Arifureta – Capítulo 145 – A primeira grande batalha


Kaori havia deixado a passagem e atravessou as portas brilhantes que saíam do labirinto. Assim como para os outros, ela agora estava lutando com sua imagem falsa que surgira do enorme pilar de gelo cilíndrico no meio do vasto espaço.

Desde que os sussurros começaram dentro do grande calabouço, Kaori estava se sentindo como se estivesse sendo arrastada pouco a pouco em um pântano sem fundo.

Ela teve que lutar enquanto mostrava as partes sujas e feias que residiam no fundo de seu coração. Originalmente, já que ela estava com ciúmes de Yue e tinha um complexo de inferioridade até o ponto em que estava ciente de quão ruim isso era, a aluna tinha muitas emoções negativas. Portanto, as palavras ditas por sua imagem falsa a atingiram e externaram as partes fracas com mais eficiência do que uma faca afiada e mais precisão do que as balas de Hajime.

Fazia trinta minutos desde o início da batalha. O coração de Kaori já estava muito machucado, embora a garota não estivesse muito machucada no sentido físico. Se o coração dela pudesse aparecer como um objeto físico, ele estaria em um estado esfarrapado, vertendo grandes quantidades de sangue e chiando de dor.

Contudo, mesmo assim, a Curandeira nunca vacilou. Seu complexo de inferioridade, irritabilidade e ciúmes já foram testados nas Ruínas Submersas Merujiine e ela conseguiu recuperar-se. É claro que ela não foi capaz de chegar a um acordo com suas fraquezas, já que esse era um problema decorrente de seu coração, e Yue fazia parte desse problema.

Em vez disso, quando o amor de Shia foi aceito por Hajime, ela sentiu intensa inveja e raiva em seus pensamentos mais íntimos, e também sentiria isso sem querer toda vez que a garota-coelho se aproximasse do Sinergista enquanto mostrava um rosto adorável.

No entanto, também era verdade que ela se sentia abençoada. Ela não era apenas presa da irritação, ciúmes ou seu complexo de inferioridade. Ela não estava apenas se depreciando e se sobrecarregando em um esforço para compensar isso. Pelo contrário, ela também se alegrava com essa prova, que significava que era possível que outras mulheres além de Yue fossem reconhecidas por Hajime.

Ela cresceu. Em vez de invejar outra pessoa em silêncio, ela agora dava um passo à frente no sentido de buscar seu próprio desejo. É por isso que ela não podia se dar ao luxo de perder a imagem diante de seus olhos.

— YaAAAAAAAAA!

“A velocidade aumentou mais uma vez, hum?”

Cada vez que ela era ferida pelas palavras disparadas como flechas, seu próprio poder aumentaria pouco a pouco. Era a prova de que ela estava aprendendo lentamente a usar as habilidades de Nointo, como se estivesse desdobrando pergaminhos um por um.

Ao mesmo tempo, ela sentiu que sua imagem falsa, que assumira a forma de uma Nointo cinza, estava começando a enfraquecer.

Ao ser atacada, ferida e obrigada a sofrer por seu próprio ser imundo, ela foi capaz de absorver tudo, engolir a dor e transformá-la em poder que poderia usar. Ela estava mostrando um crescimento justo, confiável e esplêndido. Graças à magia de sublimação, sua maestria com as espadas longas gêmeas de prata tinha quase alcançado o nível da Nointo original que lutou contra Hajime1.

Porém, o órgão que tornava possível receber uma quantidade infinita de poder mágico estava faltando, mas usando a magia de sublimação, ela conseguiu aumentar de forma artificial as especificações de seu corpo ao ponto de romper todos os limites.

Agora, Kaori e sua imagem falsa desferiam suas espadas em alta velocidade enquanto criavam pós-imagens2. Parecia que este desafio fez a Curandeira crescer após submetê-la ao sofrimento e à dor.

— Não perderei! Eu me tornarei uma boa mulher que não perderá nem para Yue nem para Shia e eu farei com que Hajime-kun olhe para mim! Vou proteger as pessoas que quero proteger e voltar com todos para o Japão!

“… não parece que posso te quebrar com mais palavras… tudo bem. Venha até mim com todas as suas forças! Me retalhe, as suas fraquezas!”

A batalha estava chegando a sua parte mais interessante. Travando espada com espada e se empurrando, elas estavam se encarando com pupilas contrastantes enquanto as grandes espadas gêmeas as iluminavam com luzes prateadas. As pupilas de Kaori ardiam com determinação enquanto as pupilas de sua oponente estavam tão calmas quanto a superfície da água em um lago tranquilo.

A propósito, o fato de Tio não ter sido incluída em sua declaração anterior foi apenas por desatenção.

