Arifureta – Capítulo 139 – Labirinto


Se espalhando abaixo deles estava um vasto labirinto.

Era um enorme labirinto dentro de um Grande Calabouço. Essa era a cena que eles agora observavam da saída da passagem.

As paredes acima formavam uma abóbada. O labirinto podia ser facilmente confundido com um parque de atletismo se não fosse por seu tamanho absurdo. Baseado apenas no que se podia ver, o labirinto tinha pelo menos um quilômetro de profundidade. Eles não poderiam ver nada muito longe por causa da nevasca, mas como a largura do ambiente parecia ter pelo menos dez quilômetros, podia se imaginar que a profundeza não seria menor.

Da saída da passagem onde o grupo estava no momento, havia escadas levando para baixo, para o labirinto. No fim das escadas havia uma entrada com forma de arco para o local. Parecia que após entrar no labirinto, chegar até a saída seria o segundo desafio do Grande Calabouço.

— O quê? Temos que passar por um labirinto insanamente gigante? Que irritante!

— Ryutaro, não há o que fazer. Isto é parte dos desafios.

— Mesmo assim!

Ryutaro odiava banalidades. Enquanto olhava para o labirinto abaixo, sua expressão se distorceu em uma de completa irritação. Kouki, enquanto forçava um sorriso, estava tentando acalmar seu amigo, apenas para receber um olhar insatisfeito em resposta.

Então, nesse momento, Ryutaro de repente sorriu. Parecia que ele pensou em alguma coisa.

— Ei. Eu acabei de pensar em algo bom. Agora que estamos em um espaço aberto, vamos apenas passar por isso voando!

Sem dizer uma palavra, mas com uma cara que parecia dizer: — Já sei! —, Ryutaro usou “Aerodinâmica” e saltou no ar.

— Idi-idiota! Volte aqui!

— Ryu-Ryutaro-kun!

Shizuku e Suzu tentaram com impaciência conter Ryutaro, cuja imprudência não tinha limites.

Kouki também reagiu na mesma hora tentando detê-lo, mas já era tarde demais.

Parecia que o Lutador ficou um pouco animado com a aparente facilidade de escapar do desafio. O cérebro de músculos que sempre agia sem pensar parecia ainda mais imprudente do que o usual desta vez. Ser sempre positivo e ativo podia ser considerado um dos pontos fortes de Ryutaro, mas como ele com frequência ia longe demais, no fim, isso acabava sendo mais um ponto fraco. E este tipo de fraqueza era fatal em um Grande Calabouço.

Hajime cruzou os braços enquanto encarava a imprudência de seu colega, que por fim atingiu o limite superior do Grande Calabouço.

Nesse momento…

Voonn!!

— Nuwaa!?

Um som que parecia dobrar o próprio ar ressoou, o espaço ao redor de Ryutaro praticamente estremeceu. Logo a seguir, o corpo do garoto desapareceu.

— Ryutaro!?

— Ah, não! Aquele idiota!

— Fuue!? O que vamos fazer!? Nagumo-kun, Ryutaro-kun Desapareceu!

Kouki e seu grupo perguntaram em um frenesi. Com um rosto à beira das lágrimas, Suzu pediu com desespero pela ajuda de Hajime.

Quanto ao Sinergista, ele estava se concentrando na informação fornecida por seu olho de pedra mágica e não parecia estar prestando a mínima atenção aos apelos por ajuda de sua colega. Ela foi ignorada por completo.

No momento que o ar se distorceu, o Olho Mágico de Hajime sentiu a ação de um poder mágico. Ao mesmo tempo, o Sinergista captou uma resposta mágica do canto de seu campo de visão e voltou seu olhar nessa direção. No fim de sua linha de visão, antes que eles percebessem, um prisma de gelo hexagonal estava pendurado no teto. Nesse mesmo local, um fenômeno similar de distorção do ar aconteceu durante o qual o prisma de gelo brotou do teto, revelando a figura de Ryutaro dentro do prisma.

