BG – Capítulo 15



Izumi amava tomar banho.

Nos verões abafados, quando parecia que ela iria derreter. Nos invernos frios quando parecia que até seus ossos congelariam. E, naturalmente, até na primavera e no outono ela continuava a aproveitar seus banhos.

Até nos dias em que nada dava certo, apenas o cheiro do sabão podia levantar seu ânimo.

No momento em que seu corpo afundava na água quente, parecia que seus problemas e a fadiga simplesmente desapareciam.

E hoje também, ela estava ansiosa para a hora de tomar banho.

Mas no momento em que abriu a porta e seu pé tocou no chão frio, Izumi soltou um grande suspiro.

Embora, para começar, isto jamais devesse estar em seu banheiro, isso foi a primeira coisa que entrou no seu campo de visão.

Nas suas experiências até agora, ela já havia recebido várias coisas que eram complicadas de lidar, mas isso ultrapassava todas elas.

“… O que eu supostamente deveria fazer com isso.”

Izumi até se esqueceu de ligar o chuveiro enquanto murmurava.

Belo cabelo prateado brilhante. Ele era o símbolo da Família Real de Jebas e considerando seu volume, ele aparentemente havia crescido até aquele comprimento com muito cuidado.

Izumi tentou o colocar num balde, mas havia tanto cabelo que ele não cabia. Após pensar muito, ela apenas o colocou dentro de uma sacola transparente.

Ela realmente não sabia o que fazer com ele. Mantê-lo ocupava espaço e ela tinha que tomar cuidado para não danificá-lo também. Mas havia um problema ainda maior.

Pelas suas experiências até agora, ela entendeu que o que ela recebia no encontro anterior seria útil para o próximo.

Nesse caso, ela estava preocupada com a possibilidade de se encontrar com Hiqyuu, que era a pessoa que mais queria o cabelo. Graças a isso, ela não havia aberto sua janela desde então.

Mas quando ela se encontrou com eles na noite anterior, havia uma coisa que ela percebeu.

Aparentemente, a janela frequentemente se abria para alguém que ela queria ver.

Quando ela se encontrou com o homem abandonado e ficou preocupada com sua segurança, a janela se abriu para o Primeiro Ministro Teo Keh.

Quando ela se encontrou com o Yeti Setsugen e ela se sentiu culpada por fazer algo ruim para ele, ela acabou salvando sua irmã.

Quando ela se encontrou com o homem de armadura Arshu e estava se perguntando se ele havia se reconciliado com sua esposa, a janela se abriu para a própria mulher dele.

Quando ela se encontrou com o Príncipe Hinoki preso na torre e se sentiu inútil por causa de sua incapacidade de salvá-lo, ela foi capaz de passar a chave para pessoas que queriam salvá-lo.

Quando a delegação de Yohk’Zai caiu na armadilha da Rainha Akka e ela quis que eles ajudassem o Príncipe Hinoki, no fim ela se encontrou com eles também.

E finalmente, quando ela se encontrou com o Velho Maestro e ouviu sobre o casamento de Arshu com a Princesa, quando ela se perguntou sobre como a Princesa se sentia, ela foi capaz de se encontrar com ela também.

Depois de tantas vezes, como isso ainda podia ser chamado de coincidência?

A janela conectaria Izumi àqueles que ela fortemente desejasse encontrar. Então nesse caso, era possível que ela conseguisse evitar as pessoas que ela não queria encontrar…? Ou assim pensou Izumi.

Mas o problema era que Izumi não conseguia imaginar mais ninguém que precisaria desse cabelo além de Hiqyuu.

― Afinal, havia alguma utilidade para o cabelo além de usá-lo para fazer uma peruca?

Não apenas isso, mas aparentemente essa cor prateada era tão rara que ela era tratada como um símbolo da realeza. E realmente, de todas as pessoas que ela já havia encontrado, apenas a Princesa Aqua possuía cabelo prateado.

Izumi ligou o chuveiro, tomando o máximo de cuidado possível para evitar de molhar a sacola.

Enquanto tomava cuidado para não espalhar espuma para todo lado, Izumi terminou de lavar sua cabeça e corpo antes de entrar na banheira.

Mas isso não estava funcionando. Ela não estava relaxando.

Poderia ser uma história diferente se ela estivesse num onsen¹ ou num banheiro público, mas por que, em sua própria casa, ela tinha que se preocupar com outras pessoas a vendo?

Izumi cutucou o cabelo com um dedo molhado pela sacola.

Para ser honesta, se livrar disso era fácil. Ela só precisava levá-lo para fora.

