Arifureta – Capítulo 143 – Os verdadeiros sentimentos de Shizuku


O som feroz de lâminas se chocando ressoou através do largo espaço onde um enorme pilar de gelo residia imponente no centro.

— HAAAAAAH!

“Ó, seu manejo da espada está confuso de novo, você não percebeu?”

Junto ao grito de guerra repleto de energia, ela desferiu um rápido saque de espada. Várias faixas de linhas pretas seguiram pelo ar em um instante, mas nenhum desses afiados clarões da espada atingiram a oponente.

Ao invés disso, a oponente, que estava zombando de sua esgrima, quase atingiu a testa da garota com uma estocada. Ela conseguiu desviar ao girar sua cabeça, mas um corte superficial foi deixado em sua têmpora.

— … Onda Escaldante!

A estocada que quase a atingiu antes era uma das técnicas da família Yaegashi. Dessa forma, Shizuku entendia melhor do que ninguém que o golpe consistia de três estágios. Sua têmpora foi cortada e era difícil desviar com sua postura um pouco desalinhada.

Antes que o clarão da segunda estocada pudesse atingi-la, a Espadachim empurrou sua bainha no chão e espalhou a onda de choque. As lascas de gelo do chão esmagado mudaram e se tornaram balas de espingarda, permitindo que a garota escapasse do alcance do golpe.

“É ótimo que você tenha o presente dele, não é? Se você não o tivesse, você já estaria morta há algum tempo nessa luta contra mim, não estaria?”

— Haa, haa…

Contra a Shizuku branca que estava embainhando sua katana branca enquanto provocava a outra, a Shizuku de rabo de cavalo preto manteve o silêncio enquanto seus ombros ficavam pesados.

No momento, a garota estava lutando contra sua imagem falsa da mesma forma que Hajime o fez.

A falsificação que ela encarava era diferente da do Sinergista no sentido que essa era toda branca. Cabelo branco em um rabo de cavalo e pele que parecia porcelana. Sua espada e roupas também eram todas brancas. Seus olhos vermelhos escuros penetrantes eram terrivelmente atraentes.

A Shizuku branca abriu sua boca enquanto mostrava uma expressão sarcástica e um enorme sorriso que não poderia ser imaginado vindo da Espadachim usual. Isso estava acontecendo já há algum tempo. O conteúdo de seu discurso era naturalmente a exposição de emoções negativas de Shizuku.

“Isso machuca? É doloroso? É assustador? Você quer chorar? Você não precisa esconder isso, sabia? Eu sou você, então eu entendo tudo. Sim, tudo.”

Já fazia quinze minutos desde que a batalha teve início. Durante esse momento, a espada da aluna não realizou nenhum ataque. A Shizuku branca ainda parecia ilesa.

Por outro lado, apesar de ela por pouco evitar um ferimento fatal agora há pouco, a garota tinha cortes superficiais por todo o seu corpo. Ela estava ensopada com suor e sangue. Mesmo agora, o sangue escorrendo de sua têmpora e bochecha estava gotejando por seu elegante queixo.

“Na realidade, eu não queria fazer algo como aprender a usar espadas. Ao invés de vestir roupas japonesas ou um uniforme de dojo, queria vestir roupas ocidentais fofas e com babados. Ao invés de carregar uma espada de bambu, bonecas e acessórios brilhantes seriam muito melhores.”

— … cale a boca.

A primeira vez que Shizuku foi guiada por seu avô para balançar uma espada de bambu foi quando ela tinha apenas quatro anos de idade. Seu avô era o líder da família Yaegashi e herdeiro do antigo estilo de espada, o estilo Yaegashi. Com certeza, ele fez Shizuku balançar a espada de bambu apenas por diversão. Porém, de todas as coisas que poderiam acontecer, a garota de quatro anos de idade mostrou um vislumbre de seu talento.

O avô que percebeu que sua fofa netinha herdou um talento para o estilo desfez seu usual olhar amargo. Até agora, Shizuku se lembrava com clareza de quão feliz foi o sorriso de seu avô.

Desde aquele dia, esgrima e treinos de kendo1 se tornaram uma parte da vida da garota. Seu avô, seu pai e as pessoas do dojo também, todos elogiaram quão incrível ela se saiu…

Mas, na realidade…

“Daquela vez que Kouki entrou no dojo, eu pensei que um príncipe enfim tinha chegado. ‘Eu também irei proteger Shizuku-chan’, não foi isso? Eu sonhei com um garoto legal que diria isso para mim como em um conto de fadas. Se for ele, então eu posso ser apenas uma garota. Ele irá me proteger. Ele irá me mimar. Eu estava pensando assim. Mas, o que aconteceu?”

— Calada.

Enquanto apertava seus dentes com força, a figura de Shizuku ficou nebulosa usando o Sem Batida, se movendo com velocidade surpreendente e sacando sua espada. Um clarão irrompeu no espaço… Florescer Cintilante desenhou seu caminho pelo próprio espaço para dividir em dois a Shizuku branca, mas um rastro branco realizou a mesma trajetória com exatidão para neutralizar o ataque.

Sem desistir, a Espadachim ainda desferiu seus ataques, mas tudo foi desviado, bloqueado e sua oponente não desperdiçou uma abertura para aumentar os ferimentos da garota.

“O que Kouki trouxe foi apenas ciúmes por você. Isso não é verdade? Ele estava tomado por um senso de justiça e gentileza desde o ensino fundamental. Ele fez tudo habilmente e se tornou o alvo de atenção de todas as garotas. Você que balançava uma espada de bambu, apesar de ser uma garota, com seu cabelo curto, roupas sem graça, você que não poderia falar sobre assuntos femininos, ficar ao lado de tal Kouki fez com que as outras garotas fossem incapazes de tolerar isso. Sim, sim, até agora eu me lembro daquelas palavras. As palavras ditas uma por uma das garotas que gostavam de Kouki. ‘Você é uma garota?’, ela disse. Isso foi chocante, não foi?”

— Só cale a sua boca!

A memória amarga do ensino fundamental reviveu no fundo da mente de Shizuku. Nessa época, seu cabelo era curto para a prática com a espada. Muitas de suas roupas também eram modestas. Sua beleza e meiguice eram com certeza enfraquecidas em relação a sua feminilidade.

Com tal Shizuku, não havia como as outras garotas ficarem quietas se ela continuasse acompanhando Kouki, que era popular desde sua época como estudante do ensino fundamental. A Espadachim recebeu o ciúme das outras crianças que não conheciam piedade e moderação devido a sua imaturidade. Mesmo assim, essas palavras foram algo que ela não poderia esquecer, mesmo agora. Deixando de lado sua aparência externa e sua habilidade com espada, o interior de Shizuku era o mesmo das outras garotas. Para ela, essas palavras foram um enorme choque.

