Arifureta – Capítulo 136 – Campo de Neve Shunee


Planando pelas nuvens e reluzindo com a luz do sol, o dirigível Ferner podia ser visto incontestado no céu.

— Até onde os olhos podem ver há um oceano de nuvens. — Shia murmurou enquanto olhava o exterior pela janela da ponte.

— … o Campo de Neve Shunee está sempre coberto por um céu nublado. O exterior é gelado. — Yue explicou enquanto concordava com a cabeça.

O Campo de Neve Shunee e o Grande Cânion Raisen dividiam o continente do sul ao meio. Do lado oriental, estava o campo de neve pesada, que estava coberto por um clima nublado por todo o ano, mesmo durantes períodos em que não nevava, a terra permanecia sufocada por neve e gelo.

Ao leste do Mar de Árvores, preso entre a nações dos demônios de Garland e o continente do sul, este era um lugar misterioso de gelo e neve. Estranhamente, nem o Mar de Árvores nem o país de Garland eram tocados pela neve ou pelo gelo, como se uma fronteira fosse feita com uma parede intransponível.

O interior do campo de neve abrigava um consideravelmente enorme desfiladeiro, formado de gelo e neve. O último dos grandes calabouços devia estar na extremidade do desfiladeiro, a Caverna de Gelo Shunee. Em geral, um aventureiro ficaria desgastado com o frio pelo caminho até chegar a extremidade, fazendo desse um local perfeito para um calabouço.

Hajime sabia da localização da caverna de gelo desde sua conversa com Miledi1. Não se engane, ele entendia que esse era um grande calabouço. Entretanto, uma ferramenta superconveniente chamada de dirigível o permitia passar por sobre as nuvens com relativo conforto.

— Mestre, a bússola está funcionando de forma correta? — Tio perguntou.

O Sinergista estava segurando uma bússola do tamanho de sua palma em uma das mãos.

Ele a recebeu de Luluo Haltina, uma bússola criada com magia de conceito para mostrar a ele “o lugar que ele desejava”. Em todo caso, ela apontava diretamente para a caverna Shunee com uma precisão incrível.

— Ah. Está tudo bem. Isto é magnífico. A agulha não só mostra a direção que quero ir, de certo modo, também posso sentir a exata localização e a distância.

— É mesmo? Então isso parece entender o local de forma específica. Deve ser difícil descrever como isso funciona.

Kaori concordou com as palavra de admiração de Hajime. Quando eles estavam em Faea Belgaen, ele tentou experimentar ao marcar coordenadas específica usando a bússola. A exata geolocalização foi determinada de alguma forma complicada. O poder desta magia de conceito era chocante; o garoto se alegrou por poder até sentir a existência de sua casa no Japão.

É claro que as coordenadas desapareciam quando o poder exigido aumentava de forma exponencial. O consumo de magia aumentava de forma proporcional a distância do que você estava procurando. Para localizar uma coordenada na Terra, todo o poder de Hajime foi usado de uma vez. Por sorte, ele mal evitou desmaiar ao reabastecer seu poder pouco antes de ele se esgotar.

Shia voltou da janela, se aproximando do sofá em que Hajime estava sentado. A direita do rapaz, Yue sempre estava se agarrando a ele. O lado esquerdo era o lugar em que Shia originalmente se sentava. Assim, ela abandonou a janela e saltou, um olhar perplexo em seu rosto.

Assim que Hajime a observou com suspeita com o canto de seus olhos, a garota-coelho parecia nervosa e agitada. Ela parecia se sentir nervosa agora que o Sinergista começou a tratá-la como sua amada, ficando mais constrangida ao se agarrar a ele sem reservas.

A expressão de Hajime suavizou com a aparição da bela figura de Shia, agarrando a mão dela e a puxando para se sentar perto dele.

— Ah…

— Não fique com vergonha agora, nós já fomos vistos.

— … Shia é fofa.

Hajime riu enquanto a garota-coelho mostrava uma expressão impressionada, enquanto Yue falava com carinho através de olhos semicerrados. Embora Kaori desse um olhar de inveja, ela também concordou com as palavras da vampira.

Tio mostrou um sorriso pervertido enquanto se movia para se sentar ao lado de Shia no sofá.

— Kuku… certamente, Shia ficou mais fofa. Assim sendo, como foi sua primeira noite? Foi doloroso… ou isso foi bom? Por que você não conta pra nós? Vamos… vamos… deixe-nos saber…

— O que você está dizendo? É impossível responder isso!

— O que foi? Então o desempenho do Mestre foi tão fraco que você não pode falar? É isso?

— Isso não é verdade! Ao invés disso, foi incrível… muitas vezes… espere, o que você está me fazendo dizer!?

