Setes – Volume 10 – Epílogo


Não se esqueçam que ao ler diretamente no Batata Traduções vocês têm acesso aos capítulos mais recentes.

Também não se esqueçam que comentários e interação são os combustíveis que movem a tradução adiante, deixem seus feedbacks dizendo o que estão achando da história e da Tradução. 


Epílogo

 

Dentro da floresta.

Eu me colocava diante do Dragão Terrestre cor de solo, enquanto ele afastava e pisoteava árvores de lado, avançando contra mim.

Enormes membros anteriores.

Uma cabeça larga.

Em contraste, seu corpo inferior parecia pequeno em comparação ao seu topo.

O dragão terrestre das memórias do Primeiro era de pele cinzenta, mas os daqui eram da cor de sujeira, e pareciam um ou dois tamanhos menores.

Nós fizemos os aventureiros que nos guiaram retornarem, e enfrentamos múltiplos Dragões Terrestres… quatro em total.

Eu levantava meu sabre em minha mão direita, e conferia a situação nos arredores.

— Aria e Miranda não têm problemas. May, Eva e Clara também. Novem e Mônica… parece que eu nem precisava me preocupar com elas desde o começo.

O grupo se dividira em quatro, e cada equipe enfrentava um dos Dragões. Com esses quatro, eles provavelmente haviam trabalhado em sua coordenação para enfrentar os aventureiros e Cavaleiros que marchavam contra eles.

E seus movimentos mostravam sinais de cooperação, fazendo-os inimigos bastante problemáticos.

Atrás de mim, a Shannon…

— Eu poderia apenas ter ficado esperando no Portador! Por que você teve que me levar junto!?

… chorava.

Eu não queria levá-la junto, mas a Miranda me fez. Parece que ela pensava que algum tipo de mudança ocorreria se continuássemos enchendo a garota com todos os tipos de experiências de vida.

Ela tinha Olhos Demoníacos, mas a Shannon não era uma lutadora. Ela era do tipo intelecto, que deveria manipular as pessoas dos bastidores.

Tendo sido puxada de seu confortável assento traseiro, ela estava mais para o mascote do grupo do que qualquer outra coisa.

(Mascote… entre a Mônica e Shannon, teria que ser a Shannon?)

Enquanto pensava isso, o Dragão Terrestre diante dos meus olhos levantou sua cabeça e estava prestes a soltar um rugido. Talvez fosse uma tentativa de se reagrupar com seus companheiros.

Na floresta negra de árvores densas, apenas os lugares por onde os Dragões haviam devastado se tornavam espaços abertos.

Assim, após entrar na floresta, achá-los foi fácil. Mas não havíamos ouvido nada sobre haver quatro.

— Meus ouvidos vão começar a doer, então dá pra fazer silêncio? Relâmpago!

Virei minha mão ao Dragão Terrestre, descarregando eletricidade diretamente em sua cabeça. Meu poder havia se elevado em comparação a antes, e após um enorme balançar, ele deu um passo para trás.

De trás, Shannon…

— Apenas continua acertando eles! Isso é tudo o que você precisa fazer para vencer!

Naturalmente, se eu fizesse isso, venceria. Mas presentemente, eu estava…

『Lyle, não se esqueça de enviar ordens para aqueles em volta enquanto luta.』

『Olha, o grupo da May-chan está com problemas. A Clara-chan está se mantendo parada, aguardando ordens.』

『Olhe para o todo. Se direções precisas forem impossíveis, ordens amplas servem. Absorva a situação nos arredores, e a transmita com sua Skill.』

『Você precisa se treinar como um comandante também. E esse é um oponente perfeito para isso. Vá fazer o seu melhor, Lyle.』

Eu não acho que um Dragão Terrestre seja um oponente perfeito, mas certamente, em nossa situação, podíamos cuidar de quatro deles.

Essa era a força de batalha que possuíamos, entretanto, dar ordens enquanto eu enfrentava o inimigo diante de mim era difícil. Além do mais, minhas companheiras estavam lutando a uma boa distância.

Fazendo um gesto de tocar minha orelha com minha mão esquerda, verifiquei o estado das minhas outras companheiras.

Eu o verifiquei, e dei ordens:

— Clara, tem peixes pequenos se reunindo em volta. Deixarei o suporte da Eva e da May com você; não deixe aqueles peões se aproximarem.

