Setes – Volume 4 – Capítulo 13 – Companheiros Visados



Companheiros Visados

O vigésimo nono andar…

Miranda confirmou a adaga e a faca penduradas em sua cintura.

Já que ela havia escolhido roupas mais fáceis de se mover comparado a antes, suas linhas corporais estavam aparecendo.

Mesmo que se dissesse que ela estava levemente equipada, apesar de haver protetores de metal ao redor de seus joelhos e tudo mais, com o design focado em facilidade de movimento, não podia ser dito que ela tinha qualquer armadura de verdade.

Mesmo assim…

“Yep, e terminamos aqui.”

Ela jogou a adaga de sua mão direita no ogro com ferro enrolado no corpo, e a mesma perfurou seus olhos.

Na direção em que ele havia perdido de vista, estava Aria.

Tendo vindo todo o caminho até o andar vinte e nove, até a Aria começou a usar suas Skills.

Várias vezes sua própria força física, aprimoramento de arma… com esses efeitos acumulados um sobre o outro, um golpe pesado desceu sobre a cabeça do ogro.

A lança curta empalou seu crânio, após ele cair, ela retirou a lança e se distanciou dos outros monstros nos arredores.

O orc que tentou se aproximar dela teve a cabeça explodida.

Foi o Lyle.

Em posição com um arco, ele usou uma de suas limitadas flechas explosivas para talhar os números de inimigos.

Miranda também jogou suas facas nos monstros que tentaram se aproximar dela.

Um orc, que havia perdido ambos seus olhos para as facas dela tentou balançar sua arma às cegas, mas ela jogou uma adaga em sua garganta.

Sangue derramou da jugular perfurada, e o orc contorceu-se em dor na área, atrapalhando os movimentos de seus aliados próximos.

E nesse tempo, outra explosão soou, e o orc debatendo-se foi o único que restou.

Tendo usado toda sua força, ele finalmente caiu ao chão.

E, Aria deu o golpe final.

Lyle deu as ordens.

“Mantenham vigia no perímetro. Nós daremos uma pausa curta aqui. Clara, deixo isso com você. Novem, como você está se sentindo?”

A maga, e o poder de fogo principal do grupo, Novem esteve fazendo uso frequente de magia no vigésimo nono andar subterrâneo.

Lyle queria preservá-la em preparação para o dia seguinte, então não a incluiu na batalha anterior.

“Eu estou bem. Não seria melhor se eu lutasse também?”

Miranda pensou consigo.

(Posso apostar. A decisão do Lyle não é errada, mas ele está subestimando ela.)

Após pensar um pouco, Lyle falou:

“… Nós já encontramos a entrada para o trigésimo andar. Eu quero que você se prepare para amanhã. Apesar de eu também poder usar magia, em geral estarei deixando isso com você, Novem. Pensando no que está por vir, já que você também está assumindo o papel de nossa curandeira, gostaria que você preservasse Mana.”

Miranda se virou para a retaguarda de seu grupo vigilante.

(Se nós não estivéssemos sendo seguidos, Novem teria participado, e a batalha teria acabado facilmente.)

Havia um grupo no rastro deles, e foi há alguns dias antes que sua irmã, Shannon, começou a ficar cautelosa com eles.

Tendo vindo tão longe no sétimo dia após entrar no labirinto, o grupo deles estava se movendo em um passo bastante rápido.

Da última vez, eles derrotaram o chefe do quadragésimo andar, e retornaram dentro de uma semana.

Considerando isso, eles podiam parecer lentos, mas seus passos eram mais que rápidos o bastante.

As facas e adagas em mãos.

Clara às recuperou junto com os materiais, e entregou a Miranda.

“Miranda-san.”

“Obrigada, Clara…”

Miranda havia se certificado de dar um sorriso a ela quando Lyle convidou a garota, mas seus pensamentos verdadeiros sobre o assunto eram um pouco complicados.

Apesar de ter visto os seus lados feios, ele havia a aceitado como era. Mas até que ponto isso…

Ninguém entendia isso. Nem mesmo ela.

