CC – Capítulo 275 – Japoneses que não podem dizer NÃO


— Sinto muitíssimo por não reconhecer o Quase-Barão-sama!

O soldado que me levou se desculpou comigo.

Mesmo como um quase-nobre, manter a autoridade do posto de Barão era bastante útil.

— Consultamos Conde Paul e Marquês Yutings e recebemos relatos de que o Quase-Barão Ichinojo-sama é muito capaz e é um aventureiro de confiança.

— Ah, entendo. Eh, não se preocupe com isso. De qualquer maneira, a culpa é minha — ou melhor, do meu conhecido.

Traição — eu queria saber como foi que Centauro cometeu um crime tão sério. Ao que tudo indicava, ele devorou uma grande quantidade de comida armazenada no posto da guarda da fronteira.

Por causa disso, o posto de guarda estava passando por uma crise alimentar.

Embora fosse remoto, havia mais de dez pessoas destacadas ali. Aquele burro comeu o equivalente a um mês de suprimentos de comida.

— Não se preocupe, esse assunto está resolvido agora. O Quase-Barão-sama nos deu muita comida.

Bem, minha bolsa de itens estava forrada com trigo e vegetais cultivados no Meu Mundo, além de arroz e chá e até alimentos fermentados como miso, molho de soja, saquê, mirin, vinagre e vinho.

Reabasteci a comida que os soldados perderam, fornecendo uma porção muito pequena do que eu tinha.

Em troca, eles dividiram a carne defumada que Centauro não comeu e a passaram para mim.

— Acima de tudo, como esperado da bolsa de itens de um Quase-Barão-sama. Quanto você armazenou lá dentro?

— Bem, apenas uma quantidade razoável.

Poderia se dizer que a capacidade da bolsa de itens fabricada por Daijiro-san era quase infinita.

Aliás, existiam bolsas de itens criadas por outras pessoas que não Daijiro-sama, mas elas tinham limites de capacidade. Na melhor das hipóteses, uma delas seria capaz de colocar o equivalente a uma mala grande de itens comparado com o que eu tinha dentro da minha bolsa.

A bolsa de itens de Daijiro-san era anormal.

Carol também ficou impressionada. No início, ela a usou da maneira mais discreta possível, mas, nos últimos tempos, começou a usá-la sem preocupações.

Bem, não apenas o item estava configurado de tal forma que só eu poderia usá-lo devido à magia que Daijiro-san colocou nela, eu reuni autoridade e poder suficientes para me permitir uma rota de fuga se alguém desejasse tomá-la de mim.

— Então, você sabe o paradeiro daquele burro idiota?

Dez minutos depois que fui capturado, aquele ingrato do Centauro escapou como se fosse algo natural. Mesmo acorrentado, ele rasgou o metal com muita facilidade e fugiu para algum lugar.

Bem, até eu tive problemas com ele. Provavelmente era impossível para soldados comuns o controlarem.

— Sinto muitíssimo, só sabemos que ele fugiu para o leste.

— Leste, hum… a propósito, havia alguém que reconheceu essas duas pessoas?

Comparado com Centauro, eu acreditava que o paradeiro de Jofre e Elise era mais importante, então desenhei caricaturas do casal usando a habilidade Pintar Retrato do Artista.

A propósito, as caricaturas eram desenhadas com fortes deformações de forma intencional, porque se fossem desenhadas como fotos, seria difícil identificar a pessoa se ela apenas mudasse um pouco o penteado ou usasse um chapéu. Achei que seria mais fácil coletar informações enfatizando suas características exclusivos.

— Desculpe, perguntei a todos os soldados, mas eles não viram esses viajantes.

— Entendo. Assim sendo, você ouviu falar de viajantes muitíssimos idiotas?

— Não — ou melhor, essa fronteira foi fechada por completo no mês passado, então ninguém a atravessou.

— Entendo…

Por causa da guerra entre o Reino Shiraraki e o Principado de Nicplan.

Muito bem, então devo viajar para o leste e perseguir Centauro ou devo escalar a montanha e encontrar os anões?

O que seria melhor…

— Ah, um. Ouvi dizer que o Quase-Barão-sama é um aventureiro com coragem?

— De certa forma.

— Sinto muito pelo pedido indelicado, mas se você estiver indo para o leste, podemos incomodá-lo com um pedido para escoltar algumas cargas?

Escolta de carga?

Enquanto eu estava achando estranho, o soldado escutando puxou o soldado que estava falando comigo de lado.

— (Ei, ei, isso é rude com o Quase-Barão-sama.)

— (Mas o Marquês Yutings-sama disse que seria mais adequado para o Quase-Barão-sama.)

— (Mais adequado? Embora ele seja mesmo um Quase-Barão, ele não me parece nada forte, não é?)

Estou ciente de que não pareço forte.

Além disso, se vocês planejam sussurrar, façam de uma maneira que eu não consiga ouvir. Eu pude ouvir tudo.

Tudo bem, eu vou recusar.

— Desculpe, mas eu tenho um compromisso na vila dos Anões.

— Ótimo, isso é ainda melhor. A carruagem com a carga está atualmente esperando na vila dos Anões. Você pode pedir aos mercenários que guardam essa carga para obter mais informações — estaria tudo bem?

Eu trouxe problemas desnecessários para mim, mais uma vez.

Bem, o leste era a direção para Mallegory, então eu não me importei, mas ainda tinha que manter o cronograma planejado para me encontrar com Haru.

Eu preferiria evitar ficar obrigado por um longo tempo.

— Tudo bem. Vou perguntar a eles.

Eu suspirei. No final, eu não recusei.

Eu queria me tornar um japonês capaz de dizer NÃO.


Tradutor:




Fontes
Cores