BG – Capítulo 17



O fedor de álcool encheu o quarto.

Izumi olhou para o saco atrás dela. Longas orelhas, manchadas com um líquido vermelho, estavam aparecendo fora do saco.

Ele definitivamente era a origem do cheiro.

Não apenas isso, quanto mais ela se acostumava com o cheiro, mais ele se parecia com o cheiro de sangue.

Como raios alguém poderia descrever esse cheiro único?

Talvez se você mergulhasse numa lixeira com um amigo bêbado.

Oh? Falando nisso, eles ainda não me pagaram pela semana passada no bar…

Pensou Izumi enquanto tentava escapar da realidade. Infelizmente, a pequena mão agarrando seu braço não a deixou.

Quando se virou, ela encontrou o olhar afiado de Roten.

Sua raiva era completamente justificada. Izumi se ajoelhou na altura dos olhos dele e então abaixou a cabeça.

“Me desculpe! Isso sempre funciona muito bem, então eu pensei que dessa vez aconteceria o mesmo, mas…”

Ela começou com uma desculpa enérgica, mas sua voz enfraqueceu à medida que ela continuava.

Pensando sobre isso, talvez ela tivesse se empolgado demais.

Ela estava completamente convencida de que a janela a conectaria com quem ela quisesse e que ela definitivamente seria útil para eles.

Agora que ela estava calma, ela percebeu que a janela também a havia conectado com pessoas que ela não queria encontrar.

Enquanto refletia, Izumi olhou para Roten.

Mesmo que suas aparências fossem diferentes, ele a lembrava daquele menino preso em uma torre.

O Príncipe Hinoki que queria rapidamente se tornar um adulto.

Izumi sentia raiva da Rainha Akka desde então.

E quando ela considerou que Roten estava sendo atormentado pela mesma rainha, a raiva fez o sangue correr para sua cabeça.

Talvez ela não deveria ter precipitadamente feito uma promessa.

Ainda assim.

Tudo o que ela podia fazer era esperar que a janela se conectasse à pessoa certa.

Nesse caso, só havia uma coisa a se fazer.

Ela pegou as mãos de Roten enquanto ele tremia de raiva. Ele tentou se livrar dela, mas ela as segurou com força.

“Eu realmente sinto muito. Ainda há dois koku¹ restando antes do ritual começar, certo?”

Izumi olhou para o painel de controle no caminho. A metade de cima iluminada mostrava os números de um relógio. Ele começaria daqui a uma hora.

Se acalme. Está tudo bem, ainda há tempo.

Dizendo isso para si mesma, ela encarou os olhos de Roten.

“Antes do ritual começar, eu vou fazer a janela se conectar de alguma forma.”

Mesmo que ela não devesse fazer uma promessa que não podia ter certeza de que seria capaz de cumprir, o que aconteceria se ela contasse a ele a verdade?

O menino desesperadamente segurando suas lágrimas ficaria ansioso.

“Eu vou fazê-la se conectar, apenas acredite em mim e espere. Por favor.”

Sangue escorreu de seu lábio a media que ele o mordia.

Roten olhou para Izumi com fúria em seus olhos.

“Um koku. Se em um koku você não conseguir fazer isso, eu mesmo vou pular para fora!”

Izumi queria gritar.

Isso a fez imaginar algo de um filme gore e o sangue fugiu da sua face.

Izumi assentiu como um boneco cabeça de mola².

“E-Eu entendi. Eu entendi, então não seja precipitado.”

Roten não respondeu. Em troca ele a encarou com olhos vermelhos e molhados.

Seus olhos pareciam dizer para ela se apressar, ainda assim, ao mesmo tempo diziam que ele acreditava nela.

Sob seu olhar, ela se levantou na frente da janela.

Ela respirou fundo e então lentamente soltou o ar.

― Por favor!

― Por favor se conecte à irmã do Roten! Yua… Yua… Como é que era mesmo?

Izumi se virou temerosa para Roten.

“Umm, como era mesmo o nome da sua irmã…?”