— Ele está bem ali.

— Ehh?

— Quê?

— Onde!?

Todos reagiram a resposta de Hajime e acompanharam seu olhar. Então eles ficaram sem palavras. Isso aconteceu porque eles viram seu amigo de infância, que tinha desaparecido, dentro do prisma de gelo, parecendo um espécime em exibição.

Por outro lado, apesar de estar dentro do bloco de gelo, a expressão do Lutador ficou frenética, como se ele ainda mantivesse sua consciência.

Contudo, pensar que as coisas tomaram um súbito rumo para o pior seria um exagero. Lá dentro, Ryutaro não estava dentro de pedra, mas de gelo. Parecia que ele tinha ativado “Vajra” e estava tentando seu melhor para se libertar. Entretanto, ele parecia incapaz de se mover e estava sofrendo com cada fôlego que tomava.

Além disso, como se estivesse se certificando que o invasor estava sendo tratado de forma apropriada, incontáveis pingentes de gelo com pontas afiadas cresceram do teto ao redor.

— Isto-isto é ruim…

— Este padrão, isso é sem dúvidas…

— Awawa, tenho que acionar uma barreira agora mesmo.

De modo natural, os três alunos instantaneamente foram capazes de adivinhar para onde os pingentes de gelo que apareceram estavam apontando, e seus rostos ficaram pálidos.

Uma Suzu em pânico tentou criar uma barreira para protegê-lo, mas como o teto estava a 500 metros acima de suas cabeças, era difícil fazer isso com as coordenadas corretas com rapidez. Era por isso que levantar uma barreira em sua atual posição e lança-la contra Ryutaro poderia ser a melhor forma de resolver esse problema. Contudo, ela conseguiria fazer a tempo?

— Uuuun, mesmo com a barreira, parece que ele morreria com a sufocação cedo ou tarde… por que tinha que ser um pingentes de gelo perfurantes?

— Você não pode fazer nada sem ter que analisar as coisas com tanta calma!?

Shizuku retorquiu com um rosto que estava à beira das lágrimas enquanto Hajime inclinava seu pescoço em resposta.

O Sinergista estava pensando que os pingentes de gelo eram algum tipo de garantia para o caso de Ryutaro conseguir escapar, e que eles não iriam atacar imediatamente se fossem ignorados. Ele planejou compartilhar sua conjetura com os outros, mas parecia que Shizuku e seus amigos estavam mesmo muito inquietos com a situação difícil de seu companheiro.

O Sinergista encolheu seus ombros em resposta a Espadachim e voltou seu olhar para Yue e Kaori. Ambas deram um pequeno aceno, mostrando que entendiam as intenções de Hajime. Ou melhor, levando em consideração a velocidade em que o feitiço foi invocado, parecia que Yue imaginou o pedido do garoto antes mesmo que ele pudesse voltar seu olhar para ela.

— Transcender Fronteiras.

— Mou, não podemos fazer nada, já que o péssimo hábito de Ryutaro-kun nunca muda, não importa quanto tempo se passe…

O espaço diante dos olhos de Kaori se abriu e um portal de transferência apareceu. O luz do portal oposto brilhou do lado do prisma de gelo que aprisionava Ryutaro.

Com um sorriso irônico, Kaori lançou suas asas de prata e disparou um enorme número delas através do portal.

Após atravessarem o portal e esvoaçarem ao redor de Ryutaro, as penas de prata se agarraram ao prisma de gelo e começaram o decompuseram sem dificuldade.

Vendo sua presa escapando, como se estivesse tomando uma decisão própria, os incontáveis pingentes de gelo que surgiram do teto ao redor por fim começaram a se lançar contra Ryutaro.