Como Shia estava sugerindo, durante a última noite em Faea Belgaen, ela e Hajime passaram a noite juntos. Yue impediu os voyeurs, incluindo uma certa princesa do Mar de Árvores que ela precisou espancar, o que deixou a outra garota se contorcendo em êxtase no chão.

A garota-coelho cobriu seu rosto com suas mãos, escondendo seu embaraço. Isso parecia ter vários significados após sua impactante primeira vez. Era uma inevitabilidade, já que você poderia considerar Hajime um guerreiro com uma longa carreira militar. Não é preciso dizer que foi Yue que o tornou no supersoldado que ele era hoje.

Enquanto lambia seus lábios, Yue mostrou um sorriso provocante que sugeria que aconteceria “uma aventura a três”; a princesa vampira erótica estaria “incluída na próxima vez”, seus olhos mostravam seus desejos profanos. Enquanto segurava Shia, o garoto encarou sua outra companheira e deu a Tio um peteleco demoníaco na testa.

Pow! Ele a atingiu com um som incrível, e todos continuaram a ignorar a ryujin enquanto ela se contorcia no chão com uma expressão de êxtase.

— Seria bom se pudéssemos completar os grandes calabouços. Quero me encontrar com Myuu o quanto antes.

Para evitar o clima constrangedor, Shia mudou o assunto enquanto ficava com uma expressão alegre e ria com desespero, mas Hajime logo retornou ao assunto.

— Além disso, devemos conseguir tempo para visitar Kam.

— Hajime…

O Sinergista acariciou a cabeça dela com gentileza, seus olhos cheios de preocupação. A garota-coelho sacudiu sua cabeça com um sorriso suave para tranquiliza-lo.

Na verdade, o Sinergista ofereceu levar Kam com eles quando ele voltasse para a Terra pouco depois de eles enfrentarem o império, mas recebeu uma resposta seca. Como ele tinha previsto, Kam e o resto de sua tribo responderam não, determinados a proteger o nome da Tribo Haulia e lutar até o amargo fim.

Assim foi decidido que Shia se separaria de sua família. Hajime suspirou. Ele era incapaz de rebater Kam, que deu um sorriso feliz enquanto dizia: — É o suficiente se você manter Shia feliz. —, o que mostrou sua determinação como um pai. Poderia ser possível ir e vir entre os mundos; contudo, eles ainda não sabiam dos limites da magia de conceitos, e também era possível que os Deuses Loucos pudessem interferir, deixando tudo mais difícil. Além disso, ele queria passar seus últimos dias neste mundo com sua família.

Shia simpatizava com esses sentimentos, o mostrando um sorriso brilhante.

— Eu já me despedi de meu pai, e apesar de isso quebrar meu coração, estou feliz, e vou ficar ainda mais feliz no futuro.

— É mesmo?

— Sim! Fufu… percebi isto quando te vi com Myuu, você é superprotetor quando se trata de família, não sabia?

Shia deu uma risada baixinha e entretida, encarando o olhar radiante de Yue enquanto abraçava o braço de Hajime com malícia.

— … nn, não devemos depender demais da gentileza de Hajime.

— Ahaha, com certeza, não será bom se dependermos demais de Hajime.

Para Kaori, que estava com uma expressão amuada enquanto olhava ao redor com desconforto, o Sinergista não podia dizer nada, já que ele parecia exatamente um mulherengo.

A porta lateral se abriu, e o grupo de Kouki entrou. O Herói e os outros estavam treinando usando os artefatos que Hajime os providenciou, e parecia que eles estavam descansando. Eles se sentaram em outro sofá enquanto ignoravam Tio, que tinha um inchaço na testa e um olhar nojento em seu rosto.

— Então, como estão os artefatos, vocês estão se acostumando a eles?

— Ah, isso é surpreendente. A potência foi dobrada, os benefícios adicionais serão muito úteis.

Para a pergunta do Sinergista, Kouki mostrou uma expressão complicada enquanto acariciava a espada sagrada presa em sua cintura, reconhecendo o aumento na força.

— Enquanto ser capaz de caminhar no ar seja algo estranho, isso é mesmo muito incrível. Isso será bastante útil assim que nos acostumarmos, sem mencionar a habilidade de aumentar e diminuir o peso.

— Suzu também está extremamente satisfeita com isso. Isso parece muito mais fácil de usar agora. Obrigada Hajime-kun!

— Eu também não estou com problemas. No entanto, estou com medo de isso ser forte demais. Contudo, não saberemos de nada até conseguirmos um pouco de experiência de combate real.

Todos pareciam satisfeitos com os artefatos modificados que Hajime preparou. Todos estavam com espíritos de luta adequados para enfrentar o último calabouço, em especial Suzu, cuja vontade para encontrar Eri mais uma vez estava evidente.