Ele franziu a testa.

“Yua! Eu me lembro do Yua! É um nome que nós não temos aqui no Céu, então ele é um pouco difícil de lembrar, hahaha…”

Ela já havia temido tanto assim uma criança do primário antes?

Roten a encarou com um olhar que poderia matar, antes de silenciosamente se sentar na borda da banheira e cruzar os braços. Suas mãos agarraram seus braços como se ele estivesse se esforçando para não estrangulá-la.

“É Yuataree.” Ele sussurrou.

Izumi repetiu o nome várias vezes em sua cabeça.

Mesmo se ela se esquecesse do seu próprio número de telefone, ela definitivamente se lembraria desse nome.

Hora de começar de novo.

Izumi colocou a mão na janela e então respirou fundo.

“Conecte-me a Yuataree! Se não o fizer, eu te transformarei numa janela fixa!” Ela gritou com raiva antes de abrir a janela com um solavanco.

O cenário mudou.

Ar quente e seco soprou para dentro do banheiro.

Uma vasta expansão desértica jazia diante de seus olhos.

Um deserto?

Ela se perguntou, mas quando olhou para a esquerda e para a direta, ela encontrou vários pedregulhos espalhados ao redor.

Não, não apenas ali. Havia pedras lá longe, assim como logo abaixo da sua janela.

Uma enorme clareira desértica que estava cercada por pedras.

Bem longe, mais para frente de onde Izumi estava, havia uma enorme tenda em cima de uma pedra gigante.

Embaixo e ao redor da tenda, Izumi conseguiu ver algumas pessoas paradas. Eles estavam muito longe e Izumi não conseguia ver suas faces, mas todos eles usavam as mesma vestes azuis.

“Qual deles é minha Irmã? Onde está a minha Irmã?!”

Ela não sabia quando foi que ele se aproximou, mas Roten gritou com uma voz trêmula enquanto examinava os arredores.

Antes que Izumi pudesse chamá-lo, eles ouviram uma voz confusa.

“Essa voz… não pode ser, Roten?”

A voz veio de perto. De assustadoramente perto. Izumi quase caiu para fora com o susto.

Quando Izumi se inclinou apenas um pouco para fora da janela, ela imediatamente ficou cara a cara com uma mulher que olhava diretamente para ela.

Ela parecia um pouco com Roten. Definitivamente era Yuataree. Ela estava exatamente do lado da janela.

Ela estava ajoelhada em cima de um tapete, que estava em cima de uma pedra.

“Eu consegui…”

Parecia que Izumi iria colapsar de alívio.

“Anja!? Roten!?”

Yuatareee visivelmente arregalou os olhos de surpresa.

“Irmã.”

“Por que você veio?!”

A voz de Roten estava aliviada, mas a resposta de Yuataree o cortou.

“… Os insetos estão em movimento.”

“Eh?”

Izumi inclinou a cabeça.

Ela não conseguia ver insetos em lugar algum. Só havia areia e pedras, até onde os olhos podiam ver. Não apenas isso, ela não conseguia ouvir a cacofonia que os insetos faziam, como metal raspando metal.

Mas Roten olhou para a clareira desértica com uma expressão séria.

Quando ela olhou para Yuataree, ela a encontrou observando a areia com uma expressão triste.

“Você consegue ouvir isso, não é Roten? Eu não consigo mais…”

Yuatareee parecia observar a areia, como se procurasse pelo que havia perdido.

Mas eventualmente ela apenas balançou a cabeça levemente.

Yuataree gentilmente colocou sua palma sobre a mão que Roten usava para se apoiar na moldura da janela.

“Está bem. Eu já sabia que esses insetos não estavam calmos nesses últimos dias.”

“…Nesses últimos dias? Por que eu não tinha ouvido nada sobre isso?!”

“Eu recebi um relato dos guardas do ninho de que eles estavam repetidamente sussurrando alguma coisa muito silenciosamente para serem ouvidos.”

“Por favor Irmã, você precisa deixar isso comigo!”