Então, de forma intuitiva, as duas entenderam que as coisas seriam resolvidas no próximo movimento após eles desfazerem o bloqueio de espadas. Ao mesmo tempo, ambas tentaram repelir as espadas gêmeas da oponente. Nesse momento…

ZuDooOOOOOOO!

O som terrível de uma explosão ecoou pela câmara.

— Fue!?

“Qu-quê!?”

Ainda engajadas no bloqueio de espadas, elas ficaram perplexas com a repentina perturbação. Seus olhos estavam arregalados de espanto com as formas que surgiram das chamas causadas pela explosão na parede. De pé diante delas estava Shia, cujas orelhas de coelho estavam esvoaçando, e Yue.

Além disso…

— Saa, Yue-san! Se você não quer acabar toda espancada, apresse-se e peça desculpas!

Kaori ficou de boca aberta com uma expressão tola enquanto olhava para a garota-coelho que fez uma declaração de guerra e empunhou Drücken contra Yue.

As coisas estavam indo muito devagar até o momento, e agora que era enfim a hora tão esperada para o clímax, as duas foram interrompidas pelos assuntos de outras pessoas.

A Curandeira e sua imagem falsa estavam trocando olhares enquanto estavam no impasse. Então, parecendo chegar a um acordo com os pensamentos uma da outra, elas trocaram acenos. Kaori reforçou sua determinação e levantou a voz para Yue e Shia que estavam se confrontando.

— Ah, hmm, Yue? Shia? O que foi que vocês…

— … Shia. Pense no pior cenário possível.

— Cale a boca! Minha amada Yue não diria uma coisa tão covarde! A “pessoa especial” por quem Hajime-san se apaixonou não desistiria! E o que importa esse pior cenário possível? O que você faria se eu não estivesse aqui para colocar algum juízo em você? Sua covarde! Sua velhota nanica! Você não tem seios pequenos nem grandes, você só tem um fragmento de peitos!

— … você está dizendo coisas que não deveria. Shia, você está sendo arrogante demais.

Kaori foi ignorada por completo. Nem Yue nem Shia desviaram o olhar uma da outra, nem mesmo um pouquinho. Os cantos dos olhos da Curandeira estavam brilhando. A falsa Kaori deu um tapinha em seus ombros em solidariedade.

Em certo momento, a garota-coelho tinha se irritado até o ponto em que ela não conseguia mais se conter e começou a usar linguagem ofensiva contra Yue. As palavras da vampira foram ditas de uma maneira que implicava que ela não poderia mais ter um futuro, o que causava uma dor no coração da garota-coelho.

Como esperado, sendo tão criticada por Shia, até Yue se questionou um pouco.

Entretanto, talvez ela estivesse enganada sobre as memórias que recordou até agora. Talvez o homem em quem ela mais confiava antes de ser selada estivesse realmente relutante em selá-la. A razão era um completo mistério. Ela não poderia ignorar a sensação de que ele queria deixar aquelas palavras para trás antes de se despedir.

Por que Shia não entendia? Ela era, afinal, em quem a vampira tinha grande confiança. Portanto, por que ela negou seus sentimentos depois de ouvi-los? Yue estava ficando frustrada.

Embora os sentimentos de Yue a tornassem bastante tolerante em relação a Shia, essa tolerância foi dissipada de uma só vez com as palavras que a garota-coelho usou.

Uma veia apareceu na testa da vampira.

Além disso, Shia mencionou os seios da amiga, colocando ênfase em seu próprio par de melões. Ela estava se sacudindo como uma gelatina com a intenção de provocar a outra.

As observações que foram feitas sobre ela eram um pouco difíceis de serem ignoradas. As nuvens escuras começando a se formar sobre a cabeça de Yue atestaram isso. Essa era a especialidade dela, o Dragão do Trovão. “GoRoGoRo!”, o familiar rugido do trovão ressoou.

— … agora é a sua chance de recuar, sua coelha deplorável.

— Essa frase é minha, sua velhota tampinha de mil anos.

Marcas distintas de raiva surgiram na superfície de suas respectivas testas.

Assim…

— Ah, hmm, vocês duas…? Vamos nos acalmar um pouco? Eu não sei o que está aconte-…

— … eu vou transformá-la em coelho assado e vou te ensinar a diferença em nossas forças.

— Hã, uma baixinha covarde com seios pequenos não é páreo para mim! Hoje com certeza será lembrado como o dia do azarão!

Das nuvens escuras acima de Yue, o dragão do trovão pulou em Shia com um rugido. A garota-coelho brandiu Drücken e saltou para a frente com um grito de guerra.