— Isso é bom. Sua força de luta deve aumentar em várias vezes se vocês dominarem suas novas habilidades, se esforcem para não acabarem esmagados no território dos demônios.

Embora Hajime demostrasse uma atitude rude, o poder que ele deu a seus colegas era real. Com sua ajuda, Suzu alcançaria seus objetivos, a opinião dela e do resto do grupo era que o Sinergista era um “Tsundere”, mas eles não diriam nada porque ele ainda era um pouco assustador.

Nesse momento, o olhar de Hajime inesperadamente se voltou para seu objetivo. O clima mudou de um relaxado para algo mais sério.

— … já chegamos? — Yue perguntou.

— Ah, está na hora de descer.

Com o comando do rapaz, Ferner mergulhou dentro do mar de nuvens, e os olhares de todos ficaram sérios assim que olharam pelas janelas.

Após poucos segundos descendo por entre nuvens brancas, Ferner foi envolvido por uma tempestade de neve fria o suficiente para congelar se casco em um instante.

— Isso como certeza é um frio severo, como você disse, essa não é a vocação desta.

Tio resmungou enquanto tremia e encarava a paisagem prateada envolvida por nevascas com olhos descontentes.

— Todos, guardem o artefato que estou entregando a vocês, isso irá protegê-los contra o frio, o que irá ajudar em muito a sobrevivência neste calabouço.

— … nn, tudo que Hajime faz a mão, espetacular.

— Isso é verdade, a parte com o cristal de neve é linda.

— Este é meu terceiro presente de Hajime… ehehe.

— … Mestre, por que um boneco de neve minúsculo? Apesar de ser fofo por si só, esta estava esperando por um acessório com um design mais elaborado.

Cada pingente que Hajime entregou oferecia proteção contra o frio. Havia um cristal de neve feito com uma pedra de azul-clara translúcido inserida em um design elaborado que parecia absorver a luz.

Apenas Tio recebeu um pingente que tinha um boneco de neve, mostrando um sorriso enorme com característica alegres. Ela ficou com uma expressão melancólica enquanto comparava seu pingente com os das outras.

— Quando você fizer algo a respeito de suas inclinações, vou te presentear com algo melhor.

— Isso significa que esta humilde existência… não é digna de um presente feminino? Isso é cruel demais Mestre. A diferença, o desagrado é doloroso demais. Por favor, dê a esta um presente melhor!

— … portanto, está decidido que você não melhorará seu comportamento?

Suzu e Shizuku trocaram olhares de surpresa enquanto Tio abraçava Hajime e mostrava um olhar que indicava que estava a ponto de chorar.

— … Shizu, Shizu, isso não é apenas uma pedra? Nesse caso, um boneco de neve não seria muito melhor?

— Suzu, por favor, não aponte essa diferença no tratamento, porque isso é triste demais…

— É mesmo? Se é efetivo, qual é o problema?

— … Ryutaro, não acho que esse seja o problem.

Na mão de Shizuku não havia nada além de uma pedra comum que você encontraria em qualquer lugar, além de sua capacidade de proteger contra o frio. As decepcionadas Suzu e Shizuku encolheram os ombros após compararem seus pingentes com os que as outras garotas receberam. Pela primeira vez, Kouki foi capaz de reconhecer a situação, diferente do normal.

Enquanto isso, Ferner chegou ao Desfiladeiro de Gelo e Neve, onde a entrada para a calabouço de gelo e neve levaria para o grande calabouço.

Enquanto operava Ferner, Hajime navegou usando visão de longo alcance, e embora isso normalmente levasse algum tempo para se localizar, com a ajuda do dirigível, esse tempo foi diminuído de forma significante. Contudo, assim que chegaram no fim do desfiladeiro, a entrada da caverna ainda não tinha sido encontrada.

— … nn? Ele acaba aqui? A bússola diz que ainda é mais para frente.

— … Hajime, olhe.

— O quê?

Yue apontou para a tela de cristal que mostrava os arredores, ativando uma função de zoom. O Sinergista olhou para onde ela indicava, vendo que a largura do desfiladeiro aparentemente se estreitava mais à frente. O gelo e a neve se acumularam, criando uma enorme passagem em forma de domo, levando para o interior.

— Não há outro caminho. Há cerca de um quilômetro até a caverna. Parece que vamos caminhar a partir daqui.

— Esta é a primeira vez que vejo a neve, isso parece ser divertido.

Entre todos que começaram a se mover com as ordens de Hajime, apenas Shia parecia estar animada. Ela era como uma criança em um trem que fica de pé em seu assento para olhar para o exterior enquanto eles passavam pelo cenário prateado.

