MT – Volume 1 – Capítulo 4 – Professora



Parte 1

 

3 anos de idade.

Recentemente, eu finalmente descobri os nomes dos meus pais.

O nome do meu pai é Paul Greyrat. Minha mãe se chama Zenith Greyrat. Meu nome é Rudeus Greyrat.

O filho mais velho na família Greyrat.

Mesmo que tenha sido nomeado Rudeus, meus pais sempre encurtavam os nomes um do outro sempre que se chamavam, e até mesmo encurtaram o meu para Rudy. Assim, só fui saber o meu nome completo após muito tempo.

 

Parte 2

 

“Oh, Rudy gosta mesmo de livros.”

Como estou sempre andando com um livro, Zenith solta uma risada.

Eles não reclamavam ou me tomavam o livro.

Mesmo durante as refeições eu colocava o livro debaixo do braço. É só que não leio o livro de magia em frente à minha família.

Não é para me esconder. É só que não sei o que magia representa nesse mundo.

No meu mundo passado, a Renascença Ocidental perseguiu e condenou as bruxas. As tratando como hereges e as queimando.

Pelo fato de existirem livros práticos como este neste mundo, indica que a magia provavelmente não é algo considerado anormal, mas pode ser que também não seja bem visto.

Desde que é um ato perigoso que causaria desmaios após esforço excessivo, alguns podem pensar nisso como algo prejudicial ao crescimento.

Então decidi manter em segredo da minha família o fato de poder usar magia.

Porém, talvez eles já saibam, já que há um tempo lancei um feitiço pela janela.

Não tive escolha, queria testar o quão rápido podia disparar de qualquer maneira.

A empregada — acho que seu nome é Lilia — ocasionalmente me olhava com uma expressão perigosa em seus olhos, contudo, meus pais continuavam a manter uma atitude despreocupada, então senti que estava tudo bem.

Se eu for parado então não há o que fazer, mas não quero perder o meu período de crescimento.

O talento irá enferrujar se não treinado durante o período de crescimento. Tenho que usar esse período o máximo que puder.

 

Parte 3

 

Contudo, tive que dar um fim a este treinamento mágico secreto.

Numa certa tarde.

Minha capacidade de mana já havia crescido bastante, então comecei a tentar usar magias de nível intermediário com o intuito de testar o Canhão d’Água usando encantamento sem voz.

Tamanho: 1, Velocidade: 0.

Como de costume, só queria lançar o feitiço no balde para enchê-lo.

Achei que no máximo iria transbordar.

Porém, inesperadamente, uma quantidade ridícula de água foi liberada, criando um grande buraco na parede.

Devido ao choque, não consegui pensar no que fazer.

Um buraco na parede revelaria que usei magia. E não há nada que pudesse fazer sobre isso.

Rapidamente desisti.

“Mas o que aconteceu? Whoaaa…”

O primeiro a entrar correndo para cá foi Paul.

E então, ele olhou para a parede com a boca aberta.

“Isso, ei, o que… Rudy, você está bem…?”

Paul é um cara legal.

Não importa como alguém olhe para isso, foi definitivamente eu quem fez isso. Porém, ele está preocupado comigo.

Mesmo depois disso ele ficou murmurando, “Monstros…? Mas nessas redondezas?”, e coisas assim, enquanto cautelosamente olhava pelos arredores.

“Oh, meu…”

E logo depois Zenith seguiu-o.

Ela estava muito mais calma que Paul.

Depois de olhar para a parede arruinada e a poça de água no chão,

“Oh…?”

Seus olhos pararam na última página do livro mágico que deixei aberta.

Após olhar para mim e para o livro, ela se agachou na minha frente e olhou para os meus olhos com uma expressão gentil.

Assustador.

Não havia sorriso algum em seus olhos.

Continuei mantendo meus olhos em Zenith.

Aprendi algo quando era um NEET, se você fez algo de errado, uma atitude teimosa só piora a situação.

Por esse motivo, não pude evitar os seus olhos. Neste momento, uma atitude sincera era necessária.

Não evitando olhar nos olhos de alguém, os encarando cara a cara. Só por fazer isso, você parecerá sincero.

E não importa o que você pensa. O principal objetivo é parecer sincero.

“Rudy, você seguiu as instruções do livro e o leu em voz alta?”

“Eu sinto muito.”

Acenei com a cabeça e me desculpei.

Quando algo errado for feito, o melhor é se desculpar. Afinal, apenas eu e mais ninguém poderia ter feito isso.

Se inventar uma mentira ruim, fará minha confiabilidade diminuir.

Eu menti descaradamente no passado e perdi a confiança dos outros.

Não cometerei o mesmo erro outra vez.

“Ei, isso é de nível intermediário…”

“Kyaaa! Você ouviu isso querido? É verdade!! Nosso filho é um gênio!!”

A desconfiança de Paul foi coberta pelos gritos de Zenith.

Ela segurou em ambas as mãos de Paul e começou a pular cheia de alegria.

Que enérgica.

Meu pedido de desculpas foi ignorado?

“Isso não está certo querida, nós não o ensinamos a ler.”

“Rápido, vamos contratar um professor particular agora!! Esta criança se tornará um mago notável no futuro!!”

Paul continuava incomodado enquanto Zenith estava nas nuvens.

Parece que Zenith estava cheia de empolgação pelo fato de eu ter usado magia.

Ao que parece, me preocupei demais, pensando que crianças não deveriam usar magia.

Lilia não mostrou nenhum sinal de surpresa e silenciosamente limpou a sala.

Esta empregada provavelmente sabia que eu estava usando magia há algum tempo, ou já tinha a sensação de que estava de alguma forma fazendo isso.

