Arifureta – Capítulo 198 – Países estrangeiros são assustadoreeees

CAPÍTULO ANTERIOR

— Haaaaaaaaaaaaaaaaaaa.

Já passava do meio-dia e a quente luz do sol estava banhando a todos. Na esquina de uma certa cidade, em um café adorável com uma entrada e terraço de madeira, um gemido parecido com o de um zumbi estava retumbando. As pessoas que se assustaram com aquele gemido que parecia reverberar do reino dos mortos eram inexistentes.

Fosse o casal que alimentava um ao outro com pedaços de bolos no terraço, o cliente com aparência de empresário operando sozinho o tablet ou o velho passeando com o cachorro que passava na frente do terraço, nenhum deles mostrou sinal de estar incomodado por esse gemido. Ou melhor, eles nem pareciam ter notado o gemido.

— Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.

O gemido ressoou mais uma vez. Como esperado, ninguém notou, mas o dono do gemido que não estava recebendo nenhuma atenção também parecia estar acostumado a não receber atenção, então ele gemeu sem qualquer reserva, independentemente de estar em um espaço público.

Para dar mais detalhes sobre isso, a imitação de zumbi estava com o rosto pressionado na mesa do café, com as duas mãos segurando a cabeça. Parecia alguém que cometera um erro que não poderia ser corrigido e ele agora lamentava sua própria vida.

Só para confirmar, este não era um zumbi que escapou de um centro de pesquisa e entrou pela rua, como ficou evidente pelo copo com o logotipo do café cheio de uma bebida colocada na frente dele e o sanduíche que ainda não fora tocado, mas já havia sido devidamente solicitado.

Mas, naquele momento, o smartphone que foi colocado em cima da mesa da imitação de zumbi estava começando a tocar a música de uma certa batalha épica contra o rei demônio de um certo RPG. Esse toque fez a imitação de zumbi se mexer em reação, e sua mão se arrastou sobre a mesa, com o rosto ainda pressionado nela, para pegar o aparelho.

Ele então colocou o telefone no ouvido e atendeu a ligação com o rosto ainda pressionado contra a mesa.

— … oi.

— O que há com essa voz? Essa voz parece dizer que você pode cair morto a qualquer momento.

— Sim, sinto como se estivesse morrendo. Eu fiz minha vergonha transbordar…

— … eu já imaginava. Então você fez aquilo de novo, hein, Endo?

— Eu fiz… eu realmente fiz, Nagumo. Talvez, eu já esteja perdido.

— Endo…

Do outro lado do telefone, o parceiro de conversa, aquele que solicitou a aniquilação do grupo fanático oculto, Hidra, Hajime Nagumo adivinhou o dano mental de Kosuke e parecia estar exasperado, ou talvez fosse simpatia em sua voz que chamava o nome do colega.

E então…

— Bem, isso não importa…

— Isso importa sim! Não deixe isso de lado como se fosse algo simples! Dê-me mais simpatia aqui! Tenha um pouco mais de atenção! Você é meu espírito consonante que conhece a mesma dor que eu, não é!?

Tendo seu problema deixado de lado dessa maneira, a tristeza excessiva fez com que Kosuke conseguisse escapar de seu estado de zumbi. Gabacho! Seu rosto que estava pressionado sobre a mesa ergueu-se assim que ele soltou um grito de sua alma como se estivesse disposto a alcançar o outro lado do mar.

— Mesmo se você disser que, no meu caso, tenho uma posição forte como vítima dos Haulias, mas no seu caso, recentemente, isso partiu de você mesmo, correto? Há pouco tempo, você ainda estava bem se fosse apenas uma luta simples. Ou o caso desta vez foi tão difícil?

— Uguu. Me atingindo bem onde dói… é que, não foi tão ruim, é, só que… quando eu entrei na batalha, inconscientemente, eu… talvez seja por isso que eu pedi para você abrir o portal e passei um tempo com os Haulia. De alguma forma, parece que quanto mais tempo passo com eles, mais fácil é para me “tornar” aquilo…

— Se tornar o Lorde Portal do Abismo, hum.

— Não diga esse nomeeee!

Gon! O rosto de Kosuke pressionou a mesa mais uma vez, junto com aquele som doloroso.

Kosuke Endo.

Aquele com o papel de batedor no grupo do ex-herói. Na lendária batalha decisiva que foi esculpida na história do outro mundo, Tortus, ele foi o assassino mais forte que se gabou pelo desempenho inigualável contra as apóstolas de deus… embora tal coisa não pudesse ser imaginada a partir da figura se contorcendo de vergonha enquanto gemia com o rosto pressionado na mesa de um café.

Não é preciso dizer o motivo para ele, que casualmente tinha o status dos mais fortes, se transformar em uma pessoa sem esperança como essa em um café no meio do dia por causa da batalha da noite passada. Sim, aquilo que se manifestou na batalha, aquela conduta chuuni que era dolorosa demais para ser vista e ouvida.