『Sim.』

Após retirar seu revólver do coldre em sua cintura, ela a apontou na direção dos monstros que se aproximavam. A arma que ela recebera da Vera era menor que aquela dada a mim, mas era um modelo fácil de se usar.

— Miranda, não exagere, ataque após prendê-lo. Quando minhas mãos estiverem livres, eu vou aí oferecer suporte.

『Tá~, vai acabar antes disso.』

Olhando através do campo de visão da Miranda, vi que o Dragão Terrestre era incapaz de mover um único músculo devido à nova Skill dela.

Era como se seus movimentos estivessem selados por incontáveis teias de aranha, e o Dragão Terrestre freneticamente remexia-se para se libertar daqueles fios grudentos.

Aria deu-lhe um corte, removendo-lhe um espesso naco de carne.

— … Entendo. Então o último. Mônica… Novem… lutem direito, tá?

Após descobrir que não havia problemas no lado da Miranda, olhei para a Novem. O Dragão Terrestre em minha frente cautelosamente se afastava.

Enfiei meu sabre no chão, e puxei um revólver do coldre na parte de trás da minha cintura. Quando apontei o revólver negro na direção do Dragão Terrestre e atirei, a bala errou o alvo enorme, e afundou-se nas árvores atrás.

Atrás de mim, Shannon cobriu sua boca.

— … Pff!

E das minhas companheiras conectadas a mim…

『Lyle, você ao menos praticou? Para de tentar parecer legal, e se recomponha!』

Ouvindo a voz irritada da Aria, enviei minha mente de volta até a posição da Novem para dar minhas ordens.

— Mônica, você deveria pelo menos tentar coordenar ataques.

『Mesmo que me diga isso tão tarde… e estou descontente com meu despache. O que você está tentando fazer me colocando junto daquela megera? Se eu, Mônica, não estiver ao lado do meu Frangote, não consigo fazer força nenhuma.』

Novem, por outro lado…

『Mônica-san, vou usar um pouco de magia, então pode mantê-lo em um lugar só?』

Ela estava relaxada.

O Terceiro me disse que havia um problema com minha distribuição de pessoal:

『Lyle, tenha cuidado com formações. O lado da Novem tem excesso de potencial de guerra. Você deveria ter colocado a Mônica sozinha, e fazer a Novem-chan circular em volta para oferecer suporte aos outros ou a você.』

O Quarto concordava:

『E tem aquele assunto de dividir o seu grupo. Teria funcionado melhor se o tivesse dividido em três ou dois, e feito cada grupo trabalhar junto para apanhá-los um de cada vez.』

Enquanto eles continuavam a achar problemas, terminei de dar as ordens, e com o revólver ainda em minha mão, usei minha esquerda para puxar meu sabre do chão.

— Se eu não consigo acertar, só preciso chegar mais perto!

Chutei o chão para me aproximar do Dragão Terrestre, ficando à queima-roupa, antes de puxar o gatilho de novo.

Quando a bala acertou sua pele grossa, sua força certamente foi o bastante para perfurá-la. Mas isso não teve muito efeito na enorme constituição do Dragão Terrestre.

Ele deu uma varrida em minha direção com seus enormes membros anteriores, e lancei meu sabre, atravessando seu olho esquerdo.

Após aterrissar, para ficar fora de seu campo de visão, circulei pela esquerda, levantei minha arma, e mirei em seu olho restante.

Um tiro. Dois tiros.

As balas que erraram, acertaram a mandíbula inferior feroz do Dragão Terrestre, mas não a perfuraram.

(Se eu a utilizasse com a Skill do Segundo, talvez pudesse acertar, mas…)

Para praticar um pouco, eu estava atirando sem usar a Skill. Graças a isso, eu não conseguia acertar nada.

O Quinto observava a potência da arma.

『Não é de se espantar que não estejam fazendo sucesso. Mesmo que isso possa ser uma subespécie de Dragão, se vai ser inefetiva assim, eu nunca pensaria em pagar uma fortuna por uma. E apesar de sua utilização ser mais fácil que a de um arco, o quão impreciso isso pode ser… como pensei, armas de fogo estão fora de questão.』

O Sétimo refutou essa opinião:

『Isso porque é uma Ferramenta Mágica, e não a estamos usando como uma! Se usar as Skills gravadas nela, seu poder de fogo subirá!』

Elas interferiam com as Skills da Joia, então minha afinidade com Ferramentas Mágicas não era das melhores. Não havia um problema em usá-lo como um revólver, mas se eu fosse usar como uma Ferramenta Mágica, teria que cortar minhas Skills da Joia.

