Setes – Volume 4 – Capítulo 14 – Autômato


CAPÍTULO ANTERIOR

Autômato

 

“Lyle, o Fardo… Eu estarei levando seu Portador.”

O aventureiro asseado disse isso, antes de passar ordens para seus companheiros.

“Preparem-se. O momento logo após a batalha no qual eles estão sem fôlego é nossa chance. Mirem na autômato primeiro.”

Fumaça continuava a emanar, e meu corpo não se movia como eu queria.

(Algo misturado com as explosões…)

O Segundo falou:

『Se apresse e ventile a sala!』

Eu larguei um dos meus sabres e comecei a ativar magia, mas as flechas miradas em Poyopoyo continuaram a trazer fumaça nova.

O aventureiro asseado olhou para a surrada Poyopoyo.

Suas vestes estavam rasgadas, e algumas partes de sua pele estavam aparecendo. Um líquido sanguíneo fluía de lugares onde seus interiores de metal eram visíveis.

“Poyopoyo… Seus bastardos!”

Enquanto eu ficava enfurecido, o Quinto falou:

『Se acalme. Use magia para ventilar o lugar logo que possível. E comece negociações. Compre algum tempo, enquanto procura por aberturas… parece que eles vão atender se forem só negociações.』

Ouvindo a opinião do Quinto, vi que o homem estava definitivamente olhando para mim.

Enquanto continuava a sustentar dano, Poyopoyo estava parando seus ataques.

“Autômato… o fruto de uma civilização antiga, trazida à luz e revivida por um dos sete grandes da cidade dos estudiosos. Vender isso daria uma boa quantia, mas caso isso se prove impossível, destruam. Ainda vai dar uma boa moeda, mesmo quando quebrado.”

Cerrei meus dentes, e senti a dormência invadindo meu corpo enfraquecendo só um pouquinho.

O Terceiro emitiu algumas ordens.

『Se você deixar com suas emoções aqui, só vai resultar em mais mortes. Olhe para o Portador.』

Eu virei meus olhos, para ver Clara dando um sinal de mão informando que elas estavam bem.

Aria estava tentando pular para fora, mas Miranda a segurou.

O Sexto falou:

『Portador… não, eles não estão focados em nenhuma de suas outras membras de grupo no momento, mas eles têm flechas preparadas para elas. Se mova com cautela.』

O Sétimo falou:

『Lyle, você completou a tarefa. Use suas Skills. Finja jogar todas as suas armas fora e entre em negociações.』

Com ataques continuando a chover sobre ela, Poyopoyo estava usando seus braços para se proteger e não podia se mover.

Eu joguei minhas armas restantes fora para atrair a atenção do aventureiro.

“… Cessar fogo.”

Com sua ordem, os ataques chegaram a um fim, e Poyopoyo caiu. Os outros aventureiros se aproximaram, e a chutaram para fora do caminho.

“Não consegue se mexer mais?”
“Tsk, quantos problemas você acha que nos custou?”
“Quanto nós podemos conseguir por isso neste estado quebrado?”

As conversas deles me irritavam infindavelmente, mas continuei a encarar o aventureiro asseado.

Se aproximando junto com aqueles que pareciam ser sua escolta, ele jogou um único pedaço de papel.

A Terceira Geração falou:

『Aja como se mal pudesse se mover. Você confirmou os números deles?』

Eu olhei para o papel, e o tomei em minhas mãos trêmulas. Vendo isso, ele começou a sorrir.

Era um formulário manuscrito para vender a posse do Portador. Uma soma monetária também estava indicada.

“… Qual é o significado disso?”

“É bem como você pode ver. Estou comprando aquela boneca. Aquela maldita magia golem que aprendi daquele bastardo do Damien… Eu estava certo de que era inútil, mas você me deu uma dica e tanto. Portador… bom nome, não é?”

Os subordinados dele jogaram uma caneta em minha direção.

“Então você deveria apenas ter trazido esse assunto desde o início!”

Enquanto eu dizia isso, o Quarto falou:

『… Esses caras nunca tiveram qualquer intenção de gastar dinheiro para início de conversa.Eles provavelmente visaram esse momento, para fazer com que houvesse um acordo mútuo com condições favoráveis para o lado deles.』

Não havia pensado no Portador ser o visado.