Logo que disse isso, Roten tentou sair do banheiro.

“Eu não vou!” Ela rugiu.

Ela se posicionou firmemente com suas costas eretas e olhou para Roten de cima.

Izumi e Roten olharam para ela de baixo e tremeram.

Sua expressão carinhosa não estava em nenhum lugar a vista e seu olhar agora era sagaz e dignificado.

Ela era de tirar o fôlego.

― Embora ela não tivesse uma idade muito diferente da de Izumi, de onde estava vindo essa força?

Ela com certeza vinha da diferença de pressão sob a qual elas cresceram.

Estava Izumi agindo de forma incrivelmente presunçosa?

Quando esses pensamentos  surgiram no seu interior, Izumi silenciosamente abaixou seu olhar.

“Mas Irmã, você não consegue mais…”

Mas do lado dela, Roten ainda não havia desistido.

Izumi olhou para ele em choque. Mesmo se ela fosse sua irmã, ele realmente tinha coragem para contrariá-la do jeito que Yuataree estava agora. Izumi podia apenas silenciosamente torcer por ele.

“Eu não consigo mais o que?”

O tom de Yuataree era frio.

“Você quer que eu diga que eu não sou qualificada para ser a Chefe porque eu não consigo mais ouvir as vozes deles?”

“Isso é…”

“Ouça bem Roten. Eu serei a próxima Chefe. Apenas porque eu não consigo ouvir suas vozes, você acha que mais de vinte anos de treinamento para essa posição poderiam de alguma forma perder para uma criança que não consegue nem tocar o apito de folha com nove anos?”

A expressão de Roten rapidamente se transformou em uma de perplexidade.

Izumi os observou em suspense.

Yuataree estava sendo firme. Roten olhou para ela sem palavras. Ele parecia que ia começar chorar a qualquer momento.

De repente Yuataree riu. Uma risada de escárnio.

“Roten, você não acredita na sua irmã?”

Ele apertou a moldura da janela com mais força, mas não respondeu.

Se ele admitisse isso, feriria o orgulho de sua irmã, mas se ele dissesse que não, ele estaria a enviando para sua morte.

“Não seja tão arrogante apenas porque os seus ouvidos são um pouco bons.”

O quão doloroso era para ela escarnecer seu irmão desse jeito?

Por Izumi saber disso, ela podia apenas segurar sua língua.

Eles ficaram em silêncio.

Mas logo depois, ela ouviu um penetrante som metálico. Ele veio da tenda. Olhando naquela direção, ela avistou um enorme gongo.

“Não pode ser! Ainda deve haver tempo!”

As palavras de Roten disseram a Izumi que esse era o sinal para começar a cerimônia.

“Parece que o novo rei não apenas é ganancioso, mas também caprichoso. Isso é uma infração imperdoável… Mas nós só podemos obedecer. Nós temos o poder de controlar os insetos, mas isso não é o suficiente para torná-los nossos inimigos.”

Yuataree lançou outro olhar para a tenda, antes de virar seu olhar para Izumi. Ela se curvou sem dizer nada.

Ela não falou, mas Izumi sabia o que ela queria dizer.

Por favor, cuide do meu irmão.

“Esp-“

Espere. Izumi engoliu suas palavras.

Mesmo se ela dissesse para ela esperar, havia alguma coisa que Izumi poderia fazer?

Mesmo se Izumi tentasse negociar, aparentemente as pessoas de Ii’Jibro estavam naquela tenda ao longe e, para começar, Izumi não tinha nenhuma carta para jogar contra essa excêntrica rainha. Isso era algo óbvio após apenas um pouco de ponderação, mas Izumi não havia percebido isso até agora. Ela realmente havia se superestimado. Ela havia irrefletidamente assumido que contanto que a janela se conectasse, ela poderia fazer qualquer coisa.

Olhando nem para Roten, nem para a deprimida Izumi, Yuataree desceu da pedra.

Havia buracos que não chegavam nem perto de degraus primitivos, mas Yuataree agilmente desceu por eles e chegou na pedra inferior.

