Setes – Volume 2 – Capítulo 12 – Desejando uma Reunião



Desejando uma Reunião

 

Desde que viemos a Daliem, cerca de três meses haviam se passado.

Enquanto o contrato da Zelphy-san se aproximava de seu fim, nós estávamos repassando o que foi conquistado sob o contrato em uma sala privada da guilda.

Hawkins-san testemunhava enquanto eu olhava os documentos.

Nós viemos aqui para dar a avaliação a Zelphy-san pelo trabalho de orientadora.

A mais alta avaliação possível era 【A】, mas preencher isso significaria ter que pagar uma recompensa adicional também.

Não importa o quão bem alguém se saia, receber uma classificação 【B】 era normal.

Enquanto nos sentávamos com uma mesa entre nós… eu, Novem e a Aria nos viramos para olhar para o Hawkins-san e Zelphy-san, que estavam se sentando dentro do nosso campo de visão.

Com uma expressão séria, Hawkins-san me deu uma explicação.

“Lyle-kun, apenas preencha qualquer avaliação que você acredite ser a certa. Se isso criar ressentimentos e danos, a guilda dará uma firme punição, então por favor não se preocupe com esse aspecto.”

Zelphy-san não disse nada em particular.

Ela só se sentou lá.

Aria estava em um estado mental complicado, enquanto a encarava.

Mesmo após o pedido urgente, nós permanecemos sob sua orientação e ganhamos todo o conhecimento necessário e experiência de um aventureiro.

No período de três meses, nunca houve um momento em que eu pensei ser um desperdício.

No formulário, eu preenchi a mais alta nota.

“… Essa é a avaliação mais alta, não é? Você sabe o que isso significa, certo?”

Quando Hawkins-san disse isso, Novem colocou o dinheiro na mesa.

Dentro da pequena bolsa de couro, haviam três moedas de ouro.

Hawkins-san as aceitou e confirmou o conteúdo.

Já que a quantia que pagamos pelo pedido era bem alta, a recompensa adicional que tivemos que dar foi um um valor bastante considerável.

Das três moedas de ouro, uma delas seria tomada pela guilda.

“Confirmação completa. Pois bem, uma recompensa adicional de duas moedas de ouro será transferida para Zelphy-san.”

Tendo aceitado as duas moedas de ouro, Zelphy-san se levantou e se virou para deixar a sala.

“Puxa vida, que saco de trabalho foi esse. Eu nunca vou fazer isso de novo.”

Desde o pedido urgente, ela começou a tomar a atitude atual quando lidava conosco.

Não, essa atitude era principalmente direcionada à Aria.

Olhando ela saindo da sala, Hawkins-san falou.

“Ela realmente não consegue ser honesta, consegue? Todo mundo já percebeu faz tempo.”

Novem concordou.

“Se nós não fizéssemos algo assim, ela nunca aceitaria seu presente de casamento.”

Certo.

Todos nós sabíamos porque a Zelphy-san estava assumindo uma atitude tão brusca.

Era precisamente porque a Aria sabia que ela se sentia em conflito.

“Zelphy-san estava se aposentando como aventureira e se casando com um homem comum.

Nossa recompensa adicional também servia como um presente para ela.

Novem pôs sua mão no ombro da Aria.

“Aria-san, eu acho que a Zelphy-san ainda está por perto. Por favor vá ter uma conversa final com ela.”

“M-mas… ela nem fala comigo ultimamente.”

Enquanto a Aria estava taciturna, Novem sacudiu sua cabeça e se fez repetir com um olhar honesto em seus olhos.

“Se você não for agora, você vai se arrepender. Nós estaremos deixando Daliem. Há a possibilidade de que vocês nunca se encontrem de novo… vá até ela.”

Dito isso pela Novem, que estava usando um tom mais forte que o usual, Aria deixou a sala.

Para falar com a Zelphy-san.

E Hawkins-san pôs um documento diferente do anterior na mesa.

