Arifureta – Capítulo 90 – Uma garota caiu do céu, no caso, a filha do protagonista



Azul diante de tudo o que estava visível.

Um céu limpo se estendia pelo horizonte, e a luz do Sol caía brilhantemente. Contudo, não estava tão quente, e o clima tornava fácil passar o tempo no local. A gentil brisa soprando de vez em quando era agradável. No entanto, havia uma única “coisa”, não importava o quanto você olhasse ao redor, que faria com que você se sentisse um pouco solitário.

Em primeiro lugar, essa sensação não era algo que poderia ser evitado. Afinal, esse era o meio do oceano.

Bem no meio do oceano, havia um navio balançando, flutuando com as ondas. Bem, não era possível dizer que estava tudo bem chamá-lo de navio. Afinal, as pessoas deste mundo não seriam capazes de reconhecer isto como um “navio”.

Quanto ao motivo, o corpo do navio era de um preto lustroso com formato aerodinâmico, sem nenhum lugar para passageiros embarcarem, diferente dos navios comuns. Normalmente, o corpo também teria dois pequenos objetos em forma de asas em ambos os lados, criando um formato de “V” e um leme parecido com um parafuso acoplado atrás… mas a única coisa que poderia ser vista eram os restos devastados desses itens. Se ele fosse nivelado, o formato original, que lembrava ligeiramente uma orca, poderia ser visto.

Contudo, as pessoas deste mundo certamente concordariam em chamar isso de um novo tipo de 〈Fera Mágica, ao invés de um navio. O navio em forma de orca era um submarino. Não é preciso dizer que esse era o artefato de Hajime que permitiu que seus passageiros escapassem por muito pouco da morte, depois de serem jogados dentro do magma do |Grande Vulcão Guruyuen|. Em troca, ele estava quebrado ao ponto onde sérios danos estavam evidentes.

Deitado em cima do [Submarino] flutuando enquanto era levado pelas ondas, com ambas as mãos na parte de trás de sua cabeça, Hajime estava exibindo um olhar extremamente satisfeito. Seu braço esquerdo artificial que foi derretido depois de ser atacado pelo raio e estava incapaz de se mover corretamente, foi consertado usando o material do [Submarino] e voltou para sua forma original. Contudo, os dispositivos instalados não poderiam ser usados.

(Yue): “… Hajime, como está sua condição?”

Enquanto adormecia embalado pela calorosa luz do Sol e as ondas o balançando, a escotilha atrás dele subitamente se abriu. Yue esticou sua cabeça para fora e o perguntou sobre sua condição com apreensão. Hajime recebeu um enorme dano do ataque, e com a toxina do raio, a ferida não se recuperaria facilmente.

(Hajime): “Não há mais nenhum problema. Todos os ferimentos já estão fechados. Mas eu sinto que precisarei de ao menos mais um dia para me recuperar por completo… mais importante, como estão as coisas do lado de Yue? Você está consideravelmente exausta, não está?”

(Yue): “Nn… eu estou bem. Shia me deu seu sangue afinal”

As palavras preocupadas de Hajime foram respondidas alegremente por Yue, que saiu da escotilha e foi para o lado dele, que estava deitado, de quatro. Assim, com um movimento extremamente natural, ela se deitou em cima de Hajime. Sua bunda macia estava sendo pressionada contra Hajime e o estimulava em um lugar realmente perigoso.

(Hajime): “… Yue-san, por que você subiu em cima de mim?”

(Yue): “… porque Hajime estava aqui”

Apesar da resposta ser exatamente como a de um certo montanhista1, o olhar de Yue estava sério. Em seguida, Hajime foi atacado com um murmúrio, “… continue desse jeito”, ocultado com sedução enquanto ela relaxava seu corpo. Ela lambeu o pescoço de Hajime, o mordeu e bebeu o sangue que escorria.

(Yue): “… nn, quase toda a toxina desapareceu. Parece que não há motivos para se preocupar”

Aparentemente, ela bebeu o sangue de Hajime para confirmar quanto da toxina do raio ainda restava.

(Hajime): “Eu não disse que não havia mais nenhum problema?”

(Yue): “… nn. Mas eu não posso evitar ficar preocupada. Nossa atual localização também é um problema… mas eu estou feliz por Hajime poder descansar”

(Hajime): “Bem, yeah. Foi realmente um desenvolvimento rápido. Eu não sei se fomos sortudos ou azarados…”

Hajime, que estava sorrindo ironicamente, fez Yue franzir o cenho apertando suas sobrancelhas, incomodada. Os dois se lembraram de como eles foram engolidos pelo magma no |Grande Vulcão Guruyuen|, arrastados até eles chegaram onde estavam agora, no vasto oceano. Eles sofreram muitas adversidades que poderiam ser lamentadas pelo caminho, mas foi algo feliz e afortunado eles terem sobrevivido. Um tipo delicado de mentalidade.

