Setes – Volume 10 – Capítulo 1 – Princesa Real de Lorphys


Não se esqueçam que ao ler diretamente no Batata Traduções vocês têm acesso aos capítulos mais recentes.

Também não se esqueçam que comentários e interação são os combustíveis que movem a tradução adiante, deixem seus feedbacks dizendo o que estão achando da história e da Tradução.


Princesa Real de Lorphys

 

O Quarto em Zayin estava ficando mais e mais próximo de ser minha prisão de trabalho.

Nele, eu sentia vontade de chorar.

Trabalho sem fim.

E trabalho crescente.

Por que é que nós ao menos precisamos fazer isso? Trabalho que não podia deixar de te fazer pensar isso.

— Por que eles não se movem? Mesmo quando já estamos prontos do nosso lado.

Uma causa justa para invadir Selva, assim como os soldados e suprimentos necessários. Nós já temos tudo reunido. Não, para sermos precisos, iríamos reciclar o que Zayin tinha guardado para usar na invasão de Lorphys.

A escala seria de quatro mil.

Essas eram todas as tropas prontas para batalha que podíamos preparar, e nosso suporte logístico tinha por volta dos mesmos números. Ao mesmo tempo, estávamos contratando brigadas de mercenários para terminar de preparar para a invasão.

Os números eram menos da metade do que Zayin planejava usar em Lorphys. Mas isso era o bastante.

Devido a situação diplomática de Selva, eles não podiam contar com reforços. Eles tinham os países maiores de Galleria e Rusworth em sua volta, mas aqueles dois estavam se encarando, e não havia sinal de eles chegarem perto de despachar reforços. Para ser franco, apesar de Selva não ter nenhum grande inimigo diplomático, eles também não tinham aliados.

Eles pareciam em grande parte, desinteressados.

Aqueles que haviam se tornado mestres em serviços burocráticos, eu, Novem, Miranda e Clara olhávamos na direção da May enquanto ela se sentava no centro da sala.

May estava comendo uma refeição que a Mônica havia preparado.

— Eu entreguei a carta de novo propriamente, sabe? Mas “outra reunião”, foi o que ele disse. Realmente é um processo longo.

May riu, mas nenhum de nós sentiu vontade de se juntar.

Me levantei, e falei para a Novem.

— … Estou indo confirmar as coisas com o Gastone-san. Preciso fazer a Aura-san e Thelma-san escreverem alguns documentos, então não voltarei por algumas horas.

Novem sorriu para mim.

— Muito bem. Me certificarei de avançar com o trabalho aqui.

Ela se despediu de mim com essas palavras. Miranda e Clara estavam fazendo expressões de dúvida, e Mônica atuou como uma intérprete para o sentimento delas.

— Vejo que está fugindo, Frangote maldito.

Em uma sala do templo.

Era um lugar mais tranquilizador que o resto dele.

Plantas em volta, e água corria pela construção extravagante da sala. A mesa branca e redonda por quatro pessoas, mas essas quatro faziam caras debilitadas opostas aos seus arredores.

Uma desgastada Thelma-san verificava algo com um Gastone que parecia prestes a desfalecer a qualquer momento.

— Gastone, como está a presente situação?

Tenho a sensação que o Gastone-san estava ainda mais esfarrapado do que a primeira vez que o vi. Sua tez estava pálida, seus olhos injetados, e a mão levantando seu copo de chá estava tremendo.

— Sem problemas além da questão com Lorphys. Não, há problemas, mas estão em um nível em que poderíamos dar conta de um jeito ou de outro.

Uma fraca Aura-san colocou sua mão direita nas costas de sua cadeira, e curvou seu corpo enquanto comia alguns doces. Eles foram preparados pela Mônica.

— E por que você não pode apenas chamá-los de volta logo? Se chamar de volta os sacerdotes espalhados aqui e ali nas regiões periféricas, isso será resolvido de uma vez, não vai? Ah, esses não são ruins.