Talvez ela não pensou que isso fosse algo ruim, então não pensou muito sobre o assunto.

Ou talvez só quisesse ver as expressões felizes dos meus pais.

“Querido, vá para Roa e coloque uma oferta de trabalho!! Esse talento deve ser devidamente treinado!”

Zenith gritou alegremente sobre ser um gênio isso, talento aquilo. Usar magia era considerado um talento?

Era a opinião dos meus pais tendenciosa ou o fato de que usar magia de nível intermediário era algo considerado incrível? Não consigo distinguir.

Não, talvez essa realmente fosse a opinião cega dos meus pais. Nunca usei magia na frente da Zenith.

Mas ela disse, “Acho que é verdade” — Ela já pensava que eu fosse um gênio. Não havia fundamento…

Ah, não.

De repente me lembrei.

Porque sempre estive sozinho, quando estava lendo, ocasionalmente lia ou repetia as frases que gostava. Desde que cheguei a este mundo, costumava murmurar para mim mesmo enquanto lia.

No começo era japonês, porém, depois que aprendi a falar essa língua, comecei a subconscientemente usar a linguagem desse mundo.

E então, quando murmurava para mim mesmo, Zenith dizia, “Rudy, isso é—”, e me dizia o significado das palavras.

Por causa dela, consegui me lembrar de vários nomes próprios desse mundo. Bem, vamos deixar isso de lado.

Mesmo que não tenha falado muito, aprendi as palavras desse mundo sozinho.

Meus pais nem me ensinaram a falar.

Do ponto de vista dos meus pais, “Nosso filho pode ler palavras que nunca lhe ensinamos e consegue até mesmo entender o conteúdo do livro”.

Algo assim é definitivamente genial.

Se fosse meu filho, também pensaria que é um gênio.

No passado, a mesma coisa aconteceu quando meu irmão mais novo nasceu.

Ele cresceu rápido e fez tudo mais rápido do que eu e meu irmão mais velho. Falar, andar sozinho…

Meus pais também estavam otimistas. Toda vez que ele fazia algo, eles diziam “Essa criança deve ser um gênio”, mesmo que não fosse grande coisa.

Bem, sou um maldito NEET que abandonou o ensino médio, e minha idade mental é de mais de 30 anos.

Sem essa experiência adicional, eu seria um desgraçado miserável.

Tenho 10 vezes a idade de um garoto normal de 3 anos, assim que não sou um gênio!

“Querido, um professor! Nós definitivamente podemos encontrar um professor apropriado na cidade de Roa!”

E então, quando encontram alguém com talento, a única coisa que todos os pais fariam seria obter a melhor educação possível.

Os meus pais da minha vida passada elogiavam o talento do meu irmão mais novo e o deixaram aprender várias coisas.

E dessa forma, Zenith sugeriu contratar um mago para ser meu professor particular. Contudo, Paul se opôs a isso.

“Espere, já não decidimos que se fosse um garoto, ele seria um espadachim?”

Se for um garoto, ele usará uma espada. Se for uma garota, ela aprenderá magia. Parece que já havia sido decidido antes mesmo de eu nascer.

“Mas ele pode usar magia de nível intermediário nessa idade!! Se ele começar a treinar agora, se tornará um mago extraordinário!!”

“Mas uma promessa é uma promessa, não estou certo?”

“Que promessa? Você vive quebrando suas promessas!!”

“Meus assuntos não têm nada a ver com isso, ok?”

Uma briga de casal começou naquele momento.

Lilia continuava a limpar silenciosamente a sala.

“Deixe-o aprender magia de manhã e a manejar a espada durante a tarde. Assim está bom?”

Depois de a discussão persistir por algum tempo, Lilia terminou a limpeza, suspirou e deu essa sugestão. Encerrando a discussão.

Pois bem, os pais idiotas não consideraram o que o filho queria e forçaram essas aulas para cima de mim.

Ah, bem. Já que decidi que queria viver essa vida com uma atitude séria, isso pode ser considerado algo bom.

 

Parte 4

 

E por causa dessas razões, nossa casa decidiu contratar um professor particular.

Ao que parece, o salário de um professor particular de uma criança nobre não é ruim.

Paul é um dos poucos cavaleiros nessa área e ainda por cima possuía o status de um nobre de classe baixa. Assim, ele é capaz de fornecer uma renda adequada para o seu status.

Mas esse era um povoado rural distante da capital.

Assim, como convinha à fronteira, é raro obter talentos notáveis aqui – muito menos um mago.

Eles poderiam contratar alguém enviando um pedido para a guilda de mago e a guilda de aventureiros?

Apesar de haver tais preocupações, foi achado alguém bem rápido e esta pessoa viria amanhã.

Essa vila não possui uma estalagem, então o trabalho também incluía alojamento.

 

De acordo com os palpites dos meus pais, ele seria um aventureiro aposentado.

Pessoas jovens não viriam para essa área rural, e um mago da corte poderia encontrar emprego facilmente na capital.

Neste mundo, apenas magos classificados como avançados e superiores estão qualificados para se tornarem tutores mágicos.

Consequentemente, a classificação de um aventureiro provavelmente está acima do intermediário.

Portanto, a pessoa a caminho seria alguém de meia-idade ou uma pessoa idosa que passou sua vida dedicando-a na pesquisa sobre magia.

“Eu me chamo Roxy. Estarei contando com vocês.”

 

 

Porém, contrariando as expectativas, era uma jovem garota. Aparentemente com uma idade semelhante a um estudante do ensino médio.

Usando uma túnica de mago marrom, com seu cabelo azul claro em tranças, e tinha a aparência de uma pessoa delicada.