Depois de eles serem atirados dentro do magma e levados para o subterrâneo, o grupo de Hajime foi exposto a rápida correnteza durante um dia inteiro. Como eles não poderiam utilizar a todo o momento a força de atração da ‖Calamidade Absoluta de Yue para controlar a posição de seus corpos, Hajime conseguiu criar uma [Pedra de Gravidade] usando a ‖Magia da Criação, produzindo assentos flutuantes depois de muita tentativa e erro dentro do [Submarino] turbulento. Assim, embora o [Submarino] continuasse produzindo sons como os de um brinquedo sendo esmagado contra a parede, o assento flutuante conseguiu mantê-los fora da situação parecida com o interior de uma batedeira.

Em seguida, com Yue e Shia se agarrando a sua direita e esquerda, ele passou algum tempo de insônia iluminado pela fraca luz da [Pedra de Luz Verde].

“Será que nós estamos indo direto para o manto2 do planeta?”. Hajime começou a se questionar enquanto suava frio. Contudo, sua viagem subterrânea rumo ao desconhecido finalmente terminou. O grupo de Hajime foi atacado pelo maior impacto que eles sentiram até então. O imenso impacto atravessou a defesa de ‖Vajra e danificou o [Submarino]. Junto do impacto, o [Submarino] foi atirado para longe com enorme força.

Apressadamente reativando ‖Vajra após o intenso impacto, Hajime questionou o que tinha acontecido e usou a função de câmera remota da [Pedra de Visão de Longo Alcance] instalada na [Broca de Cruz] para confirmar seus arredores. Depois disso, o espetáculo que entrou em sua vista não era o mundo vermelho cheio de magma, mas magma se contorcendo como uma cobra e fervendo imensamente no “mar” furioso.

Aparentemente, o grupo de Hajime foi lançado para longe pela chamada erupção freatomagmática3 quando eles foram cuspidos do vulcão submerso. O impacto danificou o casco, mas, felizmente, a água não entrou, ou talvez poderia se dizer “Como esperado do artefato de Hajime”.

Escapando por pouco da morte, o grupo de Hajime estava aliviado por ser capaz de voltar para a superfície, mas o sofrimento deles continuou.

Depois de ficarem aturdidos por darem voltas e voltas com a erupção, e então serem jogados para dentro do oceano, o grupo imediatamente recuperou o controle do [Submarino] e começou a navegar. Ambas as laterais e a popa4 estavam gravemente danificadas, mas era possível navegar ao fornecer |Poder Mágico ao [Submarino]. Não havia problemas além da taxa de consumo de combustível ser esmagadoramente pior quando comparada com o uso da hélice, aletas e popa.

Como ele não seria capaz de resistir a outra erupção, o grupo de Hajime se apressou para fugir, mas uma sombra gigantesca seguiu o [Submarino] em forma de orca. Era uma criatura gigante parecida com uma lula. Com seu comprimento chegando a 30 metros, e com mais de 30 tentáculos se contorcendo, sua aparência era similar à de um monstro marinho, o 〈Kraken5.

O monstro impiedosamente atacou o [Submarino]. Torcido pelos tentáculos, o [Submarino] estava a ponto de ser mastigado pelas presas afiadas no meio de sua boca. Entretanto, o monstro foi repelido pelas armas do [Submarino] (torpedos) e a magia de Yue.

Contudo, isso não terminou mesmo depois de eles repelirem o 〈Kraken. Desta vez, eles foram atacados por um bando de tubarões. Os 〈Tubarões, outro tipo de 〈Fera Mágica, eram inimigos irritantes que cooperavam enquanto disparavam tornados de água.

No fim, a munição dentro do [Submarino] se esgotou e eles só poderiam confiar na magia de Yue. Era uma situação onde Yue usava o |Poder Mágico armazenado dentro do [Conjunto de Cristais Mágicos] e chupava o sangue de Shia, pois Hajime já tinha perdido uma enorme quantidade de sangue. Eles conseguiram fugir enquanto repeliam os 〈Tubarões, mas eles lutaram antes no |Grande Vulcão Guruyuen|, então o grupo de Hajime realmente esgotou todas as suas energias. Apesar de Shia não fazer nada, ela desmaiou devido a anemia causada por oferecer seu sangue a Yue, simplesmente porque isso era “o mínimo” que ela poderia fazer.

Permitindo que Yue e Shia descansassem, Hajime moveu o [Submarino] para a superfície. Eles estavam em um local onde havia apenas o mar e o céu azul tão longe quanto os olhos podiam alcançar, então eles avançaram em direção ao continente. Assim, depois de navegar por meio dia, devido ao clima calmo e as ondas, Hajime parou o [Submarino] e descansou, se banhando na luz do Sol do lado de fora.

O desenvolvimento de conquistar o |Grande Vulcão Guruyuen| até o atual momento foi realmente veloz. Não importava como você olhasse para a situação, podia se dizer que, exceto o grupo de Hajime, outras pessoas não teriam qualquer chance de sobreviver a tudo isso. Estava tudo bem para Hajime querer inconscientemente gritar, “Que falta de sorte”, como um certo usuário do “punho da igualdade de gêneros”6.

(Hajime): “Como está Shia?”

Embora ele estivesse olhando para longe, Hajime perguntou a Yue, que estava atualmente sentada em cima dele.