Uma vez, ela pediu ajuda a Kouki. Mas desde aquela época o que o rapaz iria dizer já era fácil de adivinhar. Ele diria: “É claro que elas não têm intenções ruins”, “Todas são boas garotas, sabia?”, “Elas vão entender se você falar com elas”, etc, etc. Exatamente com essas palavras, Kouki falou com as garotas sobre suas atitudes com Shizuku. Não é preciso dizer que o tratamento duro contra a Espadachim ficou ainda pior. Além disso, a intenção de esconder isso para que o Herói não percebesse tais coisas aumentou ainda mais.

Mesmo que Shizuku se consultasse com Kouki, o que ele a ofereceria seria apenas um sorriso preocupado. Antes que ela percebesse, a garota parou de depender de seu amigo de infância.

Tal convivência continuou por todo o seu ensino fundamental. Se ela não tivesse conhecido Kaori, que ficou ao lado dela quando elas entraram nos anos finais do ensino fundamental, talvez seu coração se partisse e ela abandonasse tudo.

“Mesmo que eu na verdade odiasse isso, era assustador trair as expectativas de minha família e não poderia abandonar o estudo da espada. Mesmo que Kouki fosse a causa, não pude me distanciar e afastar meu amigo de infância por quem não tinha um pingo de animosidade por causa de minha culpa… é sério, você é uma garota indecisa e inexperiente.”

— … uma coisa dessas…

A espada da Shizuku branca rompeu a gravidade usando Relâmpago Múltiplo e causou na Espadachim um momento de ausência de peso e suspensão. Nesse momento, a bainha que sua cópia estava segurando foi desferida horizontalmente. Junto da Onda Escaldante, que também foi invocada. Ondulações brandas de poder mágico se espalharam. Um impacto com dor o suficiente para quase apagar a consciência de Shizuku atingiu seu flanco exposto e indefeso. Seu corpo foi lançado para trás.

A Espadachim quicou várias vezes no chão antes de conseguir parar ao deslizar pelo chão.

— Gohoh, gehoh.

Sangue jorrou em um borrifo de sua boca quando ela tossiu. Ela sentiu uma dor intensa em suas costelas. Dois ou três de seus ossos estavam obviamente quebrados. Parecia que o impacto feriu seus órgãos internos. Mesmo assim, ela impediu sua consciência de lhe escapar.

Passos acelerados ressoaram na direção de Shizuku, que não poderia se levantar na mesma hora. Era como uma contagem regressiva que a notificava da morte iminente. Impaciência se espalhou pelo rosto da garota enquanto ela se esforçava para se levantar com desespero.

A Shizuku branca sussurrou de forma meiga para a Espadachim agonizando com um tom gentil, sua boca curvada como uma lua crescente. Ela era como um demônio.

“Está tudo bem para você não se levantar mais, sabia? Outra pessoa irá completar este labirinto, mesmo sem que você sofra desta forma. Se você fizer isso, você pode ir para casa. Está tudo bem. Mesmo que você desista aqui, não vou tomar a sua vida. Se você apenas dormir, no momento em que você acordar, tudo terá terminado.”

— O que, você está…

“Só estou dando uma opção… é claro que se você não desistir, vou te matar. Vou te retalhar sem piedade.”

O enorme sorriso da Shizuku branca poderia te fazer tremer de medo. A lâmina branca em sua mão estava pegajosa com a prova de como ela retalhou a outra garota. O sangue escorrendo pela arma parecia estar fluindo através da neve branca. Da ponta que estava voltada para Shizuku, gotas de seu próprio sangue escorriam. Olhando para essa cena, a expressão da Espadachim ficou pálida.

Mas no momento seguinte, KI!, Shizuku encarou de volta sua imagem falsa sem prestar atenção ao sangue jorrando de suas feridas. Ela começou a encher seus braços e pernas com força.

— Guh, uaAAAAH!!

“… entendo. É isso mesmo, não é? Se for você, então você se levantará, não é?”

A Shizuku branca assentiu uma vez, seus olhos se apertaram e ela desferiu sua fina lâmina branca para baixo. O golpe foi bloqueado pela lâmina negra enquanto a Espadachim estava ajoelhada e soltava um grito de guerra.

Ao mesmo tempo…

— Voe, Céu Distante!!

Ao usar uma habilidade para repelir objetos, Shizuku conseguiu se afastar de sua cópia e conseguiu criar alguma distância. A Shizuku branca girou no ar e aterrissou de forma graciosa no chão com uma cambalhota, lembrando um gato. A Espadachim se levantou enquanto encarava a sósia.

— Você é irritante, ganindo dessa forma. Você só continua repetindo coisas incompreensíveis. Não vou te acompanhar nesse tipo de batalha psicológica.

“Batalha psicológica, hum? Então você não reconhecerá seus próprios sentimentos até o fim. Até agora, você continuou sendo teimosa. Você fez seus arredores permanecerem em silêncio por sua força, constantemente prestando atenção em alguém… assim você nem mesmo ficou consciente de que está na verdade desejando se apoiar em alguém…”

— Você não me ouviu dizendo que você é muito barulhenta!?

Shizuku disparou sem nenhum traço de sua usual calma. Não havia tática nem nada do tipo. Ela apenas balançou sua espada de forma irregular pelo ar com uma esgrima imprudente. Seus sentimentos de querer calar a oponente eram claros.

A imagem falsa foi criada ao ler a emoção negativa do alvo e usou isso como base. E então, se a emoção exposta não fosse aceita pelo alvo, a força da falsificação aumentaria sem parar. Por outro lado, se o alvo aceitasse sua própria culpa, então a imagem falsa seria enfraquecida… mas a atual Shizuku estava no primeiro estado.

Dessa forma, com seu coração em confusão, o ataque da Espadachim já era como brincadeira de criança para a falsificação, cuja força aumentava.

A Shizuku branca recebeu com tranquilidade o poder total da técnica da garota e a devolveu com uma técnica de espada polida. O ferimento no flanco da Espadachim, o dano em seus órgãos internos e a perda de sangue deixaram os movimentos da aluna lentos, fazendo seus ferimentos aumentarem ainda mais. Isso se transformou em impaciência, o que a fez ficar ainda mais violenta e deixou seus movimentos ainda mais imprecisos. Era um círculo vicioso.

E como se não fosse o bastante, contra tal Shizuku, a cópia branca abriu sua boca com uma risada.

“Daquela vez, quando você chegou neste mundo, você também estava assim, não é? Na verdade, você estava cheia de angústia. Você estava com medo no fundo de seu coração quando Ishtar contou a vocês sobre a subjugação da raça dos demônios. Na primeira vez que você matou um monstro, pela noite, você chorou em um lugar onde ninguém poderia ver. O sentimento de cortar carne não desapareceria. O sangue grudando em sua pele parecia não desaparecer. Você esteve se escondendo muitas vezes, tentando limpar isso, não esteve?”

— Haaa!!

Shizuku tentou apagar as palavras da imagem falsa com seu grito enérgico. Porém, esse ato em si expressava a negação da Espadachim, porque ela não poderia aceitar isso; a diferença na força entre as duas aumentava ainda mais.

