Arifureta – Capítulo 155 – É mentira ou verdade (Fim)


― Saia do caminho. Vou transformar esse cara em picadinho.

Pela voz de Hajime, qualquer um podia entender que ele estava muito descontente. Mas, ao mesmo tempo, o gatilho da arma foi puxado de novo e um rugido ecoou. Quatro faixas de clarões vermelhos voaram, atravessando os quatro membros do caído Dienleed. O corpo do rei demônio se contorceu algumas vezes.

Hajime tirou uma Boleadeira da Caixa do Tesouro e atirou-a nele enquanto, ao mesmo tempo, pegava Orkan e puxava o gatilho na direção das apóstolas caídas.

“Pshu, pshu, pshu”, sons consecutivos de reverberação e várias faixas de algo voando deixaram rastros de fogo no ar.

Após um instante, grandes explosões e ondas de choque foram criadas. O enxame de mísseis que exibia tamanho poder explodiu as apóstolas. Em vários pontos as mulheres se abriram como bonecas quebradas. Hajime guardou Orkan dentro da Caixa do Tesouro e ainda apontou os canos de Donner e Schlag contra Freed e Eri, que entraram em um estado de falsa morte.

Então, as pessoas no ambiente enfim voltaram aos seus sentidos.

A primeira que soltou uma voz estranha foi Suzu. ― UWAaAAH!! ― Enquanto soltava um grito desesperado com o pânico, ela pulou no braço de Hajime e ficou pendurada nele. Se não fizesse isso, ela pensou que sua amiga seria transformada em pequenos pedaços. Seus olhos lacrimejantes que estavam olhando para Hajime imploravam com desespero: ― Lembre-se da sua promessaaaa!!

Em seguida, Shia gritou: ― Pare desuuuu! ― enquanto pulava no braço oposto que Suzu segurava.

― Ha-Ha-Ha-Ha-Ha-Ha-Hajime-san!? O que você está fazendo!? Esse é o tio de Yue-san, não é!?

― Is-isso mesmo! A lógica é inexistente aqui! Aa, a cabeça dele está cheia de balas. De-depressa, use a magia da regeneração…

― Ka-Kaoriii, rápidoooo! Super-rápidoooo! Não importa como eu olhe para esta cena, isso está no nível de morte instantânea, mas, se for você, talvez ele possa se recuperar!

― Na-Nagumo. Eu já pensava há algum tempo que algum dia você cometeria um crime como esse…

Começando com Shia, Kaori e Shizuku também começaram a se revoltar, Ryutaro estava suando frio enquanto dizia algo rude. No começo, Tio estava com uma expressão estupefata, depois colocou a mão no queixo, como se estivesse pensando em algo. Em geral, nesse tipo de momento, seria Kouki quem se intrometeria, mas o Herói já estava na frente de Eri. Parecia que ele entrou ali no momento em que Hajime apontou a arma.

E então, Yue, cujo tio foi morto a tiros por seu amado bem na frente de seus olhos…

― … Haji-me?

Seus olhos se arregalaram enquanto ela olhava para o Sinergista ao seu lado, atordoada.

Hajime olhou para um Yue e então ele se separou de Shia e Suzu, que estavam agarradas em seus braços, ele parou Kaori, que estava prestes a correr até a posição de Dienleed para revivê-lo e curá-lo.

E assim, com uma naturalidade realmente assustadora, ao ponto em que não havia tempo para alguém detê-lo, com rapidez, sem sequer olhar, ele atirou em Freed usando Donner e jogou uma boleadeira em Eri. Olhando para Freed, cuja cabeça tinha um buraco, e Eri, cujo corpo estava todo enrolado, Suzu soltou um grito: ― Hih! ― e Ryutaro soltou um: ― Uaa! ― com uma voz desconfortável.

