Arifureta – Capítulo 144 – A memória completamente esquecida


— VOE PARA LONGEEEEEE!!

“GUUUUUH!!”

Em um enorme espaço onde um pilar de gelo estava localizado, o ressoante grito de batalha de Shia foi seguido por um estrondo trovejante produzido por Drücken. Misturado com esses sons, uma garota com orelhas de coelho, uma cauda e cabelo preto colidiu com o pilar central de gelo com um grande impacto.

O impacto pulverizou uma parte do pilar, espalhando fragmentos de gelo por toda a parte. Dentro dos brilhantes fragmentos de gelo refletindo a luz, a Shia negra, a falsa imagem da garota-coelho, segurava seu ombro esquerdo, agachando-se no chão enquanto levantava o rosto. Havia um sorriso amargo que parecia dizer: — Você me pegou. — flutuando em seu rosto.

“Ahaha, você não está nem um pouco comovida, hã? Na verdade, essa deve ser uma escuridão que você está abrigando, porém…”

— Isso é tudo. Como minha família foi expulsa, como muitos deles perderam suas vidas, não importa o quanto eu tenha encoberto isso, não importa o quão atormentada com a culpa eu esteja, não importa o quanto tente obter perdão, isso não muda o fato de que sou a causa de tudo isto, essas são coisas que tenho que encarar por toda a minha vida. Essa preocupação, essa decisão, eu tomei há muito tempo.

“… o que é chamado de escuridão do coração, é algo que afundará as pessoas no fundo de um pântano, mesmo com tudo o que você já sabe.”

A parte da escuridão aninhada dentro de seu coração não era algo que você poderia expulsar com tanta facilidade. Portanto, a imagem falsa de Shia só poderia rir vendo como a garota estava inabalável, não importava quantas palavras negativas ela sussurrasse desde o início da batalha.

— Você sou eu, mas como esperado, você não é tudo de mim. Eu entendo que a vontade do grande calabouço está incluída em você. Se esse for o caso, então, desde o início, você já deve ter entendido que meu eu atual não será abalado por palavras desse tipo.

Shia deu um tapinha em Drücken em seu ombro enquanto lançava um poderoso olhar para a imagem falsa que tentava ficar de pé com pernas trêmulas. Nesses olhos, assim como a própria pessoa disse, não havia indícios de hesitação. Para a atual garota-coelho, um ataque mental mediano nem lhe faria cócegas.

Com certeza, foi por causa dela que sua família foi expulsa do Mar de Árvores, e devido a isso, ela perdeu alguns familiares. Para Shia, esse era um pesadelo que não poderia ser esquecido, uma ferida eterna no coração. Mas ela não se deixaria mais ser afetada por causa desse tormento.

O motivo era simples. Como o clã Haulia já era forte, eles escolheram um caminho para trilharem sozinhos. E porque ao lado dela havia seu amado e sua amiga.

Sua família, incluindo seu pai Kam, que era forte e gentil não importava a situação, haviam a mandado embora. Hajime, que foi confiado a Shia pelos Haulia, aceitou a garota no fundo de seu coração. Yue, que às vezes era como sua irmã mais velha, às vezes como sua melhor amiga, sempre permitia que ela se aninhasse perto dela.

Para ela, que era abençoada por “cair” em sua própria conveniência, isso era algo imperdoável, especialmente para a própria Shia. Ela sempre foi ajudada. Todo esse tempo ela foi protegida. Era impossível para ela dobrar o joelho só por ouvir seus próprios sentimentos. Para a atual Shia, ela sentia que não perderia, não importava que tipo de inimigo enfrentasse.

“De fato, não importa o que eu diga, sou apenas eu quem fica mais fraca. Entendo, este desafio para ‘superar a si mesmo’, você já o completou há muito tempo.”

— É isso mesmo. Minhas pessoas importantes estão esperando, assim sendo… vou seguir meu caminho à força!

“Fufuh, tudo bem. O último ataque, faça isso para satisfazer seu coração!”

A Shia branca e a negra pisaram com uma força que esmagou o chão, ao mesmo tempo em que elas disparavam enquanto o parceiro delas, o martelo de guerra, explodia. Ecoando o som explosivo e o do impacto que era como o ar gritando. Ataques que foram desferidos por um grande balanço enquanto giravam uma vez e que ultrapassaram a barreira do som e romperam a membrana branca.

Dois martelos de guerra colidiram de frente, produzindo um estrondo e um impacto que pulverizaram os arredores. Uma cratera com Shia e a imagem falsa no centro foi criada como se uma explosão tivesse acontecido.

E então, aquela a ser atirada para longe, foi… a Shia negra.