“É um formulário de mudança de guilda. E este é o cartão da guilda que mantivemos em nossa custódia. Então vocês realmente estarão saindo imediatamente…”

Enquanto ele fazia uma cara solitária, ele fez uma leve piada sobre os aventureiros que iam até ele diminuírem de novo.

Com um dos grandões da guilda tendo partido, o nome do Hawkins-san foi proposto para preencher o buraco deixado. Eu sabia.

“Nós não ficaremos por muito tempo. Se não, nós poderemos trazer problemas para ambos Zelphy-san e Hawkins-san… e até o Ventra-san.

O fato que minha casa, a Casa Walt não havia mostrado movimento nenhum até agora era ominoso.

O fato de que eu não sabia que tipo de coisa eles fariam invocava medo.

E também Ventra-san… o lorde feudal de Daliem, se chegar a hora, é uma pessoa que provavelmente vai me apresentar a eles. Eu não direi que isso é uma coisa má.

Se você pensar sobre a proteção do território, era o curso de ação natural.

Quando comparado ao território da Casa Walt, a escala de Daliem era minúscula. Eles são um nível de influência em par com a capital imperial de Centralle.

“… Parece que você tem algumas circunstâncias te cercando, então eu não vou espiar muito a fundo nisso. Mas seria bom se nós nos encontrássemos de novo algum dia.”

“Verdade. Hawkins-san, eu estive sob seus cuidados.”¹

Eu preenchi os formulários.

Enquanto submetia o pedido de mudança de lar para mim, Novem e Aria, eu aceitei os documentos da guilda. Eles eram o que nós necessitaríamos submeter a qualquer guilda que fizéssemos nossa base de operações a seguir.

Eu me levantei e a Novem a seguir.

E a Novem também ofereceu sua gratidão.

“Obrigada por sua assistência. Eu espero que você fique saudável, Hawkins-san.”

Hawkins-san assentiu.

Eu tinha a sensação que que meus olhos estavam ficando um pouco húmidos, então eu deixei a sala.

No final de tudo, eu aprendi que eu era uma pessoa bem rápida de se fazer chorar.

 

 

 

 

Um corredor na guilda…

“Zelphy!”

Aria encontrou Zelphy, e correu até ela.

Zelphy constrangidamente coçou seu rosto, enquanto desviava seus olhos.

“O quê? Eu tô saindo pra beber daqui, sabe.”

Diante de sua atitude, Aria não sabia o que deveria dizer.

Mas ela havia se resolvido a deixar Daliem junto com o Lyle.

Eles já tinham desocupado a casa. E até tinham comprado os bilhetes para carruagem conjunta para Centralle.

“… Obrigada por tudo, Zelphy. Eu era ignorante do funcionamento do mundo e não fiz nada além de te causar problemas… e também, eu nunca nem tentei saber por quais tipos emoções você estava passando.”

As palavras não estavam saindo propriamente.

A forma da Zelphy esquadrinhando o corpo de um aventureiro e roubando seus pertences para si. Aria olhou para isso em desespero.

Mas depois disso, ela ouviu que a Zelphy havia visitado a casa do aventureiro falecido e entregou os pertences dele.

Ela havia começado a se encurralar sobre como ela se desesperou por causa da Zelphy, sem pensar nisso o bastante.

O que a Aria queria dizer era para Zelphy não se preocupar mais com ela.

“Eu estou bem. Eu acho que vou procurar por alguma felicidade por conta própria. Então… Zelphy, você deveria ser feliz também.”

Aria olhou para sua face.

Zelphy estava chorando.

“… Me desculpe. Milady. Eu também… Eu não pude fazer nada… Eu não pude fazer nada além de assistir, e…”

Quando as lágrimas da Zelphy começaram a cair, Aria a abraçou.

Ela a havia chamado da mesma forma que chamava quando elas brincavam juntas na mansão.

“Obrigada, mana… Eu vou ficar bem agora. É por isso que você também deve encontrar felicidade para si.”

Zelphy reciprocou o abraço.

Aria confirmou as numerosas feridas cobrindo seu corpo.