Como esperado, sem sequer olhar para os dois, a expressão do Sinergista se distorceu com um olhar irritado. Mesmo assim, sem qualquer descuido, ele manteve a mira de suas armas em Dienleed e nas apóstolas que ainda estavam desmaiadas quando ele abriu a boca.

― Pensei em ficar quieto até Yue pôr um fim nisso sozinha, mas não importava o que fosse dito, você está abalada demais e parecia que aceitaria essa besteira. Então, eu resolvi o assunto à força eu mesmo.

― … besteira? O que você quer dizer?

Os olhos de Yue vagavam perplexos pelo fato chocante de que seu parente importante poderia ter sido morto a tiros por seu amado. Olhando para a vampira, o Sinergista lamentou um pouco o fato de ele não perder tempo para matar seu alvo, já que no final, ela ficou abalada e ele teve que se explicar.

― Não, não importa como você olhe para isso, essa não era apenas uma explicação cheia de furos? Até Yue, se você estivesse um pouco mais calma, com certeza perceberia, mas… bem, alguém com a mesma aparência que seu parente de repente faz uma aparição, então talvez não havia como evitar essa confusão, hum.

Dizendo isso, o que Hajime apontou foi que, embora houvesse a necessidade de esconder a existência de Yue, se Dienleed estava vivo o tempo todo, ele poderia ter se encontrado com sua sobrinha. Se ela era sua sobrinha amada, não havia como ele abandonar Yue sozinha por trezentos anos na escuridão.

Além disso, o método realizado para prender a vampira, não importava como você pensasse nele, era óbvio que isso foi feito levando em consideração as consequências da morte do responsável pelo aprisionamento. Assim, mesmo que o aprisionador não estivesse mais no local, a presença de Yue não poderia ser detectada. Aliás, com a morte do responsável, o segredo nunca seria revelado. Tal intenção estava óbvia no método usado para prender Yue. Se, na verdade, esse foi um método adotado por uma pessoa que ainda estava viva, não havia afeto que pudesse ser sentido a partir desse fato.

Além disso, se Dienleed deu uma desculpa de que estava reunindo forças de batalha, não fazia sentido que a história dos libertadores fosse um segredo guardado a sete chaves. Mesmo que o próprio Aruv não soubesse, Dienleed deveria ter um conhecimento muito profundo sobre a Caverna de Gelo e Neve e o Grande Calabouço Orcus. Se a história dos libertadores era mesmo conhecida, não era natural que não houvesse outros usuários das magias da era dos deuses além de Freed.

Em outras palavras, não importava como eles analisassem a situação, não havia realmente nenhum sinal do rei demônio reunindo forças para uma futura batalha.

Havia partes dos fragmentos da memória de Yue e da velha história de seu tio que eram consistentes entre si, assim, à primeira vista, parecia mesmo que essa pessoa era o próprio Dienleed. No entanto, Hajime e companhia haviam enfrentado existências que pareciam possuir suas memórias antes de chegarem onde estavam, portanto, apenas ter a memória não era uma prova de que ele era a pessoa real.

Contudo, mesmo que esse rei demônio não fosse o próprio Dienleed, parecia que ele já havia herdado sua memória. Porém, por trezentos anos, ele não foi ao abismo para apreender Yue, que era uma existência com uma força que atraía os olhos de deus, isso era algo questionável.

Por causa disso, Hajime não fez nenhuma intrusão esperando até que a vampira chegasse ao entendimento ela mesma. Em vez disso, ele considerou outros pontos, como se as palavras do rei demônio eram verdadeiras ou se essa pessoa era mesmo Dienleed, o verdadeiro tio de Yue. Ele estava concentrando todas as suas atenções em busca de provas definitivas.

A maneira como Hajime procurava provas era usar seu olho mágico para confirmar se a alma de Dienleed residia dentro dessa carne. Usando a magia de sublimação, ele foi capaz de infundir ainda mais habilidade no olho, e fazendo uso da magia da alma, Hajime inseriu no item a adição de uma habilidade que poderia enxergar a alma do oponente.