No entanto, o prisma que estava coberto com penas como um casulo era por si só uma parede protetora devido ao efeito de decomposição das penas. Consequentemente, o grupo de pingentes de gelo que foi disparado do teto como os projéteis de uma Gatling Gun se tornaram névoa assim que se encontravam com as penas de prata, sem deixar nenhum traço de um único pedaço de gelo, e foi soprada para longe com o vento.

— Kaori, enquanto você faz isso, você cuida da punição dele. Decomponha a virilha deste imbecil.

Enquanto Kouki e os outros suspiravam de alívio após verem Ryutaro salvo pelas penas de prata de uma Kaori que tinha o corpo adequado tanto para ataque quanto para defesa, Hajime proferiu palavras impiedosas. A boca de Kouki estava se abrindo e fechando com uma cara que dizia: — Que punição assustadora!

— Vi-virilha… não tem como eu fazer uma coisa dessas! Ha-Hajime-kun, nada de perversão!

Para uma Kaori que entrou em pânico devido a seu equívoco com as palavras do Sinergista, Yue adicionou mais combustível ao fogo com um olhar frio.

— … o que exatamente é pervertido na decomposição da virilha de um idiota? Kaori, você reage demais a palavra “Virilha”, sua pervertida.

— Nã-não! Yue! Para fazer isso, eu tenho que tocar a virilha dele com minhas penas de prata, não é? Isso não é o mesmo que me dizer para indiretamente tocar as partes íntimas de Ryutaro-kun!? Isso é perversão!

— Não importa o que você diga, isso não muda o fato de que você teve uma reação exagerada com a palavra “Virilha” e seu rosto ficou vermelho. Sua pervertida.

— Yue só quer fazer parecer como se eu fosse uma pervertida, não é!? Eu-eu não sou alguém que tem qualquer interesse em coisas como virilhas!

— Ho… esta declaração também se aplica a virilha de Hajime?

— !? Is-isso, como posso dizer… eu apenas, apenas um pouco, umm…

— … nn. Como pensei, sua pervertida. Sua tarada por virilhas.

— Que horrível! Não importa como você olhe para isso, essa declaração é muito cruel! Hajime-kun, eu realmente não tenho qualquer interesse excessivo em virilhas! Eu juro!

— Aaaaa, nn. Entendi. Em primeiro lugar, foi minha culpa por começar esta conversa. Agora, vocês duas, parem de ficar falando sobre virilhas. Vejam, Amanogawa não parece capaz de aguentar mais disso. Taniguchi está a ponto de cuspir fogo. Yaegashi parece uma mãe vendo sua filha se tornando adulta.

Ouvindo isso pelo impressionado Hajime, Kaori se virou para Kouki e os outros. De fato, eles pareciam estar no exato estado que o Sinergista descreveu.

Kouki, com uma cara que dizia: — Para onde aquela pura e inocente Kaori que conheci foi? —, virou sua cabeça para longe, tentando escapar da realidade e seu olhar vagou em círculos. Suzu, enquanto ficava com o rosto vermelho, estava murmurando: — Adulta, Adulta…

E então, Shizuku, enquanto parecia um pouco solitária por dentro, olhava para sua amiga com um rosto afetuoso, como o rosto de uma mãe alegrando-se com o crescimento de sua filha.

A Curandeira estremeceu. Neste ritmo, ela seria considerada uma pervertida excessivamente interessada por virilhas por seus amigos de infância.

Ela entrou em pânico e deu um passo para a frente para se explicar. Nesse momento…

— Kyaaaaaaaaaaa!! Isso dóóóóói!!

Um grito penetrante veio do alto. Era a voz de Ryutaro. Assustados, todos olharam para cima. Não havia mais o bombardeio de pingentes de gelo. Em seu lugar, todos viram a cena do casulo prateado e brilhante. Eles podiam imaginar o porquê Ryutaro estar gritando. O Lutador deu um olhar a Kaori que parecia dizer: — Idiota.

— Ehh? Ah! Ryu-Ryutaro-kun, eu sinto muito!!

Com pressa, Kaori desfez o casulo de penas de prata.