(Companheiros, não é?)

Seria uma mentira dizer que ela não tinha nada a dizer sobre a Clara.

Miranda não havia sido convidada pelo Lyle ainda. Ela só estava oferecendo sua ajuda atualmente.

Apesar deles estarem oficialmente registrados no mesmo grupo, ela não podia deixar de se perguntar.

Exatamente de que forma o Lyle pensa de mim?

Aquelas foram palavras próximas a uma confissão. Novem também a percebia como uma membro do harém. E estranhamente…

Agora, ela queria ficar ao lado do Lyle.

(Digo, nós já estamos em uma situação como se nós tivéssemos sido expulsas da casa Circry, então está tudo bem acompanhar até o final, não está?)

A personalidade trazida pela Shannon, e a face que ela nunca havia mostrado na superfície. As duas se misturaram, e a atual Miranda não mais era meramente uma existência com uma disposição para ser gentil com tudo e todos.

Seus olhos flutuaram em direção ao Lyle, enquanto ela falava com a Clara.

Ela a acompanhou até o lado do Portador, confirmou seu próprio equipamento, e limpou o sangue.

“Ah, eu acho que seria melhor substituir essas.”

Encontrando uma faca que seria melhor se fosse trocada, ela chamou a Shannon de dentro do Portador.

“Shannon, você pode me passar as facas extras?”

Como não havia sinais de inimigos por perto, ela levantou sua voz, e a porta de metal se abriu, de onde Shannon emergiu e desmontou.

Talvez ela estivesse dormindo, já que seu cabelo estava bagunçado.

“Você… você estava dormindo no meio da batalha?”

Miranda parecia levemente irritada, mas Shannon falou:

“Digo, vocês não vão perder contra esses míseros números, certo? E também, eu não tinha nada pra fazer, então eu estava entediada. Eu devia ter trazido alguma coisa para matar o tempo.”

A irmã que ela pensou que não podia enxergar… a frágil e doce garota parecia ser capaz de se adaptar ao ar opressor do labirinto melhor que qualquer um.

(Me pergunto se isso também é o poder nos olhos dela.)

Pegando as facas, ela entregou a Shannon aquelas que haviam ficado inutilizáveis.

“… Mesmo quando nós ainda temos a viagem de volta, nós arruinamos mais da metade do nosso equipamento. Nós vamos ficar bem assim? Os suprimentos alimentícios também estão…”

Shannon disse isso olhando para o Portador, e Miranda respondeu:

“Está tudo bem. A volta é mais fácil que a jornada de ida… não, isso é errado. É por que nós sabemos o caminho, que a viagem de volta é mais rápida. Mas nós normalmente estaríamos carregando pedras mágicas e materiais, fazendo da bagagem um problema, pelo que parece…”

Miranda olhou para Shannon e Portador.

O companheiro que Lyle e Poyopoyo haviam manufaturado era verdadeiramente uma existência confiável.

“… Bem, nós estaremos lutando contra o chefe amanhã, então nós vamos voltar assim que tivermos terminado com isso. Nós sabemos o caminho a seguir, então provavelmente vai ser mais rápido.”

Eles confirmaram a entrada para o trigésimo andar.

Encerrando cedo pelo dia, eles estavam descansando em preparação para amanhã.

Miranda disse a Shannon para voltar para o Portador, enquanto ela guardava as facas substituídas.

(Seria bom se nada acontecesse, mas isso é impossível.)

Olhando para trás, Miranda sentiu uma presença ominosa…

A saída do vigésimo nono andar… significando, a área antes da sala do chefe no trigésimo. Lá, nós encontramos uma pequena sala e descansamos.

Eu estacionei o Portador na entrada da sala, então entrar ou sair não era possível.

“Eu deveria simplesmente ter feito isso desde o começo.”

Eu reclamei, mas Clara se opôs à minha opinião.

“Bloquear salas no labirinto não é recomendado. Aqui em Arumsaas, o lugar é administrado pela guilda. Com esse sendo o caso, disputas de território entre aventureiros são odiadas.”