(Yue): “… ela ainda está dormindo. Eu bebi muito… então ela provavelmente não irá acordar tão cedo”

O motivo de Yue era o fato da quantidade de sangue convertida em |Poder Mágico não ser tão eficiente comparando se quando ela chupava o sangue de Hajime. Isso acontecia porque a quantidade convertida era muitas vezes maior com o rapaz, seu parceiro do ‖Pacto de Sangue, do que com Shia, que não era. Depois de escolher seu parceiro para o ‖Pacto de Sangue, o efeito da ‖Conversão de Sangue de outras pessoas diminuía, embora esse efeito aumentasse muitas vezes se ela usasse seu parceiro contratado.

(Hajime): “Entendo. Bem, é melhor para ela descansar agora. De qualquer forma, não sabemos nossa atual localização, muito menos quanto tempo precisamos para chegar ao continente. Nós também não sabemos o que irá acontecer, então é melhor usarmos nosso tempo para nos recuperarmos”

(Yue): “… nn”

O mar estava a Oeste do continente, então eles só precisavam seguir para o Leste para chegar a terra. Não havia problemas porque eles poderiam criar água com magia e pegar peixes para as refeições. Animais como peixes não seriam capazes de escapar do [Submarino] e da magia, então, mesmo que eles estivessem no meio do enorme oceano, essa não era uma situação para se entrar em pânico. Aliás, visto que eles poderiam confirmar sua localização usando as estrelas da noite, eles poderiam determinar o curso na direção do continente. Assim, eles descansavam quando precisavam.

A luz do Sol calorosa e a brisa fizeram Hajime relaxar. Observando Hajime com olhos semicerrados, Yue…

(Hajime): “… Yue-san. O que você está fazendo?”

(Yue): “… deixando Hajime energético”

Antes que ele percebesse isso, Yue exalava uma aura provocante e se movia lentamente. Ela parecia querer energizá-lo. Mas apesar de ela não dizer qual parte, quando Hajime viu os olhos desfocados de Yue, ele nem mesmo pensou em resistir.

(Yue): “Ngh… fufu, Hajime ficou energético”

(Hajime): “… espere, fazer isso no meio do oceano… bem, se fosse eu há meio ano, eu nem mesmo imaginaria isso”

No lugar em que eles se sentiam seguros enquanto estavam felizes por sobreviver, Hajime e Yue mostraram seus corpos um para o outro. Por um tempo, o [Submarino] foi sacudido por algo além das pequenas ondas.


(Shia): “Parece que vocês estavam se divertindo…”

Depois de se aliviarem de várias formas diferentes, eles voltaram para dentro do [Submarino] e foram encarados por Shia.

(Hajime): “Ng? Você está acordada, eh. Como está sua condição?”

(Shia): “Agindo como se nada tivesse acontecido, mas eu estou feliz com a preocupação. Minha sonolência foi eliminada graças ao intenso tremor, as vozes em transe e aqueles sons diferentes. Minha condição física está excelente pela energia convertida pelo vazio e a solidão. Yeah, ‘com isso, eu também vou ser atacada’, ou foi o que eu pensei”

(Hajime): “Entendo, isso é bom”

Hajime estava realmente feliz por Shia ter se recuperado, mas como ele não mostrou nenhum sentimento de culpa, isso fez Shia, “Uuuuu”, lamentar com olhos marejados. A aparência dela fez Hajime pensar que ele a ignorou demais. Sorrindo sem graça, ele a disse para abrir espaço e se sentou ao lado dela.

Acordando sem ninguém a bordo e escutando os sons de Hajime e Yue fazendo amor pela escotilha aberta, Shia ficou realmente solitária, e assim, ela abraçou Hajime, que se sentou ao lado dela, com força. Yue também se sentou ao lado de Shia, não de Hajime, e acariciou a cabeça dela para conforta-la.

Enquanto os dois consolavam Shia, Hajime forneceu seu |Poder Mágico para ligar o [Submarino], avançando para o Leste. De vez em quando, eles seriam atacados por Feras Mágicas, mas elas eram repelidas pela magia de Yue, e eles avançaram durante um dia inteiro. Avançando debaixo do céu estrelado, Hajime finalmente avistou a terra quando o Sol da manhã iluminou o mundo.

De acordo com a posição das estrelas que eles viram na última noite, o grupo estava atualmente localizado ao Norte de |Elisen|. Dessa forma, contanto que eles seguissem para o lado esquerdo da terra, eles certamente veriam o cais junto de |Elisen| e o |Grande Deserto Guruyuen|.

Aliviados por verem terra, eles avançaram para o Sul por dois dias.

Quando o Sol atingiu o zênite do segundo dia, o grupo parou o [Submarino] para descansar, e almoçou acima do [Submarino] enquanto balançavam com as ondas. O cardápio era, logicamente, peixes que eles capturaram no mar. Usar a ‖Capa do Relâmpago para assar a comida fez Hajime se lembrar de seu tempo dentro do Abismo. O grupo não tinha nenhum utensílio de cozinha nem nenhum tempero porque a [Caixa do Tesouro] foi confiada a Tio.

Mesmo assim, o peixe que os três comeram alegremente, enquanto observavam o horizonte distraidamente, estava bastante delicioso. O local e a atmosfera compensavam a falta de tempero. Aqueles que viviam no mar, ou abriam uma barraca durante um festival, todos eles estavam acostumados com este tipo de compensação.

