Os feridos! O usuário da Skill deve estar perto deles!』

Percebendo que estavam enfrentando meros fantasmas, os Cavaleiros começaram a recuperar suas composturas.

E no meio de tudo isso, o Terceiro encontrou o comandante deles e desembainhou sua espada.

Saltando de seu cavalo, o homem desceu sua espada.

O Terceiro ao meu lado começou a explicar a cena.

『A Skill do primeiro, e a do Segundo… Eu as herdei em sua totalidade. Oralmente. Eles tiveram medo de deixar registros escritos. Mas isso acabou saindo pela culatra. O inimigo era forte demais. Até mesmo eu sabia que seria impossível com um único golpe.』

O comandante que caiu de seu cavalo devido ao ataque do Terceiro berrou:

『Que covardice! Seus cães fingidos de Bahnseim.』

『Não vou negar isso, mas não podemos perder aqui!』

Enquanto cortava os guardas de elite lhe enxameando, o Terceiro lutou com o comandante supremo do exército.

Ele podia criar ilusões de si em seu entorno e fazer desporto de seu oponente.

Olhei em volta e notei a fonte de minha própria inquietude.

— Os soldados de Remlrandt estão…

O Terceiro falou:

『Lutando uns contra os outros, certo? Isso também é uma Skill minha: 【Controle】』

O Quarto levou sua mão ao rosto.

『Você realmente é alguém sórdido.』

O Terceiro sussurrou um “Não havia mais nada a se fazer”.

『A menos que eu usasse isso, teríamos perdido. Não queria ter que usar… o campo de batalha não era longe do nosso território. Se o inimigo continuasse com seu ímpeto, ele teria sido tomado.』

Então mesmo algo assim foi encoberto por Bahnseim na época.

(O fato de todos eles terem lutado por justiça era uma mentira pelo que parece.)

E, enquanto eu passava por alguns sentimentos inevitáveis, a situação em volta começou a mudar.

Aliados caiam mortos um após o outro.

Seus números eram diferentes demais desde o começo. E tendo perdido a folga para o fazer, o Terceiro parou de produzir suas ilusões.

E o machado de batalha do comandante mandou o braço direito do Terceiro voando pelo ar.

Mas…

— Não, aquele era uma ilusão?

Com uma face séria, o Terceiro:

『E esse é outro jeito de utilizá-la.』

A espada do Terceiro agora estava profundamente cravada no peito do comandante.

A animosidade daqueles em volta começou a se reunir nele.

Talvez estando sem mana, o Terceiro estava cambaleando.

Tudo que lhe restava era ser morto ou tomado.

Caos começava a irromper no exército Remlrandt que havia perdido seu líder.

Nesse momento.

『Jovem mestre!』

Alguns soldados ensanguentados correram até ele cavalgando. Eles o levantaram à força para o cavalo.

『Por favor, parta!』

『… Está bem.』

Com uma expressão vazia, o Terceiro usava os resquícios de seu poder para ocultar as ações deles. A chuva de magias caiu sobre os homens ilusórios e flechas os perfuravam.

E os soldados que deixaram o Terceiro escapar estava…

— Por que… depois de terem sido tão severos durante a época do Segundo…

Eles haviam morrido sorrindo.

O Terceiro falou:

『Lyle, aqueles homens não morreram por mim. Pela terra que eu governava, por suas terras natais, por isso eles largaram suas vidas. Tenho certeza que tinham suas razões pessoais também, mas a razão pela qual fui salvo é porque seria o melhor para o território.』

Eu pensava nisso como uma opinião bastante fria. Foi só então que a força principal de Bahnseim começou a cercar o exército de Remlrandt.

Testemunhando a cena, o Terceiro cerrou seus punhos. Ele colocou toda sua força nesse aperto.

Parece que ele ainda não se satisfazia com o resultado.

(É por isso que ele os odeia tanto…)

Da frente, a força que recuava conseguiu se reagrupar, e atacou com a cavalaria em seu centro.

Magia desceu sobre as forças de Remlrandt e a formação deles estava bagunçada demais para que fizessem qualquer movimento adequado.