“Daquela vez que Nagumo-kun caiu dentro do abismo, se você não tivesse usado toda a sua força para consolar a enlouquecida Kaori, com toda certeza, aquela que seria esmagada pelo terror seria você. Desde aquele dia, quando você sentiu a verdadeira morte, todo o tempo, contra o terror da morte, contra o terror de matar… você continuou a ficar com medo.”

— Aguh!?

O Florescer do Relâmpago da Shizuku branca disparou, paralisando o corpo da Espadachim. Se aproveitando dessa abertura, um clarão branco acariciou o pescoço da garota. Pushu! Com esse som, sangue fresco se espalhou.

Graças a Shizuku se envolvendo no Onda Escaldante e atirando para longe seus corpos para criar uma distância, ela conseguiu por pouco evitar uma ferimento fatal. Mas sangue estava fluindo como um rio por entre os dedos pressionados da garota contra seu pescoço. Sua artéria carótida não foi cortada, mesmo assim, era uma ferida em seu pescoço. O sangramento era muito grande.

Uma clara visão da morte apareceu em seu cérebro. Um terror devastador e desespero começaram a assaltar o coração da Espadachim. A emoção que ela desesperadamente suprimiu escapou e sua mão que segurava a katana negra estava tremendo.

Os lábios da Shizuku branca, que pareciam vermelhos demais, se abriram. Palavras pegajosas fluíram como uma torrente de lama.

“Ei, você. Você estava feliz naquela vez, não estava?”

— Eh?

Essa súbita pergunta fez Shizuku soltar uma voz perplexa enquanto ainda pressionava seu pescoço.

“Estou falando sobre aquela vez em que Nagumo-kun apareceu para salvar sua classe. Você entende, não é? Não há como você esquecer do momento mais dramático de sua vida.”

— O que você está dizendo…

“Uma situação ameaçadora e desesperadora… não? Naquele momento, você com certeza desistiu. Você ia aceitar a irracional morte e abrir mão de tudo. Você não acreditava que alguém iria te salvar galantemente neste mundo… por causa disso, aquela radiância vermelha, aquelas enormes costas, aquele poder esmagador sem igual, aquilo roubou seu coração.”

— Vo-você está erra-…

Isso parecia algo que ela não queria reconhecer de forma alguma, algo que ela não deveria reconhecer, não importava o que fosse dito. Shizuku na mesma hora tentou gritar palavras de rejeição. Porém, como se para dizer a ela que tal resistência era inútil, a cópia branca declarou de forma impiedosa.

“Daquela vez quando Kaori foi morta também foi assim. Se você não está consciente, então deixe-me dizer isso. Naquele momento, pela primeira vez desde que você veio para este mundo, você ‘se apegou’. Você se apegou a Nagumo-kun. Para alguém como você, ele disse ‘Acredite em mim e espere’. E então ele realmente respondeu a sua expectativa. Assim como você acreditou, ele salvou sua melhor amiga junto com o seu coração. Desde aquele dia, você continua desviando seus olhos com desespero, porém… agora, você não será mais capaz de mentir para você mesma.”

— Pare com isso, você está errada. Eu sou…

Para Shizuku, que estava balançando sua cabeça como uma criança recusando algo, a imagem falsa desferiu e verdade da qual ela não poderia escapar.

“Você… ama Nagumo-kun.”

— …

A garganta da Espadachim ficou travada. Sua cabeça ainda balançava para a esquerda e para a direita em negação. Ela nem mesmo tinha a compostura para se incomodar com o sangue escorrendo de seu pescoço cortado.

A razão para isso foi uma emoção que ela absolutamente não deveria reconhecer. Porque esse era um sentimento imperdoável, uma prova da pior traição.

Para Shizuku, cuja mente foi tão encurralada que ela nem mesmo tinha espaço para dizer uma palavra de negação, a falsificação gentilmente desferiu o golpe final. Era como se ela estivesse enviando uma flor para uma falecida.

“Minha nossa, se apaixonar pelo amado de sua melhor amiga… esta traidora.”

— …

Os joelhos de Shizuku perderam a força. Ela apenas se apoiava o bastante com a katana negra para que não caísse de joelhos no chão, mas a luz da determinação estava desaparecendo de seus olhos.

As palavras lançadas em seu coração… foram muito severas.

Era mesmo difícil controlar esta coisa chamada coração. Não seria exagero chamar uma pessoa que poderia perfeitamente controlar seu próprio coração de anormal. Era o mesmo com a sensação de gostar de outra pessoa, algo que não poderia ser explicado com lógica. Era por isso que, mesmo se Shizuku se apaixonasse por Hajime assim como Kaori, era um exagero chamá-la de traidora só por ter o sentimento.

Porém, a Shizuku branca… as emoções negativas da garota, o fundo de seu coração, seus próprio sentimentos, declarou que ela era uma “traidora”.

Talvez, isso se originou pela honestidade que a garota tinha por natureza, e sua gratidão eterna e boa intenção por sua melhor e mais importante amiga, a pessoa com quem ela contou em seu momento mais difícil.

Seus sentimentos de valorizar Kaori eram tão fortes que ela não poderia se perdoar por apenas gostar de Hajime. Sem mencionar as várias caras que ela mostrou ao Sinergista devido a suas emoções incontroláveis. O rosto sorridente do fundo de seu coração, seu rosto apegado e miserável, seu rosto charmoso encarando em torpor, seu rosto amuado, e até seu rosto dormindo aliviada… tudo isso aconteceu sem que Kaori soubesse. Tal coisa também era uma das razão que aumentava seu senso de culpa.

“Além disso, você atacou Shia, não atacou? Por que isso aconteceu, eu me pergunto? Por que não foi Yue ou Kaori, mas Shia, qual você acha que foi o motivo?”

— Eu, só…

“A resposta é simples. Você tem inveja de Shia, não tem? Você entendeu desde o início que você não poderia derrotar Yue, então você nem mesmo sentia inveja dela. Não há como você atacar Kaori, não importa quanto ciúmes você sinta dela. Foi por isso que você escolheu aquela garota como alvo de seus ataques. Aquela que foi reconhecida por ele como uma amada e a mais fácil para você invejar… você é mesmo uma covarde, não é?”

— …

A Espadachim já não poderia mais desviar seus olhos. O inimigo diante de seus olhos não permitiria isso. Cada palavra precisa a perfurava como uma flecha. Isso também atravessava suas palavras de objeção e as destruía em pedaços. Força estava escapando de seu corpo. Por outro lado, a Shizuku branca estava transbordando com abundante poder.

Como prova disso, a cópia se moveu usando Sem Batida e desferiu um chute que atingiu a garota de baixo para cima, não a permitindo tempo para reagir.

— Gahah!?

Contra Shizuku, cuja respiração foi forçada para fora de seu corpo flutuando no ar, incontáveis cortes a assaltaram como uma chuva torrencial. Em um nível inconsciente, a garota ergueu sua katana negra como um substituto para um escudo, mas não havia como algo como isso bloquear tudo…

— AAAAAAAAH!?