Em seu interior, a cara esgotada de Ryutaro apareceu, seus olhos rolando dentro de sua cabeça.

O prisma foi decomposto há um tempo. Kaori, que estava ocupada tentando pensar em uma justificativa, se esqueceu por completo de cancelar o feitiço. Como resultado, Ryutaro, que estava lá dentro, também começou a se decompor.

O rapaz, desprovido de qualquer poder, começou a cair em queda livre até o chão. Suzu criou uma teia de luz para recebê-lo e então o levou para a atual localização do grupo.

Ninguém queria olhar Ryutaro, cujas roupas estavam esfarrapadas. Quando o Lutador musculoso meio nu foi exposto, todos desviaram os olhos em direções diferentes.

Hajime enviou um olhar para Kouki e os outros, que desviaram seus olhos, como se implicasse: — Amanogawa, vocês deveria ser amigos íntimos, não é… —, mas o Herói manteve seu olhar longe de Ryutaro e começou a examinar os arredores de modo não natural, como se procurasse por qualquer sinal de perigo.

As partes baixas de Ryutaro pareciam segurar, mas as roupas do local se foram. Amigos íntimos ou não, não era de se estranhar que todos eles desviassem os olhos.

Seus olhos rolavam dentro de sua cabeça e ele estava em um estado terrível. Este dia seria conhecido como o dia em que a virilha de 17 anos de idade foi exposta publicamente. Este dia iria sem dúvida permanecer como uma parte do passado sombrio de Ryutaro para sempre.

Com todas as suas forças, Kaori fechou seus olhos enquanto mantinha o olhar para longe, usando magia de regeneração para ajudar o abandonado Lutador.

— … Kaori, você é uma pessoa cruel. Raspar as roupas dele naquele lugar.

— Esse foi o resultado de você sendo maldosa e me distraindo mais cedo!

— … nn. Jogar a responsabilidade para outra pessoa é ruim. Agora assuma a responsabilidade e o cure sem desviar o olhar.

— Não, sem chances! Não há nada para ver! Não quero ver nada que não seja de Hajime!

— Como uma mestra em curas, você não pode fazer as coisas dessa forma. Agora, observe adequadamente. E queime isto em sua memória, a virilha de uma pessoa que não é Hajime.

— Nããão! Pare! Pare de me empurrar! Não me force em uma relação sexual que eu não desejo!

Enquanto Kaori era forçada a ajudar Ryutaro, Yue usou apenas a quantidade correta de magia do vento para tentar abrir os olhos da Curandeira. Apontando com precisão o exato local de seus olhos, além de possuir uma boa quantidade de poder, e, acima disso, sendo inofensivo para Kaori. Este era mesmo um feito possível apenas para Yue, que não merecia nada menos do que o título de gênio.

— Yue-san e Kaori-san, de certo modo, elas parecem se dar muito bem.

— Bom, tenho a sensação que Yue gosta de provocar Kaori, mas… é, elas parecem estar se divertindo, não parecem?

— Isto não é mais ou menos uma forma de amizade? Sempre brigando e assim por diante…

Hajime sorriu com a cena da luta infantil entre Yue e Kaori. Era diferente da relação que Yue e Shia compartilhavam. O Sinergista estava muito contente que Yue exibia um humor tão feliz.

Quando elas brincavam, ao invés de agir com a parte de irmã mais velha como ela fazia com Shia, ela falava com Kaori como se a garota fosse uma amiga. A diferença no comportamento da vampira fez Hajime se segurar mais do que o normal, e se fosse perguntado, o garoto diria que estava tudo bem porque essa era Yue.

O momento mais sombrio de Ryutaro se transformou em um jogo de punição para sua amiga de infância por ninguém menos do que a mulher por quem ele se apaixonou à primeira vista…

— … essa se tornou uma punição adequada.

— Isso é terrível…

— Ryutaro… eu sinto muito, eu sou impotente.