Por que ele estava realizando esse tipo de conduta chuuni a todo vapor, mesmo entendendo que mais tarde receberia dano mental como esse, onde parecia que ele queria bater com a cabeça no canto de um bloco de tofu e morrer1? Havia algumas razões inevitáveis.

Uma das razões era essa:

 

Nome: Endo Kosuke 17 anos de idade Homem
Classe: Assassino Level: 92
Força: 800 Vitalidade: 940
Resistência: 450 Agilidade: 1.700
Poder Mágico: 560 Resistência Mágica: 560
HABILIDADES
Técnicas de Assassinato [+ Habilidades com Adaga] [+ Furtividade] [+ Rastreamento] [+ Habilidades de Arremesso] [+ Habilidades com Arma Oculta] [+ Onda de Transmissão] [+Habilidades de Fuga] [+ Lorde do Abismo] ⋯ Manipulação de Presença [+ Isolamento de Presença] [+ Passo Fantasma] [+ Ilusão dos Sonhos III] [+ Fantasma da Claridade] [+ Mente Mínima] ⋯ Dança das Sombras [+ Dança da Água] [+ Dança das Folhas] ⋯ Magia da Gravidade ⋯ Compreensão da Linguagem

 

Quanto aos detalhes dessas habilidades, de “Habilidades com Adaga” até “Habilidades com Arma Oculta”, o significado era o mesmo que o nome indicava, “Onda de Transmissão” era uma capacidade de forçar a orelha do usuário para captar vibrações no ar, ou na parede, para ouvir conversas de algum lugar a uma boa distância, e “Habilidades de Fuga” era uma habilidade que dava uma correção de aptidão à magia se fosse usada para escapar.

“Passo Fantasma” era uma habilidade que deixava para trás uma presença com uma imagem persistente empilhada sobre si mesmo para desfocar a própria figura, “Ilusão dos Sonhos III” era uma habilidade que produzia até três clones de si mesmo e, por fim, “Fantasma da Claridade” era uma habilidade que dava substância ao clone. “Mente Mínima” era uma habilidade de assistência à invisibilidade, enquanto o usuário estava invisível, essa habilidade faria com que a respiração, batimentos cardíacos, presença e até mesmo a flutuação da mente estivessem em um estado mínimo.

“Dança das Sombras” era uma habilidade que Kosuke costumava usar, algo que lhe permitia correr pelas paredes. Ela não o deixaria parado em uma parede, mas enquanto estivesse em movimento, ele poderia continuar a correr nas paredes. Sua derivação “Dança da Água” era a versão aquática, enquanto “Dança das Folhas” era uma habilidade que lhe permitia usar coisas como folhas que caíam no ar como pontos de apoio instantâneos para pular.

Muito bem, todos vocês notaram? Sem que percebesse, havia uma habilidade de uma disposição diferente que podia ser reconhecida apenas pelo nome, misturando-se entre todas essas habilidades. Provavelmente, essa habilidade foi despertada naquela lendária batalha decisiva como a derivação final da habilidade de assassinato. A causa disso fez a vergonha de Kosuke disparar na velocidade Mach.

Lorde do Abismo (Lorde Portal do Abismo).

A explicação na placa de status era a seguinte:

 

Efeito: No meio da sangrenta batalha, o Lorde Portal do Abismo chega do fundo da escuridão que é ainda mais negra que as trevas. Agora, ó véu das trevas, ó morte da escuridão, ofereça tua força ao abismo! Ou seja, o poder infinito dos sonhos…

 

No momento em que Kosuke viu essa explicação, não é preciso dizer que o rapaz jogou sua placa de status no chão com todas as suas forças. Também será desnecessário dizer que ele usou o pé para esmagar a placa enquanto fazia isso.

Em primeiro lugar, a explicação do efeito era algo enigmático que não se assemelhava a uma descrição. Para começar, um apelido (?) que lhe foi dado por acaso em um campo de batalha se tornando um nome de habilidade assim também era enigmático, ou melhor, o texto da explicação era muito doloroso. Ele não queria acreditar que essa era realmente a habilidade secreta final de sua vocação.

No entanto, apenas isso não significava que ele poderia negligenciar um poder que enfim obteve sem conhecer seu efeito e, acima de tudo, havia uma razão pela qual Kosuke tinha que saber, não importava como, e então ele determinou o efeito enquanto seu valor de SAN (Sanidade) estava despencando de maneira brutal. E o resultado que ele entendeu foi que parecia que essa habilidade tinha o efeito de um Superar Limite gradual. Ela não aumentava sua força de forma explosiva como o Superar Limite, mas era uma habilidade que fortalecia todas as suas especificações pouco a pouco enquanto a habilidade era ativada.

Além disso, apesar de diferente do Superar Limite, essa habilidade não tinha o efeito colateral da forte letargia após o uso. Poderíamos dizer que essa era uma habilidade extraordinária.