E dessa forma, eles foram cercados e assaltados com golpes esmagadores.

A cena mais uma vez mudou, e era do acampamento da Casa Walt.

Parece que bastante tempo havia passado desde a batalha.

Deitado, o Terceiro estava desgastado por flechas e ataques mágicos.

Nobres e o rei entraram em sua tenda, lhe agradecendo enquanto ele não podia sequer oferecer uma resposta adequada.

Vendo sua própria forma enferma, o Terceiro…

『Por que eles não podem simplesmente me deixar descansar de uma vez. Puxa vida…』

Ele parecia bastante irritado.

O Quarto olhava para a entrada da tenda.

E, enquanto os momentos finais do Terceiro se aproximavam…

『Pai!』

Um Quarto em a sua segunda dezena de anos entrou.

『… Max… me desculpe. Realmente… me desculpe… aqui…』

Aceitando a Joia azul que o Terceiro estendia, o Quarto respirando de forma agitada, cerrou seus punhos, e chorou. E tudo parou de se mover.

Tudo em volta estava tingido em um cinza gris e o Terceiro começou a falar:

『Eu não morri por aquele cara. Para proteger meu próprio território, eu fiz outros sacrifícios para o melhor plano que pude pensar para vencer a guerra. Foi por saber que seria impossível para os outros. O único capaz de enganá-los era eu.』

Diante do tom brincalhão do Terceiro, o Quarto pareceu querer dizer algo.

O Terceiro falou:

『E agora, é aí que minha história acaba. Você entende agora que isso nunca foi nada tão simples, certo? E o que eu queria proteger… nah, vou deixar por isso. Tenho certeza que você entende bem o bastante.』

E com essas palavras, eu voltei ao quarto com a mesa circular.

Apenas eu e o Quarto estávamos lá.

O Terceiro se enfiara em seu quarto, pelo que parece.

O Quarto removeu seus óculos e começou a limpá-los.

『… Lyle, já que estamos aqui, você verá minhas memórias também.』

Eu não podia recusar.

— Claro.

A cena que vi ao entrar no quarto do Quarto possuía o jovem Quarta Geração recebendo o relatório do Terceiro estando em perigo.

Um Cavaleiro coberto de lama e vacilante falou do ataque do Terceiro.

Aquele chorando enquanto contava a história era o jovem Cavaleiro que o Terceiro havia socado.

『Sleigh-sama assaltou a facção inimiga… a diferença em números era insolúvel… Me desculpo profundamente! Eu realmente me desculpo!

Uma mulher em seus trinta dispensou o Cavaleiro soluçante.

Ela provavelmente era a esposa do Terceiro.

『Vá descansar um pouco. Aquele homem realmente… Max, se resolva. Com base em como a guerra prosseguir, os inimigos podem estar vindo em nossa direção.』

『M-mãe?』

Incapaz de compreender a situação, o Quarto falou estupefato:

『Isso é mentira, não é? Quero dizer, o pai sempre voltou bem pra casa. Ele reclama um pouco, e diz que já trabalhou o bastante pelo resto de sua vida, então outra pessoa deveria fazer isso… sempre…』

O próximo mensageiro chegou.

Um Cavaleiro correu mansão adentro e removeu seu elmo.

『O exército de Bahnseim saiu vitorioso! Sleigh-sama atrasou o inimigo e ganhou tempo o bastante para seus aliados reformarem sua formação!』

A esposa do Terceiro:

『E quanto ao próprio?』

Nisso, o Cavaleiro…

『Ele retornou, mas seus ferimentos são graves… eu fui ordenado apenas a relatar a situação.』

E para com o Quarto, a esposa…

『Max, pegue seus criados e vá até aquele homem imediatamente.』

Assim como lhe foi dito, o Quarto e aqueles em volta começaram os preparativos para partir.

A cena mudou e o Quarto galopava com vários Cavaleiros.

Enquanto eu observava a face impaciente do Quarto, ele falou:

『Foi nesse momento. A hora que minha Skill se manifestou. Eu só queria chegar lá tão rápido quanto possível. Eu só queria ver meu pai. Com esses pensamentos em minha cabeça, a Skill apareceu.』

Chegando à frente do planejado, ele correu até o Terceiro.