Apesar de fazer uma expressão deleitada enquanto mastigava os doces, Aura-san também parecia bastante exausta.

Thelma-san falou:

— Mesmo se os chamarmos, temos muito poucos para enviar no lugar deles. Já que estaremos mudando o governo do território de modo fundamental, eles têm um bocado de trabalho para realizar por lá. Você se tornou a Donzela Sagrada oficialmente. A fim de prevenir interferência estrangeira, também iremos levar hereditariedade em conta.

Até agora, Zayin havia sido influenciada por outras nações, e manipulada a lançar guerras constantes. Mudar isso seria uma quantidade considerável de trabalho.

Uma porção de sacerdotes havia caído; essas perdas foram maiores do que as baixas da guerra anterior. Aqueles caídos receberam tratamento, antes de imediatamente serem colocados de volta para trabalhar.

Isso era o inferno.

Gastone-san olhou para mim.

— Então você estará indo para Lorphys, Lyle-dono? Não posso preparar os documentos imediatamente, mas como devo dizer… Por que Lorphys não está se movendo? É um gasto considerável para nós termos que manter nossas tropas de prontidão aqui.

Menos que a metade das tropas. Mas para mobilizar um exército e mantê-lo, dinheiro e suprimentos eram necessários. Se Lorphys não se movesse, seríamos nós que ficaríamos imóveis.

— Estou indo lá para perguntar. Eu quero colocar logo um fim nisso.

Thelma-san me olhou.

— Você tem outro plano?

Peguei meu copo em mãos, e após um gole de chá, fechei meus olhos, e sacudi minha cabeça.

De dentro da Joia, o Quinto soltou sua voz:

『Você recorreu a táticas porque não tinha os números, mas com os números reunidos, um ataque frontal é a melhor opção. É melhor manter as perdas baixas, mas números são, por si só, um plano e um poder.』

Reunir tropas também era uma forma de poder. Se você puder fazer isso, então não precisa ter que elaborar um plano arriscado toda vez.

— Nada do tipo. Será uma guerra normal. E a razão de eu poder vencer com estratégia foi por ter todos vocês comigo. Eu não seria capaz de fazer muito trabalhando sozinho.

Aura-san me encarou com olhos duvidosos.

— Oh, me pergunto. Ouvi pelas virgens do templo, mas na cidade, nosso Capitão dos Cavaleiros Sagrados está sendo tratado como um herói. Um herói que usou uma pequena força para derrotar legiões de homens. Que irônico deve ser que nunca lutamos contra um enorme exército.

Eu ri:

— Se enfrentássemos um enorme exército, então mesmo se alcançássemos vitória lá, teríamos perdido a guerra.

Thelma-san sacudiu sua cabeça.

— Mas primeiro você teria que vencer lá para haver uma chance de vitória. Ainda assim, nesse caso, por que Lorphys não está se movendo? Será que duvidam de nossas forças? Com nosso exército tendo perdido para uma minoria?

Essa pode ser uma possibilidade. Eu venci demais, tanto que Lorphys pode ter passado a acreditar que o exército de Zayin era fraco.

Que não éramos de confiança.

— Qualquer que seja o caso, precisamos colocar Lorphys em ação. Estarei de volta assim que puder, então por favor sigam em frente com as preparações.

Quando falei isso e me levantei, o Gastone-san…

— Por favor retorne tão rápido quanto possível. Ou realmente teremos cadáveres em nossas mãos.

… Gastone-san me ameaçou com um sorriso exausto.

Após montar May até Lorphys, fui diretamente para o palácio real.

Antes que eu pudesse ter uma audiência com a Princesa, deveria falar com o Lombolt-san primeiro. Alette-san foi escolhida para ser minha guia.

Caminhando pelo palácio, puxei conversa com a Alette-san:

— Então, como está a situação em Lorphys?

Alette-san parecia um pouco tensa.

— Se acalmou. Uma maioria acredita que a guerra foi evitada.