No entanto, se fosse perguntado se não havia nenhum demérito… é claro que o mundo não era assim tão doce.

O demérito do “Lorde do Abismo”. Era…

Enquanto ativa, a fala e a conduta do usuário seriam transformadas à força em um chuuni impecável (Lorde Portal do Abismo)!

Além disso, o que era preocupante era que a ativação da habilidade era essencialmente possível pelo critério do usuário, mas havia um momento em que essa habilidade era ativada por conta própria, sem o critério do usuário. Talvez a causa disso fosse apenas a inexperiência de Kosuke em lidar com essa habilidade, ou talvez fosse outro fator…

Assim como Kosuke disse a si mesmo, parecia que a proporção de ativações forçadas estava aumentando em proporção com o tempo que ele passou com os membros do clã Haulia, então a causa devia ser devido a isto… talvez.

— Eu havia recomendado isso antes, mas tente usar um artefato selador de habilidade. Você realmente não precisa disso?

— Uu. É, é que… eu quero, mas….

Ao ouvir as palavras de Hajime, a expressão de Kosuke ficou amarga enquanto sua fala parecia hesitante.

Anteriormente, quando Hajime viu Kosuke, que por causa de sua fala e conduta parecia estar afundando no abismo, disse: — Não posso mais assistir a isso… — e ofereceu a Kosuke que ele fabricaria um artefato selador de habilidade para ele. Só de vê-lo, até Hajime sentiu como se seu peito tivesse sido atingido por um bate-bunker.

Os olhos de Kosuke brilharam logo depois que ele ouviu a oferta, mas sua expressão mudou imediatamente como se ele tivesse se lembrado de algo e recusou a oferta com uma expressão que estava escorrendo amargura. A razão para isso era:

— … Lana, ela ficará decepcionada.

— Sério, alguém como você é…

Essa.

Lana, a Sombra Efêmera, Lanainferina Haulia (Nome real: Lana, apenas Lana. Isso é importante, então vou dizer pela terceira vez, é apenas Lana).

Na lendária batalha decisiva, Kosuke usou sua habilidade, incluindo sua capacidade e também sua presença inexistente que possuía por natureza, com todo seu poder e toda sua seriedade para permanecer invisível, mas, independentemente disso, essa senhorita com orelhas de coelho do clã Haulia o encontrou. Ela foi a mulher que roubou o coração de Kosuke. Ela também foi a perpetradora que trouxe o Lorde Portal do Abismo para este mundo.

Acima de tudo, Kosuke temia que, se ele selasse o Lorde Portal do Abismo, ela deixaria de gostar dele.

— Bem, você passou por muitas dificuldades para sair com ela. Não, isso já passou do nível de dificuldades. Eu acho que você é o cara mais incrível entre os nossos colegas de classe, entendeu, em vários significados. Ou melhor, posso até dizer que tenho respeito por você.

— É-é mesmo? Não é realmente algo tão…

— Não seja ridículo. Quem é que foi a pessoa que conquistou o Grande Calabouço Reisen sozinho apenas para ser reconhecido pela mulher pela qual se apaixonou, hein?

— A, hahaha… é. Eu pensei que ia morrer. Não, se eu não usasse o estado do Lorde Portal do Abismo por 24 horas, suportando a história negra que me fez morrer de vergonha, eu teria morrido de verdade lá.

Sim, assim como demonstrado pela habilidade que foi escrita casualmente na placa de status, Kosuke havia conquistado o Grande Calabouço Reisen. Além disso, ele fez isso sozinho. Na batalha contra o grupo oculto Hidra, seu ato de ficar de pé no teto não foi por causa de sua habilidade de correr na parede, ou por causa do artefato de Hajime, mas sim por sua própria magia da gravidade.

Mesmo sendo a mestra do Grande Calabouço Reisen, Miledi Reisen já tinha ido embora, embora não houvesse nada além dos golems interceptores do tipo semiautomáticos que ela deixou para trás, as armadilhas do labirinto e a situação em que a magia era inutilizável ainda continuavam em ação. Além disso, mesmo que os golems fossem do tipo semiautomático, eles só perderam a capacidade tática como quando Miledi os controlava, mas sua capacidade de batalha não declinou nem um pouco.

E Kosuke conquistou esse labirinto sozinho em uma semana e voltou vivo. Como ele estava sempre no estado ativo do Lorde Portal do Abismo, sua capacidade física e força de vontade, e então seu discurso e conduta chuuni, em vários significados, tudo isso quebrou o limite ainda mais que o Superar Limite. Como ele desafiou seu limite assim, seu corpo e seu coração (especialmente seu coração!) estavam esfarrapados, mas, mesmo assim, ele voltou vivo com todos os seus membros intactos. Era natural que Hajime e os outros ficassem chocados com isso.