E quando Shia estava aproveitando o peixe assado desconhecido, suas orelhas de coelho subitamente se levantaram e então começaram a se mover inquietamente. Acompanhada por um, “Nn?”, Hajime também notou a presença de algo. Enchendo sua boca com um peixe de quase 60 centímetros de comprimento, ele moveu seu olhar.

Cercando o [Submarino], ] zoom! [, várias pessoas apareceram de dentro do mar e apontaram suas lanças. Havia cerca de 20 pessoas. Todos tinham cabelos esmeralda e orelhas que pareciam barbatanas em forma de leque. Por suas aparências, eles eram um grupo da tribo dos ⌊Habitantes do Mar. Seus olhos estavam transbordando com cautela e se apertaram perigosamente.

Entre eles, um homem encarou Hajime com sua lança apontada e o questionou.

(Homem A): “Quem é você? Por que você está aqui? E o que é essa coisa em que você está montado?”

Hajime estava ocupado mastigando o peixe que enchia sua boca ao ponto de deixar suas bochechas estufadas. Ele não planejava se opor a eles, então Hajime queria responder rapidamente, mas, infelizmente, o peixe que ele estava comendo no momento era enorme e difícil de mastigar. Levaria tempo para ele poder engoli-lo.

Hajime assumiu uma postura séria, mas a forma tão calma com que ele estava comendo sua refeição, apesar das lanças apontadas para ele enquanto era cercado, fez com que os homens o vissem como nada além de uma pessoa insolente.

Veias apareceram na testa do homem que o questionou. Em todo o caso, mesmo que eles tivessem suas dúvidas, era demais para eles serem tão ameaçadores depois de encontrarem humanos no mar. Shia pensou em quebrar a situação volátil ao responder no lugar de Hajime.

(Shia): “Ah, umm, por favor, se acalme. Nós somos…”

(Homem A): “Silêncio! Alguém da tribo dos ⌊Homens-Coelho como você não deve abrir a boca!”

A posição da tribo dos ⌊Homens-Coelho era baixa mesmo entre as raças dos ⌊Demi-Humanos fora do |Mar de Árvores|. A forma como eles estavam estranhamente agitados e teimosamente queriam que Hajime, que estava os menosprezando (do ponto de vista deles), os respondesse também pode ter sido um fator. Mudando o alvo de sua lança, o homem a apontou imponentemente contra Shia.

O ataque do homem da tribo dos ⌊Habitantes do Mar não iria passar pela defesa de Shia com seu corpo fortalecido; a lança iria apenas cortar superficialmente a bochecha de Shia, mesmo se ela não desviasse do golpe. O homem provavelmente queria machucá-la ligeiramente para dar um aviso a Hajime. Como imaginado, o grupo sentiu que isso estava anormal. Afinal, a tribo dos ⌊Habitantes do Mar não era tão feroz.

Contudo, esse foi um péssimo movimento, não importava em que circunstâncias eles estivessem. Independentemente da situação, mesmo que isso fosse um aviso, Hajime não iria permitir que alguém tentasse ferir Shia.

Em um instante, enorme intenção assassina e pressão caíram como uma imensa catarata, se espalhando pela superfície do mar como uma ondulação, criando fortes ondas.

] BOOOOM!!! [

Com seus olhos arregalados, o homem que estava encarando a súbita mudança de Hajime foi atirado para longe, acompanhado por um alto som. Ele quicou várias vezes na superfície do mar, voando enquanto girava, e finalmente afundou dentro da água.

Com expressões perplexas, os membros restantes da tribo dos ⌊Habitantes do Mar moveram seus olhares do homem afundando para Hajime, que estava segurando a cauda de um enorme peixe assado com uma pose de alguém que acabou de dar uma tacada em uma partida de golfe.

A agitada água do mar estava brilhante enquanto refletia a luz do Sol. Até os olhos do peixe morto estavam brilhando um pouco.

(Homens): “Qu-, qu-”

Os integrantes da tribo dos ⌊Habitantes do Mar estavam abalados.

Apoiando o peixe meio comido no ombro, Hajime encarou o homem que estava ao lado do que foi lançado para longe. Não é preciso dizer que, recebendo uma pressão que ele nunca sentiu antes, o homem da tribo dos ⌊Habitantes do Mar usou sua lança enquanto gritava em pânico ao ser encarado por Hajime.

(Homem B): “ZeeAAh!!”

Em toda a vida do homem até esse momento, esse foi um ataque que o satisfez ao máximo. Com a premonição da morte, ele instintivamente desferiu um ataque mortal. Entretanto, o ataque mortal perfurou a boca do peixe de olho branco e foi facilmente detido.

(Homem B): “Eh? Quê? Co-como…”

Quando Hajime balançou o peixe, o homem ficou pasmado depois de ver o espetáculo inacreditável, e assim, a lança foi facilmente arrancada. A velocidade do movimento fez a lança escapar da boca do peixe, atingindo diretamente o rosto de outro integrante da tribo dos ⌊Habitantes do Mar. Olhando de lado a pessoa que gemia enquanto sangue escorria de seu nariz, Hajime mais uma vez balançou seu peixe.