A pele branca, desprovida de qualquer bronzeado, era acompanhada de olhos meio sonolentos e abertos. Ela tinha lábios curtos e, apesar de não ter óculos, passava uma imagem de uma garota estudiosa sempre trabalhando na biblioteca. Estava carregando uma mala em uma das mãos, enquanto a outra segurava um longo cajado que um mago usaria.

E assim, ela se encontrou com nós 3 nesta casa.

“…”

“…”

Meus pais ficaram sem palavras enquanto olhavam para ela.

Esse era esperado.

Estava bem além da nossa expectativa.

Na nossa imaginação, deveria ser um professor já calejado pela longa idade.

No entanto, a pessoa que veio aqui era muito pouco parecida com isso.

Para mim, quem tinha jogado muitos jogos, uma maga loli não era algo fora do comum.

Loli, olhos semiabertos e não muito amigável.

Tendo essas 3 qualidades — É simplesmente perfeita.

Por favor, case-se comigo.

“Ah-ah, você é, a professora particular?”

“Ah, isso é, realmente—”

Com meus pais gaguejando, eu acrescentei:

“Você é bem pequena.”

“Eu não quero ouvir isso de você.”

Fui refutado no ato.

Talvez ela tenha um complexo sobre isso.

Mesmo que não estivesse me referido ao seu peito.

Roxy suspirou.

“Hah. Bom, onde está o aluno que supostamente irei ensinar?”, ela observou os arredores enquanto perguntava.

“Ah, é esse mocinho.”

Zenith me apresentou, comigo em seus braços.

Mandei uma piscada.

No fim, ela arregalou os olhos, e então suspirou.

“Haaa. Isso ocasionalmente acontece, hã? Crianças que de alguma forma crescem mais rápido e pais idiotas que pensam que eles possuem talento.”

Ela silenciosamente resmungou.

Eu ouvi isso, senhorita Roxy!

Bem, eu não poderia concordar mais com isso.

“Ah? O que foi isso?”

“Nada. Porém acho que seu filho não entende o conceito de magia, certo?”

“Sem problemas, o nosso Rudy é muito talentoso!!”

Zenith disse algo que qualquer pai estúpido diria.

Roxy suspirou mais uma vez.

“Haa. Entendo. Vou dar o meu melhor.”

Pelo visto, julgou ser inútil tentar dizer qualquer coisa a mais.

E com isso, foi decidido que pela manhã, serão as aulas de Roxy durante, e à tarde, serão os estudos de espadachim com Paul.

 

Parte 5

 

“Bem, vamos começar com algo do livro… Não, antes disso, vamos ver quanta magia você pode usar Rudy.”

Para a primeira aula, fomos para o jardim. As lições são feitas fora de casa.

Ela também entendia o que aconteceria se magia fosse usada dentro de casa. Então não faria algo como quebrar as paredes, como eu.

“Deixe-me demonstrar. Conceda a proteção da água no local que demanda-te, deixe tua limpidez fluir aqui, 『BOLA DE ÁGUA』”

Quando Roxy recitou o feitiço, uma bola de água do tamanho de uma bola de basquete apareceu em sua mão.

A bola de água voou em direção as árvores em alta velocidade.

Crash.

Os galhos foram destruídos e a cerca ficou encharcada.

Tamanho: 3, Velocidade: cerca de 4.

“E então, como foi?”

“Hmm. Aquela árvore é a árvore que a minha mãe cultiva com todo cuidado, então acho que ela vai ficar brava.”

“EH? Você tem certeza?”

“Sem duvidas.”

Certa vez, Paul estava treinando com sua espada e cortou alguns galhos. Naquela hora, a fúria de Zenith não foi algo normal.

“Isso é muito ruim, tenho que pensar em algo…!!”

Roxy correu até a árvore e pegou o galho arrancado, então segurou o galho no lugar com o rosto todo vermelho.

“Uu… Para ser salvo… Deixe o poder de Deus ser convertido em uma colheita abundante, e conceda àqueles que perderam a sua força de vontade mais uma vez — 『CURAR』”

É outro cântico e os galhos voltaram a como eram antes.

“Phew.”

Wow, incrível.

De qualquer forma, tenho que elogiá-la.

“Phew.”

“A professora também pode usar magia de cura!!?”

“Ahn? Ah, sim. Não tenho problemas em usar até o nível intermediário.”

“Incrível!! Isso é incrível!!”

“Não, treinando direito qualquer um pode fazer coisas dessa extensão.”

Mas, embora a reação dela fosse um tanto brusca, os cantos dos lábios mostraram o contrário, curvando-se para cima, e seu nariz pareceu se contrair ligeiramente, com orgulho. Ela está feliz.

Eu só gritei “incrível” duas vezes e ela já está animada assim. Isso foi muito fácil.

“Agora, Rudy, tente isso.”

“Ok.”

Ergo minha mão…

Oops, não usei o encantamento de uma Bola de Água por quase um ano. Não consigo me lembrar.

Vamos experimente tentar o que a Roxy acabou de dizer, Erm, erm…

“Me desculpe, como você disse mesmo?”

“Conceda a proteção da água no local que demanda-te, deixe tua limpidez fluir aqui.”

Roxy respondeu indiferente. Essa situação já estava nas suas expectativas?

Porém, mesmo que você responda tão indiferente, eu não consigo lembrar em apenas uma tentativa.

“Conceda a proteção da água no local que demanda-te… BOLA DE ÁGUA”

Realmente não consegui lembrar, então só encurtei.

Comparado com a de Roxy, a minha foi um pouco menor e mais lenta.

Se fizesse melhor que ela, poderia causar uma confusão. Sou bem generoso com garotas jovens.