Embora fosse parecido com a vez em que Shia viu o oceano pela primeira vez, a forma com que o Sinergista olhou para ela era diferente. Uma Shia com suas orelhas de coelho balançando de forma extravagante enquanto ela brincava com a inocência de uma criança era muito adorável. Ele parecia querer abraçar ela com força, e foi necessário que ele se segurasse para impedir isso.

Enquanto coçava sua cabeça, Hajime se concentrou em guiar Ferner pelas profundezas da ravina que logo se tornou estreita demais para aterrissar de forma apropriada.

O garoto abriu a escotilha inferior para o exterior… e foi imediatamente atacado por enormes faixas de neve em seu rosto. O artefato que protegia contra o fio não fornecia qualquer barreira, ele só mantinha a temperatura da pessoa dentro de uma escala constante e adequada. Enquanto tentava não ser cegado, ele se cobriu depressa com um casaco.

— Uaa, isto é neve? Ela é dura e fofa!

Assim sendo, apenas Shia ficou animada. Enquanto seu corpo era esmurrado com a tempestade de neve, ela estava ocupada estampando seus pés e escavando a neve sem reservas, seus olhos cheios de divertimento.

— Ei, Shia. Vamos lá, você está ficando animada demais… ei, você está escutando?

Enquanto a garota-coelho brincava, ela parecia não ouvir as palavras de repreensão que Hajime proferiu. Ao invés disso, ela brincou na neve branca que se acumulava aos montes energeticamente enquanto erguia sua voz.

— E ela caiu dentro de um abismo, é claro que isso ia acontecer…

Enquanto Shia pulava na neve, o chão desmoronou sobre seus pés enquanto Hajime murmurava algo com uma voz de narrador voltando olhos de desprezo para a recém-formada fenda que se abriu em um enorme buraco.

A garota-coelho caiu dentro de uma rachadura na terra enquanto dava um grito: — Ahhh!!! — Havia uma fissura que acompanhava o desfiladeiro, mas a neve acumulada fez com que fosse impossível para se notar.

— Você vai se acalmar antes de Shia morrer? Ei! Shiaaaa!

As aturdidas Shizuku e Suzu começaram a entrar em pânico enquanto ficavam com rostos pálidos. Enquanto isso, Kouki e Ryutaro estava sem palavras devido a situação.

— Sosseguem, Shia não será derrotada por uma queda dessas. Além disso, nós também precisamos descer.

Hajime considerou a situação como se não fosse nada demais e então pulou 400 metros de altura dentro da fenda atrás de Shia e sem um momento de hesitação. Yue também pulou atrás deles.

Todos receberam um artefato que providenciaria o efeito da aerodinâmica, o que os permitiria um método para reduzir a velocidade de queda. É claro que Suzu poderia apenas criar uma barreira com efeito de absorção de energia. Não deveria haver nenhum problema para o grupo de Kouki, apesar de ser contrário ao senso comum saltar de um penhasco.

O grupo de alunos espiou a ravina em silêncio e com olhos marejados com o pensamento de pular da borda.

— Por que vocês estão hesitando? Não há tempo a perder! Vocês não estão tentando se esforçar?

Tio não poderia ficar esperando por eles e assim os deu um empurrão tanto emocional quanto físico. Com o sentimento de ser empurrada como se fosse uma praticante de bungee jumping2, Suzu foi forçada a saltar.

— Espere, eu vou, eu vou… Suzu é uma pessoa que pode fazer isso se você deixar, só me deixe ir no meu próprio ritmo!

— O dia está acabando enquanto você fica dizendo isso. Veja, venha aqui.

— Yaa… espere, por favor, não me empurre. Eu vou fazer isso eu mesma, eu vou fazer eu mesmaaaaaa…

Tio Ergueu Suzu e então a atirou na direção do fundo da ravina. O grito se perdeu enquanto a garota caía na ravina, sua voz ecoando de forma magnífica.

Tio se virou e deu a Kouki um sorriso que deixou o garoto pálido. Aquele sorriso eloquente os dizia: — Quem é o próximo?

— Shizuku Yaegashi. Partindo!

Dizendo isso para tentar evitar ser atirada para fora, Shizuku saltou para o penhasco com a bela forma de um nadador mergulhando em uma piscina.

Kouki e Ryutaro soltaram um — Uoo! — e — Bravo! — antes de passarem por Tio e pularam para a ravina com um grito.

— Hum-hum, é bom ser energético, não é? — Tio acenou com a cabeça antes de ela mesma pular.


— Se acalme Suzu. Não chore!

Mal contendo as lágrimas enquanto atravessa o desfiladeiro de gelo e neve.

Suzu estava tremendo, e parecia que sua queda só foi parada com a ajuda do desespero. Na realidade, a verdadeira razão para ela estar chorando era o fato de ela ter se urinado um pouco, mas isso era algo que ela não poderia dizer.

