GADG – Capítulo 31 – Duas Refeições Por Dia é Ruim Para o Corpo



Enquanto a predominância do Exército de Libertação se fortalecia dia após dia, uma reorganização em grande escala acontecia na Capital Real Blanca.

Cortando à perseguição, começou com Barbora, que sofreu a derrota na Batalha de Bertusburg e perdeu Canaã.

As transferências de pessoal foram criticadas por levar os militares à desordem, mas Farzam reprimiu firmemente a oposição.

Já que foi difícil aplacar Barbora, que pediu uma resistência final com tudo, apenas jogue-o fora, decidiu Farzam.

Borbon, que havia feito uma “boa luta” na batalha anterior, foi apresentado como o comandante do Primeiro Exército como sucessor de Barbora.

Esse homem que não conseguia tomar decisões por conta própria era uma figura ideal. Além disso, Octavio, que estava no meio de seu julgamento por crimes de guerra, foi libertado do confinamento da casa e imprudentemente instalado como seu assistente.

Ele foi informado das intenções de Farzam e compreendeu bem seu propósito: seu papel era observar Borbon e garantir que ele nunca fizesse uma ofensiva.

Os dissidentes como Barbora foram reorganizados em posições sem poder real, e o enfraquecimento dos militares prosseguiu favoravelmente nas mãos de Farzam.

Os pedidos urgentes de reforços de Cyrus e Sayeh foram rejeitados, a defesa da Capital Real foi reforçada e nenhum soldado foi enviado, sob o pretexto de reorganização.

***

A temporada era no início do verão. Exatamente um ano se passou desde que o Exército de Libertação fez uma revolta no Forte Salvador.

Altura deu o passo final para libertar a Capital Real: a captura de Cyrus e Sayeh.

Diener e Fynn receberam cinquenta mil soldados para capturar a Fortaleza de Cyrus, e setenta mil liderados por Behrouz foram mobilizados para capturar Sayeh.

O Exército de Libertação rompeu a estrada de Canaã sem dificuldades e avançou enquanto assumia as cidades vizinhas.

A guarnição estacionada em castelos rendeu-se sem luta e, na verdade, eles se juntaram ao Exército de Libertação. Enquanto regado por aplausos do povo, os oficiais e homens do Exército de Libertação invadiram a Área da Capital Real.

Sem nada que pudesse ser chamado de resistência, o Exército de Libertação conseguiu cercar completamente ambas as fortalezas.

Um pedido de rendição chegou ao General Yalder, defendendo Sayeh com dez mil soldados por meio de uma carta amarrada a uma flecha.

“Eu garanto a vida da guarnição se você se render. Abra imediatamente os portões e larguem suas espadas”.

Exasperado, Yalder a rejeitara. Negociações de rendição quebraram antes mesmo de começarem.

A partir do dia seguinte, o Exército de Libertação de setenta mil soldados começou o cerco.

Yalder subiu às muralhas e assumiu o comando nas linhas de frente. Preservar a moral era mais importante do que qualquer outra coisa em um cerco.

— Não deixe as torres se aproximarem! Derramem óleo naqueles caras que grudam nos portões e atirem neles com flechas de fogo!

— Sim senhor-!

— Sayeh é uma poderosa fortaleza! Mostrem-lhes que podemos defender, mesmo que mandem cem mil!

As torres de cerco que se aproximavam foram atacadas com veemência por projéteis de catapultas instaladas nas muralhas do castelo e destruídas, e aqueles que tentavam derrubar os portões com um aríete eram mergulhados em óleo fervente.

Na área montanhosa de Sayeh, as catapultas do Exército de Libertação foram impedidas.

— Arqueiros, apontem! Alvo, o inimigo batendo o aríete no portão principal! Fogo-!

— Morram-!

Os soldados do Exército de Libertação, portando escudos, podiam resistir a ataques do alto das muralhas, mas não conseguiam lidar com o incêndio.

Pobres soldados incendiados por flechas de fogo se contorciam como loucos e se tornavam cadáveres em frente aos portões do castelo.

Sidamo, encarregado da defesa nas costas, estava se preparando para a guerra de túneis do inimigo. O solo do lado norte era fraco, e era a área mais adequada para cavar sob as muralhas do castelo.

Ele previu sua rota de antemão e construiu fossos cheios de água com antecedência, prontos para impedir a escavação do inimigo com eles. No instante em que os inimigos vasculhavam, a água corria sobre eles e os soldados não podiam fazer nada, exceto se afogar dentro dos túneis.

— O inimigo definitivamente tramará um ataque surpresa. O ataque concentrado no portão da frente é para enganar nossos olhos. Seu alvo real é a nossa retaguarda.