O resultado: o olho mágico do Sinergista não viu nada além de uma alma suja. Era como se a alma fosse uma aranha que espalhou sua teia enquanto invadia a carne. Em geral, uma alma deveria estar em um estado harmonioso, como se estivesse se misturando, brilhando no centro do corpo.

Por esse motivo, Hajime estava convencido de que, deixando de lado o corpo, não havia como o próprio Dienleed estar ali dentro. Esperando pelo momento em que o impostor saiu do alcance do poderoso artefato de barreira no altar, o garoto iniciou um ataque preventivo contra o desconhecido que fingia ser o importante tio de Yue.

Além disso, o interior dessa pessoa era falso, a história do impostor sobre selar as apóstolas não tinha credibilidade, então ele também preparou um ataque preventivo contra elas.

É claro que essa era uma história em que deus estava envolvido, então a chance de a alma de Dienleed estar selada em algum lugar não era zero. Mas, mesmo nesse caso, Hajime poderia apenas procurar a memória dessa pessoa que assumiu o nome do tio de Yue e verificar a existência dessa possibilidade. Até danos à carne poderiam ser tratados com facilidade usando magia de regeneração. Em outras palavras, ele poderia procurar a verdade sobre o que essa pessoa disse depois de espancá-la.

Ouvir o Sinergista explicando os assuntos mencionados em um breve resumo deixou todos os outros pasmos. A cabeça deles não funcionava tão longe do desenvolvimento que era como uma onda furiosa, mas agora que Hajime disse tudo isso, contradições e questões que não pareciam naturais, além do que o rapaz apontou, apareceram aos montes.

Era como se, ao usar fatos que eram muito impactantes, como o assunto sobre o parente de Yue, o rei dos demônios, os rebeldes contra deus, essa pessoa se concentrou apenas em conquistar temporariamente a vampira e nada mais importava…

Hajime estava falando sobre sua conclusão para todos os membros que estavam começando a mostrar rostos de compreensão enquanto observavam o ambiente em alerta.

― E assim, não há razão para acreditarmos nas palavras desse *******, nem mesmo em uma palavra. E, acima de tudo…

E então, Hajime interrompeu sua fala por um momento antes de continuar com as palavras (o verdadeiro motivo) que tinham o deixado irritado.

― Que diabos foi isso de “Minha fofa Aletia”, hein, *******!? Esta garota é “minha fofa Yue”! Além disso, “Aletia, Aletia”, como você ousa continuar chamando-a assim, seu filho da ****!? Dizendo: “Vamos seguir juntos”, tentando abraçá-la na confusão, quem é que te deu permissão? Hããã? Você acha que eu vou deixar você levá-la quando quiser!? Vou arrancar todos os seus membros e enterrá-lo em uma fossa, maldito!!

― Então era apenas ciúme, hum!?

― Então era apenas ciúme, hum!?

― Então era apenas ciúme, hum desu!?

Em suma, as coisas eram assim. Noventa por cento disso era ciúme. Enquanto exibia sua arma com veias pulsando na testa, a fala e a atitude de Hajime que encarava enquanto jorrava abusos contra o corpo eram exemplos perfeitos de um delinquente.

Se isso fosse uma reunião com o verdadeiro tio de Yue, até o Sinergista com certeza arrumaria suas roupas e postura antes de cumprimentá-lo de forma séria com: ― Prazer em conhecê-lo, eu sou o amado dela, Hajime. Eu vim hoje para buscar sua sobrinha. Qualquer objeção não será reconhecida.

Mas mesmo sendo obviamente um impostor, ele abalou Yue por completo. Além disso, ele a chamou com um nome antigo enquanto agia com muita familiaridade e, no final, tentou até abraçá-la. Na mente de Hajime, Yue sendo abraçada por outro homem, deixando de lado que o interior era o de um estranho (provavelmente), bem na frente dos olhos dele… isso era algo que seria pago com dez mil mortes.