Não havia nem trinta centímetros entre ela e a areia. Um arrijighock podia apenas pular e capturá-la num instante.

Yuataree colocou uma folha verde em sua boca.

-pyuuuuuuuuuuuuuui pyuuuuuuuuuuuui-

Um longo e confortável som.

No momento em que ela tocou isso, três protuberâncias negras apareceram de dentro da areia.

Cada um mostrou apenas a parte superior do seu corpo e correu em círculos na frente de Yuataree.

Para Izumi, eles pareciam com as barbatanas de tubarões caçando no oceano.

“Ei, o que você precisa fazer para a cerimônia?”

Com seus olhos ainda em Yuataree, Izumi perguntou para o completamente imóvel Roten.

“A cerimônia…”

Izumi não havia esperado uma resposta, mas ela veio surpreendentemente no mesmo instante.

“A cerimônia se chama I’Nabano Shiloh’la e envolve controlar os insetos com o apito e subir nas suas costas. Enquanto está em cima das suas costas, o candidato precisa andar sobre eles por todo o caminho até a outra margem para ser reconhecido como chefe.”

“Isso é tão imprudente!”

Izumi só podia chamar usar tais insetos tão ferozes como pontes de um ato de suicídio

-pyuuuuuuuuuuuuuuuuuuuui-

O som do apito era alto.

Mas os insetos continuaram a dar voltas na areia e não exibiram nenhum sinal de deixá-la subir neles.

“Ei, você acha que isso é possível dessa forma?”

“Como poderia ser!? Minha Irmã está tocando perfeitamente, mas eles não estão realmente a escutando.”

“Por quê!?”

“Eu não sei!” Ele gritou.

Izumi olhou para ele de novo.

Ele estava tremendo.

Sua face estava azulada e ele parecia prestes a colapsar.

Desse jeito, seu coração iria se partir se ele visse sua irmã ser atacada pelos insetos.

“Roten.”

Izumi envolveu seus braços ao redor dos ombros trêmulos dele.

“Pode parecer injusto eu te dizer isso, mas se recomponha. Você ouviu os insetos mais cedo, não foi? Então ouça de novo. Ouça o que os insetos estão dizendo!”

Roten balançou a cabeça.

“Eu não consigo. O som da areia está ficando no caminho e eu mal consigo ouvir. E se eu ajudá-la, minha Irmã perderá a confiança nas suas habilidade de Chefe. Ela não irá me perdoar!”

A rejeição anterior dela parecia ter tido um grande efeito. Ele havia perdido toda a força de vontade.

Quando Izumi viu seus olhos vazios, ela ficou irritada e o chacoalhou pelos ombros.

“Pare de dar desculpas! Você pode acreditar nela se você quiser! Mas eu não! Eu acabei de conhecê-la. Como eu poderia acreditar nela. Ouça. Eu sou a anja que lhe deu o cabelo de Conyork, o Segundo. Você também causará problemas para mim se ela morrer aqui e desperdiçar todo o meu trabalho! Crianças não precisam pensar demais nas coisas. Não pense e apenas escute as vozes dos insetos!”

“As vozes… dos insetos?”

“Isso mesmo! Sua irmã também acredita nos seus ouvidos, não é?”

A vontade de fazer as coisas voltou aos seus olhos. Vendo isso, Izumi lentamente lhe disse o que fazer.

“Agora então Roten, escute atentamente.”

Guiado pela voz dela, Roten fechou os olhos.

-pyuuuuuuuuuui-

O som do apito de Yuataree.

O som do vento soprando e dos arrijighocks se movendo embaixo da areia.

Isso era tudo o que Izumi conseguia ouvir.

Mas Roten franziu as sobrancelhas e começou a mover seus lábios.

“Nós não podemos ficar… aqui… não está… aqui…”

“O que? O que não está?”

“Cale a boca, eu não consigo ouvi-los.”

Seu tom rude e pretensioso voltou. Izumi suspirou de alivio. Era estranho quando ele não agia desse jeito.