Parece que estavam muito negativos quanto a guerra.

— Em Zayin, realizamos um anúncio formal de que era Selva que estava maquinando por trás desse assunto. Estamos preparados para mobilização, e se possível, gostaríamos de agir imediatamente.

Nisso, Alette-san se virou para mim.

— Nós também queremos nos mobilizar. Mas a opinião dos líderes está dividida em cada reunião. E tenho que pedir a você que não os atice demais.

Quando me coloquei em guarda, Alette-san fez uma expressão conflitante.

— A Princesa Annerinne disse para perdoar Selva por isso. Sem anular seu noivado, ela expressou um desejo para Zayin recuar.

Quando fiquei surpreso demais para falar algo, algumas vozes risonhas vieram da Joia.

『Mas o que é isso? Simplesmente horrível!』
『Agora é a hora de atacar. Totalmente impossível!』
『É uma coisa boa não termos nos juntado ao lado de Lorphys. O que devemos fazer? Atacar por conta própria?』
『Administrar isso será um saco. Vai ser bem fácil derrotar eles, mas o Gastone não vai sobreviver.』

Quando eu estava me sentindo tão cansado, os Ancestrais soavam como se estivessem gostando disso.

Eu sabia que ela havia se apaixonado pelo cara, mas não achei que fosse a esse ponto.

Falei para a Alette-san.

— Hm, já realizamos o anúncio oficial de que iríamos atacar, sabia?

Ela assentiu:

— É, eu sei sobre isso. Mas a Princesa… nós também queremos nos mover. Mas não podemos fazer isso sem ordens.

O Sétimo, alegremente:

『Hahaha, estou ficando com vontade de esmagar Lorphys agora. Será que devemos simplesmente tomá-los enquanto estamos nisso?』

Diante dessa opinião, o Quarto:

『Rejeitado. Já como estão, o grupo do Lyle não está conseguindo lidar. E tomá-los vai levar tempo. Teremos que fazer a Princesa abrir seus olhos. Bondade deveria ser uma virtude, mas… é doloroso ela não poder reconhecer a presente situação.』

O Terceiro falou em um tom mais baixo que o normal.

『Uma decoração deveria se comportar como uma decoração. O que ela está tentando fazer desistindo… parando para pensar, havia outros nesse país com pretensão ao trono, não havia?』

O Quinto negou essa opinião:

『Eles são um país pequeno afinal. Parece que a atual Princesa na verdade é relativamente popular. Parece que haverá aqueles que se revoltarão se ela morrer.』

Desapontado, o Terceiro falou:

『Entendo… mas a própria ia se casar com aquele Dario, então se pedir a ela para abrir mão de sua posição, ela não entregaria alegremente?』

Ele não havia desistido ainda.

(Mas o que é que ele acha tão divertido sobre isso?)

Sacudi minha cabeça, e caminhei pelo corredor do palácio. Estava um pouco curioso quanto ao porquê da Alette-san parecer um pouco nervosa enquanto me observava.

A câmara de audiências.

Nela, encontrava a figura do Dario me encarando.

A Princesa, Annerinne, mostrava alguma tensão enquanto me olhava. Em contraste, Dario parecia um pouco assustado.

Eu viera como um mensageiro, então planejava transmitir brevemente meus assuntos, e esperar por uma resposta. Os Cavaleiros também estavam na câmara, junto ao Lombolt-san e outros ministros.

Todos estavam tensos, mas entre eles, o medo de Dario era descabido.

Por alguma razão, o Sétimo explodiu em risadas.

『Dayum! Ao invés de esconder o Príncipe Selviano, eles o colocaram na frente… eles não têm intenção nenhuma de negociar, têm!? Isso é mal, meu estômago dói!』

Algo havia disparado seu humor. Dario realmente parecia fora de lugar.

(E espera, os ancestrais não têm estado um pouco tensos demais ultimamente? Eles não estão cansados como eu ou nada assim… alguma coisa aconteceu?)