Olhando para o Sinergista que demonstrava um amor tão perigoso em certo sentido, o coração da vampira ficava cada vez mais abalado desde que entraram na sala de audiências, se acalmou em um instante. Como se para mostrar que seus olhos errantes também se fixaram em um lugar, ela estava olhando com sinceridade, como se não pudesse ver nada além de Hajime agora. Suas bochechas foram aos poucos coloridas com uma cor sonhadora de rosa, seus olhos secos como o deserto começaram a umedecer um pouco.

― … Hajime está com ciúmes. Com ciúmes de mim… nn. Estou feliz.

Dentro de seu coração de mulher, Yue estava lisonjeada com a condição de Hajime, que estava expondo seu ciúme. Mesmo assim, ela também estava se repreendendo.

Embora houvesse tantas coisas chocantes acontecendo, ela ainda havia exposto uma cena tão desagradável. Para não falar de como ela estava aceitando alguém enquanto não estava claro se era mesmo seu tio ou não. Ela acreditou na história não natural que lhe foi contada sem duvidar. Não apenas isso, ela também aceitaria o convite para lutar contra um deus, apesar de ter sido uma decisão absurda onde esqueceu de sua promessa com o Sinergista.

De fato, sua memória de Dienleed era difícil de esquecer, essa lembrança de traição era traumática para ela. Mas agora, havia muitas lembranças felizes enchendo seu peito que superavam todas essas lembranças. Foi apenas um curto período de alguns meses, mas a densidade dessas lembranças ultrapassava com facilidade os meses e anos que ela passou em sua pátria. Era algo na medida em que, mesmo que essa pessoa fosse seu tio, era impossível que ela aceitasse sua mão.

Enquanto conversava com esse impostor que usava a pele de Dienleed, com o calor da mão de Hajime, que foi colocada em seu ombro para apoiá-la, ela deveria estar mais consciente disso.

Silenciosamente, Yue esfregou a testa no braço de Hajime enquanto falava com uma voz doce e suave.

— … Hajime, eu te mostrei meu lado feio. Eu sinto muito. Já estou bem agora.

— Não há necessidade de se desculpar. Afinal, eu sei muito bem quão profundas são as raízes dentro de você criadas pelo que aconteceu antes de Yue ser presa no abismo.

— … Hajime. Eu amo você. Eu te amo tanto.

Assim como a promessa de proteger um ao outro, nessa época em que o maior demônio de Yue estava em seu caminho, Hajime a apoiava como um porto seguro. Para esse Sinergista, a vampira derramou seu sentimento junto com um suspiro febril.

Mas, naquele momento, clap, clap, sons de aplausos ressoaram.

— Ó, puxa, é sério, eu pensei que, mesmo que existisse alguma falta de naturalidade, se fosse alguém com a mesma aparência de um parente da amada que você está paparicando, você fosse vacilar um pouco. Quem pensaria que você atacaria de repente por esse motivo… parece que eu interpretei mal o quão diminuto um humano pode ser.

Diferente de agora, não apenas não havia calor que pudesse ser sentido, mas desdém e desprezo enchiam a voz que dizia essas coisas. Ao dizer isso, Dienleed, apesar de sua cabeça e quatro membros terem sido perfurados por balas e envoltos na boleadeira que o prendia em várias camadas, estava de pé.

As roupas do rei demônio que envolviam aquele corpo não estavam desarrumadas, chegava ao ponto em que deixaria alguém em dúvida se ele havia mesmo levado um tiro. Se não houvesse destroços da boleadeira sob seus pés, todos se perguntariam se não estariam sonhando acordados.

— Embora eu quase tenha conseguido fazer com que a mente dela se inclinasse para o meu lado depois de tanto trabalho. Agora temos que seguir para o plano B… assim, não posso escapar da humilhação em relação àquela pessoa honrada.