Aquelas marcas era a prova de que a casa da Zelphy havia passado por muitos problemas para viver em Daliem após serem postos para fora do Solar.²

Mas mesmo tendo passado por isso, Zelphy havia agido pelo bem dela…

Em troca da cooperação com o lorde feudal, a casa Lockwarde foi exilada de Centralle e achou um abrigo seguro em Daliem.

Quando ela não estava vendo. Zelphy havia passado por tanta dor…

“Zelphy, obrigada por tudo. Eu vou ficar bem agora.”

Aria permaneceu fortemente abraçada com aquela que ela costumava adorar como uma irmã mais velha.

… Ela foi finalmente capaz de dizer a irmã que sempre a havia protegido, que ela ficaria bem.

 

 

 

 

Enquanto eu esperava na guilda pelo retorno da Novem e da Aria, eu percebi um grupo de três que havia nos ajudado antes se aproximando.

“Rondo-san!”

“Lyle-kun!”

Dos aventureiros que nós passamos a conversar caso nos encontrássemos, nós permanecemos especialmente amigáveis com eles.

Usando o escasso metal encontrado no labirinto, Rondo-san havia arrumado uma adaga para si.

Rahu-san havia usado isso na produção de uma nova lança.

Rachel-san o usou em uma porção de seu cajado.

Os três estavam todos usando equipamentos novíssimos.

Rondo-san fez sua adaga com o mesmo punho e guarda de sua preciosa espada e com um design similar  na bainha. Quando ele me mostrou pela primeira vez, eu lembro do quão deleitado ele parecia.

“Vocês terminaram a papelada também?”

Quando eu disse isso, Rahu-san deu um sorriso torto.

“Nós viemos antes do seu grupo, mas ficamos presos por um bocado de tempo. Os aventureiros que tem alguma medida de poder estão constantemente saindo de Daliem.”

Também era uma das características de Daliem.

Boa aos novatos. E com muitos biscates para se lucrar. Essa era Daliem.

Por outro lado, era difícil para aventureiros que não eram novatos encontrarem trabalho adequado.

Já que a guilda de Daliem ainda queria garantir aventureiros habilidosos para si, era um problema que causava uma dor de cabeça para muitos.

“Vocês estão partindo agora? Cadê a Aria-chan?… Ah, talvez ela fugiu?”

Como sempre, Rachel-san dizia o que quer que estivesse em sua cabeça.

Eu sacudi a cabeça.

“Sinto muito, mas ela não fugiu. Ela tinha outro assunto a tratar, então nós estamos esperando por ela. Mais importante, vocês têm certeza que vão chegar a tempo da partida da sua carruagem?”

Nisso, Rondo-san se lembrou e ergueu sua voz bem alto.

“Parece que nós não temos o tempo para ficar conversando aqui.”

Rahu-san começou a entrar em pânico.

“Ah, certo! Então eu acho que já vamos. Dê nossas considerações à Aria-chan.”

Rachel-san chamou à Novem.

“Novem, cuide do Lyle. Ele é falível por conta própria.”

“Novem riu para si mesma e assentiu.

“Muito obrigada. Tudo de bom para você também, Rachel-san.”

E Rondo-san acenou sua mão para mim enquanto falava.

“Quando nós nos encontrarmos de novo algum dia, vamos fazer algum barulho juntos. Lyle-kun… Te vejo na próxima!”

Enquanto ele fazia uma saída vigorosa, eu também acenei minha mão.

“Sim. Nos veremos de novo!”

Os três deixaram a guilda.

Novem murmurou.

“Eles são pessoas muito boas, Lyle-sama.”

“Verdade. Eu quero vê-los de novo alguma hora. Pois quando nós nos reunirmos, eu terei me tornado um aventureiro melhor.”

Enquanto alegremente considerando nosso próximo encontro, eu e Novem continuamos a esperar pela Aria.

 

 

 

 

…Isso aconteceu em algum lugar na estrada principal.

Cobertos em sangue, Rondo, Rahu e Rachel estavam caídos no caminho.