Uma bola d’água do tamanho de uma bola de basquete voou com grande força e um assobio.

A árvore fez “crrraaack” em resposta ao impacto e desabou.

Roxy olhou para mim com uma expressão complexa em seu rosto.

“Você encurtou o cântico?”

“Sim.”

Isso é ruim?

Parando pra pensar, o livro não informava nenhum método para usar encantamento sem voz.

Apesar de que eu usava, talvez tenha tocado em algum tabu?

Ou será que está com raiva porque é 10 anos cedo de mais para não usar encantamento e ficou irritada…?

Sob essas circunstancias, seria melhor se eu negasse dizendo —  “Então, qual o problema? Quem iria querer recitar um cântico tão idiota?”

“Você costuma encurtar os seus cânticos?”

“Normalmente… Eu não canto.”

Não sabia como responder a isso, então apenas disse a verdade.

Isso acabaria sendo revelado cedo ou tarde enquanto estudo com ela.

“Encantamento sem voz?”

Roxy arregalou os olhos, como se suspeitasse de mim.

“Então é assim? Você não usa o cântico. Entendo. Você se sente cansado?”

No entanto, ela imediatamente retornou a como era antes.

“Não, estou bem.”

“É isso mesmo? Não há nada a reclamar do tamanho ou força da sua magia.”

“Obrigado pelo elogio.”

Roxy finalmente mostrou um pequeno sorriso.

Um grande sorriso de fato.

Então murmurou para si mesma.

“Parece que vale a pena ensiná-lo, hein?”

Como já mencionei antes, ouvi o que você acabou de dizer.

“Agora, vamos para o próximo…”

Roxy parecia bastante animada, e quando estava prestes a abrir o livro,

“AAAAAAH—-!!”

Um grito ecoou trás de mim.

Zenith veio aqui para checar a situação.

As bebidas na bandeja que ela estava carregando caíram no chão. Direcionando seu olhar para os galhos despedaçados da árvore com as mãos cobrindo sua boca.

Um rosto cheio de tristeza.

E, em um instante, sua expressão mudou para raiva.

Ah, isso é ruim.

Zenith veio andando à passos largos até a frente de Roxy.

“Senhorita Roxy! Não trate nossa casa como seu local de testes!!”

“Eh…! Mas foi o Rudy quem fez…”

“Mesmo que Rudy seja o culpado, foi você quem o deixou fazer isto!”

Roxy agiu como se tivesse recebido um grande choque e baixou a cabeça enquanto ouvia.

Bom, você não pode jogar a culpa numa criança de 3 anos de idade.

“Sim… Você tem razão.”

“Espero que isso não se repita.”

“Sim, mil desculpas, madame.”

Após isso, Zenith usou magia de cura, reparando a árvore e voltou para dentro de casa.

“E pensar que cometi um erro tão rápido…”

“Professora…”

“Haha, talvez eu seja demitida amanhã.”

Roxy sentou no chão e começou a desenhar [の]com seu dedo no chão. Ela realmente não pôde lidar com o choque.

Dei um tapinha no ombro dela.

“…”

“Rudy?”

Mesmo que tenha dado um tapinha, não me comuniquei de uma maneira apropriada com alguém nos últimos 20 anos, então não faço ideia de como consolá-la.

Desculpe, não sei o que dizer numa hora dessas.

Não, acalme-se.

Pense sobre isso com cuidado. O que um protagonista de Eroge¹ diria nesse tipo de situação?

Hmmm, algo como…

“Você não está errada, professora.”

“Ru-Rudy?”

“Você ainda está juntando experiência.”

Roxy olhou para mim surpresa.

“V-Você tem razão. Obrigado.”

“Sim. Por favor, vamos continuar a aula.”

E dessa forma, desde o primeiro dia, consegui uma boa relação com Roxy.

 

Parte 6

 

A tarde era o treino com Paul.

Já que não havia uma espada de madeira adequada para o meu tamanho, a prática se resumia ao treino físico.

Corrida, flexões, abdominais e assim por diante…

O plano de Paul era o de me deixar fazer atividades físicas.

Apesar de que havia alguns dias em que Paul tinha que trabalhar e não conseguia treinar comigo, treinamento físico básico era algo que não se podia ser dispensado.

Isso era o mesmo em qualquer que seja o mundo. Vou dar o máximo de mim.

 

Já que sou uma criança, minha força física não é suficiente para aguentar a tarde toda, então o treinamento acaba no começo da tarde.

Por causa disso, vou gastar minha mana até o jantar.

A quantidade de mana gasta difere conforme o ‘tamanho da magia’.

Por exemplo, se o tamanho padrão for 1, a quantidade de mana gasta para qualquer coisa maior ou mais rápida será aumentada.

Como a lei de conservação de massa.

Porém, ao reduzir o tamanho do feitiço, quanto menor mais mana será consumida.

Eu não entendo a lógica.

Criar uma única gota de água gastou muito mais mana do que criar uma bola d‘água do tamanho de um punho.

Isso é muito esquisito.

Perguntei sobre o motivo para Roxy, mas ela me respondeu com um: “Por que é simplesmente assim.”

Essa me parece ser uma questão que ainda não foi respondida.

Embora eu não tenha entendido a lógica disso, não era algo considerado ruim em termos de treino.

Minha capacidade mana aumentou um pouco recentemente. Se não usasse alguma magia enorme, não poderia gastar toda ela.

Se eu quiser gastar meu suprimento de mana, só preciso usar a saída máxima até que acabe.

Contudo, agora é hora de tentar treinar a minha destreza.

Assim, decidi fazer alguns trabalhos delicados.

Usando magia para criar algo pequeno, refinado e delicado.