Estava certo de que seria a Novem e as outras… Eu fiquei preso nessa noção.

“Eu tinha certeza de que haveria mais competidores, então tomei a iniciativa. Você pode ter pensado que foi bem depois de ter expulsado aquele recepcionista, mas… o mundo não gira tão suavemente.”

Pela largura daquele sorriso, provavelmente era o recepcionista da guilda lhe oferecendo suporte.

Enquanto me lembrava do homem que fiz Damien demitir, o Sétimo falou:

『Hmm, então essa é a extensão da organização dele? Nada surpreendente…, mas é nossa política devolver o que nos foi dado multiplicado várias vezes. E esse homem não parece perceber isso.』

Tendo vivido suas vidas como senhores feudais, todos os ancestrais mais ou menos tinham essa parte em seus caráteres.

Olhei em direção a chutada Poyopoyo.

“… Eu tinha certeza que você estava mirando nas minhas outras companheiras.”

Dizendo isso, peguei a pena, e confirmei em minha mente.

(Ainda há uma resposta vindo da autômato. Até todos nós podermos nos mover, só um pouco mais…)

Eu ativei minhas Skills.

Com a 【Todos】do Segundo, eu obtive um senso da sala do chefe.

Com a 【Mente】 do Terceiro, eu o motivei passivamente a falar.

“Mulheres? Você é um tolo absoluto? Se eu ganhar o bastante com o Portador, posso ter todas as mulheres que quiser. E as não-aventureiras além disso. Seja os mais altos ranques de cortesãs, ou plebeias, ou nobres, todas elas vão abrir suas pernas em frente a uma soma grande o bastante. Parece que você não levou isso em consideração, levou, Fardo?”

O Quarto falou:

『Você é o tolo aqui. Você acha que nunca notei isso? Se você empilhar conquistas, e provar seu valor, as possibilidades se expandem ainda mais, seu amador!』

Usei a Skill do Quinto para compreender o terreno completamente, e a do Sexto para procurar por inimigos.

Eles estavam todos expondo sua hostilidade.

O Sexto falou:

『… Todos eles parecem ter a intenção de matar. Perder seria uma tragédia. 』

Se eu for derrotado, então tudo será perdido.

Mais uma vez reafirmei o fato de que esse era o tipo de mundo em que eu vivia.

(Após tomar o Portador, e me matar, o próximo passo é… entendo.)

A entidade mais assustadora que qualquer monstro era um humano. Não por livros, mas através de verdadeira experiência comecei a compreender esse fato.

Eles usaram ferramentas, nos seguiram com uma Skill, e esperaram pela perfeita oportunidade para atacar.

Nós estávamos atentos a eles, e ainda assim despreparados. É por isso que os ancestrais pensaram em mim como ingênuo.

Em certo sentido, isso pode ter sido a extensão do desafio que puseram sobre mim.

(Mas… Eu não vou perdoar vocês.)

O aventureiro riu, enquanto ele me assistia fingir estar tremendo pela paralisia.

Virando meus olhos para Poyopoyo, eu falei:

“Você vai deixar minhas companheiras em paz, certo?”

“Yeah, eu prometo que elas serão tratadas com cuidado.”

O Terceiro falou:

『Ele nunca disse nada sobre poupá-las… após receber os documentos de você, é possível que ele planeje eliminar seu grupo, para dizer que recebeu o Portador via um contrato próprio no exterior.』

Que revoltante…

É assim que deveria chamar esse sentimento?

(Se eu fosse o Primeiro, então o que eu faria?)

Deixar com a força bruta. Relembrando sua imprudência, eu sorri.

Me vendo, o aventureiro estalou sua língua.

“Desculpa incomodar enquanto está rejubilando aí, mas as coisas vão ficar ruins, se não se apressar. O bando que contratei é meio de pavio curto, sabe.”

Fingi assinar a página. Eu continuei a olhar para o Portador, quando o sinal de que as preparações estavam prontas finalmente veio.