Nós poderíamos perder nossos direitos de desafiar o labirinto, então fazer algo assim em uma área com um número maior de grupos estava fora de questão.

“Então é como uma regra em Arumsaas?”

“É uma regra local. Pode ser diferente em outros lugares.”

Clara me informou sobre como regras padrões de se aventurar podiam variar de acordo com a província.

Apesar de eu estar conversando com a Clara, enquanto ela iluminava a sala com seu cajado do canto, nós estávamos na verdade mantendo vigia.

Eu ouvi uma voz da Joia.

Era o Sexto.

『Lyle… que tal se virar só um pouquinho? Se você não receber nenhuma informação sensorial, nós não podemos ver também.』

(… Merda. Tentem considerar por que a Clara está de vigia em primeiro lugar.)

Presentemente, atrás de mim, o exército feminino…

Todos com exceção de mim estavam limpando seus corpos com toalhas.

Um balde havia sido cheio com água que a Clara produziu com magia. Usando isso, elas estavam limpando suor, e sangue de monstro.

Eu falei:

“Ei, a água criada por magia é potável?”

Clara sacudiu sua cabeça.

“Pesquisadores realizaram experimentos nisso de novo e de novo. Em geral, você vai arruinar seu estômago se ingerir. Tem algumas pessoas que não quebram, mas… eu não posso recomendar. E também, como devo colocar isso, é meio questionável…”

Eu escutei as palavras dela, e falei:

“Então você tentou?”

“Sim, com a mentalidade de que eu conseguiria pôr comida o bastante na mesa se eu virasse um suporte que podia preparar água potável… Foi um fracasso.”

Que desafiadora.

O Segundo falou:

『Não é bom depender de magia para tudo.』

O Terceiro era da mesma opinião.

『Certo. É sempre a mesma coisa. 『O Vilarejo do Mago』, acho que era isso.』

Ouvindo isso, o Quarto tentou relembrar algo.

『Isso é um conto de fadas dirigido a crianças, certo? É um bastante essencial.』

『O Vilarejo do Mago』… Eu também li.

Mas eu acho que o caso da Clara é um pouco diferente.

“É aquilo. É melhor não ultrapassar seus limites.”

“Sim, eu jurei nunca tentar de novo.”

Eu conversei um pouco mais com a Clara, enquanto ela inclinava sua cabeça, antes de uma refrescada Aria nos chamar.

“Acabamos aqui.”

Enquanto eu me virava, o Sexto soltou uma voz meio decepcionada.

『Ela simplesmente não entende. Um pouco mais de vergonha seria apreciado aqui.』

O Sétimo também olhou para Aria, e falou:

『Essa garota está, pouco a pouco…』

A garota obtendo má reputação entre esses dois estava equipada da cintura para baixo, mas sua metade superior estava vestida com uma camisa sem qualquer lingerie por baixo.

Além do mais, ela estava se portando de maneira imponente.

“Algo de errado?”

Eu falei:

“Eu acho que você deveria ser um pouco mais acanhada.”

Mas ela respondeu rapidamente.

“E por que eu tenho que me importar com isso em um lugar desses?”

Ela estava certa.

Clara também se dirigiu a mim.

“Lyle-san, você está sonhando demais. É assim que mulheres aventureiras geralmente são. Elas são só companheiras que dormem junto aos homens aventureiros também…, mas eu acho que este grupo ainda está no melhor dos lados das coisas. Entre grupos, há mulheres que não vestem nada além da roupa de baixo, ou ficam peladas. Ah, isso é só depois de garantir um lugar seguro no labirinto, saiba.

O Quarto falou:

『Que Inferno… não é de se admirar que aventureiros evitam aqueles na mesma profissão.』

O Segundo falou:

『É porque homens são seres que vivem através de sonhos. Mas acho que não se possa fazer nada, dado o ambiente.』

Enquanto isso estava acontecendo, Miranda veio até ali.

“O que vocês estão fazendo?”

Ela tinha uma toalha enrolada ao redor de seu pescoço, mas ela estava propriamente usando roupa por baixo. A razão de sua aparência grosseira era provavelmente porque o Portador estava bloqueando a entrada.