Soluça. Como imaginei, eu sou inútil…

“Hu-hum!? Por algum motivo minha força está aumentando!? Na-nada bom! Se recomponha!”

— … como pensei, não sou boa…

“Ah, não, isso não está certo. Você não é inútil! É só que essas duas perderam o controle e não podem ver o que está a seu redor.”

Por alguma razão, a falsa Kaori, que deveria ter sido feita a partir de suas emoções negativas, confortava a Curandeira, que fora totalmente ignorada e estava agora à beira das lágrimas, coçando seu rosto contorcido. Como esperado, parecia que até mesmo a falsificação não poderia conter sua simpatia quando ela viu sua forma real sendo ignorada por Yue e Shia.

Com um olhar para trás, elas podiam ver que a primeira grande briga entre a vampira e a garota-coelho estava piorando ainda mais.

— Reflita um pouco sobre o que você está dizendo! Sua vovó libidinosa!

Tsk… você é que é libidinosa com seus peitos inúteis. Sua coelha pervertida!

— Ô, poderia ser que você está com ciúmes, Peito-de-Tábua-san?

— … sua maldita coelha que não tem controle da bexiga. Você não está conseguindo se controlar mais uma vez.

— Ugh, mas quando foi que essa história que você está comentando aconteceu! Isso foi sujo! Sua mulher “para que curvas, esse corpo não é completamente plano? Na verdade, não é melhor assim, como uma tábua de cortar?”!

— … muito longo! Ou melhor, não saia por aí decidindo que meus peitos são… eu não tenho peito de tábua! Meus seios são decentes! Sua coelha de peito flácido!

— Me-meus peitos não são flácidos! Eles só são um pouco saltitantes! E Hajime-san gosta muito deles!

Deixe-me fazer uma correção. Ao invés de piorar, parecia que a discussão estava ficando cada vez mais infantil.

— … Hajime não tem interesse em carne inútil. Ele prefere bundas! Em especial o contorno do fundo até as coxas! E ele disse que a minha era a melhor!

— Então eu simplesmente serei a mestra dos oppai! Com os meus seios, Yue-san nunca poderá ter a esperança de me derrotar, eu já fiz “Pi”, “Pi” e “Pi”! E ele estava se divertindo muito com eles! Mesmo nas competições noturnas, o azarão está cada vez mais próximo!

E assim, as preferências sexuais de Hajime estavam sendo declaradas com indiferença.

Se o Sinergista estivesse aqui agora, ele seria o único a se machucar.

— … fui eu quem ensinou as habilidades noturnas de Hajime. Eu também sou aquela que ensinou habilidades de combate a Shia. Eu sei tudo! Eu vou te mostrar que nenhum discípulo pode esperar derrotar o mestre!

— Pode vir! A discípula superará a mestra! Seja de noite ou durante o dia! Hoje, aqui mesmo!

Shia colocou sua magia em Drücken e o usou para acertar o Dragão do Trovão. Por um momento, a forma do Dragão do Trovão foi completamente destruída, no entanto, na mesma hora, ele se reformou e abriu suas mandíbulas em uma tentativa de engolir a garota-coelho.

Mas Shia, com uma velocidade de tirar o fôlego, já havia passado pelo Dragão do Trovão e estava se aproximando de Yue.

A vampira a interceptou invocando uma barreira espacial usando magia espacial. Além disso, ela tentou usar a onda de choque resultante para afastar Yue.

Contudo, usando magia de sublimação para aumentar sua força física em duas vezes, Shia resistiu à onda de choque com resistência física inacreditável.

A magia de sublimação era capaz de aumentar o nível de tudo.

De modo natural, como dependia da quantidade de poder mágico usado, o aprimoramento durou apenas enquanto a magia de sublimação estava ativa, e sendo essa uma magia da era dos Deuses, seu consumo de poder mágico era assombroso.

Ainda assim, era óbvio que o efeito concedido por essa magia era tremendo, e agora a força física de Shia, que estava usando isso, havia ultrapassado a força física não reforçada de Hajime. Um ataque indiferente não deixaria sequer um único rastro naquele corpo.

— Que molenga! Vai ser preciso muito mais que isso para me parar!

— … sua personagem trapaceira! Apresse-se e caia logo!

Ouviu-se o som estrondoso de uma explosão, as paredes de gelo e a superfície do solo estavam quebrando, e pedaços de gelo voavam ao redor. Chamas estavam se espalhando no ar enquanto o trovão queimava tudo em seu caminho. Então, uma onda de choque percorreu todo o lugar e o som de outra explosão seguiu-se à medida que a magia estava sendo liberada de novo e de novo por toda a parte.