O Quarto também falou:

『Sua própria premissa não está errada? Eu acredito que seja uma ferramenta conveniente de se carregar, mas nesse ritmo, é meio… Eu nunca pensaria em reunir uma porção delas.』

Finalmente me aproximando, destruí o olho do Dragão Terrestre, pulei para trás, e coloquei a arma de fogo de volta em seu coldre.

Levantando ambas as mãos…

— Trovoada!

Relâmpago caiu do céu. O corpo da Shannon tremeu enquanto ela se escondia atrás de uma árvore.

Mas o relâmpago acertou seu alvo designado, e lentamente caindo ao chão, o Dragão Terrestre soltou um cheiro queimado.

O Terceiro avaliou a batalha.

『Usar um poderoso ataque mágico após roubar sua visão… nada mal, mas como imaginado, contra oponentes de pele dura, você não possui meios o bastante de ataque.』

Se eu usasse a Joia, e pegasse a espada gigante, a batalha terminaria em segundos. Mas era ruim eu não ter nenhuma outra escolha.

A Espada, Arco e Alabarda tinham grandes consumos de Mana.

Se eu encontrasse um poderoso inimigo enquanto estivesse com pouca Mana, meu eu atual poderia apenas fugir. É claro, eu tinha minhas companheiras, então a probabilidade de isso acontecer era baixa.

O Quinto expressou uma simples estratégia:

『… São armas. No caso do Lyle, ele tem uma afinidade ruim com Ferramentas Mágicas. Nesse caso, ele deveria obter algumas armas resistentes sem Skills para carregar por aí. Há algumas armas por aí que podem cortar ferro em seu estado base. Parece que chegou a hora dele carregar uma coisa dessas por aí.』

Após o Quinto dizer isso, o Quarto concordou. Parece que ele esteve pensando no meu gasto com sabres produzidos em massa como um problema já há algum tempo.

『Você gasta alguns sabres descartáveis toda vez. Pensando no futuro, está bem na hora de você procurar por algumas peças bem feitas, e analisar seu custo-desempenho.』

Tanto em habilidade quanto em nível financeiro, a hora havia chegado para eu procurar por tais armas.

Me virando, chamei a Shannon.

— Shannon, as outras devem terminar suas batalhas em breve. Até lá, nós ficaremos em espera aqui.

Eu havia hesitado quanto a ajudá-las ou não, mas as batalhas já estavam se aproximando de seus finais.

Shannon veio até mim, e…

— … A Onee-sama matando dragões… Eu nunca teria imaginado isso antes. Me pergunto como foi que ela acabou daquele jeito.

Em resposta a uma cabisbaixa Shannon, eu…

— Isso foi culpa sua, sabe.

Dizendo isso, esperei todas se reunirem. Foi esse momento.

Senti algo suspeito, e me virei. Shannon olhou para mim, virou seus olhos naquela direção, e os cerrou.

Não havia resposta nenhuma das minhas Skills. Nada demais, realmente.

O Quinto soou um pouco nervoso:

『Nossas Skills não podem captá-los? Não, eles têm uma Skill que evita que sejam captados? Lyle, em guarda.』

Enquanto Shannon e eu continuávamos a fitar, parece que os deixamos cautelosos, já que se distanciaram um pouco.

Shannon falou:

— Eles estão flutuando um pouco de seus arredores de algum jeito, mas eles acham que isso realmente os está escondendo de qualquer coisa?

Ela inclinou sua cabeça, enquanto seus olhos seguiam o grupo em fuga.

… Miranda olhava para sua Skill 【Malha de Fios】 estendendo-se através das árvores.

Mesmo que fosse apenas uma subespécie de dragão, não se deveria subestimar o poder de um Dragão Terrestre. Ainda assim, uma fera dessas estava emaranhada em seus fios, com a Aria sentada em cima de sua cabeça. Ela estava sem fôlego.

Sangue corria por seu pescoço, e formava uma poça vermelha no chão.

Miranda permaneceu alerta aos seus arredores.

— Bem, isso foi desnecessariamente violento. Você é como um herói de algum livro de histórias, Aria.