“Não aqui… Não aqui… Não está aqui… Vamos ir atrás dele.”

Como eu perguntei, o que não está aqui!?

Quanto mais ela tinha que ficar em silêncio, mais ela gritava em sua mente.

-pyuuuuuuuuuuuuuui pyuuuuuuuuuuuuuui pyuuuuuuuuuuuuuui-

O som da flauta continuou incessantemente. Até Izumi que não conseguia entendê-lo podia perceber a ansiedade e a impaciência.

Se apresse, se apresse!

Enquanto Izumi rezava, os olhos de Roten se abriram abruptamente.

“Eu entendi!”

“O que!?”

“O sunarabi! Os arrijighocks estão procurando por sunarabis!”

Sunarabi… Huh?”

Ela olhou na direção do chuveiro para encontrar o saco da mulher de mais cedo. Agora, mais do que apenas as orelhas, o saco inteiro estava encharcado de vermelho.

“Os insetos daqui estão com fome? Mas há três deles. Nós só temos o suficiente para um.”

Eu me pergunto se isso tem gosto de coelho³.

Enquanto pensava sobre coisas estúpidas, Izumi teve uma ideia.

Mesmo se um sunarabi não fosse o suficiente para satisfazê-los, talvez um sunarabi fosse o suficiente para enganá-los.

“Contanto que ela chegue do outro lado, ela será a Chefe, certo?”

Izumi alcançou o saco. Ela estava hesitante de ter que tocar em algo tão sangrento, mas ela respirou fundo e o agarrou com vigor.

Ignorando a nojenta sensação pegajosa, Izumi o ergueu.

Após sentir seu peso, Izumi assentiu. Sua força seria mais do que o suficiente para jogá-lo até Yuataree.

“Eu vou jogar isso para ela.”

“Eh?” Roten gritou.

“Yuataree! Os insetos estão com fome! Eu vou jogar para você um sunarabi, então segure-o sobre eles e diga-lhes isso:

‘Se vocês me carregarem até a outra margem, eu lhes darei quantos sunarabis vocês quiserem.’

Após você chegar lá, não diga nada desnecessário e apenas suba em uma rocha!”

Yuataree olhou para ela com surpresa, mas imediatamente assentiu e assoprou.

-pyuuuuuuuuipyuuuuuuuui-

Izumi esperou ela parar de assoprar o apito e então jogou o saco.

Quando Yuataree pegou o saco, ela puxou o sunarabi de dentro e o segurou pelas orelhas para mostrá-lo aos arrijighock.

-pyuuuuuuuuipyuuuui-

E o que aconteceu quando ela fez isso? Os arrijighock se alinharam diante dela.

“Funcionou! Realmente funcionou!” Izumi comemorou quando viu Yuataree pisar nas costas deles.

Após Yuataree assoprar seu apito de novo, os arrijighocks começaram a rapidamente se mover, circulando para frente da fila assim que ela terminava de andar sobre cada um deles.

Sem tropeçar uma vez sequer, Yuataree andou por todo o caminho até a outra margem.

Após rapidamente subir em uma pedra, ela jogou o sunarabi para os três insetos.

-pyuuuuui pyuuuuui-

Izumi não tinha ideia do que ela estava dizendo. Mas eles pularam ao redor do sunarabi por um tempo antes de alegremente desaparecerem dentro da areia de novo.

Quando eles desapareceram da clareira, o som do gongo ressoou.

O ritual foi um sucesso.

“Graças a deus. Irmã…”

Assim que Roten murmurou isso, uma comoção ocorreu.

Izumi conseguiu ver pessoas se movendo embaixo da tenda.

Alguém entregou algo que parecia com uma longa vara para a pessoa no meio da tenda.

As formalidades para completar a cerimônia?

Assim que ela pensou sobre isso, um braço se esticou na frente dela.

Após agarrar a moldura da janela, o dono do braço trouxe seu pequeno corpo para cima da janela. Era Roten.