O homem cuja lança foi tomada e jogada para longe estava com as bochechas contraídas por causa da cena absurda do peixe de olho branco se aproximando de seu rosto com sua boca aberta e brilhando um pouco em uma luz vermelha brilhante.

Então…

] BAM!!! [

(Homem B): “Hmmm!?”

Ele foi atirado para longe, exatamente como o homem de mais cedo.

(Hajime): “] Mastiga, mastiga… engole… [. Muito bem, eu realmente não quero lutar contra a tribo dos ⌊Habitantes do Mar. Assim sendo, por que não nos acalmamos e conversamos aqui? Entretanto, eu não posso ficar em silêncio se alguém tentar ferir minha companheira… ah, as pessoas que foram lançadas para longe não morrerão porque eu me segurei, okay?”

Com o peixe flácido, que perdeu seu brilho, em uma das mãos, Hajime propôs depois de desativar sua ‖Pressão. O próprio Hajime não queria mesmo lutar contra o povo da tribo dos ⌊Habitantes do Mar, que eram da mesma tribo que Myuu. Apesar do outro lado tentar matá-lo, ele realmente nem mesmo os via como tios da vizinhança (os ignorando totalmente).

Contudo, a tribo dos ⌊Habitantes do Mar parecia não ter aceito sua proposta. Foi devido a seu orgulho que parecia ter sido danificado por Hajime, que os menosprezou expressando, “Vocês não são nem mesmo um desafio”, apesar dos humanos estarem em desvantagem dentro do oceano, e ele lançou seus companheiros para longe, embora ele dissesse que eles não morreram.

Além disso, graças ao alerta anormal contra a raça humana, eles não poderiam confiar nas palavras de Hajime. “Não podemos baixar nossa guarda!”. Eles tomaram distância do grupo de Hajime e assumiram uma postura, prontos para jogarem os pequenos arpões em suas costas.

(Homem C): “Entendo. Não foi o bastante sequestrar aquela garota, huh? É por isso que você veio aqui de novo, para sequestrar nossas outras crianças?”

(Homem D): “Não daremos tempo para você invocar qualquer magia! O mar é nosso território, não pense que você pode escapar ileso!”

(Homem E): “Nós vamos fazer você cuspir a localização daquela garota, mesmo que tenhamos que cortar seus braços e pernas!”

(Homem F): “Não se preocupe. Nós vamos mantê-lo vivo até te entregarmos ao |Reino|. No entanto, sua segurança não está garantida”

Essa parecia ser uma situação anormal. Ao invés de estarem cautelosos, fortes ressentimentos podiam ser vistos em seus olhos. Hajime entendia a causa da agitação deles pelas palavras “sequestrar outras crianças”. Essas pessoas provavelmente o interpretaram errado e o consideraram um dos responsáveis por sequestrar Myuu. Montado em um transporte desconhecido e levando uma escrava da tribo dos ⌊Homens-Coelho enquanto se aventurava ao redor do território da tribo dos ⌊Habitantes do Mar… não seria tão estranho para um humano como ele ser julgado de forma errônea.

A raça dos ⌊Demi-Humanos possuía um grande senso de unidade e afeição por sua raça. Isso certamente era verdadeiro quando se tratava de sua própria raça, mas o sentimento era ainda mais forte por sua própria tribo. A tribo ⌊Haulia saiu do |Mar de Árvores| somente por Shia, enquanto a tribo dos ⌊Homens-Ursos ignorou a decisão da conferência dos Anciões para se vingar daquele que feriu seu líder. Mesmo a tribo dos ⌊Habitantes do Mar não pensava diferente. Qualquer criança da tribo era importante, mesmo que não fosse o próprio filho dos envolvidos.

Secretamente, Hajime estava ficando um pouco amuado enquanto se queixava, “Mesmo que ela não tivesse se esforçado para me tratar como seu pai, ela tem essas pessoas para tratá-la como sua filha, eh”. O murmúrio misturado com um sorriso irônico estava mirado para Myuu, que não estava no local. Em seguida, Hajime tentou dizer o nome de Myuu para resolver o mal-entendido.

(Hajime): “Ahhhh, sabem, sobre esse seque-…”

(Homem C): “Peguem eles!!”

Contudo, mais rápido do que suas palavras, a tribo dos ⌊Habitantes do Mar começou a jogar seus arpões um após o outro. Apesar da metade inferior de seus corpos estar debaixo da água, percorrendo a superfície, os arpões estavam voando com uma considerável velocidade e realmente estavam apontados para os ombros ou pés de seus alvos, para não matá-los. Meticulosamente, eles também estavam golpeando o [Submarino], o que o fazia balançar intensamente.

Se fosse um humano normal, ele teria perdido seu equilíbrio e teria sido perfurado pelos arpões por ser incapaz de assumir uma ação evasiva ou teria caído dentro do oceano para ser contido pela tribo dos ⌊Habitantes do Mar. Bem, isso se ele fosse um humano comum.

(Yue):‖Castelo de Onda

Com o murmúrio de Yue, a água do mar foi comprimida enquanto subia, obstruindo os arpões vindo de todas as direções. Na sequência, enquanto a tribo dos ⌊Habitantes do Mar ainda estava espantada pela magia sem encantamento, Yue fez cerca de 20 bolas de trovão flutuarem ao redor dela.