Enquanto Miranda dizia isso com um sorriso, Aria usava sua mão para limpar o sangue espirrado nela, e falou tristemente:

— Bem, obrigada por isso. Mais importante, algum contato do Lyle…

Nesse momento, talvez as duas tivessem ouvido a voz do Lyle, já que soltaram suspiros.

Miranda verificou sua localização.

— Parece que ninguém precisa de ajuda.

Aria pulou da cabeça, se levantou no chão, e virou para olhar ao corpo do Dragão Terrestre amarrado.

— … Nós certamente não precisamos de nenhuma aqui, aposto que as outras também estão bem. Mesmo assim, sua Skill certamente é uma terrível, Miranda.

Sem deixar seu sorriso sumir, Miranda falou:

— Ora, obrigada. Sua Skill é tão máscula e legal, Aria.

Ela compartilharam algum cinismo, antes de conferirem seus equipamentos, e retornarem ao Lyle.

Com a informação que podiam perceber da Skill do Lyle, elas eram capazes de proceder através da floresta sem se perderem…

… Uma garota de pequena constituição usava suas finas pernas para chutar as massivas patas dianteiras do Dragão Terrestre.

Após deixar seu corpo girar no ar, May também chutou a cabeça do Dragão Terrestre em aproximação.

A diferença entre o tamanho de seus corpos era demasiada, ainda assim parecia como se ela estivesse brincando com o monstro.

— Hah, seria mais fácil fazer isso em forma qilin, mas o Lyle não deixa.

O Dragão Terrestre tentou atacar, então ela balançou seu chifre, e sua enorme pata voou.

Observando-a, Eva segurava seu arco.

— Ei, se apressa aí e acaba com ele! Nós temos que lidar com outros monstros também por aqui!

Ela atirava em um monstro anuro¹ que se aproximava.

Clara também enfrentava alguns, para testar a arma de fogo que acabara de receber.

Olhando para elas, a May…

— Vocês não estão atraindo eles para que não vaguem até os outros? E nós temos mais pessoas nessa posição, então aguentem.

Confirmando que o Lyle havia terminado sua batalha, May balançou sua mão direita, e cortou a cabeça do Dragão Terrestre.

Sem ser acertada por uma gota do espirro de sangue, ela subiu nas costas do dragão em queda, e sentindo a resposta de algo em sua volta, ela contraiu-se, e se virou naquela direção.

Não havia informação nenhuma vindo da Skill do Lyle, mas seus cinco sentidos lhe diziam que algo estava lá.

Quando ela lançou um olhar naquela direção, a outra parte parou, e lentamente começou a recuar.

May se dirigiu à Eva.

— Ei, pode tentar atirar uma flecha ali?

Porém, Eva estava tão ocupada lidando com os outros monstros, então não seria possível.

— Não dá! Então você não pode ajudar aqui!?

May estava séria, mas se eles apenas iriam embora assim, ela pensou que estaria tudo bem por enquanto, May correu até a Clara.

Nisso, a Clara falou:

— Espera um momento… o Lyle-san disse para ficarmos alertas aos nossos arredores. Fiquem juntas tanto quanto possível, não vaguem, ele disse. Parece haver alguma coisa que ele não consegue detectar com Skills.

Ela falou enquanto abria o cilindro de seu revólver, e trocava seus cartuchos.

Ela não estava acostumada aos movimentos, então estava se movendo muito ineficientemente.

Eva virou-se aos arredores, antes de inclinar suas orelhas, pegando uma flecha da aljava, e a encaixando.

— Espera, até o Lyle não pode detectá-los? Parece que não é bom dependermos demais das Skills dele.

E ouvindo um som, Eva disparou a flecha na direção dele.

Mesmo não havendo nada lá, a flecha foi jogada de lado, instantaneamente colocando as três de guarda.

May se colocou na frente, como se para proteger as outras duas.

— Não é um monstro? Talvez um humano.

Elas deixaram suas costas uma para a outra, enquanto a presença continuava a se distanciar…

… Mônica colocava seu enorme martelo no chão, e olhava para o Dragão Terrestre que havia esmagado.

Enquanto a magia da Novem parava seus movimentos, ela circulou até as costas, e desceu sua arma gigante.

Sua metade inferior estava em um estado terrível, mas mesmo assim, poderia ser negociada por um alto preço, então Mônica afagou seu peito em alívio pelas finanças de sua casa.