— Sério, você se saiu bem para sobreviver. Essa foi uma condição absurda que faria até a princesa Kaguya parecer brincadeira de criança2. Você, o quanto você ama aquela mulher, hein?

— Bom, tanto que eu desafiei até Nagumo!

— Teve isso também, hum…

Sim, Kosuke estava desafiando o grande calabouço com ainda mais preparação para a morte do que na batalha decisiva, quando já estava concluída a cena do epílogo, se essa fosse uma história com a batalha final como encerramento. Isso aconteceu por causa da adorável onee-san com orelhas de coelho, Lanainfe-… Lana deu uma condição a Kosuke.

Desde aquele dia da batalha decisiva, durante o mês anterior à volta à Terra, Kosuke estava se aproximando de Lana com grande vigor.

No entanto, Lanain-… Lana era parte do clã Haulia, e todos os membros do clã idolatravam Hajime sem uma única exceção. Era na medida em que se Hajime desejasse, qualquer mulher dos Haulias oferecia instantaneamente seu corpo a ele.

É claro que Hajime tinha a personagem bugada mais forte, Shia Haulia, que era do mesmo clã, então não havia nenhuma heroína entre elas que tentasse obter a afeição de Hajime. Mas, mesmo assim, elas fizeram do Sinergista seu “Chefe”, o “rei demônio-sama que matou até um deus” como padrão para seus homens, então… para falar a verdade não dita, o ideal delas era absurdamente alto.

E assim, de forma natural, a abordagem de Kosuke também não influenciou Lana.

— Fuh, eu sou uma sombra que está servindo “aquela pessoa”. Uma sombra não precisa de amor…

Ela disse isso a ele…

— Você também tem um gosto estranho, não tem? Saiba que você não vai se safar apenas com uma queimadura se me tocar, para perseguir uma mulher perigosa como eu…

Ou isso…

— Pare já com isso. Uma determinação para continuar caminhando comigo, no fundo da escuridão que é ainda mais profundo que o abismo, não há nada disso dentro de você, estou certa?

Ou foi algo assim. Essas frases foram ditas a Kosuke com um sorriso destemido, ou possivelmente fascinante, no rosto dela.

Não importava quantas vezes ele se confessasse, Kosuke era abatido com um discurso que era inegavelmente excessivo. Kosuke foi visto por Hajime com um olhar como se estivesse testemunhando um herói, enquanto Shia estava olhando com olhos muito reprovadores (para Lana).

Mesmo assim, Kosuke não desanimou; ele continuou se aproximando dela sem parar, vendo isso, como esperado, até Lana pareceu se emocionar um pouco com sua persistência. No final, ficou assim:

— … uu, você me quer tanto assim? Quer dizer, coff. Se você deseja esse corpo amaldiçoado tanto… mas, eu pertenço ao chefe… quer dizer, coff. É lamentável, contudo, meu corpo já pertence “aquela pessoa”. Por isso, entende? Desista… quer dizer, coff. Sombras vivem nas sombras, e luz na luz, essa é a lei. Mas-mas, bem, se você conquistar um grande calabouço ou algo como o que o chefe fez… ou talvez, se você puder arranhar o chefe… não é como se eu não pensasse nisso, talvez? Quer dizer, coff. Fuh, se você ainda deseja esse corpo, tente desafiar o rei do abismo e se esforce para vencer.

A linda onee-san com orelhas de coelho disse isso enquanto se remexia e parecia inquieta. Não é preciso dizer que ver isso fez com que o interior do peito de Kosuke contivesse um calor explosivo equivalente à erupção do Grande Vulcão Gruen do passado.

Sim, a condição que Lana deu a ele era conquistar um grande calabouço, assim como acertar um ataque no rei demônio Hajime…

Assim como Hajime disse, era uma condição selvagem que poderia ter feito até a princesa Kaguya falar: — Espere, o que você…!

Contudo, Kosuke, que estava ardendo com o amor febril que poderia queimá-lo até virar cinzas, nem sequer ouviu as vozes ao redor que tentavam detê-lo. Sua figura desapareceu sem que ninguém percebesse. Ele escolheu o Grande Calabouço Reisen porque tinha a maior possibilidade de conquistá-lo, e também porque a magia da era dos deuses que ele poderia obter de lá era a mais conveniente para o rapaz, e então ele pulou de cabeça nisso.

Depois disso, uma semana se passou. Como esperado, Jugo Nagayama e Kentaro Nomura estavam ansiosos porque Kosuke não havia voltado. Eles discutiram isso com Hajime e os outros quando a pessoa em questão, Lana, também estava agindo como se dissesse: — Talvez eu tenha falado um pouco demais… — com o olhar perdido, então Shia, que já estava familiarizada com a conquista dessa dungeon, estava prestes a sair em procura do garoto (de modo algum eles perceberam que Kosuke não estava lá só depois que uma semana se passou), nesse momento…

Kosuke voltou.