Após um pouco de tempo, a Princesa abriu sua boca.

— … Referente à questão com Zayin, talvez seja melhor eu oferecer meus parabéns.

Ouvindo isso, o Terceiro riu?

『Puxa vida! Ela já está puxando briga, essa garota! Ela não consegue nem esconder? Essa garota é honesta demais consigo mesma!』

O Quarto respondeu de modo racional:

『Não foi por isso que ela escolheu um homem acima de seu país.』

O Quinto, também racionalmente:

『Mas é claro.』

E com essa frase, todos na Joia irromperam simultaneamente em risadas. Eu realmente não entendia o senso de humor dos meus ancestrais.

Enquanto escutava suas vozes risonhas, a Princesa falou para mim com um rosto sério.

— Mas a guerra acaba aqui. Isso não é o bastante? Não tenho desejo nenhum de expandir mais essa guerra. Zayin deverá retirar suas mãos de Selva.

Os ancestrais riram. Suas barrigas doíam.

O Sétimo:

『Não, realmente foi a escolha certa se juntar ao lado de Zayin. Com essa daí no topo, as coisas seriam irritantes até o final.』

O Quarto:

『Bem, mesmo sendo interessante aos olhos de terceiros, vejo que há casos onde aqueles envolvidos não podem rir.』

Os meus sentimentos no momento:

(Não consigo sentir a menor tensão nas vozes risonhas dos ancestrais. Isso é mal. Até eu vou acabar rindo.)

Outras pessoas não podiam ouvir essas vozes, tenho certeza. Eles estavam aguardando por uma resposta com rostos sérios.

Mas com toda a risada entrando nos meus ouvidos, eu podia apenas considerar a atmosfera séria como uma comédia.

— Não, nós já realizamos o anúncio formal e uma declaração de invasão, então uma retirado trará vários problemas à nossa posição. E em nossas negociações com Lorphys, ambos os lados já concordaram em atacar juntos.

A Princesa Real abaixou sua cabeça, e falou com pesar:

— Então ficaremos bem sem o retorno das terras uma vez roubadas de Lorphys. Isso não é o bastante para apaziguá-los?

Lombolt-san falou:

— Vossa Alteza, isso está errado!

Ele começou a explicar a atual situação, mas estava ficando muito difícil para mim conter a risada. A cada vez, os ancestrais contribuiriam com seus comentários.

O Sétimo até…

『Quando eles não fizeram nada, nós deveríamos retorná-las? Ela simplesmente vai ignorar que prevenimos Zayin de invadi-los? Ora, ora, mas que conveniente.』

O Terceiro:

『Ela realmente é uma Princesa conveniente. Não, uma mulher conveniente, talvez?』

Houveram mais algumas risadas a seguir. Nisso, o Quinto:

『Vocês nunca estariam dizendo essas coisas se suas esposas estivessem aqui.』

O Quarto:

『Para. Não traz isso agora… você fez um suor estranho começar a sair, olha.』

Os ancestrais… nenhum deles conseguia levantar suas cabeças para suas esposas, pelo que parece.

Eles geralmente colocavam uma bravata, mas quando eu pensava no quão desesperados eles certamente deveriam ser diante de suas esposas, me fazia sentir vontade de rir. Não, eu acabei rindo.

Quando olhos chocados se focaram em mim, eu olhei em volta. Suas expressões eram o auge da seriedade.

Pigarreei.

— Não, minhas desculpas. Hm… bem, usemos essa oportunidade para lavar todas as descortesias que trocamos. Então, Lorphys será capaz de enviar tropas? Ou não irão? Não poderia ser… que vocês dirão que vão ajudar Selva, não é?

Quanto tentei acalmar as coisas desesperadamente, me apressei sem escolher minhas palavras, e acabei me arrependendo de minha declaração.