— Hah, com isso, seremos facilmente capazes de alcançar a quantia que estamos almejando. Mesmo assim, não posso aceitar ser combinada com essa megera. Eu sou uma existência que reluz precisamente por estar servindo meu Frangote. Como alguém do elenco de apoio, meu papel é me colocar diagonalmente atrás daquele Frango!

Olhando para Mônica se agitando, Novem deu um sorriso amargo.

Mas ouvindo a voz do Lyle, ela se inclinou para escutar.

Vendo seu gesto, Mônica falou com ciúmes.

— Maldição… ele até me beijou no navio, mas quando volta ao normal, ele diz que eu não preciso de um, e amarela… Hah, me pergunto quando é que seu próximo Momento Febril vai chegar.

Já havia uma linha entre Lyle e Mônica, e por causa disso, usar sua Skill… Conexão… não requeria um beijo.

Desapontada por esse fato, Mônica olhava para as outras membras com inveja.

— Se é assim que vai ser, eu vou aumentar a ingestão de calorias delas dia após dia, e trazer angústia às balanças delas.

Após rir por esse assomo de travessura, Mônica arregalou seus olhos, e pegou seu martelo.

Ela tirou sua mão esquerda de seu cabo, pegou uma pequena faca de sua manga, e a lançou no lugar que a incomodava.

Seus olhos podiam claramente assimilar a existência que as Skills do Lyle não captavam.

Novem levantou seu cajado, e mirando no lugar onde Mônica havia lançado sua faca…

— Mão de Terra!

Braços emergiram do solo com a intenção de prender, indo ao inimigo invisível. A faca da Mônica estava flutuando no ar, e parecia ter sido enfiada em algo. De sua ponta flutuante, sangue vermelho fluía.

E lentamente, tanto a faca quanto o sangue desapareceram.

As Mãos de Terra Feitas de magia foram dilaceradas no ar de repente.

Vendo isso, Novem sondou a área.

— … Ali.

— Megera, para trás!

Mônica exclamou, mas Novem não esquivou.

Ela mudou a forma de seu cajado, formou uma foice, e bloqueou o ataque do inimigo invisível. Talvez isso houvesse surpreendido o inimigo, já que imediatamente bateu em retirada.

Mônica estava prestes a perseguir, mas o Lyle deu uma ordem de não seguir, então ela parou.

Novem olhou para a mata, como se para visualizar as costas do inimigo em fuga…

 

— Mas que droga! Por causa de toda a informação entrando, mantê-la em Busca deu errado.

Quando todas as minhas companheiras se reuniram, eu cortei a Conexão, e usei a Skill do Sexto… Especificações Reais… para compreender a situação nos arredores.

Eles eram difíceis de se ver, mas certamente, havia múltiplos sinais vermelhos em volta.

Desacostumado a isso, as outras não eram capazes de processar toda as informações de Especificações Reais. Ela causava dores de cabeça, e isso era um fardo, então não fazia uso dela.

Trocar para ela no meio da situação iria entrar no caminho da batalha das outras, então incapaz de fazer isso, pude apenas esperar minhas companheiras voltarem.

Miranda olhava para mim enquanto perguntava meus planos.

— O que você vai fazer? Eu não acho que perderemos, mas usamos bastante tempo vindo para esta floresta. Não temos muito tempo para desperdiçar brincando de gato e rato.

Eu pensava em que razão o inimigo poderia ter para nos atacar.

(É coisa da Celes? Ela ou alguém em volta finalmente enviou assassinos? Mas estamos em Cartaffs. Se eles fossem fazer isso, seria mais eficiente esperar em Beim.)

Meus pensamentos não se organizavam, mas eu olhava em volta.

— Os monstros da floresta estão começando a se agitar. Após coletar os materiais, vamos retornar para a Guilda. Não podemos desperdiçar mais tempo em nada que não vá nos fazer dinheiro.

Tão irritante quanto isso possa ser, nós não tínhamos a folga para persegui-los.

E os movimentos que eles demonstravam eram apenas aqueles de nos sondar

A Terceira Geração na Joia concordava com a minha opinião:?

『Você não tem tempo, então mais que isso é impossível. Mas certifique-se de estar preparado para lidar com eles se atacarem. As noites serão problemáticas.』

Eu imediatamente comecei a definir os papéis para a vigília noturna.

… Em um lugar longe da floresta, Larc puxava a faca enfiada em seu braço.