O Quinto falou:

『Que ingênuo. Que meia-boca. Entretanto é por isso que o Lyle foi salvo…』

O Quarto falou:

『Lyle certamente é sortudo. E também, ele tem a Poyopoyo… uma autômato dessa vez. Ele deveria ter trabalhado duro para manter danos a um mínimo.』

O Terceiro falou:

『Ei, essa declaração vai ferir o garoto. Bem, se for essa Poyopoyo, então…』

Eu tinha uma palavrinha ou duas que queria ter com os ancestrais, mas as contive, e levantei minha cabeça.

E intencionalmente sorrindo, eu disse…

“Vocês aí estão me subestimando demais…”

“Hah? O que você es…”

Eu usei as Skills.

A do Segundo para permitir meus aliados a usar minhas Skills. Enquanto me levantava, atirei meu joelho na cara do homem de feições delicadas diante de mim.

E enquanto eu estava caindo no ar, joguei minha faca e adaga nos subordinados aos lados dele.

Ao mesmo tempo, Aria saltou nos aventureiros reunidos ao redor da Poyopoyo, e Miranda-san jogou suas próprias facas.

Novem ativou sua magia.

“Tempestade!”

Vento começou a ser gerado, e a flecha voando começou a espiralar fora de rumo. Fumaça ainda circulava pela área, mas Novem e as outras estavam cobrindo suas faces.

Com a Skill Velocidade do Quarto, e a do Primeiro para elevar todas as minhas habilidades, avancei nos inimigos ocultos perto da entrada da sala.

“Caixa.”

Da caixa que invoquei no ar, eu retirei um dos sabres reservas que havia guardado na mesma há um bom tempo atrás.

Separados dos aventureiros na sala, havia um grupo separado assistindo a situação.

Com uma massa de magia na forma de um pequeno pássaro, eles estavam de olho nos eventos da sala.

O Segundo falou:

『Aqueles na passagem são os mais problemáticos dos dois.』

Dentro da sala, eles estavam sendo suprimidos pelo resto das ações do meu grupo.

Antes de deixar a área, dei uma última olhada para Poyopoyo.

(Se ela tivesse apenas me dito mais cedo… não, isso é minha responsabilidade. Meu erro.)

E puxando outro dos meus extras, eu disparei para a passagem armado em ambas as mãos.

Talvez pela Skill usada para vigilância, o grupo em pânico já estava em uma formação de batalha, esperando meu ataque.

“Três magos…”

Enquanto eu murmurava isso, uma flecha veio em minha direção antes que pudesse alcançá-los.

Talvez eles fossem capazes de ver através dessa escuridão, já que veio precisamente para mim.

O Segundo se manifestou:

『Essas são algumas boas Skills, mas para o atual Lyle, é inútil.』

De onde eles virão, onde vão mirar?

Eu podia entender tudo isso, mesmo com meus olhos fechados.

É a primeira vez que faço uso das minhas Skills em um tempo, mas como pensei, todas têm performances extraordinárias.

(Mas isso é algo que eu posso dizer sobre o inimigo também.)

Contudo, não parecia que todos tinham visão, já que quando avancei em suas direções, uma ordem veio para um dos magos.

“Luzes!”

“Qual o problema? Por que você não manifesta uma luz!?”

Dei um corte no mago, e chutei sua cabeça para cima. Não acertei o golpe final, mas prossegui para mirar nos outros magos problemáticos, e o arqueiro que podia mirar em mim no escuro.

“Oy, responde, merda!”
“Quais os números dos inimigos!? Não tem como ter só um!”
“Oy, oy!”

Com a escuridão finalmente fazendo seu trabalho. Quando derrubei o homem que podia ver por causa da Skill, os inimigos caíram ao meu redor um após o outro.

Eu dava cortes em seus braços e usava chutes para tirar suas consciências, antes de prosseguir para o próximo alvo.

Após a quantidade de vozes alarmadas caírem, houve também alguns que se mantiveram em silêncio e tentaram se esconder.

Não permiti que escapassem, e deixei todos inconscientes. Quando alguém estava usando uma Skill? Alguém estava realmente inconsciente… só em ter essa informação fluindo na minha cabeça era uma grande ajuda.

(Eu não tinha necessidade de dar o golpe final em nenhum deles.)