O Quinto falou:

『Nossa, então você sabe como agitar as pessoas, Lyle. Sozinho em uma base inimiga… não se tem muitas oportunidades assim. Ai, meu fígado.』

Aquilo foi realmente um deslize causado por pânico, e eu realmente não podia dizer nada em minha defesa.

A Princesa falou:

— Tentando nos ameaçar. Lorphys nunca tomará lados com alguém que pode agir de modo tão injusto! Se deseja conversar com armas em mãos, nós o enfrentaremos!

Todos presentes tentaram impedir a Princesa. Mas ouvindo as risadas dos meus ancestrais, até isso começou a se parecer com uma comédia.

Eu não podia sentir que essa era uma situação tensa minimamente.

(Isso não é bom, não consigo mais me segurar.)

A fadiga do trabalho estranho, e o estado imóvel da situação me cansavam. Eu estava psicologicamente exausto, então cometi um erro que normalmente nunca cometeria…

Minha voz ecoou através da câmara, meus arredores tornando-se friamente quietos em contraste.

… Eu acabei rindo em voz alta. Talvez determinando que essa tivesse sido uma má escolha, o Quarto prosseguiu com seu julgamento.

Suas palavras:

『Lyle, não importa o quão interessante isso possa ter sido, você riu demais. Pelo menos mantenha sua expressão constante, e certifique-se de que eles não possam ler suas intenções quando o faz. Agora, essa daí foi ruim, então troquemos nossa mão. Não, neste caso, seriam as palavras…』

Minhas memórias passadas do Quarto me levando a tentar seduzir a Thelma-san reviveram, mas eu estava certo que ele não faria nada assim aqui, e decidi acreditar nele.

Repetindo suas palavras:

— … Você nos chama de injustos, mas Lorphys já foi um dos países usando Zayin, não foi? Acha que somos ignorantes? A Donzela Sagrada de três gerações passadas foi uma pessoa de Lorphys. Enquanto estamos nisso, há registros de fazerem uso de Zayin para invadir e saquear em Selva.

… Quando estávamos classificando os documentos, eu vi tal informação. O país tinha tal passado, e sempre que caíam em problemas, eles faziam registros adequados.

A zona de fronteira de Zayin, Selva, e Lorphys. A delimitação era vaga, então escaramuças eram coisas comuns.

Nunca pensei que a papelada se provaria útil aqui, mas isso realmente não me fazia feliz.

— Então está implicando implica que vocês são todos justos? E nesta situação com Selva. As coisas foram feitas para colocar Lorphys sob o governo deles. Em outras palavras, eles estavam tentando invadi-los, Princesa. Você vai apenas calar sua boca e permitir? Do ponto de vista de Zayin, não podemos ignorar um país desses expandindo seu poder nacional.

Aquele que havia estado em silêncio até agora, Dario, levantou-se, e berrou para mim com um tom imensamente ameaçador.

— Não fique tão metido só por causa de uma vitória! Com os débeis soldados de Zayin, você acha que pode superar o poderio de Selva!?

Eu sorri:

— Sim, essa era minha intenção. Foi por isso que reuni nossas tropas para início de conversa. Pensei já ter realizado as preparações para a vitória. Mas querido segundo Príncipe, parece que você conhece o campo de batalha muito bem. Que tal voltar para casa e começar a se preparar para guerra? Eu, Lyle, tenho um desejo de aprender uma coisa ou outra sobre o campo de batalha. E ó como você deve ser forte. Eu simplesmente mal posso esperar. Eu já estava ficando entediado com quão poucos oponentes dignos havia em Zayin.

『Ahaha, as expressões em volta estão maravilhosas.』

Eu comecei a suar enquanto prosseguia.

(Maldito quatro-olhos! Depois de me criticar, você agitou eles ainda mais! Quando eu pensei que você colocaria tudo no lugar, mas que raios você está fazendo!?)

Enquanto a expressão de Dario empalidecia, realizei as preparações para escapar. Ligada a mim via Skill… via Conexão… Instruí May a se preparar para fugir.