— Aquela mulher… até minha Skill foi inefetiva? Puxa vida, se eu fosse atacar, deveria ter escolhido um grupo diferente. Talvez retirar o cara do caminho primeiro.

Observar aventureiros habilidosos.

O objetivo original deles era apenas descobrir seus potenciais de batalha, mas tendo sentido um desejo de obtê-las, Larc acabou levantando sua mão. Com sua aproximação percebida, ele acabou encontrando um contra-ataque.

Uma companheira sua se desculpou.

— Me desculpo profundamente. Para eles terem alguém de seu lado capaz de ver através da nossa Skill…

— Não, elas só estão me fazendo desejá-las mais. Não preciso do cara, mas o resto é um baú de tesouro. Apesar de eu realmente não saber o que pensar sobre uma delas. Se for forte, não me importo em mantê-la ao meu lado.

Eles estavam todos vestindo robes caros, e cada robe tinha uma Skill gravada em si.

Ferramentas Mágicas para prevenir detecção por Skills, e visual.

— Larc-sama, deixe-me curar seus ferimentos.

Larc apresentou seu machucado para a mulher especializada em magia de cura, e fitou aquela que havia produzido as Ferramentas Mágicas.

— Oy, as ferramenta mágicas que você fez realmente funcionaram, não é?

A mulher assentiu algumas vezes, temerosa à raiva dele.

— M-Me desculpe! M-mas… você foi capaz de se aproximar, então elas certamente tiveram um efeito. E-elas são minhas originais, então não d-devem ser conhecidas ao público geral.

Ele virou seus olhos da mulher se encolhendo para a floresta, e olhou para seu braço completamente curado. O ferimento havia se fechado, e não tinha deixado uma cicatriz.

— … Pensei que minha Skill fosse encantar uma dou duas delas, mas foi inútil. Nesse caso, teria sido melhor ir atrás da princesa da Casa Trēs. Mas que Droga! Eu desperdicei algum tempo inutilmente.

Um irritado Larc havia sido capaz de ver o poder das forças do Lyle de perto. E quando deduziu que nunca teria chance de frente, imediatamente começou a tentar afastar uma ou duas de suas fileiras.

Uma Skill para atrair o sexo oposto, 【Charme】.

A posse de tal Skill colocava Larc em uma posição enormemente vantajosa ao lidar com mulheres.

Mas esse charme tinha limitações.

Tudo o que ele realmente fazia era com que fosse mais fácil obter suas atenções, e se ele realmente quisesse fazê-las dele… teria que usar sua Skill de Segundo Estágio, 【Tentação】.

Entretanto, essa fraqueza tinha uma fraqueza onde após usá-la uma vez, ele não seria capaz de utilizá-la por um tempo.

— … Eles não são oponentes onde o mesmo truque funcionará duas vezes. Admitirei derrota por enquanto. Pensei que se pudéssemos tomar alguns materiais de Dragão Terrestre, isso nos daria uma chance de uma audiência com a Ludmila, sabe.

As mulheres em volta escutavam suas palavras com fascínio.

O manto cobrindo seu corpo havia perdido seus efeitos, e quando Larc o jogou de lado, algumas competiram em uma disputa por ele.

Com uma enorme espada negra sobre suas costas, Larc…

— Bem, tenho certeza que a chance virá algum dia. Eu apenas esperarei até lá… até o dia em que me tornarei o rei deste país. Desde que eu consiga fazer Ludmila se apaixonar por mim, o resto será todo meu.

Larc caminhou rumo a onde seu cavalo estava amarrado, e suas mulheres seguiram junto…

… Dentro da Joia.

Com a aparição dos atacantes, havia quatro pessoas reunidas para pensar sobre seus objetivos.

Terceiro, Quarto, Quinto, Sétimo. Eles cercavam a mesa redonda, dando suas previsões sobre o inimigo.

『Pessoalmente, pela informação que o Lyle recebeu, provavelmente é aquele jovem aventureiro, não é?』

Diante da opinião do Terceiro, aqueles em volta assentiram. O Quarto removeu seus óculos, e começou a esfregar suas lentes.

『Posso apostar. Ele tinha algum tipo de Skill para encantar seus oponentes. Não, tenho a sensação de que é limitada ao sexo oposto, todavia.』

O Quinto, mesmo sabendo disso, não parecia ter interesse nenhum no jovem aventureiro em si.