Ao mesmo tempo que a água do mar literalmente se tornou uma muralha, ela voltou ao normal. As pessoas da tribo dos ⌊Habitantes do Mar testemunharam as bolas de trovão flutuando e soltando faíscas ao redor de Yue.

(Homem C): “Kh!? Re-recuuuuaaaar!!”

Um grito de ordem surgiu. Os pálidos integrantes da tribo se viraram para fugir. Contudo, eles foram lentos demais.

] Fwoosh!! Bzz! BZzz! BzZZzz!! [

Cada uma das bolas de trovão voou em uma direção diferente, sem permitir que nenhum dos membros da tribo dos ⌊Habitantes do Mar fugisse, suavemente os eletrocutando. “ABABABABABABABAh”, tal grito foi ouvido deles. Depois de um tempo, as 21 pessoas da tribo dos ⌊Habitantes do Mar estavam flutuando na superfície do mar.

(Hajime): “Yue, vivas pelo bom trabalho”

(Yue): “Nn… Hajime, sobre o que essas pessoas estavam dizendo”

(Hajime): “Bom, deve ter sido sobre Myuu”

(Shia): “Muitas coisas aconteceram quando estávamos indo para |Elisen|. Como esperado de Hajime-san. Sem nem mesmo passar um segundo em uma cidade, um problema já apareceu…”

(Hajime): “Por favor, pare Shia. Eu estou um pouco preocupado com isso… droga. Não deveria haver nenhum problema se Myuu estivesse aqui…”

Hajime estava suspirando enquanto se preocupava com isso. Assim, por enquanto, ele se moveu para reunir os corpos boiando das pessoas da tribo dos ⌊Habitantes do Mar.


Depois de ele instantaneamente remodelar o [Submarino] ao fazer um compartimento de carga, onde ele colocou as pessoas com cabelo afro e olhos brancos da tribo dos ⌊Habitantes do Mar, o grupo continuou sua viagem.

Yue efetivamente enfraqueceu um de seus trovões, o que fez com que uma pessoa imediatamente acordar. Essa pessoa guiou o grupo para o cais depois de eles explicarem a situação a ele.

A princípio, como Hajime sabia o nome e as características de Myuu, o homem disse, “Então você é mesmo o culpado”, enquanto se enfurecia. Entretanto, Hajime já estava irritado, então ele o estapeou inexpressivamente até que o homem se acalmasse, e o homem escutou a história do grupo depois de ser disciplinado.

Depois disso, o grupo o disse que Myuu estava atualmente em |Ancadi| e iria voltar imediatamente para |Elisen|. O homem pediu que o grupo o permitisse acompanhá-los até |Ancadi|. Quanto ao motivo, o homem simplesmente não podia aceitar a história do grupo de Hajime sem nenhuma prova, então ele queria ir junto até |Ancadi| para ao menos encontrar uma pista sobre Myuu.

Além do jovem homem diante deles, que estava os guiando, as pessoas que anteriormente estavam vociferando contra Hajime eram aqueles que conheciam Myuu diretamente. A mãe de Myuu também foi ferida quando a garota foi sequestrada, assim, essas pessoas ficaram emotivas. E, como ele se sentiria estranho quando se reunisse com Myuu depois de espancar os conhecidos dela, Hajime relutantemente aceitou o pedido do jovem homem.

Em seguida, depois de avançarem no mar por algumas horas,

(Shia): “Ah, Hajime-san! Ela está à vista! A cidade! Finalmente, um lugar com pessoas!”

(Hajime): “Nn? Ohh, ela realmente está no meio do mar, eh”

Shia estava apontando para |Elisen| com olhos brilhantes e falou com Hajime. Movendo seu olhar, realmente, uma grande cidade flutuando acima do oceano apareceu em sua visão.

Hajime moveu o [Submarino] na direção do lugar com muitos cais. Depois de olharem de lado para os homens da tribo dos ⌊Habitantes do Mar, turistas humanos e mercadores, que ficaram com os olhos arregalados depois de verem Hajime guiando um navio desconhecido, o grupo atracou em um local vago.

As pessoas da tribo dos ⌊Habitantes do Mar seguiram para o grupo, testemunhando dezenas de companheiros inconscientes no compartimento de carga do [Submarino], e começaram uma comoção. Contudo, Hajime pensou que estaria tudo bem porque ele explicou a situação para o jovem homem, então, por ora, ele e o rapaz descarregaram as pessoas desmaiadas no píer.

Depois que eles fizeram isso, pessoas da tribo dos ⌊Habitantes do Mar completamente armadas e soldados humanos já tinham se aglomerado. O jovem homem deu um passo à frente para explicar a situação e começou a falar como um figurão. Hajime queria voltar depressa para |Ancadi| e se encontrar com o grupo de Kaori, então quando ele observou o jovem homem, ele ficou irritado e disse internamente, “Só decida quem vai viajar conosco de uma vez!”.

Hajime queria que isto acabasse pacificamente, mas é claro que as coisas não seriam tão simples. Empurrando de lado o jovem homem que estava confuso, os soldados correram na direção do grupo. O grupo de Hajime foi cercado sem espaço para fugir no pequeno píer.