Seu cabelo ainda parecia um pouco úmido.

Com sua disposição de titilar e tentar o coração masculino, eu era incapaz de retirar meus olhos dela.

O Quarto falou:

『É isso aí…』

O Quinto também.

『Ela certamente se assemelha à Milleia…』

O Sexto…

『Essa garota certamente entende.』

O Sétimo estava…

『Hmm, completamente diferente daquela Aria.』

Eu senti minha própria face ficando levemente corada.

Clara e Aria me encararam reprovadoramente. Mas tudo que eu conseguia pensar por agora era…

(Por que eu estou dando ouvidos a esses tipos de conversas dos meus ancestrais… não, é só que eu vou escutá-las independentemente, e eu não posso desligar isso.)

O dia seguinte.

Tendo nos preparado, nós descemos a escadaria para o trigésimo andar subterrâneo.

Novem indagou:

“Está tudo bem para deixar a Shannon-chan no Portador, mas eu acho que vai ser difícil posicionar eles na entrada da sala.”

A passagem que levava para a sala do chefe era bastante larga, e era impossível bloqueá-la só com o Portador.

Shannon estava atenta àqueles nos perseguindo de trás, mas isso não dava muita paz de mente.

“Vai ser mais perigoso quando nós estivermos no meio da luta contra o chefe.

Após eu dizer isso, Poyopoyo se prontificou.

“Muito bem, eu, Poyopoyo, irei proteger a retaguarda!”

Eu estava ponderando sobre a possibilidade de colocá-la na batalha contra o chefe. Ela era forte demais para que eu conseguisse um senso de conquista.

E diante destes sentimentos e tudo mais, nós precisávamos saber se tínhamos a habilidade de enfrentar o chefe por conta própria. Para o bem dessa causa, Poyopoyo havia sido colocada como apoio até agora.

“… Fique perto ao Portador, e proteja a Shannon. Eu duvido que vá acontecer, mas se nós perdermos, então leve os membros que sobreviverem junto com a Shannon, e escape.”

Ela deu de ombros, e olhou para mim com algum cinismo.

“O que foi?”

“Não, se meu frangote idiota perecer, então aquela fonte de energia estranha que você chama de Mana vai ser cortada, e eu deixarei de funcionar. É provável que eu seja capaz de me mover por um tempo, mas pessoalmente, eu estaria usando esse tempo para encher de porrada quem quer que tenha matado meu mestre, e fazê-los se arrependerem de terem nascido neste mundo.”

Enquanto ela dizia isso com confiança transbordante, Novem deu um sorriso torto.

“Uhm, não seria simplesmente melhor dar uma mão se isso ficar perigoso?”

“E-eu estou sendo hipotética aqui. N-não é como se eu quisesse ver meu frangote morrer também, sabe!”

O Terceiro falou:

『Eu estou começando a perder a noção de, se os autômatos deveriam ser incríveis, ou não.』

O Quinto.

『Ter falhas tão gritantes em uma máquina tão elaborada assim, eu não estou certo se devo elogiar ou falar mal deles… que problemático.』

E, enquanto uma conversa dessas prosseguia, nós chegamos na sala do chefe.

Eu dei ordens a todas.

“Vocês todas se certificaram de checar seus equipamentos, certo?”

Eu me certifiquei de que todas haviam concordado, antes de confirmar o plano.

“As linhas de frente terão Aria e Miranda se movendo para atrair a atenção dele. Eu assumirei o centro, e apoiarei vocês duas com magia. Eu deixarei o golpe final para a Novem, e Clara, por favor opere o portador e mantenha a sala iluminada. Shannon ficará em espera dentro do Portador, e Poyopoyo irá protegê-las.”

Após terminar as checagens, eu prossegui para as medidas contra os perseguidores que tinham uma alta probabilidade de intervir durante a batalha.

“… Há a possibilidade de nós sermos assaltados por terceiros durante a batalha. Logo após a luta também. Se isso acontecer durante a batalha, assumam uma formação para se focarem no chefe juntas. Neste caso, serei eu enfrentando nossos perseguidores.”