Com seus pés ainda sobre o parapeito da janela, ele olhou na direção da tenda antes de se virar para Izumi.

“Eu estou indo. Anja… Umm, você realmente me ajudou.” Ele disse timidamente e encontrou com o sorriso de Izumi.

“Cuide-se.” Ela disse. “Diga ‘oi’ para a nova Chefe. E também, a sua irmã… é uma irmã terrivelmente maravilhosa.”

Sua face desencorajada se transformou num sorriso.

Essa foi a primeira vez que ela o viu fazer isso.

“É claro que ela é.”

Com essas palavras, Roten pulou para fora da janela e correu com velocidade máxima até Yuataree.

Izumi o observou partir com sentimentos calorosos, mas ela de repente sentiu uma perturbação no ar e olhou para frente.

Embaixo da tenda, uma pessoa entrou no seu campo de visão.

Ela não conseguia ver sua face, mas não conseguia afastar a sensação de que essa pessoa estava olhando para ela.

Aquela pessoa ergueu a vara que havia recebido antes.

O que eles vão fazer?

Assim que ela aguçou seus olhos, alguma coisa passou rugindo pelo vento.

Uma ventania passou por seu rosto.

Um som duro ecoou atrás dela, como pedras sendo destruídas e, depois disso, veio o som de um objeto leve quicando no chão.

“Idiota! Feche a tábua!”

“Eh-?”

Enquanto Izumi estava atordoada e confusa, Roten, que havia voltado sem ela perceber, apareceu bem na frente dela e fechou a janela com força o suficiente para fazê-la tremer.

A calma voltou a reinar no banheiro.

O vapor que havia se acumulado no teto esfriou e então pingou na banheira.

O som de algo quicando finalmente parou e quando Izumi se virou ela gritou.

“Eh-? Eh-? EEHHHHHHHHHHHHHHH!?”

Havia um pequeno buraco na parede agora.

Não apenas isso, logo ao lado da poça de sangue, jazia uma única flecha.

Poderia ser que eu quase morri?

Ou assim ela pensou com a face ficando branca como um papel, mas ela imediatamente percebeu que estava errada.

Havia um pedaço de papel dobrado preso à flecha.

Izumi temerosamente a pegou e então desamarrou o papel. Após desdobrar a áspero e grossa folha de papel, seu conteúdo chocou Izumi.

“Eu não consigo lê-lo…”

O murmúrio de Izumi ressoou tristemente pelo banheiro.


Tradutora: Brinn | Revisor: Ryokusan000



1 – Uma medida japonesa para volume, portanto acredito que eles devem usar algo como um relógio de água para ver o horário, é a única explicação em que consigo pensar.

2 – Um boneco ‘bobblehead’, daqueles que tem cabeças enormes presas por molas e que ficam balançando.

3 – Os japoneses tem palavras para contar coisas. Como quando você diz ‘três espigas de milho’. Nesse caso, ‘três’ é usado para indicar a quantidade. Em japonês, há uma palavra como essa chamada ‘wa’. Ela serve para pássaros. Então três pássaros são chamados de ‘três wa de pássaros’.

Porém ela também é usada para coelhos. Pássaros e coelhos. Por que coelhos são tratados como pássaros? De acordo com o mito, os monges budistas do Japão antigo não tinham permissão para comer vários tipos de carnes, mas pássaros eram uma exceção.

Entretanto, coelhos eram tão deliciosos que eles declararam que as orelhas eram na verdade asas e, dessa forma, coelhos eram pássaros e não havia problema em comê-los.

Bem, é isso que diz a lenda. Provavelmente há uma razão histórica muito mais entediante para isso.

De qualquer forma, sunarabi provavelmente vem de ‘suna(areia)’ e ‘rabbit(coelho em inglês)’. Então presumidamente ele parece muito com um coelho apesar das poucas descrições na novel.

Quando Izumi pensa “Eu me pergunto se isso tem gosto de coelho”, no texto original ela está pensando: “Eu me pergunto se eu devo contar isso com ‘wa’.”


Fontes
Cores