— … você não é meu tio.

— Hmph, eu realmente sou seu tio. No entanto, talvez eu deva dizer que essa é a carne que pertencia a seu tio.

— … você está dizendo que usurpou esse corpo?

Yue criou uma chama azul na mão direita enquanto questionava o impostor. Com essa cena, a boca de Dienleed se abriu em um sorriso.

— Você tem mesmo uma péssima audição. Gostaria que você chamasse isso de reciclagem eficaz. Este deus vassalo de Ehito-sama, Aruv, usou este corpo mesmo após a morte do proprietário. Essa pessoa escolheu você, sabia? Quão honrado e profundamente comovido esse corpo está, você não concorda? Que pena, mesmo assim, este homem, antes de morrer, apagou a lembrança de quando a escondeu e também a memória da magia da era dos deuses, para que eu só pudesse usar sua carne, que homem inútil. Se soubesse que você ainda estava viva, teria arrancado essa informação desse homem, por todos os meios necessários.

— … você matou meu tio?

— Fufu, me pergunto se fiz isso.

— … responda.

A intenção assassina surgiu dentro de Yue. Seus olhos vermelhos brilhavam com ardor, a chama azul-celeste em sua mão aumentou em brilho. Aquela chama azul era a “Chama da Punição Divina”. Era algo brutal que poderia queimar até não sobrar nada apenas da alma selecionada. Essa ameaça deve ter sido percebida pela própria alma do alvo.

Mas, Dienleed ― não, o deus maligno vestindo sua pele, estava apenas mostrando um sorriso arrogante como se não estivesse se sentindo ameaçado.

― Hou, está mesmo tudo fazer isso? Talvez minhas palavras de agora foram apenas mentiras e, na verdade, Dienleed ainda está vivo, o que você me diz? E se ele estiver escondido no fundo deste corpo?

― …

A respiração de Yue parou de forma involuntária. Com certeza, mesmo enquanto encarava, ela estava prestes a lançar a chama, mas agora se questionava se estava apenas sendo enganada. Mas, as próximas palavras pararam sua mão por completo.

― Kukuh, você está com uma cara maravilhosa. Em consideração a essa expressão engraçada, deixe-me te contar uma coisa. São as palavras de Dienleed pouco antes de morrer. Suas últimas palavras que foram endereçadas a você.

― … as palavras do tio…

Hajime apontou o cano da arma para Aruv como uma ameaça, para que ele não se empolgasse dizendo palavras para atormentar Yue, mas, assim como a vampira deteve sua própria mão, o movimento do Sinergista também parou.

No entanto, mais tarde, Hajime lamentaria essa escolha. Ele estava pensando apenas em Yue, por isso sua reação ao inimigo foi lenta. Mesmo que isso não correspondesse ao desejo de sua amada, ele deveria ter decidido que não havia necessidade de ouvir o que o inimigo estava dizendo.

Aruv mostrou um sorriso repugnante enquanto exibia um ar de grandiosidade, então ele abriu a boca.

― Sabe, Dienleed sussurrou seu nome enquanto dizia isso:

“Tomara que você morra com muito sofrimento.”

— …

A flecha de palavras perfurou o peito de Yue. Mesmo sem nenhuma mágica ou qualquer coisa que perturbasse a mente, ela não pôde deixar de sentir uma forte dor.

Nesse momento, tudo aconteceu ao mesmo tempo.

— UoOOOOOOH!!

… atrás de Hajime e das outras que confrontavam Aruv, Kouki, que estava ao lado de Eri, rugiu enquanto atacava o Sinergista.

— …

Luz prateada se derramava do alto. A bela luz quadrada que penetrava pelo teto caiu diretamente na direção de Yue.

― Consciência Degenerada.

