GADG – Capítulo 24 – Almoçar Com o Marechal-de-Campo é Incomumente Barulhento, Mas é Delicioso



Um mês depois que o Exército do Reino e o Exército do Império lutaram em Madros.

Na sala de audiência do Castelo de Madros, o senhor do castelo e comandante do Quinto Exército, Kerry, e um hóspede não convidado estavam sentados à uma mesa redonda.

Atrás de Kerry estavam esperando guarda-costas fortificados com armaduras pesadas, e se o homem na frente deles tivesse qualquer comportamento estranho, eles poderiam imediatamente se preparar para a batalha.

Com apenas um jovem oficial acompanhando-o ao lado, o sorriso do homem não mudou mesmo enquanto se aquecia na animosidade dos arredores.

Kerry limpou levemente a garganta e depois se dirigiu ao homem em seu tom habitual.

— Yo. Eu quero dizer muito bem-vindo aqui, mas desculpe, você e eu somos inimigos mútuos agora. Está tudo bem para você vir a este castelo, mesmo sabendo disso?

— Não reclame se eu tiver sua cabeça cortada sem falar com você — cuspiu Kerry enquanto colocava o copo nos lábios.

Aquele homem, com o nome de Diener, respondeu em um tom calmo.

— Que frio. Eu vim a este castelo como um homem que ama a paz. Espero que Sua Excelência possa entender.

— Deixe de fora esse seu mimetismo. Não tire tanto sarro de mim entendeu? Minha unidade de inteligência tem em mãos o que você está planejando lá embaixo. Você não é muito mal-humorado? Vomitando veneno em todos os lugares. O rosto de uma fera seria mais apropriado para você do que qualquer outro.

Kerry desagradavelmente disse. A unidade de inteligência de Madros tinha seus espiões não apenas no Império, mas também no Reino e no Exército de Libertação. Por uma questão de farejar crises iminentes de antemão, é claro. Não havia provas positivas, mas há relatos de que existe uma possibilidade extremamente alta de que a suposta Atrocidade de Tenang tenha sido orquestrada pelas mãos do Exército de Libertação.

Países ou exércitos sempre teriam um lado sujo que não revelariam. Eles não seriam capazes de mobilizar ou matar pessoas se tentassem permanecer puros.

Só o que acharem conveniente entrará nos ouvidos da população. Não importa se o Reino representa justiça, depois de tudo isso, ninguém acreditaria, e ninguém riria da ideia do Exército de Libertação se disfarçar de Exército do Reino e fazer pilhagem.

Informou Diener, sua expressão era carinhosa, mas seus olhos não estavam sorrindo. Se cometesse um único erro, não teria mais sua cabeça.

Preparado para isso, Diener foi até Madros.

— É como você diz. Não importa como o Reino negue qualquer coisa, isso só será desculpa neste momento. No entanto, se é apenas difamar o Reino, eu posso fazer isso sempre que quiser. Desculpe, mas estou ocupado; eu não tenho tempo para acompanhar suas piadas e a ingenuidade daquela mulher tola que não consegue distinguir a realidade de seus sonhos. Se você tem negócios reais, apresse-se e diga.

Kerry violentamente bateu com o copo na mesa e olhou para Diener com um olhar cheio de intenção assassina. Diener encolheu levemente os ombros e começou a falar baixinho.

— É uma questão simples. Até capturarmos a Capital Real, eu gostaria que você não transferisse o Quinto Exército de Madros.

— Você está mesmo ouvindo a si mesmo? O que é dito não pode ser desfeito.

Quando Kerry levantou o punho direito, os guarda-costas desembainharam as espadas. Provavelmente haveria dois cadáveres nesta sala quando a mão fosse balançada.

— Claro. Atualmente, o poder de combate do Exército de Libertação, generosamente falando, é de cento e cinquenta mil. Embora nossa moral seja alta, ser atacado de três direções, o norte, o sul e depois a área de Canaã seria bastante árduo, como seria de esperar. Eu não acredito que você se moveria, considerando quão prudente você é, mas você abandonando Madros e transformando todas as suas forças para nós seria imparável, mesmo para nós.

— … E a sua razão para explicitamente me dizer isso? Você pretende me ameaçar?

— No instante em que você mover suas forças de Madros, o Exército do Império lançará uma ofensiva geral nesta área. Esta é uma informação precisa obtida do Príncipe Alan. Eu também não desejo mais intervenções do Império. Consequentemente, eu vim para pregá-las. Não posso deixar suas tropas se moverem daqui.