Por exemplo, a criação de uma estátua de gelo, acendendo uma fogueira com as pontas dos meus dedos ou escrever algumas letras na mesa.

Tentei dividir o solo que obtive do pátio em partes… E até coisas como pendurar uma chave na frente da fechadura.

A magia de terra tinha certa influência em objetos compostos de mineral e metal, porém, quanto mais metal o objeto possuía, mais mana era preciso usar.

Acho que é realmente difícil mudar as coisas que são mais resistentes.

Quanto menor o alvo do controle, mais delicada as ações precisam ser, e quanto maior controle, precisão e eficácia são necessárias, maior a quantidade de mana gasta.

Arremessar uma bola de beisebol com toda minha força ou passar uma linha no buraco da agulha. A quantidade de mana gasta nas duas ações era praticamente a mesma.

 

E, além disso, tentei usar vários tipos de magia ao mesmo tempo.

Precisava usar pelo menos 3 vezes mais mana.

Então, se usar 2 sistemas diferentes ao mesmo, e lançá-los com cuidado, precisão e rapidez e simultaneamente, posso facilmente esgotar toda a minha mana.

 

Com esse tipo de treino todos os dias——

Agora não consigo esgotar minha mana nem se usar por mais de meio dia ou mais.

Isso deve ser o suficiente — Meu coração começou a fraquejar.

O meu eu vagabundo começou a me dizer que isso já era o suficiente.

Cada vez que isso acontecia, eu gritava comigo mesmo e me repreendia.

Os músculos ficam dormentes se a pessoa desistir de treinar.

Com a mana poderia ser o mesmo. Não posso negligenciar meu treinamento só porque tive um aumento de capacidade.

 

Parte 7

 

Enquanto usava magia à noite, conseguia ouvir alguns sons de — Rawr Rawr Nyan Nyan — que me irritavam.

De onde estão vindo? Você precisa mesmo perguntar? É obvio que vinha do quarto de Paul e Zenith.

Ocupados trabalhando, hmph.

Talvez num futuro não tão distante, meu irmãozinho ou irmãzinha vá nascer.

Acho que é melhor ter uma irmã. Sim, não quero um irmão mais novo.

A figura de meu irmão mais novo usando um taco de beisebol para quebrar meu computador ainda estava viva em minha memória.

Não quero um irmão mais novo. Uma irmã fofa é melhor.

“Graças a Deus…”

Na minha outra vida, se ouvisse esses sons irritantes, bateria na parede até que eles ficassem quietos.

Por esse motivo, minha irmã mais velha nunca mais trouxe outro homem para casa.

Que nostálgico.

Nessas horas, sempre pensava que as pessoas que faziam isso estavam pintando meu mundo com o mal.

Sempre pensei que esses valentões estavam zombando de mim de um lugar fora do meu alcance. Assim, sempre tive uma raiva dentro de mim de que não conseguia me livrar.

Aqueles que me empurraram para o espaço escuro e desagradável, porém, estavam olhando para mim, dizendo — Por que você ainda está nesse lugar?

Não há nada mais humilhante.

 

Mas mudei meu modo de pensar recentemente.

Não tenho certeza se é por causa do meu corpo ser o de uma criança, se é por causa dos meus pais, ou se é porque estava trabalhando duro pelo meu futuro.

Contudo, podia tomar uma posição de apoio e tolerância ao ouvir esses dois.

Hmph, também sou adulto…

Só de ouvir esses sons já posso imaginar mais ou menos a situação. Parece que Paul é muito bom nisso.

Zenith sempre desistia depois de um tempo, mas Paul dizia algo como “Ainda é tão cedo—”, e continuava a atacar.

Igual a um protagonista desses eroges de humilhação sexual.

Há uma quantidade de energia indescritível.

Hah, já que sou filho do Paul, talvez também tenha toda essa energia?

Desperte!

Para as heroínas!!

Garanta-me o início cor de rosa!!

Bem, esse entusiasmo inicial passou, assim posso ir calmamente para o banheiro enquanto passo pelo corredor rangendo.

Só pra vocês saberem, toda vez que eu passava pelo quarto deles, esses sons paravam. Isso é algo bem interessante.

Naquele dia, para mostrar que a presença do filho deles estava por perto, fui até o banheiro.

Bom, será que devo ir cumprimentá-los?

E perguntar — “Papi, mame, o que vocês estão fazendo pelados?”

Estou ansioso por suas desculpas. Kukuku…

Com esse pensamento, saio silenciosamente do quarto.

 

Mas outro convidado já estava lá.

A garota de cabelos azuis estava agachada no escuro, espiando pela fresta da porta.

Seu rosto estava corado enquanto tentava conter sua respiração acelerada. Seus olhos estavam colados no interior do quarto.

Eu posso ver suas mãos fazendo algo sugestivo por baixo de suas vestes.²

Sem fazer qualquer ruído, retorno para o meu quarto. Roxy era uma garota em uma idade apropriada.

Fui generoso o suficiente para fingir não ter percebido, só para vê-la obcecada com esse tipo de coisa.

…Brincadeirinha.

Bem, parece que vi algo bom.

 

Parte 8

 

4 meses se passaram.

Finalmente sou capaz de usar todas as magias de nível intermediário.

E então, comecei a ter aulas noturnas com Roxy.

Mas não confunda, não tem nada de “divertido” nessas aulas à noite. O conteúdo das aulas era bem variado.

Roxy é uma boa professora.

Ela não fica muito presa ao seu plano de ensino.

Ensinava-me baseado na minha habilidade de compreender as coisas. Sua habilidade de se adaptar ao aluno era bem alta.

Ela preparava uma questão das suas anotações para eu responder, e se respondesse corretamente, seguia para a próxima questão.