O próprio Sidamo também se juntara ao trabalho de escavação, construindo fossos junto com os soldados.

Seus fossos dariam frutos três dias depois. Como Sidamo havia suposto, o Exército de Libertação cavou seus túneis e conseguiu fazê-los sacrificar muitos de seus engenheiros.

— Ei Sidamo. Nesse ritmo, se chegarem reforços da Capital Real, prevaleceremos na defesa de Sayeh. A moral dos soldados também está alta.

— Sim senhor. Os soldados estão bem. A partir de agora, a força de cerco não chegou perto.

Como Yalder dissera, a moral da guarnição de defesa de Sayeh era alta. Antes de se entrarem no castelo, Yalder mandou ficarem apenas aqueles que tinham a vontade de ficar.

Os soldados restantes eram os soldados derrotados do Terceiro e Quarto Exércitos, bem como aqueles que tinham muitas chances de sair. Apesar de tudo isso, eles decidiram lutar até o fim com Yalder.

Sayeh era uma fortaleza cuidadosamente planejada para ser mantida por dez mil homens, e ao redor dela havia uma região de montanhas íngremes. Esta era uma posição vantajosa para o lado defensor.

— Barbora provavelmente terminará de reorganizar o Corpo do Exército em breve. Enquanto eles conduzem este ataque, eles terão que começar a ser vigilantes a um ataque à Capital Real. Então será a nossa vez de atacar.

Quando Barbora nomeou Yalder como comandante de defesa, ele declarou: “Definitivamente vou voltar e trazer reforços”.

Esses dois que tinham um relacionamento amargo deixaram seus ressentimentos passados ​​como água debaixo da ponte, trocaram um firme aperto de mão e prometeram se encontrar novamente. Eles podiam se entender, ironicamente, porque agora ambos eram generais que haviam sofrido uma derrota.

— Embora nossos suprimentos possam ser limitados, temos o suficiente para aguentar até que o Primeiro Exército chegue.

A Guarnição de Sayeh não foi informada de que Barbora já havia sido dispensado.

Sua fé de que reforços viriam, certamente nunca seria respondida.

As duas fortalezas só estavam lá para ganhar tempo até que Farzam pudesse convencer os que estavam no poder do Reino. Não importava para ele que eles só pudessem suportar por um mês.

Eram peças sacrificadas, mas elas, que estavam lutando e arriscando suas vidas à beira da morte, não tinham como saber.

— Haha, eu sou abençoado com grandes soldados tão tarde na guerra. É uma honra lutar com eles.

— Sua Excelência, haverá mais combates aqui. O exército rebelde não está totalmente unificado. Se pudermos ganhar tempo aqui, uma oportunidade se apresentará, sem falta.

— Concordo. A partir de amanhã, vamos todos sair! A Coronel Schera provavelmente está lutando em Cyrus agora. Não podemos ficar para trás, ha!

Mesmo depois de duas semanas, Sayeh não mostrou nenhum sinal de queda.

O comandante do Exército de Libertação, Behrouz, fracassara em seu plano de construir um túnel, e suas torres de ataque também sofreram grandes danos. O ataque aos portões do castelo também fora desfavorável, e as baixas aumentavam.

Behrouz era um general habilidoso em guerra de campo, mas ele não tinha experiência em cercos. Tinha uma liderança forte, mas só podia conduzir cercos pelo que aprendeu nos livros: preencher o fosso, disparar flechas de todos os lados, romper o portão ou muralhas com suporte de catapulta, e se o solo permitisse escavar, construir um túnel subterrâneo e invadir o castelo.

O que se deve fazer se nenhum deles funcionou? A resposta não estava escrita em textos militares.

Behrouz tinha lançado um ataque feroz, independentemente do dia ou da noite, mas isso tudo saiu pela culatra, criando uma montanha de cadáveres. Uma sensação de cansaço de guerra estava se espalhando pelos soldados e a moral estava diminuindo.

— ….. Isto é mau. Yalder e os soldados do Reino são bastante competentes. Nossos ataques estão sendo repelidos admiravelmente. Nossas catapultas são poucas e nossas torres de cerco foram destruídas; só podemos forçar através dos portões, talvez.

Os soldados que tentavam forçar a entrada da fortaleza por escadas foram encharcados com água fervente ou óleo ardente, e eles estavam caindo, morrendo.

Era realmente bom deixar isso continuar? Behrouz estava angustiado.

— Sua Excelência. Você não deve ser impaciente. Eu entendo seu entusiasmo para derrubar o castelo rapidamente pelo bem das pessoas, mas as perdas de soldados só aumentarão a este ritmo. Também é importante esperar e assistir.