O alto nível de comprometimento de Yue e Shia podia ser visto através da batalha de alto nível que estava ficando cada vez mais violenta, em contraste com a discussão anterior, que se tornara infantil.

— Yue-san, não… hmmm, hum, idioooota, idioooota!

— … Shia, não… Shia, não… imbeciiiil!

Parecia que elas tinham usado todos os insultos que conheciam.

No canto da sala, Kaori e sua imagem falsa, que originalmente deveriam ter sido as protagonistas aqui, estavam sentadas no chão segurando seus joelhos. Com rostos inexpressivos, as duas observavam a enorme briga entre as infantis Yue e Shia, que pareciam não compreender que batalhas eram letais.

Em pensar que a Curandeira e sua oponente haviam atingido o clímax, e como Kaori estava prestes a superar o desafio, ela foi de repente interrompida por esta batalha… apenas para ouvir palavras como “idiota” ou “imbecil”. A cena diante dela era realmente idiota. Você não poderia censurá-la por seu olhar vago.

“… estou indo.”

— … não me diga, que você está pretendendo tentar impedi-las? Você não pode, você morrerá!

A falsa Kaori se levantou de modo súbito de sua posição sentada. E então, ela disse que estava seguindo para o campo de batalha. Seu rosto era tão transparente que era difícil pensar que ela havia sido formada por emoções negativas. Como se ela tivesse acabado de descobrir a hora de sua morte.

“Esta sala foi criada para nossa provação. Ela não deve ser devastada por intrusas. É por isso que estou indo. Tanto pelo meu bem como pelo seu, seu bem e o meu.”

— … você…

A recém-descoberta amizade absurda que havia se desenvolvido entre elas… talvez o desenvolvimento maluco tivesse soltado um parafuso em suas cabeças.

— … certifique-se de voltar. Sem falha, e com segurança. Vou estar esperando!

“Fufu, se você me disser isso, tenho que me certificar de voltar.”

Elas pegaram as mãos uma da outra. Parecia mesmo uma cena de um filme em que uma mulher estava vendo sua amada indo para o campo de batalha depois de fazer um juramento de se verem mais uma vez. O limite emocional delas podia ter sido atingido, em vários sentidos diferentes.

A falsa Kaori relutantemente separou as mãos da Curandeira, virou-se e olhou para os dois personagens trapaceiros com uma expressão determinada.

Assim…

“Kaori Shirasaki, uma imagem falsa do desafio, estou indo!”

— Por favor, por favor, cuide-se!

Ela entrou na tempestade de destruição provocada pela magia de alto nível que desafiava o senso comum e enganava os atributos físicos.

Logo a seguir…

— Você está no caminho!

— Você está no caminho!

“KyaAAAAAAAAAAA!?”

Com um ataque rápido, ela estava dançando no ar. A trajetória foi uma linda parábola.

— Eu… você, quero dizer, eu!

“Ku, es-estou bem! Ainda posso fazer isto! Eu definitivamente vou te mostrar que eu posso pará-las!”

Recebendo um raio e uma onda de choque, a falsa Kaori, agora manchada de sujeira, bateu suas asas prateadas para arrumar sua postura e mostrou seu espírito de luta como uma heroína. O que diabos a estava fazendo querer ir tão longe… muito provavelmente, a situação se desdobrando deve ter a deixado louca. Porque a original era Kaori.

A cópia olhou para Yue e Shia e gritou com toda sua força.

“Vocês duas, parem com essa besteira! Este é o nosso lugar! Não atrapalhem nosso desafio!”

Contudo…

ZuDoOON!

BaKi! GoGaaAN!

Essa voz valente foi engolida pelo barulho da batalha. Nem Yue nem Shia deram a ela um único olhar. As duas estavam apenas vendo uma a outra e não tinham dado a menor atenção a falsificação.

Uma veia apareceu na testa da falsa Kaori. Entrando no quarto de outras pessoas por conta própria e fazendo o que queriam como se fossem donas do local. Ver tal cena a deixou muitíssimo irritada.

“Por-por que vocês… vocês não me deixam outra escolha senão usar a força! Não vou aceitar reclamações posteriores!”

Agitando suas asas de prata de forma imponente e deixando três pós-imagens de si mesma, ela correu em direção a Yue e Shia em alta velocidade. Ela tinha o objetivo de atacar com suas espadas gêmeas. É claro que ela não pretendia usar a ponta afiada de suas armas, mas o lado plano para tentar derrubá-las.

Primeiro, ela atacaria a garota-coelho que havia sido jogada no chão pelo Céu Amaldiçoado da vampira. Ela se moveria com rapidez atrás dela e acertaria a parte de trás de sua cabeça.