Se não soubesse, ela pacientemente me explicava outra vez. Dessa forma, sentia meu mundo se expandir.

Na minha vida passada, antes de o meu irmão mais velho fazer seus exames, tinha vezes em que um professor particular era contratado.

Uma vez me juntei a ele por capricho, porém não era nada diferente do que era ensinado na escola.

Comparado a aquilo, as aulas da Roxy eram interessantes e fáceis de entender.

Uma aula que respondia a todas as minhas dúvidas.

E, além do mais, era uma garota do colegial que estava me ensinando. Esse tipo de cenário é bom demais.

Se fosse o meu antigo eu, só de pensar nessas coisas seria suficiente para me masturbar umas 3 vezes.

 

Parte 9

 

“Professora, por que a magia só é usada em combate?”

“Na verdade, não é usada só em combate…”

Roxy sempre respondia seriamente as minhas súbitas questões.

“Hmm, vejamos, por onde devo começar… Primeiro de tudo, é dito que a magia vem de uma velha raça de orelhas compridas, os Elfos.”

WHOA, ELFOS!!

ELES REALMENTE EXISTEM!?

Cabelos louros, roupas verdes, carregando um arco, e sempre sendo pegos por tentáculos!!

Opa, acalme-se, acalme-se.

Esses devem ser diferentes dos que conheço

Apesar de que, pelas suas palavras, eles possuem orelhas bem longas…

“O que são elfos?”

“Hmmm, os elfos vivem em alguma região ao norte do continente Milis.”

De acordo com a descrição da Roxy:

Há muito tempo atrás, antes da guerra entre humanos e demônios começar, quando o mundo ainda estava mergulhado em caos e guerras começavam do nada, os antigos elfos conseguiam se comunicar com os espíritos da floresta, manipulando a terra e os ventos para lutar contra os invasores. Dizem que essa é a magia mais antiga do mundo.

“Eh? Está gravado na história também?”

“Mas é claro.”

Roxy acena com as minhas palavras de zombaria.

“A magia atual é o resultado dos humanos imitando os elfos e mudando-a. Humanos são especialmente bons em tais coisas.”

“A raça humana é boa nessas coisas?”

“Sim, é sempre a raça humana quem cria coisas novas.”

A raça humana parece gostar de inventar.

“A razão pela qual a magia é usada apenas em combate é porque ela é basicamente usada apenas nessas situações. Mesmo que não seja usada, há coisas ao nosso redor que podemos usar para fazer o que queremos.”

“Com ‘as coisas ao nosso redor’ você se refere?”

“Por exemplo, se você precisar de luz, você pode usar uma vela, certo?”

Entendo… Isso é algo bem comum.

Comparado ao uso de magia, uma ferramenta seria mais simples sem a menor dúvida.

Isso é meio que lógico.

Apesar de que, se for encantamento sem voz, fica ainda mais simples do que usar uma ferramenta.

“Além disto, nem todos os tipos de magia são apropriados para combate. Por exemplo, com magia de invocação você pode conjurar bestas mágicas ou espíritos de nível similar.”

“Magia de invocação!! Você poderia me ensinar um dia?”

“Não, eu também não sei. Além do mais, entre as ferramentas, há também os itens mágicos também.”

Itens mágicos.

Tenho uma ideia básica deles só pelo nome.

“Itens mágicos são?”

“Itens que possuem efeitos especiais. Suas partes internas são inscritas com formações mágicas, então qualquer um pode usar, mesmo que não seja um mago. Contudo, esses itens mágicos requerem uma grande quantidade de mana.”

“Entendo…”

Basicamente, como eu imaginei.

Parando pra pensar, é uma pena que Roxy não possa usar magia de invocação.

Os conceitos de magia de ataque e de cura poderiam ser entendidos, no entanto, não faço ideia de como magia de invocação funciona.

Além do que, teve um enorme vocabulário que apareceu de repente.

A guerra humano-demônio, familiares, espíritos…

“Professora, qual a diferença entre bestas mágicas e criaturas mágicas?”

“Não há muita diferença.”

Criaturas mágicas sãos seres que basicamente passaram por algumas mudanças.

E, uma vez que o número de criaturas mágicas aumenta e se torna uma raça, após algumas gerações elas acumulariam certa quantidade de inteligência e se tornariam bestas mágicas.

É só que, mesmo que elas possuam inteligência, elas continuaram a serem chamadas de criaturas mágicas se atacassem a raça humana.

Em contrapartida, em relação às bestas mágicas que se tornaram ferozes com o passar das gerações, havia exemplos onde elas se revertiam a criaturas mágicas.

Não há linhas claras.

Criaturas mágicas = Atacam humanos.

Bestas mágicas = Não atacam humanos.

Essa linha de pensamento deve servir.

“Dito isto, as raças demoníacas evoluíram das criaturas mágicas?”

“De forma alguma. As raças demoníacas foram nomeadas assim há muito tempo, durante a guerra entre humanos e demônios.”

“Essa é a guerra que você mencionou antes?”

“Sim. A primeira guerra aconteceu cerca de 7000 anos atrás.”

“Isso foi há muito tempo.”

A história desse mundo é na verdade bem longa.

“Isso não é considerado muito longo. Os humanos ainda estavam lutando até 400 anos atrás. De 7000 anos atrás, a raça humana e as raças demoníacas continuaram a lutar entre si.”

Pensei que 400 anos eram considerados um longo tempo, mas na verdade, essa guerra persistiu por quase 7000 anos.

A relação entre humanos e demônios era tão ruim assim?

“Hah, entendo… Então, pra concluir, quais são as raças demoníacas?”