Seu corpo todo foi retalhado até que a Shizuku branca ficasse satisfeita. A falsificação usou a bainha contra a garota que gritava como se estivesse confirmando seu trabalho. A aluna foi lançada ferozmente para trás como se tivesse sido atropelada por um caminhão e suas costas atingiram a parede de gelo. A parede em suas costas se pulverizou em um formato radial.

Todo o ar em seus pulmões foi forçado para fora devido ao impacto que fez todo o seu corpo agir como uma boneca esfarrapada. A dor vinha de tantos ferimentos de cortes que ela não entendia mais de onde a dor estava surgindo. O corpo da garota a informava que esse era o limite. Dessa forma, o corpo de Shizuku escorregou pela parede de gelo e agora ela estava sentada em uma postura com suas costas reclinadas no gelo enquanto seus membros repousavam sem força.

Sangue se grudou na parede de gelo, até o chão começou a reunir uma poça de sangue. Com olhos desfocados, a Espadachim encarou seu outro eu com calma se aproximando dela. Seu corpo não poderia se mover, o fardo se acumulando em sua mente estava minando qualquer vontade de se mover.

“Até sua vida absurda de continuar puxando o palito menor terá suas cortinas fechadas aqui. A razão para isto vem como resultado de suas próprias mãos, você é mesmo tola.”

Shizuku não respondeu. Eles estava quieta enquanto olhava para sua cópia branca. Com uma aparência com ferimentos por todo o seu corpo sem nem mesmo se contrair, ela parecia até ter parado de respirar.

“Há algo que você quer dizer em seu último momento, eu me pergunto? Vou gravar na parede de gelo para você. Cada um dos espaços estão conectados uns com os outros neste local, então se a sorte estiver do seu lado, alguém que superou o desafio pode chegar aqui e encontrar seu último desejo, sabia?”

— …

Shizuku não respondeu. Em troca, em suas bochechas, lágrimas começaram a escorrer. Grãos de luz estavam silenciosamente seguindo por suas bochechas, criando uma mancha em seu colo gota a gota.

A própria Shizuku não estava certa do motivo das lágrimas que estavam escorrendo desta forma. Era terror porque ela pressentiu sua própria morte? Era desespero por ela perder seu futuro? Era humilhação por todas as coisas ditas a elas? Era tristeza por ser incapaz de se encontrar de novo com suas pessoas importantes… ou quem sabe, todas as opções?

Enquanto encarava em silêncio, a sósia branca trouxe sua espada para trás com força. Ela estava em uma postura agachada, sua mão que ainda segurava a bainha projetada para mirar. Seu alvo era a cabeça da Espadachim.

O fio da katana branca era o mesmo da katana negra. Era possível ter sua vida encerrada sem sentir qualquer dor ao transpassá-la em sua testa.

O súbito aumento na intenção assassina e o golpe final estava diante de seus olhos.

Na frente da ponta da espada que estava apontada para ela, algo dentro de Shizuku estava brotando. Sua boca se abriu e se fechou, tentando expressar essa emoção sem se importar com sua própria reputação ou aparência.

— … eu, ainda… não quero… morrer.

“…”

Não havia como alguém escutar essas palavras neste local. Essas eram apenas palavras sinceras de seu desejo de viver. Que ela ainda não queria morrer. Ela queria rever… sua melhor amiga, seus companheiros, e então, a pessoa por quem ela se apaixonou nesta terra de outro mundo. Mais uma vez.

Porém, ela não era mais capaz de se levantar. Porque tanto seu corpo quanto seu coração estavam completamente esgotados.

Foi por isso que…

— Me… aju-de… al-guém… me aju-de… por favor…

Ela desejou por ajuda enquanto chorava como uma criança. Shizuku sempre foi alguém em quem você poderia confiar, depender, e ela sempre dava sua ajuda aos outros. Ela nunca fez nada como reclamar, pedindo pela ajuda de alguém enquanto chorava, dizendo que não poderia fazer mais nada, que ela não poderia mais se levantar.

Na realidade, ela sonhava em ser “uma garota que era protegida como uma princesa”, mas embora ela buscasse por isso, ela foi compelida pela necessidade a se aperfeiçoar, e então seu papel acabou se tornando o de um cavaleiro. Antes que ela se desse conta, ela até tolerou esta versão dela mesma sem nenhuma insatisfação, contudo… como era de se esperar…

“Que lamentável. Usar essas palavras quando já é tarde demais.”

Seus verdadeiros sentimentos que escaparam no fim foram ignorados sem clemência por seu outro ego.

E assim, a sublime intenção assassina foi emitida da Shizuku branca. A Espadachim fechou seus olhos com força. A brutal lâmina branca foi desferida contra sua testa, para tomar sua vida.

— ???

“… isto é impossível.”

Não importava quanto tempo se passava, sua morte não chegou. No momento que ela fechou seus olhos, ela sentiu que suas costas ficaram mais leves de repente, mas ao invés de algo tão mundano, neste momento, sua atenção foi atraída para a voz aturdida da Shizuku branca.

A garota timidamente abriu seus olhos.

Logo ali estava…

— Eh, eh?

— Céus, que sincronia foi esta? Não me diga que este é o objetivo do próprio Grande Calabouço.

Lá estava a lâmina branca que parou pouco antes de tocar a pele da garota e o braço metálico que a prendia no lugar. Com sons de rangidos, um braço artificial de metal que ela já tinha visto antes estava se aproximando de trás dela e segurava com firmeza a lâmina branca, parando a arma pela distância de um fio de cabelo da aluna.

A queixa que ela pôde ouvir ao mesmo tempo fez Shizuku arregalar seus olhos, e ela se voltou para trás, olhando por sobre seu ombro. Lá, ela viu uma passagem onde a parede de gelo desapareceu antes que qualquer um percebesse, Hajime, que parecia ter entrado por ali, apareceu, se abaixando para apoiar o corpo de Shizuku com um abraço.

— Na-Nagumo, kun?

— … chih, você está bem arrebentada.

Hajime olhou para baixo, para sua colega, com mau humor, em seguida ele encarou a Shizuku branca com um brilho bestial. E então faíscas vermelhas saíram da mão artificial segurando a katana branca. Logo a seguir, a mão artificial começou a vibrar com alta velocidade que ela até ficou desfocada.

KIIIIIIIIIII!!

“… isto…”

Um som peculiar podia ser ouvido. Ao mesmo tempo, a lâmina branca rachou. A perplexa Shizuku branca recobrou seus sentidos com um “Hah” e puxou seu braço para trás, tentando recuperar sua katana, mas… no momento seguinte, a katana branca foi pulverizada pela metade assim que foi esmagada.

Sem parar, o Sinergista mirou sua mão artificial contra a cópia branca e de sua palma balas explosivas foram disparadas. Um impacto intenso atacou a Shizuku branca junto com uma onda vermelha, lançando-a para trás.