Behrouz acenou com a cabeça às palavras do oficial de estado-maior e ruminou em si mesmo. Ele havia se acostumado demais com batalhas vitoriosas e começara a se superestimar. Ele acreditava que o Exército do Reino estava cheio de soldados frágeis.

Os outros oficiais e soldados tinham certeza de ter a mesma crença, a confiança infundada de que o inimigo cairia facilmente com apenas um leve empurrão.

Que deviam libertar a Capital Real o mais cedo possível, essa ideia o consumira.

— ……. Não é de meu feitio. O que eu aprendi depois de viver tanto tempo. Chefe Oficial de Estado-Maior, obrigado por suas críticas. Você está certo de que, temporariamente, adotar uma abordagem de esperar para ver é o melhor. Nós superamos muitas dificuldades para vir aqui, que necessidade há de ser impaciente agora? Vamos preparar uma quantidade infinita de catapultas e torres de cerco, e apenas coisas boas nos aguardam se atacarmos com compostura.

— Senhor, isso está exatamente correto. Eu começarei imediatamente os arranjos. Levará tempo, mas poderemos derrubar com confiança a fortaleza. Não importa o quão corajoso seja o inimigo, General Yalder, ele não pode reabastecer seus soldados. A partir de amanhã, vamos cercá-los e contê-los apenas com flechas disparadas. Isso forçará o inimigo à exaustão.

— Concordo. Dê a diretiva imediatamente. Especialmente em momentos como este, não devemos nos apressar.

Foi uma decisão ousada retirar o plano de uma ofensiva total, apesar de ter mais de sete vezes o número do inimigo. Ele seria inevitavelmente criticado por sua incompetência. Qualquer outro general teria decidido capturar a fortaleza através da força.

Ele aceitar as críticas de sua equipe e decidir mudar o plano era uma das virtudes de Behrouz.

A força do Exército de Libertação para capturar Sayeh deixou de lutar por duas semanas no cerco.

A força enviada para cercar Cyrus, o Exército de Libertação comandado por Diener, por outro lado, não havia disparado sequer uma única flecha durante essas duas semanas.

Este homem só fez uma coisa: cercar Cyrus completamente.

Não apenas os engenheiros, nem os batedores eram uma exceção. Todos os oficiais e homens foram investidos na construção deste cerco apressadamente. Paliçadas foram erguidas, trincheiras foram cavadas e cercas para proteger contra cavalos foram esticadas ao redor.

Os braseiros iluminaram brilhantemente a noite, mostrando ao inimigo uma lacuna para uma invasão noturna. As patrulhas eram frequentemente enviadas sem nenhum deslize na vigilância da fortaleza inimiga.

Eles pediram a rendição apenas uma vez antes do cerco, e eles não planejavam aceitar a rendição depois disso. A razão é que, se o fizessem, o gasto com comida aumentaria, já que precisariam aprisionar os soldados.

O plano de ataque de Diener foi claro e simples. Fome completa. Eles compraram tantos bens quanto pudessem da área em torno de Cyrus de antemão, e depois de cercar a fortaleza, eles guardariam contra a fuga inimiga.

Segundo relatos de espiões, Cyrus não tinha provisões. Esta fortaleza apenas construída não foi abastecida com comida. Quanto tempo eles poderiam aguentar dependia do comandante encarregado da defesa.

— Senhor Diener, o cerco é impecável. Nem mesmo um rato poderia sair agora.

— Ahh, tudo está indo bem. Agora só esperamos o tempo passar.

— Bom para nós que o General Larus é um homem cuidadoso. O momento mais perigoso a ser atacado foi enquanto estávamos tecendo nossa teia.

Larus era um homem que lutava uma batalha prudente e calma, mas ao mesmo tempo, era uma falha.

Já que ele estava desconfortável com a falta de soldados, proibiu qualquer combate até que os reforços da Capital Real viessem.

Durante esse tempo, o Exército de Libertação completou seu cerco. Se tivesse sido o beligerante Barbora, ele não teria deixado que eles corressem por aí.

Isso não significava que era certo lançar um ataque, mas o resultado final foi que a fortaleza estava completamente bloqueada.

— O Exército do Reino é cerca de sete mil, um pouco baixo demais para lançar um ataque. Uma pessoa cautelosa provavelmente nunca faria uma aposta assim.

— E com isso, parece que o Deus da morte também está chegando ao fim.

— De fato. Eu vou fazer ela provar uma fome infernal. Um mês pelas minhas estimativas. Vou gostar de vê-la depois disso, heh.