Disse Diener enquanto levemente batia o dedo na mesa.

— Temos o príncipe herdeiro Alexander aqui como refém. Se eles vierem invadir novamente, ele perderá a vida.

— O Imperador Alf não é tão indiferente para priorizar a vida de um príncipe sobre a expansão de seu domínio. Aceitar negociações também é apenas para ganhar tempo para colocar os preparativos militares em ordem.

Disse Diener misturando fatos com a verdade. Diener estava atualmente observando se o Imperador priorizaria a vida de Alexander.

Ele entendeu que o Império simplesmente não disse sim nas negociações porque, uma vez que aceitasse uma proposta, as demandas aumentariam até o fim. Naturalmente, o refém não seria libertado.

— ….. Então é assim que é. Eu entendo o que você está dizendo. Mas sua demanda está completamente rejeitada. Saia agora, sabe. Você é uma monstruosidade.

— Isso é uma pena. No entanto, fiquei feliz por ter tido uma conversa direta com Sua Excelência. Se surgir uma oportunidade, vamos nos encontrar novamente. Certamente não será muito longe no futuro.

— Hmph, não tenho desejo de me encontrar com você. Ei, o convidado está saindo. Mostre-lhe a saída!

— Sim senhor!

Kerry levantou-se, indicando que não haveria mais conversa, e deixou para trás a sala. Diener e o oficial que o acompanhava, Vander, foram empurrados pelos soldados e arrumados para sair da sala.

***

— …… Senhor Diener. Isso se tornou bastante desagradável.

Vander se dirigiu ao seu superior enquanto montava em seu cavalo. As negociações haviam quebrado com o pior resultado possível, ele julgou.

— Estou tendo dificuldade em entender o que era tão desagradável. As negociações não foram um sucesso retumbante? Em primeiro lugar, eu havia alcançado meu objetivo de poder encontrar o Senhor Kerry neste momento.

— A-Ainda assim.

— Esse homem absolutamente não irá se mover daqui. Mais do que sua lealdade ao Reino, ele só pensa em como proteger o território de Madros. Isso é o que faz com que esse cara seja um carrapato. Mesmo que tenha colocado um fim nas minhas negociações, isso não mudou.

— Se você entende isso, então por que viria diretamente, Senhor Diener?

— Preparativos para depois libertar a Capital Real. Eu preciso que ele defenda contra a expansão do Império daqui em diante também. Madros é uma região avançada contra o Império, e os únicos que podem cumprir esse dever são aqueles madrosianos. Por esse motivo, a negociação desta vez exigiu que nos encontrássemos cara a cara. Depois de libertar a Capital Real, eu não quero estar sob um regime fantoche, mesmo que fôssemos independentes.

Diener declarou seu próprio pensamento em um tom claro. A monarquia atual já havia caído em sua mente.

O resultado era o crucial. O Império viria, sem dúvida, interferir no novo poder político. Esse era o objetivo do Imperador Alf. Para Diener, ele tinha que manter a intervenção do Império no mínimo.

Para começar, o Império tropeçando dessa vez fora um evento além de suas expectativas. Era inaceitável que o Reino tivesse um retorno importante, mas era uma bênção disfarçada que o poder do Império tivesse sido temporariamente contido. Além disso, era uma dádiva de Deus que o príncipe herdeiro tinha sido preso.

Isso era o mesmo que ter a carta mais forte contra o Império para as negociações. O Exército do Império não conseguiu se mexer com isso.

Ao mesmo tempo, a vitória do Reino provocou inquietação entre os senhores feudais que estavam atualmente em cima do muro, o que tornou os projetos ativos de Diener mais turbulentos. Os senhores feudais não achavam que o Reino continuaria assim, mas também era difícil acreditar que o Exército de Libertação ganharia sem problemas. Eles mais uma vez entraram em suas conchas de tartaruga, pensando que seria melhor esperar e ver.

Na zona sudeste de frente com a União estavam o Exército do Reino, o Exército de Libertação e a União confrontando-se, e eles haviam caído em um impasse onde ninguém poderia se mover.

Por enquanto, a única coisa que o Exército de Libertação poderia realizar seria esmagar a força principal do Exército do Reino, capturar Canaã e invadir a Capital Real. Essa era a única opção.