Eles não podiam se mover, e eu destruí suas armas, ou as deixei inutilizáveis.

O Segundo falou:

『Lyle, você realmente é mole.』

Ele me chamou de mole por me abster de matar meus claros inimigos.

Mas também tenho a sensação de que ele estava um pouco feliz.

E quando desarmei o aventureiro final, embainhei apenas um dos meus sabres e concentrei magia na minha mão esquerda para iluminar a área.

“Hey.”

“Hiii!?”

O último estava vestindo um robe, e parecia estar carregando bagagem. Quando olhei ao redor da área mais claramente, vi que muitos daqueles em volta eram carregadores de bagagem armados.

Eles não tinham muitos membros centrais, e provavelmente focavam em avançar, enquanto protegiam aqueles carregando seus bens.

Ele disse que haviam sido contratados, então definitivamente eram aventureiros hábeis em suas áreas. Chutei um aventureiro ‘maguesco’ no chão para o lado.

Era para ameaçar o homem assustado diante de mim.

“… Seu bando perseguiu nosso grupo, e iniciou um ataque. Não tem como vocês não saberem disso, certo?”

“N-não, nós não sabíamos de nada. A recompensa era boa, então…”

Eu sussurrei:

“Mente…”

Após passar por um momento de caos, a influência entrou em vigor, e ele começou a falar fluentemente.

“… Havia um largo número de beldades, então ele disse que poderíamos nos divertir um pouco antes matar vocês todos. ‘『O Fardo』 estava fazendo uma fortuna, então tomar isso nos deixaria ricos também’, ele disse. Antes de matar, nós poderíamos fazer o que quer que quiséssemos com as…”

“Sim, isso é o bastante. E quanto à guilda?”

“Pela guilda, nós encontramos o cara que você havia expulsado um tempo atrás, então através dele, nós fomos capazes de descobrir suas atividades recentes. Usando a Skill de algum mago que nós pegamos, nós realizamos vigilância, e reunimos toda a informação sobre vocês quanto pudemos, mas… me pergunto o porquê nós não pudemos vencer.”

Coletando informação a respeito de nós, e provavelmente recebendo informação passada pela guilda também.

Exatamente como aquele recepcionista escavou informação sobre nós de qualquer jeito…

O Sétimo falou:

『Hmph! Eis o porquê de você não poder confiar na guilda! Lyle, vamos amarrar esse cara e fazer ele testemunhar.』

O Segundo falou:

『Vocês realmente conseguiram, não foi, guilda de Arumsaas… mundos de diferença de Daliem, ou assim não posso dizer. Talvez aquele Hawkins fosse simplesmente extraordinário.』

Pelo jeito que nosso recepcionista nos tratou quando estivemos em Daliem, a diferença de qualidade das guildas variava demais.

“… Parece que a Novem e as outras terminaram também.”

Eu chutei o carregador de bagagens na cabeça para mandar sua mente pelos ares, deixei sua bagagem para trás, e voltei para a sala do chefe.

… Enquanto o Lyle dirigia-se à passagem para fora da sala, Novem usou sua magia para bloquear as flechas.

Vento começou a coalescer, e a fumaça estava deixando seu corpo dormente, então ela dirigiu a corrente de ar em direção à saída da sala.

Enquanto cobria a área em volta de sua boca com um pano, ela assistiu Aria e Miranda saltarem.

“Mova esses seus pés imundos!!”

Aria estava enfurecida, enquanto descia o cabo de sua lança curta nos aventureiros que estavam chutando a Poyopoyo por diversão.

A resolução dela não havia chegado no nível de matá-los.

Miranda estava igual.

Mas seus motivos eram um pouco diferentes.

“Em vez de mim, você quer o Portador, o golem? Oh, meu pobre coração.”

Sua boca estava sorrindo, mas seus olhos não continham sorriso nenhum.

O aventureiro que perdeu um de seus olhos para sua faca lançada, permaneceu firme com sua arma em mão.

“Eu acho que você não chegou ao trigésimo andar à toa.”

Mas dizendo isso, Miranda cortou ambos os pulsos dele, antes de plantar o cotovelo em seu crânio.

Shannon estava fazendo uma algazarra dentro do Portador.