O Drücken negro que deixou a mão dela estava girando no ar. A cópia preta foi atirada para longe fazendo uma parábola antes de ela piscar e desaparecer sem esperar atingir o chão. Ela estava derretendo no ar a partir de suas pernas. Por fim, quando a cabeça dela estava desaparecendo, seus lábios relaxaram um pouco.

No marco zero, Shia, que ainda estava em sua postura de ataque com Drücken, soltou um — Fuuuuu. —, ela lentamente expirou e relaxou seu corpo. Por perto, karan, koron, o som do cartucho caindo no chão ressoou.

— Todos que seguiram em frente, eles vão se orgulhar do meu eu atual, é o que me pergunto…

Enquanto mostrava um sorriso sem graça por suas próprias palavras que escaparam de forma natural enquanto olhava para o teto, Shia apoiou Drücken em seu ombro. À frente do olhar da garota, uma nova passagem apareceu.

— Com toda certeza, para Hajime-san e os outras, este desafio não será um problema, porém… é preocupante para Shizuku-san e seus amigos.

Enquanto entrava na nova passagem com pressa, a garota-coelho pensou na Espadachim e em e seus colegas, cujos espíritos foram espancados pelo labirinto, o que colocou uma expressão preocupada em seu rosto.

Na verdade, ela nunca imaginaria que Shizuku superaria o teste e aumentaria seu poder de donzela.

As orelhas de coelho de Shia estavam se contorcendo enquanto ela estava correndo pela passagem, até que ela enfim chegou a um beco sem saída à frente. Por um momento, ela considerou ter confundido o caminho, mas sua excelente capacidade de detecção captou uma presença familiar no outro lado do beco sem saída, fazendo-a mostrar uma cara alegre.

Mantendo sua corrida, ela levantou Drücken para destruir o muro de gelo. Uma passagem foi criada para ela. Não havia como a passagem à frente ser um beco sem saída. Uma entrada seria automaticamente criada lá, isso era algo que ela poderia imaginar, porém… sua tendência mental era pensar: “Vamos destruir o obstáculo de qualquer maneira!”. Quem foi que a influenciou a pensar assim seria uma pergunta fácil de responder.

— RYAAAAAhuaa-to-to!

Drücken foi desferido para esmagar a parede de gelo e, como esperado, perdeu seu alvo porque a parede desapareceu de forma automática quando Shia se aproximou. Isso a fez golpear o ar vazio. A garota-coelho tropeçou com a força centrífuga e voou para o novo espaço dessa forma.

— A-ahaha, acho que é assim que funciona se você pensar bem. Então, ela se abriu. Eu não fui vista por Yue-san, fui?

As bochechas de Shia se avermelharam com a vergonha enquanto seu olhar vagava com timidez pelo local, se perguntando se sua falha foi vista pela vampira. Sim, a presença que ela sentiu era a de Yue. Sua tensão aumentou com a felicidade por ela poder se reunir depressa com sua amiga.

No final, de fato havia uma Yue à frente de seu olhar. Da mesma forma que foi com Shia, no centro do imenso espaço havia um gigantesco pilar de gelo cilíndrico, a vampira estava quieta a seu lado. Suas costas estavam voltadas para a garota-coelho, então ela não sabia que expressão Yue estava fazendo.

Não havia presença além da vampira nos arredores, Shia podia ver duas outras passagens além da que ela saiu, então ela adivinhou que Yue já havia derrotado seu outro eu.

Shia sorriu com orgulho da conquista de sua amiga e ia chamá-la. Mas, de repente, a garota-coelho notou como Yue estava em um estado estranhamente surrado.

É claro que a vampira tinha a Regeneração Automática, então ela não poderia receber uma ferida física externa. Mas suas roupas não estavam incluídas como alvo dessa habilidade, então havia a necessidade de usar magia de regeneração, mas… suas roupas, em diferentes pontos, estavam rasgadas, queimadas ou congeladas.

Isso parecia dizer que Yue recebeu o ataque de sua imagem falsa várias vezes…

Shia arregalou um pouco os olhos. Mesmo que fosse Yue, cuja maneira de lutar era pressionar o oponente com violência ainda maior enquanto era atacada, com base na natureza desse julgamento, a garota-coelho pensou que a vampira seria capaz de eliminar sua oponente ilesa.

Além disso, embora ela tivesse derrotado sua imagem falsa, Yue não seguiu em frente. Longe disso, ela nem sequer reparou suas roupas e ficou de pé enquanto pensava profundamente em algo. Pela forma como a vampira estava olhando para cima sem o menor movimento, era possível que ela nem tivesse notasse a entrada de Shia.