“Definir as raças demoníacas é bem problemático… Se for realmente necessário —  As raças que se aliaram as raças demoníacas durante a última guerra — seria mais fácil de entender. Mas é claro, há algumas exceções.”

“Ah, e para acrescentar, eu também sou de uma raça demoníaca.”

“Ohh, entendi…”

Um demônio estava aqui como minha professora particular.

Isso significa que não há uma guerra acontecendo agora? Seria melhor se estivéssemos em paz.

“Sim. Pra colocar de uma maneira formal, sou da raça Migurd da Área de Bigoya no continente Demoníaco. Os seus pais não ficaram chocados quando eles me viram?”

“Pensei que era porque a professora é muito pequena.”

“Eu não sou pequena.”

Roxy me respondeu na hora. Ela parecia levar esse tipo de coisa bem a sério.

“Eles ficaram chocados quando viram meu cabelo.”

“O cabelo?”

Pensei que fosse um lindo cabelo azul.

“Os rumores dizem que quanto mais próxima do verde for a cor do cabelo da raça demoníaca, mais violenta e perigosa ela é. Em especial quando meu cabelo parece verde aparece sob iluminação diferente…”

Verde.

Essa era a cor do perigo desse mundo?

O cabelo de Roxy parecia tanto com verde que fazia os olhos das pessoas saltarem, ela brincava com sua franja enquanto explicava.

Suas ações eram fofas.

Se tivesse cabelo azul no Japão, seria algum Punk ou oba-chans³.

Não importa que tipo fosse, a sensação de não ser natural me deixava enojado.

Mas o cabelo de Roxy não dava essa sensação e não me fazia sentir nojo algum.

Podia-se dizer que esse cabelo caia bem com a expressão sonolenta dela.

Se ela fosse uma heroína num eroge, definitivamente seria cotada para ser uma das principais.

“O seu cabelo é muito lindo.”

”…Obrigado pelo elogio, porém você deveria deixar esse tipo de conversa pra quando você gostar de uma garota no futuro.”

“Mas eu gosto da professora.”

Disse sem hesitação. Não sou uma pessoa que hesita.

Irei expressar o meu amor para todas as garotas fofas desse mundo.

“Certo. Se você não tiver mudado de ideia daqui 10 anos, a gente conversa.”

“Ok, professora.”

Mesmo tendo sido refletida vagamente, a expressão levemente feliz de Roxy não passou despercebida por mim.

Apesar de que não tinha ideia do quanto essas frases de eroge podem ser usadas nesse mundo. No entanto, não podia dizer que elas eram sem sentido.

Uma frase dokidoki como essa pode ser uma piada clichê no Japão, porém também podia acender uma chama para um amor romântico aqui.

Sim, que diabos estou falando?

Para a beleza H de Roxy, se eu puder criar uma chance… Contudo, a diferença de idade é bem grande.

Quem sabe o que irá acontecer no futuro?

“Voltando ao assunto, essa coisa de ‘Quanto mais brilhante for, mais perigoso é’, é pura superstição.”

“Ah, então é tudo superstição?”

Pensei que fosse a cor do perigo.

“Sim, a raça Supard da área Babinos é uma raça de cabelo verde, e eles cometeram várias atrocidades durante a guerra há 400 anos. É por isso que existe esse rumor, então na verdade não há nada a ver com a cor de cabelo.”

“Várias atrocidades?”

“Sim. Por mais de 10 anos durante a guerra, os seus crimes fizeram ambos os lados temerem e odiarem-nos. Essa raça era bem perigosa, e depois da guerra, eles foram julgados e expulsos do continente Demoníaco.”

Expulsos após a guerra acabar?

Isso é incrível.

“Eles realmente são odiados…”

“É simplesmente assim que é.”

“O que foi que eles fizeram?”

“Bem, isso… Eu só sei mais ou menos o que ouvi na minha infância. Pelo que é dito, eles atacaram uma cidade aliada das raças demoníacas e mataram todas as mulheres e crianças, ouvi também que eles matavam todos os seus inimigos e depois matavam seus aliados. Tem também histórias de que se você não dormir à noite, um Supard vai vir te comer e coisas assim…”

Shimaachau oji-san?

“A raça Migurd é uma das que são parecidas à raça Supard, então eles também foram discriminados. Apesar de que seus pais irão te dizer isso cedo ou tarde…”

“Lembre-se disto.”

Roxy deixou bem enfatizado.

“Se você vir alguém com cabelo cor de esmeralda e uma pedra parecida com um rubi em sua testa, não se aproxime. Se você não tiver escolha além de falar com eles, você não deve irritá-los.”

Cabelo esmeralda, pedra de rubi na testa.

Essas parecem ser as características especiais da raça Supard.

“O que acontece se você os irritar?”

“Eles irão matar você e toda a sua família.”

“Cabelo esmeralda e pedra de rubi na testa, é isso?”

“Sim, a pedra em suas testas pode ver os movimentos de mana. É como se fosse um terceiro olho.”

“Poderia ser que só há mulheres na raça Supard?”

“Eh? Não. Tem homens também…”

“A pedra na testa deles irá mudar para azul depois que eles fizerem algo?”

“Huh? Não… Eu acho? Pelo menos nunca ouvi falar disso antes.”

Do que diabos você está falando? Roxy confusamente inclinou sua cabeça.

Só perguntei para a minha própria satisfação.

“No entanto, esse tipo de característica é fácil de reconhecer, não é?”

“Sim. Se você os vir, finja dizendo algo como ‘Eu tenho que ir fazer algo’ e evite-os. Correr de repente pode deixá-los bravos.”

Como fugir de delinquentes, se você correr eles irão atrás de você. Já passei por tal experiência.