Shizuku, Kouki, e Ryutaro tentaram conforta-la, contudo, as três pessoas tinham pouca força sobrando após suas próprias experiências com o bungee jumping sem corda.

— Suzu, é tão macia… e fofa.

— Por favor, não faça isso para se confortar.

Hajime retorquiu enquanto lançava um olhar a Suzu, que parecia um pequeno animal sob os cuidados de Kaori.

Nesse momento, um som veio do canto da parede perto do fundo da ravina onde o Sinergista estava, seguido de um grito — Uryaaa!!

Uma parte da parede desabou com um som ribombante. Então, Shia saiu calmamente com Drücken apoiado em seu ombro.

Iya… para ser pega por uma armadilha tão astuta, minha inocência foi usada contra mim! Coff.

— Você é estúpida? Apesar de não ser um grande calabouço, aqui ainda é perigoso, não se esqueça disso!

— Ah… desculpe… eu me empolguei um pouco…

Com um sorriso falso, Hajime repreendeu Shia atingindo a cabeça dela com um soco. Assim que ela encolheu seus ombros de forma abatida, o garoto agarrou a bochecha dela.

Enquanto punia a bochecha da garota-coelho com uma mão, ele segurava a bússola com a outra. O item indicava que caminho seguir na ramificação à frente.

— Vamos logo, não fiquem parados absortos em seus próprios mundos para sempre, andem. — Hajime gritou e Suzu pareceu recuperar sua energia perdida, concordando com vigor renovado.

Tudo na área adjacente estava coberto com gelo e neve, e a água não corria. Estava tudo congelado? Até com a tempestade de neve no vale acima, o ar frio surgia, tornando uma temperatura moderada impossível.

Se eles não tivessem os artefatos para proteger contra o frio, quanto de suas forças físicas seria tomado? Quando a noite caía, a temperatura podia chegar a -30º, ou até menos.

Massas e pingentes de gelo que pareciam crescer do chão apareciam mais e mais quanto mais eles avançavam. O vento também parecia soprar mais forte e a temperatura continuava a cair.

— Isto é um pouco difícil. — Tio estava com uma expressão preocupada e caminhava com alguma dificuldade.

— Devemos estar dentro dos 500 metros. É perigoso com a neve esvoaçando ao redor e obstruindo nossas visões. Tio, você pode por favor dispersar o vento?

— Entendido.

Com o pedido de Hajime, Tio reuniu sua magia para desviar o vento para a esquerda e para a direita. Entretanto, antes de ela executar essa ação, uma objeção foi feita.

— Espere, isso, deixe Suzu fazer isso!

Isso mesmo, foi Suzu.

Com um espírito de luta, a garota agarrou seus dois leque com estrias de ferro que eram os novos artefatos criados pelo Sinergista.

Os leques foram impregnados com magia da era dos Deuses da mesma forma que a espada de Shizuku foi modificada. Particularmente, usando a recém-adquirida magia de sublimação, formações mágicas foram gravadas no leque com estrias de ferro e o envolveram de acordo.

Embora ela tenha praticado no convés de Ferner, isso era o bastante para usar o equipamento de forma apropriada? Ele também tinha a função de absorção de magia. Usar isso enquanto prestava atenção ao uso de magia era uma boa ideia para reduzir seu consumo.

Tio deu a Hajime um olhar questionador e ele acenou com a cabeça em aprovação.

— Legal, então vamos fazer isso! Escudo Sagrado!

Assim que a aluna recitou o nome da magia, uma barreira translúcida cercou a todos com uma luz aquosa. A barreira desenhou uma curva folgada em direção a frente, gerando uma onda de luz que ondulava com força da porção central para o exterior.

O escudo sagrado era uma magia defensiva, fornecendo a capacidade de distribuir a energia de um objeto que entrava em contato com ela. Uma das características dos leques era a capacidade de criar a barreira sem um encantamento. A força do escudo tinha um nível médio quanto a eficiência.

De acordo com o plano de Suzu, quando a neve e o vento atingiam a barreira, o poder era dispersado e jogado para o lado, suavizando isso para uma brisa suave.

— … nn. Nada mau. — Yue deu sua impressão após ver a barreira de Suzu.

A barreira mágica foi evoluída com a ajuda da sublimação, vendo que o nível chegou em um ponto em que até um gênio como Yue estava disposta a reconhecer. Suzu mostrou um enorme sorriso com o elogio.

Com a tempestade desviada, eles continuaram a se mover com muito mais facilidade. Assim que Hajime continuou, ele de repente parou, encarando sua frente com olhos apertados.

— … então é isso?

Quando os outros seguiram o olhar de Hajime, havia uma rachadura com um lindo triângulo isósceles na ponta de um beco sem saída. A agulha da bússola apontava para frente. Então esta era a caverna de gelo e neve.