“Você é minha! Relâmpago da Punição!”

— Aa? Irritante!

Porém, expressando sua irritação com uma voz parecida com a de Hajime, Shia se virou e parou o ataque furtivo da cópia, que achava ter tido sucesso, com facilidade. Desarmada, e pior, com apenas uma mão. O que era ainda mais estranho era que, embora o lado plano da espada estivesse voltado para a garota-coelho, ela, de alguma forma, pegou o lado afiado da espada com as pontas dos dedos. Em outras palavras, ela não tinha parado o golpe de alta velocidade da espada grande de frente, mas a prendeu pelos lados.

“Eeeh!? Nã-não pode ser!?”

Shia estalou a língua para a trêmula falsificação e de repente puxou a enorme espada. Assim que a falsa Kaori foi puxada para frente, a garota-coelho agarrou seu pescoço enquanto tomava uma postura de arremesso.

“HauUUUU!”

Ela foi jogada para longe.

Mesmo que fosse um belo arremesso descrevendo uma parábola, não era para tirá-la do perigo ou do campo de batalha, em vez disso, a cópia foi lançada com uma força formidável como uma bala. Contra Yue.

Ou seja, ela acabara de ser usada contra a vampira como uma bala humana.

Quando o grito da falsificação ecoou pelo lugar, Yue, que a encarou, proferiu as seguintes palavras.

— Dragão do Trovão, sirva-se!

Ela foi atacada pela frente pelo dragão de trovão. As mandíbulas do dragão se abriram à espera da garota que voava.

“Hiii!?”

Gritando, a falsa Kaori envolveu-se em suas asas prateadas. Assim, ela usou seu poder mágico de prata para invocar sua capacidade de decomposição em seu poder máximo.

BOHA! A forma do dragão de trovão se dispersou.

Shia, que estava se escondendo atrás, deu continuidade a perseguição. Parecia que ela esperava esse resultado antes de jogar a cópia. Um escudo improvisado, alguém poderia dizer. Foi uma ação extremamente selvagem.

A defesa de Yue, o dragão de trovão, havia sido penetrada com sucesso. No entanto, a vampira usou uma bola de gravidade do Céu Amaldiçoado para criar um campo de alta gravidade na frente.

Como resultado…

“HeuUUUUU!?”

A falsa Kaori, que ainda estava voando, de modo súbito, foi puxada à força para o chão e seguiu para baixo com a cara na frente.

Que cena miserável. Se Shizuku estivesse aqui, não há dúvidas que ela ficaria furiosa, mesmo sabendo que era uma imagem falsa.

Desabada, de bruços no chão, a falsa Kaori gemeu um fraco “Uu, uu”, enquanto lutava para se levantar de qualquer maneira. Então, no momento em que ela levantou o rosto com dificuldade…

“Mugyuu!?”

Seu rosto foi pisoteado por Shia, que continuava seu ataque. A falsificação foi obrigada a beijar o chão mais uma vez. Que visão mais lamentável.

O peso de Drücken da garota-coelho aumentou várias vezes e foi desferido contra o chão. Destroços saíram voando, acidentalmente atingindo a falsa Kaori. Você poderia adivinhar com facilidade o que estava brilhando junto com os fragmentos de gelo flutuando no ar e que tinham como origem a área próxima aos olhos da cópia…

Sem a menor atenção a ela, Yue e Shia entraram no clímax de sua batalha. Ambas estavam em um estado esfarrapado e mostravam aparências vulgares.

Yue foi curada com sua Regeneração Automática. Shia mudou para o modo supermulher e estava bem graças à sua habilidade física e magia de regeneração. Contudo, elas estavam respirando com dificuldade devido ao consumo de magia. O fato de que elas não estavam usando suas pedras mágicas para reabastecer seu poder mágico foi apenas devido à teimosia.

— Yue-san, não…

— Shia, não…

Yue convocou um Dragão do Trovão extra grande. Ele tomou a forma de um enorme braço no céu e disparou para a frente. Shia criou um enorme kendama3, carregou-o com poder mágico e o lançou usando Drücken. Ambos liberaram uma pressão incomum.

E, naquele lugar, a falsa Kaori estava batendo as asas e voando de forma trôpega… seus olhos perderam o foco.

Talvez ela ainda não tivesse se recuperado do choque anterior.

— Saia daí! Você, eu, saia logo daí!

“Fue?”

Kaori usou as duas mãos como um megafone para amplificar sua voz e emitir um aviso. Mas, como esperado, a falsa Kaori, que mal estava consciente, apenas deu uma resposta incoerente.

Após a qual…

— … sua cabeça-dura!

— … sua cabeça-dura!