Para Yue, que estava transmitindo uma atmosfera que parecia difícil de se aproximar, a garota-coelho hesitou um pouco. Ela respirou fundo e soltou sua voz determinada.

— Yue-san!

— … Shia?

Com a voz brilhante que reverberou na sala, por um instante, Yue se contorceu com a surpresa antes de olhar por cima do ombro. E então, olhando para a figura da sorridente garota-coelho, seus olhos se voltaram para baixo.

— Shia … as salas estão conectadas?

— Sim. É o que parece. Eu conclui o desafio, passei pela passagem recém-criada e cheguei aqui. Yue-san, você completou o seu também, não completou?

— … nn. Sem… problemas.

Shia confirmou seu resultado sem mencionar o terrível estado das roupas da vampira. Talvez por enfim perceber seu próprio estado devido a isso, Yue usou magia de regeneração enquanto olhava um pouco constrangida para a garota-coelho ilesa. Em um instante, suas roupas foram reparadas.

Shia se sentia perdida dentro de seu coração. Ela deveria perguntar se algo aconteceu ou ficar em silêncio?

Sem dúvidas, Yue estava abalada com as palavras de sua imagem falsa. Ao ponto em que ela foi excessivamente atingida, ao ponto em que ela até se esqueceu de arrumar seu estado, ao ponto em que ela não percebeu a aproximação de Shia.

Mas o que diabos lhe foi dito? A aparência da vampira era impensável considerando como ela se portava. Essa era a severidade das palavras que a imagem falsa havia dito a Yue. Por essa razão, que tipo de palavras Shia deveria dizer para a abalada vampira, ou ela deveria se aconchegar perto da amiga até que ela se recuperasse. A garota-coelho estava hesitante entre as duas escolhas.

“Mas o que será que… Yue-san não pareceu muito afetada no labirinto. Eu não achava que ela poderia ficar desnorteada ao ser confrontada com o relacionamento entre Hajime-san e nós. Acho que a escuridão do coração de Yue-san pode ser a traição de trezentos anos atrás … hmm, mesmo que isso pareça velho demais para se pensar no presente…”

Exatamente porque Yue era importante para ela, o interior do coração de Shia continuava murmurando desse jeito.

— … Shia, estou bem. Em vez disso, vamos seguir em frente.

— Yue-san… você está certa. Vamos nos reunir logo com Hajime-san e outros!

— … nn. Eu quero me encontrar depressa com Hajime.

— Fufu, isso mesmo!

Yue imaginou o que Shia estava pensando e mostrou um sorriso sem graça enquanto a instigava pala nova passagem.

De modo óbvio, a vampira não estava “bem”. Apesar disto, Shia não tinha capacidade o bastante para dizer alguma palavra que ajudasse a amiga. Isso a deixou desanimada, ao ponto em que suas orelhas de coelho caírem e parecerem murchas. Mas ela se fez pensar: “Quando nos encontrarmos com Hajime-san, com certeza vamos consertar isso de alguma forma!”, e com um tom deliberadamente claro, ela concordou com Yue.

Assim, as duas atravessaram a nova passagem lado a lado.

— Me pergunto se todos são capazes de superar com segurança o desafio? Acho que o nível de dificuldade é menor do que a floresta do labirinto de árvores, mas… a condenação aqui é única, não é?

— … nn, de fato. Talvez seja impossível para alguém como o herói (lol).

— Não é verdade? Porque esta provação é algo como o inimigo natural dele…

Ao longo do caminho, as duas ficaram animados com uma conversa sem importância. Yue estava sem preocupação fazendo uma avaliação afiada de Kouki, mas, em geral, o que ela estava dizendo não estava errado, dessa forma, Shia não poderia dizer nada. Com toda certeza, para o Herói que amava ter uma interpretação conveniente, esse julgamento que estava atirando várias coisas contra eles era consideravelmente inadequado para ele.

Apesar de estarem falando de Kouki, dentro de seus corações, a preocupação pelo Herói era inexistente. Isso era apenas o fluxo de seus diálogos e, de qualquer modo, era também o encorajamento da garota-coelho para a vampira, que tendia a se afundar dentro de seu próprio coração. De todo modo, comparado a uma delas ficar quieta, falar assim era a ideia de Shia para melhorar o clima.

Talvez Yue também tenha notado a intenção de sua amiga, uma vez que ela respondeu à conversa com um tom de humor. Contudo, como esperado, depois de um momento, parecia que sua mente estava indo para algum lugar distante. De forma estranha, seus olhos perderam o foco, vagando como se estivessem olhando para uma distância muito grande.

No fundo da mente de Yue, as palavras da imagem falsa com quem ela lutou há pouco estavam fluindo mais uma vez.