Se o fluxo da batalha fosse a seu favor neste momento, todas as pessoas que esperavam e que viam viriam sob o guarda-chuva do Exército de Libertação.

A chave para esta Guerra de Libertação seria a próxima batalha. Provavelmente aconteceria entre Canaã e Belta, um compromisso que decidiria tudo.

— ….. Vander. A próxima batalha, agora, é algo que não devemos perder. Sirva com tudo que você tem, com isso em mente. Os sucessos que você ganhar serão absolutamente recompensados ​.

Diener estava comprando as habilidades de Vander. Diener foi o motivo de o Marechal-de-Campo Sharov ter sido dispensado e ele foi quem inventou a tentativa de golpe de estado. Obviamente, tudo era um truque; Sharov não tinha intenção de se rebelar. Eles semearam discórdia com o Primeiro-Ministro Farzam e forçaram a mera fumaça a um fogo violento.

— Sim senhor, eu sei o meu dever!

— Vou voltar para Belta e começar os preparativos antes da batalha. Você pega os fundos e vai aprovisionar algumas vacas de Colônia conforme combinado. Eles serão o nosso trunfo na próxima batalha. Reúna quantos você puder. Mil, no mínimo. Não se preocupe com a qualidade deles.

— Entendido….. No entanto, como você vai usar vacas criadas por sua carne?

— Vou dar aos soldados carne de alta qualidade. Deixe isso assim por enquanto. Em breve, você vai entender.

Respondeu Diener, levantando os cantos da boca e começou a galopar seu cavalo. Seus guardas também, com um ligeiro atraso, seguiram apressadamente atrás dele.

A vaca de Colônia era uma vaca grande que crescia com chifres afiados e vivia apenas no norte do continente. Pode parecer uma besta dócil num piscar de olhos, mas uma vez que percebesse que estaria em perigo, tem uma disposição furiosa onde continuaria a perseguir seu adversário, não importava para onde fosse.

Sua carne era deliciosa e, aliada à sua dificuldade de captura, era vendida a preços elevados nos mercados. Caçadores saíam e caçavam vacas de Colônia, mas havia ocorrências frequentes deles tendo as mesas viradas e sendo mortos.

***

Ao ter sido promovida a Coronel e nomeada para um certo dever, Schera marchou calmamente, levando junto cem cavaleiros – enquanto chupava um longo e fino talo de cenoura em sua boca. Ocasionalmente, ela jogava um na frente de seu cavalo, dando-lhe algo para comer. De qualquer forma, havia mais do que suficiente dos talos de legumes amontoados na bolsa em sua cintura. Dar vários talos não seria um grande negócio.

— Coronel, você parece estar de bom-humor.

— Mmnn, porque eu peguei essa sacola de legumes antes de partirmos. Como parabéns por ter sido promovida a Coronel. Estou feliz por ter sido promovida.

Algumas crianças vieram até o herói, Schera, e perguntaram o que ela queria de presente. Por isso, quando respondeu que tudo ficaria bem desde que pudesse comer, ganhou uma sacola de legumes no dia seguinte. Schera aceitou-a, mais satisfeita do que quando recebeu uma medalha ou uma carta de recomendação com sua linguagem exigente.

— Bom para você. Por favor, permita-nos o privilégio de parabenizar sua promoção depois.

— Não se esforcem. Além disso, você também quer um?

— Muito obrigado, eu aceito com gratidão!

Schera atirou-lhe um talo verde e o cavaleiro saltou até ele, em êxtase. Schera começou a mastigar outro, enquanto pensava que ele era como um cachorro treinado.

Por acaso, Katarina, que foi promovida a Primeira-Tenente, estava fora em um dever diferente. Ela estava encarregada de treinar os soldados recém-designados que substituiriam os cavaleiros que haviam morrido em batalha. A Cavalaria de Schera tinha recebido três mil cavaleiros. Yalder se vangloriara de que, se lhe dessem dez mil de cavalarias, a cabeça do líder do exército rebelde seria deles, mas como ainda restavam algumas dúvidas sobre sua capacidade de liderança, apesar de sua coragem individual ser reconhecida, não lhe era permitido nenhum aumento. Não pretendendo dar a Schera, cujo berço era duvidoso, mais responsabilidade, a opinião do Primeiro-Ministro Farzam também desempenhou um grande papel.