『Ele se moveu pelas ordens da Celes, ou por alguém em volta dela? Se ele estiver fazendo isso por conta própria, isso deixa as coisas agradáveis e simples.』

O Sétimo soava incomodado..

『Se ao menos nós tivéssemos tempo, estaríamos no meio de surrar ele até virar farrapos. Mas realmente achamos alguém problemático em Cartaffs. Acredito ser melhor derrubar ele enquanto estamos aqui.』

Ao invés de problemática, era uma Skill perigosa. Além do mais, não importava como eles vissem, a pessoa que a possuía também era perigosa.

Já que eles queriam ganhar a cooperação de Cartaffs, teriam que pensar em um meio de se livrarem de qualquer um que entrasse em seus caminhos.

『Mas não temos prova nenhuma dessa vez. Se o Lyle se livrar dele, isso se tornará um problema. Teremos que arrumar alguma evidência, mas…』

Após o Terceiro ter dito isso, de dentro da Joia… da sala de conferências, veio o som de uma porta se abrindo.

Todos olharam em volta. Naquele exato momento, todos os membros já estavam reunidos. Era impossível alguém estar abrindo a porta para suas memórias.

E os quatro pares de olhos se viraram para o quarto de memórias do Lyle.

Dele, uma mulher saiu.

Não era a Celes. A mulher que era mais madura que a irmã do Lyle parecia estar em seus vinte. O primeiro a reagir foi o Quinto. Ele se levantou de seu assento, olhou para a mulher, e arregalou seus olhos.

『… Milleia, por que você está aqui?』

Vendo o Quinto esfregar seu suor, os três restantes se levantaram, e fortaleceram suas guardas. Enquanto isso acontecia, a mulher com longos, ondulantes, cabelos violetas lançou um olhar de seus olhos dourados em volta da sala.

Vestida de branco, ela levantou as bordas de sua saia e ofereceu uma educada apresentação.

Milleia Walt… ou talvez Milleia Circry não foi uma dona da Joia da Casa Walt.

Era estranho ela existir neste espaço.

Milleia abriu sua boca:

『É um prazer estar em vossas presenças, Chefe de Terceira Geração Sleigh-sama, Chefe de Quarta Geração Max-sama, e Chefe de Sétima Geração Brod-sama. Já faz um tempo, pai.』

Uma aparência similar à Miranda.

Mas uma atmosfera mais madura e calma que ela. Os olhos dourados da mulher eram os mesmos olhos demoníacos que Shannon possuía.

『Chamo-me Milleia. Milleia Walt. Já que o dono desse quarto, Lyle, ainda há de sequer tentar colocar um pé para dentro, eu fui aquela chamada para guiá-lo. Parece que dentre aqueles da Casa Walt, eu fui considerada a mais digna.』

Os ancestrais dentro da Joia eram seres de memória, sem exceções. Eles tinham vontades, mas não era como se suas almas estivessem seladas dentro.

E Milleia posta diante deles era o mesmo. A mulher em si havia morrido, e essa era uma entidade feita de memórias…

Mas isso era estranho. Milleia e a Joia… era uma gema azul na época, mas as duas nunca haviam entrado em contato.

O Sétimo abriu sua boca:

『Uma guia, você diz? Saindo do quarto de memórias, uma coisa dessas é…』

Completamente ignorando suas confusões, Milleia falou com um sorriso:

『Há uma necessidade do Lyle saber tudo. Essa é a vontade da Joia. Será problemático se ele continuar a negligenciá-la.』

Quando ela falou da vontade da Joia, a confusão dos ancestrais apenas cresceu.

O Terceiro murmurou:

『A vontade da Joia? O que isso poderia…』


Milleia (ノ´∀`*):  — Apareci.

Chefe de Quinta Geração (;゜Д゜): — E-entendo?

Chefe de Quarta Geração (;[email protected]∀@): — E-e quanto à minha esposa!? Ela não vai aparecer, né! Né!?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

???|д゜) *Olhando* : — Cheguei.


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Fazendo uma outra propaganda de Lorde Maligno, que é outra novel excelente do mesmo autor de Setes, deem uma conferida no link abaixo:

Lorde Maligno de um Império Intergalático

O Link está indo direto para o prólogo, caso queiram dar uma olhada na sinopse primeiro ao invés de ler às cegas, basta dar um clique aqui.



Fontes
Cores