O relâmpago ensurdecedor e o kendama vermelho colidiram no centro, provocando uma intensa destruição.

“!?!?”

A pobre vítima em recuperação que estava em silêncio gritou. Empurrada para o ar com a fumaça branca, a vítima foi enviada voando na direção da Curandeira.

Quicando várias vezes no chão, ela continuou rolando até terminar sua trajetória até Kaori. Que destino cruel. Havia um certo charme em como ela estava cuspindo fumaça branca, no entanto…

— Ta-tamanha crueldade…

“Me desculpe, meu outro eu. Não pude vencer contra as personagens trapaceiras e bugadas.”

Abraçando seu outro eu destroçado que estava deitado no chão, lágrimas se formaram nos olhos da Curandeira. A falsa Kaori mostrou um sorriso fraco.

— Uun. Você se esforçou muito. Só isso é o suficiente.

“… meu outro eu…”

Havia uma sensação agradável entre as duas, mas elas eram a mesma pessoa, afinal, deixando de lado o fato de que o objetivo do grande calabouço era brincar com a essência dos sentimentos.

Uma ameaça apareceu de repente sobre as duas que estavam abraçadas, pronta para dar o golpe final. Bikiriii! Um som desagradável atingiu seus ouvidos quando um enorme pedaço de gelo começou a desmoronar. Sim, esse foi o resultado da batalha. O enorme pilar central que sustentava o teto havia sido esmagado e estava desmoronando, fazendo com que o teto ao redor também desabasse. A as duas Kaori estavam bem embaixo dele.

“Fuja! Vou ficar bem!”

— Uma coisa dessas! Não posso fazer isso! Neste ritmo…

Como esperado, o desenvolvimento se tornou algo dramático para as duas. A falsificação, que não tinha como lidar com o perigo iminente, estava empurrando Kaori em uma tentativa de fazê-la escapar do perigo.

A Curandeira, com um rosto extremamente triste, recusou-se a partir. Teria sido algo bom para Kaori levar sua cópia em seus braços para longe do perigo, mas ela estava muito negligente no momento para notar.

O impacto era iminente. O teto, assim como inúmeros pingentes de gelo, estavam próximos, e no momento seguinte, elas seriam…

“Rápido!”

— Uu, Un. Entendido. Me desculpe.

Enquanto a falsa Kaori estava incitando-a, uma grande espada foi empurrada no peito da cópia. Junto com a voz doce da Curandeira.

“… eh? Por quê?”

De forma natura, foi Kaori quem realizou o golpe, fazendo uma expressão que parecia descontente enquanto desviava os olhos. Ela respondeu à pergunta não intencional da falsificação com um rosto aflito.

— Por-porque se a sua morte for causada por outra coisa, talvez eu falhe no julgamento… assim, antes de você morrer, eu tenho que ser aquela a te matar.

Na verdade, esse foi um argumento justo. Pensando bem, o que estava acontecendo com aquela conversa barata e dramática de agora há pouco?

Relembrando os eventos, dizer coisas como “Volte em segurança!”, gritando “Fuja!”, desaprovando com “Eu não posso deixar você assim!”. Considerando que ela estava enfrentando a voz dentro de seu coração, talvez pudesse ser dito que ela tinha realmente pegado leve desde o começo. Antes do desaparecimento da falsa Kaori, a expressão da Curandeira era melhor não ser descrita.

“Fufu, você se tornou durona, eu. Estou feliz com o seu crescimento… porém, acho que esse jeito de terminar as coisas foi um pouco exagerado.”

Os pingentes de gelo e o teto, que estavam a segundos de distância, começaram a voltar depressa aos antigos locais e se reformaram devido à função de restauração do labirinto. Era óbvio que isso aconteceria, como já tinha acontecido antes.

Com lágrimas nos olhos, a falsa Kaori, cujos esforços foram infrutíferos até a última decisão da Curandeira, por fim desmoronou e desapareceu sem deixar vestígios.

— … esta vitória parece vazia.

Se alguém estivesse ali, ele provavelmente retrucaria: — Olha quem está falando! — Parecia que até mesmo Kaori tinha sido bastante influenciada pelo grupo de Hajime.

Do outro lado, Yue e Shia, que se encontraram ao mesmo tempo com seus ataques mais fortes, ofegavam.

— Haa, haa… coff.

— Hmph, hmph…

Elas estavam respirando com dificuldade enquanto estavam no chão de gelo com posturas semelhantes. Suas reservas mágicas estavam ficando esgotadas.

— Não diga coisas tão tristes.

— …

— Se algo está te incomodando, vamos esmagá-lo juntas.

— …

— Não importa o que enfrentaremos, não importa a situação, não vamos perder. Juntas, podemos fazer qualquer coisa. É nisso que eu acredito.