Os cantos dos lábios de Diener se ergueram e ele sorriu. Ele tinha ouvido falar que o Deus da Morte tinha um apetite enorme. Já era tarde demais para ela exercer sua qualidade. Esse cerco não pode ser quebrado.

Ele, colocando o plano de fome em ação, foi tudo em consideração a ela. Ele achou que era um método de execução apropriado para a Morte.

— Você não aceitará a rendição?

— Claro que não. Não vou aprovar a rendição depois de tudo que passamos. Eles vão morrer de fome, vão sofrer e sofrer; então morrerão, seus corações cheios de arrependimento. Estou pensando em todos os nossos companheiros que foram mortos por ela. Não mostre misericórdia àqueles que saírem da fortaleza, não importa quem eles sejam. Atire neles até a morte.

— Entendido.

Disse Vander, sentindo o horror interiormente. O rosto de Diener mostrara uma pitada de loucura. A guerra leva os homens à insanidade.

Vander tinha experimentado isso em primeira mão.

— Sua Excelência. Em relação às rações alimentares, conforme ordens, foram dadas diretrizes para conservar.

Veio relatando um oficial de estado-maior. Larus havia ordenado que as refeições dadas fossem reduzidas a duas por dia e, além disso, suas quantidades diminuíam.

Duas semanas haviam se passado desde que a Fortaleza de Cyrus estava cercada, e o General Larus na defesa tinha uma expressão de impaciência.

Esta fortaleza estava ocupada por cinco mil soldados do Primeiro Exército e dois mil da Cavalaria de Schera.

Era apenas uma construção robusta, mas o fornecimento de suprimentos havia sido completamente tarde demais. Os suprimentos não haviam sido enviados coincidentemente com a conclusão porque enviar suprimentos para um lugar como esse os desviava das linhas de frente.

Mas agora que Canaã caíra, isso tinha saído pela culatra.

Não era que Larus não tivesse considerado sair a um ataque. Ele tinha pensado em fazê-lo para impedir as manobras do inimigo.

Mas a força do inimigo era um grande exército de cinquenta mil. Apesar da excelência de Schera na batalha, ele não podia garantir seu retorno seguro. Se na chance de que o “Deus da Morte”, Schera, fosse morto, a moral provavelmente chegaria ao fundo do poço.

Por isso Larus havia impedido de um ataque. Ele não achou que tivesse errado. Mesmo agora, ele acreditava que se dedicar firmemente à defesa era o melhor curso de ação.

— O Primeiro Exército provavelmente terminou sua reorganização. Sua Excelência Barbora é um homem mal-humorado. Ele já pode estar a caminho.

— Sim, se conseguirmos resistir até lá, será possível repelir o inimigo, eu acredito. Os soldados também estão dizendo que vamos administrar enquanto a Coronel Schera estiver aqui.

— Mhm. Mas isso não exclui a possibilidade de o inimigo mudar para um ataque. Diga aos soldados para não serem negligentes em sua vigilância.

— Entendido.

Larus olhou pela janela do andar de cima do castelo. As bandeiras do Exército de Libertação estavam em toda parte, como se engolissem Cyrus.

Schera e sua cavalaria não tinham nada para fazer, a não ser vigiar nesse cerco.

Como Larus ordenou que eles não desperdiçassem inutilmente sua resistência, eles só poderiam continuar em alerta, indefinidamente.

Para Schera, isso não era motivo de preocupação, e em sua rotina diária, ela estava empenhada em cuidar do campo.

Observando-a com espanto, foi alguém que rompera à força diante do cerco, o Capitão Darus Madros.

— Ei, Coronel Schera. Está se atrapalhando com a diversão no campo?

— Sim. É realmente divertido. Eles estão crescendo pouco a pouco. Não consigo parar de ver.

Murmurou Schera enquanto arrancava ervas daninhas. Katarina estava regando.

— Essas parecem batatas de Wealth. Você tem alguns gostos ruins. Alguns dizem que são nojentas e não comestíveis.

Darus disse com desdém. Ele não conseguia se imaginar deliberadamente querendo comer batatas nativas da odiada Wealth. Havia tentado uma vez e, como esperava, eram repugnantes.

Os idiotas de Wealth devem ter suas personalidades feridas depois de comer essas coisas nojentas, pensou Darus consigo mesmo.

— Não são. Elas cresceram aqui, então são batatas de Cyrus. Certo, vou chamá-las de batatas de Cyrus.

— Isso dá no mesmo.

— Capitão, você não acha que está sendo um pouco atrevido para a Coronel?