— Parece que estamos aqui, mas, Hajime…

— Ah, já entendi, todos, se preparem. Algo está vindo!

Os olhos de Shia se estreitaram perigosamente, enquanto suas orelhas de coelho balançavam. Ela detectava dois ou mais sinais de algo na escuridão da caverna. Enquanto Yue, Kaori e Tio permaneceram calmas como sempre, tensão intensificou-se em Kouki e seu grupo.

Na mesma hora…

Ggigigigigigigi.

Ggigigigigigigi.

Ggigigigigigigi.

Ggigigigigigigi.

Ggigigigigigigi.

Enquanto dava um grito estranho, um monstro com um corpo estranho saiu da caverna, se movendo com ferocidade.

Com uma aparência parecida com um gorila coberto por cabelo branco, ele possuía três metros de altura e caminhava com duas pernas, diferente de um gorila.

Você poderia até chegar a chamá-lo de…

— Iéti3?

— Como era de se esperar… em um mundo paralelo, encontrar um AMNI4 em uma montanha de neve nesse tipo de lugar…

Kaori estava com um sorriso tenso, enquanto Hajime sacava Donner enquanto murmurava, entretanto, desta vez, Shizuku o deteve.

— Nagumo-kun. Embora seja difícil, por favor, nos deixar cuidar disso sozinhos. Kouki… Ryutaro. Suzu!

— Isso!

— Bom, vamos fazer isto!

— Nós com certeza não perderemos!

Kouki e o resto dos alunos disparou para frente após ouvirem a ordem de Shizuku. Na realidade, eles queria adquirir experiência de combate real usando os novos artefatos, embora Kaori parecesse querer ajudar.

Hajime, de pé ao lado de Yue, apenas encolheu seus ombros, contente em observá-los. Apenas a Curandeira parecia preocupada, suas mãos juntas como se ela estivesse rezando.

— Desperte “Espada Negra”.

Na frente de Hajime, Shizuku recitou a invocação em voz alta, realizando o primeiro ataque.

— Rasgue tudo, “Garras Voadoras”!

A habilidade garras voadoras foi executada, e ela se aproximou do Iéti com um ataque invisível e mortal, contudo, o monstro parecia se mover com intuição animal. Eles se espalharam como ninjas, desviando do ataque por completo.

No entanto, Shizuku assumiu que eles esquivariam desde o começo.

— Suzu!

— Entendido, deixe com a gente!

Em um instante, Kouki e Suzu se moveram para interceptar o ataque de resposta enquanto a magia invocada por Suzu atingia a terra sob o Iéti mais próximo.

— “Barreira Elevada”, “Santa Severa”!

O leque com estrias de ferro se virou com um brilho, uma barreira esferoide brilhou com força ao redor da terra sob o monstro. Não era uma barreira para impedir o ataque, mas uma com o intuito de confinar o Iéti.

Após confinado em um domo, o monstro tentou escapar ao rasgar a magia com suas garras.

Nesse momento, uma sombra apareceu sobre Suzu, outro Iéti surgiu pulando, embora Kaori tenha o visto chegando e tentasse gritar um aviso, a magia de sua colega já tinha sido executada.

— “Barreira Explosiva”!

Uma barreira se estendendo em um metro por todos os lados apareceu acima de Suzu, e o golpe do Iéti surgiu depois disso, criando um som ao ser bloqueado pela barreira.

E nesse momento…

Dogoon!!

A barreira explodiu de forma magnífica com um rugido efetivo. Sem a influência da Mestra de Barreiras, a barreira conservou sua direcionalidade, a magia laranja ondulou enquanto espalhava os restos da barreira para cima.

O corpo do Iéti foi rasgado pelos restos da barreira assim que foi quebrado com o impacto. Ele foi atirado para longe por quase dez metros enquanto derramava sangue. Embora ele mostrasse um olhar queimando com ódio para Suzu, o monstro esperou com mais cautela. Não… era provável que ele estava com problemas para se mover após o impacto.

De qualquer forma, como o leque com estrias de ferro recebeu um aspecto de “conversão de impacto” para a formação de sua barreira, o Iéti foi repelido. Ou melhor… essa era uma invocação chamada de barreira explosiva.

Do outro lado, o monstro que ainda estava preso na barreira elevada não recebeu nenhum dano, mas foi forçado a se agachar devido ao peso da magia da gravidade; o efeito duplo selou seus movimentos.

Suzu estava suprimindo com firmeza dois Iétis, segurando seus leque de ferro com vigilância contra o outro monstro que avançava.

Shizuku escolheu um caminho indireto usando movimento de alta velocidade para trás da criatura. Ela acelerou o saque da espada, deslizando-a pela bainha usando sua habilidade de esgrima. Você nem poderia ver a lâmina, apenas os traços pretos salpicando o ar.