“Quem foi o verdadeiro traidor?”

“Você ainda não se lembra?”

“Sobre seus pais?”

“O que há com você? Você esqueceu?”

“Você está apenas tentando não pensar nisso?”

“Você está fugindo?”

“Você está mesmo pensando que pode ficar ao lado dele para sempre?”

— …

A falsa imagem zombou dela mesma. Aquela falsificação continuou usando palavras que a lembravam da tragédia de trezentos anos atrás.

Há trezentos anos… Yue era a herdeira do trono do clã vampiro em seu país. Essa era uma pequena nação, mas ainda era tão poderosa que foi exaltada como o país de uma pequena e feroz deusa.

A razão para isso foi a característica da raça dos vampiros. Por intermédio do sangue, eles fortaleciam seus corpo, ampliavam o poder mágico e prolongavam suas vidas. Não havia nenhuma outra raça com tal poder. O ato de chupar sangue em si também fez com que as outras raças cultivassem pensamentos de temor.

Aquela que nasceu da linhagem real direta de tal país foi Yue. Ela se destacou com beleza e transbordante poder mágico, fazendo-a ser dona de grandes expectativas desde que era apenas um bebê. Ela tinha o talento natural de absorver toda a magia e o conhecimento ensinado a ela. Infelizmente, ela não tinha talento em artes marciais, mas a existência dela estava tão acima do restante que tal coisa poderia ser considerada algo desnecessário.

E então, o que garantiu o seu status foi a habilidade de trapaça que ela manifestou com doze anos de idade. A manipulação direta do poder mágico e a capacidade para configurar o círculo mágico com a imaginação, e, em seguida, a notável magia de Regeneração Automática… essas eram incríveis habilidades, assim como as daqueles personagens que estavam registrados na era dos Deuses.

Naquele tempo, havia tantos países que não era possível fazer uma comparação com o presente, a guerra só ficava cada vez mais intensa, porém, Yue, que foi enviada ao campo de batalha como poder de fogo de seu país, exibiu sua força, esmagando, de forma literal, os inimigos como uma Deusa feroz.

Como resultado, a fama da princesa vampira e a admiração aumentaram, e aos dezessete anos, ela chegou ao trono.

Aos doze, ela foi maculada pela intenção assassina e o ódio do campo de batalha, e apenas cinco anos mais tarde, ela se tornou o pilar que sustentava sua nação. Se fosse uma garota normal, com toda certeza ela se sentiria esmagada pela pressão e sua mente adoeceria. Mas Yue era muito forte e sábia para ceder a isso.

Houve também a ajuda de seus fiéis vassalos e seu tio, que era o primeiro-ministro. Após isso, a vampira apostou tudo e deu seu melhor pelo bem de seu país. Ela protegeu sua nação durante a guerra. Ela acreditava que iria apenas continuar a protegendo dessa forma.

Até aquele dia, quando seu tio, a pessoa em que ela mais confiava, junto de seus subordinados, aparecerem para matá-la.

Após dois anos se passarem desde que Yue tomou o trono, ela notou que uma estranha distância foi criado entre ela e seu tio. Não, falando de forma honesta, seu tio começou a evitar a sobrinha. E os subordinados dele fizeram o mesmo.

Yue, na época, estava muito perplexa pela súbita distância com o tio, que, em certo sentido, tinha um contato ainda maior do que com seus pais. Enquanto se preocupava com a possibilidade de ter cometido um erro que desagradara seu tio, várias vezes ela tentou criar uma oportunidade para os dois conversarem.

Contudo, no fim, a oportunidade para os dois falarem francamente não surgiu, quando ela notou, uma abertura tinha se formado em seu relacionamento e mais alguns anos se passaram.

Além disso, sem que ela percebesse, o respeito do povo por sua figura mudou para o puro terror sentido por um monstro. Rumores negativos sobre Yue estavam surgindo sem parar. Seu grande serviço prestado no campo de batalha com o intuito de proteger seu país foi, de forma irônica, o estímulo para esses rumores.

As pessoas em quem ela mais confiou já haviam partido; ninguém restava ao lado da vampira. Por outro lado, o poder político de seu tio aumentou e o povo se reuniu ao redor dele. Tal coisa aconteceu de forma muito anormal.

E então, aquele dia enfim chegou. O dia do destino.

Naquela época, enquanto ela dava as boas-vindas a um enviado de outro país na sala do trono, seu tio, junto com seus subordinados completamente equipados, invadiram. E assim, eles massacraram sem a questionarem. Estes assistentes que eram da facção do rei e da rainha anteriores, suas lâminas e intenção assassina foram também dirigidas a Yue.