Mas assim que ela considerava que alguém além de Hiqyuu poderia precisar disso, ela hesitava. Não apenas isso, mas ela não conseguia levar a si mesma a simplesmente destruir um cabelo tão bonito.

Izumi olhou para a janela e engoliu em seco.

Ela se conectaria a Hiqyuu ou a outra pessoa?

Isso era uma disputa entre ela e Hiqyuu.

Uma disputa para ver quem tinha o desejo mais forte.

― Ela tinha a forte sensação de que iria perder entretanto.

Ela queria que Arshu e Utaseyu fossem felizes juntos. Ela queria que a Princesa Aqua ficasse bem com isso e que encontrasse seu próprio parceiro. Esses sentimentos não eram falsos. Mas quando ela se lembrava da expressão trágica de Hiqyuu quando eles se separaram, ela pensava que talvez os sentimentos dele fossem mais fortes.

Tendo dito isso entretanto, ela não podia apenas manter a janela fechada para sempre.

E como se o mundo tivesse escutado seus pensamentos, um som veio do outro lado da janela.

Ela conseguiu ouvir pessoas cochichando umas para as outras.

O conteúdo de seus cochichos não eram discerníveis, mas ela podia dizer que essas não eram as vozes de seus vizinhos.

Se fosse Hiqyuu, ela iria imediatamente fechar a janela.

Tendo encontrado sua determinação, Izumi abriu a janela.

“…Eu venci.”

Ela nunca havia visto essas pessoas antes.

Uma mulher de meia idade, uma mulher jovem e uma criança.

A mulher de meia idade estava deitada em cima de um cama sobre o chão de pedras. Atrás dela, os outros dois estavam sentados em um tapete do tamanho de um tatame².

“Olá. Alguém aí está precisando de ajuda?”

Izumi tentou falar com eles, mas então ficou confusa.

As três pessoas a encarando mudas tinham as cabeças cobertas por cabelos castanhos escuros e nenhuma delas parecia estar ficando careca.

Ela não conseguia imaginar como o cabelo da Princesa Aqua teria algum uso para eles.

“Quem é você?!”

O primeiro a recuperar seus sentidos foi o menino que estava mais próximo de Izumi. Provavelmente dois ou três anos mais novo até do que o Príncipe Hinoki de Ii’Jibro.

Suas sobrancelhas e olhos se inclinaram para cima e lhe deram a aparência de ser alguém impulsivo e com muita força de vontade.

“Responda!”

Assim que se levantou, ele puxou a adaga em sua cintura e a apontou diretamente para ela.

“Essa é uma questão terrivelmente difícil para eu responder, mas… Se eu disser que eu fui chamada de anja ontem, isso ajudaria? Você sabe o que é um anjo?”

Izumi inclinou a cabeça em ponderação.

Dizer que eu sou uma mística teria sido melhor?

A aparência deles era um pouco diferente das pessoas de Jebas. Suas roupas, faces e todo o resto eram mais parecidos com os das pessoas de Yohk’Zai.

Atrás do menino, as duas mulheres arquejaram.

“Anja-sama!? Roten! Guarde a sua espada!”

A menina mais nova correu até ele e abraçou Roten por trás.

“Irmã³! Por favor, me solte. Não há prova de que essa coisa é um anjo. Ela pode ser uma espiã de Ii’Jibro!”

“Ii’Jibro!?” Izumi gritou em choque.

Aparentemente a Rainha Akka tinha todo o tipo de inimigos. Considerando que ela era o tipo que podia trancar o Príncipe Hinoki em uma torre, Izumi não estava surpresa com ela ter provocado a ira de outros.

“Eu não sou uma espiã de Ii’Jibro. Bem, eu ainda teria problemas se você me pedisse por uma prova, mas  você não pode apenas acreditar em mim?”

“Quem iria?!”

Roten olhou para Izumi com a adaga em mãos. Mas a jovem menina ― aparentemente sua irmã mais velha ― freneticamente tentou pará-lo.

“Guarde a sua faca Roten! Mesmo se for com o poder de Ii’Jibro, como uma única espiã conseguiria entrar na nossa aldeia?”

Aparentemente sua voz calma e séria não estava o alcançando.

Como se para mostrar que sua irmã não podia pará-lo, ele deu um passo à frente de qualquer forma e ergueu sua adaga.

“Gananciosa coisa de Ii’Jibro, eu vou puni-la no lugar dos céus! Você pode se redimir na vida após a morte, sua mulher exibicionista!”

“HAH!?”