Yalder havia sido reintegrado à General, mas, ao mesmo tempo, Barbora também foi promovido de Tenente-General para General.

Como a autoridade de Barbora era maior, já que tinha comando sobre a defesa de Canaã, Yalder não conseguiu insistir em forçar sua opinião.

Os dois eram famosos por serem como cão e gato, mas tendo seu desejo por promoção saciado, Barbora recuperou mais ou menos sua racionalidade, e mesmo quando confrontado por Yalder, ele não demonstrou nenhuma de suas hostilidades anteriores. Yalder também sobrevivera a duras provações e parecia ter amadurecido como ser humano, ganhando as qualidades de autocontrole e paciência.

Dito isto, porém, era apenas uma história sobre os dois generais. A crítica e a pressão para com Schera, a mais jovem a se ascender a Coronel na história do Reino, eram extremamente fortes, e agora ela era banhada por quantidades infinitas de olhares, viscosa de ciúme, inveja, medo e ódio.

Os especialmente fortes vieram dos Major-Generais, pois da próxima vez que Schera fosse promovida, eles seriam do mesmo nível. O medo de ser alcançado e depois ultrapassado por uma pessoa de ascendência mais comum era extremamente estressante. Para eles, ter suas posições superadas por esse tipo de humano que eles desprezavam totalmente era insuportável.

O principal deles era o confidente de confiança de Barbora por muitos anos, Major-General Octavio, e o próximo era o Major-General Borbon. Eles repetidamente difamavam Schera sempre que algo aparecia, e não era raro que eles fossem repreendidos por um enfurecido Yalder. Barbora fingiu que não tinha nada a ver com ele como seria de esperar, mas até ele acabou fazendo uma expressão que dizia estar farto deles.

Humanos que não tinham interesse em promoções como o Major-General Larus eram honestamente escassos no Reino.

Assim, tendo sido libertada dos olhares de seus colegas podres, Schera estava extremamente animada e, no luminoso começo da tarde, viajava vagarosamente com seu cavalo enquanto assobiava.

— Coronel, um grupo de cavalaria e carruagem está vindo da frente. A bandeira deles é do Primeiro Exército.

— Tudo bem, todos os membros, formem fileiras-! Vamos dar às boas-vindas à Sua Excelência, Marechal-de-Campo Sharov !! Não sejam descorteses!

— Sim senhora!

No comando de Schera, os cavaleiros se dividiram em duas fileiras s e se prepararam para receber a coluna de cavaleiros do Marechal-de-Campo. Schera estava em seu centro e cumprimentou a procissão da frente.

O cavaleiro que corria à frente do grupo proclamou em voz alta:

— Bandeira negra com um brasão de corvo branco, a corajosa e prestigiosa Coronel Schera, suponho! Somos a cavalaria do Primeiro Exército ligado a Canaã! Por favor, assuma o dever de escoltar Sua Excelência Marechal-de-Campo Sharov!

— Entendido! Juro por este emblema que vamos levar o Marechal-de-Campo para a Capital Real, sem falhar!

Schera saudou, fazendo um esforço consciente para ser o mais digna possível. O Oficial de Estado-Maior Sidamo realmente a havia dito mais cedo. “Como comandante, você deve mostrar o ar da imponência”, dissera ele. Ela realmente não sabia como controlar o ar, mas tudo bem se aparecesse no comando, ela supôs.

— Por favor, cuide de-! Devemos retornar com urgência à defesa de Canaã! Então, por favor, nos dê licença!

Depois de relatar apenas o que era necessário, ele virou o cavalo e a unidade de cavalaria começou a correr. A essência do dever era extremamente simples: escoltar o Marechal-de-Campo Sharov, que estava privado de sua autoridade militar, para a Capital Real. A razão pela qual demorou um mês até a escolta foi porque, como seu serviço final, Sharov decidira conter a inquietação em Canaã. Havia a possibilidade de que soldados que juraram lealdade a Sharov explodissem espontaneamente em frenesi, para que não pudessem deportá-lo imediatamente. A probabilidade era tão grande que o Major-General Larus e outros haviam declarado publicamente que seguiriam Sharov se ele se revoltasse. Pensando que ele deveria detê-los, Sharov tinha pessoalmente planejado persuadi-los e, de algum modo, conseguiu fazê-los entender.