“Baseado no que você disse, vai ficar tudo bem se os respeitar, certo?”

“Creio que está tudo bem se você não os insultar abertamente. É só que, como há várias diferenças no senso comum entre a raça humana e a raça demoníaca, pode ser que você acabe os deixando bravos sem querer. Então é melhor não fazer nenhum comentário sarcástico.”

Hmm.

Eles parecem ser provocados facilmente.

Mas ao invés de dizer que nós estamos sendo feridos, é melhor dizer que nós estamos com medo.

Aquele pensamento de, ‘Oh, aquele cara é assustador quando está bravo, é melhor nós o evitarmos.’ ou algo parecido.

Assustador, muito assustador.

Não acho que poderei reencarnar se for morto de novo. É melhor evitá-los a qualquer custo.

A raça Supard, não brinque com eles.

Esculpi isso no meu coração.

 

Parte 10

 

As aulas de Roxy progrediam sem problemas.

Recentemente consegui usar todas as magias avançadas. E claro, usando encantamento sem voz.

Comparado ao treino que tinha normalmente, é fácil como segurar meu nariz quando uso magia avançada. Embora a maioria delas sejam AoE, então me sentia bem receoso ao usá-las.

Fazer chover sobre uma grande área — O que eu poderia fazer com isso?

Já tinha pensado nisso, contudo, parece que Roxy fez chover quando veio para cá e recebeu elogios por isso.

Ouvi isso de Paul em casa num certo dia.

Além disso, Roxy também recebia vários pedidos dos aldeões para resolver diversos problemas.

“Encontrei uma grande rocha enquanto mexia no solo, me ajude Rokaemon!”

“Deixa comigo, Dan*rako.”

“Que magia é essa?”

“Essa magia umedece o solo ao redor da rocha, e então vou transformar a terra em barro com magia de terra, fazendo uma combinação mágica.”

“Woaah, Isso é incrível, a rocha está afundando!!”

“Hmphhhh.”

Esse tipo de situação — provavelmente.

“Como esperado da professora. Você está ajudando os outros.”

“Ajudando os outros? Não, estou ganhando dinheiro.”

“Você tá cobrando?”

“Mas é óbvio.”

Mas que mão de vaca!

Apesar de eu pensar dessa forma, isso parecia normal para os aldeões.

Por que ninguém mais poderia fazer isso nessa vila, eles continuavam a elogiar Roxy.

Dar e receber.

É a minha percepção que está errada.

Ajudar os outros sem uma compensação é uma obrigação.

Esse era o sentimento para um japonês.

A norma aqui era cobrar por isso.

Esse era o normal — cobrar. Senso comum.

Bom, por eu ser um NEET que nem mesmo falava sobre ajudar as pessoas mais necessitadas, minha família me tratava como uma pessoa perturbada.

Hahaha.

 

Parte 11

 

Um dia qualquer, perguntei.

“Professora, posso te chamar de mestra?”

No final da pergunta, Roxy me mostrou um olhar cheio de repugnância.

“Não, você me superará com facilidade. É melhor que você não me chame assim.”

Parece que tenho o potencial para superar a Roxy.

Senti-me um pouco envergonhado quando fui enaltecido daquela forma.

“Você não chamaria alguém que é mais fraco que você de mestre, não é?”

“Provavelmente não.”

“Odeio isso. Alguém que é melhor do que eu me chamando de mestra — Isso não é apenas envergonhar a si mesmo?”

É esse o caso?

“É porque a professora é mais forte que seu próprio professor que você diz isso?”

“Ouça-me bem, Rudy. Mestre, essa ‘coisa’, é alguém que não pode te ensinar mais nada, contudo, ainda assim continua a esperar coisas de você —– Mestre é esse tipo de existência problemática.”

“Mas a Roxy não faria isso, né?”

“Talvez eu faça.”

“Mesmo se for o caso, ainda irei respeitá-la.”

Mesmo que Roxy tome uma atitude de me pedir para fazer coisas, continuarei a sorrir e respeitá-la.

“Não, posso ficar com inveja do potencial do meu aluno e acabar dizendo algo ruim.”

“Como?”

“Um mero demônio imundo, ou algo assim, não deveria ir para aquele vilarejo, etc.”

Você foi ofendida assim?

Que triste.

Discriminação é uma coisa ruim.

Mas a relação de superior-subordinado sempre foi assim.

“Tá tudo bem, isso é só uma coisinha sem importância.”

“Só porque uma pessoa é um pouco mais velha não significa que está tudo bem!! A relação de Aluno-Professor sem certo grau de força irá fazer ambos os lados infelizes!!”

Eu fui rejeitado.

Parece que a relação dela com seu professor é bem pior do que eu imaginava.

Por causa disso, nunca chamei Roxy de mestra.

Porém, decidi sempre chamá-la dessa maneira no meu coração.

Essa garota que ainda mantinha um pouco de infantilidade me ensinou várias coisas que um livro não poderia.


Tradutor: Araragi



1 – Eroge nada mais é que “jogos eróticos” ou “erotic games”.⤴

2 – Ela estava se mastur-.⤴

3 – Modo bonito de dizer velha.⤴

4 – Uma frase melosa ou romântica capaz de fazer o coração disparar.⤴

5 – H=Ecchi, safadeza/lado safado dela, ou seja, “H”entai.⤴

6 – Referência a um personagem do anime Bonobono.⤴

7 – Foi uma referência a raça Kalar de algum dos Eroges da série Rance.⤴

8 – AoE= Área of Effect, Mágias em aréa.⤴

9 – Referência a Doraemon, Roxy+ Doraemon = Rokaemon.⤴


Fontes
Cores