Além disso, Hajime pegou as broca de cruz e as deixou voar na direção da Shizuku branca para atacá-la. Ele não tinha nenhuma intenção de matá-la porque esta não era sua batalha. No fim, ele só estava ganhando tempo.

Para separar os dois lados, sete brocas de cruz dispararam balas de espingarda enquanto cooperavam de forma habilidosa. Enquanto sentia os estrondosos rugidos ao longe, Shizuku encarou o rosto de Hajime, que estava apoiando as costas das garotas.

Era como se ela estivesse vendo um sonho, que na realidade ela foi morta e o Hajime diante de seus olhos era apenas um fantasma de seu cérebro exibido antes de ela morrer. Ela temia que no momento seguinte, ele iria desaparecer.

O Sinergista pegou um contêiner em forma de tubo de sua Caixa do Tesouro enquanto a Espadachim estava assim. Ele abriu a tampa e, sem reservas, enfiou o item na boca de Shizuku que estava aberta em sua distração.

— Nmuh!?

— Não cuspa. Beba como se sua vida dependesse disso.

Os olhos da garota dardejaram e ela quase cuspiu o objeto estranho que subitamente entrou em sua boca. Para que isso não acontecesse, Hajime a abraçou com ainda mais força para que ela ficasse incapaz de resistir enquanto a forçava a beber a água sagrada.

Shizuku entrou em pânico por um momento, mas sendo abraçada com força por Hajime, com seu calor sendo transmitido a ela, fez com que a garota paralisasse e surtasse neste momento. Enquanto segurava o tubo na boca dela, a aluna encarou o rosto do rapaz que estava mesmo muito perto. Por fim, ela conseguiu compreender que isso era a realidade e que foi salva por um triz. Ela não conseguiu desviar seu olhar enquanto pensava que foi aprisionada pelos olhos de Hajime.

Pouco depois, o corpo da Espadachim, que engoliu toda a água sagrada, foi curado por completo de todos os ferimentos, a cobrindo como se tudo não passasse de uma mentira. No entanto, o sangue que ela perdeu não poderia ser recuperado sem o uso da magia de regeneração, assim, isso não mudava o quão fraco seu corpo estava.

— Você é mesmo… Nagumo-kun?

— Eu parece outra pessoa?

— Ma-mas, por-por que você está, aqui, eu…

— Se acalme. Eu terminei meu próprio desafio e quando passei pela passagem que apareceu, eu acabei aqui. Muito provavelmente, cada espaço está conectado um com o outro. Bem, pensei que era bom demais para ser verdade que apareci atrás de Yaegashi.

— En-então, Nagumo-kun está mesmo… eu…

Talvez por causa da dor de seu corpo desaparecendo, ela sentiu de verdade que escapou da morte, desta vez, lágrimas de alívio escorreram de seus olhos. E assim, com seu corpo ainda abraçado, como se para confirmar a existência dele, era como se a garota não pudesse ver nada além de Hajime. A mão de Shizuku lentamente se esticou até a bochecha do Sinergista. Contudo, pouco antes de sua mão o tocar, sua expressão se distorceu com pesar e sua mão recuou.

Além disso, como se para dizer que ser abraçada por ele fosse algo que não devesse acontecer, ela empurrou sem força o peito de Hajime e tentou tomar distância. Ela esfregou suas lágrimas com sua manga e desviou seu rosto por completo do rapaz.

Olhando para o estado de Shizuku que era muito estranho, o Sinergista imaginou que ela foi muito humilhada pela imagem falsa, ele deu um olhar para a cópia branca que lutava com as brocas de cruz usando sua katana branca que deveria ter estar quebrada, mas agora tinha se recuperado, e o garoto abriu sua boca.

— Vamos lá, todos os seus ferimentos já se recuperaram. Agora está na hora da revanche. Acabe com ela depressa.

— Aa. Ma-mas, eu… eu não posso vencer contra aquilo, então…

Shizuku olhou Hajime com um olhar comedido enquanto dava uma desculpa. Essa aparência da Espadachim que ele nunca viu fez o Sinergista olhar para o céu pensando: “Isto não é apenas ser humilhada, até o coração dela está quebrado!”. Ele pensou que entre os quatro do grupo de Kouki, ela fosse a mais forte mentalmente, assim, sendo sincero, isto era inesperado.

A Shizuku branca tirou proveito da abertura das brocas de cruz e aos poucos diminuía a distância. Não fazia sentido se Hajime a derrotasse, então as armas se moviam com um padrão simples, e parecia que a cópia branca estava prevendo isso.

A Espadachim mostrou um olhar assustado ao ver seu outro eu se aproximando.

Isso não era de seu feitio. A cena não era nada parecido com ela. Possivelmente, se esta fosse sua verdadeira forma… o Sinergista franziu o cenho com a Espadachim assustada que não podia se levantar e encarou seus olhos humilhados. E então ele começou a encarar ela com um rosto muito sério.

— Na-Nagumo-kun? Err, aquela coisa está…

— Yaegashi. Não se preocupe.

— Eh?

Shizuku estava afobada com o inimigo se aproximando, mas ouvir isso enquanto era encarada por um rosto tão sério fez o sangue inconsciente se acumular em seu rosto.

Na frente de tal Shizuku, de forma abrupta, Hajime pegou uma certa coisa de sua Caixa do Tesouro.

Isso era…

— Muito bem, pegue isto. Esta é a “Máscara Rosa Mark II” que fiz para você.

— … Nagumo-kun?

Enquanto o dava um olhar de desdém e sentia raiva por essa coisa aparecer neste momento, ela sem querer esqueceu seu estado de espírito fraco. O design elaborado da máscara rosa que cobria todo o rosto foi empurrado para ela à força. Vendo que a máscara chamativa de repente surgiu e agora estava sendo empurrada contra seu corpo real, até a Shizuku branca parou em vigilância.

Dando a cópia branca um olhar, o Sinergista continuou impondo a Máscara Rosa Mark II com persistência a Espadachim.

— Nagumo-kun! Este não é o momento para ficar brincando! Ela está vindo para cá!

— Desculpe-me. Mas não estou brincando. Escute bem, se você vestir está Máscara Rosa energizada, sua capacidade de percepção aumentará em três vezes. Com isto, você pode vencer até contra aquilo.

— Qu-que especificação exagerada e sem sentido, como de costume…

— Bom, você quer isso, não quer? Se você acha que não pode vencer sem isto, então a aceite sem reservas.

— Não preciso disso! Posso vencer mesmo se não vestir esse tipo de coisa! Ou melhor, se eu vestir uma coisa dessas vou estar lutando como uma lunática! Quem pode ser tratada como uma degenerada pela segunda vez por causa desse troço!?

Com uma expressão constrangida, Shizuku reclamou de Hajime com ferocidade, que estava enfatizando seu item premiado com um olhar sério. A Espadachim esfregou sua têmpora como se estivesse resistindo a uma dor de cabeça.

Esse gesto e seu tom eram os mesmos de sua personalidade usual. Hajime sorriu para Shizuku, que estava o encarando até agora, e guardou a Máscara Rosa Mark II de volta em sua Caixa do Tesouro. E então, ele disse para a perplexa Espadachim.