Enquanto ela estava estupefata, seu corpo foi atingido com ataques letais várias vezes. Seu Regeneração Automática curou suas feridas em um instante, mesmo assim, Yue estava no auge de sua confusão, não, ela estava negando a realidade e nem tentou contra-atacar. Então, ela notou que tinha sido selada com o seu corpo incapaz de se mover e a caminho a ser presa no abismo.

Olhando de forma objetiva, o que aconteceu só poderia ser visto como o seu tio visando o trono do rei devido à sua ambição, causando um golpe de estado. Na verdade, a própria Yue aceitou a realidade e chegou a pensar que seu tio a traiu durante sua prisão de trezentos anos.

Porém, porém…

“… por que o ti… aquele homem, não me matou?”

Isso mesmo. Essa estranheza, que Yue só percebeu agora, estava sendo ridicularizada por sua própria imagem falsa.

O dia do destino. A vampira não resistiu à traição de seu tio. Por todo esse tempo, Yue estava convencida de que seu tio a selou porque ele não podia matá-la devido à sua Regeneração Automática. A escuridão absoluta de trezentos anos, e então o isolamento esmagador roubaram todo o pensamento de qualquer outra possibilidade.

Porém, a Regeneração Automática não era absoluta. Ela dependia do poder mágico. Se seu poder mágico se esgotasse, ela não se regeneraria. Era possível matá-la se ela fosse continuamente atacada até que sua energia mágica acabasse. Na verdade, a vampira não resistiu por causa do choque extremo e, no fim, seu poder mágico foi diminuído de modo considerável porque ela se regenerou demais.

Seu tio deveria ter a matado.

“… Ele era forte. Ele estava em um nível acima do resto, tanto como político quanto como lutador. Para tal homem não conseguir me matar naquele lugar… era impossível.”

No fundo da mente de Yue, a lembrança de trezentos anos atrás foi ressuscitada de forma vaga. A verdade que foi empurrada no mais profundo recesso de sua mente dentro da escuridão estava voltando pouco a pouco em uma imagem mais clara.

“… aquele homem não me matou, mas ele teve que me selar. Por quê?

Yue mergulhou em seus pensamentos e viajou pela estrada das memórias. Uma voz nostálgica ressoou no fundo de sua mente. Um tom de voz que era gentil, mas pintado com tristeza e frustração, e também culpa em seu máximo.

“… sinto mui… além disto, não havia outra for… algum dia, com certeza… uma pessoa em quem você poderá se apoia aparecerá. Se for esta pessoa, com certeza ela irá te proteger de… sem falhar. … eu, fiz algo como ist… porém, não foi por… eu amo…”

Cabelos louros como os dela. Olhos vermelhos. Rosto com rugas destacadas esculpido pelas dificuldades. Para Yue, que estava confusa devido ao efeito do selo, do fardo mental e do consumo pesado de seu poder mágico, ela não pôde ouvir tudo. Mas, uma coisa que ela lembrava… era a sensação da mão carinhosamente roçando a face dela que estava saindo do cubo que a selava.

Yue calmamente levou a mão a seu rosto. De alguma forma, ela pensou que podia sentir o calor daquele momento. Esse era um calor diferente do de Hajime. Se ela tivesse que dizer, era como o que um pai dirigiria para sua filha…

“… eu estava pensando naquele homem como um pai? Mas meus verdadeiros pai e mãe foram…”

Para alguém que deveria ser um traidor, que deveria ser um inimigo odiado, um fragmento de sua memória era contrário à sua expectativa. Ela procurou por seus verdadeiros pais no fundo de sua memória nebulosa.

Contudo, não importava o quanto ela procurasse nas prateleiras de sua memória, nenhuma lembrança apropriada aparecia. Mas ao invés de esquecer, era mais como se não houvesse nenhum evento impressionante com os quais ela pudesse se lembrar, mesmo depois de trezentos anos passados … era assim que ela se sentia.

Pelo contrário, ela tinha a sensação, em sua lembrança fragmentada de seus pais, de que de alguma forma eles se pareciam com o povo do país que ela viu no julgamento das Ruínas Submersas Merujiine.

Parecia que um bloco de gelo deslizava pelas costas de Yue. Arrepios atacaram todo o seu corpo.

“… não me diga que, meu pai e outros estavam…”

Depois que ela começou a duvidar, memórias não naturais continuavam surgindo quanto mais ela pensava a respeito.

Com base na memória de Yue, a guerra naquela época também foi muito influenciada pela religião, sem exceções. Mas ela achava que seu país estava pouco relacionado a tal coisa.