Da outra direção do corpo da Eri caída, a magia negra da Necromante foi disparada em direção a Yue, que era atacada por aquela luz. Olhando para aquela direção, de um espaço onde não havia nada, uma Eri ilesa, que parecia igual a garota caída, saiu como se estivesse surgindo do ar. E então, uma bola bruxuleante de escuridão apareceu avançando bem diante dos olhos da vampira.

― Tremor do Céu!

Assim como Eri, Freed apareceu de um espaço rasgado que estava em um local diferente de seu corpo pulverizado, ele já havia terminado seu encantamento e disparou uma magia espacial explosiva na direção de Myuu e Remia.

― Esta é minha vingança. Irregular.

Ao mesmo tempo, com o estalar dos dedos de Aruv, uma bala mágica gigantesca voou contra Hajime.

― Exterminar.

De um ponto vazio, onde não havia nada ondulando, várias dezenas de apóstolas apareceram e foram atacar Hajime e seu grupo ao mesmo tempo.

Foi um ataque surpresa simultâneo perfeito, onde todos deveriam estar esperando por esse momento. Os restos de Freed, que teve a cabeça perfurada, e Eri, cujo corpo estava preso, desintegraram-se com um farfalhar em átomos, como se quisessem dizer que o papel deles tinha acabado.

Parecia que naquele instante em que o campo de visão deles foi tomado pela luz, Eri e Freed foram substituídos por algum tipo de artefato. Era algo anormal para ser capaz de enganar até o olho mágico de Hajime.

Mesmo que o Sinergista tenha feito uma expressão amarga por ser enganado dessa forma, ele logo ativou a Velocidade da Luz e estendeu um instante em várias dezenas de segundos. Dentro do mundo cinzento, onde o fluxo do tempo diminuiu, o grande número de ataques se aproximava lentamente.

Ele podia ouvir a espada sagrada rugindo atrás dele. O pilar de luz caía em cima de Yue e em sua frente a esfera negra tremulante vinha com uma pulsação sinistra. Da frente, balas mágicas cinzentas se aproximavam enquanto traçavam uma espiral. Ondas de choque invisíveis corriam em direção de Myuu e Remia, e as apóstolas estavam atacando Aiko e os outros alunos com suas grandes espadas levantadas.

Se ele os ignorasse, o único futuro os aguardando seria a palavra tragédia.

No entanto, com Hajime sozinho, não haveria mãos suficientes. O Sinergista rangeu os dentes, mas, de repente, um olhar o esfaqueou pelo lado… quando ele olhou, movendo apenas os olhos, a figura de Yue o encarando estava ali. Só com isso Hajime percebeu o pensamento da vampira. Sendo mais específico, a vontade da garota lhe dizia: “Proteja Myuu e Remia”.

Aquele pilar de luz, o fenômeno mais anormal nessa situação atual, estava mirando Yue, além disso, até mesmo a atuação de Aruv, e, como ele mesmo disse, os ataques surpresa simultâneos que eram o plano B, fizeram Hajime sentir que tudo isso era algum tipo de plano com a vampira como alvo, fazendo com que ele sentisse uma leve resistência mental ao deixar o lado de sua amada.

Mesmo assim, o olhar que ela dirigiu a ele era a prova de sua confiança em seu amado. Então, não havia como ele trair isso. Portanto, ele se decidiu.

Neste momento, em menos de um segundo.

GOGAN!! Um som terrível de ondas de choque ressoou enquanto Hajime disparava a espingarda do cotovelo de seu braço artificial. Kouki, que se aproximava por trás, foi contra-atacado por incontáveis pedras e ondas de choque e saiu voando para trás.

Sem parar, Hajime aproveitou o impulso do recuo do tiro e pulverizou o chão com seu avanço, sua figura ficou borrada. Ele disparou com velocidade suficiente para deixar imagens persistentes enquanto evitava a bala mágica que se aproximava, sua figura então apareceu na frente de Myuu e Remia. Talvez do ponto de vista de Myuu e Remia, o Sinergista parecia ter se teletransportado em um instante.