Shia estava reiterando seu último discurso com uma respiração irregular. Yue, também respirando com dificuldade, estava ouvindo em silêncio.

— Aqueles que me ensinaram foram Yue-san e Hajime-san, não foram? Neste momento, você não está sendo a mesma pessoa que me ensinou isso. Eu com certeza não reconhecerei uma Yue-san que tem medo de algum futuro e desiste sem dizer nada.

A reconhecida “pessoa especial” de Shia era alguém que não desistiria em nenhuma circunstância e confiava nela e em seu poder para espiar o futuro. É por isso que não havia como ela aprovar a atual Yue. Não só ela não podia aprovar a declaração da vampira, como também do modo como as coisas estavam.

Ela não sabia o que dentro de Yue fez com que ela pronunciasse as palavras “na pior das hipóteses”, mas se havia uma chance de tal coisa acontecer, elas não deveriam estar pensando em uma desculpa para isso, mas sim se preparando. Mesmo que seus companheiros, sua família, seus amigos e a pessoa a quem ela dedicava seu amor fossem se envolver no processo, eles ainda deveriam estar tentando aproveitar o futuro em que todos estariam juntos.

A ideia de pessoas próximas a Hajime pretendendo se sacrificarem era impensável. Mesmo que isso selasse seu destino, permanecendo, comendo e bebendo juntos até o fim, e então morrendo juntos, ainda sim, isso seria dez mil vezes melhor.

Claro, para ela, a probabilidade de perecer era tão baixa que nem sequer era considerada uma possibilidade. Se Hajime estivesse aqui e tivesse tempo para se preocupar com tal coisa, ele provavelmente estaria procurando uma maneira de matar o absurdo. Nem mesmo um milésimo de segundo antes de sua morte, ele liberaria sua intenção assassina fervilhante.

E Yue deveria ser a primeira a saber disso.

— Um pedido tão tolo, você acha que eu vou ouvi-lo?

— Shia…

A essa altura, a garota-coelho estava derramando lágrimas. Irritada por Yue que estava mencionando a possibilidade de não estar mais com eles, ela não pôde deixar de imaginar esse futuro, o que a entristeceu …

Ela achava que, se vencesse a vampira nessa luta que começara com a facilidade de uma criança perdendo a paciência, ela seria capaz de provar que se tornara forte o suficiente para proteger a amiga, e assim afastar a falta de determinação de Yue. Mas, como esperado, a vampira era forte e a vitória não era possível. Este fato foi decepcionante e irritante para Shia…

Os vários sentimentos confusos da garota-coelho se acumularam e ficaram saturados. Incapaz de continuar se contendo, suas emoções se transformaram em lágrimas que começaram a transbordar.

Deitada no chão, Yue, que só tinha conseguido voltar sua visão para Shia a fim de observá-la, invocou o poder mágico de sua pedra de cristal e usou magia de regeneração, antes de se levantar lentamente. Então ela começou a rastejar na direção da amiga de quatro.

— … Shia, me desculpe.

— Yue-san?

Olhando para cima, para o rosto de Shia, de onde saiam lágrimas e um nariz escorria, a vampira acariciou sua cabeça com gentileza. Com ambos seu olhar e suas mãos, e de uma maneira muito gentil. A garota-coelho conseguiu a encarar em resposta, apesar de seu campo de visão ser reduzido pelas lágrimas.

— … é como Shia disse. Não importa o passado, não importa quem eu seja, isso não importa. De agora em diante, quero permanecer o tempo todo do lado de Hajime e Shia. Então eu vou fazer qualquer um que tente entrar em nosso caminho sair voando, não importa quem seja. Isso é tudo o que há para se fazer sobre isso.

— Highu, is-isso mesmo.

— … nn. Mesmo que algo aconteça comigo, Hajime e Shia com certeza farão algo a respeito. Não há nada com o que se preocupar.

— Isso não é óbvio, uh?

— … nn. Desculpe. Eu fiz um pedido horrível. Você vai me perdoar?

— Eu te perdoo! Portanto, não se atreva a fazer um pedido tão triste de novo! Me prometa!

— … nn. Eu prometo.

Meigamente limpando o suor do rosto de Shia, Yue a ergueu em seus braços. A garota-coelho se agarrou com força na vampira. Yue também abraçou Shia de volta com força.

O tempo estava fluindo em silêncio. As coisas se tornaram pacíficas enquanto as duas se acariciavam com gentileza.

As duas garotas tiveram sua primeira grande batalha. Era uma cena como a de amigas tendo uma briga na beira de uma praia e observando o pôr-do-sol depois de se recomporem, à medida que seus laços mútuos se tornavam ainda mais fortes.