Ele estava todo esfarrapado, mas obteve a magia da era dos deuses, a magia da gravidade. E então, enquanto deixava todos perplexos com seu comportamento incompreensível de obter um novo poder após a batalha final, por algum motivo, Kosuke fez uma declaração. Ele apontou o dedo com um estalo e depois, com ousadia e um sorriso destemido no rosto…

— Rei demônio Hajime Nagumo. Lute comigo!

Ele disse.

De forma natural, Jugo gritou: — Kosukeee, recupere sua sanidadeeee! Pare de tentar algo tão suicidaaaa!—, Kentaro implorou: — Shirasaki-san, Ayakoo, alguém! Rápido, uma magia de cura! Eu imploro que vocês tratem a cabeça dele com cuidado!—, Aiko-sensei se agarrou a Hajime enquanto implorava:— Hajime-kun, não seja apressado! Endo-kun está, é que, ele está apenas um pouco cansado! A cabeça dele está… — e então Kouki, Ryutaro e Suzu ficaram no caminho de Endo e Hajime. Eles estavam tentando ganhar tempo para Kosuke escapar enquanto se encharcavam de suor frio com a preparação da morte.

Tudo isso fez Hajime dizer: — Vocês, o que vocês acham que eu sou… — com as bochechas contraídas, mas ele estava colhendo o que plantou, então não havia ninguém para o consolar.

Naquele lugar que estava cheio de caos, Kosuke ignorou por completo seus amigos que tentavam o deter, seu olhar se voltou para Lana, e então ele proclamou com uma voz alta, desejando que atingisse o coração da garota:

— Lana-san! Eu te amo! A condição que você me deu, “Se você puder ferir o chefe, então não é como se eu não pensasse nisso”, essas palavras, eu acredito nelas! Diante dos olhos de Lana-san, eu vou ferir Nagumo, de forma clara e distinta!!!

Ao ouvir essa proclamação, os colegas de classe, que não sabiam que a condição de Lana era apenas ela escondendo seu constrangimento, enfim adivinharam o motivo de Kosuke conquistar um grande calabouço e sua declaração de guerra a Hajime, que só poderia ser pensado em algo como um desejo suicida, e eles pensaram:

“Então são os Haulias de novo!!!!!”

Todos dirigiram olhares críticos de “Que diabos você disse a ele!?” para Lana. Lana, que recebeu esses olhares, estava encharcada de suor frio enquanto seus olhos vagavam sem rumo. Suas bochechas coraram um pouco com a declaração de Kosuke, enquanto as mulheres do clã Haulia nos arredores mostravam enormes sorrisos e faziam provocações.

Muito bem, Hajime, que recebeu o desafio por causa de tudo isso, sentiu alguma simpatia pelo cenário de um garoto desafiando um inimigo poderoso pelo bem da mulher que ele amava e aceitou esse desafio.

Claro, ele não tinha planos de pegar leve. Até ele tinha mulheres que amava, fazer algo como uma luta feia na frente dessas mulheres era algo que ele não aceitaria, não importando que tipo de circunstâncias fossem, e acima de tudo, o próprio Kosuke não desejaria “uma vitória por misericórdia”.

E assim, Hajime e Kosuke fizeram um duelo, e o resultado foi…

O fato de que Lana aceitou os sentimentos de Kosuke era a prova mais clara que havia. O personagem assassino mais forte mais o estado Lorde Portal do Abismo com poder total, a combinação desses fatos não era algo a se ignorar.

Foi uma grande batalha em vários sentidos, mas… vamos falar sobre isso em outra oportunidade.

Kosuke, que realizou a grande façanha de conquistar sozinho o Grande Calabouço Reisen, além de acertar um golpe no rei demônio matador de deuses, esplendidamente roubou o coração de Lana com esse desafio que colocou sua vida em risco.

Mas, de forma natural, embora Lana tivesse se rendido a Kosuke, o fato de ela ser uma Haulia não mudou, o tempo que ele passou junto com ela e também o tempo em que ele foi recebido por Kam e os outros como família, todos esses momentos eram basicamente passados como um chuuni. De modo natural, por causa disso, o tempo de seu Lorde Portal do Abismo também estava aumentando…

— Nagumoo, talvez, eu não tenha mais como voltar… talvez eu deva ir até o final assim mesmo.

— Você está mesmo sendo encurralado, hein. Mas, mesmo que você pare de ser o Lord-… um chuuni, eu não acho que a jovem Lana deixará de gostar de você. O fato é que você cumpriu a condição selvagem daquela garota sem vacilar. Isso é algo que ninguém mais será capaz de fazer. Não importa se você é um chuuni ou não, não há como ela abandonar você que foi tão longe por causa de seus sentimentos depois de tanto tempo.

— Talvez, seja isso mesmo. Mas tente pensar no contrário. Daqui em diante também passarei um tempo junto com o clã Haulia como parente. Se apenas eu agir de forma normal entre eles… a sensação de estar isolado não será horrível? Sabe, será como um cara que não consegue entender as piadas e dará uma resposta realista como: “Esse tipo de coisa é impossível no mundo real” quando você está jogando um jogo de fantasia.