— Isso mesmo. Você pode vencer, mesmo sem este tipo de coisa.

— … eu, eu estou…

Apesar de estar fazendo uma cara de quem tinha comido algo amargo pela facilidade com que ela foi provocada pelo estímulo do colega, a Espadachim não poderia dizer nada. Ignorando isso, Hajime adicionou mais algumas palavras.

— Yaegashi. Não se esqueça. Aquela coisa com certeza é outra de suas faces, mas isso não é tudo dentro de você. Ela não passa de uma parte feita de suas emoções negativas. Os sentimentos importantes devem estar em posse da Shizuku Yaegashi diante de meus olhos. Isso não está correto?

— A coisa… que eu possuo…

Memórias inundaram o cérebro de Shizuku. Havia o sorriso sincero de sua família cada vez que ela crescia. A vez em que ela ajudou alguém junto de Kouki e o resto do grupo. A vez em que a pessoa que eles ajudaram os agradeceu com seu coração, como ela foi capaz de conhecer Kaori exatamente por causa daquele momento de dor. E todas as outras muitas coisas que eram difíceis de descartar e que ela não poderia esquecer, repletas de calor e gentileza.

Por que ela não conseguiu se lembrar nem mesmo de um pouco disso até agora… a resposta era óbvia. Isso se devia a voz sussurrante que ela esteve ouvindo desde que eles colocaram os pés neste grande calabouço, pouco a pouco guiando sua consciência.

A luz da determinação voltou aos olhos da Espadachim. Acendendo a luz que estava fluindo por seus quatro membros.

— Você está aceitando as palavras daquele tipo de coisa, isso também é prova de que você está encarando isso de forma correta. Afinal, um verdadeiro inútil só se tornará rebelde ao ouvir isso. O que está faltando é o que você quer fazer? Isso é tudo. Você só está sendo séria demais. Só aceite isso com mais irresponsabilidade, irresponsabilidade. Por ora, se você quer apenas sobreviver, você pode lidar com isso mais tarde, não importa quantas vezes, da forma que você quiser.

— Nagumo-kun…

— A propósito, eu estou do lado dos inúteis. — Hajime disse enquanto encolhia os ombros, ao mesmo tempo, ele começou a recolher suas brocas de cruz. Ele já tinha ganho tempo o bastante.

Enquanto sentia o olhar de Shizuku nele, o Sinergista se apoiou na parede de gelo e cruzou seus braços. E então ele enviou suas palavras enquanto olhava para a garota. O próprio Hajime não fez isso de propósito, mas com toda certeza, essas palavras foram as que a Espadachim mais queria ouvir.

— Vou ficar assistindo daqui.

— …

— Você pode continuar o desafio até vencer. Enquanto eu estiver aqui, você não irá morrer. Eu não vou deixar você morrer. Está tudo bem.

— … com isso… está tudo decidido.

Essas últimas palavras ficaram apenas dentro de sua boca e não chegaram nem mesmo aos ouvidos da própria pessoa. De forma natural, elas não deveriam chegar até o Sinergista, mas, pensando bem, que tipo de expressão ele faria se ouvisse isso? Shizuku imaginou isso, e então ela deu uma risada, pensando que com certeza o rapaz mostraria uma expressão problemática.

E assim, ela pensou que Aiko-sensei e Liliana também eram como ela, sem dúvida alguma, para se apaixonarem por esse tipo de homem desagradável, isso a fez sentir estranhamente entretida sobre o que havia de errado nela.

Parecia que o eu dela até agora era apenas uma mentira. Ela se levantou com um leve pulo como se seu corpo fosse uma pluma. E então, ela abraçou a katana negra que foi um presente do Sinergista com força em seus peitos antes de encarar sua imagem falsa com uma expressão determinada.

Com suas costas para Hajime, a Espadachim perguntou baixinho, mas com um pouco de doçura em seu tom.

— … você vai ficar observando, certo? Me observando?

— Sim.

— Você irá me proteger quando eu precisar, não irá?

— Sim.

— Entendo. Portanto… estou indo.

— Isso. Vá pegá-la.

Seu sangue perdido não foi recuperado. Na verdade, mesmo agora, ela sentia que iria desmaiar pela perda de sangue. Porém, seus passos estavam muito mais decididos comparados a quando ela entrou neste espaço pela primeira vez.

Ela encarou sua imagem falsa. A Shizuku branca estava em silêncio, esperando com sua espada embainhada.

“É sério, flertando na frente do inimigo? Você tem mesmo coragem.”

— É mesmo? Isto foi culpa de Nagumo-kun. Não estamos flertando. Apesar de achar que seria ótimo se pudéssemos fazer isso.

“Ora, ora, como pensei, você está traindo sua melhor amiga. E então, para sua rival no amor, você…”

— Vamos parar com esta conversa improdutiva. Não faz sentido algum continuar neste solilóquio. Vou sobreviver, então me encontrar com Kaori e os outros mais uma vez. Todo o resto começará a partir daí.

“…”

Essa inabalável Shizuku calou sua cópia branca. E então ela notou como sua força foi enfraquecida pouco a pouco. Em outras palavras, a Espadachim estava consciente de suas próprias emoções e ela começou a aceitar isso…

— Talvez eu tenha uma disputa com ela, talvez eu a faça sentir um choque horrível. Ela pode até me desprezar. Porém, não vou desistir. Vou te mostrar que eu posso obter o melhor resultado para mim. Vou desafiar isso, não importa quantas vezes. Eu com certeza não vou desistir.

“No fim, você vai ser uma lutadora?”

— Acho que sim. Mas, por dezessete anos, estive vivendo esse tempo todo dessa forma, então já é tarde demais. Com certeza vivi até agora sufocando várias coisas, mas o que obtive como resultado disso também é algo importante que não posso abandonar. E assim, acredito que a partir de agora, também vou obter as coisas mais encantadoras … porque parece que até uma lutadora pode ser protegida por alguém que é muito mais forte do que eu.

“Até o fim, isso ainda é uma razão indireta como ‘porque ele é uma pessoa importante para Kaori’, não é? Não há dúvidas disso.”

— Mesmo assim, neste momento, eu não me importo.

Shizuku abaixou um pouco sua cintura, ela recuou um de seus pés com o outro inclinado para a frente, assumindo a postura para sacar a espada com rapidez.

— Não tenho mais forças restando. Um ataque. Vou colocar tudo neste único ataque. Resista a isto se você puder.

“Fufu, entendo. Que espírito magnífico. É sério, que momento ele escolheu para aparecer. Alguém que está presente no momento essencial, no lugar certo… pensei que algo como isto só existisse em histórias de fantasia.”

A presença emitida pela Espadachim ficou ainda mais intensa. Com seu corpo que havia atingido o auge da fadiga devido ao fardo mental e ao sangramento, com toda certeza, ela só poderia colocar tudo que tinha em único ataque. Era exatamente um ataque onde ela apostaria tudo.