『May, os sinais parecem maus. Estou te implorando… se prepare para escapar!』

May falou relutantemente:

『… Foi você quem atiçou eles, não foi? Não que importe. Estarei indo ao seu resgate, então fique parado.』

Além dos olhares afiados em volta, os Cavaleiros já estavam alcançando suas armas. Eles ainda não haviam tomado postura ainda, mas abaixaram seus quadris, e estavam preparados para se mover a qualquer momento.

Dario tropeçou no chão, e aterrissou de costas.

A Princesa falou:

— Dario-sama! … Apreenda aquele tolo!

Ela virou sua mão direita para mim. Enquanto seus longos cabelos violeta — longos o bastante para alcançar o chão — balançavam, e os Cavaleiros estavam prestes a saltar, a janela da câmara de audiências se estilhaçou, e May saltou para dentro.

Em forma qilin.

Os ministros em volta e Cavaleiros recuaram ao ver sua forma.

— É-é um qilin!?
— Um Qilin veio salvar ele? Não pode ser…
— O-o que devemos fazer!?

Enquanto todos entravam em pânico, uma May em forma qilin se aproximou de mim. Ela balançou sua cabeça para me apontar para suas costas, então a montei.

— P-parado! Todos abaixem suas armas!

Lombolt-san ordenou que os Cavaleiros em volta recuassem, e me disse para esperar. Dario havia perdido sua consciência com a entrada da May, e molhado suas calças.

Como a princesa havia abraçado Dario, seus cabelos foram molhados. E percebendo isso, ela empurrou o homem para longe.

— Kyah! I-insolência! Meu precioso cabelo! A-alguém traga algo para esfregá-lo.

Vendo Dario caído no chão, o Terceiro falou:

『Acredito que acabamos de testemunhar o momento que o amor se estilhaça.』

E mais uma vez, os ancestrais começaram a gargalhar.

Enquanto um suor frio corria por mim, comecei a pensar no que fazer com o que estava por vir.

Algumas horas depois.

Montei a May de volta, e fui para a capital de Zayin.

Me foi dada uma carta de Lorphys, referente a invasão de Selva. Depois daquilo, eles rapidamente concordaram em se juntar à ofensiva.

É claro, sob a promessa de que Lorphys e Zayin não teriam hostilidades entre si.

Os outros participantes certamente se encontrariam depois para discutir os detalhes, mas tudo o que eu podia fazer era segurar a bolsa contendo os documentos, e soltar um suspiro.

— O que exatamente foi aquilo… aquela audiência…

Foi uma loucura, ou como devo dizer, tinha que me perguntar por que eu fiz uma coisa daquelas… Eu certamente estava cansado, e mentalmente instável.

Mas normalmente, isso não seria bom.

E por alguma razão, os ancestrais estavam deprimidos.

Em ordem:

『É, desculpa. Eu não consegui parar de rir… tem muita coisa acontecendo ultimamente. Eu explico amanhã.』

『… Quando tudo acabar, terei que me perguntar por que fiz uma coisa daquelas. Eu me arrependo.』

『Olhando apenas para os resultados, não houve um problema. Foi aquilo, sabe. Que… eu estava cansado.』

『Em retrospectiva, aquilo foi rude e vergonhoso. Vamos apenas esquecer que alguma vez aconteceu.』

Houve alguma coisa para cansar os ancestrais?

Pensei isso, tão exausto como estava, retornando ao meu quarto em Zayin, onde tinha certeza que minha carga de trabalho teria aumentado.

Emocionalmente, eu sentia do fundo do meu coração que não queria retornar.

(Mas talvez eu consiga fazer a Novem me consolar…)


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Delongas


Ei, se estiverem gostando do projeto e desejarem ajudar um pouco, vocês podem fazer isso acessando o link abaixo, solucionando o Captcha e aguardando dez segundos para ir à nossa página de agradecimentos.

Podem acessar por aqui.



Fontes
Cores