A onda de choque da explosão espacial que se aproximara até menos de um metro foi bloqueada pelo grande escudo que Hajime retirou enquanto estava em movimento. O grande escudo aprimorado reagiu à onda de choque, liberando sua própria onda como uma armadura reativa explosiva. Com isso, embora rachaduras aparecessem na superfície do escudo, ele conseguiu se defender com perfeição contra a onda de choque do Tremor do Céu.

Como compensação por Hajime priorizar Myuu e Remia, a bala mágica que Aruv disparou atacou Shia e as outras que estavam nos arredores do Sinergista. Além disso, pouco antes da bala acertar, como se estivesse evitando Yue, ela se rompeu e se espalhou pelo ambiente, fazendo todas ficarem sem lugar para escapar.

― Desembainhar Celestial!

A velocidade de reação da veloz Shizuku mudou o alvo da bala mágica à força para si mesma antes que ela atingisse todos os outros companheiros. Como resultado, o corpo de Shizuku, que recebeu toda a bala mágica do rei demônio, embora não tenha sido um ataque direto, porque ela atraiu a bala usando sua katana negra, recebeu um impacto ultrajante e foi lançado para longe.

― Eu não permitirei!

Ignorando tudo isso, Shia usou o modo de bombardeio de Drücken para mirar no espaço entre as apóstolas e Aiko e seus estudantes, ela apertou o gatilho na mesma hora. A bala explosiva disparada atravessou o chão na frente de Aiko e os outros, espalhando ondas de choque junto com a ondulação azul clara.

― KYAAAAAH!

― UAAAAA!

O objetivo de Shia era ganhar tempo. Ela não achava que poderia deter várias apóstolas ao mesmo tempo, então ela explodiu o grupo de Aiko e as apóstolas para tentar distanciar os dois lados. Sua intenção teve sucesso, Aiko e os alunos mal conseguiram escapar das grandes espadas das apóstolas, mesmo quando foram atingidos pelo impacto.

Shia e Kaori, que voltaram a si, estavam prestes a ir em direção as apóstolas que se reuniram. Ao mesmo tempo, Tio esticou as duas mãos como se dissesse que não deixaria que elas fizessem o que queriam mais do que isso. Ela estava prestes a liberar seu ataque de sopro. Seu alvo era o rei dos demônios e o Freed que estava ileso e que apareceu do espaço distorcido, assim como as apóstolas.

Porém, a única que realmente conseguiu agir foi Shia.

— HAAAAAAH!

— Ko-Kouki-kun!?

Kouki, que supostamente foi atirado para longe por Hajime, voltou sem ser percebido e golpeou Kaori.

— Consciência Degenerada.

— Aa?

E Tio ficou atordoada por um breve momento ao mesmo tempo em que Eri terminou seu encantamento.

Em direção a Tio, que expôs uma abertura gritante mesmo que por apenas alguns momentos, um chute alto, que era impensável para uma amadora como Eri, fez com que a ryujin fosse lançada para longe como Shizuku. Quanto a Kaori, ela bloqueou o ataque da espada sagrada com sua espada grande enquanto a travava com uma expressão incrédula.

Tudo isso acontecendo até agora se passou em apenas um momento.

Assim, Hajime apontou os canos de Donner e Schlag para Aruv e Freed e estava prestes a puxar os gatilhos. Shia confrontava as apóstolas com suas costas cobrindo Aiko e os estudantes. Tio e Shizuku estava se levantando enquanto enfrentavam a dor. Kaori estava abrindo a boca para buscar uma explicação de Kouki. Ryutaro e Suzu enfim voltaram aos seus sentidos, e nesse momento…

— Uh, ah?

Um pequeno sussurro ecoou, a figura de Yue foi engolida pelo pilar de luz.


Tradutor:




Fontes
Cores