Por um instante, a Shizuku branca mostrou um sorriso irônico para o homem apoiado na parede e que reviveu a garota como uma fênix no último instante. Com certeza, aquele sussurro também era algo que a Espadachim sentiu.

A cópia branca também abaixou sua cintura de forma parecida e assumiu a postura para um saque rápido.

A pressão rapidamente aumentou. A determinação emitida para derrotar a oponente parecia capaz de cortar a outra por si só e vinha de ambos os lados. Diferente do ar gelado, o frio cortante preencheu o espaço do ambiente.

O coração da garota estava calmo como um rio dentro de uma floresta. Porque em suas costas, ela sentia uma enorme presença. Porque ela entendia que ele estava olhando diretamente para ela. Porque a garota acreditava que no caso de um evento improvável, ele a protegeria.

— … fuh.

“Haah!!”

Elas avançaram ao mesmo tempo.

Seus rabos de cavalo esvoaçaram como estrelas cadentes, Shizuku e sua cópia branca se cruzaram.

E então, elas permaneceram sem se mover a alguns metros de distância uma da outra com suas costas viradas para a oponente.

E, naquele momento, um som farfalhante podia ser ouvido, o rabo de cavalo de Shizuku foi desfeito. O cordão que prendia seu cabelo foi cortado. Foi por causa do golpe da espada, ou talvez porque ele estava se deteriorando devido as inúmeras lutas…

No meio da tensão que se tornou silêncio preenchendo o ar, aquela que embainhou sua katana… foi Shizuku.

Chin! No momento que o breve e agradável som da bainha ressoou, a cópia branca escorregou em câmera lenta. Seu corpo foi dividido em dois. Dessa forma, a figura oscilou e desfocou antes de derreter e desaparecer no ar. Seu rosto visto de lado parecia sorrir com satisfação.

Logo após isso, o corpo da Espadachim escorregou para o lado, e ela desmoronou. Ela ficou incapaz de continuar de pé após sentir o alívio de se livrar da extrema fadiga e nervosismo.

Porém, Shizuku não atingiu o chão duro.

— Esplêndido. Como sempre, que esgrima admirável2.

— Nagumo-kun… fufu, você também pode continuar se apaixonando?

— O que você está dizendo?

— Oras, que lamentável.

Com gentileza, Hajime abaixou Shizuku até o chão.

Após ela fazer essa piada, um terceiro caminho da passagem por onde a garota passou e o caminho por onde o Sinergista veio derreteu da parede.

— Yaegashi, você está com dificuldade para caminhar?

— Parece que sim. Preciso descansar um pouco. Porém, nada pode ser feito sobre a perda de sangue, então eu preciso que alguém use magia de regeneração em mim. Em todo o caso, não posso me mover corretamente agora… portanto, Nagumo-kun, tome conta de mim, tudo bem?

— Aa?

— Me carregue em seus braços, entendido?

— … Yaegashi, você mudou um pouco? É como se você não fosse mais reservada, ou ficou descarada…

Para Shizuku, que abriu os braços exigindo ser carregada em seus braços, Hajime apenas devolveu um olhar um pouco perplexo. A Espadachim riu enquanto balançava para trás se divertindo seu cabelo preto liso.

— Só estou pensando que fiquei um pouco mais honesta. Ao invés de se preocupar com isso, vamos logo nos reunir com os outros. É verdade. Nagumo-kun, será que você pode criar um artefato encantado com magia de regeneração? Você também incluiu essa função na katana negra, mas o efeito é insignificante.

Hajime inclinou a cabeça devido à mudança de sua colega, enquanto pensava que, na verdade, não era possível saber se algo aconteceria até que eles se reunissem com Yue e os outros, então ele respondeu ao pedido dela, porque seria melhor se ela se recuperasse o mais cedo possível. Shizuku fez um pedido a mais enquanto ele pegava o material da Caixa do Tesouro.

— Enquanto você está nisso, você pode me fazer um enfeite de cabelo? Veja, o meu elástico foi cortado. É melhor que seja algo fofo. Algo parecido com o cristal de neve que você deu de presente para Yue e as outras.

— … que colega exigente. Parece que você está mesmo mais soltinha, hã?

Mesmo enquanto reclamava, Hajime pensou: “Bem, vamos fazer isso como celebração pelo sucesso”. Ele usou um cristal parecido com pérola que possuía uma leve radiância que tinha alta afinidade com poder mágico, criando uma presilha de cabelo. Era parecida com incontáveis frutas juntas, talvez como gotas do orvalho da manhã em uma folha, uma fila de lindas joias.

— É lindo…

— Aqui, está bom assim, não está? Vamos logo depois que você a colocar.

Por um tempo, Shizuku olhou em êxtase para o grampo de cabelo regenerativo criado em menos de um minuto, mas ela amarrou o cabelo em um rabo de cavalo em pânico depois que Hajime a apressou.

— … como estou?

Com bochechas vermelhas, Shizuku olhou para ele e fez essa pergunta. A perplexidade de Hajime aumentou, assim que ele começou a pensar em algo estranho.

— … ela deixa a desejar em comparação com a verdadeira magia de regeneração, mas não há problemas quando eu acoplo a magia no item para curar a carne.

— … mas não foi isso o que eu perguntei.

É claro que o Sinergista entendia bem o que a Espadachim estava o perguntando. Porém, por algum motivo, esta conversa deu ao rapaz uma sensação de déjà vu. Era como se isso fosse o mesmo que aconteceu com a aura que Aiko o mostrou na Montanha de Deus… sim.

Enquanto suspirava profundamente com o rapaz bancando o tolo, — Bom, acho que não há o que fazer. — Shizuku encolheu seus ombros antes de esticar suas mãos. Nenhuma palavra foi dita e o segundo pedido para ser carregada foi feito.

De qualquer forma, era certo que a Espadachim não poderia se mover sem dificuldade, assim, com relutância, o Sinergista ia pegar a pedra de gravidade da Caixa do Tesouro, mas a aluna o atingiu com um soco.

— Se você está planejando me crucificar como fez antes vou ter que me opor com firmeza a isso. Quando sairmos deste grande calabouço, vou espalhar por aí o rumor de que Nagumo-kun sofre de um sério caso de uma certa doença.

— …

É claro que era óbvio a que tipo de doença Shizuku estava se referindo com base no local em que seu olhar estava mirado. Seu cabelo, tapa-olho, braço artificial, o olhar da colega se movia alternadamente nessas coisas.

Em silêncio, Hajime guardou a pedra de gravidade. Nesse caso, ele imaginou que ela também recusaria ser carregada em uma maca. Parecia que ela queria mesmo ser carregada nos braços do rapaz.

Este egoísmo estranho de Shizuku estava cada vez mais aumentando o mau pressentimento no peito do garoto. Contudo, eles também não poderiam permanecer no local por mais tempo. Ele também queria ser poupado de um ferimento letal causado pela Espadachim, assim, de modo relutante, o Sinergista se agachou enquanto mostrava suas costas diante dos olhos da garota.