Quando isso terminou, o Quarto mudou a cena de novo.

Era uma estrada que prosseguia sem fim.

『O campo de batalha estava bem perto. Era realmente um incômodo. E agora posso apenas me sentir estúpido por me sentir tão grato à causa principal disso tudo.』

— U-um…

O Quarto corrigiu a posição de seus óculos com seu indicador. Eles refletiram a luz.

『Que tal eu te ensinar minha próxima Skill. Tenho certeza que você pode dominá-la rapidinho, Lyle.』

— S-sim!

Eu acabei aprendendo uma Skill do Quarto.

Mas não era nada tão difícil assim.

『Bem, fundamentalmente, o que vem após elevar sua própria velocidade, é reduzir a dos seus oponentes, certo?』

Enquanto o Quarto dizia isso, ele me mostrou via exemplo.

Meus pés de repente começaram parecer pesados.

Como se eu estivesse me movendo em água… não, a resistência era maior que isso.

『Skill 【Cima&Baixo】. Controla toda sua velocidade à vontade. Reduz a do seu inimigo e eleva a sua. E simples, mas a diferença criada não é pequena.』

Não tinha a vivacidade que o Terceiro exibiu, mas ainda assim, era uma Skill incrível.

Se usada em um campo de batalha em larga escala em conjunto com a do Segundo, era uma Skill que instantaneamente daria uma vantagem.

— É incrível.

『… Apesar de não tanto quanto a do Terceiro.』

E então perguntei algo que havia estado em minha cabeça.

— Hm, o Terceiro disse algo sobre Skills sendo transmitidas oralmente, ou algo assim…

『É, eu ouvi que tipos de Skills elas eram, mas o Terceiro morreu antes que pudesse dizer o resto… os usos efetivos das Skills do Primeiro, Segundo e Terceiro nunca foram transmitidos através da Casa Walt. Mas elas ainda assim eram bastante úteis. Não tive muitos problemas depois disso.』

Pensando sobre isso, percebi minha sorte em estar sendo ensinado as Skills desta forma.

Skills que deveriam ter se perdido foram revividas e ao mesmo tempo, aprendi sobre as memórias por trás delas.

Tudo começou naquele momento.

Tenho certeza que as coisas começaram a se mover quando ouvi as vozes na casa do Zell.

Após o Quarto terminar sua explicação dos usos de sua Skill, se dirigiu a mim:

『Lyle, pessoalmente, eu quero que você recupere o território. Porque sou bastante apegado a ele.』

— … Isso …

Achei difícil responder, então ele prosseguiu:

『Isso é tudo que tenho a dizer por enquanto. Parece que o Terceiro quer que você seja livre. O Quinto é da mesma opinião. Mas eu e o Sexto queremos que você tome a herança da terra que amamos.』

Eu fui posto para fora.

Enquanto pensava isso, ele falou:

『Mas depois de ver a memória do Terceiro, eu pensei um pouco. Você pode fazer o que quiser, mas tenha certeza de proteger o que lhe é importante.』

— … Sim.

Ele sorriu.

『Bom. Bem, você tem a Novem-chan e todas as outras, então tenho certeza que será um inferno.』

— Isso não foi por querer! … Hah, não, deixa pra lá.

Fiquei carrancudo e o Quarto riu.

E por alguma razão estranha, comecei a rir também.

Manhã.

Abrindo meus olhos, senti uma leve fadiga.

Tendo visto as memórias do Terceiro e Quarto noite passada, fui forçado a pensar sobre coisas mesmo se não quisesse.

Não foi uma batalha de um conto heroico.

O Terceiro, para proteger o que tinha que proteger, o Quarto manifestando uma Skill para chegar a tempo dos últimos momentos de seu pai.

Levantei a metade superior de meu corpo, me espreguicei, e olhei para fora.

A luz do sol era ofuscante, e, após sair da cama, abri a janela.

Centralle era barulhenta. Várias vozes e sons de vida ressoavam.