De início, Izumi sentiu pena dele, com certeza ele havia sido injustiçado pela Rainha Akka… Mas as palavras seguintes dele fizeram a raiva disparar de seus olhos. Ela não estava nua porque queria.

“Quem você está chamando de mulher exibicionista?!”

Adotando uma postura firme dentro da banheira, ela apontou vigorosamente para Roten.

“De uma boa olhada! Como assim eu estou exibindo alguma coisa?!”

E logo após dizer isso, Izumi recuperou sua sanidade.

Ela estava agindo exatamente como uma pervertida.

“Um―”

‘Ignore o que acabou de acontecer.’ Ela estava com tanta vergonha que queria simplesmente se dissolver na água, mas enquanto forçadamente engolia seu constrangimento para dizer isso, o menino cortou suas palavras.

“Você está claramente se exibindo. Então que tipo de insatisfação você poderia ter por eu te chamar de exibicionista?”

Izumi estava atônita.

Ele era apenas jovem de mais para se sentir constrangido com o corpo nu de uma mulher? Poderia ser que ele sempre tomava banho com a irmã que o estava abraçando agora e esse era o motivo pelo qual ele estava acostumado com mulheres?

“Não, umm…”

Se sentindo esgotada, Izumi colocou a mão no peitoril da janela.

Oh, certo.

Izumi olhou para trás dela.

Ela não tinha certeza de como isso seria útil, mas definitivamente iria salvá-los do seu problema.

Vamos apenas entregá-lo e acabar logo com isso, então eu poderei aproveitar meu banho.

Izumi alcançou a sacola e a entregou pela janela.

“Vocês podem ficar com isso.”

Ela desfez o nó, se inclinou para além da janela e a colocou no chão. O liso cabelo prateado transbordou para fora da sacola aberta.

“Isso é…”

Roten murmurou com sua adaga ainda brandida.

“… O cabelo de Kon York, o Segundo.”

Sua irmã completou suas palavras.

Izumi inclinou a cabeça em ponderação. Conyork, o Segundo. Ela tinha certeza de que já havia ouvido esse nome antes.

“O impostor que viajou pelo mundo, Conyork, o Segundo!”

Ela imediatamente se lembrou e bateu palmas ao compreender.

O Velho Maestro havia contado ao irmão de Aqua sobre ele.

Aparentemente ele realmente viajou pelo mundo.

“Você é mesmo uma anja?”

Talvez porque ela estava segurando o longo cabelo prateado e parecia conhecer Conyork o Segundo, Roten olhou para ela interrogativamente.

“Si-, Sim. Isso mesmo.”

Se ela dissesse para ele que não, ela acabaria como a “Mulher Exibicionista” de novo.

Izumi estufou seu peito e assentiu.

“Ninguém nos Céus possui um coração sujo. É por isso que todos estão nus aqui.”

Incapaz de engolir isso completamente, Roten franziu as sobrancelhas, mas pelo menos ele pareceu ter se acalmado por enquanto. Após abaixar sua adaga, ele se virou e disse:

“Irmã, por favor, me solte.”

Tendo certeza de que seu irmão havia se acalmado, a irmã de Roten imediatamente se ajoelhou e abaixou a cabeça.

“Oh Anja. Por trazer o cabelo de Kon York o Segundo, isso significa que você me reconhece como a Chefe?”

Izumi não tinha a menor ideia do que estava acontecendo. Enquanto Izumi estava perplexa, Roten se enfiou na frente de sua irmã.

“Anja. Por favor, dê o cabelo para mim! Minha irmã, Yuataree ficou doente no outro dia e perdeu seu poder de ouvir as vozes dos insetos. Será impossível para ela completar a cerimônia de inauguração. Ela irá simplesmente se tornar comida para os insetos!”

“Não, por favor, faça de mim a Chefe. O Roten ainda é muito jovem e não consegue usar bem a flauta. É quando você não consegue nem mesmo transmitir seus sentimentos para os insetos que você realmente se tornará o alimento deles. Por favor, faça de mim a Chefe.”

“Agora ela não consegue nem mesmo trazer de volta o cabelo de Kon York o Segundo! É impossível para ela se tornar a Chefe!”

“Eu falhei porque o cabelo de Kon York o Segundo está guardado no fundo de um vale com vários ninhos. Para a cerimônia, eu só preciso que um ninho me obedeça. É mais importante transmitir sua voz do que ouvir a deles. Isso ainda é impossível para o Roten.”

Izumi ficou cada vez mais perdida.

Os dois continuaram se revezando em tentar convencê-la, então ela pediu para eles esperarem.