Mesmo depois de ela ser entronada, quando ela entrou em contato com o enviado religioso, seu tio também participava das reuniões sem falta. Em primeiro lugar, embora a situação não fosse algo tão importante, seria seu tio quem lidaria com tudo isso.

Seu tio possuía conhecimento profundo e era mais sábio do que qualquer um. Se fosse sobre assuntos internos, se fosse no campo de batalha, ele era um poderoso usuário de familiares que fazia uso de vários monstros. Mas agora que ela pensava sobre isso, parecia que ele estava agindo de forma estranha para um vampiro.

Ambos os pais de Yue a amavam e a criaram como uma princesa, davam-lhe tudo o que ela queria e permitiam tudo o que a garota desejasse fazer, mas agora, quando ela olhava para trás, em vez de ver isso como amor dos pais por uma filha, parecia mais respeito e afeição por ela.

Em vez disso, foi seu tio que lhe deu o amor de pai.

Yue de repente se lembrou.

“… aquele homem, quando ele começou a se distanciar de mim … ele parecia estar sofrendo muito.”

Seu tio, após um ano da entronização dela, estava constantemente franzindo a testa em aflição, era como se estivesse envelhecendo depressa. Essa mudança com certeza passou despercebida, exceto pelas pessoas que eram próximas a ele. Naquele momento, Yue também se sentia muita preocupada, ao mesmo tempo em que sentia ansiedade e tristeza pela distância entre os dois.

Seu tio a traiu por causa de sua ambição e a aprisionou por muito tempo dentro da prisão das trevas. Yue acreditava nisso, mas ela estava abalada pelas palavras de sua imagem falsa, um fragmento de sua memória ressuscitada estava aos poucos mostrando a ela uma outra possibilidade.

Com certeza, olhando de modo objetivo, ser aprisionada em trevas infinitas foi algo que ficou por completo na memória da vampira. Se ela não odiasse alguém, se não jogasse fora sua esperança e se encharcasse de desespero enquanto passava seu tempo com apatia, seu coração não duraria. Foi por isso que ela aceitou com firmeza o raciocínio que parecia mais correto como a verdade.

Porém…

“… eu confundi minhas memórias?”

Por acaso, poderia haver algo diferente em relação a verdade? Yue, que começou a pensar assim, mais uma vez fez uma pergunta.

Que foi: por que seu tio teve que selá-la?

Ao mesmo tempo, as palavras de sua imagem falsa brilharam.

“Você realmente acha que pode ficar ao lado dele para sempre?”

— …

O terror percorreu o corpo da vampira. Por reflexo, ela se abraçou com força para reprimir seu corpo de tremer.

Hajime era a luz para Yue. Ele apareceu rasgando a escuridão, iluminando, aquecendo-a, uma luz que lhe dava paz e felicidade. Perder isso, era o mesmo que a morte para ela.

Mas e se… e se descobrissem que ela não poderia ficar ao lado do garoto…

— Yue-san!

— !? Ah, Shia?

Quando ela percebeu, Shia pegou seus ombros e olhou para a vampira pela frente com um olhar sério. O quanto ela mergulhou em seus pensamentos? Quando ela percebeu, o fim do caminho era visível atrás da garota-coelho, que estava olhando para ela, parecia que as duas tinham andado até o final do caminho.

Shia soltou a mão dos ombros da distraída Yue. Desta vez, ela segurou as duas mãos da vampira com força. Ela apertou as mãos contra o peito dela para transmitir sua existência e calor para a amiga, mesmo que por um momento.

— Por favor, fale Yue-san. O que foi dito a você?

— É que…

Shia jogou fora sua hesitação olhando para a condição anormal de Yue e a perguntou sem rodeios. Ela pensou que não deveria esperar mais para lidar com a vampira porque não havia mais tempo para uma consideração mais atenta.

A garota-coelho estava olhando de perto, como se olhasse dentro da amiga, que falava de modo ambíguo. Olhando para o rosto determinado de Shia, Yue sentiu que não podia evitar essa conversa e suspirou profundamente.

— … sinto muito Shia. Eu mesma ainda não resolvi isso.

— Você não pode falar a respeito?

— … nn. Fui informado de várias coisas sobre o passado… meus sentimentos em relação a Hajime e Shia não estão abalados de forma alguma, então não houve problema com o desafio, porém … com isso, pode haver um erro no que acredito ser minha memória. Eu quero resolver isso, então espere um pouco.

— É mesmo…

Shia não parecia capaz de aceitar essa resposta. Suas mãos estavam segurando as mãos da vampira com força e não a soltavam.

Pensando bem, Shia realmente chegou longe e se tornou forte, Yue sorriu disso em segredo. E então ela considerou algumas coisas enquanto olhava para as mãos que apertavam as suas.