“O que é isso!? Que raios é isso!?”

Clara estava ajudando a Novem a colocar tanta fumaça para fora quanto possível.

Um aventureiro segurando um arco disparou uma flecha na Novem.

Mas o vento mudou, e sem acertá-la, a flecha caiu em um lugar diferente, antes de explodir.

“Aquela ali tinha o objetivo de matar. Que pena.”

Dizendo isso, Novem parou sua magia, e avançou em direção à Poyopoyo.

O Aventureiro que disparou a flecha foi dominado por completo pela Aria, e posto inconsciente.

Tendo visto isso, Miranda cerrou seus olhos, antes de prosseguir para amarrar todos eles. Ou assim ela fez parecer, mas estava prestes a cortar os pulsos do homem.

Novem interviu.

“Miranda-san. Eu vou curar eles depois, então os ponha em uma linha.”

Por um momento, Miranda enviou um afiado olhar penetrante a Novem.

“… Sim, eu entendo. Mais importante, como está a Poyopoyo?”

Novem se agachou próximo a autômato, e olhou para a garota que havia se tornado um escudo para protegê-la.

Todas as partes dela, exceto, a cabeça foram espancadas, e um líquido vermelho espalhava-se pela área.

Era como se fosse uma humana de verdade… Não, mecanismos prateados substituíam as partes em que humanos teriam ossos.

Ela era outra coisa.

(Não importa o quão semelhante tenha sido feita para imitar a humanidade, o interior dela é…)

Enquanto tinha algumas coisas em sua mente, Novem bradou:

“Por que você me cobriu? Por que você ficou tão surrada?”

Ouvindo isso, Poyopoyo não moveu nada além dos olhos e olhou para Novem.

“Não me subestime… eu sou uma modelo especial de primeira classe, e daquele frangote idiota… a autômato do meu mestre, Lyle-sama. De maneira nenhuma eu poderia ir contra uma ordem.”

Novem falou:

“Se fosse pelo bem do seu mestre, você não poderia ir contra ele?”

“… Você é uma raposa malvada. Se eu fizesse isso… aquele frango maldito ficaria entristecido, não ficaria? Se puder, eu não quero ver ele chorando.”

Apesar da boca ruim, ela verdadeiramente fazia seu melhor para o Lyle.

E Poyopoyo prosseguiu.

“… Você tem alguma coisa para eu me cobrir? Não me importo de mostrar minha pele nua pra ele, mas não posso sair por aí mostrando esse estado lamentável.

Aria foi até o Portador, e voltou com um cobertor.

Desmontando do Portador, Shannon tinha uma expressão pálida, enquanto olhava para Poyopoyo.

“Por quê… Por que você pode fazer algo assim… você, como pensei…”

Enquanto Shannon estava chocada, Miranda falou para ela.

“Shannon! Volte ao Portador imediatamente.”

Separada da Shannon, que voltou apressadamente, Aria foi até a Poyopoyo com um cobertor, e o envolveu ao redor dela. E ela bradou:

“Você, por que você fez algo assi-…”

Poyopoyo sorriu para ela.

“Não me faça dizer de novo. É porque aquele frangote ficaria entristecido. Eu sou, veja… Eu finalmente abri meus olhos, mas a fábrica que me produziu se foi. A empresa se foi. Até o meu país se foi. Eu não tenho nada sobrando para mim aqui, além do Lyle-sama. Neste mundo de fantasia, eu finalmente abri meus olhos para o meu mestre… o que eu havia há muito abandonado esperanças, sabe. Mesmo que eu me chame de modelo especial… huh? Eu não consigo realmente lembrar. Mas de qualquer forma, finalmente tive sucesso em obter um mestre. Eu, não importa o quanto ele fosse um bastardo inútil, eu iria segui-lo. Digo, esse é o único desejo de um autômato.”

Ouvindo isso, Novem virou seus olhos para o chão.

Os olhos de Poyopoyo emanaram uma luz oscilante, e Aria falou:

“Ei, fale alguma coisa!”

Poyopoyo sorriu.

“Por favor espere um pouco. Até o Lyle-sama chegar… eu tenho que aguentar… não importa o quê.”

E então, Lyle correu para dentro da sala.