— Que-que cara difícil… bem, esse é um exemplo fácil de entender. De fato, fazer isso irá estragar o clima.

— Não é? “Esse cara, ele não consegue ler o clima, hein”, ou: “Que cara chato”, ou: “Ele não é engraçado, hum”… se Lana pensar de mim assim, eu não tenho a confiança de que posso continuar vivendo.

— Não faça esse tipo de afirmação. Em vez disso, você não tem mais salvação, no final, Endo, você já encontrou a resposta dentro de si mesmo, não encontrou? É por isso que eu também apenas tentei colocar isso de forma casual…

— Me escute com atenção! Eu também sei que estou apenas reclamando! Mas ainda quero que alguém me escute! Recentemente, quando falei sobre isso com Jugo ou Kentaro, os dois apenas agiram como se pensassem: “Dizendo isso de novo, hein?” e não prestaram atenção em mim! Você é meu espírito consonante que conhece a mesma dor, não é!?

— Aa, entendi, já entendi. Por isso, não grite assim no telefone.

No final, parecia que Kosuke tinha a determinação de suportar sozinho (?) sua vergonha ou seu dano mental, o ponto era que ele só queria que Hajime o ouvisse resmungando. Como Hajime entendia isso, algo que a princípio ele tentou ignorar, parecia que Kosuke queria que ele o fizesse companhia, uma forma de deixar escapar o estresse.

Hajime, que estava fielmente acompanhando seu colega, também estava diferente do tempo em que ele estava em Tortus; talvez devêssemos dizer que ele havia amadurecido. Embora talvez houvesse também um sentimento de simpatia nele como um camarada que conhecia a mesma dor no coração, como Kosuke estava lhe dizendo.

Depois disso, por um tempo, Kosuke resmungou bastante, às vezes, ele também pedia um conselho amoroso (?), como uma maneira de progredir em seu relacionamento com Lana, antes que a mente de Kosuke fosse recuperada, foi nessa hora que Hajime enfim falou sobre o tópico principal, o motivo pelo qual ele ligou: a história detalhada do grupo oculto Hidra.

— Então? Eu não acho que você cometeu nenhum erro, mas o tratamento deu certo com esses caras?

— Sim, não houve problemas nisso. Hidra se tornou um grupo de caridade na cabeça deles. Eu acho que eles vão direcionar os fundos de sua sociedade para crianças infelizes daqui para frente. Eu não fiz nada com o pessoal que não estava naquele lugar.

— Eu não ligo para isso. Afinal, eles são uma grande organização. Parece que eles têm membros em todos os lugares, eu vou lidar com eles. Bem, talvez eu peça para você fazer algo assim de novo se você estiver perto do local do alvo enquanto estiver em seu negócio particular, como aconteceu dessa vez.

— Não, eu não estava muito perto deste lugar. Eu estava na América do Norte, sabia? Você, seu senso de distância não está ficando estranho porque você pode usar o portal?

Kosuke encarou o aparelho com olhos reprovadores enquanto entendia que Hajime não podia vê-lo, o que não era surpreendente. Em primeiro lugar, Kosuke deixando o Japão não foi uma resposta proposital ao pedido de Hajime. Se fosse esse o caso, não importava o quão ocupado o Sinergista estava, seria mais rápido se ele abrisse um portal e marchasse para a base inimiga.

Dessa vez, Hajime pediu a Kosuke que lidasse com a organização antagônica, porque o momento bateu com a viagem do Assassino para o exterior em um negócio privado, usando suas férias de inverno. E então, o negócio particular de Kosuke era observar o tratamento médico no campo de batalha e uma prática ousada. Portanto, o destino do rapaz era um país com sistemas médicos inadequados, onde ele aprendeu diretamente no local, e quando pensou: “Bem, talvez esteja na hora de voltar?”, um comando imperial veio do rei demônio-sama para ele.

A propósito, no momento, Kosuke era um estudante que se preparava para os exames para ingressar na universidade de medicina que desejava, mas talvez fosse um presente por ele ter dado o seu melhor em outro mundo, sua habilidade “Compreensão da Linguagem” também poderia ser usada para todos os idiomas na Terra, ele já era como um falante nativo desde o início na disciplina de língua estrangeira, e os outros alunos que se preparavam para o exame estavam com olhos lacrimejantes nessa disciplina, então Kosuke tinha relativamente mais liberdade nessa questão.

Além disso, Kosuke queria entrar em uma universidade de medicina não porque queria uma licença médica ou porque queria se tornar um médico de elite, mas porque queria o conhecimento e a técnica que poderiam ser usados em Tortus algum dia, então não havia necessidade para ele entrar em uma universidade com esse padrão elevado. Às vezes, ele andava por aí relaxando enquanto observava a prática real de tratamento médico.