Para o quase inconsciente Ryutaro, Kouki mostrou uma expressão simpática… mesmo que ele ainda estivesse desviando seu olhar.

Cinco minutos mais tarde, após ele recuperar sua consciência e roupas, o Lutador se desculpou por agir de forma imprudente, o que o fez receber olhares brandos.

Enquanto Ryutaro tentava descobrir o que tinha acontecido, Kouki tentou enganá-lo com um pouco de ficção educada. Contudo, como Hajime sorria de modo cínico e ria dele, o garoto estava com nuvens negras pairando sobre suas costas, diferente de seu humor alegre de sempre.

O Herói tentou com desespero acalmar Ryutaro enquanto lançava olhares para Hajime e os outros que começavam a descer a escadaria.

— Yue, só para confirmar, há alguma forma de voarmos e escaparmos deste labirinto?

— … difícil, porque ainda não sou habilidosa o bastante, o consumo de mana seria alto demais para manter isso.

— Ah, bem, imaginei que seria assim. Parece que temos que passar pelo labirinto.

Hajime puxou Schlagen e a mirou contra a parede de gelo. Após ouvirem o disparo, todos olharam para a parede com surpresa.

A parede de gelo não era tão grossa para ser quebrada com Schlagen ou Orkan.

Entretanto, como Hajime esperava, após o brilho vermelho perfurar a parede, o gelo ao redor do buraco o restaurou em pouco tempo. A velocidade de restauração era ainda mais rápida do que a dos monstros de antes.

— … parece ser impossível derrubar as paredes para chegar ao objetivo mais rápido. — O Sinergista murmurou.

Enquanto ficava atento para qualquer contra-ataque do labirinto, ele pegou sua bússola com uma mão. Os outros o observaram em espanto, especialmente após o que tinha acabado de acontecer com Ryutaro, mas o rapaz os ignorou.

— Agora, vamos ver se este cara funciona de forma correta aqui dentro…

Apesar de todos ficarem tensos quando Hajime atravessou a entrada em forma de arco do labirinto… o Sinergista apenas observou a bússola em sua mão sem mostrar qualquer preocupação.

Logo na entrada havia um entroncamento em forma de “T” que levava para a direita e esquerda. A agulha da bússola mostrou uma leve mudança, apontando para a passagem da direita.

— Fumu, parece que não vamos ter nenhum problema no labirinto.

— Ah. O labirinto não será um labirinto graças a isto.

Hajime sorriu com ironia pela afirmação de Tio enquanto ela o acompanhava e atravessava o arco. Ele estava pensando que teria sido bom ter a bússola durante o Grande Calabouço Raisen.

— Uu, Miledi não teria sido um problema com isto.

— … nn. Talvez por isso ela foi confiada a Haltina.

Enquanto Shia respondia amuada e se abaixava para passar pela entrada, Yue e a garota-coelho chegaram a mesma conclusão do Sinergista, que a bússola foi deixada no Mar de Árvores por esse exato motivo.

Hajime acariciou cada uma delas nos ombros, oferecendo um conforto. Os três se olharam com sorrisos amargurados.

Com uma expressão de decepção por não compartilharem essas memórias, Kaori e Tio trocaram um olhar. Após um olhar para trás, o grupo avançou.

Com uma largura e um comprimento de dez quilômetros, quanto tempo seria preciso para concluir o labirinto de forma normal? Você teria que procurar no frio que o faria querer chorar. Seria preciso incrível força de vontade.

— Há uma… sensação forte de opressão.

— Sim. É porque as figuras de todos se refletem nas paredes, como se fosse uma casa de espelhos.

Suzu estava olhando com apreensão para a figura de dez metros de altura de Shizuku refletida nas paredes de gelo.

— Porque eles saíram das paredes mais cedo… é essa sua preocupação?

— Certamente. Esse é um labirinto gigante onde você vaga sem rumo. Se ou quando um monstro aparecer pode ser muito mortal.