Mesmo que ela fosse apenas um coelho arrependido que só poderia fugir e se agarrar a outras pessoas, ela trabalhou duro e de forma desesperada, seguiu os dois com tudo de si e, antes que percebessem, ela se tornara o que era hoje, alguém que poderia protegê-los. Ela até fez o obstinado Hajime se render. Talvez ela não pudesse mais considerar a garota-coelho como sua irmã mais nova. Agora ela era uma esplêndida mulher.

Talvez por causa disso … as palavras que brotaram de suas más premonições escaparam da boca de Yue.

— … Shia.

— Sim. O que foi Yue-san?

— … se, se algo acontecer comigo, por favor, tome conta de Hajime.

— …

Essas palavras foram confiadas a uma pessoa amada, com um olhar sério. Para Yue, essas palavras foram as maiores e mais importantes palavras de confiança.

Mas Shia, que foi confiada com essas palavras …

PAN!!

— !?

Desferiu um tapa.

Isso não foi feito com o reforço corporal, mesmo assim, foi uma bofetada séria, sem piedade e sem se segurar. Os olhos de Yue, cuja cabeça estava virada para longe com o golpe, se arregalaram. Ela voltou seu olhar para Shia, lá, ela encontrou os olhos queimando de raiva que ela nunca tinha testemunhado até agora.

— … você está brincando?

Sua voz também continha raiva que ela nunca ouvira até agora. O corpo de Shia estava tremendo, com certeza pela emoção transbordante que ela estava reprimindo no momento. Até mesmo sua aura, era como o magma escaldante que ela enfrentou no Grande Vulcão Guryuuen.

Essa era a fúria séria da garota-coelho. Essa grande pressão e raiva fizeram Yue congelar por um momento.

Na mesma hora ela abriu a boca para dar uma desculpa.

— Você, você está errada … se-se for Shia…

— Então não é uma piada?

Shia confirmou com tom abrasador enquanto dava um passo para longe da vampira. Ela então empunhou Drücken de forma abrupta. Ela olhou para a estupefata Yue com olhos perigosamente apertados. E então, Shia abriu a boca com uma voz baixa ainda mais ardente.

— Eu não sei o que você ouviu, mas você se tornou uma covarde patética, sabia? Esse rosto patético, eu vou consertá-lo, junto com sua coragem.

— … Shi-Shia? Hã?

Para Shia, que estava liberando uma fúria tremenda, Yue tentou lhe dizer para se acalmar. Naquele momento, um ataque de Drücken sem uma única gota de misericórdia foi lançado contra a vampira.

Ela mal conseguiu recuar para evitar o golpe horizontal. Drücken passou e atingiu a parede de gelo ao lado sem parar, pulverizando-a com um estrondoso rugido. Embora a parede de gelo começasse a se regenerar imediatamente, o buraco radial que foi criado na mesma hora mostrava a seriedade da garota-coelho.

—… Shia. Esta brincadeira foi longe demais.

— Brincadeira? Você ainda está dizendo algo covarde como isso após chegarmos a este ponto? Se você não entendeu, então vou dizer com mais clareza, eu estou séria aqui. Se você não retirar sua declaração anterior… sim, eu vou acabar com Yue-san.

— … Shia, estou falando sér…

— VOE PARA LONGE! SHAORAAAAAA!!

— !?

O Drücken de Shia foi balançado com ferocidade mais uma vez. A velocidade do golpe ultrapassou a barreira do som e gerou uma parede de ar como uma membrana branca, logo depois disso, PAN!, um som explosivo ressoou. E então, a parede de gelo da passagem que foi atingida foi destruída em fragmentos muito pequenos com apenas um ataque.

A vampira evitou de forma desesperada aquele ataque na passagem estreita com poucos lugares para se esquivar. Mas em primeiro lugar, o combate a curta distância não era sua especialidade. Ela já tinha sido superada por Shia, que se especializara nessa área. Estava claro que ela logo seria encurralada.

Yue pensou que ela tinha que conter e acalmar a garota-coelho primeiro. Ela se decidiu e ficou firme contra a tempestade. Em um momento, o martelo de guerra foi desferido com um ímpeto tremendo do alto. Ele roçou o ombro direito da vampira e pulverizou o osso só com isso.

Mesmo enquanto cambaleava com a dor e o impacto, Yue deixou esse tipo de ferida para sua Regeneração Automática, invocou sua Calamidade do Céu e prendeu Drücken no chão. Ao mesmo tempo, ela invocou Caixão de Gelo e pulou sobre a garota-coelho inclinada para a frente.

Enquanto se virava, o gelo subia visivelmente e com rapidez debaixo do pé de Shia. Como de costume, o Caixão de Gelo da vampira tentava trancá-la dentro do gelo.