Depois da batalha, nós ficaremos atentos à entrada e estacionaremos o Portador para fazer uma parede, caso qualquer ataque venha.

Diante do meu julgamento, o Segundo pareceu insatisfeito.

『Bem, se você acha que está tudo bem com isso, então que seja.』

O Terceiro falou:

『É a decisão do Lyle, então vamos deixar assim. Entretanto, eu pessoalmente vejo um problema.』

Não há garantias… que retirada significaria segurança.

Nós temos muito pouca informação sobre o inimigo.

O motivo pelo qual eu pus o chefe como prioridade era para que eu pudesse usar as Skills dos meus ancestrais depois disso.

(Nós temos que abater o chefe rapidamente, e nos prepararmos para nossos perseguidores. É assim que nós vamos superar a atual situação.)

Com base no testemunho da Shannon, eles ainda estavam no nosso rastro.

… Eu declarei para todas.

“Vamos!”

Nós corremos adiante, e Aria e Miranda correram na minha frente.

Eu podia ouvir os passos das membras atrás de mim, e o girar das rodas do Portador.

Dentro da sala, estava a figura de um largo ogro segurando um cilindro.

“Eu não dei muita atenção antes, mas… é muito maior que um ogro normal.

Ele tinha uma larga quantidade de pele exposta, mas ao redor da cabeça e pescoço, assim como o abdômen estava, não um amontoado de partes como os outros monstros, mas o que parecia ser uma armadura especificamente ajustada para ele.

A espessa vara em sua mão era oca, e ao vê-la, Poyopoyo falou:

“Então tem um canhão, não é? … Equipe isso no Portador para um aumento de poder instantâneo.”

Na outra ponta do tubo, ele tinha uma arma como um cacete quadriculado preso nele. Provavelmente ele tinha isso precisamente por ser um ogro, mas eu vou me abster de ser acertado por aquilo ali.

Eu puxei um sabre, e preparei magia em minha mão esquerda.

Nesse tempo, Aria e Miranda se posicionaram para atacar de dois lados, e atraíram a atenção do ogro.

Eu cantei a magia.

“Bala de fogo!”

Numerosos orbes de fogo desceram sobre sua cabeça, selando sua visão.

Nisso, Aria usou uma Skill para cortá-lo.

Miranda jogou suas adagas na área ao redor de suas articulações do joelho.

Eu não podia ver seu rosto através de seu elmo, mas ele levantou um grito de guerra, então provavelmente havia entrado em fúria. Eu olhei para trás.

(Novem não terminou suas preparações ainda.)

Eu observei o chefe, rezando para que um ataque inimigo não viesse, enquanto eu continuava a espalhar pequenos feitiços nele, fazendo-o focar uma moderada quantidade de atenção na minha posição.

E começando a balançar o porrete ao redor, ele o jogou de qualquer jeito na Clara, que estava iluminando a sala.

“Clara, recuar!”

A arma lançada fez um som metálico desagradável, enquanto era derrubada ao chão.

Aquela que fez isso foi a Poyopoyo.

“Garantindo a segurança das linhas de fundo é o trabalho de mim, Poyopoyo… tendo um mestre inútil, eu estou me mordendo de felicidade.

Eu agradeci em resposta ao sarcasmo dela.

“Muito bem feito. Eu te direi o nome que pensei quando terminarmos aqui. Continue cuidando da retaguarda assim!”

“O que você disse!? Por que você teve que dizer isso agora, e não durante a pausa de ontem…”

Ela começou a resmungar sobre ‘flags’¹ ou algo do tipo, mas eu a ignorei e olhei em direção ao chefe.  Tendo perdido sua arma, ele estava dando golpes em direção a Aria e Miranda com suas mãos nuas.

“Relâmpago!”

Quando as duas tomaram alguma distância dele, eu usei magia para dar algum dano.

Estava longe de um golpe fatal, mas eu definitivamente entorpeci seus movimentos um pouco.

(Como pensei, a Skill do Primeiro realmente era útil.)