Porque Sharov, tão profundamente leal ao Reino, persuadira os soldados a fervilhar de justa indignação, foi despojado do seu ofício e posto, e parecia que seria executado em cima disso.

Não entendendo a lógica do mundo, Schera inclinou a cabeça. Ela tinha Katarina para explicar para ela, mas como ela pensava, ela não conseguia entender. Se eles iam aniquilar o exército rebelde, ela pensou que seria mais eficiente manter a posição de Sharov; no entanto, ela não estava particularmente interessada no assunto, então ela não demonstrou uma oposição problemática. Ela não podia evitar, já que sentia fome quando pensava em algo que não lhe importava. Coma, durma e lute. Ela não estava muito interessada em mais nada.

Da carruagem saiu Sharov contido em ambos os braços por guardas, e ele fez uma saudação com movimentos lentos.

— Bom trabalho cumprindo seu dever. Isso seria uma boa história, ser visto pela heroica e ilustre Coronel Schera.

— É uma honra! Esta indigna Schera tem o privilégio de dedicar seu corpo e alma para acompanhar Sua Excelência à Capital Real Blanca!

Schera desmontou agilmente, endireitou as costas e cumprimentou. Por ser uma postura que ela não estava acostumada, seus ombros estavam rígidos. Seu estômago também estava vazio.

Por acaso, “indigna” era algo que ela ouviu dizer sera bom acrescentar antes do próprio nome ao falar com um dignitário. Se ela fizesse isso, estava colocando “imponência no ar”. Foi uma das palavras que o Oficial de Estado-Maior Sidamo lhe ensinou. Também foi dito a ela  para não usá-la com muita frequência.

— Hahaha-, provavelmente não há oficial mais inadequado para uma linguagem respeitosa do que você. Isso absolutamente não se encaixa. É realmente decepcionante não ter existido chance de lutarmos juntos. Até eu mesmo quis ver com esses olhos, essa destreza que merece o “Deus da Morte”.

— Senhor, essa pequena oficial também acha decepcionante!

— Bem, então, eu estou confiando em você nesta jornada, Coronel Schera.

— Entendido!

Enquanto esfregava os pelos faciais, Sharov sorria gentilmente. Schera tinha considerado apresentar um vegetal da bolsa em sua cintura, mas os cavalos estavam olhando avidamente para ela, então colocou em sua boca.

***

A caminho da Capital Real.

Um grupo apareceu, trazido pela filha mais nova da família Bazarov, mas não havia nenhum problema em particular, e o dever de acompanhante havia prosseguido.

Como Schera decidiu que todos deveriam fazer uma pausa para a refeição, ela dera a Sharov a chance de conversar com a neta. Havia alguns que achavam que fora a boa vontade de Schera, mas na verdade, ela estava com fome.

— ….. Anna…. Não seja imprudente. Se o Coronel estivesse em serviço, você já teria perdido a cabeça. Nossa, que pequena misericórdia.

— Avô… Senhor Sharov. Venha fugir com a gente. Se você for para a Capital Real agora, será morto. Esses caras não pretendem ouvir você. Eles pretendem executá-lo sem direito a julgamento. Até o Pai e a Mãe, todos foram levados para lá!

A neta de Sharov, Anna Bazarov, levantou a voz.

Schera agiu como se não tivesse ouvido, e começou a devorar o almoço embalado. Somente quando ela estava comendo uma refeição ela não lhe dava atenção total. Os outros cavaleiros também começaram a comer animadamente, fazendo barulho.

— Eu mesmo não fiz nada de mal, então por que devo escapar? Escapar seria naturalmente reconhecido como tendo algo para ser culpado. Mesmo que houvesse, para mim, o Marechal-de-Campo, mostrar tanta covardia é inaceitável. Eu tenho que me encontrar diretamente com Vossa Majestade e provar a minha própria inocência.

— Contudo…!

— Ouça bem, Anna. Continue como está e vá para a União. Detalhes estão escritos nesta carta. Há muitos amigos meus por lá. Eles certamente vão tratá-la bem.

— Se o Senhor Avô não for, eu também irei para a Capital Real!

— Você não pode tomar parte no egoísmo desse velho homem. Eu queria fazer o mesmo para os outros com o melhor de minha capacidade, mas…. Temo que todos os meus parentes tenham sido capturados.

— Por que, por que o Senhor Avô, que trabalha tão duro, está sendo tratado como um criminoso….?