— … nn, mas não há problemas.

— Isso mesmo, porque temos o Olho Mágico de Hajime e suas habilidades de percepção. Além disso, minhas orelhas de coelho não deixarão nenhum som de um ataque surpresa escapar.

Shia estava especialmente animada e confiante. Isso foi enfatizado quando ela bateu nos melões em seu peito fazendo um som de “ton”. A moral de Shizuku e Suzu recebeu um golpe, contudo, Kouki e Ryutaro foram incentivados após dar uma rápida olhada na garota-coelho.

É claro que Hajime estava com um olhar furioso. Após ficar consciente e admitir seus sentimentos por Shia, ele reagia com tais gestos com a garota-coelho.

— … Hajime?

Tosse. Ummm… no próximo viramos a esquerda, certo?

Dando um olhar gentil, Kaori tentou mudar o assunto com uma tossida. Hajime olhou para a bússola de forma desajeitada.

Após ver a reação do Sinergista, Shia cobriu seu peito com seus braços enquanto suas bochechas coravam e seu corpo tremia.

— É sério Hajime, o que você está dizendo? Você quer brincar com meus peitos de novo? Por favor, me perdoe por aquele sorriso provocador… bom, não é que eu não tenha achado incrível, e eu adoraria fazer isso de novo. Mas agora não é um bom momento! Se você fizer agora, vou desmaiar de novo e não seremos capazes de terminar de atraves-”

Para a confissão de Shia, todos voltaram os rostos para Hajime com uma expressão que dizia: — O que diabos você fez!? —; um misto de tremor, vergonha e inveja. O garoto fingiu não notar e usou seu direito de permanecer em silêncio.

— … Hajime… o que foi feito com Shia durante sua primeira vez? … Hajime besta selvagem?

— Se eu sou uma besta selvagem, Yue é a treinadora. Apesar de eu resistir e contra-atacar.

Enquanto ouviam a conversa de Yue e Hajime e pensavam: — Eles estão falando DAQUILO, não é? —; podia se dizer que a experiência do casal estava se acumulando, e a escadaria para a vida adulta foi consideravelmente percorrida.

Todos estavam agindo de forma suspeita, perdidos pensando se eles deveriam escutar esta conversa ou não, quando de repente, o Sinergista parou.

E puxando Donner em alta velocidade sem olhar para trás, ele atirou.

Dopan!!

A bala disparada passou sobre a cabeça de uma Suzu corada e em pânico e esmagou o braço com garras que estava crescendo sem fazer sons da parede.

— … !?

Graças a sua pequena estatura, apenas poucos cabelos foram perdidos. Ela perdeu sua voz enquanto o clarão vermelho passava, experimentando o poder total que foi liberado dele.

— Estão vindo, parede direita e esquerda.

Hajime deu um aviso enquanto ignorava os sons sufocados saindo de Suzu. Sua aparência era a de alguém já completamente no modo de batalha.

A partir das paredes ao redor, dedos com garras, ossos e tendões, uma estátua de gelo parecida com um Besouro Encouraçado apareceu.

GuoOOO!

GuoOOO!

GuoOOO!

GuoOOO!

GuoOOO!

Da direta e da esquerda, Ogros de Gelo atacaram. Kouki interceptou o lado direito enquanto Hajime cuidava do esquerdo.

Os ataques mortais de Shizuku e Kouki cortaram um Ogro de Gelo em dois. O primeiro ataque de Ryutaro esmagou o peito de um, e os outros dois foram cercados pela barreira mágica de Suzu.

Desta vez, a pedra mágica que os produzia infinitamente não apareceu em outro local. Um cristal vermelho-escuro apareceu dentro dos cortes e peitos esmagados. Kouki lançou um golpe contra ele.

O resto foi preso por Suzu e Shizuku os atacou.

Enquanto isso, Kouki e Ryutaro deram os golpes finais nos Ogros de Gelo com quem estavam lidando. Foi uma luta unilateral.