(Soldado A): “Seja obediente. Vamos contê-lo até que possamos esclarecer a verdade”

(Hajime): “Oi, oi, você não escutou a história?”

(Soldado A): “É claro. E é melhor se formos aqueles a confirmar isso. Não há necessidade para vocês irem”

Palavras sem qualquer espaço para uma recusa. Hajime ficou ainda mais irritado, mas ele se controlou porque esta era a cidade natal de Myuu.

(Hajime): “Escute aqui. Nossas companheiras estão nos esperando lá. Porém, mesmo nós querendo imediatamente seguir para |Ancadi|, não percorremos todo o caminho até aqui para devolver essas pessoas que nos atacaram equivocadamente?”

(Soldado A): “Independentemente de ter sido um equívoco ou não… mesmo que a criança sequestrada esteja mesmo em |Ancadi|, você é suspeito porque entrou no território de |Elisen| em um navio não identificado. Não há como dizer que você não fugirá em nossa jornada até |Ancadi|, não é mesmo?”

(Hajime): “O que há com esta situação? Se eu quisesse fugir, poderíamos apenas aniquilar essas pessoas e escapar na mesma hora”

(Soldado A): “Também há esse ponto. Mas, isso não muda o fato de que você entrou em nossa jurisdição sem permissão. Além disso, vocês atacaram a corporação de vigilantes que descobriu vocês, não tem jeito de liberarmos vocês tão facilmente”

(Hajime): “Foram eles que não nos escutaram e nos atacaram devido a sua agitação. Mesmo assim, você acha que vamos obedientemente deixar você nos prender? Pare logo com essa besteira”

Os olhos de Hajime se apertaram perigosamente. O homem que parecia ser o líder dos Soldados diante dele estava franzindo o cenho com a pesada aura transbordando de Hajime.

No peito do líder estava o distintivo com o brasão do |Reino Haihiri|, indicando que ele era o Comandante do regimento enviado sob o pretexto de ser a proteção do |Reino|. Entre a tribo dos ⌊Habitantes do Mar, havia pessoas que poderiam ser da corporação de vigilantes, e eles não recuaram mesmo depois de se surpreenderem com a aura de Hajime.

Para Hajime, este local era a terra natal de Myuu, e ele não queria causar nenhum problema em |Elisen|, já que ele pensava que ela se tornaria provavelmente a base do grupo, porque eles certamente levariam algum tempo para procurar as |Ruínas Submersas de Melusine|7, cuja localização não era conhecida. Era verdade que Myuu estava em |Ancadi|, e ele entendia que a suspeita poderia ser resolvida. Contudo, a hostilidade de Hajime contra a injustiça deste mundo poderia ser chamada de reflexo condicionado. Assim, ele não iria facilmente aceitar isso.

Era realmente uma situação explosiva.

Dentro da tensão crescente, Hajime pensou que ele não deveria se descontrolar na cidade de Myuu, e no momento que ele pensou em ceder…

(Shia): “Nn? Agora mesmo…”

Com suas orelhas de coelho se movendo, Shia começou a olhar para o céu. Hajime não afastou seu olhar do Comandante e perguntou, “O que foi?”. Contudo, antes que Shia pudesse respondê-lo, Hajime também sentiu uma pequena presença e uma voz.

(???): “!!!”

(Hajime): “Ah? Quê?”

(???): “… pai… !!!”

(Hajime): “Oy, não pode ser!?”

(???): “… papaaaai!”

Hajime apressadamente olhou para o alto e uma pequena sombra estava caindo do céu vazio!

Com braços abertos, a sombra que estava em queda livre com um grande sorriso era…

(Hajime): “Myuu!?”

Isso mesmo, era Myuu. Myuu estava praticando paraquedismo. Sem paraquedas. Olhando atentamente, atrás dela estava a forma de 〈Dragão Negro de Tio, que estava desesperadamente descendo, e montada em suas costas estava Kaori, que também estava em pânico.

Assim que ele reconheceu a sombra caindo como Myuu, Hajime ativou ‖Aerodinâmica e ‖Teletransporte. Ele imediatamente pulou, ignorando o cais que foi destruído pelo impacto e os soldados gritando enquanto caíam dentro do mar.

Hajime pulou instantaneamente mais de 100 metros de altura graças a ‖Aerodinâmica, para pular na direção do lugar em que Myuu estava caindo, e ativou a ‖Velocidade da Luz. Dentro do mundo em câmera lenta, ele se certificou de que Myuu estava em seus braços, e ele caiu com uma velocidade regulada e milagrosa, perfeitamente anulando qualquer tipo de choque.

Com Myuu em seus braços, Hajime usou ‖Aerodinâmica para saltar e quicou até alcançar o chão. Internamente, suor frio escorria como uma cachoeira.

(Myuu): “Papai!”

Sem fazer nenhuma ideia do que Hajime estava pensando, Myuu esfregou seu rosto no peito dele com um sorriso no rosto. Talvez tenha sido Tio quem a disse que Hajime estava bem embaixo delas.

Assim, apesar de ele não saber se foi acidental, ou quem sabe intencional, ela caiu na direção de Hajime. Vendo como ela estava sorrindo enquanto caía, estaria correto afirmar que ela acreditava que Hajime certamente a pegaria.