— Agora, o que eu deveria fazer hoje?

Comecei com os preparativos para me aventurar a Beim, mas não havia nada particularmente problemático sobre isso.

Também havia coleta de inteligência, mas não era nada perigoso demais.

O que mais atraía minha atenção era a própria capital

De acordo com a Miranda e Shannon, ela tinha um senso de desconforto que não possuía antes.

Não era nada que eu pudesse entender, mas as duas que moraram aqui antes podiam sentir que algo estava errado.

(Mas Aria não disse nada em particular… parando para pensar, tenho a sensação de que ela disse que iria sair para fazer compras ou algo assim hoje.)

Relembrando dos planos dela de fazer compras, me vesti e pensei em ajudá-la.

Novem estava arranjando nossa bagagem, e Clara hoje estava circulando em volta das livrarias.

A fim de realizar modificações no Portador, Mônica estava ficando no depósito que havíamos alugado.

— Terei que parar por lá também.

Enquanto me preocupava se ela ficaria fora de controle, sorri.

(Coisas que quero proteger, não é…)

… Uma estrada não muito longe da Capital Imperial.

Lá se via a forma de um grupo desgastado de soldados recebendo rações de emergência dos soldados da Casa Walt.

Pelo bem do grupo que seguia atrás, eles ofereciam seus alimentos.

A razão de eles estarem tão esfarrapados foi por um ataque de monstros ter clamado uma larga quantidade de vidas.

Muitos estavam feridos, e alguns deles haviam perdido a maior parte de seus suprimentos.

Entre os mercadores, alguns faziam expressões pálidas.

Em meio aquele grupo, Celes caminhava em um manto branco esvoaçante.

Com roupas de aparência calorosa e um sorriso tão caloroso quanto, ela balançava suas mãos para aqueles em volta.

— Obrigado por nos salvar.
— É como se ela fosse uma deusa.
— Ofereço minha mais profunda gratidão.

Após ela passar pelo trabalho de aparecer, aqueles em volta continuaram expressando palavras de gratidão.

Celes estava de muito bom humor.

Atrás dela caminhava um Cavaleiro ainda mais bem-humorado.

Era Alfred.

Em seus quadris balançava a adaga que ela havia oferecido como recompensa.

Celes pensou.

(Sem sequer saberem a razão de terem sido atacados, eles me agradecem… realmente é um espetáculo interessante. Realmente nos sentimos bem após fazer uma coisa boa.)

Recebendo gratidão, sendo venerada… Celes estava verdadeiramente de bom humor.

Ela havia pedido aos seus pais para soltarem monstros no grupo que lhes seguia.

E os Cavaleiros e soldados da Casa Walt surgiram para enfrentá-los, recebendo a gratidão de todos.

Celes conteve sua vontade de rir e esfregou o cabo do florete em sua cintura.

Não, o que ela esfregava era a parte da gema amarela nela.

Para uma moça tão bem-humorada, Alfred falou:

— Celes-sama, está na hora.

— Já?

Celes inclinou sua cabeça levemente em dúvida e um som similar a saliva sendo engolida ressoou na área.

Enquanto olhos cheio de malícia caiam sobre Alfred, Celes sorriu:

— Que feio, Alfred. Daqui em diante, o povo de Bahnseim também se tornarão meu povo.

Retornando sua expressão para uma séria, Alfred falou:

— Como esperado da eternamente misericordiosa, Celes. Eles estão esperando por você.

Celes parecia um pouco irritada.

— Puxa vida. Papai e mamãe têm seus problemas, eu entendo.

Alfred falou:

— É por ser um momento importante. — E a deslumbrante visão da Celes-sama na corte imperial… estamos aguardando ansiosamente.

Esfregando sua gema amarela, ela sorriu…

— Certo. Digo… é o dia que Bahnseim será minha afinal de contas.

 


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: BravoED   |  Revisão Final: Vai ser o Delongas assim que ele chegar no capítulo.


Caso queiram ler o próximo capítulo de modo adiantado. Podem acessá-lo no blog do tradutor por este link.



Fontes
Cores