Irritada, Katarina franziu as sobrancelhas e aconselhou-o a se conter. Patente era absoluta em um exército. Mesmo se ele fosse um homem da família Madros, por exemplo, seu desrespeito não poderia ser menosprezado.

— Eu nasci com uma boca suja. Além disso, vim aqui para ajudar sem ser convidado. Eu não tenho medo de nada agora.

— Eu me pergunto se você ficou louco, vindo aqui sozinho para jogar sua vida fora.

As palavras que Schera murmurou, sem intenções ruins, atingiram um nervo. Essa mulher que não parecia ser inteligente achou que ele era ainda mais tolo.

— …… Chame isso de senso de dever. Eu vim para pagar a dívida de Madros. Além disso, não é definitivo que vamos morrer. Soldados da Capital Real vão vir e viveremos para lutar outro dia.

— ….. Possivelmente.

Schera arrancou um inseto agarrado a um talo e jogou fora.

Sua condição melhorou, mas suas refeições diminuíram para duas vezes ao dia, e suas porções também diminuíram. Os lanches que ela mantinha com ela estavam quase terminados. Os doces de Katarina estavam agora em um número contável.

O humor de Schera estava ficando mais sombrio, e os cavaleiros também não estavam se saindo bem.

— Ah, sim, ei Coronel. Eu ouvi isso da cavalaria. Dizem que o restante do alimento está em péssimo estado.

Disse Darus como se tivesse acabado de se lembrar, e o rosto de Katarina endureceu.

— Katarina, isso é verdade?

— S-Sim. Nós temos mais ou menos o suficiente.

— Não é grama… que cresce dentro desta fortaleza?

— Não há nada além de ervas daninhas chegando agora. — Disse Darus, apontando para a vegetação esparsa.

— O que devemos fazer, eu me pergunto.

Schera ponderou. Havia ervas crescendo aqui e ali, mas não o suficiente para todos os cavalos. Sair também era proibido.

— …. por favor, você pode deixar comigo? Posso tomar o melhor curso de ação.

— O que você planeja fazer?

— Por favor, deixe tudo comigo.

Vagamente disse Katarina, não recuando. Era melhor se Schera não soubesse.

Darus baixou os olhos.

— Entendi. Confiarei tudo a você, Primeira-Tenente. Por favor, cuide dos cavalos.

Schera sorriu e deu um tapinha nas mãos dela, removendo a sujeira.

— Sim senhora, entendido.

Depois de se assegurar de que Schera estava voltando para seu escritório, Darus pediu desculpas a Katarina.

— ….. Foi mal. Parece que falei demais.

— Está bem. Ela teria descoberto mais cedo ou mais tarde.

— Então, o que você pretende fazer? Deixar eles irem?

— Como se eu fosse entregar nossos cavalos de guerra para o inimigo. Também não há necessidade de arriscar a abertura dos portões.

— Mas não há ração, certo? O que você vai fazer então?

— ….. É melhor se você não souber.

— Uou, ei…

Katarina ignorou Darus e dirigiu-se aos cavaleiros que esperavam em alerta. Ela tinha que conseguir a cooperação deles.

O que ela tinha que fazer era simples. Eles tinham que abater os números até que pudessem aguentar por mais duas semanas com o alimento que eles tinham.

Duas semanas já haviam se passado desde o início do cerco. Reforços devem vir depois de meio mês, Katarina estimou.

Eles devem primeiro matar quinhentos dentre os pouco menos de dois mil cavalos de guerra que tinham. Se isso não bastasse, seus números seriam reduzidos ainda mais.

A carne resultante seria usada para comida. Seria cruel, mas necessário. Isso era guerra.

— ………

Katarina ficou parada por um momento e olhou para o céu.

Ela era uma herege caída que manipulava cadáveres. Não se importava se fosse ridicularizada depois de tudo o que tinha feito.

Mas a única coisa que não queria era ser odiada por Schera. Ela temia perder a fé de sua comandante.

Schera chegou a ser estranhamente ligada a cavalos e é por isso que a magoaria ao mencionar esse plano. Ela não queria que Schera soubesse.

A cavalaria tratava seus cavalos com muito cuidado, porque os cavalos eram o próprio parceiro, obviamente. Katarina também amava e dera um nome ao dela.

Eles começariam a abater a partir dos cavalos já enfraquecidos. Eles iriam em ordem de físico, e o cavalo de Katarina não seria excluído.

Katarina tirou os óculos, limpou a área em volta dos olhos quando começou a andar novamente.

*********

– Um mês se passou desde o começo do cerco. Reforços ainda não vieram.


Tradutor: Apollo  |   Revisor: Apollo



Fontes
Cores