Ele largou o aventureiro que havia arrastado consigo nos arredores da entrada, e correu em direção à Poyopoyo.

Tendo corrido até a Poyopoyo, pus minha mão em seu rosto.

“Estive esperando por você, mestre… há algo que eu gostaria de perguntar.”

Com apenas sua cabeça intacta, um cobertor a cobria do pescoço para baixo. Um líquido vermelho cobria o chão ao seu redor.

Como sangue de verdade.

“Por que você se forçou a…!”

O Segundo me parou.

『Ah~, hey… em momentos como esse, você tem que a escutar.』

Os ancestrais também tinham algo que queriam dizer. Gostaria que eles tivessem mencionado isso antes de termos incorrido baixas.

Eu sabia que era inexperiente, mas ainda assim…

“… Algo que você quer perguntar? Pergunte o que quiser. Vá direto ao ponto.”

Abriu sua boca em um sorriso.

Dos cantos de sua boca, o líquido vermelho fluía.

“Meu nome. Na verdade, eu criei um apego a Poyopoyo. Mas já que estamos aqui, eu gostaria de assumir o nome que você se esforçou para pensar para mim.”

O tom dela havia se tornado muito mais educado.

Contive minhas lágrimas.

Eu tinha a sensação de que não deveria estar chorando.

Ainda assim, gota a gota, minhas lágrimas caíram em sua testa e face.

“… É 【Mônica】. O nome que pensei em te dar. Eu estive pensando sobre isso o tempo todo. O livro que estava lendo antes não era para o Portador. Eu queria pensar em um nome para você.”

E Mônica falou:

“Mônica… não é? … um bom nome. Eu vou valorizar.”

“Sim, isso mesmo. E por isso, você tem que sempre ficar ao meu lado. Eu nunca vou te chamar de pedaço de sucata de novo. Você é minha autômato.”

Vendo o estado cada vez mais fraco da Mônica, Aria estava chorando.

Miranda cruzou seus braços, e baixou sua cabeça.

Clara estava nos iluminando com magia.

Novem estava mantendo sua mão nas minhas costas.

“Eu vou me gabar dele. Meu… nome é… Mônica… para aquelas três… em massa… e assim… mais uma vez… juntos…”

Peguei seu rosto em ambas as mãos, e me aproximei.

Nós estávamos em uma distância na qual nossas testas podiam se tocar.

“Sim, se gabe o quanto quiser disso! Eu farei o Damien te deixar como nova! Ele é um gênio, então algo assim vai ser resolvido antes que você…”

Enquanto eu dizia isso, Mônica balançou sua cabeça.

“É… impossível. Para aquele professor… me deixar operacional foi… limite.”

A voz dela estava sendo cortada.

Enquanto suas pupilas começavam a baixar, eu exclamei:

“Mônica? … Mônicaaa!!”

Ela repentinamente os abriu de novo.

“Procedimentos de reinicialização executados com sucesso!”

“… Eh?”

E a esta distância, ela procedeu a me beijar, e quando me afastei, pego de surpresa, ela estendeu suas pernas e saltou de pé.

O cobertor dançou no ar, e Novem falou:

“Ah, elas eram brancas.”

Não isso! Enquanto pensava isso, Aria também…

“Mentira. Eh, quero dizer!?”

Miranda-san…

“Essa criança é surpreendentemente capaz.”

E a Clara…

“Louvados sejam os antigos.”

Enfiando sua cabeça para fora do Portador, Shannon também..

“Era isso que eu estava tentando dizer a vocês. Essa daí, mesmo naquele ponto, estava se regenerando. Quando o Lyle veio, a velocidade disso de repente disparou.

Vendo ela girar no ar, e mostrar uma magnífica rotação enquanto aterrissava, abri e fechei minha boca em silêncio.

Os ancestrais também falaram. Do Segundo em diante…

『Então é por isso que ela está bem.』
『De certa forma, o corpo dessa garota é incrível.』
『Ela tem uma linha de Mana conectando ela ao Lyle, então eu fui capaz de ter uma ideia geral disso.』
『É tão avançada que eu estou começando a duvidar se os ancestrais eram realmente incapazes de usar magia.』
『O que infernos eles estavam pensando quando decidiram que uma empregada precisava de habilidades altas assim…』
『Deve ser romance.』

Com até mesmo seu uniforme de empregada restaurado ao seu estado anterior sem um grão de sujeira, ela deu uma reverência educada.