— Muu, seria melhor ser carregada no colo como uma princesa, mas… não há o que fazer.

“O que você quer dizer com ‘não há o que fazer’?”, selando tal contestação no fundo de seu coração, Hajime se levantou enquanto ignorava ao máximo o peso e a sensação suave transmitida em suas costas. Sem perder tempo, Shizuku envolveu com força seus braços ao redor do garoto. Seu corpo também estava se pressionando contra ele com o máximo de força possível.

Hajime se levantou, ainda sem dizer nada, ele entrou na passagem recém-aparecida e começou a caminhar. Ele imaginou que esta passagem também estava conectada ao espaço de outra pessoa.

Então, uma voz sussurrante o alcançou. Não era o sussurro do labirinto. Era a voz de Shizuku que continha muita doçura. Ela estava falando em seu ouvido em uma postura onde colocava sua cabeça no ombro de Hajime.

— Ei, Nagumo-kun.

— Hmm? O que é?

— Você ouviu a conversa entre mim e meu outro ego?

— Não, eu estava longe demais, suas vozes também estavam baixas.

Hajime sacudiu sua cabeça para a pergunta da colega. Shizuku murmurou: — Entendo… —, então ela mostrou um gesto de estar pensando sobre algo. E assim, ela mostrou sua palma na frente dos olhos de Hajime enquanto abria sua boca mais uma vez.

— Esta mão, ela está calejada de tanto segurar uma espada, não está? Como imaginei, esta não é a mão de uma mulher.

O Sinergista não entendia a intenção da pergunta e sua expressão foi tomada pela dúvida, mas por ora, ele enviou seu olhar para a palma da Espadachim diante de seus olhos. Com toda certeza, a pele da palma da mão da garota parecia grossa e dura. Essa era a prova de muitos anos gastos aperfeiçoando sua habilidade.

— Se você acha que uma mão suave sem nenhum arranhão é a “mão de uma mulher”, com certeza esta mão não se encaixaria nessa descrição.

— …

— Porém, eu acho que essa é uma bela mão.

— … sério?

— Sim. Comparado com a mão de alguém que nunca carregou nada mais pesado do que um hashi, esta mão é muito mais bonita.

— …

Ouvindo essas palavras, a palma da mão exposta de Shizuku de repente se fechou com força formando um punho, escondendo a palma como se de repente ficasse envergonhada. Ao mesmo tempo, a força de seu braço abraçando o garoto ficou mais forte.

— Nagumo-kun, obrigada por ter vindo me salvar.

— Não é como se eu tivesse aparecido para te salvar. Isso foi apenas uma coincidência.

— Fufu, a outra eu disse isso. Foi como uma história de um conto de fadas. Até daquela vez em Orcus e na vez no palácio também foi assim. Você não esteve mesmo escolhendo o momento certo?

— Não fale esse tipo de estupidez. Nessas ocasiões, eu cheguei por muito pouco… não, naquela vez com Kaori, podemos dizer que eu estava atrasado. De qualquer forma, não há nada pior para o coração quando pensamos nessas situações. Eu queria ter mais tempo à disposição para evitar o que aconteceu aqui.

Shizuku soltou uma risada para o garoto irritado.

— Sabe. Por dentro, sou muito feminina. Na verdade, ao invés de esgrima, eu queria brincar de casinha, eu ansiava por algo como uma princesa que é protegida pelo garoto legal. Mesmo no Grande Calabouço Haltina, quando fui puxada para o mundo dos sonhos, eu era uma princesa que experimentou uma história de amor com um cavaleiro. Mas, como esperado, essa foi realmente uma história dolorosa que não posso contar a ninguém.

— Isso com certeza deve ter sido doloroso.

Shizuku sorriu sem graça dizendo: — Há uma maneira melhor de dizer isso. —, enquanto cutucava a cabeça do garoto, expressando sua impressão honesta sem piedade.

— Bem, você está se perguntando o que eu quero dizer, não está? Como eu sou assim, estou muito grata a Nagumo-kun que sempre apareceu quando eu estava em perigo, é isso o que quero dizer. Quando você me disse que estaria assistindo, e também quando falou que não me deixaria morrer, me senti muito grata.

— … você está exagerando. Se Yaegashi morresse…

— Kaori ficaria triste, não é? Eu sei disso. Essas ocasiões não foram por mim, você fez tudo pelo bem de Kaori.

Shizuku cortou as palavras do Sinergista. Não havia sinal de autodepreciação no que ela estava dizendo. Ela estava apenas dizendo a verdade, seu ar era bastante indiferente.

Com certeza, foi como ela disse, mas a forma como a Espadachim falou parecia indicar que “Se fosse por Kaori, ele faria qualquer coisa, não faria?”, Isso o deixou insatisfeito e ele adicionou uma correção.

— … 80% foi por causa disso.

Shizuku ficou intrigada. Se ele disse que cerca de 80% era pelo bem de Kaori, então …

— E os 20% restantes?

— Bem, Yaegashi é uma boa companheira, não é? Eu não tentaria abandoná-la de propósito.

— …

Inesperadamente, se Shizuku estava em apuros, Hajime iria estender a mão para ela de bom grado. Entendendo que tais sentimentos existiam dentro do Sinergista, as bochechas da Espadachim estavam tingidas com um pouco de calor.

E então, ela enterrou seu rosto no pescoço do garoto enquanto elegantemente jogava uma bomba como sua melhor amiga costumava fazer.

— Nagumo-kun, eu quero logo me encontrar com o Kaori. Não apenas Kaori, mas também Yue, Shia e Tio. E então vou dizer a elas que eu me apaixonei por Nagumo-kun. Eu não sei o que vai acontecer, mas quero tentar ser um pouco mais honesta e lutar pelo que desejo.

— É mesmo? Se esse é o caso então, vamos apen-… ei, Yaegashi, agora mesmo, você…

— Nagumo-kun, estou um pouco… cansada. Me proteja… direitinho… tá?

Na orelha de Hajime, o som suave da respiração de uma pessoa dormindo podia ser ouvido. Parecia que ela havia adormecido, confiando seu corpo ao Sinergista. Sua habilidade de deixar para trás uma bomba logo após ceder ao cansaço era um feito exatamente igual aos de sua melhor amiga.

O garoto franziu a sobrancelha antes de segurar a Espadachim enquanto continuava a andar em silêncio. Dentro de seu coração, o rapaz segurava a cabeça perguntando: “Como as coisas chegaram a isso?”

Não notando como as bochechas de Shizuku ficaram vermelhas como uma maçã…


Tradutor:



Notas

[1] Kendo (literalmente “caminho da espada”) é uma arte marcial japonesa moderna, desenvolvida a partir das técnicas tradicionais de combate com espadas dos samurais do Japão feudal, o Kenjutsu. O praticante de kendo é chamado de kenshi ou kendoka.

[2] O kanji usado para a palavra “admirável” também pode ser usado para o termo “se apaixonar”.



Fontes
Cores