— Giiii.

A velocidade foi tamanha que o monstro ainda escapou com um corte irregular em suas costas, apesar de o Iéti desviar, ele evitou por pouco um ferimento mortal.

Inúmeros pingentes de gelo subitamente explodiram do chão ao redor da Espadachim. Ao que parecia, o Iéti tinha uma magia peculiar de manipulação de gelo.

Embora Shizuku desviasse dos cristais de gelo ao pular para longe, eles surgiam do chão e a perseguiam como mísseis.

Em contrapartida, a Espadachim recitou enquanto cruzava sua espada negra com sua bainha.

— Conheça a “Atração Celestial”!

Quando os espinhos de gelo voaram contra Shizuku, eles mudaram de órbita para encontrar a lâmina e bainha da espada negra, como se fossem atraídos para um ímã, incapazes de alcançar o corpo da garota.

— Voe, “Separação Celestial”!

Todos os pingentes de gelo que surgiram em sucessão se uniram no ar assim que eles retornaram.

Atração Celestial e Separação Celestial usavam a ação da magia da gravidade para atrair e afastar objetos.

O disparo acabou retornando para o Iéti que o invocou, mas mesmo com seus movimentos entorpecidos pela ferida em suas costas, ele conseguiu desviar, deslizando seus pés sobre o gelo.

— … de certo modo… isso pareceu profissional.

Shizuku murmurou enquanto aterrissava. Enquanto ela o encarava, o Iéti estava criando uma estrada de gelo para deslizar, se movendo e balançando seus braços para frente em uma postura curvada que lembrava a de um patinador. Sua velocidade aumentou de modo drástico.

O monstro confrontando Kouki também estava deslizando ao redor do fundo da ravina, usando lindos movimentos como os de patinadores enquanto criava gelo para seguir em frente, provavelmente compensando pelos movimentos entorpecidos.

Três dos Iétis se afastaram um pouco e formaram uma fila, até seus braços se moviam em sincronia completa enquanto eles se aproximavam com um som que transmitia uma sensação energética.

— Se eles vêm pela frente, as coisas ficam convenientes.

Kouki ficou ao lado de Shizuku. A luz de sua espada sagrada focou e ele ficou com uma postura arrogante.

E…

— Tomem isto, “Lâminas Crescentes”!

O ataque mortal desenhou uma curva brilhante, a descarga conduziu a um impacto que se espalhou pelos arredores.

O ataque mortal não possuía seu poder total, mesmo que o poder original da espada sagrada fosse o suficiente para destruir o Iéti. O poder não mudou, mesmo com Kouki gritando o nome da técnica. Nesse momento, os monstros pareceram evitar o ataque com um método inacreditável.

— Um axel5 triplo? — Kouki soltou uma voz de descrença.

Assim como declarado, os Iétis realizaram um axel triplo em resposta ao ataque mortal, evitando um impacto direto. Os três Iétis reunidos como uma linha apenas mudaram nesse momento, pulando de forma bastante artística e eficiente.

Os três monstros pularam sobre o ataque de Kouki enquanto giravam… o ataque errou o alvo por um fio de cabelo, e eles aterrissaram todos em sincronia.

— !?

— Uo!

Shizuku e Kouki se afastaram para criar um pouco de distância enquanto evitavam os chutes que se seguiram.

UraaaAA!!

Ryutaro se aproximou por trás e atacou com seu punho do lado, provocando uma onda de choque. Entretanto, os Iétis se curvaram para trás, deslizando no gelo recém-criado. A imagem deles deslizando com ambos os pés parecia um movimento da famosa patinadora do gelo, Ina Bauer6.

— Você está me sacaneando?

— Se acalme Kouki!

Kouki, que estava determinado a capturar o Grande Calabouço desta vez, estava cerrando seus dentes enquanto lutava contra seu primeiro inimigo.

Os Iétis se aproximaram dos três lados ao realizarem movimentos imprevisíveis que o Herói só poderia estimar, continuando seu assalto. Qual era a melhor manobra que eles tinham? A rotação tripla? Além disso, suas mãos se expandiam imensamente, uma enorme escavadeira parecia se aproximar de todos os lados.

— Ha… “Desabrochar Cintilante”!

Soltando um suspiro para os olhares triunfantes dos monstros enquanto giravam ao redor deles, a excelente visão cinética de Shizuku estava em uso e sua expressão parecia desagradável. Ela sacou sua espada enquanto murmurava um encantamento ao mesmo tempo que saltava para cima usando aerodinâmica e incitava Kouki a acompanha-la.

Os três Iétis aterrissaram no lugar em que Shizuku estava um segundo atrás. Cortando-os com suas garras, eles aterrissaram de forma esplêndida, mas os que aterrissaram foram apenas dois deles.