A preciosa espada de Rondo estava despedaçada e sua adaga foi roubada dele.

Sem nenhum de seus braços, ele mal estava respirando no chão.

Mas Rahu e Rachel já haviam dado seus últimos suspiros.

“Q-qu-que infernos… era aquele monstro?”

Ela um monstro que era até doloroso de se lembrar. Mas ele não era nenhuma besta atroz.

… era um ser humano.

O que mais, uma jovem garota.

Se arrastando pelo chão, ele olhou para Rachel.

Um largo buraco queimado havia sido aberto em seu peito, e seus olhos ocos tinham ainda os traços de lágrimas derramadas por eles.

Olhando para o Rahu, ele havia tentado deixar os outros escaparem até o último momento em seu final, ao assumir a frente, então suas feridas eram as piores.

Enquanto ele se aproximava do homem, ele pegou uma de suas partes mais leves… o cabelo dele em sua boca, e o trouxe até Rachel.

Por onde quer que ele tivesse se arrastado, o sangue de Rondo manchava o chão.

Suas Skills da espada não foram capazes de fazer nada.

De todas as coisas, um grupo de três, todos com Ferramentas mágicas, não foram nem capazes de tocar uma garotinha.

A causa veio quando eles haviam chegado ao destino de carruagem e tinham que fazer o resto do percurso até a cidade que eles haviam decidido como seu lar a pé. No caminho, aquilo aconteceu.

Uma extravagante carruagem havia parado próximo a eles.

Era definitivamente uma usada por um nobre e, pela aparência dela, não era nenhum nobre comum.

“Rachel… Rahu… nós sempre, ficaremos juntos.”

Indo para o casco vazio de Rachel, ele soltou o cabelo do Rahu e deixou cair acima dela.

Quando eles todos mal haviam se tornado aventureiros, eles se encontraram, viram que combinavam e os três deles haviam tentado os seus melhores juntos por vários anos. Eles começaram a acumular poder e eles haviam até obtido suas, há muito desejadas, Ferramentas Mágicas.

Eles estavam todos pensando sobre o futuro… mas aquele monstro pôs seus olhos neles.

As palavras que a garota monstro disse, eram bastante inacreditáveis.

“Você, se torne meu. Eu não preciso daquele cara da lança, ou daquela mulher ali. Desapareçam para algum outro lugar.”

Elas eram a insensatez de uma garota nobre que havia tomado um gosto pelo Rondo.

Ele havia pensado isso, mas as reações dos outros eram diferentes.

Os pais da garota, que estavam na mesma carruagem, ficaram furiosos com ele por desconsiderar o favor da garota.

Era porque o Rondo havia recusado com base de já ter a Rachel como uma esplendida namorada.

E os guardas acompanhando a carruagem puseram suas armas em mãos.

Se isso fosse tudo, então eles poderia abrir caminho, ele pensou.

Ele tinha confiança em suas habilidades. E ele até tinha Ferramentas mágicas.

“Aquele… monstro.”

Mas a garota primeiro circulou para trás das costas da Rachel e imediatamente lançou uma magia. Isso aconteceu em um instante.

O que Rachel murmurou em suas lágrimas, foi o nome do Rondo.

Em raiva, Rondo e Rahu proclamaram que isso era um ato imperdoável, mesmo se ela fosse uma nobre e puxaram suas armas.

Mas no momento que ela foram empunhadas, os braços do Rondo voaram, e sua preciosa arma foi despedaçada.

A espada que ele até chamava de parceira foi rasgada como se fosse um pedaço de papel.

Sua adaga estava nas mãos da garota. Enquanto estava flutuando no ar junto com seus braços, ela a havia agarrado e até tinha a bainha que estava em sua cintura em mãos.

Ele não era capaz de compreender o que havia acabado de acontecer.

E Rahu foi para frente e gritou para ele fugir com a Rachel.

Mas logo, Rahu estava coberto em seu próprio sangue.

Como se ela tivesse perdido interesse, a garota partiu. Até mesmo agora, Rondo podia lembrar as palavras que ele ouviu naquela hora.