“Uma vez Poyopoyo, agora 【Mônica】. Pessoal, vamos continuar a nos dar bem, e toda essa coisa. Eu planejo continuar a acompanhar esse frangote de merda até a tumba, então não pense que pode escapar de mim, seu bastardo.”

Ela disse tudo isso com um grande e esplêndido sorriso.

“V-você… por que raios você fez toda aquela atmosfera mórbida!?”

Novem falou:

“L-Lyle-sama, por favor se acalme!”

“Me solta, Novem! Logo hoje entre todos os dias, eu… h-huh?”

O Terceiro falou:

『Que tal nós escutarmos a Novem nessa? E espera, já faz um tempo desde que isso aconteceu pela última vez, certo?』

E Mônica falou:

“Eu fiz uso da sua estranha energia Mana para cuidar dos reparos necessários até agora. Não, de todas as batalhas também, mas talvez fazer um auto-reparo completo repentinamente tenha sido um pouco demais… você está me escutando? Eu tô explicando pra merda do seu próprio bem, mestre!”

Eu estava balançando de um lado para o outro, e experimentando os sinais de mana baixa que não havia sentido ultimamente.

(Usando aquelas Skills, e a batalha do chefe… ah, isso realmente é duro.)

Tentei sustentar minha consciência, e Novem me chamou freneticamente da maneira como ela fazia um tempo atrás.

“Lyle, por favor fique firme!”

Mônica falou:

“Era isso o que eu estava tentando falar. E também, o prévio estado enfraquecido era a sequência de reinicialização…”

Mônica ainda estava dizendo alguma coisa, mas minha mente havia me deixado completamente.

… Após Lyle perder a consciência, todas trabalharam juntas para coletar e restringir os aventureiros circundantes.

Havia o medo de estarem carregando armas ocultas, mas Novem despiu eles para realizar magia de cura o bastante para parar o sangramento.

“Mesmo se acordarem, eles não devem ser capazes de se mover devido aos ossos quebrados.”

Miranda falou:

“O que nós deveríamos fazer a respeito daquele cara?”

No homem que o Lyle havia arrastado, ela havia usado parte do remédio que eles haviam trazido a fim de imobilizar seu corpo.

De acordo com a Clara, era um tipo de anestésico.

Shannon falou:

“Ah, esse cara tem alguma coisa escondida.”

Miranda recuperou as armas do homem, que havia sido despido até cuecas, e as descartou.

Aria falou:

“Ele estava até escondendo algo nas roupas de baixo? Parece ser uma faca dobrável.”

Eles esperavam que o homem não fosse nada além de um carregador de bagagens, mas assim como a Clara, ele tinha alguma experiência.

Clara falou:

“Eles são todos aventureiros que elevaram seus nomes na cidade de Arumsaas. Eu não acho que já tenha ouvido qualquer rumor ruim sobre eles, mas…”

Ela olhou para os aventureiros amarrados.

Provavelmente estavam indo bem até agora.

“… Pelas conversas deles com o Lyle-sama, está claro que não são pessoas com muita boa vontade para conosco. Quando o Lyle-sama se recuperar, tomará a decisão.”

Quando a Novem disse isso, Aria falou:

“Esses caras estavam definitivamente tentando nos matar, certo!?”

Já que Aria ainda não havia se acalmado, Miranda coçou sua cabeça, e falou:

“Então você vai matar eles, Aria?”

Ouvindo isso, Aria se aquietou.

(Resolução, não é… Não posso fazer o Lyle-sama carregar esse fardo, mas o que devo fazer?)

Pessoalmente, Novem queria acabar com isso ela mesma.

Mas isso era algo necessário para o crescimento do Lyle.

Que tipo de veredicto ele daria?

Novem estava curiosa sobre isso.

(Antes em Daliem, ele deixou o descarte da brigada de bandidos para terceiros, então que tipo de veredicto ele vai dar aqui… me pergunto.)