Gigii?

O terceiro foi cortado em dois pelo desabrochar cintilante, uma habilidade que cortava o próprio espaço.

— Vejam Kouki, Ryutaro, ignorem os movimentos estranhos deles e apenas acabem com eles depressa, estou indo até Suzu.

— Ah… merda, um inimigo desses tão de repente…

Kouki disparou com um humor péssimo enquanto lançava palavras abusivas em resposta a fala de Shizuku. Enquanto isso, Ryutaro ficou acostumado com os movimentos dos monstros, e ele também começou a encurralar um deles.

Shizuku se aproximou de Suzu, que estava se mantendo estável contra um Iéti coberto por ferimentos graças a sua manipulação de barreiras. O pescoço de um Iéti pego com a Barreira Elevada foi cortado em um instante.

Vendo isso, a garota liberou o restante do monstro de sua barreira, e foi procurar por Kouki e Ryutaro enquanto eles acabavam com os dois últimos Iétis.

Eles estavam com expressões revigoradas após finalmente derrotarem os Iétis com uma vitória completa. Então eles foram recebidos por Hajime, ostentando um sorriso estranho.

— Querem saber, pode ser interessante levá-los para a Terra, ficaremos famosos por descobrir o primeiro Iéti patinador de gelo!

— Você é irritante, seu demônio piadista… não podemos apenas deixá-los aqui?

Kouki surtou. A primeira luta por fim chegou ao fim quando eles se esforçaram com seriedade.

Enquanto Ryutaro dava uma risada e Kouki suspirava, Hajime encolheu seus ombros e se virou, caminhando na direção da caverna. Kaori disse a Shizuku: — Isso foi incrível. — A Espadachim ficou com um olhar constrangido. Suzu enviou a Yue um olhar de expectativa enquanto tinha a cabeça afagada com um: — Não foi tão ruim. — como elogio de uma irmã mais velha desatenta. Parecia que a garotinha que tinha um velhote pervertido em seu interior estava secretamente almejando Yue.

— Bom, assim sendo, vamos começar com o último Grande Calabouço. — As palavras de Hajime ecoaram pelo desfiladeiro de gelo e neve.

Essa foi uma frase com o objetivo de focar a mente de todos e fazê-los se esquecerem dos Iétis patinadores enquanto eles avançavam para o último dos sete grandes calabouços, a Caverna de Gelo e Neve do Campo de Neve Shunee.


Tradutor:



Notas

[1] Miledi revelou as localizações dos Grandes Calabouço no capítulo 49, após ser derrotada por Hajime, Yue e Shia.

[2] Bungee Jumping é um esporte radical praticado por muitas pessoas que consiste em saltar de uma altura em um vazio amarrado aos tornozelos ou cintura uma corda elástica. Este esporte é derivado do Naghol, que é uma espécie de prova de iniciação pela qual os rapazes de uma aldeia ao sul da Ilha de Pentecostes, em Vanuatu, têm de passar para poderem ser chamados de adultos.

[3] Iéti (literalmente “homem da montanha” em nepalês), ou Abominável Homem das Neves, é o nome dado a uma criatura que supostamente vive na região dos Himalaias.

[4] UMA (sigla em inglês para Unidentified Mysterious Animal, literalmente “Animal Misterioso Não-Identificado” em português) é o termo usado no Japão para se referir a criptidos, uma criatura cuja existência é sugerida, mas para a qual não existem provas científicas para comprovar. O termo abrange criaturas lendárias como o Iéti, o Pé-grande, o Chupa-cabra e o Monstro do lago Ness, assim como espécies extintas cuja sobrevivência é sugerida pelos criptozoologistas, como alguns dinossauros.

[5] O Axel é um salto da patinação artística em que o atleta salta de frente. Recebeu seu nome em homenagem ao patinador norueguês Axel Paulsen, que, em 1882, foi o primeiro a realizar o salto. Comparado com os outros tipos normais de salto, o Axel tem uma meia rotação extra no ar devido à sua decolagem de frente. A maioria dos patinadores realiza este salto com rotação no sentido anti-horário, saltando com o pé esquerdo (curva externa) e pousando com o pé direito (curva externa), de costas. O Axel também pode ser realizado como um salto duplo, com duas rotações e meia, ou como um salto triplo, com três rotações e meia. Até a presente data, nenhum patinador completou um Axel quádruplo em competições.

[6] Ina Szenes-Bauer (Krefeld, 31 de janeiro de 1941–13 de dezembro de 2014) foi uma patinadora artística alemã. Ela foi campeã alemã três vezes (1957–1959) e inventou um elemento da patinação que leva seu nome. Na patinação, Ina Bauer é um movimento em que o patinador fica com seus dois pés paralelos.



Fontes
Cores