“Minha nossa, desperdiçando a boa vontade da Celes dessa forma.”
“Celes, as roupas que nós finalmente compramos para você têm manchas de sangue nelas! Oh querida… nós vamos para uma festa, sabe. Mesmo se você trocá-las quando nós chegarmos lá, você tem que prestar mais atenção na sua aparência. Querido, nós teremos que preparar roupas para Celes.”

O homem e mulher que pareciam ser seus pais não estavam prestando atenção nenhuma a eles.

Eles estavam ponderando por causa das pequenas manchas que haviam caído nas roupas dela.

“Roupas para Celes? Como seu eu fosse deixar ela usar as roupas que aqueles brutos prepararem para ela! Ela é o tesouro da Casa Walt, você sabe.”

A garota chamada Celes, apesar de mal ter usado sua espada e magia para matar duas pessoas a sangue frio, estava sorrindo.

“Pai, existem horas em que eu quero tentar usar tipos diferentes de roupas. Eu já estava no clima para compras, então você não pode deixar isso de lado?”

Ouvindo sua doce voz, os pais pareceram satisfeitos.

Eles eram pais que mimavam sua adorável filha… mas a cena de certa forma, parecia bastante estranha.

Rondo percebeu que a família da garota não estava realmente olhando nenhum pouco para o que estava ao redor deles.

Não havia uma única coisa entrando em seus olhos além de sua adorável filha.

Os nobres, que haviam tomado suas vidas por um capricho, foram para algum outro lugar tão caprichosamente quanto.

Rondo reuniu seus companheiros caídos em um lugar e, como se ele estivesse finalmente satisfeito, ele perdeu toda sua força.

No fim, ele sussurrou.

“… Eu acho que eu não pude manter minha promessa.”

E quietamente, Rondo fechou seus olhos…

 

 

 

 

A bordo da carruagem conjunta, nós chegamos em Centralle.

Era a segunda vez que nós estávamos vindo, mas nosso objetivo dessa vez era realizar algumas compras.

A quantidade de sabres usáveis que eu podia obter em Daliem era baixa e havia também a necessidade de nós decidirmos o próximo lugar que nós definiríamos como nosso lar.”

Se fosse à partir de Centralle, a viagem seria bem fácil, então nós paramos por lá primeiro.

“Pois bem, nós chegamos, mas vamos procurar uma estalagem por enquanto.

Novem deu uma resposta.

“Talvez não seja ruim se passarmos alguns aqui também. É só que nós não seremos capazes de nos sustentarmos aqui por um tempo longo o bastante pra fazer daqui nosso lar.”

Centralle era fria com aventureiros.

Não, mais ainda, ela realmente não gostava deles.

Se monstros alguma vez aparecessem, os cavalheiros e soldados seriam prontamente despachados.

Os biscates eram disputados pela altamente populosa população. Diferente de Daliem, não era um lugar apropriado para um aventureiro residir.

Mas já que isso era o centro do país, era uma metrópole onde bens e informações se acumulavam.

Aria estava fazendo uma expressão conflituosa.

“Após ser expulsa, eu duvido que eu serei capaz tolerar o trabalho de aventureira por aqui. Só nós ficarmos um pouco, eu ficarei bem, mas eu terei que recusar se vier a morar.”

A filha da Casa Lockwarde posta para fora de Centrale, Aria, não podia se permitir a montar um lar nesta cidade.

“Nós estamos aqui para compras e coleta de informações. Uma vez que tenhamos tudo que precisamos, nós sairemos.”

Nós temos a maior parte do que precisamos.

Apesar de termos armas, eu gostaria de ter uma arma que não drene minha Mana.

Quando era necessário, eu podia tornar a Joia na larga espada, mas se aquilo fosse tudo que eu tivesse, eu seria deixado em uma situação bem ruim.

“Lyle-sama, você vai estar circulando pelas lojas de armas?”

Novem perguntou e eu respondi.

“Eu também vou parar pelas de armaduras. Eu também gostaria de passar pelas livrarias também.”