Vendo a si mesma estando curiosa, Novem ficou levemente surpreendida.

(Ah, então é como eu pensei…)

Enquanto ela olhava para o Lyle dormindo dentro do Portador, Novem sorriu…

Tendo acordado, eu montei no Portador com uma expressão taciturna.

Novem e Aria, e até Miranda, Shannon e Clara, e Mônica também, estavam sentadas em seu teto, e nós estávamos seguindo em frente através do labirinto sem nem mesmo usar nossos próprios pés.

Era realmente agradável.

Digo, as restrições das minhas Skills foram retiradas.

Não era só eu que se sentia insatisfeito.

Miranda-san também.

“Equipamento, alimentos e água… deixando tudo isso e até curando eles. Isso está seriamente ok?”

Os aventureiros que assaltaram-nos foram abandonados no trigésimo andar sem que nós matássemos qualquer um deles. Equipamentos quebrados não podem voltar, mas nós partimos sem roubar nada deles.

“Você sabe, certo? Eles não investiram muito pensamento nisso, e só tentaram roubar de nós.”

Eles claramente não tinham suprimentos.

Talvez eles geralmente tirassem renda por cerca do vigésimo andar, mas estavam em muito, mal preparados.

O Segundo falou:

『Vocês são todos moles demais. Nem mesmo terminando o serviço por conta própria.』

Eu ignorei os ancestrais, que mantiveram silêncio sobre o assunto da Mônica.

E olhei para a autômato sentada ao meu lado.

“Meu nome é Mônica! A adorável empregada Mônica! A Mônica do meu Mestre!”

Vendo ela cantando animada, eu estava incerto se deveria estar irritado ou feliz.

Mas Miranda-san não parecia satisfeita.

“Estou dizendo, isso definitivamente vai deixar rancor com eles.”

Eu falei:

“Sim, posso apostar. Mas, aqueles homens definitivamente não vão chegar até a superfície.”

Do único aventureiro amarrado ao Portador, obtive um monte de informação.

As Skills dos outros aventureiros, junto com que tipo de companheiros eles tinham, e…

“Hmm… então você até deu água a eles?”

Eu falei:

“Sim, foi meu presente. Eles pareciam estar com falta.”

Dizendo isso, eu assumi uma expressão taciturna de novo.

Miranda-san pareceu sentir o que eu queria dizer, mas permaneceu insatisfeita.

O Sexto falou:

『O motivo pelo qual você levantou suas mãos desse assunto foi pelo bem da saúde mental do seu grupo… você está sendo muito superprotetor com elas, Lyle.』

Soltei um suspiro, e me dirigi à Miranda-san..

“… Você queria mostrar uma cena de nós matando eles sem resistência para sua irmã? Bem, nós evitamos que ela fosse feita de refém a qualquer ponto, então acabou tudo bem.”

Ao levá-la junto, nós evitamos o risco da Shannon ser usada contra nós.

“Se você põe isso dessa forma, eu não posso dizer mais nada. Mas se lembre que não há certezas neste mundo.”

No final, dessa vez nós fomos perseguidos por aventureiros visando o Portador.

Enquanto pensava que seria melhor se eu tomasse algumas medidas, falei para Miranda-san.

“Bem, você está certa sobre isso. Mas ainda assim…

O Quinto falou:

『Aqueles caras definitivamente nunca vão se arrastar até a superfície.』

Isso mesmo.

Eu me certifiquei de preparar alguma água ‘mágica’ para eles.

Usando minhas Skills, eu guiei o Portador ao longo de um caminho seguro.

“Qual o problema?”

Miranda parecia curiosa a respeito de algo, mas eu respondi:

“Não é nada. E também, mesmo se eles voltarem para a superfície, aqueles caras não terão mais um lugar para si por lá.”

Olhei para o aventureiro que capturamos.

O corpo dele estava imobilizado com remédios, e sem nem mesmo ser capaz de gritar, ele estava tremendo de medo.

“Bem, você verá quando nós chegarmos lá.”

Eu deixei o assunto por isso.

Quando voltamos para a guilda, nós confirmamos que eles tinham falecido.


Tradutor: Batata Yacon | Revisora: Ana Paula


Fontes
Cores