Diante do inimigo contra o qual nós estamos atualmente tendo dificuldades, pensando sobre como eu derrotei ele com um único golpe antes me informou novamente o quão valiosas eram as Skills.

E enquanto nós cercávamos o chefe, acumulando ataques, Clara bradou:

“As preparações estão terminadas!”

Diante do alto grito da garota geralmente quieta, todos nós recuamos. Após eu ter ido todo o caminho até a parede da sala, a temperatura, de repente, começou a subir.

“Tempestade de fogo!”

Chamas começaram a se reunir e girar, e elas condensaram em seu alvo, trazendo um pilar de chamas. Vendo isso, chequei para ver se isso havia garantido nossa vitória.

Apesar do chefe continuar a se debater e zurzir, era incapaz de escapar. E após ficar sem forças, ele finalmente caiu.

“Okay!”

No segundo que eu disse isso, o Segundo exclamou:

『Lyle!』

Ouvindo isso, eu me virei para a entrada.

Aqueles entrando na sala eram aventureiros. Era claramente óbvio que nós estávamos batalhando nesta sala.

Além de suas claras violações de boas maneiras, as armas em suas mãos eram arcos.

“Todo mundo, pra trás do Portador!”

Aria e Miranda dispararam em ação.

Como a Novem havia acabado de usar magia, ela usou a ajuda da Clara para ir para o Portador.

Mas seus movimentos eram lentos, então flechas vieram voando na direção das duas.

Eu pude ver uma luz brilhante em suas pontas.

Dentro da sala iluminada pela carcaça ardente do chefe, o que eu vi foi definitivamente as flechas explosivas que eu também usava.

“…!”

No segundo que começaram a correr, as flechas disparadas desceram sobre elas. Com base no ângulo, elas não seriam capazes de chegar atrás do Portador a tempo.

E quem foi para frente foi…

“Eu não vou deixar vocês fazerem isso!”

Várias flechas a acertaram em cheio, e explosões soaram.

Aconteceu em um instante.

Poyopoyo ainda manteve sua forma, e ficou onde estava.

Nisso, um aventureiro asseado fez sua grande entrada.

Eu gritei:

“Vocês, qual a intenção de vocês!?”

Um sorriso flutuou na face do aventureiro de feições delicadas.

(Com essa aparência… um Nobre? … o recepcionista disse que um estava tentando levar a Novem e as outras… é por isso!?)

No passado, eu ouvi do recepcionista conversas de um aventureiro nobre tentando recrutar a Novem e o resto do grupo.

Algumas flechas vieram voando em minha direção, então eu as evitei.

Elas explodiram enquanto acertavam as paredes, mas junto com elas, fumaça começou a surgir.

O Quinto falou:

『Lyle, o que quer que custe, cubra sua boca!』

Um tipo de veneno.

Enquanto eu pensava isso, o aventureiro se virou para mim, e falou. Seus olhos foram em direção às minhas companheiras reunidas atrás do Portador.

(Esse cara está visando a Novem e as outras, e…)

“Lyle, o Fardo… Eu estarei levando seu Portador.”

Por um momento, eu fui incapaz de compreender do que ele estava falando.


Tradutor: Batata Yacon   |   Revisora: Ana Paula



Notas:

1. Flags, ou bandeiras, são basicamente frases que servem como “gatilhos” para eventos ou acontecimentos em muitas histórias. Apesar de ter começado em jogos de estilo visual novel, acabou se espalhando para outras formas de mídia.
Exemplos:
–A frase do Lyle para a Aria no Volume 2:
“A lua realmente está linda essa noite.” Essa pode ser considerada uma “flag” de amor porque serviu como gatilho pra despertar o amor na Aria.

–Durante uma batalha perigosa alguém vai e fala
“Quando isso terminar eu vou me casar”. Essa é uma das famosas “flags” de morte, porque a pessoa que diz isso geralmente acaba morta.

–Mas se for pra trazer algo mais conhecido aqui no Brasil, seria algo como:
“Bom, pelo menos não tem como ficar pior.”


Fontes
Cores