“S-, Se acalmem vocês dois. Vocês podem primeiro me explicar do começo o motivo de vocês estarem brigando para se tornar o Chefe?”

Não parecia que eles estavam tentando roubar a posição por cobiça. Ao invés disso, parecia que eles estavam fazendo isso porque eles se preocupavam um com o outro. Foi por isso que ela os acalmou e perguntou a eles o que estava acontecendo.

“Explicar…? Tudo o que você precisa fazer é me nomear como Chefe!”

“Roten! Não pode ser assim. No futuro, você irá apoiar Ottko Yu.”

“Yuataree. Roten. Por favor, parem com isso. Vocês estão incomodando a anja!”

A mulher de meia idade reclinada havia percebido que Izumi não conseguia pará-los de fato, então ela falou. Izumi se virou para olhar para a mulher cuja presença ela havia esquecido.

Sua face estava completamente pálida e era óbvio que ela não estava bem. Ela se ergueu com movimentos pesados.

“Mãe! Você não deve! Se você não se deitar-!”

“Exatamente Mãe!”

“Quietos.”

A mulher, que parecia ser a mãe deles, se segurou com firmeza e então abaixou a cabeça.

“Oh Anja. Eu peço desculpas pela rudeza dos meus filhos. Mas a falta de educação deles vem da preocupação que eles têm um pelo outro. Eu imploro que você mostre misericórdia para com eles.”

A atitude formal da mulher fez Izumi balançar as mãos em pânico.

“Não, não, não, eu não achei que eles agiram de forma rude ou mal educada de verdade.”

Exceto pelo comentário de ‘mulher exibicionista’.

A mulher sorriu aliviada.

“Muito obrigada.”

Então, mais uma vez, ela se curvou.

“Eu entendo o porquê de você nos agraciar com a sua presença e com esse cabelo em sua posse. Foi porque você sentiu que nós estávamos em crise. Por favor, conceda poder a nós, os cidadãos de Ottko Yu.”

“Eh!? Ummm…”

Havia lágrimas nos olhos da mulher.

“Então o que Kon York, o Segundo, nos ensinou era verdade. Se você continuar a manter um coração justo, a salvação virá até você.”

Izumi pôde sentir o suor frio escorrendo em suas costas.

Se depois de todo esse tempo ela dissesse “Na verdade, vocês estão errados…”

“Então, eu irei fazer o que eu puder.”

― O que exatamente eu posso sequer fazer!?

Izumi gritou em seu coração.

Ela já havia entregado o cabelo. O que mais ela poderia fazer?

Izumi estava se arrependendo de sua imprudência, mas agora não era hora de ficar se lamentando.

“Por enquanto, por favor, se deite. E por favor, me diga o que está acontecendo. Com o máximo de detalhes possíveis e desde o início.”

Mas primeiro de tudo, a mulher doente precisava se deitar.

“Sim ―”

A mulher se curvou pela terceira vez.

“Chefe! Um mensageiro de Ii’Jibro chegou.”

De repente, todos eles ouviram uma voz. E parecia que passos audíveis seguiam aquela voz claramente ansiosa.

Tensão percorreu as expressões do trio.

Mas rápido do que Roten conseguiu fugir, Yuataree entrou em ação.

“Não há tempo. Anja, por favor, tome conta do Roten. Por favor, abrigue-o até que a cerimônia de inauguração esteja completa.”

Assim que disse isso, Yuataree levantou Roten.

Mesmo que ele fosse uma criança, deveria ter sido difícil para ela segurá-lo até a altura da janela.

Mas Yuataree fez isso com tanta facilidade. Talvez isso fosse como a força de uma mãe, erguendo um carro por seu filho.

“I-, Irmã!”

Roten se debateu violentamente.

Quase no mesmo instante em que um homem abriu a porta, Yuataree empurrou Roten para Izumi e então fechou a janela.


Tradutora: Brinn | Revisor: Ryokusan000



1 – Onsen é o termo japonês para águas termais.

2 – O tamanho tradicional de um tatame é 90 cm por 180 cm (1,62 metros quadrados) por 5 centímetros. (Fonte: Wikipédia.)

3 – Nota da TL : Irmã e Mãe deveria ser ‘estimada irmã’ e ‘estimada mãe’, mas isso parecia muito distante para esse contexto em particular.

4 – “Breast-flashing” no original, seria algo como ‘alguém que exibe os peitos’, mas isso soa estranho na fala dele, então eu substituí por apenas exibicionista.


Fontes
Cores