Se esquecendo da cautela, o Herói e o Lutador sorriram um para o outro, e então ouviram o grito de uma voz adorável…

— UryaaA!

Kouki, que se virou com pressa, viu as belas pernas de Shia dando um chute para o alto enquanto ela derrubava cinco Ogros de Gelo acima dos alunos.

Embora os monstros lutassem com desespero, os Ogros de Gelo não tinham a capacidade de voar e se esmagaram no chão de forma natural com a ajuda da gravidade.

Shia, enquanto descia, rodou elegantemente e desferiu Drücken com a força centrífuga, atingindo o Ogro de Gelo que caiu com sincronia perfeita para ser jogado contra uma parede e esmagado em pedaços como uma bomba explodindo.

A garota-coelho não parou de girar, repetindo a ação com os outros Ogros. Isso parecia mais com uma brincadeira do que um combate real.

Cada Ogro de Gelo foi esmagado contra a parede no mesmo local, fazendo com que ela recebesse considerável dano.

— Suzu será gentil com os coelhos quando voltarmos para casa. Não é inteligente irritá-los, devemos ser gentis…

— Suzu… eu entendo com perfeição seus sentimentos.

Enquanto tremia com a cena, Suzu murmurou essas declarações. Quando eles voltassem para casa, ela não iria querer segurar coelhos na Terra pelo medo.

— Eles não eram tão fortes. Um ataque surpresa de qualquer um… bom, está tudo bem se apenas nos lembrarmos disso.

Yue concordou com o que Hajime disse e Shizuku e seu grupo sorriam um pouco porque esses eram um inimigo com quem eles não teriam problemas se trabalhassem juntos.

Depois disso, o grupo encontrou várias armadilhas. Estacas de gelo saíram das parede; paredes de gelo desmoronaram. Monstros apareceram das paredes pelas próximas 12 horas enquanto eles exploravam a sala labiríntica.

Embora não fosse extremamente desafiador, o cenário contínuo e monótono fez Kouki e o resto de seus colegas perderem a atenção.

— É sério, apesar de caminharmos e caminharmos, Nagumo, quanto tempo falta?

Shizuku perguntou com uma voz um pouco exausta ao grupo de Hajime, que parecia estar muito bem.

— Hmm? Como estamos em um labirinto, a distância de uma linha reta não será precisa. Devemos estar a cerca de dois quilômetros da entrada.

— É mesmo?

— Ó, Deus… vamos descansar um pouco se encontrarmos um local adequado.

— Fufu… obrigada.

Enquanto olhava para o estado para os companheiros de Shizuku, o Sinergista falou encolhendo seus ombros. Isto fez a Espadachim sorrir e ficar entusiasmada sem perceber. Contudo, o harém de Hajime notou.

Um pouco mais tarde, eles encontraram uma enorme porta dupla, a qual a bússola indicava como o caminho a se seguir.

— Esta é uma porta bem espetacular.

— … nn, linda.

Olhando para cima, para as gigantescas portas, eles podiam ver que elas não eram feitas apenas de gelo. Ela era esculpida com flores, espinhos e rosas, com um enorme buraco redondo que parecia tomar cerca de um quarto do design da porta.

Hajime, por ora, tentou usar o poder total de seu corpo contra a porta; contudo, como ele suspeitava, a enorme porta dupla não se moveu.

— Como imaginei, a porta não se abrirá até encontrarmos o que se encaixa nessa cavidade. Quanta dor de cabeça.

O garoto ficou de cara fechada, e os outros mostraram expressões incomodadas. Já fazia mais de 15 horas desde que eles entraram, e o grupo de Kouki estava mostrando em seus rostos que ficavam cada vez mais esgotados.

— … Hajime. Por ora…

— Isso mesmo. Por ora, vamos nos preparar para descansar.

O grupo de Kouki ficou aliviado e suspirou com as palavras de Hajime. De modo óbvio, a exaustão mental deles já era considerável.