A base do grupo oculto Hidra, que era a residência Allgrey, estava localizada na Grã-Bretanha, então, usando o bom senso, não se podia dizer que era um lugar próximo ao local que Kosuke estava visitando. Não era como se ele tivesse um portal à disposição, então ele usou um avião comercial (ele tinha muitas milhas transferidas para sua conta, cortesia de Hajime) para viajar até o local, o que tornou o deslocamento ainda maior.

— Eu já disse antes que, se for você, pelo menos vou fazer uma chave de cristal degradada, o que acha?

— … eu vou me abster disso. Os artefatos de Nagumo são convenientes demais. Se eu começar a confiar nisso como se fosse natural, parece que vou pensar na vida normal como inconveniente, isso seria assustador. Se estiver viajando, vou me limitar a meus próprios pés e ao transporte público.

— Você, mesmo tendo uma sombra fina, às vezes diz algo com profundidade, hein.

— Você não precisa adicionar a parte da sombra fina. Apenas as milhas transferidas são o suficiente. Isso é o ideal para uma pessoa tímida como eu.

Kosuke podia sentir Hajime sorrindo sem graça do outro lado do telefone por suas palavras. Kosuke não recebeu uma avaliação muito alta do ambiente por causa da finura de sua sombra e, fundamentalmente, o rapaz tinha baixa autoestima. Mesmo que ele sempre produzisse um resultado ultrajante “quando notado”, ele não era avaliado pelos outros, e era por isso que não sabia que o que havia feito era incrível.

— Bem, de qualquer maneira, você me poupou desse problema. Eu planejava esmagá-los mais cedo ou mais tarde, mas, nos últimos tempos, estou muito ocupado. Se esses caras começassem a se mexer, seria bem problemático, mas agora, suas cabeças foram esmagadas antes que isso acontecesse, então acho que não teremos problemas por um tempo. Agora posso me dedicar ao que quero fazer com esse tempo livre.

— Isso é ótimo. Se bem me lembro, você está fazendo várias coisas, como facilitar a abertura do portal para Tortus, não é? Se isso funcionar, poderei me encontrar com Lana de forma mais casual.

Deixando de lado a baixa autoestima de Kosuke, a conversa terminou quando Hajime ouviu o que ele queria perguntar. Kosuke lembrou a Hajime que ele cooperaria com esse tipo de trabalho estranho, então ele deveria se apressar em estabelecer uma maneira de facilitar a entrada e a saída de Tortus, então, assim que ele estava prestes a desligar o telefone…

— Tá, até mais. Nagu-…

Foi nesse momento.

De repente, skidskidskidskid!!, o som de algo derrapando ressoou.

— O qu-que é isso!?

— Ei, Endo, o que…

O chocado Endo voltou o olhar para a rua, de onde vinham os sons e gritos de pessoas. Logo depois que um som estrondoso que abafou as palavras de Hajime surgiu, um carro estava passando pela esquina da rua disparando para cá.

O rugido estrondoso foi o som daquele carro disparando e entrando em contato com o carro estacionado na rua. O carro estacionado que foi atingido teve seu espelho e a lanterna traseira destruídos. No entanto, embora tivesse sem dúvidas causado esse incidente, o carro que entrou com uma derrapagem não mostrou nenhum sinal de parar, longe disso, ele acelerou ainda mais.

Em direção ao café onde Kosuke estava.

— O qu-quêêêêêêêê!?

O casal, o empresário e a linda garçonete que também estavam no terraço gritaram enquanto tentavam escapar de dentro do café. No momento seguinte, o carro preto que parecia resistente puxou o freio de mão pouco antes de entrar no terraço e a parte traseira cortá-lo.

Os destroços do terraço dançavam no ar e depois utensílios de mesa e culinária voaram…

— Uó. Isso é um desperdício!

Kosuke estava fugindo dos destroços do terraço pulando no ar e então ele pegou o sanduíche que ainda não havia tocado! Em sua mão havia um prato que ele segurou sem que percebesse enquanto o sanduíche era colocado sobre ele, evitando que o prato fosse destruído e continuasse intocado devido à habilidade requintada de Kosuke. Enquanto estava nisso, ele guardara o smartphone no bolso e, em troca, usara a mão para pegar o copo que ele havia fixado para prender a bebida atirada para longe com habilidade.

E então, ele pegou no ar o último pedaço do sanduíche com a boca e pousou levemente em cima da placa do café colocada na passarela.

— Mugumuguh, puhah. Minha nossa, um carro de repente perdeu o controle, mas que diabos…

Kosuke engoliu o sanduíche que ele pegou na boca e fez sua queixa com as duas mãos segurando o prato e o copo, e então seu olhar encontrou alguém de repente.

O carro preto estava parando após colidir com o terraço. Da janela do banco do passageiro daquele carro, havia uma garota de cabelos loiros com a boca aberta, parecendo dizer: — Eu vi algo inacreditável!—, seu olhar encarando fixamente Kosuke.