Mesmo assim, era preciso uma extraordinária coragem para fazer uma queda livre com um sorriso tão grande. “Contenha-se!”. Hajime argumentou com a garota de quatro anos de idade em sua mente. Hajime estava franzindo o cenho enquanto ele pensava em repreendê-la. Mas quando eles chegaram no chão, ele acariciou Myuu.


Tradutor:



Notas

[1] Possível referência a Kokou no Hito (“O alpinista”), uma série escrita por Shinichi Sakamoto e Yoshirō Nabeda e ilustrada por Sakamoto, baseada na novel de Jirō Nitta. Ela foi orginalmente serializada na Weekly Young Jump de 2007 a 2012, com os 170 capítulos posteriormente publicados em 17 volumes pela editora Shueisha. O mangá conta a história de um alpinista solitário e introvertido chamado Mori Buntarō, cuja personalidade é parcialmente baseada no montanhista Buntarō Katō, que é apresentado a escalada esportiva depois de ser transferido para uma nova escola no ensino médio e mais tarde dedica toda sua vida a escalada de montanhas profissional, mantendo a subida da Face Leste da K2 (segunda maior montanha do mundo com 8.611 metros) como seu objetivo. O mangá ganhou o Prêmio de Excelência em 2010 no Japan Media Arts Festival e recebeu o prêmio de Melhor Mangá Seinen em 2011 no Prix Mangawa Awards.

[2] Manto é a camada da estrutura da Terra (e dos outros planetas de composição similar) que fica diretamente abaixo da crosta, prolongando-se em profundidade até ao limite exterior do núcleo. O manto terrestre estende-se desde cerca de 30 km de profundidade (podendo ser bem menor nas zonas oceânicas) até 2.900 km abaixo da superfície (transição para o núcleo). A diferenciação do manto iniciou-se há cerca de 3.800 milhões de anos, quando a segregação gravimétrica dos componentes do proto-planeta Terra produziram a atual estratificação. A pressão na parte inferior do manto atinge mais de 140 GPa (equivalente a 1.400.000 atmosferas). O manto difere marcadamente da crosta pelas suas características de composição química e de comportamento mecânico, o que se traduz pela existência de uma clara alteração súbita (uma descontinuidade) nas propriedades físicas dos materiais.

[3] Freatomagmatismo ou erupção freatomagmática é a designação dada a um tipo de erupção vulcânica que produz ejeta juvenis, cujas características resultam da interação entre água e magma. Pelas características das rochas e formações que produzem, estas erupções distinguem-se das erupções magmáticas e das erupções freáticas, já que os seus produtos contêm clastos juvenis, o que não ocorre nas erupções freáticas, e são o resultado da interação entre o magma e a água, o que os diferencia dos produtos das erupções magmáticas. As grandes erupções explosivas apresentam em geral componentes magmáticos e hidromagmáticos em diferentes proporções e fases eruptivas.

[4] A popa, ou ré, é a seção traseira de uma embarcação, sendo tecnicamente definida como a área construída entre o painel de popa e as alhetas da embarcação.

[5] O Kraken era uma espécie de lula, que ameaçava os navios no folclore nórdico. Este cefalópode tinha o tamanho de uma ilha e cem tentáculos, acreditava-se que habitava as águas profundas do Mar da Noruega, que separa a Islândia das terras Escandinavas, mas poderia migrar por todo o Atlântico Norte. O Kraken tinha fama de destruir navios. O Kraken às vezes é confundido com o Cetus da mitologia grega por serem criaturas parecidas.

[6] Referência a Toaru Majutsu no Index, uma série de light novel japonesa escrita por Kazuma Kamachi e ilustrada por Kiyotaka Haimura. Foi publicada pela ASCII Media Works de 10 de abril de 2004 a 10 de outubro de 2010, em 22 volumes. A série ganhou duas versões em mangá que começaram a ser publicadas no Japão em 2007, uma pela ASCII Media Works, e outra na revista mensal Shōnen Gangan. Em 2008 foi lançado o primeiro anime de 24 episódios baseado na franquia. A história se passa na Cidade Acadêmica, cidade na qual 80% dos seus cidadãos são estudantes, é tecnologicamente avançada e está localizada na região oeste de Tóquio, onde os alunos, chamados de espers, estudam e desenvolvem habilidades especiais cuja fonte é a mente humana. Touma Kamijou é um estudante da Cidade Acadêmica cuja habilidade, a Imagine Breaker, possui o poder de anular quaisquer outros poderes usando sua mão direita, mas esse poder faz com que sua sorte também seja anulada.

[7] Melusine, ou Melusina, é uma personagem da lenda e folclore europeus, um espírito feminino das águas doces em rios e fontes sagradas. Ela é geralmente representada como uma mulher que é uma serpente ou peixe (ao estilo das sereias), da cintura para baixo. Algumas vezes, é também representada com asas, duas caudas ou ambos, e, por vezes, mencionada como sendo uma nixie (espíritos aquáticos do folclore alemão e escandinavo). Suas lendas estão especialmente conectadas com as áreas Norte e Oeste da França, Luxemburgo e os Países Baixos.


Fontes
Cores