— Vocês, parem de se aproximar das paredes. É provável que eles façam um ataques surpresa, então venham para o centro se quiserem descansar.

Com isso, Hesitantemente parou a cinquenta metros de distância, pegou uma enorme tenda de sua Caixa do Tesouro. Embora isso não fosse impedir um ataque surpresa, ela forneceria abrigo.

Com surpresa, o Herói e seus amigos entraram na tenda que apareceu de modo súbito diante de seus olhos, vendo um espaço de cerca de dez tatames1 em seu interior.

— … isto é um kotatsu2!

— Uaa… um carpete macio e aquecido…

— Nem neve nem vento entram aqui. Isto é uma barreira mágica? Está uma boa temperatura nesta sala.

— Espere, isso é confortável demais! Como imaginado de Nagumo.

Shizuku disse com uma expressão impressionada com Hajime. As garotas já estavam se aquecendo no kotatsu enquanto Suzu rastejava de quatro pelo carpete felpudo.

Por enquanto, era impossível remover os sapatos dentro do grande calabouço. Entretanto, não havia problemas em mantê-los limpos. Um fragmento de cristal acoplado ao carpete estava imbuído com Magia de Regeneração. Ele automaticamente limpava qualquer sujeira ou resíduos que tocavam o carpete.

Isso mesmo, era um espaço de cura.

O grupo se aqueceu com entusiasmo no kotatsu com rostos sonolentos, exceto por Suzu, que já estava dormindo de cara no chão. Graças ao artefato para proteção contra o frio, eles não o sentiam, mas após serem cercados pelo gelo, todos estavam felizes por estarem em um espaço quente.

Assim, enquanto eram cercado de cada lado por Yue e Shia, Hajime pegou algumas Brocas de Cruz.

Enquanto o grupo observava com olhos arregalados, elas desapareceram do lado de fora para criar um anel ao redor da tenda na passagem.

— Não seremos incomodados com essas quatro patrulhando o exterior. As Brocas de Cruz vão nos dar uma oportunidade para relaxar.

— … o que foi isso?

— Contanto que você tenha as credenciais, elas não causarão nenhum problema.

— Mas elas sabem o que estão protegendo?

— As Brocas de Cruz foram configuradas para proteger a área ao redor do portão.

Para o rosto questionador de Shizuku, e os olhos desdenhosos de Kouki, Hajime respondeu enquanto inclinava um pouco sua cabeça. Yue estava a seu lado, colocando uma mão em seu rosto.

— … não está cansado?

— Esta tenda tem uma função de recuperação.

Hajime sorriu enquanto a mão de Yue suavemente acariciava seu rosto com gentileza enquanto símbolos de coração surgiam entre os dois.

E, nesse momento, duas orelhas de coelho tocaram o pescoço do Sinergista, atraindo sua atenção para Shia. Ela aproximou sua bochecha do ombro do garoto com olhos marejados voltados para cima que pareciam dizer: — Eu também?

Hajime aproximou um braço ao redor da cintura da garota-coelho e a aproximou dele com firmeza. Duplicando o número de corações aparecendo. Um espaço rosa surgiu, e quase podia se dizer que a temperatura da sala estava aumentando por algum motivo.

Enquanto observavam Tio e Kaori, que se aproximando dos três devagar, Suzu murmurou sozinha.

— … parece que este espaço não cura um coração solitário.

Kouki e os outros concordaram por completo.


Tradutor:



Notas

[1] Pouco mais de 16,5 metros quadrados.

[2] Kotatsu é um móvel muito comum no Japão, especialmente nos meses de inverno ou em regiões de clima frio. Consiste em um tipo de mesa baixa (para que caibam as pernas das pessoas sentadas à volta) com um pequeno aquecedor elétrico embutido no centro, voltado para baixo, e um cobertor grosso “lacrando” a mesa pelos quatro lados para impedir que o ar quente escape.



Fontes
Cores