Ao lado da garota que tinha belos cabelos loiros amarrados em uma trança lateral e olhos amendoados com um espírito inflexível que lembrava um gato, também havia uma beldade com uma aparência fria e um penteado muito curto, que era a autora dessa condução imprudente . Aquela senhora de cabelos muito curtos também estava olhando fixamente para Kosuke.

— A, aaaaa, o-olá? Vocês duas, estão feridas?

Kosuke estava com uma expressão um pouco estranha pelos olhares das duas que eram muito diretos enquanto ele tentava dizer isso no momento. Talvez reagindo a isso, a garota de trança estava abrindo a boca para dizer algo, mas…

— Eh, espere, de novo!?

Um feroz som de algo derrapando de repente pôde ser ouvido, isso fez as bochechas de Kosuke se convulsionarem, e ele voltou o olhar para lá. Diante de seu olhar, havia a cena de carros pretos semelhantes, dois, três deles derrapando enquanto disparavam da esquina.

A mulher com cabelo curto também pareceu notar isso, ela se recuperou e parou de testemunhar o movimento absurdo de Kosuke. Ela imediatamente moveu o volante, pisou no acelerador e partiu depressa. A garota de trança beijou apaixonadamente o vidro lateral devido à força centrífuga.

O carro preto das duas mulheres parecia, não, elas estavam mesmo fugindo dos carros pretos que apareceram, o carro delas estava dirigindo perigosamente mais uma vez enquanto desaparecia para o outro lado da estrada. Depois disso, os três carros pretos passaram em perseguição.

Foi uma cena que apareceu do nada. Pela distância de um fio de cabelo, o casal e o homem de negócios, que escaparam do terraço para o interior do café, chegaram assustados do lado de fora, enquanto Kosuke estava bebendo sua bebida fazendo barulho.

— Eeeeei, Endo. O que aconteceu?”

Na verdade, a ligação esteve conectada o tempo todo, a voz de Hajime ressoou no smartphone.

Kosuke pulou da placa e largou o copo que acabara de drenar no chão. Seu olhar estava se movendo para o outro lado da estrada, onde os carros estavam desaparecendo enquanto ele pegava seu smartphone, e então o rapaz respondeu Hajime com seriedade.

— Nagumo, como esperado, países estrangeiros são assustadoreeees.

— … você, o que você está dizendo?

A resposta de Hajime flutuou contra o vento e desapareceu.


Nota do Autor (Ryo Shirakome)

Muito obrigado por ler essa história.

Muito obrigado pelos pensamentos, opiniões e relatos sobre erros de ortografia e palavras omitidas.

Muito bem, sobre o atributo personalizado (?) da heroína.

Loira com trança lateral + jaleco de laboratório + olhos de gato + ○○ + ○○

Algo certamente será inserido naqueles ○○. Por favor, use sua imaginação.

A propósito, a modelo para ela é Neru Akita3. O estilo Tda4 é divino.


Tradutor:


CAPÍTULO ANTERIOR

Notas

[1] Essa é uma frase usada para se referir a pessoas tão idiotas que deixariam de raciocinar se batessem a cabeça em algo tão macio quanto um tofu.

[2] A Princesa Kaguya inventou tarefas impossíveis para os príncipes que desejavam se casar com ela, concordando em se casar com a pessoa que conseguir trazer um item específico. Taketori no Okina (o Cortador de Bambu) disse aos cinco príncipes o que cada um devia trazer. Ao primeiro foi dito para trazer a bacia de pedra de Buda na Índia, ao segundo um ramo de joias da ilha de Horai, ao terceiro o manto lendário do rato de fogo da China, ao quarto uma joia colorida do pescoço de um dragão, e ao príncipe final o búzio, que nasceu de uma andorinha.

[3] Neru Akita é um derivativo oficialmente reconhecido. O termo “Derivativo” é usado para descrever um personagem Vocaloid criado por fãs que se baseia em um personagem já existente. Vocaloid é um software de sintetizador de voz para canto. Sua parte de processamento de sinal foi desenvolvida através de um projeto de pesquisa conjunto liderado por Kenmochi Hideki na Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona, Espanha, em 2000, e não se destinava originalmente a ser um projeto comercial completo. Apoiado pela Yamaha Corporation, ele desenvolveu o software no produto comercial “Vocaloid”, lançado em 2004. O software permite que os usuários sintetizem “canto” digitando letras e melodia . Utiliza tecnologia de síntese com vocais especialmente gravados de dubladores ou cantores. Para criar uma música, o usuário deve inserir a melodia e a letra.

[4] Tda é um ilustrador e colaborador da série Hatsune Miku Project Diva (jogos de ritmo que utilizam o popular Vocaloid Miku Hatsune da Crypton). Ele é conhecido pelo modelo Miku Append.



Fontes
Cores