Anna cobriu o rosto com as duas mãos. Lágrimas saíam dela.

— Neste mundo, há muitas coisas que não têm uma explicação clara. Até eu, agora nesta idade, estou aprendendo….. Embora pareça que o preço que paguei foi um pouco alto….

Sharov suspirou com uma expressão cansada.

— Mas-! Isso é ridículo! Eu não posso aceitar!

— Esta conversa acabou, Anna. Você não pode presumir a gentileza do Coronel para sempre. Vá viver em boa saúde. Estamos sempre orando por sua felicidade.

Sharov enviou um sinal com os olhos, e os soldados que tinham vindo junto com Anna seguraram firmemente os dois braços e arrastaram-na para longe.

Eram soldados que haviam jurado lealdade à família Bazarov e tinham mais fidelidade do que qualquer um. Eles iriam trabalhar para a família Bazarov até o fim. Era uma pena que ele não pudesse recompensar sua fidelidade, pensou Sharov.

Houve alguma resistência de Anna, mas talvez ela desistiu em pouco tempo, ela começou a chorar com sons sufocados. O que aconteceria com ela a partir de agora, Schera não estava em posição de saber. Talvez ela seja capturada no caminho e morra. Talvez ela pudesse escapar em segurança para a União. Ou talvez, ela se aplicaria ao Exército de Libertação, mas isso seria apenas até que ela fosse morta pelas mãos de Schera.

Schera jogou o último pedaço de carne na boca, limpou a gordura da boca e suspirou satisfeita.

Sharov falou para se desculpar com Schera.

— Desculpe, Coronel. Pelo meu parente ser desagradável…..

— Esta pequena oficial estava fazendo uma refeição e não sabe de nada. Se o Marechal-de-Campo estiver pronto, talvez queira partir em breve?

— …… mmm, conto com você.

— A Cavalaria de Schera partirá! Comecem a marcha!! Destino, Capital Real Blanca!

— Comecem a marcha! Levantem a bandeira!

Schera começou a acelerar o cavalo com a foice no ombro. Enquanto carregava um pecador falsamente e acusado, a procissão da Morte avançou seriamente para a Capital Real.

Depois de chegar à Capital Real, Schera foi imediatamente ordenada a ir para Canaã, e acabou saindo sem tempo para descansar. Schera, que estava ansiosa pelos prazeres da Capital Real, obedeceu com uma expressão amarga, depois de estalar a língua. Parecia que ela nunca teria sorte na Capital Real e suspirou o tempo todo.

Quando eles estavam prestes a se separar, Sharov pegou as mãos de Schera e disse: “Eu deixo o Reino com você”, em voz baixa, mas com força. Quando Schera balançou levemente a cabeça, Sharov assentiu com a cabeça muitas vezes, com o corpo arrepiado de arrependimento. Por fim, ele foi violentamente levado pelos soldados da Capital Real que se cansaram de esperar.

Schera apenas observou, sem expressão. Ela não tinha emoções particularmente fortes.

Em pouco tempo, ela tirou um vegetal da bolsa, segurou-o na boca e caminhou para se juntar a seus camaradas.

***

Sharov foi totalmente privado de sua nobreza, território e hierarquia e, além disso, foi acusado pelo crime de tentativa de rebelião e aprisionado. Não lhe foi dada uma única oportunidade para reivindicar-se pelo Reino.

Depois de uma semana, morreu na prisão. Ele pessoalmente escolhera uma morte que não servia para um militar, dizia-se, mas falava-se entre as pessoas do Reino que ele foi envenenado pelas mãos de Farzam. Que havia mais pessoas que acreditavam que o último feito era uma indicação da baixa popularidade do Primeiro-Ministro Farzam.

Uma vez até chamada de símbolo da Família Real Yuze, a linhagem Bazarov foi eliminada. Quanto aos membros da família, os homens receberam a pena de morte, os que não tinham idade e as mulheres foram rebaixados para o status de plebeu, e essa rebelião foi temporariamente resolvida.

No entanto, essa tentativa de golpe acabou criando suspeitas nos oficiais militares em relação ao Reino e ao Primeiro-Ministro, e a distância entre eles aumentava a cada dia. Além disso, pode-se dizer que os insurgentes internos que haviam sido reprimidos pela fama militar de Sharov começaram a se movimentar novamente.


Tradutor: Apollo  |   Revisor: Apollo



Fontes
Cores