Uma voz trêmula chegou até as duas.

— … graças a Deus. Eu realmente não entendo o que está acontecendo, mas graças a Deus.

— ???

— ???

Intrigadas, Yue e Shia voltaram a atenção para a fonte da voz. Elas viram o sorriso de Kaori enquanto suas bochechas estavam se contraindo. Embora, devido a sua promessa, seus olhos não estivessem sorrindo.

— Ufufu, estou sem palavras. Não houve qualquer consideração por mim. Agindo como completas loucas e tornando meu desafio uma bagunça total, ao ponto que estava quase arruinado, e nem mesmo tendo o menor cuidado. Em vez disso, me dando este olhar de “Hum, você estava aqui?”.

Em resposta ao riso suspeito da Curandeira, Yue e Shia, que ainda se abraçavam, trocaram olhares. E, naquele momento, elas se lembraram. Quando as duas estavam no meio de sua luta, havia algo que elas continuavam explodindo, pisoteando e detonando…

Então, percebendo que esta era a grande sala para Kaori, suas expressões mudaram para uma cara de “Oops”.

— Aaaa, hmmmm, Kaori-san? Por ora, por que não nos acalmamos?

— Ahaha, você está dizendo algo engraçado, não é Shia? Não pareço perfeitamente calma?

— … Kaori, e… quanto ao desafio?

— Nnnnn? Eu meio que passei. Por conta própria.

Yue e Shia deram um suspiro de alívio.

Como seria de se esperar, envolvendo-a em sua luta e deixando-a incapaz de completar a provação, levando em conta todas as dificuldades enfrentadas até agora, teria sido algo além do perdoável.

Porém, elas congelaram quando ouviram as próximas palavras de Curandeira.

— Sim, eu a derrotei com minhas próprias mãos… depois que ela foi completamente espancada por vocês duas e estava em uma situação desesperadora.

— …

— …

— Isso conta como uma vitória, não conta? Eu não vou ouvir mais tarde que isso foi inválido porque ela já foi tinha sido derrotada por vocês duas, vou? O que vocês acham disso? Hã?

Yue e Shia estavam suando frio. Kaori chegou perto das duas que estavam sentadas e abraçadas. Ela se agachou com um sorriso amigável. Colocando o queixo no joelho, seu gesto tinha um certo charme, mas, como seus olhos estavam sem qualquer cor, ela parecia bastante assustadora.

Então, Yue de repente olhou para o outro lado e acrescentou óleo ao fogo.

— … bem, teria sido melhor usar magia de regeneração nela antes de acabar com ela.

— … Yue?

— … não é minha culpa. Pelo contrário, é de Kaori, que acabou com ela rápido demais.

— Hauauaua, hauauaua. Yu-Yue-san, isso é um pouco… hum, Kaori-san, eu realmente sint-…

— Fufuu, puxa Yue, você é engraçada. Depois de espancá-la e fazê-la voar, para dizer uma coisa dessas… ei, aumente seu nível de amizade comigo também.

Kaori, que continuava afundando cada vez mais desde o começo da conversa, manteve o rosto sorridente enquanto uma veia aparecia em sua testa e ela sacava suas grandes espadas gêmeas.

Vendo isto, Yue se levantou e mostrou um sorriso destemido enquanto respondia com todas as suas forças.

— … eu não ligo. Uma amizade onde eu estou acima de Kaori e ela está abaixo de mim, eu elevarei o nível para tal amizade.

— Ufufufufufuu, se prepare para voar!

— … eu recuso!

Assim, clarões percorreram a grande sala que mal havia terminado de se recuperar da última luta intensa, e rugidos estrondosos foram mais uma vez ouvidos.

— Fueeeen, Yue-san! Kaori-san! Se puder fazer um pedido, por favor, parem!

Desta vez, Shia estava tentando acalmar os dois lados. A nova passagem que fez sua aparição parecia de alguma forma a recompensa de esforços fúteis.


Tradutor:



Notas

[1] Eventos do capítulo 103.

[2] Persistência da visão, ou persistência retiniana, designa o fenômeno ou a ilusão provocada quando um objeto visto pelo olho humano persiste na retina por uma fracção de segundo após a sua percepção.

[3] O kendama é um brinquedo tradicional japonês. O ken tem três partes em forma de cálice e uma espiga que encaixa no buraco da bola que está presa ao brinquedo por um fio. O kendama é uma variação de um brinquedo hispânico clássico conhecido como bilboquê. O princípio desse brinquedo era simples: através do movimento das mãos, a bola deveria ser encaixada no suporte.



Fontes
Cores