Mas, para a atual Shia, não havia como uma magia desse nível conseguir detê-la.

— Isso foi ingênuo, Yue-san!

Drücken deveria estar difícil de se mover com o peso da Calamidade do Céu, mesmo que a arma pudesse ser movida, o gelo estava agarrado perto demais de seu corpo, assim, não seria possível libertar a arma … Yue pensava assim, mas Shia de repente levantou uma de suas mãos e bateu no chão.

No mesmo instante, DON!!, esse som de onda de choque foi gerado enquanto o gelo ao redor foi lançado para longe com Shia no centro. Ela soprou o gelo agarrado a seu corpo ao gerar um impacto com seu punho.

Além disso, sem parar, ela levantou Drücken com toda a sua força, mudando-o para o modo de disparo e puxando o gatilho sem um momento de atraso.

Uma bala voou junto com um som estridente. Um projétil sólido em uma passagem estreita e reta? De forma natural, era inútil tentar evitá-lo e Yue criou uma parede protetora. Esperando por isso, desta vez, a garota-coelho disparou as balas com rapidez. Dentro da passagem, o poder mágico ondulava quando a cor azul difusa se espalhava em várias camadas e o grande impacto continuava a rugir.

— … Shia! Pare com essa brincadeira.

— Essa é a minha fala Yue-san. Você já refletiu um pouco para retirar sua declaração?

— … por quê?

— Por quê? Você não entendeu mesmo?

— …

A parede protetora estava rachada devido ao impacto dos projéteis sólidos irrompendo. De modo natural, Yue consertou-a na mesma hora, mas ela não podia se mover devido ao fogo extremamente rápido.

A vampira olhou para a amiga através da parede protetora. Ela estava olhando enquanto franzia a testa com pesar, se perguntando o porquê Shia estar tão irritada com a prova de confiança que ela lhe dera.

Porém, diante de seu olhar… a expressão da garota-coelho que estava puxando o gatilho do modo de tiro de Drücken era ainda mais triste do que a de Yue, mesmo agora ela parecia a ponto de chorar. Ainda havia fúria transbordando ali, mas a garota estava ferida pelas palavras de Yue.

— Você disse que confiou, isso significa que o futuro diante de nós será sem Yue-san, isso não é…

— … Shia.

— Algo como isso, um futuro assim… você acha que vou aceitar? Você acha que vou ficar feliz em permitir isso!? Você acha que vou dizer “sim” com honestidade ao ouvir isso!?

Em outras palavras, a razão pela qual Shia estava brava era isso. Parecia bom se fosse chamado de confiança, com certeza era a maior demonstração de confiança que Yue podia mostrar, mas, para o lado que receberia, isso era algo intolerável.

Isso era natural. Shia amava Yue. Uma confiança com a suposição de que a vampira, quem ela amava, não estaria lá não era algo que a garota-coelho pudesse aceitar com um sorriso enquanto dizia: — Sim, tudo bem.

Após Shia disparar a última bala de Drücken, ela avançou com uma força que destroçou o chão. Yue, cujos olhos se arregalaram ao compreender as palavras da amiga, por um momento deixou sua consciência escapar do controle de sua magia.

Essa foi uma abertura fatal na frente da atual Shia. O peso de Drücken foi aumentado até duas toneladas em um ataque impiedoso.

— Guh!

A parede protetora foi destruída, uma onda de choque, junto com um forte vento, atacou Yue. Ela foi atirada para longe de forma magnífica.

Nesse intervalo, Shia instantaneamente recarregou as balas de Drücken. E assim, a vampira foi atirada até a parede do beco sem saída. No momento em que a entrada da passagem atrás dela se abriu, ela ficou ainda mais impressionada com a bala sólida iminente.

— Interrupção Divina!

Mais uma vez, Yue criou uma parede protetora, e enquanto era protegida por aquela parede esférica, ela foi atirada para dentro da sala pela entrada devido ao impacto.

De dentro da explosão de chamas que envolvia a entrada da passagem, Shia saltou para a sala com suas orelhas de coelho batendo.

À frente delas estava…

— Fue!?

“O qu-que foi!?”

A aparência de Kaori e uma imagem falsa cinzenta na aparência de Nointo enrijeceram em suas posturas, onde suas espadas gêmeas bloqueavam uma a outra.

— Agora Yue-san! Se você não quer ser amassada, por favor, desculpe-se agora mesmo!!

Sem hesitação, a garota-coelho apontou para Yue com seu Drücken.

… parecia que ela planejava ignorar Kaori, que já estava ali, por completo.


Tradutor:




Fontes
Cores