A livraria era o pedido dos ancestrais.

Eu toquei a Joia.

A razão que ela estava muito mais quieta que antes era porque a Primeira Geração havia partido.

Ele era sempre o barulhento.

“Bem então, vamos dar uma olhada pelas lojas. Aria-san, tem algumas lojas famosas ao redor? Armas, ou armadura, ou até livros… se houver algum lugar útil que você conheça, eu gostaria de perguntar.”

Novem inquiriu se havia algum lugar que ela conhecesse.

E a Aria começou a listar os nomes de algumas lojas que ela havia ouvido falar.

“Já que é Centralle, há um monte de ferreiros habilidosos para armaduras e armas. Mas o preço é… Se for livros, eu sei de um lugar com uma boa seleção. Também há uma biblioteca, mas a essa hora do dia…”

Ouvindo sobre a biblioteca, eu pensei por um pouco.

(Se nós tivermos tempo, eu gostaria de ficar um pouco, mas eu realmente não deveria estender minha estada.)

Centralle era um lugar que consumiria a carteira das pessoas.

Eles tinham tudo em estoque, mas para compensar por este fato, os preços postos por esse ‘tudo’ eram consideravelmente altos. O custo de vida também era alto.

Enquanto eu me preocupava com isso, Novem ofereceu algum conselho.

“Se forem bibliotecas, então 【Arumsaas】 é dita ter a melhor do mundo. Digo, é famosa como sendo a cidade dos estudiosos.

Ela também assentiu.

“Eu sei disso. Eu acredito que é uma cidade que reúne jovens talentosos pelo território, não é? Mas não há lorde feudal lá também. Eu acho… os estudiosos da cidade enviam representantes que decidem várias coisas. Talvez da mesma maneira que Beim?”

Como uma cidade livre, Beim era administrada por mercadores.

Já que não havia lorde feudal lá, era uma cidade bem fácil para aventureiros viverem.

“Arumsaas ou Beim… de qualquer maneira, nós deveríamos decidir após reunir alguma inteligência.”

Dizendo isso, eu ergui a bagagem, enquanto começava a caminhar para encontrar uma pousada para ficar a noite.

“Ei, eu posso pelo menos carregar a minha.”

Aria freneticamente tentou pegar sua bagagem de volta, mas eu recusei e caminhei adiante.

“Não se importe, e vamos indo. Novem, pare de rir e se apresse.”

“Sim, me desculpe, Lyle-sama.”

Eu apresso a Novem, que havia começado a sorrir à minha troca de palavras com a Aria e caminhei pelas ruas da capital.

Quando eu me lembro das ruas do passado que eu caminhei com a Primeira Geração, eu vejo alguns traços restantes.

Mas diferente de antes, elas haviam ficado bem arrumadas.

“Com certeza que isso aqui mudou.”

Enquanto eu murmurava isso, Aria inclinou sua cabeça.

“hmm? Você veio aqui antes? E espera, eu não acho que essa área tenha mudado tanto assim. Lyle, você está bem?”

Aria direcionou um olhar incerto para mim e eu dei um sorriso torto.

“Sim, eu acho que faz uns duzentos anos.”

Quando eu disse isso, ela começou a me encarar intensamente.

“É uma piada. Essa é minha segunda vez aqui. Na última vez, nós só paramos no nosso caminho para Daliem… isso é tudo.”

O céu estava, assim como quando eu caminhei por essas ruas com a Primeira Geração, claro e azul.


Tradutor: Batata Yacon   |   Revisora: Ana Paula



Notas:

1. isso é tipo uma forma de despedida que os japoneses usam. Tipo o “estarei aos seus cuidados” que costuma ser falado em animes quando se conhece alguém.

2. Solar é a casa de origem de uma família nobre. O nome também é utilizado de maneira mais ampla para uma residência antiga de grande luxo e conforto, relativo a sua época. Um solar podia ser habitado por nobres ou simplesmente uma família pertencente à elite tradicional e antiga de uma região ou cidade. -wikipedia


Fontes
Cores